terça-feira, 31 de março de 2020

�� Bolsonaro pode ser afastado por 180 dias – Direito à alimentação nessa...

100.000 mortes nos EUA COVID-19 OK com Trump


Por Stephen Lendman

No fim de semana, o diretor do CDC, Anthony Fauci, disse que espera "milhões de casos (US COVID-19) ... entre 100 e 200.000" mortes.

Comentários como o descrito acima, quando a maioria das pessoas já está morrendo de medo por uma batida diária de medos no COVID-19, facilitam a imposição e manutenção de políticas draconianas destinadas a corroer os direitos humanos e civis.

Abrigos temporários, distanciamento social e ordens de bloqueio terminarão quando a costa estiver limpa.

Outros direitos perdidos não podem ser restaurados ao estado anterior. Os EUA e outras autoridades dominantes buscam controle sobre suas populações, notadamente querendo suprimir a dissidência.

Fauci não explicou o que há no site do CDC sobre gripe / gripe sazonal.

Durante a temporada de gripe de 2018-19, ocorrida entre outubro e maio, houve mais de 35,5 milhões de doenças, mais de 16,5 milhões de consultas médicas, cerca de 490.600 hospitalizações e cerca de 34.200 mortes - sem manchetes que causam medo sobre uma epidemia real.

Repete-se anualmente com números semelhantes ao que está acima - sem abrigo, distanciamento social ou bloqueio ordenados, sem fechamento em massa de estabelecimentos de varejo ou cancelamentos de eventos públicos.

A vida prossegue normalmente, apesar de uma epidemia em larga escala que ocorre como um relógio anualmente nos EUA e em outros países.

Por semanas, Trump negou que o COVID-19 ameaçasse os americanos. Em 21 de janeiro, ele disse: "Temos tudo sob controle ... vai ficar tudo bem".

Vez após vez, ele culpou falsamente a China por surtos nos EUA, em 2 de fevereiro, dizendo “(e) praticamente o impedimos de entrar na China (sic)”.

Em 10 de fevereiro, ele afirmou que os surtos iriam "milagrosamente desaparecer ... até abril (sic)".

Duas semanas depois, ele disse falsamente "(w) está muito próximo de uma vacina" que requer muitos meses para se desenvolver, provavelmente não estará disponível até o final do ano e será perigosa para a saúde humana quando possível.

Indiferença dos EUA à saúde pública: a vergonha da nação

Na mesma época, ele disse falsamente que existem apenas "15" casos nos EUA que "dentro de alguns dias (serão) próximos a zero (sic)".

Ele mentiu dizendo que "(w) o que quer que aconteça, estamos totalmente preparados (sic)".

Cinco semanas depois, os EUA têm cerca de 164.000 casos até segunda-feira, números que aumentam acentuadamente a cada dia - surtos nos EUA excedendo outros países, incluindo mais de 3.200 mortes.

Ao longo de seu mandato, Trump mostrou repetidamente e consistentemente e continua a mostrar indiferença em relação à saúde e bem-estar humanos.

Segundo ele, de 100 a 200.000 mortes nos EUA mostrarão que ele "fez um bom trabalho (sic)".

Os críticos bateram em sua insensibilidade. Charles Idelson, do National Nurses United, disse que "(a) o serial killer ficaria com ciúmes".

No domingo, Trump afirmou que meados de abril será o "ponto mais alto" dos surtos. Eles começarão a descer de lá (sic) "- citando nenhuma evidência para apoiar sua reivindicação, porque não há nenhuma.

Estendendo as diretrizes de distanciamento social até o final de abril, ele afirmou que "(o) será um dia de celebração (sic)".

A grande maioria dos americanos não tem nada a esperar, exceto o desemprego permanente ou o subemprego, ganhando salários de pobreza com poucos benefícios, juntamente com a erosão constante de seus direitos humanos e civis fundamentais.

Essa é a realidade perturbadora hoje em dia nos Estados Unidos: eu não me importo com as pessoas comuns.

A nação sob as duas alas direitas do Estado de partido único serve exclusivamente sua classe privilegiada - às custas da maioria dos outros.


Um comentário final


Por ordem executiva, sexta-feira, Trump autorizou o departamento de guerra e o DHS a ativar até cerca de um milhão de reservistas e forças da Guarda Nacional por até 24 meses, sob o pretexto de combater o COVID-19.

Emprestando linguagem da Declaração de Independência dos EUA, nunca antes "no decorrer de eventos humanos (era) necessário" ativar até um milhão de militares para combater a gripe ou qualquer outra doença.

Trump tem outra coisa em mente - mais guerras estrangeiras ou talvez proteger privilégios de massas iradas se os tempos difíceis prolongados ficarem muito difíceis de suportar?

Estes não são tempos comuns. Empresas, grandes investidores e outras famílias de alto patrimônio líquido estão se beneficiando enormemente do que está acontecendo às custas da grande maioria dos americanos que estão se ferrando.


*


Nota aos leitores: clique nos botões de compartilhamento abaixo. Encaminhe este artigo para suas listas de email. Crosspost em seu blog, fóruns na Internet. etc.


O autor premiado Stephen Lendman vive em Chicago. Ele pode ser encontrado em lendmanstephen@sbcglobal.net. Ele é pesquisador associado do Center for Research on Globalization (CRG)


Seu novo livro como editor e colaborador é intitulado “Flashpoint in Ukraine: US Drive for Hegemony Risks WW III.”

http://www.claritypress.com/LendmanIII.html

Visite seu site sjlendman.blogspot.com.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

As guerras silenciosas e letais contra o Irã. O peso da pandemia


Por Ted Snider

Algumas guerras são travadas com bombas e balas. Estas são as guerras na Síria e no Iraque, no Afeganistão e no Iêmen. Depois, há guerras mais silenciosas executadas por drone. Essas guerras covardes também matam pessoas, mas não o nosso povo. Essas guerras mais silenciosas realizam o que as guerras mais cacofônicas realizam sem o clamor e a condenação do público.


Medical Warfare

Mas há guerras ainda mais calmas. Há guerras tão silenciosas que nem são ouvidas além das fronteiras dos países em que estão acontecendo. No Irã, os EUA estão travando uma guerra médica: o que o ministro das Relações Exteriores Javad Zarif chamou de terrorismo médico.

O Irã está sendo esmagado pelo vírus COVID-19, e o peso da pandemia está sendo intensificado pelas sanções dos EUA que impedem o Irã de testar e tratar adequadamente o vírus e de impedi-lo. A economia estrangulada do Irã está muito emaciada para parar temporariamente ou apoiar as pessoas se elas forem impedidas de ir trabalhar para ganhar a vida. E sanções contra bancos iranianos sufocam a aquisição de drogas e equipamentos médicos.

Mas, como o guerreiro eficiente e mortal que é, os EUA não relaxam quando seu inimigo cambaleia, mas pressionam a fraqueza exposta do inimigo. Apesar dos apelos do secretário-geral da ONU, António Guterres, e da comissária de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, Irã e da comunidade internacional, os Estados Unidos não deram uma pausa momentânea nas sanções, mas as intensificaram.

O crime é agravado por uma pilha feia e pouco discutida sobre crimes de guerra. Pessoas com doenças respiratórias correm maior risco de morrer com o COVID-19, e aproximadamente 100.000 iranianos ficam vulneráveis ​​por esse risco devido a doenças respiratórias que ainda persistem nos efeitos de uma guerra química iraquiana chovida no Irã com a aprovação e parceria dos EUA.

Adicionar a palavra "médico" à palavra "guerra" não torna menos uma guerra.


Guerra econômica


E tem havido outras formas de guerras silenciosas. A reimposição de sanções ao Irã tem sido uma versão moderna de um cerco medieval.

Os EUA estavam legalmente obrigados a honrar seus compromissos sob o acordo nuclear do Plano de Ação Conjunto Conjunto, incluindo o fim de sanções, desde que o Irã cumprisse todos os seus compromissos. Portanto, como o Irã estava cumprindo todos os seus compromissos, os EUA agiram ilegalmente quando retiraram o tratado e reimporam as sanções.

Os EUA pressionaram os iranianos sob o peso de sanções unilaterais sem precedentes que podem muito bem constituir um ato de agressão proibido internacionalmente. A economia do Irã está sofrendo e seu povo está sendo morto.

Os EUA não apenas sancionaram o Irã, mas forçaram sanções extraterritoriais a todas as outras nações. Essas sanções barraram qualquer comércio econômico que pudesse contribuir para o programa nuclear do Irã ou que tratasse da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã. Mas como os EUA alegaram que qualquer contribuição para a economia poderia contribuir para o programa nuclear ou para o Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, os EUA, como Gareth Porter e John Kiriakou explicam em seu livro The CIA Insider's Guide to the Crisis Iran, essencialmente criminaliza o toda a economia iraniana. A sentença, segundo o FMI, foi "grave sofrimento" para a economia e o povo do Irã.

Enquanto o cerco econômico americano estrangulava a economia iraniana, o povo iraniano ofegava. A economia entrou em colapso grave; O PIB encolheu; a produção de petróleo caiu; A moeda do Irã, o rial, perdeu 50% de seu valor; a inflação disparou e o custo de vida, incluindo a compra de alimentos, tornou-se proibitivo.

Um cerco é a forma mais antiga de punição coletiva e guerra. Adicionar a palavra "econômico" à palavra "guerra" não a torna menos uma guerra.


Guerra cibernética

Mas a guerra médica e a guerra econômica não esgotaram a variedade de guerras tranquilas. Os EUA admitiram a responsabilidade direta por uma enxurrada de ataques cibernéticos contra o Irã.

O New York Times revelou que os EUA ordenaram ataques sofisticados aos computadores que administram as instalações de enriquecimento nuclear do Irã. Um vírus maciço conhecido como Flame atacou computadores iranianos. Esse vírus mapeia e monitora o sistema de computadores iranianos e envia de volta informações que são usadas para preparar campanhas de guerra cibernética contra o Irã. As autoridades agora confirmaram que Flame é parte de um projeto conjunto da CIA e da NSA dos EUA e da unidade militar secreta de Israel 8200.

Uma dessas campanhas de guerra cibernética foi o Stuxnet, o vírus de computador que infectou as centrífugas do Irã e as deixou girando descontroladamente antes de reproduzir fitas anteriormente gravadas de operações normais que os operadores da fábrica observavam sem suspeitar enquanto as centrífugas giravam cada vez mais rápido, até que literalmente se separavam. . O Stuxnet parece ter destruído cerca de 20% das centrífugas nucleares do Irã.

Adicionar a palavra "cibernético" à palavra "guerra" não torna menos uma guerra. Os Estados Unidos atacaram o Irã. Essa infraestrutura iraniana crucial foi destruída por um vírus de computador, e não por uma bomba, não altera a destruição. Um estudo da OTAN admitiu que o Stuxnet se qualificou como um "ato ilegal de força". De acordo com o estudioso russo Stephen Cohen, depois que os EUA acusaram a Rússia de invadir computadores, a OTAN emitiu uma declaração dizendo que "invadir um estado membro agora pode ser considerado uma guerra contra toda a aliança militar, exigindo retaliação militar". Ou seja, os ataques cibernéticos são um ato de guerra, não apenas justificando, mas exigindo retaliação militar.

Os EUA não lançaram bombas no Irã. Não há explosões para serem ouvidas. Mas o silêncio da guerra não torna menos uma guerra. As guerras não deixam de ser guerras porque você coloca as palavras "médico", "econômico" ou "cibernético" antes da palavra "guerra".


*


Nota aos leitores: clique nos botões de compartilhamento acima ou abaixo. Encaminhe este artigo para suas listas de email. Crosspost em seu blog, fóruns na Internet. etc.


Ted Snider escreve sobre a análise de padrões na política externa e na história dos EUA.


A fonte original deste artigo é Antiwar.com

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

49% das empresas americanas esperam demissões "nos próximos três meses", enquanto o desemprego leva a grandes níveis de depressão



Michael Snyder

Economic Collapse

31 de março de 2020

Se a economia dos EUA permanecer no modo de desligamento pelos próximos meses, testemunharemos demissões como nunca vimos na história dos EUA.

É claro que o que já testemunhamos é difícil de acreditar.

Na semana passada, mais de 3,2 milhões de americanos entraram com pedidos de subsídio de desemprego, e isso foi quatro vezes maior que o recorde anterior de todos os tempos.

Nesta semana, é esperado outro grande aumento, e continuaremos a ver muitas outras demissões enquanto essa pandemia persistir.

Será um momento muito desafiador para o país como um todo, porque não vimos nada assim desde a Grande Depressão da década de 1930.

Sim, fechar a maior parte do país está salvando vidas, mas também está absolutamente prejudicando nossa economia. De acordo com uma pesquisa realizada de 20 a 26 de março pela Challenger, Gray & Christmas, quase metade de todas as empresas americanas dizem que é provável que elas estejam realizando demissões em algum momento "nos próximos três meses" ...

Quarenta e nove por cento das empresas disseram à Challenger, Gray & Christmas que são muito ou pouco propensas a realizar demissões nos próximos três meses, enquanto 11% relataram ter realizado demissões permanentes; outros 7% realizaram demissões temporárias.

Se isso realmente acontecer, você pode imaginar o que isso fará com a nossa taxa de desemprego?

Sei que isso pode parecer muito doido, mas neste momento o Fed de St. Louis está projetando que em breve veremos uma taxa de desemprego de 32% ...

Milhões de americanos já perderam o emprego devido à crise do coronavírus e o pior dos danos ainda está por vir, segundo estimativa do Federal Reserve.

Economistas do distrito de St. Louis do Fed projetam reduções totais de emprego de 47 milhões, o que se traduz em uma taxa de desemprego de 32,1%, de acordo com uma análise recente de como as coisas poderiam ficar ruins.

As coisas poderiam realmente ficar tão ruins tão rapidamente?

Se virmos um número tão alto, superaria até as mais altas taxas de desemprego que testemunhamos durante a Grande Depressão da década de 1930.

A única maneira de evitar esse tipo de cenário de pesadelo seria colocar os EUA de volta ao trabalho o mais rápido possível, mas isso simplesmente não vai acontecer. O presidente Trump apenas estendeu as diretrizes federais de coronavírus até pelo menos 30 de abril, e isso significa que é extremamente improvável que qualquer estado termine seus bloqueios antes disso.

E, na verdade, mais estados continuam se juntando ao partido "abrigo no local". Por exemplo, confira o que aconteceu no Arizona ...

O governador Doug Ducey está ordenando que todos os residentes do Arizona permaneçam em suas casas pelo próximo mês, exceto por necessidades essenciais para limitar a propagação do coronavírus, que já infectou mais de 1.000 pessoas no estado.

A ordem executiva "Fique em casa, mantenha-se saudável, mantenha-se conectado" deve entrar em vigor na terça-feira às 17h. e permanecer no local pelo menos até 30 de abril.

Seria maravilhoso se a pandemia tivesse diminuído tanto em 30 de abril que a maioria dos americanos seria capaz de voltar ao trabalho, mas muitos estados já estão prevendo que essa crise durará muito mais tempo.

Funcionários da cidade de Nova York estão avisando que a cidade pode permanecer fechada pelos próximos dois meses e, na Virgínia, a atual ordem de "abrigo no local" não expira até 10 de junho ...

O governador da Virgínia Ralph Northam emitiu uma ordem estadual de permanência em casa que entra em vigor imediatamente e permanecerá em vigor até 10 de junho, a menos que o governador a altere ou a revogue.

No final, as autoridades estarão observando os números brutos para determinar quando é finalmente seguro retomar a atividade normal.

No momento, o número de casos confirmados e o número de mortes ainda está aumentando, mas pelo menos a taxa em que eles estão aumentando está começando a diminuir.

Espero que isso signifique que as ordens de “abrigo no local” estejam tendo um efeito positivo.

Mas se todos puderem retomar a atividade normal daqui a alguns meses, poderemos ver uma "segunda onda" surgir quando o número de casos começar a explodir mais uma vez.

A única maneira de derrotar verdadeiramente esse vírus seria realizar um bloqueio completo e total em todo o país por pelo menos 28 dias, ao mesmo tempo em que o resto do mundo também está realizando bloqueios simultâneos, e não há como isso acontecer.

Portanto, parece que estaremos lidando com esse vírus por muito, muito tempo.

À medida que os americanos se preparam para o colapso econômico que está ocorrendo ao nosso redor, eles estão acumulando dinheiro "no ritmo mais rápido desde o ano 2000" e os varejistas estão embarcando em suas lojas em todo o país ...

Lojas de alto padrão em todo o país estão embarcando em suas lojas em antecipação a distúrbios civis devido à pandemia de coronavírus chinês.

Em Beverly Hills, as lojas Pottery Barn e West Elm perto de Rodeo Drive foram avistadas com tábuas nas janelas, de acordo com a TMZ.

Enquanto isso, lojas em Nova York, São Francisco, Seattle, Chicago, Paris, Vancouver e em outros lugares também foram fechadas.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

COVID-19 vai acabar com o Fed?



    Ron Paul
    The Ron Paul Institute for Peace & Prosperity

    31 Mar, 2020

    17 de setembro de 2019 foi um dia significativo na história econômica americana.

    Nesse dia, o Federal Reserve de Nova York iniciou infusões emergenciais de dinheiro no mercado de recompra (recompra).

    Esse é o mercado que os bancos usam para fazer empréstimos de curto prazo entre si. O Fed de Nova York agiu depois que as taxas de juros no mercado de recompras subiram para quase 10%, bem acima da taxa alvo do Fed.

    O Fed de Nova York afirmou que sua intervenção foi uma medida temporária, mas não parou de injetar dinheiro no mercado de recompra desde setembro.

    Além disso, o Federal Reserve vem expandindo seu balanço patrimonial desde setembro. O consultor de investimentos Michael Pento chamou a quantitative easing (QE) da expansão do balanço “de esteróides”.

    Menciono essas intervenções para mostrar que o Fed estava tomando medidas extraordinárias para sustentar a economia meses antes que alguém na China apresentasse os primeiros sintomas do coronavírus.

    Agora, o Fed está usando a desaceleração histórica do mercado de ações e o (espero) fechamento temporário de empresas em pânico com o coronavírus para aumentar drasticamente suas intervenções na economia. O Fed não apenas aumentou a quantidade que está bombeando no mercado de recompra, como também compra quantias ilimitadas de títulos do Tesouro e títulos lastreados em hipotecas. Isso foi uma notícia bem-vinda ao Congresso e ao presidente, pois eles estavam trabalhando na criação de trilhões de dólares em gastos em projetos de auxílio a coronavírus / projetos de estímulo econômico.

    O Fed também criou três novas linhas de empréstimo para fornecer centenas de bilhões de dólares em crédito às empresas. O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, afirmou que o Fed emprestará o quanto for necessário para revitalizar a economia. Este mês, o Fed anunciou que começaria a comprar títulos municipais, garantindo assim que a bolha da dívida do governo estadual e local continuará crescendo por alguns anos por mais meses.

    O Fed também está reduzindo as taxas de juros a zero. Provavelmente já temos taxas de juros reais negativas devido à inflação. As taxas de juros reais negativas são um imposto sobre a poupança e, portanto, levam à falta de fundos privados disponíveis para investimento, dando ao Fed outra desculpa para expandir suas atividades de empréstimo.

    As ações do Fed podem parecer mitigar alguns dos danos do pânico do coronavírus. No entanto, inundando a economia com dinheiro novo, expandindo as compras de ativos e facilitando a disputa de gastos do Congresso e do presidente, o Fed está exacerbando os problemas econômicos de longo prazo da América.

    É improvável que o Federal Reserve encerre essas medidas de emergência depois que o governo declarar que é seguro retomar a vida normal. Consumidores, empresas e (especialmente) o governo federal são tão viciados em baixas taxas de juros, flexibilização quantitativa e outras intervenções do Federal Reserve que qualquer esforço do Fed para permitir que as taxas subam ou parem de criar dinheiro novo causará uma  depressão grave.

    Eventualmente, as bolhas de dívida do consumidor, empresas e governo criadas pelo Federal Reserve explodirão, levando a uma grande crise que prejudicará o atual desligamento do coronavírus. O ponto principal é que a próxima crise poderá finalmente demolir o estado keynesiano da guerra do bem-estar e o sistema monetário fiduciário.

    As intervenções sem precedentes do Federal Reserve no mercado tornam mais urgente do que nunca que o Congresso seja aprovado e o Presidente Trump assine a auditoria do projeto de lei do Fed. Isso finalmente permitiria ao povo americano aprender a verdade sobre a conduta da política monetária do Fed. A auditoria do Fed é um passo em direção à restauração da saúde de nosso sistema econômico, encerrando a pandemia da moeda fiduciária que facilita o estado de guerra social e a economia instável e baseada em dívidas.

    Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

    Um Novo Despertar 2: VEM AÍ UM TSUNAMI DE DINHEIRO

    Um Novo Despertar 2: VEM AÍ UM TSUNAMI DE DINHEIRO: Casando O Verbo

    Goldman Sachs prevê queda catastrófica do PIB dos Estados Unidos: - 34% e desemprego em 15%


    O maior banco de investimentos dos Estados Unidos, a Goldman Sachs, acaba de divulgar sua projeção, que aponta queda de mais de um terço do PIB da maior economia do mundo

    31 de março de 2020, 09:49 h Atualizado em 31 de março de 2020, 11:09

     

    247 – "O banco Goldman Sachs Group Inc. espera que a economia dos EUA sofra uma queda muito mais profunda do que o anteriormente previsto, uma vez que a pandemia de coronavírus massacra os negócios, causando uma onda de desemprego em massa. A maior economia do mundo encolherá 34% anualizado no segundo trimestre, em comparação com uma estimativa anterior de 24%, escreveram economistas liderados por Jan Hatzius em um relatório. O desemprego subirá para 15% até o meio do ano, acima da previsão anterior de 9%, eles escreveram", aponta reportagem da Bloomberg.

    "Os economistas, no entanto, agora esperam uma recuperação mais forte no terceiro trimestre, com o produto interno bruto expandindo 19%. 'Nossas estimativas sugerem que um pouco mais da metade do declínio da produção no curto prazo é compensado até o final do ano', escreveram eles. Embora exista um risco de conseqüências a longo prazo sobre a receita e os gastos, a ação agressiva do Federal Reserve e do governo deve ajudar a conter isso. As novas previsões vêm dias depois que o presidente Donald Trump estendeu as diretrizes de 'distanciamento social' dos EUA para conter o vírus até abril, abandonando um plano para um fim anterior", aponta ainda a agência de notícias.

    Fonte: https://www.brasil247.com/economia/goldman-sachs-preve-queda-catastrofica-do-pib-dos-estados-undos-34-e-desemprego-em-15-klzusqjf

    segunda-feira, 30 de março de 2020

    Marco Aurélio encaminha à PGR pedido de afastamento de Bolsonaro


    “Bolsonaro não está à altura do cargo. A necessidade de sua saída não é uma necessidade política, é de saúde pública”, afirmou o deputado Reginaldo Lopes (PT-MG), autor da ação que o ministro Marco Aurélio optou por não arquivar e enviou à PGR, que agora terá de se posicionar

    30 de março de 2020, 21:19 h Atualizado em 30 de março de 2020, 21:2

     

    247 - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello encaminhou, na condição de relator, a notícia-crime protocolada pelo deputado federal Reginaldo Lopes (PT-/MG) à Procuradoria-Geral da República (PGR).

    A ação aponta as inúmeras irresponsabilidades cometidas desde o início da crise do Covid-19, que foram são listadas na peça, que pode levar o presidente ao afastamento por 180 dias ou até mesmo à perda de mandato.

    “Bolsonaro não está à altura do cargo. A necessidade de sua saída não é uma necessidade política, é de saúde pública”, afirmou o deputado.

    “A notícia-crime relata mais de 20 vezes em que o presidente pôs o país em risco. E ainda há novos fatos a serem incorporados!” concluiu Lopes sobre a peça que o ministro Marco Aurélio optou por não arquivar e enviou à PGR, que agora terá de se posicionar.

    Caso a Procuradoria concorde com a notícia-crime e apresentar denúncia ao STF, a Câmara será consultada para autorizar ou não o seguimento da Ação Penal. Em caso de crime transitado em julgado, o presidente perde o mandato.

    Nesta segunda, em entrevista ao Correio Braziliense, o ministro Marco Aurélio Mello afirmou que temia a eleição de Jair Bolsonaro como presidente por seu histórico de ataque às minorias. Com Bolsonaro eleito, o ministro se diz "triste" com a postura do mandatário.

    Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/marco-aurelio-encaminha-a-pgr-pedido-de-afastamento-de-bolsonaro

    Parlamentares do PT acusam Bolsonaro de ‘genocida’ e ‘irresponsável’ e pedem seu afastamento do cargo


    Parlamentares da Bancada do PT na Câmara reagiram hoje (29) duramente contra mais um gesto irresponsável do presidente de extrema direita Jair Bolsonaro, que saiu neste domingo por feiras e pequenos estabelecimentos comerciais de cidades satélites de Brasília defendendo o fim do isolamento social em pleno processo de combate à pandemia de coronavírus. Ele foi tachado por petistas de ‘’maluco, genocida, irresponsável e criminoso”. Vários parlamentares pedem seu afastamento do cargo, processo e prisão.

    O presidente saiu neste domingo com um séquito de assessores por em uma cidade satélite de Brasília. Além de ter potencialmente espalhado o coronavírus, após o tour o capitão-presidente ainda falou em “decreto” para liberar trabalho sem isolamento. Seu tour violou frontalmente orientações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial de Saúde no combate à pandemia de coronavírus.

    A presidenta do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR) observou pelo Twitter que  “o estoque de criticas à irresponsabilidade criminosa de Bolsonaro está se esgotando. Há muito ele passou do intolerável. É preciso que seja contido, a bem do povo e do Brasil”.

    Impeachment

    O líder da Minoria na Câmara, José Guimarães (PT-CE), também escreveu no Twitter que Bolsonaro é um “maluco desorientado, falando bobagens” e que contraria a “orientação das autoridades sanitárias do país e do mundo. Com esse tipo de comportamento Bolsonaro comete sim CRIME DE RESPONSABILIDADE ao ameaçar a saúde pública. #BastaDeBolsonaro”.

    Por sua vez, o líder do PT na Câmara, Enio Verri (PR), denunciou que Bolsonaro “é o principal vetor de transmissão do coronavírus no Brasil. Contrariou a OMS, o Ministério da Saúde e a realidade mundial, ao sair às ruas do DF, estimulando a abertura do comércio, tocando nas pessoas e difundindo a mentira. A calamidade pública é ele.”

    O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) disse que “Bolsonaro precisa ser afastado e responder por seus crimes. Ultrapassou todos os limites e coloca em risco a vida de milhares de pessoas pela sua irresponsabilidade. Omissão será julgada como covardia. Passou da hora de enfrentarmos a Besta Fera que desdenha da vida das pessoas !”

    Rogério Correia (PT-MG) foi claro: “Impeachment já!”. Para ele, essa é a “única forma de forma de impedir o genocídio!”, lembrando que com a retirada “do fascista fica mais fácil reconstruir a democracia e preservar a civilização”. Ele ainda observou que Bolsonaro não sabe o que diz ao defender a volta ao trabalho emplkena pandemia, já  como “deputado preguiçoso (…) passou 28 anos na Câmara sem fazer nada”.

    A deputada Erika Kokay (PT-DF) denunciou que Bolsonaro cometeu crime contra a saúde pública. “Provocar aglomeração de pessoas em Ceilândia-DF, afirmar que a Hidroxicloroquina cura o COVID-19 e incentivar o fim do isolamento social é crime contra a saúde pública!  O Capitão Corona tem que ser detido imediatamente! Basta!”

    Maluco

    Carlos Zarattini (PT-SP) escreveu pelo microblog: “Esse cara tá cada dia mais maluco! O mundo em colapso e ele insistindo em fazer birra e buscando contrariar o mundo, inclusive o seu ministro da Saúde. Irresponsável e incompetente, Bolsonaro é um risco à saúde pública!”

    Rui Falcão (PT-SP) qualificou Bolsonaro de genocida e afirmou: “È preciso retirá-lo do governo o mais rápido possível, por meios democráticos – políticos e/ou judiciais!”

    Besta fera

    O deputado Vicentinho (PT-SP) chamou Bolsonaro de “besta fera”, por agir “contra todas as determinações da OMS, do próprio Ministério da Saúde e de todas as organizações, inclusive, científicas da saúde (…). Não tem nenhuma condição de governar no nosso País. VADE RETRO!”

    O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Helder Salomão (PT-ES), escreveu no microblog que “Bolsonaro passou de todos os limites ao sair às ruas em Brasília para incentivar o fim da quarentena e estimular as pessoas a saírem às ruas”, cometendo “crime contra a saúde pública e contra a vida”.

    O deputado José Ricardo (PT-AM) criticou o capitão-presidente por dizer que “todos vamos morrer um dia” e, assim, passeou em Brasilia nomeio de pessoas sem nenhuma proteção. “Quem quer morrer pelo coronavírus? Acho que ninguém, nem mesmo os apoiadores do Bolsonaro”, pontuou o parlamentar.

    (matéria atualizada às 20h42)

    Fonte: https://ptnacamara.org.br/portal/2020/03/29/parlamentares-do-pt-acusam-bolsonaro-de-genocida-e-irresponsavel-e-pedem-seu-afastamento-do-cargo/

    Em carta aberta, China oferece ajuda ao Brasil contra o coronavírus


    A embaixada aproveitou para criticar declarações feitas nas redes sociais contra o país, que teve atuação elogiada contra a covid-19

    Carta da China relembra que países mantém relação comercial há 11 anos

    Carta da China relembra que países mantém relação comercial há 11 anos
    Vasily Fedosenko / Reuters - 5.2.2020

    A embaixada da China no Brasil, em uma carta aberta, afirmou que está disposta a ajudar o país no combate ao coronavírus. O documento relembra que a atuação da China contra a covid-19 foi efetiva e elogiada por órgãos internacionais. E criticou ainda comentários contra o país asiático feito em redes sociais que "incitam racismo, xenofobia e até espalharam o ódio".

    Leia mais: Science: medidas drásticas na China reduziram disseminação da covid-19

    O documento publicado no Brasil lembrou que o combate ao coronavírus na China estabeleceu um novo padrão mundial ao conseguir frear a alta contaminação interna. Disse também que a China já enviou ajuda técnica para mais de 80 país e doou US$ 20 milhões (R$ 100 milhões) à Organização Mundial da Saúde.

    "Os esforços envidados e os resultados alcançados pela China no combate à COVID-19 são altamente reconhecidos pela comunidade internacional, pelas Nações Unidas e pela Organização Mundial da Saúde, que consideram a abordagem chinesa uma referência para o mundo", ressalta.

    Segundo o documento, a China está preparada e disponível para ajudar o Brasil a combater o coronavírus e lembrou da relação comercial entre os dois países. "A China e o Brasil são parceiros amigos e a China tem sido o maior parceiro comercial do Brasil por 11 anos consecutivos, assim como o seu importante parceiro no campo de investimento".

    "O lado chinês está disposto a oferecer assistência dentro do seu alcance para ajudar o Brasil a vencer a COVID-19 com a maior brevidade", relata a carta aberta.

    Críticas nas redes sociais

    Este é o segundo incidente diplomático que acontece entre o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e a China em menos de um mês. No dia 18, o deputado falou nas redes sociais que a culpa do coronavírus era a "ditadura" chinesa. Agora, um segundo post voltou a criticar o país asiático.

    Na carta oficial publicada, a embaixada da China criticou "declarações totalmente infundadas contra a China nas redes sociais". Segundo a representação chinesa, "indivíduos e grupos ignoraram fatos científicos básicos, fabricaram e disseminaram boatos maléficos, incitaram a xenofobia e racismo e até espalharam ódio".

    Fonte: https://noticias.r7.com/brasil/em-carta-aberta-china-oferece-ajuda-ao-brasil-contra-o-coronavirus-27032020

    Casa Branca importa às pressas suprimentos médicos da China


    Aeronave comercial com 80 toneladas de luvas, máscaras, vestimentas e demais suprimentos médicos provenientes de Xangai é a primeira das 22 solicitadas pela Casa Branca, diz mídia.

    No domingo (29), a primeira de 22 aeronaves comerciais com equipamentos médicos produzidos na China pousou em Nova York, para suprir a escassez na cidade norte-americana.

    A aeronave descarregou 130.000 máscaras N95, 1,8 milhão de máscaras comuns, 10 milhões de luvas e milhares de termômetros. Os equipamentos serão distribuídos para comunidades em Nova York, Nova Jersey e Connecticut, informou o The New York Times.

    Lizzie Litzow, porta-voz da Agência Federal de Gerenciamento de Emergências, declarou que aeronaves como essa devem aterrissar em Chicago e no estado de Ohio nesta terça-feira (31).

    Os produtos são extremamente necessários para suprir a demanda de hospitais nos EUA, cujos agentes de saúde estão racionando máscaras e vestimentas apropriadas, informou o jornal.

    A alta exponencial da demanda global está gerando competição entre os países para ver qual tem acesso aos equipamentos médicos produzidos na China. No país asiático, fábricas novas foram construídas e, caso a tendência de melhora na situação epidemiológica do país persista, poderá haver excedentes.

    "A China tem equipamento de proteção em abundância, e o resto do mundo tem escassez", declarou o presidente da empresa chinesa APCO, James McGregor.

    A administração Trump tomou medidas para aumentar a produção de respiradores, ventiladores e demais equipamentos médicos nos EUA, mas as fábricas disponíveis já estão operando com capacidade total.

    Governadores dos estados norte-americanos, queixosos da lentidão do governo federal, estão tentando importar produtos da China. Contatos estabelecidos pela chamada "diplomacia municipal", como a assinatura de acordos de cidades irmãs, estão sendo retirados da gaveta para facilitarem a compra de equipamentos médicos.

    No setor privado, alguns executivos chineses e organizações de caridade também se mobilizam para suprir a demanda nos EUA.

    Militares do Exército dos EUA reunidos em Manhattan para combater o coronavírus, Nova York, EUA, 27 de março de 2020

    O bilionário chinês e cofundador da Alibaba, Jack Ma, está enviando um milhão de máscaras e 500 mil testes para a COVID-19 aos Estados Unidos. O Comitê da diáspora chinesa nos EUA levantou US$ 1 milhão (cerca de R$ 5 milhões) para importar suprimentos médicos necessários aos EUA.

    Os EUA são o país mais afetado pela COVID-19 mundialmente, com 143.055 mil casos confirmados e 2.513 vítimas fatais.

    Pepe Escobar conecta Kennedy, Dylan, Trump e Covid-19

    domingo, 29 de março de 2020

    11 partidos políticos emitem nota conjunta de repúdio a Jair Bolsonaro


    11 partidos políticos, dentre eles o PT, o Psol, o PDT e o PSB, emitiram uma nota de repúdio a Jair Bolsonaro. Diz a nota: "vimos a público para repudiar a atitude do Presidente da República Jair Bolsonaro de ter feito visitas a feiras populares e comércios do Distrito Federal, incentivado a população a descumprir as medidas sanitárias decretadas localmente"

    29 de março de 2020, 17:53 h Atualizado em 29 de março de 2020, 19:08

    Pessoas com máscara para se proteger do coronavírus e Jair Bolsonaro Pessoas com máscara para se proteger do coronavírus e Jair Bolsonaro (Foto: Reuters)

    247 - 11 partidos políticos brasileiros se reuniram e eleaboraram uma notra conjunta para repudiar as atitudes tresloucadas e perigosas do presidente da República. A nota destaca que serão procuradas as medidas judiciais cabíveis contra o crime cometido por Jair Bolsonaro, em expor a população do Distrito Federal a risco.

    Leia a nota na íntegra:

             Nós, partidos políticos que subscrevemos esta nota, vimos a público para repudiar a atitude do Presidente da República Jair Bolsonaro de ter feito visitas a feiras populares e comércios do Distrito Federal, incentivado a população a descumprir as medidas sanitárias decretadas localmente, orientadas pelo seu próprio Ministério da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

             O Presidente da República insiste em ir na contramão de todas as ações que têm sido tomadas por chefes de Estado de todo o mundo no enfrentamento à pandemia do COVID-19. O DF é, hoje, a terceira Unidade da Federação com o maior registro de casos. Assim, essa apologia ao descumprimento de orientações sanitárias pode fazer com que os números cresçam em nossa cidade e que cheguemos ao completo colapso do sistema de saúde. O discurso criminoso e irresponsável do presidente custará vidas, principalmente dos mais pobres, vulneráveis e moradores das periferias.

    É preciso frisar que não há dicotomia entre saúde e economia. Os países que melhor enfrentaram até o momento a crise do COVID-19 adotaram medidas de isolamento social, aumento no número de UTIs e realização de testes massivos em sua população, e o Estado atuou de forma a garantir o emprego e a renda das pessoas.

              Por isso, estamos estudando medidas judiciais cabíveis contra a atitude do Presidente da República, no intuito de salvaguardar vidas em nossa cidade, bem como mobilizando-nos em diversas ações de natureza política. Momentos como o que estamos vivendo no Brasil, e em especial no Distrito Federal, materializam e reforçam ainda mais os elos de união das forças progressistas na defesa da vida e de uma sociedade livre, justa e solidária.

    Assinam a nota

    PSB

    PT

    PSOL

    PCdoB

    Rede Sustentabilidade

    Unidade Popular

    Consulta Popular

    PCB

    PRC

    PDT

    PV

    Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/11-partidos-politicos-emitem-nota-conjunta-de-repudio-a-jair-bolsonaro

    Bom dia 247: Bolsonaro vira pato manco (29.3.20)

    sábado, 28 de março de 2020

    COVID-19: CAMILO SANTANA PRORROGA DECRETO DE ISOLAMENTO SOCIAL POR MAIS ...

    No Brasil, o presidente, os militares e o astrólogo


    "Grandes ministérios, serviços de saúde, pesquisa espacial ... após elegerem Jair Bolsonaro em 2018, os militares ocupam as posições estratégicas do país. Mas desde então, o Presidente, sob a influência de um "guru", vem se libertando de sua tutela", escreve o jornalista Bruno Meyerfeld no Le Monde

    28 de março de 2020, 13:25 h Atualizado em 28 de março de 2020, 13:39

    Entre Trump e Olavo, a imagem síntese do governo Bolsonaro Entre Trump e Olavo, a imagem síntese do governo Bolsonaro (Foto: Alan Santos/PR)

    Publicado originalmente no Le Monde com tradução de Sylvie Giraud - Grandes ministérios, serviços de saúde, pesquisa espacial ... após elegerem Jair Bolsonaro em 2018, os militares ocupam as posições estratégicas do país. Mas desde então, o Presidente, sob a influência de um "guru", vem se libertando de sua tutela.

    Somos os cadetes do Brasil, de peito forte varonil!”, gritam em altos brados centenas de futuros oficiais brasileiros, empertigados em seus uniformes azulões e barretina alta de pluma vermelha. Neste sábado, 17 de agosto de 2019, é um dia de comemoração na Academia Militar das Agulhas Negras, a tradicional cerimônia de “entrega de espadim” acontece na presença do Chefe de Estado, Jair Bolsonaro.
    No pátio do marechal Mascarenhas de Moraes (conhecido como pátio “P3M”), ao pé da Serra da Mantiqueira, a 170 quilômetros a noroeste do Rio de Janeiro, cada cadete recebe uma réplica da arma carregada, há mais de um século, pelo duque de Caxias, fundador e padroeiro do exército brasileiro. “Não há emoção ou honra maior como chefe das forças armadas do que presidir esta cerimônia”, lança Bolsonaro aos jovens que prestam continência. “Como vocês, em 1974, eu também recebi meu espadim neste P3M sagrado.
    A maior parte dos presidentes assistem a essa cerimônia, mas, com Bolsonaro, é claro, foi emocionante. Ele se formou aqui e tem uma relação especial com esta escola. Nós o recebemos como amigo”, rememora o Major Dutra, diretor da Academia de Agulhas Negras, um vasto “Saint-Cyr” brasileiro de 67 km2 que, desde 1944, treina cerca de 400 oficiais por ano.

    O presidente não veio sozinho. No palco, há meia dúzia de seus ministros: todos militares, generais e capitães, todos "ex" Agulhas Negras. Diante dos cadetes, o presidente nomeia cada um deles, exalta suas qualidades. É como a apresentação dos membros de uma grande família, finalmente reunida no topo do Estado.

    Desde o final da ditadura em 1985, os militares nunca estiveram tão presentes no governo. Ao ponto da mídia do país caracterizar o eixo monumental de Brasília, onde estão localizados o Palácio Presidencial do Planalto e os vários ministérios como "esplanada verde-oliva", a cor das Forças Armadas brasileiras.

    Ministérios nas mãos dos militares

    Além do capitão Bolsonaro e do Vice-presidente, general Hamilton Mourão, os militares dirigem vários ministérios: os da Defesa, das Minas e da Energia, da Infraestrutura, Ciência e Comunicação e do Controle Geral das Contas da União (CGU). Eles também exercem as funções de chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI, encarregado de assuntos de segurança e inteligência) e da Casa Civil, diretamente subordinados ao presidente e que têm o cargo de ministro.

    O Exército, também reforçou sua presença em todos os níveis do governo. Segundo relatos da imprensa, pelo menos 2.500 militares estariam trabalhando em seções ministeriais, como conselheiros ou secretários. O Ministério do Meio Ambiente, que empregava um militar antes da chegada da extrema direita, conta hoje com doze. Oficiais também foram nomeados para presidir vários órgãos públicos, tais como os Correios, serviços hospitalares ou o Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE, responsável pelo monitoramento do desmatamento na Amazônia).

    A grande âncora do meu governo são as forças armadas”, assumiu Jair Bolsonaro, cercado por oficiais, durante discurso no Clube Naval de Brasília, em dezembro de 2019. Nesses tempos de cortes no orçamento, o Ministério da Defesa foi privilegiado: suas despesas aumentaram em 10,9% no ano de 2019. O exército é chamado para todas as circunstâncias: para apagar os incêndios na Amazônia durante a Operação Verde Brasil, no verão de 2019; restaurar a ordem no  Estado do Ceará, onde a criminalidade explodiu em fevereiro; para apoiar os funcionários da Previdência Social, sobrecarregados pelo afluxo de dossiês no início do ano. E, claro, hoje, para combater a pandemia do coronavírus.
    "Estamos assistindo à militarização do Estado brasileiro", resume sob anonimato   um ex-oficial do Estado-Maior preocupado, relembrando que "isso começou antes de Bolsonaro". O Presidente Michel Temer (2016-2018) já havia apoiado seu poder nas forças armadas, confiando pela primeira vez o Ministério da Defesa a um general e aumentando o orçamento deste ministério em 21%. No final de seu mandato, ele também havia oferecido o comando da segurança do Rio de Janeiro aos militares.

    "Barrar o socialismo"

    Quem são esses militares chamados à frente por Jair Bolsonaro, encarregados, nas palavras do presidente, de “barrar o socialismo”? Esses ministros-soldados, reúnem todas as forças (terra, ar, mar), todas as fileiras do exército (generais, tenentes, capitães, almirantes etc.), todas as situações (ativos, reservistas, aposentados), oriundos de todas as regiões (cariocas, paulistas, gaúchos do sul, mineiros do interior ...). Um verdadeiro “exército mexicano”.

    Na realidade, o núcleo duro é formado por alguns generais quatro estrelas do exército, na faixa dos 60, graduados pelas Agulhas Negras entre 1975 e 1978, à imagem de Jair Bolsonaro (promoção de 1977). Nesse muito seleto "quartel", encontram-se, entre outros, o Vice-presidente Hamilton Mourão, o Ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva, o Chefe da Casa Civil (equivalente ao primeiro-ministro), Walter Souza Braga Netto, ou mesmo o discretíssimo Edson Leal Pujol, atualmente Comandante das Forças Armadas.

    "Esta é uma geração muito especial", insiste Maud Chirio, historiadora e autora de “La Politique en Uniforme” e de “L´expérience brésilienne, 1960-1980”. Ela foi treinada na Academia durante o período mais duro da ditadura para combater os "vermelhos", para levar à frente a guerra contra o comunismo. Seus instrutores eram os oficiais que participaram da repressão e da tortura nos anos de chumbo. Mas, fora das Agulhas Negras, o país se democratiza. Não há mais guerra, mais ninguém para reprimir. Eles têm o sentimento de terem perdido o trem da história, de terem deixado passar “sua” grande guerra”.

    "Os oficiais que partiram ao Haiti em missão da ONU, se vêm como uma elite muito superior aos políticos corruptos e ineficazes"

    Frustrados, esses oficiais foram buscar a glória longe do Brasil. No Haiti, precisamente. De 2004 a 2017, o Brasil comandou a missão das Nações Unidas para a estabilização do país (Minustah), da qual participaram 35.000 de seus soldados. "Esses oficiais que foram ao exterior se consideram uma elite pacificadora, muito superior aos" políticos "corruptos e ineficazes. Então, quando o Brasil afundou na crise, alguns disseram a si mesmos: "Se eu ajudei o Haiti, por que não meu país?"”, analisa Christoph Harig, pesquisador da Universidade Helmut Schmidt, Hamburgo. De fato, cinco dos onze comandantes da “turma” presente no Haiti ocupam - ou ocuparam - uma posição dentro do regime bolsonarista.
    Por que esses generais orgulhosos se juntaram ao "pequeno" capitão Bolsonaro? De fato, este último foi durante muito tempo desprezado por seus superiores. Designado para vários postos de artilharia, depois integrando os paraquedistas do Rio, Bolsonaro seguiu uma carreira militar medíocre. Apelidado de Cavalão por seus pares, o cadete 531 tornou-se capitão, distinguindo-se mais pelas suas performances no pentatlo ou no mergulho (3'42 em apnéia), do que por seu gênio militar.
    Em setembro de 1986, ele se torna até mesmo “a encarnação do mau exemplo”, lembra um oficial. Frustrado com a democratização e a perda de privilégios militares, o capitão se distingue ao publicar um artigo na revista Veja. Sob o título “Os salários são baixos” e uma foto em que ele posa, boina vermelha e aparência severa, Bolsonaro protesta contra a magreza dos salários, provocando a fúria dos generais. O “amotinado” é punido com uma sanção disciplinar de quinze dias de prisão.
    A ruptura é consumida um ano depois. Ainda a Veja alega, em outubro de 1987, que Bolsonaro teria sido o coautor de um plano chamado “Beco sem saída”, que planejaria detonar bombas em vários quartéis e academias. O interessado nega, mas é condenado por um tribunal militar. Absolvido um ano depois, ele deixa a ativa e passa para a reserva, evitando assim a desonra da exclusão.

    Bolsonaro, o "capitão da bomba"

    Seu caminho é a política”, aconselha um coronel, que acerta na mosca. Eleito como vereador em 1988, depois deputado federal pelo Rio de Janeiro em 1990, o “capitão da bomba” pouco a pouco se impõe como a voz do “baixo clero” militar: soldados, sargentos e cabos. Ele ganha popularidade nas barracas dos quartéis, mas sofre aborrecimentos e humilhações no andar de cima, o dos oficiais. Durante anos, ele foi banido de academias, quartéis e até das praias reservadas aos oficiais. “Os generais nunca gostaram de meu pai”, repete frequentemente Carlos, um dos seus filhos.
    Sua reconciliação com o Estado-Maior deverá esperar até 2011 e a criação, sob a presidência de Dilma Rousseff (Partido dos Trabalhadores, PT, à esquerda), da Comissão Nacional da Verdade, responsável pela investigação dos crimes da ditadura. “Para nós, foi uma ruptura, um golpe sério e simbólico. Essa comissão era como uma caça às bruxas, uma "bolivarização" dos exércitos. Isso destruiu nosso relacionamento com o PT", relembra o general Sergio Westphalen Etchegoyen, 68, um sólido gaúcho do sul e ex-Comandante do Estado-Maior do Exército. "Então, sim, quando a essência da nossa profissão é atingida, reagimos", continua ele.
    Bolsonaro, sentindo os ânimos dos quatro estrelas se exaltarem, torna-se o campeão do campo “anti-Comissão”. Em uma profusão de intervenções sobre o assunto, ele evoca os "vinte anos de glória" da ditadura, durante os quais o povo "gozava de plena liberdade e dos direitos humanos" e não hesita em prestar homenagem ao "herói nacional” da época, o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, um dos principais torturadores do regime.

    Em sua ascensão política, o capitão recebe o apoio discreto de oficiais de alta patente do Estado-Maior, mas também do Clube Militar do Rio - uma associação muito conservadora de oficiais. O general Eduardo Villas Bôas, Comandante do Exército, se opôs no Twitter, em abril de 2018, a uma possível libertação do Ex-Presidente Lula, então preso, principal oponente de Bolsonaro na eleição presidencial que estava por vir. Uma incursão sem precedentes na política para um oficial de alto escalão, conhecido, até então, por sua moderação.

    Grande reconciliação com os oficiais de alta patente

    Os grandes generais do Haiti viram em Bolsonaro uma oportunidade de expulsar o PT do poder e salvaguardar seus interesses”, resume um oficial da ativa, profundo conhecedor das elites militares. Nesta grande reconciliação, um homem desempenha papel essencial: o general Augusto Heleno, agora braço direito de Bolsonaro e chefe influente do Gabinete de Segurança Institucional, responsável principalmente pela coordenação das atividades de inteligência.

    Aos 72 anos de idade, cabelos brancos perfeitamente penteados, este homem é uma lenda nas forças armadas brasileiras. Esportista emérito, sempre primeiro da turma em três escolas emblemáticas do exército, esse general também foi o primeiro comandante da missão da ONU no Haiti. Mais velho e mais radical do que seus colegas do governo, esse defensor da "linha dura" repressiva sob a ditadura, nunca escondeu suas convicções de extrema direita. Seu encontro com Bolsonaro vem da década de 70, nas Agulhas Negras, onde ele era instrutor. Por serem ambos irritadiços, esportistas e anticomunistas primários, se dão maravilhosamente bem e mantêm um forte vínculo.

    O general Heleno é um dos primeiros a quem Bolsonaro confia seus sonhos de chegar ao poder em um almoço em 2016. "Você acha que sou louco?” Teria ele perguntado ao general, diante de um prato de camarão. Muito pelo contrário! O quatro estrelas se torna seu principal apoio e monta um "comando" de três generais para apoiá-lo em sua campanha. "A ideia era estar com pessoas em quem você confiasse", disse o general Alessio Ribeiro Souto, 71 anos, ativista de uma escola "antissocialista" e membro do "comando" que, todas as quartas-feiras de janeiro de 2018 , reúne-se no último andar de um triplex ao norte de Brasília. “Era muito informal. Conversávamos até o meio dia, apresentávamos ao candidato assuntos de infraestrutura, educação, de desenvolvimento e às vezes de economia”, relembra.

    Em outubro de 2018, quando Bolsonaro ganha a eleição, os generais se apropriam dos quinhões da vitória, colocam seus homens, impõem seu ritmo. Nacionalistas altivos e ciosos da imagem de seu país, os militares também se esforçam para moderar seu presidente, obrigado, por exemplo, a desistir de intervir militarmente na Venezuela ou a receber uma base americana em solo brasileiro.

    Olavo de Carvalho, ex-astrólogo que mora nos Estados Unidos e alega que a Terra seja plana, é o guru da ala ideológica do governo Bolsonaro

    Eles, no entanto, encontrarão um forte adversário na pessoa de Olavo de Carvalho. Este ex-astrólogo de 72 anos, residente nos Estados Unidos, que suspeita que a Terra seja plana e julga o cigarro bom para a saúde, é o guru da ala ideológica do governo Bolsonaro, representada, entre outros, pelos filhos do Presidente e pelo Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araujo. Olavo abomina os militares.

    Entre os "Oliva" e os "olavistas", a guerra é declarada. Em 2019, no Twitter, o guru zomba do Vice-presidente geral Mourão por ter "cabelos tingidos e uma voz hipócrita", além de uma "mentalidade golpista" e uma "vaidade monstruosa". Os oficiais não hesitam em contratacar esse "Trotsky de direita". "Os olavistas são um grupo fanático que pensa apenas em criar tumulto: o oposto do pragmatismo militar. São inúteis, meros fantoches", vitupera Paulo Chagas, um general de 70 anos com um bigode elegante, francófilo e apaixonado por cavalaria (ele estudou na escola Saumur), que apoia o presidente.
    Bolsonaro faz mea-culpa, recusando-se a arbitrar, mas acaba se irritando com a tutela dos generais. Até o confronto na primavera de 2019: o general Carlos Alberto dos Santos Cruz, então poderoso secretário geral do governo, provocou a ira de Olavo de Carvalho, que o chamou de "merda" e "bosta engomada". No calor de uma intensa campanha de difamação online lançada pelos filhos do presidente e abandonado por Jair Bolsonaro, o general deixa o governo.

    O evento é mal digerido pelos "Oliva", porque Santos Cruz não é qualquer um. Ele comandou a Minustah do Haiti, mas também a Missão das Nações Unidas no Congo (Monusco), com 23.000 soldados da paz, onde quase deixou a vida. Na esteira de sua partida, outros seis militares renunciam ao governo ou são demitidos, como os generais Franklimberg de Freitas, presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai) e Maynard Marques de Santa Rosa, secretário de assuntos estratégicos.

    "Esses oficiais esperavam subjugar Bolsonaro e fracassaram. Ele escapa ao seu controle e lhes mostra não ser seu subalterno."

    O medo mudou de lado e a hierarquia se inverteu. Bolsonaro, presidente e chefe dos exércitos, “não aceitava mais ser um capitão no meio de generais”, explica a jornalista Thais Oyama em seu livro Tormenta, história do poder brasileiro em 2019. Batendo de frente com a posição dos generais, Bolsonaro aprovou, por exemplo, o assassinato, pelo exército americano, do general iraniano Qassem Soleimani e apoiou o plano de paz de Donald Trump para o conflito israelo-palestino, sem contar que continua negando a gravidade do coronavírus. “Esses oficiais esperavam subjugar Bolsonaro e fracassaram. Ele escapa ao seu controle. Bolsonaro mostrou a eles que não era subalterno e que mesmo os mais brilhantes generais brasileiros poderiam ser demitidos”, acrescenta João Roberto Martins Filho, especialista em assuntos do exército.
    É certo que desde então os militares obtiveram novos cargos no governo, como a Casa Civil, em fevereiro, e Bolsonaro continua muito popular entre a base da instituição. Mas na elite, algo se quebrou. "Entre amigos generais, achamos que ele deveria se controlar, morder a língua antes de falar", diz o general Paulo Chagas. "Bolsonaro não é mais um militar há muito tempo. Ele já passou dois terços da sua vida na política. O que ele busca é poder", confessa seu companheiro quatro estrelas, Sergio Etchegoyen.
    O exército poderia abandonar Bolsonaro? Existiria para ele uma "linha vermelha"? “Os militares começaram a retornar ao poder antes de Bolsonaro. Eles não fizeram tudo isso para sair tão rápido. Se Bolsonaro for longe demais, é ele quem terá que sair”, afirma um oficial, ex-membro do Estado-Maior, hostil à politização do exército. “Corre o risco de impactar nosso relacionamento com a população. Perderemos nossa credibilidade, nossa imparcialidade, seremos responsáveis ​​pelo desastre deste governo. A política não é o nosso campo de batalha”.

    Fonte: https://www.brasil247.com/mundo/no-brasil-o-presidente-os-militares-e-o-astrologo

    Justiça do Rio proíbe carreata da morte em defesa da suspensão do isolamento


    Em mais uma derrota para Jair Bolsonaro, a carreata que endossa a campanha "O Brasil não pode parar", contra o isolamento para conter o avanço do novo coronavírus, foi proibida de ser realizada no Rio de Janeiro e em outras quatro cidades

    28 de março de 2020, 13:00 h Atualizado em 28 de março de 2020, 13:39 (Foto: Reprodução/Twitter)

     

    247 - A Justiça do Rio de Janeiro acatou o pedido do Ministério Público e proibiu a realização da carreata da morte contra o isolamento para conter o avanço do coronavírus, prevista para acontecer às 10 horas deste sábado (28). A proibição foi determinada pela juíza Lívia Bechara de Castro, e prevê multa por descumprimento de R$ 50 mil.

    O movimento faz parte da campanha "O Brasil não pode parar", do Governo Federal, endossando o discurso de Jair Bolsonaro. Além do Rio de Janeiro, também foram recomendadas as suspensões das carreatas em Cabo Frio, Arraial do Cabo, Macaé e Teresópolis.

    Na capital, o ato estava convocado para sair de um estacionamento de um supermercado na Barra da Tijuca, e os carros partiriam em direção ao Palácio Guanabara, sede do governo do Rio de Janeiro comandado por Wilson Witzel (PSC-RJ), desafeto de Bolsonaro e um dos governadores que tem defendido e lançado medidas pelo isolamento da população no estado.

    Em outra decisão,. a Justiça Federal suspendeu a veiculação da campanha em rede de rádio e TV ou qualquer outra campanha "que sugira à população brasileira comportamentos que não estejam estritamente embasados em diretrizes técnicas, emitidas pelo Ministério da Saúde".

    Fonte: https://www.brasil247.com/regionais/sudeste/justica-do-rio-proibe-carreata-da-morte-em-defesa-da-suspensao-do-isolamento

    Justiça suspende campanha da morte de Bolsonaro


    A Justiça Federal suspendeu a campanha de Jair Bolsonaro, intitulada 'O Brasil não pode parar', ou qualquer outra "que sugira à população brasileira comportamentos que não estejam estritamente embasados em diretrizes técnicas, emitidas pelo Ministério da Saúde"

    28 de março de 2020, 10:56 h Atualizado em 28 de março de 2020, 13:39Jair Bolsonaro; campanha do governo contra o isolamento social Jair Bolsonaro; campanha do governo contra o isolamento social (Foto: Reuters | Reprodução)

     

    Por Marcelo Auler, em seu blog e para o Jornalistas pela Democracia - Em decisão publicada às 6h30 da manhã deste sábado (28/03), a juíza federal Laura Bastos Carvalho, respondendo pelo plantão judicial no Judiciário Federal do Rio de Janeiro determinou a suspensão da campanha que a família Bolsonaro e a Secretaria de Comunicação da Presidência da República estão promovendo defendendo a tese de que o “Brasil não pode parar”.

    Na sua sentença, iniciada às 04h30 desta madrugada ela estipula como pena pela desobediência o pagamento de uma multa de R$ 100 mil por infração que vier a ser cometida.

    A sentença liminar foi dada na Ação Civil Pública Nº 5019484-43.2020.4.02.5101/RJ:

    “DEFIRO EM PARTE A TUTELA DE URGÊNCIA para que a União se abstenha de veicular, por rádio, televisão, jornais, revistas, sites ou qualquer outro meio, físico ou digital, peças publicitárias relativas à campanha “O Brasil não pode parar”, ou qualquer outra que sugira à população brasileira comportamentos que não estejam estritamente embasados em diretrizes técnicas, emitidas pelo Ministério da Saúde, com fundamento em documentos públicos, de entidades científicas de notório reconhecimento no campo da epidemiologia e da saúde pública. O descumprimento da ordem está sujeito à multa de R$ 100.000,00 (cem mil reais) por infração.”

    A Ação, apresentada na sexta-feira (27/03), é assinada por nada menos do que 12 procuradores da República de diversas cidades, a saber: Alexandre Ribeiro Chaves, Aline Mancino da Luz Caixeta, Ana Padilha Luciano de Oliveira, Jaime Mitropoulos, Marina Filgueiras de Carvalho Fernandes, Renato de Freitas Souza Machado, Roberta Trajano Sandoval Peixoto (todos do Rio de Janeiro); Edilson Vitorelli (Campinas/SP); Malê Frazão (Colatina/ES); Ramiro Rockenbach da Silva Matos Teixeira de Almeida (Sergipe); Natália Lourenço Soares (Palmares/PE); e Felipe de Moura Palha e Silva (Pará).

    Na inicial, com 50 páginas, eles argumentam:

    “O princípio da prevenção impõe ao agente público a demonstração de que a medida tomada ou fomentada não compromete a saúde das pessoas. Cabe, pois, ao gestor público, a comprovação cabal da segurança dessa conduta. E isso não está presente na campanha da Secretaria de Comunicação da Presidência da República, a qual contraria as próprias recomendações de isolamento social e quarentena emitidas pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde.
    Tal atitude ainda fomenta um clima de desordem social, pois contraria frontalmente as normas sanitárias vigentes nos estados e municípios que impuseram, por recomendações do próprio Ministério da Saúde, barreiras e medidas de contenção sanitárias.
    Para evitar que as pessoas se exponham a risco e também para que elas não adotem comportamentos que não são indicados por critérios técnicos, não pode o poder público  desconsiderar a medicina baseada em evidências em sua propaganda institucional e incentivar condutas desvairadas que contrariam as recomendações aceitas pela ciência, como no caso dos autos.
    Ou seja, o direito à saúde compreende também o direito à informação adequada para que as pessoas tomem as suas decisões. As pessoas precisam ser informadas corretamente sobre os riscos gravíssimos da não adoção das medidas de isolamento social, diante da pandemia da COVID-19, e não serem incentivadas a reproduzir um comportamento irresponsável.

    Na sua decisão, de seis laudas, a juíza registrou:

    “Assim, na análise preliminar do pedido de tutela de urgência, verifica-se que o incentivo para que a população saia às ruas e retome sua rotina, sem que haja um plano de combate à pandemia definido e amplamente divulgado, pode violar os princípios da precaução e da prevenção, podendo, ainda, resultar em proteção deficiente do direito constitucional à saúde, tanto em seu viés individual, como coletivo. E essa proteção deficiente impactaria desproporcionalmente os grupos vulneráveis, notadamente os idosos e pobres.
    Nesse sentido, fica demonstrado o risco na veiculação da campanha “O Brasil não pode parar”, que confere estímulo para que a população retorne à rotina, em contrariedade a medidas sanitárias de isolamento preconizadas por autoridades internacionais, estaduais e municipais, na medida em que impulsionaria o número de casos de contágio no país.
    Na dita campanha não há menção à possibilidade de que o mero distanciamento social possa levar a um maior número de casos da Covid-19, quando comparado à medida de isolamento, e que a adoção da medida mais branda teria como consequência um provável colapso dos sistemas público e particular de saúde. A repercussão que tal campanha alcançaria se promovida amplamente pela União, sem a devida informação sobre os riscos e potenciais consequências para a saúde individual e coletiva, poderia trazer danos irreparáveis à população”.

    Fonte: https://www.brasil247.com/coronavirus/justica-suspende-campanha-de-bolsonaro-contra-isolamento-social

    Um desastre anunciado


    Desastre aparece à medida que milhões de americanos perdem o seguro de saúde patrocinado por empregadores

      Zero Hedge

      28 de março de 2020

      Com um recorde de 3,3 milhões de pessoas entrando em desemprego devido à pandemia de coronavírus chinês - o maior número de reclamações já registradas em uma única semana desde outubro de 1982 - milhões de americanos perdem seu seguro de saúde patrocinado pelo empregador quando necessário. a maioria, de acordo com a Bloomberg.

      Segundo a Kaiser Family Foundation, quase metade dos americanos recebe cobertura de saúde por meio de seu empregador - forçando aqueles que foram demitidos a procurar alternativas. Qualquer pessoa que sofra com a falta de renda que tenha coberto seus próprios planos, incluindo pequenos empresários e trabalhadores independentes, também está sem dúvida sentindo o calor agora.

      É necessário um teste para determinar se uma pessoa tem Covid-19, a doença que o novo coronavírus causa. Casos graves podem enviar pessoas para a sala de emergência e, em alguns casos, para a unidade de terapia intensiva, uma despesa dispendiosa.

      Existem retrocessos para as pessoas que se encontram sem trabalho. Um programa conhecido como Cobra permite que alguns continuem comprando o seguro que possuíam por meio de seu empregador, embora normalmente a um custo direto muito maior. Alguns podem ser elegíveis para o Medicaid. E os Centros de Serviços Medicare e Medicaid estão pensando em reabrir os intercâmbios da Affordable Care Act; geralmente, esses planos de saúde podem ser adquiridos apenas durante um período de inscrição aberta no final do ano. —Bloomberg

      A espada também funciona nos dois sentidos - as seguradoras privadas que calculam cuidadosamente os prêmios com base nas despesas anuais previstas estão prestes a sofrer um aumento nas despesas fora do campo esquerdo, de acordo com o relatório.

      A CVS Health Corp, que adquiriu a seguradora Aetna em 2018, descreveu o trem que se aproximava em um documento regulamentar de quinta-feira - dizendo que a situação está se desenvolvendo rapidamente e que os danos aos seus negócios dependerão da gravidade e duração da pandemia, bem como de efeito sobre a economia e como os governos estaduais e locais respondem.

      “Esses principais fatores estão além do nosso conhecimento e controle e, como resultado, neste momento não podemos estimar razoavelmente o impacto adverso que o COVID-19 terá em nossos negócios, resultados operacionais, fluxos de caixa e / ou condição financeira, mas o impacto adverso poderia ser material ”, disse a empresa.

      Enquanto isso, a Associação Blue Cross Blue Shield e os Planos de Seguro de Saúde dos Estados Unidos enviaram recomendações ao Congresso na semana passada com o objetivo de aumentar a inscrição e cobrir os custos que as seguradoras atualmente não administram. A proposta não foi incluída na lei de estímulo de quarta-feira.

      Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

      sexta-feira, 27 de março de 2020

      Bolsonaro é desautorizado pelo número 2 do Ministério da Saúde


      O isolamento do presidente da República começa a deixar perplexos os mais conservadores analistas. João Gabbardo dos Reis, secretário-executivo do Ministério da Saúde e número 2 da pasta afirmou que as declarações de Bolsonaro sobre manter as pessoas trabalhando não mudam em nada a determinação do ministério de manter a quarentena

      27 de março de 2020, 20:17 h Atualizado em 27 de março de 2020, 21:28

      Sem condições de defender Bolsonaro, apoiadores tentam pôr a culpa em Lula sobre sistema de saúde Sem condições de defender Bolsonaro, apoiadores tentam pôr a culpa em Lula sobre sistema de saúde (Foto: ABr)


      247 - O secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, afirmou que o chamamento de Bolsonaro para forçar trabalhadores a abandonar a quarentena não muda a política de contenção da pandemia do pasta.

      PUBLICIDADE

      A reportagem do jornal O Globo destaca a fala de Gabbardo, sobre a possibilidade de o ministério se alinhar às declarações de Bolsonaro:

      "Não vejo nenhum sentido nisso. Não existe essas hipótese. O discurso do presidente, nós não vamos fazer nenhuma análise dele, mas as recomendações que estão sendo dadas não modificam em nada as orientações do Ministério da Saúde. Continuam sendo as mesmas — disse Gabbardo."

      Ele prosseguiu: "pacientes com sintomas devem ficar em isolamento. Familiares dos pacientes com sintomas devem ficar em isolamento. Pessoas que tenham comorbidade, doenças crônicas devem ficar em isolamento, independentemente da idade. Pessoas com mais de 60 anos devem ficar em isolamento. Todos devemos diminuir a circulação para evitar aglomerações. Essas medidas do Ministério da Saúde em nada foram modificadas e continuarão sendo as mesmas."

      Fonte: https://www.brasil247.com/regionais/brasilia/bolsonaro-e-desautorizado-pelo-numero-2-do-ministerio-da-saude

      Vera Magalhães: Bolsonaro resolveu fazer guerra política às custas de vidas humanas


      A jornalista Vera Magalhães repercutiu os absurdos ditos por Jair Bolsonaro nesta sexta-feira em entrevista ao apresentador Datena. Bolsonaro duvidou do número de mortos por coronavírus em São Paulo, Estados Unidos e outros municípios brasileiros

      27 de março de 2020, 16:57 h Atualizado em 27 de março de 2020, 17:0

      Jair Bolsonaro e Vera Magalhães Jair Bolsonaro e Vera Magalhães (Foto: Marcos Corrêa/PR | Reprodução)

       

      247 - A jornalista Vera Magalhães publicou uma sequência de tweets repercutindo as falas absurdas de Jair Bolsonaro em entrevista ao apresentador Datena, nesta sexta-feira (27).

      Bolsonaro disse que não acredita no número de mortos por coronavírus em São Paulo, acusou municípios de inflarem o número de mortos pela doença e duvidou também dos óbitos nos Estados Unidos.

      "O presidente resolveu fazer uma guerra política à custa de vidas humanas. Duvidar dos números é insanidade. O que ele espera colher? Mais impopularidade no maior Estado do País? É como se Donald Trump dissesse que o governador e o prefeito de Nova York inflavam os casos de Covid-19, ou o primeiro-ministro da Itália acusasse a Lombardia de fazer o mesmo. É ilógico, desumano, e não haveria ganho político algum nisso", escreveu Vera.

      "O presidente da República é um desinformante que age contra os esforços nacionais para conter a pandemia. Precisa, ele sim, ser contido", complementou.

      Vera também ironizou a ausência de provas que justifiquem a afirmação de Bolsonaro sobre fraude na eleição de 2018. "A propósito: onde estão as provas da fraude eleitoral que o presidente  disse que tinha e apresentaria? Devem ser as mesmas que tem para acusar estados e municípios de inflarem números de pandemia. Irresponsabilidade sem limites e sem cobrança à altura das instituições".

      Fonte: https://www.brasil247.com/midia/vera-magalhaes-bolsonaro-resolveu-fazer-guerra-politica-as-custas-de-vidas-humanas

      Bolsonaro diz que não acredita no número de mortos por coronavírus em São Paulo


      Em entrevista na TV Band, Jair Bolsonaro voltou a disparar absurdos. Defendeu que “quem tem emprego, vai trabalhar, não pode se esconder”. E desacreditou os números divulgados pelo próprio Ministério da Saúde: “o cara morreu de uma gripe qualquer e colocam que morreu de coronavírus”

      27 de março de 2020, 16:47 h Atualizado em 27 de março de 2020, 16:53

      Jair Bolsonaro Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)

      247 - Em novas declarações absurdas nesta sexta-feira 27 sobre a pandemia de coronavírus, Jair Bolsonaro voltou a defender que o Brasil decrete o fim da quarentena determinada por boa parte dos Estados brasileiros.

      Ele desacreditou o número de mortos que é divulgado diariamente pelo seu próprio governo, através do Ministério da Saúde, especialmente os de São Paulo, governador por João Doria, hoje seu claro adversário político.

      “Eu não acredito nesses números”, disse. Segundo ele, hoje “o cara morreu de uma gripe qualquer e colocam que morreu de coronavírus”.

      Bolsonaro voltou a defender que as pessoas voltem a trabalhar. “Quem tem emprego, vai trabalhar! Não podemos agir dessa matéria irresponsável. O vírus, mais forte ou mais fraco, vem. Que nem chuva, vai se molhar. Não pode se esconder, se enclausurar, ficar de quarentena, e tudo bem. Não é tudo bem, não”.

      “Vamos quebrar o Brasil por causa do vírus? E outra coisa: o desemprego tem relação direta com a violência”, afirmou ainda.

      Ele lamentou não conseguir fazer tudo o que quer, mas que tem influenciado cada vez mais os integrantes de seu governo. “Não posso fazer tudo o que eu quero, porque tem os ministros que eu tenho que ouvir, é natural. Mas cada vez mais tenho conseguido convencê-los”, disse.

      Questionado sobre o caso dos Estados Unidos, hoje o novo epicentro da pandemia no mundo, respondeu que também acredita que “é chute o número de mortes” e que “deve haver algum interesse econômico, alarmismo”.

      Fonte: https://www.brasil247.com/poder/bolsonaro-diz-que-nao-acredita-no-numero-de-mortos-por-coronavirus-em-sao-paulo

      Bolsonaro empurra o país para o abismo - Giro das 11 (27.03.20)

      quinta-feira, 26 de março de 2020

      Mais de 200 figuras públicas endossam pedido de impeachment de Bolsonaro


      Maria Rita, Felipe Neto e Caio Blat estão entre as pessoa que assinam a petição elaborada pelos deputados do PSOL Fernanda Malchionna (RS), Sâmia Bomfim (SP), David Miranda (RJ) e Luciana Genro (RS)

      26 de março de 2020, 15:12 h Atualizado em 26 de março de 2020, 15:41 (Foto: Agência Brasil | Reprodução)

      247 - A crise do coronavírus acelerou as discussões sobre a necessidade da saída de Jair Bolsonaro da presidência, que tem minimizado a gravidade da pandemia e recomendado que os serviços voltem a funcionar, assim como as pessoas saiam do isolamento.

      Nesse cenário, um pedido de impeachment elaborado por deputados do PSOL - Fernanda Malchionna (RS), Sâmia Bomfim (SP), David Miranda (RJ) e Luciana Genro (RS) - já ganhou mais de 200 assinaturas de figuras públicas. Entre elas, estão a cantora Maria Rita, o Youtuber Felipe Neto e o ator Caio Blat.

      Antes deles, o documento já tinha apoio de nomes como Zélia Duncan, Vladimir Safatle e Gregorio Duvivier, informa a jornalista Monica Bergamo, da Folha de S.Paulo.

      Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/mais-de-200-figuras-publicas-endossam-pedido-de-impeachment-de-bolsonaro

      Lula elogia governadores, mas diz que Bolsonaro não faz a sua parte e precisa sair


      O ex-presidente Lula está preocupado e "pessimista" quanto à crise do coronavirus, por conta do caos de Bolsonaro. "O Bolsonaro não está preparado para tocar esse país", diz

      26 de março de 2020, 08:25 h Atualizado em 26 de março de 2020, 08:4

      Lula Lula (Foto: Ricardo Stuckert)

      247 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está "pessimista" com relação à crise do coronavírus no Brasil. Ele foi taxativo em uma sequência de tweets na noite desta quarta-feira (25): "O Bolsonaro não está preparado para tocar esse país".

      PUBLICIDADE

      Ele defendeu a ação dos governadores, que estão sob ataque de Bolsonaro: "Estou vendo os governadores se dedicarem. Todos. E o presidente da República precisa tomar juízo. Ou o Congresso fazer com que as coisas aconteçam".

      Lula está preocupado porque se Bolsonaro estivesse agindo, "quem sabe a gente já tivesse munido de máscaras, respiradores e milhões de testes".  Para o ex-presidente Bolsonaro age com irresponsabilidade: "O Brasil não está fazendo sua lição de casa por conta da compreensão do presidente de que ele é um atleta... e de que é só uma gripezinha".

      Leia:

      Lula

      @LulaOficial

      Estou pessimista com relação ao que nos aguarda. Estamos perdendo tempo demais. O Brasil não está fazendo sua lição de casa por conta da compreensão do presidente de que ele é um atleta... e de que é só uma gripezinha.

      67.4K

      9:40 PM - Mar 25, 2020

      Lula

      @LulaOficial

      Replying to @LulaOficial

      Se ele agisse com responsabilidade, quem sabe a gente já tivesse munido de máscaras, respiradores e milhões de testes. Estou vendo os governadores se dedicarem. Todos. E o presidente da República precisa tomar juízo. Ou o Congresso fazer com que as coisas aconteçam.

      13.7K

      9:40 PM - Mar 25, 2020

      Lula

      @LulaOficial

      Replying to @LulaOficial

      O Bolsonaro não está preparado para tocar esse país. Um presidente não é obrigado a saber de tudo, mas quando você não sabe, você consulta a sociedade, os especialistas, os governadores. Coisa que em nenhum momento ele fez.

      16.7K

      9:40 PM - Mar 25, 2020

      Moraes suspende MP de Bolsonaro que restringia acesso a informações

      Texto da medida provisória editado por Jair Bolsonaro na última segunda-feira (23) desobrigava órgãos públicos de responder parte dos pedidos feitos através da Lei de Acesso à Informação

      26 de março de 2020, 13:46 h Atualizado em 26 de março de 2020, 14:14

      Moraes recua e revoga censura a revista Moraes recua e revoga censura a revista (Foto: Carlos Moura/SCO/STF)

      247 - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou a suspensão da medida provisória editada por Jair Bolsonaro que desobrigava os órgãos públicos de responder parte dos pedidos feitos através da Lei de Acesso à Informação.

      PUBLICIDADE

      "A Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988, consagrou expressamente o princípio da publicidade como um dos vetores imprescindíveis à administração pública, conferindo-lhe absoluta prioridade na gestão administrativa e garantindo pleno acesso às informações a toda a sociedade", disse Moraes em sua decisão.

      A MP que restringia o acesso à informação foi editada por Jair Bolsonaro na última segunda-feira (23). O texto suspendia os prazos necessários ao atendimento às solicitações em órgãos nos quais os servidores estivessem submetidos a quarentena, teletrabalho ou regimes equivalentes e que, necessariamente, dependessem de acesso presencial do funcionário para que s pedidos fossem atendidos.

      Ainda segundo o texto, a MP diz que os pedidos teriam que ser reiterados em um prazo de dez dias e que os as negativas de resposta não teriam direito a uma segunda análise.

      Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/moraes-supende-mp-de-bolsonaro-que-restringia-o-acesso-de-dados-e-infomacoes-da-administracao-publica

      Chega ao fim a era do dólar...

      quarta-feira, 25 de março de 2020

      Em carta, 26 governadores apelam ao Congresso e a ministros no combate ao coronavírus


      Em reunião sem Jair Bolsonaro e com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), 26 governadores redigiram uma carta em que se reafirma a necessidade de coordenação nacional no combate ao coronavírus

      25 de março de 2020, 19:26 h Atualizado em 25 de março de 2020, 20:47 (Foto: Marcos Corrêa/PR)


      247 - Em reunião sem a presença de Jair Bolsonaro na tarde desta quarta-feira 25, com duração de duas horas via teleconferência, 26 governadores do País - com exceção do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha - discutiram a crise da pandemia de coronavírus e as medidas que vêm sendo adotadas nos Estados.

      PUBLICIDADE

      Os governadores redigiram uma carta pela qual apelam ao Congresso Nacional e a ministros do governo para que tomem a frente na condução da crise, uma vez que Bolsonaro “menospreza os efeitos da pandemia” e “dá sinais trocados, confundindo os brasileiros”, nas palavras do governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, em entrevista à CBN.

      Questionado se haveria expectativa de ter retorno do governo federal nesse sentido, ele respondeu: “Não dá para ter essa expectativa, por isso estamos pedindo colaboração dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, para que dialogue com o governo federal, uma vez que é ele que tem os principais instrumentos de enfrentar a crise econômica, saúde e social”.

      Em coletiva concedida logo após a reunião (assista abaixo), Maia criticou duramente a proposta de Bolsonaro em pronunciamento nesta terça. “Como é que alguém pode falar em isolamento vertical se até hoje não apresentou uma proposta de contingenciamento para os idosos brasileiros mais pobres? Fico pensando em como é que o governo pode falar de um assunto sabendo que nós temos milhares de idosos nas comunidades do Rio de Janeiro, que São Paulo tem 7 milhões de pessoas acima de 60 anos, muitas delas, certamente, de baixa renda, e até hoje a gente não viu do governo qual é a política para isolar os idosos”.

      “Já que você quer uma política vertical, então se é para ser vertical você não pode tirar de uma comunidade uma parte para trabalhar e voltar para o mesmo ambiente de 30 ou 40 metros quadrados. O que estamos esperando do governo, já falei até com o ministro Onyx e mandei uma proposta que veio do Democratas, é criar um protocolo para que a gente possa isolar esses idosos”, declarou ainda o presidente da Câmara.

      “A partir do momento que o governo tiver uma política séria, responsável, olhando com um olhar de mais cuidado, de mais urgência para esses idosos que vivem nas comunidades e construir uma solução de isolamento para essas pessoas, distantes daqueles que vão sair da comunidade para trabalhar, certamente que você tem condição de liberar os mais jovens. Pedir uma liberação vertical sem a gente ter feito uma operação de guerra para proteger os idosos que vivem em várias comunidades em todos os estados me parece uma decisão focada em algo que não está sendo bem elaborado e bem construído e que não há uma preocupação com esses brasileiros que vivem em ambientes pequenos com muitos parentes”, completou Maia.

      Fonte: https://www.brasil247.com/regionais/brasilia/em-carta-26-governadores-apelam-ao-congresso-e-a-ministros-no-combate-ao-coronavirus

      Mandetta diz que não sai nem obedece as ordens de Bolsonaro


      Um dia depois do pronunciamento de Jair Bolsonaro que ataca todas as recomendações de autoridades sanitárias mundiais, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta disse a aliados que não pedirá demissão e tampouco irá encampar a tese de Bolsonaro do 'isolamento vertical', atingindo apenas idosos e pessoas com doenças

      25 de março de 2020, 16:30 h Atualizado em 25 de março de 2020, 16:48

      Jair Bolsonaro e Luiz Henrique Mandetta Jair Bolsonaro e Luiz Henrique Mandetta (Foto: Isac Nóbrega/PR)

      247 - Um dia depois do pronunciamento de Jair Bolsonaro com ataques à política de confinamento da população, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, avisou a aliados nesta quarta-feira, 25, que não pedirá demissão e tampouco irá seguir as orientações anticientíficas de Bolsonaro.

      "Segundo um interlocutor direto de Mandetta, ele não vai encampar a tese do 'isolamento vertical', deixando apenas idosos e pessoas com doenças pré-existentes fora do convívio social — conforme o presidente defendeu ontem", afirma o jornalista Guilherme Amado, da revista Época.

      Leia também reportagem da Rede Brasil Atual sobre o assunto:

      Secretários estaduais de Saúde e prefeitos repudiam fala de Bolsonaro

      O pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro na noite de ontem (24), minimizando a gravidade da pandemia de coronavírus e a necessidade das medidas que estão sendo tomadas para evitar a propagação, despertou o repúdio de prefeitos e secretários estaduais de saúde.

      Por meio de nota, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), que reúne os gestores estaduais, disse que o país já tem problemas demais e que é inadmissível “permitir o dissenso e a dubiedade de condução do enfrentamento à Covid-19. E que assim “é preciso que seja reparado o que nos parece ser um grave erro do Presidente da República”.

      A entidade destacou também que tem atuado juntamente com o Ministério da Saúde, os municípios e a própria sociedade brasileira, empreendido uma intensa luta no enfrentamento à Covid 19. “A luta que envolve trabalho, sacrifício, solidariedade, empatia, compaixão com o sofrimento das pessoas e que depende de maneira imprescindível do alinhamento de entendimento e de ações, assim como da união de esforços e de uma direção única e firme.”

      E que todas as decisões e recomendações do Conass e do Ministério da Saúde têm se baseado em evidências científicas, na realidade nacional e internacional e “buscado inspiração nas melhores práticas e exemplos de condutas exitosas ao redor do mundo”.

      Barbárie

      Também por meio de nota, a Frente Nacional dos Prefeitos (FNP) afirmou que os municípios filiados continuarão seguindo, rigorosamente, as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e, “até o momento, do Ministério da Saúde brasileiro, no enfrentamento a essa pandemia, que impacta fortemente a economia e a vida das pessoas e que pode levar ao caos social e à barbárie“.

      Assim como os secretários, os prefeitos representados pela FNP consideram que resguardar a vida das pessoas, dos cidadãos brasileiros de todas as idades, “deve ser o princípio humanitário de quem tem responsabilidade de liderar, seja nos municípios, nos estados e ainda mais no país”.

      “Não contar com essa liderança, e, pior, contar com uma postura irresponsável, alicerçada em convicções sem embasamento científico, que semeiam a discórdia e até mesmo a convulsão social, compromete as relações federativas. Atrapalha a urgente constituição do Comitê Interfederativo de Gestão de Crise, instância fundamental para enfrentar o grave problema que está posto.”

      Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/mandetta-diz-que-nao-sai-nem-obedece-as-ordens-de-bolsonaro

      A verdade econômica sendo exposta pelo corona


      Peter Schiff: COVID-19 está expondo a verdade sobre a economia

        SchiffGold.com

        25 Mar, 2020

        Não faz muito tempo que todos os especialistas estavam nos dizendo que a economia estava forte.

        Como resultado, muitas pessoas parecem pensar que, uma vez resolvida a situação do coronavírus, a economia voltará rapidamente ao normal.

        Em seu podcast sexta-feira, Peter Schiff disse que isso não vai acontecer.

        O coronavírus vai realmente revelar que a "grande" economia era uma ilusão - uma bolha grande, gorda e feia que agora foi acionada.

        As ações dos EUA encerraram uma semana muito volátil em queda novamente na sexta-feira.

        O Dow Jones perdeu mais 913 pontos e agora perdeu todos os ganhos obtidos durante a presidência de Trump.

        Na semana, o Dow caiu mais de 4.000 pontos. Foi a pior semana de todos os tempos em termos de queda de pontos.

        Em termos percentuais, foi a pior semana desde a crise financeira de 2008.

        Em seu podcast na sexta-feira, Peter Schiff disse que isso se parece muito com uma crise financeira, embora todo mundo continue dizendo que não é uma crise financeira.

        A diferença é que é uma crise financeira maior do que a que tivemos em 2008. ”

        De fato, março está no caminho de ser a pior queda percentual no mercado de ações dos EUA em um mês desde 1932.

        Essa foi a depressão. E você sabe, não é coincidência que o mercado esteja se comportando hoje da mesma maneira que se comportou em uma depressão. Porque estamos entrando em outro. Só que isso vai ser muito pior. Será uma depressão inflacionária. ... Esta não é a depressão do seu bisavô. "

        O senso comum é que tudo ficará bem quando terminarmos o desligamento do coronavírus. Enquanto isso, o governo pode manter todos nós à tona com resgates.

        Isso é tão risível e mostra como poucas pessoas entendem a economia básica. ”

        Peter levanta a questão-chave: de onde virá o dinheiro para pagar a todos? Obviamente, será criado do nada. O Federal Reserve mais uma vez monetizará a dívida. No processo, seu balanço vai explodir. Depois que isso termina, como o banco central pode encolher esse balanço e dizer "são negócios como sempre?" Como vamos permitir que as taxas de juros subam quando existe toda essa dívida? Lembre-se de que já estamos à altura da dívida governamental, corporativa e pessoal, graças às políticas de dinheiro fácil do Fed após a crise de 2008.

        A única alternativa será deixar todos esses ativos no balanço do Fed. Como vimos há alguns anos, o Fed não conseguiu normalizar as taxas ou encolher seu balanço após a Grande Recessão. Certamente não será capaz neste momento. Em outras palavras, o banco central precisará monetizar permanentemente a dívida. Mas isso levanta outra questão.

        O que acontecerá com o dólar americano quando esse aperto de liquidez acabar? Se não conseguirmos retirar essa liquidez, o dólar vai implodir completamente. "

        Peter usou uma analogia da Segunda Guerra Mundial. Após a guerra, os impostos permaneceram altos e o governo acabou pagando toda a dívida. Desta vez, o governo está tentando prometer sacrifício sem dor. Não funciona assim.

        Existe uma diferença entre o crédito real proveniente da poupança e o crédito falso que o Federal Reserve cria, apenas criando dinheiro. Não há recursos disponibilizados ao governo. Há apenas inflação. Você está apenas imprimindo dinheiro. Todo mundo ainda está operando sob a ilusão de que o dinheiro que imprimimos tem valor real. E eles continuam voltando à ideia de que tudo vai ficar bem. Nós apenas temos que fazer o sacrifício e eles não percebem que os sacrifícios que fizemos na Segunda Guerra Mundial foram completamente diferentes. Não é um sacrifício se todos forem socorridos. O sacrifício é quando você não é socorrido; você tem que lidar com isso sozinho. ”

        A principal coisa a entender é que, mesmo que o coronavírus seja rapidamente controlado, tudo não voltará ao normal. Todo mundo pensa que tínhamos uma ótima economia antes que o coronavírus começasse a se espalhar pelo mundo.

        Mas não foi. Foi uma bolha. E o coronavírus picou a bolha. E isso não significa que, após o problema do coronavírus terminar, a bolha apenas se relacione magicamente. Isso não vai acontecer. Não há como refletir essa bolha. A bolha estourou. É porque não tínhamos uma economia viável antes que o alfinete levantasse a bolha, é por isso que não teremos uma recuperação quando o alfinete se for. Uma vez que todo esse baralho de cartas desmoronar, ele desce.

        Peter disse que isso vai expor a economia dos EUA pelo que era - uma ilusão.

        O coronavírus vai expor a verdade. Será revelado para todo mundo ver. Então, não vai ficar bem quando isso acabar, mesmo que acabe logo. ”

        Neste podcast, Peter também explica por que o dólar está subindo agora, mas por que estamos à beira de uma crise do dólar.
        Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/