quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Carteiras de identidade digitais já podem ser emitidas em Curitiba, Londrina e Cascavel

Fonte: Governo do Paraná

O secretário da Segurança Pública, Luiz Fernando Delazari, informou, na manhã desta quarta-feira (26), que todos os postos do Instituto de Identificação de Curitiba já estão emitindo carteiras de identidade digitais em até 48 horas. A nova carteira também já pode ser feita em Londrina e Cascavel. O anúncio foi feito ao lado de Nizan Pereira, presidente da Companhia de Informática do Paraná (Celepar), durante visita ao órgão.

“O sistema está todo informatizado e as carteiras serão todas digitalizadas. Isto diminui em muito o tempo de emissão do documento e, principalmente, melhora a segurança do Estado já que dificultará as falsificações e praticamente não permitirá que pessoas mau-intencionadas tirem várias vias do mesmo documento para aplicar golpes”, explicou Delazari.

O secretário conheceu o Centro de Controle da Divisão de Operações da Celepar, onde uma equipe acompanha todo trabalho da Celepar com os órgãos do governo. Além o Centro de Controle, ele também conheceu o “Mainframe” e o “Blade”, que são máquinas, que funcionam como um banco de dados onde são armazenados diversos dados das secretarias. “Estamos sempre estreitando laços com a Secretaria da Segurança, que vem fazendo um grande trabalho”, destacou Nizan Pereira. Delazari também conheceu o local onde são impressas as novas carteiras de identidade.

2008 - A expectativa do secretário da Segurança é que Foz do Iguaçu e Maringá iniciem a emissão das novas carteiras a partir de janeiro de 2008. “Com a chegada do novo modelo de carteiras de identidade nestas duas cidades, quase 50% da população paranaense já estará tendo acesso à nova tecnologia. Espero que até o final de 2008, a população do Paraná inteiro tenha acesso a ela”, informou Delazari.

Com investimentos de mais de R$ 9 milhões, a modernização do Instituto cria, além do modelo da nova cédula de identidade, um banco de dados atual e digitalizado que permitirá, entre outras coisas, a identificação de criminosos a partir de informações colhidas no local do crime.

A nova carteira não é e nem poderá ser plastificada pelo usuário. No documento, a digital, a fotografia e a assinatura serão digitalizadas e impressas. O número do Registro Geral (RG) também está impresso na frente do documento e não apenas no verso. Vários outros sistemas de segurança como marca d´água, impressão de microletras, código de barras servirão para o reconhecimento da legitimidade do documento.

PRAZO - Outra boa novidade para a população é a diminuição do prazo de recebimento da carteira. A partir de feito o requerimento no posto do Instituto a pessoa receberá seu documento no prazo de dois dias em Curitiba e de até cinco dias úteis em Londrina e Cascavel. Todos os documentos, que antes eram feitos no próprio Instituto, agora irão digitalmente para a Celepar que será a responsável pela impressão das novas carteiras.

“As pessoas que já têm sua identidade não precisam correr até o posto do Instituto para fazer a nova cédula. Essa troca acontecerá aos poucos, sem correria e sem filas”, explica o secretário. O usuário não precisa mais “sujar os dedos” já que tanto a assinatura como a coleta das digitais são feitas através de um equipamento eletrônico nos mesmos moldes da carteira de motorista feita pelo Detran-PR.

CRIMES – Toda a modernização do Instituto de Identificação do Paraná está baseada na implantação do Sistema Automatizado de Identificação por Impressões Digitais (Afis, na sigla em inglês), também feita pela Celepar. Este sistema é o meio mais rápido, seguro e preciso hoje, em todo o mundo, para identificar uma pessoa através de suas impressões digitais. O sistema Afis é utilizado por polícias de diversos países para identificar o cidadão em um universo de milhões de impressões digitais e agora será realidade no Paraná para o combate à criminalidade.

Aqui no estado, mais de um milhão de fichas com digitais colhidas à base de tinta serão digitalizadas para começar a formar o banco de dados estadual. Além disso, o Instituto de Identificação já atualizou as fotos e as digitais de praticamente todos os presos no estado para que já possam ser colocados no sistema Afis. A partir de março, com a implantação definitiva do sistema todas as digitais e fotos colhidas para as identidades também entrarão neste banco de dados.

“Este sistema permite identificar quase que imediatamente um criminoso a partir das digitais colhidas no local do crime. Poderemos até, por exemplo, resolver crimes de dez anos atrás, se tivermos a digital colhida para fazer a comparação no sistema Afis”, explicou o secretário.

Com o sistema implantado, papiloscopistas do Instituto de Identificação passarão a fazer plantões para atender locais de crime e colher impressões digitais. “Com o banco de dados criado e atualizado teremos uma grande e moderna ferramenta de combate à criminalidade no Paraná”, disse o secretário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário