sexta-feira, 31 de março de 2017

CNI: 72% DOS BRASILEIROS NÃO CONFIAM EM TEMER

Brazil Photo Press/CON 247 - Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI)/Ibope sobre a avaliação do governo de Michel Temer até dezembro do ano passado, divulgada nesta sexta-feira, 31, mostra que o governo que tomou o poder por meio de um golpe parlamentar é cada vez mais rejeitado pela população. Os dados
Segundo o levantamento da CNI/Ibope, 72% não confiam em Michel Temer. No último levantamento, em setembro do ano passado, o percentual era de 68%.
Outros 64% desaprovam o modo de governar de Michel Temer, índice que também subiu em relação à pesquisa de setembro, que registrou percentual de 55%.
Os números mostram também que começa a cair a ficha de parte da elite do País que apoiou o golpe: entre os respondentes com renda familiar superior a cinco salários mínimos, o percentual dos que avaliam o governo como ruim ou péssimo cresce 16 pontos percentuais entre setembro e dezembro. Em setembro, esse grupo apresentava um percentual de ruim ou péssimo de 33% para o governo Temer. Em dezembro, o percentual subiu para 49%.
Por região, Michel Teme é dos mais rejeitados também. No Nordeste, apenas 9% afirmam que o governo é bom ou ótimo.
http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/288000/CNI-72-dos-brasileiros-n%C3%A3o-confiam-em-Temer.htm

GOLPE PRODUZ MAIS UM RECORDE NEGATIVO: 13,5 MILHÕES DE DESEMPREGADOS

247 - Destruição da economia brasileira, decorrente da aliança entre PSDB e PMDB, prossegue; dados divulgados hoje pelo IBGE revelam que o Brasil tem hoje 13,5 milhões de desempregados.
Segundo os dados da Pnad Contínua, a população desocupada chegou a 13,5 milhões e bateu o recorde da série iniciada em 2012. Este contingente cresceu 11,7% (mais 1,4 milhão de pessoas) frente ao trimestre encerrado em novembro de 2016.
Mais cedo, Banco Central divulgou que a recessão acumulada em doze meses é de 3,99%; responsáveis pela tragédia são nomes como Eduardo Cunha, ontem condenado a 15 anos e quatro meses de prisão, Aécio Neves, que ateou fogo ao País após perder as eleições, Michel Temer, que aprofundou a recessão, e Fernando Henrique Cardoso, que avalizou o golpe, que já está prestes a completar um ano.
Leia material do IBGE sobre o assunto:
PNAD Contínua: taxa de desocupação chega a 13,2% no trimestre encerrado em fevereiro de 2017
A taxa de desocupação foi estimada em 13,2% no trimestre móvel encerrado em fevereiro de 2017, com altas de 1,3 ponto percentual frente ao trimestre móvel anterior (setembro a novembro de 2016 -11,9%) e de 2,9 pontos percentuais em relação ao mesmo trimestre móvel de 2016, quando a taxa foi estimada em 10,2%. Essa foi a maior taxa de desocupação da série histórica, iniciada em 2012.
A população desocupada chegou a 13,5 milhões e bateu o recorde da série iniciada em 2012. Este contingente cresceu 11,7% (mais 1,4 milhão de pessoas) frente ao trimestre encerrado em novembro de 2016 e 30,6% (mais 3,2 milhões de pessoas em busca de trabalho) em relação a igual trimestre de 2016.
A população ocupada (89,3 milhões) recuou tanto em relação ao trimestre encerrado em novembro de 2016 (-1,0%, ou menos 864 mil pessoas), quanto em relação ao mesmo trimestre de 2016 (-2,0%, ou menos 1,8 milhão de pessoas).
O rendimento médio real habitual (R$ 2.068) no trimestre encerrado em fevereiro de 2017 manteve estabilidade frente ao trimestre anterior (R$ 2.049) e, também, em relação ao mesmo trimestre de 2016 (R$ 2.037). A massa de rendimento real habitual (R$ 180,2 bilhões) no trimestre encerrado em fevereiro de 2017 também ficou estável nas duas comparações.
O nível da ocupação (indicador que mede o percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar) foi estimado em 53,4% no trimestre de dezembro de 2016 a fevereiro de 2017, apresentando queda de 0,7 frente ao trimestre de setembro a novembro de 2016, (54,1%). Em relação a igual trimestre do ano anterior este indicador apresentou retração de 1,8 ponto percentual, quando passou de 55,1% para 53,4%. Este é o menor nível da série histórica iniciada em 2012.
A força de trabalho (pessoas ocupadas e desocupadas) no trimestre de dezembro de 2016 a fevereiro de 2017 foi estimada em 102,9 milhões de pessoas. Esta população cresceu 0,5% comparada ao trimestre encerrado em novembro de 2016. Frente ao mesmo trimestre do ano anterior houve alta de 1,4% (acréscimo de 1,4 milhão de pessoas). É importante notar que a força de trabalho cresceu devido ao aumento da população desocupada.
O contingente fora da força de trabalho no trimestre de encerrado em fevereiro de 2017 (64,6 milhões de pessoas) ficou estável comparado ao trimestre encerrado em novembro de 2016 e cresceu 1,1% (mais de 730 mil pessoas) em relação ao mesmo trimestre de 2016.
O número de empregados no setor privado com carteira de trabalho assinada (33,7 milhões de pessoas) recuou tanto frente ao trimestre de setembro a novembro de 2016 (-1,0% ou 337 mil pessoas) quanto ao mesmo trimestre de 2016 (-3,3%, ou 1,1 milhão de pessoas).
No trimestre encerrado em fevereiro de 2017, a categorias dos empregados no setor privado sem carteira de trabalho assinada (10,3 milhões de pessoas) ficou estável em relação ao trimestre anterior e cresceu 5,5% (ou mais 531 mil pessoas) em relação ao mesmo trimestre de 2016.
O número de trabalhadores por conta própria (22,2 milhões de pessoas) ficou estável na comparação com o trimestre anterior e recuou (-4,8%, ou 1,1 mil pessoas a menos) em relação ao mesmo trimestre de 2016.
O contingente de empregadores (4,1 milhões de pessoas) ficou estável frente ao trimestre anterior e cresceu 9,5% (mais 359 mil pessoas) em relação ao mesmo período de 2016.
A categoria dos trabalhadores domésticos, estimada em 6,0 milhões de pessoas, se manteve estável em ambos os trimestres comparativos.
Agricultura e Construção têm o menor número de trabalhadores desde 2012
No trimestre encerrado em fevereiro de 2017, os grupamentos de atividade Agricultura (8,8 milhões) e Construção (6,9 milhões) registraram os menores contingentes de ocupados desde o início da série da pesquisa em 2012. No sentido inverso, Alojamento e Alimentação atingiu o maior contingente de ocupados (5,0 milhões) desde o início da série da pesquisa em 2012.
Na comparação com o trimestre anterior, houve quedas na Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (-4,4%, ou -702 mil pessoas) e na Indústria geral (-2,0% ou -225 mil pessoas). Houve altas em Alojamento e alimentação (+3,5%, ou +169 mil pessoas) e Informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas (+2,2% ou +215 mil pessoas). Os demais grupamentos se mantiveram estáveis.
Em relação ao mesmo trimestre de 2016, houve crescimento apenas no grupamento de Alojamento e Alimentação, +9,0% (+409 mil pessoas). Reduções foram registradas em Construção, -9,7% (-749 mil pessoas), Agricultura, Pecuária, Produção Florestal, Pesca e Agricultura, -7,4% (-702 mil pessoas), Indústria Geral, -4,3% (-511 mil pessoas) e Serviços domésticos, -3,1% (-193 mil pessoas). Os demais grupamentos não sofreram alteração.
Rendimento dos trabalhadores mostra estabilidade
O rendimento médio real habitualmente recebido pelas pessoas ocupadas foi estimado em R$ 2.068 no trimestre de dezembro de 2016 a fevereiro de 2017, mantendo estabilidade frente ao trimestre anterior (R$ 2.049) e, também, em relação ao mesmo trimestre de 2016 (R$ 2.037).
O rendimento médio real habitual cresceu apenas para os Empregados no setor público: 3,2% em relação ao trimestre anterior (setembro a novembro de 2016) e 5,1% em relação ao mesmo trimestre de um ano antes (dezembro de 2015 a fevereiro de 2016). Nas demais posições de ocupação houve estabilidade em ambos os períodos analisados.
Na comparação com o trimestre anterior, houve estabilidade no rendimento de todos os grupamentos de atividade, com exceção da Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, que registrou variação positiva de 3,4%. Frente ao mesmo trimestre de 2016, somente dois grupamentos apresentaram alta no rendimento: Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (+6,9%) e Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (+3,6%). Os demais grupamentos ficaram estáveis.
http://www.brasil247.com/pt/247/economia/287976/Golpe-produz-mais-um-recorde-negativo-135-milh%C3%B5es-de-desempregados.htm

LULA DIZ QUE MÍDIA NÃO CONSEGUIU DESTRUÍ-LO

Ricardo Stuckert / Fotos Públicas 247 – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva publicou, em sua redes sociais, uma análise da pesquisa Ipsos, que o apontou como o político com maior aprovação popular do País e alfinetou os meios de comunicação que se dedicam, dia e noite, à destruição de sua imagem.
"Apesar da intensa perseguição política e midiática contra o ex-presidente, dos 20 políticos citados na pesquisa, Lula é quem apresenta 38% de aprovação entre os entrevistados", disse Lula.
Na análise de Paulo Nogueira, editor do DCM, a pesquisa Ipsos revelou a incapacidade da mídia brasileira em destruir o ex-presidente. "Quanto mais a mídia bate, mais Lula cresce", diz ele (leia mais aqui).
"O que parece claro é que, quanto mais se agrava a crise política e econômica brasileira, mais Lula surge como uma esperança de reencontro com tempos bem melhores. Contra isso, não há nada que a imprensa possa fazer. Os números altos de Lula são uma tragédia para a mídia. Não apenas porque as empresas jornalísticas o abominam, mas sobretudo por mostrarem a perda de influência de jornais, revistas etc", afirma ainda o jornalista.
Leia, abaixo, a análise de Lula sobre a pesquisa:
Do site Lula.com.br O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é o político com maior índice de aprovação no Brasil. É o que revela a pesquisa nacional Ipsos, divulgada nesta quinta-feira (30), pelo jornal O Estado de São Paulo.
Apesar da intensa perseguição política e midiática contra o ex-presidente, dos 20 políticos citados na pesquisa, Lula é quem apresenta 38% de aprovação entre os entrevistados.
A pesquisa revela também que o presidente Michel Temer conta com 78% de desaprovação e, para 90% dos entrevistados, o Brasil está no “caminho errado”. Renan Calheiros (PMDB) apresentou 83% de desaprovação e Eduardo Cunha, 87%.
Outra pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), em fevereiro deste ano, mostrou que o ex-presidente Lula lidera em todos os cenários para a eleição presidencial de 2018. No primeiro turno, Lula lidera nos três cenários pesquisados. Se os adversários forem Marina Silva, Jair Bolsonaro, Aécio Neves, Ciro Gomes e Michel Temer, Lula teria 30,5% dos votos. No segundo turno, Lula vence os adversários em todos os cenários: vence Aécio por 39,7% a 27,5%, Marina por 38,9% a 27,4% e Temer por 42,9% a 19%.
Nesta pesquisa, foram ouvidas 2.002 pessoas, em 138 municípios de 25 Unidades Federativas, das cinco regiões, com margem de erro de 2,2 pontos percentuais e nível de confiança de 95%.
http://www.brasil247.com/pt/247/poder/287939/Lula-diz-que-m%C3%ADdia-n%C3%A3o-conseguiu-destru%C3%AD-lo.htm

RECESSÃO SE APROFUNDA E PIB CAI 4,99% EM DOZE MESES


Reuters - O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), caiu 0,26 por cento em janeiro na comparação com o mês anterior, segundo dados dessazonalizados divulgados pelo BC nesta sexta-feira.
A expectativa em pesquisa da Reuters era de queda de 0,10 por cento, segundo a mediana das projeções.
(Por Camila Moreira)
http://www.brasil247.com/pt/247/economia/287971/Recess%C3%A3o-se-aprofunda-e-PIB-cai-499-em-doze-meses.htm

quinta-feira, 30 de março de 2017

LÍDER PARA 2018, LULA PEDE A MOVIMENTOS SOCIAIS APOIO PARA TER GOVERNABILIDADE

Ricardo Stuckert 247 - No dia em que pesquisa do instituto Ipsos apontou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como o político mais popular do Brasil, com 38% de aprovação da população (leia aqui), apesar da intensa caçada judicial que sofre, Lula se reuniu nesta quinta-feira, 30, com representantes de movimentos populares e destacou a necessidade de ocupar espaços no Congresso Nacional.
Segundo Lula, para que um eventual governo progressista possa interromper os retrocessos iniciados na gestão atual, é preciso "eleger a maioria no Senado e na Câmara". "Os melhores nomes do PT têm que ser candidatos a deputado federal", afirmou o ex-presidente.
O propósito da reunião foi discutir as principais dificuldades enfrentadas pelos movimentos que lutam por moradia, educação, saúde, direitos humanos, direitos das mulheres e outros. De acordo com a Central dos Movimentos Populares (CMP), a prioridade do golpe tem sido retirar direitos dos trabalhadores e das minorias vulneráveis. Para resistir a esse ataque é necessário unificar as pautas dos diversos movimentos sociais, afirmaram os integrantes da Central.
Lula ouviu os relatos com preocupação e alertou: "O quadro é extremamente conservador no Brasil e no mundo. A direita se assenhorou das conquistas da classe trabalhadora". Mas, para o ex-presidente, há motivos para ser otimista, mas é preciso focar os esforços no trabalho de base: "Em política, toda vez que você deixa de conversar com as pessoas, você perde".
http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/287896/L%C3%ADder-para-2018-Lula-pede-a-movimentos-sociais-apoio-para-ter-governabilidade.htm

Pior crime de Cunha foi colocar Temer no poder


Nesta quinta-feira, o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi condenado a 15 anos e 4 meses de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Segundo a sentença condenatória, ele deverá cumprir a pena em regime fechado.
Cunha foi o condutor do golpe de 2016, que tirou Dilma Rousseff do poder. Todavia, para muito além da roubalheira que, em tese, o manteria fora de circulação por uma década e meia, os piores crimes que ele cometeu não foram os alegados na sentença condenatória.
A situação dramática em que o país está se deve a estratagemas do ex-presidente da Câmara com vistas a derrubar Dilma Rousseff inviabilizando seu governo ao impor despesas que ficaram conhecidas como “pautas-bomba” e impedindo que o Congresso votasse medidas para evitar a crise.

Porém, o que desencadeou o processo de sabotagem do país foi a decisão de Dilma e do PT de não proteger um gangster cujos crimes – ou uma modesta parte deles – estão descritos na sentença que o condenou à prisão.

Cunha nunca será julgado pelos crimes mais graves que cometeu. Quais sejam, tirar do poder uma governante séria e instalar uma quadrilha no lugar dela.
O Brasil terá que se contentar, “apenas”, com a punição de Cunha pelos crimes tipificados no Código Penal e terá que se conformar com a impunidade dele pelos seus terríveis crimes políticos.
Porém, o Brasil ainda tem que punir a quadrilha de Cunha, ou seja, aqueles que ele colocou na Presidência da República e no resto do governo Federal.
Infelizmente ou felizmente – dependendo da crença de cada um na “democracia” que nos resta –, o único juiz que poderá expedir uma sentença expurgando os golpistas e elegendo a democracia será o juiz povo, que, suspeita-se, já começa a acordar.
http://www.brasil247.com/pt/colunistas/eduardoguimaraes/287866/Pior-crime-de-Cunha-foi-colocar-Temer-no-poder.htm

BANCOS LUCRARAM QUASE R$ 50 BILHÕES EM 2016

Do Infomoney - Apesar de ter uma queda de 13%, os bancos brasileiros conseguiram se manter como o setor que mais lucrou no País em 2016, segundo levantamento feito pela consultoria Economatica com as empresas listadas na Bolsa. Com 23 instituições, o bancos conseguiram lucrar R$ 48,595 bilhões no ano passado.
O Itau Unibanco (ITUB4) e o Bradesco (BBDC4) lideraram a lista das empresas mais lucrativas, porém com queda nos seus resultados de 2016 com relação ao ano anterior. O primeiro lucrou R$ 21,639 bilhões - uma queda de R$ 1,720 bilhão -, enquanto o Bradesco teve resultado positivo de R$ 15,083 bilhões, ante R$ 17,189 bilhões no ano anterior.
Entre os 20 maiores lucros do Brasil, aparecem ainda o Banco do Brasil (R$ 8,033 bilhões), Santander (R$ 5,532 bilhões), BB Seguridade (R$ 4,013 bilhões) e BTG Pactual (R$ 3,408 bilhões).
Confira a lista:

http://www.brasil247.com/pt/247/economia/287911/Bancos-lucraram-quase-R$-50-bilh%C3%B5es-em-2016.htm

CUNHA DIZ QUE MORO É “JUSTICEIRO POLÍTICO” E QUER USÁ-LO COMO SEU “TROFÉU”

Paraná 247 - De dentro do Complexo Médico Penal em São José dos Pinhais, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB) criticou nesta quinta-feira, 30, a sentença do juiz Sérgio Moro, que o condenou a 15 anos e 4 meses de prisão pelos crimes de corrupção, de lavagem e de evasão fraudulenta de divisas em ação penal sobre propinas na compra do campo petrolífero de Benin, pela Petrobras (leia mais).
Para Cunha, Sergio Moro "quer se transformar em um justiceiro político" e tenta usá-lo como "seu troféu em Curitiba". "Esse juiz não tem condição de julgar qualquer ação contra mim, pela sua parcialidade e motivação política", escreveu o peemedebista.
O ex-presidente da Câmara diz que a decisão de condená-lo é "política" porque tenta "evitar a apreciação do habeas corpus no Supremo Tribunal Federal". "É óbvio que irei recorrer, e essa decisão não se manterá nos tribunais superiores, até porque contém nulidades insuperáveis."
Segundo o peemedebista, além de "absurda e sem qualquer prova válida", a sentença de Moro "jamais poderia ser dada 48 horas após as alegações finais".
Essa é a primeira condenação de Cunha na Lava Jato. Ele também é réu em outras duas ações, por suposto recebimento de propina em contratos de aquisição de navios-sonda pela Petrobras junto a um estaleiro sul-coreano e também em um desdobramento da operação, que prendeu Lucio Funaro, apontado como operador financeiro do ex-deputado. Cunha ainda é investigado em ao menos outros cinco inquéritos.
http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/287897/Cunha-diz-que-Moro-%C3%A9-%E2%80%9Cjusticeiro-pol%C3%ADtico%E2%80%9D-e-quer-us%C3%A1-lo-como-seu-%E2%80%9Ctrof%C3%A9u%E2%80%9D.htm

LAVA JATO MOVE AÇÃO CONTRA PP E PEDE DEVOLUÇÃO DE R$ 2,3 BI

Paraná 247 com Reuters - A força-tarefa da operação Lava Jato pediu nesta quinta-feira 30 abertura de ação de improbidade administrativa contra o Partido Progressista (PP), além de dez políticos e um assessor ligado à legenda, informou o Ministério Público Federal (MPF).
Além do partido, o ex-assessor parlamentar João Claudio Genu, 10 políticos, sendo quatro ex-deputados e seis parlamentares com mandato, são citados na ação. O MPF pede o ressarcimento total de R$ 2.303.182.588,00 por desvios em contratos da Petrobras.
De acordo com a força-tarfa da Lava Jato, a ação cita dois esquemas de desvio de recursos: um envolvendo a Diretoria de Abastecimento, e outro ligado aos benefício que a Braskem, empresa do Grupo Odebrecht, obteve a partir da atuação deste setor da estatal.
"Esta ação não criminaliza nem obstrui a atividade política, mas sujeita a todos, inclusive os mais poderosos, à lei", afirmou o procurador do MPF procurador Deltan Dallagnol durante a entrevista coletiva concedida nesta tarde.
O coordenador da força-tarefa, procurador Deltan Dallagnol, afirmou que, além dos citados nesta ação, há, pelo menos, mais 21 políticos que receberam propinas a título de mesadas.
"As evidências colhidas ao longo da investigação apontam que o dinheiro ilícito da corrupção da Petrobras foi empregado para o enriquecimento ilícito dos participantes e para financiar campanhas eleitorais. Neste último aspecto, a corrupção, além dos seus efeitos perniciosos mais usuais, atenta contra a legitimidade do processo democrático, por desequilibrar artificialmente as disputas eleitorais", afirma o MPF.
http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/287871/Lava-Jato-move-a%C3%A7%C3%A3o-contra-PP-e-pede-devolu%C3%A7%C3%A3o-de-R$-23-bi.htm

Convidamos você, ufólogo ou simpatizante, para mais uma reunião ufológica

Amigos Ufólogos e simpatizantes da Ufologia, amanhã a partir das 19 horas estaremos mais uma vez trocando informações sobre objetos voadores não identificados, este incrível fenômeno antigo e moderno, que se manifesta de diversas formas aos seres deste lindo planeta. Acreditamos que parte dos Óvnis, são manifestações de seres extraterrestres. Outros tantos, acham que é coisa normal que apenas esperam uma explicação racional. Ainda tem muitos que afirmam que envolvem seres intra-terrenos. Como não temos muitas respostas do que significam esses fenômenos, se torna necessários juntarmos as informações que já dispomos, para tentarmos entender o que acontece. Então, mais uma vez estaremos juntos para esse exercício de tentar desvendar os mistérios da Ufologia. Local: Rua Cel. Diogo Gomes 998, Centro – Sobral-CE.
As pessoas que gostam do tema, estão convidados.
Fone para contato: (88) 999210172 e (88) 988477189

quarta-feira, 29 de março de 2017

ENTIDADE EMPRESARIAL JÁ PREVÊ DEMISSÕES EM MASSA COM ARROCHO DE TEMER

247 - O arrocho do governo Michel Temer pode provocar demissões em massa no setor do transporte, avalia a Confederação Nacional do Transporte (CNT), primeira entidade empresarial a criticar o plano econômico do governo, que prevê cortes em investimentos e aumento de impostos, além de reformas que retiram direitos e restringem o acesso aos benefícios.
Leia a nota divulgada pela CNT:
Reoneração vai gerar demissões em massa no setor de transporte
A reoneração da contribuição previdenciária, se aprovada pelo governo federal, vai gerar demissão em massa no setor transportador, que, no ano passado, teve que fechar mais de 90 mil postos de trabalho devido à grave crise econômica do país. A retração no PIB do transporte foi de 7,1% em 2016, sendo o pior resultado entre os setores produtivos.
Além disso, a medida vai gerar aumento significativo da inflação, principalmente na área de mobilidade urbana. Na avaliação do presidente da CNT (Confederação Nacional do Transporte), Clésio Andrade, "a reoneração penaliza o setor produtivo, que é fundamental para a reativação da economia brasileira".
Clésio Andrade destaca ainda que o transporte é essencial para qualquer atividade. "Fazemos a movimentação de trabalhadores e transportamos toda a produção do país, desde os insumos aos bens finais."
A reoneração aumentará significativamente o custo da prestação dos serviços de transporte e impactará o preço dos bens de produção nacional, com reflexo direto sobre a mesa do trabalhador. Isso será decisivo para a redução da renda da população, já comprometida pela crise e pelo elevado nível de desemprego do país. "Sem o transporte, o Brasil para. Os impactos da reoneração atingirão tanto a área de cargas quanto a de passageiros", diz Clésio Andrade.
Assessoria de Imprensa da CNT
http://www.brasil247.com/pt/247/economia/287684/Entidade-empresarial-j%C3%A1-prev%C3%AA-demiss%C3%B5es-em-massa-com-arrocho-de-Temer.htm

Temer cassado, mas elegível: suprema esculhambação


Finalmente começará na terça-feira o julgamento da ação que pede a cassação da chapa Dilma-Temer. Abusando do cinismo, o PSDB, que apresentou a ação antes de ter se aliado ao PMDB para derrubar Dilma, defendeu a não-responsabilização de Temer. Já o procurador-geral eleitoral, Nicolao Dino, acolhendo o parecer do relator Herman Benjamin, deve pedir a cassação do mandato de Temer e a inelegibilidade de Dilma.
Isso significa que, se acolher tal proposição, o TSE punirá duplamente Dilma, que já foi cassada pelo Congresso, mas deixará Temer elegível, tornando viável a extraordinária hipótese levantada pelo ministro Gilmar Mendes: a de que, sendo cassado, Temer venha a ser eleito presidente pelo Congresso em eleição indireta. Aí teríamos a suprema esculhambação política, algo que espantará o mundo. Mais que república bananeira, teríamos o Brasil transformado num bananão, apelido que por muito menos lhe deu Paulo Francis na infância da Nova República, hoje moribunda.
Por que o procurador sugere a preservação da elegibilidade de Temer não se sabe ainda. Talvez tenha buscado aplicar uma pena mais leve ao vice na chapa vencedora em 2014, e pena mais dura à titular, tornando apenas Dilma inelegível. Mas deve ele saber que a hipótese da eleição indireta de Temer pelo Congresso já foi ventilada, por mais insólito que isso pareça. Como explicar ao povo e ao mundo que um presidente cassado pela justiça eleitoral possa ser eleito pelo Parlamento?
http://www.brasil247.com/pt/blog/terezacruvinel/287498/Temer-cassado-mas-eleg%C3%ADvel-suprema-esculhamba%C3%A7%C3%A3o.htm

LULA: QUEM MENTE? IGOR ROMÁRIO OU ARY FONTOURA?

Ex-presidente reúne versões de delegados da Lava Jato e integrantes da equipe do filme "Polícia Federal - A lei é para todos" para questionar quem não está falando a verdade no caso da filmagem ilegal da condução coercitiva contra ele em março do ano passado; em reportagens divulgadas na imprensa, há revelação do ator Ary Fontoura, que faz o papel de Lula, sobre as cenas gravadas pela PF no dia da ação; o produtor do filme, Tomislav Blazic, primeiramente disse que a ação foi filmada, depois negou suas próprias declarações; já o delegado Igor Romário de Paula, em resposta ao juiz Sergio Moro, admitiu que as cenas foram feitas, mas não vazadas; defesa de Lula pede na Justiça para que elas não sejam divulgadas nem no filme, nem na imprensa
29 DE MARÇO DE 2017 ÀS 15:43 // 247 NO TELEGRAM Telegram // 247 NO YOUTUBE Youtube
247 - A equipe do ex-presidente Lula publicou nesta quarta-feira 29 um texto no site oficial do petista que reúne versões opostas sobre o caso da suposta filmagem ilegal da Polícia Federal da condução coercitiva de Lula em março do ano passado.
A filmagem foi expressamente proibida pelo juiz Sergio Moro, mas reportagens na imprensa sobre o filme "Polícia Federal - A lei é para todos" revelam depoimentos da equipe de que há cenas do dia.
O ator Ary Fontoura, que faz o papel de Lula, por exemplo, confirmou a existência dessas imagens. O produtor do filme, Tomislav Blazic, primeiramente disse qeu a ação foi filmada, depois negou suas próprias declarações.
Já o delegado Igor Romário de Paula, em resposta a Moro, admitiu que a filmagem foi feita por agentes da PF, mas assegurou que elas não foram vazadas. A defesa de Lula foi à Justiça pedir que elas não sejam divulgadas nem no film nem na mídia.
Lula agora pergunta: quem diz a verdade? Leia abaixo a íntegra do texto:
Quem mente? Igor Romário ou Ary Fontoura?Versões não faltam sobre quem vazou para quem as imagens da condução coercitiva de Lula ordenada por Sérgio Moro em março do ano passado
Fatos, versões, mentidos e desmentidos têm povoado nos últimos dias o noticiário sobre as imagens gravadas pela Polícia Federal da condução coercitiva de Luiz Inácio Lula da Silva, ocorrida no início do ano passado. Que os federais gravaram sua própria entrada armada na casa de Lula às 6h da manhã, invadindo a privacidade do ex-presidente e de Dona Marisa naquele dia 4 de março, já não resta dúvida: a própria autoridade policial admitiu isso em nota, quando ficou difícil fazer outra coisa.
O que ainda comporta versões conflitantes é se essas imagens captadas pela polícia sem autorização judicial foram vazadas para órgãos de imprensa e para a equipe de produção do filme “Polícia Federal - A Lei é Para Todos”, ainda a ser lançado. Se assim for, como apregoa o título da película, tal vazamento é crime, que devendo ser investigado, desvendado e punido.
Há quem diga que tais imagens foram, sim, vazadas. Também há quem diga que jamais foram vazadas. E os que dizem que não só foram vazadas, como assistidas por eles, e estudadas, encenadas e gravadas por uma equipe de cinema. Finalmente, há os que disseram uma coisa e depois disseram outra.
“Sim, vazou”
Primeiramente, os que dizem que tais imagens foram, sim, vazadas. A revista Veja é um exemplo. No dia 3 de fevereiro deste ano, publicou como reportagem o texto “Os bastidores do filme sobre a Operação Lava Jato”. Nele, está escrito:
“ A VEJA teve acesso à íntegra da gravação de todo o processo (condução coercitiva do ex-presidente), feita por câmera digital acoplada ao uniforme de um agente da PF. Lula, que abre a porta antes mesmo de os agentes baterem, estava vestido para ir à academia.”
Outro exemplo daqueles que dizem que sim, que tais imagens foram vazadas, é o jornal Folha de S.Paulo, que, no dia 12 de fevereiro, publicou: “Filme da Lava Jato custa R$ 15 mi, tem investidor secreto e estreia em julho”. Baseado em entrevistas e encontros com a equipe de produção do filme, o diário conta como foram feitas as cenas, quem são os atores etc. Em dado momento, escreve:
“(O ator) Ary Fountoura interpreta o ex-presidente, que usava roupa de ginástica (ia para a academia) quando a PF bateu à porta, em março de 2016. Achou que estava sendo preso. Um dos delegados diz que não, que ‘isso se chama prisão coercitiva’. ‘Isso se chama filha da putice’, rebate Lula, levado à força para uma área policial no aeroporto de Congonhas”
“A ficção oferece versão mais enxuta do que se passou naquela manhã, segundo gravação que a PF fez no dia”.
Como a Veja e a Folha, outros veículos de imprensa de maior e menor importância também informaram o vazamento das imagens feitas pela PF durante a condução coercitiva autorizada por Sérgio Moro.
“Não vazou”
Há os que afirmam que tais imagens nunca foram vazadas. Entre eles, está o juiz de primeira instância da 13ª Vara Federal de Curitiba Sérgio Moro, que assinou os mandados de busca e apreensão e de condução coercitiva de Lula naquele dia 4 de março. Junto com os mandados, proferiu ordem para que as imagens da operação não fossem gravadas, evitando assim que eventualmente fossem utilizadas para ferir a imagem e a honra daqueles que estavam sendo submetidos à coerção, busca e apreensão.
Depois que órgãos de imprensa como Veja e Folha passaram a divulgar que as imagens da condução coercitiva de Lula não só haviam sido gravadas, como repassadas a veículos de comunicação e produtores de filme, os advogados de Lula peticionaram questionando o juiz Moro. Queriam que fosse posta alguma ordem a respeito do assunto, já que grassava a notícia de que sua determinação a respeito de imagens da condução coercitiva estava publicamente sendo ignorada.
Assim, no último dia 24, ele respondeu. Determinou à Polícia Federal que se manifestasse em cinco dias, mas que, salvo melhor juízo:
“Não consta que qualquer gravação efetuada durante a diligência de condução coercitiva tenha sido disponibilizado (sic) à produção do filme ou a qualquer veículo de imprensa. Se o último fato tivesse ocorrido, aliás, provavelmente tais imagens já teriam sido publicizadas”.
Quem também afirma com todas as letras que jamais existiu qualquer vazamento das imagens é o delegado federal que era responsável por zelar pelo sigilo dessas imagens. Seu nome é Igor Romário de Paula. Ele respondeu ao pedido de informações do juiz sobre o assunto na última terça-feira (28), depois das declarações de vazamento publicadas pela imprensa, da reclamação da defesa de Lula e da determinação de Moro. Começou por admitir a gravação das imagens, tendo julgado não agir ilegalmente. Depois, negou qualquer vazamento, como se lê em reportagem do jornal Valor Econômico:
“A determinação expressa na ordem judicial expedida não se refere à gravação feita pela Polícia Federal durante a realização da diligência, mas à veiculação indevida e desnecessária de imagens captadas que venham porventura expor desnecessariamente a figura do então investigados nestes autos, o que de fato não ocorreu.”
“Em momento algum as imagens realizadas naquela data foram fornecidas a terceiros, sendo anexadas ao processo eletrônico correspondente somente imagens do depoimento realizado e posteriormente desgravado.”
“Vazou, sim, e eu vi”
Há os que dizem que as imagens da condução coercitiva de Lula determinada por Sérgio Moro não só foram vazadas como exibidas aos atores que trabalharam na filmagem de “Polícia Federal - A Lei é Para Todos”.
Ary Fontoura, que fez o papel de Luiz Inácio Lula da Silva, por exemplo, jamais fez segredo sobre o que envolveu sua preparação para o papel a que se prestou, que mesmo reconheceu como difícil. É o que mostra entrevista do ator à revista Veja, publicada no dia 5 de fevereiro e realizada dias antes, com Fontoura na porta do prédio da PF em Curitiba:
“Sua maior fonte de inspiração será mesmo o filme de quase duas horas feito pela Polícia Federal que mostra como Lula reagiu quando os investigadores bateram à sua porta, às 6 horas da manhã, no dia 4 de março de 2016, para levá-lo coercitivamente para depor:”
“Veja: Por que é um papel difícil?
Ary Fontoura: Por se tratar de um personagem real e vivo. Além do mais, é um filme didático que vai mostrar a operação exatamente como ela é. O primeiro filme acaba justamente com a condução coercitiva do Lula, um dos momentos mais tensos da Lava-Jato. Muita gente ainda não sabe o que aconteceu quando a polícia bateu na porta do apartamento do Lula naquela sexta-feira, 4 de março de 2016. “
“Veja: O que o senhor veio fazer na sede da Polícia Federal de Curitiba?
Ary Fontoura: Vim sentir o clima da Lava-Jato e assistir às gravações que a PF fez da condução coercitiva do Lula. Minha participação no filme começa com a Polícia Federal batendo na casa dele até o depoimento no aeroporto de Congonhas.
Com o mesmo ar desinibido o ator concedeu entrevista ao site “Adoro Cinema”, publicada no dia 10 de fevereiro. Enquanto dizia que tinha ido à Polícia Federal em Curitiba para ter acesso a informações do inquérito de Lula para que assim pudesse trabalhar melhor seu personagem de cinema, ele contou como foi recebido pela PF na capital paranaense (a partir dos 3min41 do video do link acima):
“Se teve, diga-se de passagem, uma abertura fantástica. Porque eles acham que sim, e muito, e muito acertadamente, que todo o povo tem direito a ver as coisas que eles têm gravadas, as prisões que foram efetuadas, porque foram feitas do povo para o povo”.
Disse uma coisa e depois outra
Finalmente, sobre as imagens da coerção de Lula, há os que primeiro disseram que vazaram, e atualmente afirmam que não vazaram.
É o caso do produtor do filme, Tomislav Blazic. No dia 12 de fevereiro, ele dizia ao jornal Folha de S.Paulo que firmara “um acordo sem precedentes” com a Polícia Federal, passando a ter “canal aberto” com agentes, acesso à carceragem e “à gravação que a Polícia Federal fez no dia” da condução de Lula.
Nesta semana, porém, após a reclamação da defesa de Lula, da determinação de Sérgio Moro e das afirmações convictas de não vazamento da Polícia Federal, o produtor deu declarações inéditas à imprensa. Ao jornal O Globo, por exemplo, disse, no último dia 27, não ter - nem nunca ter tido - qualquer vídeo da condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Disse também que sequer recebeu qualquer tipo de colaboração da Polícia Federal nas filmagens. "Não sei de onde tiraram essa informação. Isso simplesmente não é real." Depois da manifestação do produtor, o jornal Folha de S. Paulo e a revista Veja reafirmaram as informações publicadas em contrário à nova afirmação de Blazic.
Resta saber quem está mentindo: se Igor Romário ao dizer que não vazou, ou Ary Fontoura ao afirmar mais de uma vez que assistiu essas imagens na Polícia Federal em Curitiba.
http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/287625/Lula-Quem-mente-Igor-Rom%C3%A1rio-ou-Ary-Fontoura.htm

A essência da oligarquia e os impasses dos governos de coalizão

Ueslei Marcelino/Reuters
Este texto é constituído de duas partes. A primeira, apresentada a seguir na seqüência de 10 tópicos, pretende abordar a essência da oligarquia brasileira; sua natureza autoritária, rentista e patrimonialista e, em consequência disso, sua incapacidade de dirigir a construção de uma nação democrática, soberana e igualitária.
Na segunda parte, se busca avaliar os limites e impasses experimentados pelo espectro progressista e de esquerda para modernizar e democratizar o Brasil quando seus governos são garroteados no marco de coalizões governamentais sem identidade programática e sem convergência estratégica acerca de um projeto de desenvolvimento do país.
Parte I – a essência da oligarquia brasileira
1.
A economista Maria da Conceição Tavares, em Celso Furtado e o Brasil [Editora Fundação Perseu Abramo, 2000], o brilhante artigo Subdesenvolvimento, dominação e luta de classes. Este escrito preserva, ainda hoje, notável pertinência para a discussão sobre a estratégia de transformação do Brasil desde a perspectiva dos subalternos.
Em distintas passagens do seu texto, Maria da Conceição ilumina o olhar sobre a natureza da oligarquia política e os seus limites para completar a revolução burguesa:
“No ensaio Brasil: da República oligárquica ao Estado militar, Furtado afirma logo no início que ‘a miséria de grande parte da população não encontra outra explicação que a resistência das classes dominantes a toda mudança capaz de pôr em risco seus privilégios’”.
Em consonância com a percepção de Furtado, Conceição complementa:
“... podemos enunciar o problema afirmando que a nossa peculiar ‘revolução burguesa’, começada há pelo menos 150 anos, em vez de permitir a passagem a uma ‘ordem competitiva’, manteve um pacto de dominação social férreo entre os donos da terra, o Estado e os donos do dinheiro, que se caracterizou, do ponto de vista político, por uma oscilação permanente entre uma ordem liberal oligárquica e um Estado interventor autoritário”.
2.
A oligarquia, na sua essência, além de autoritária, é golpista; para ela, a democracia é um valor meramente circunstancial. A história do Brasil testemunha a índole conspirativa da classe dominante, que subverte a ordem jurídica e golpeia o Estado de Direito sempre que considera seus privilégios de classe ameaçados por políticas distributivas e desconcentradoras de renda.
Esta oligarquia é um obstáculo concreto a qualquer estratégia de construção de uma nação igualitária, moderna, democrática e integrada com altivez no mundo.
3.
A oligarquia sempre agiu para obstruir as trajetórias de modernização e democratização do país:
[1] em 1954, fabricou o clima beligerante e a crise política que levou Getúlio ao suicídio;
[2] em 1955 e em 1961, tentou impedir as posses de Juscelino Kubitschek e de João Goulart;
[3] nos anos 1962 a 1964, sabotou a economia e conspirou contra o Presidente Jango com a assistência explícita do governo dos EUA sob o comando implícito de John Kennedy. Em 1º de abril de 1964, desfechou o golpe civil-militar que depôs Jango e interrompeu as reformas de base e o processo de inserção soberana e independente do Brasil no mundo;
[4] em 2002, condicionou a garantia da normalidade política, eleitoral e institucional ao aceno, por parte do Lula, da “carta ao povo brasileiro”, elaborada para “tranqüilizar” os mercados;
[5] em 2014, não aceitou a derrota eleitoral e tentou impedir que Dilma assumisse. Primeiro, pediu a recontagem dos votos; e, fracassado o intento, requereu a cassação da candidatura Dilma no TSE; e
[6] de 2014 a 2016, infernizou o país, fez terrorismo político e induziu à brutal crise econômica para legitimar o golpe jurídico-midiático-parlamentar perpetrado em 31 de agosto de 2016 através do impeachment fraudulento da Presidente Dilma. Um golpe de novo tipo, sem baionetas, tanques e generais, mas, assim mesmo, um golpe continuado [e ainda em andamento], de impressionante violência contra os interesses nacionais e populares e a política externa altiva e ativa do Brasil.
4.
Em todas estas circunstâncias históricas, a denúncia hipócrita da corrupção foi o tempero da propaganda ideológica que coesionou as classes médias e altas contra governos progressistas. A mídia e a influência estrangeira foram, também, fatores decisivos para o sucesso das empreitadas golpistas.
Em 1964, mais que influência, houve clara ingerência norte-americana nos assuntos internos do país. Em 2016, observa-se o ativismo secreto da CIA e dos Departamentos de Estado e de Justiça dos EUA em cooperação com o MP e a força-tarefa da Operação Lava Jato.
Nos dois golpes, a Rede Globo desempenhou o papel central de alienação, manipulação e legitimação das dinâmicas golpistas.
5.
A oligarquia brasileira tem um ethos societário egoísta e excludente. Para ela, o Brasil jamais será uma nação para os 203 milhões de brasileiros porque deverá ser, por toda a eternidade, sua capitania hereditária. Essa possessão marca sua genética: o Brasil foi o último país a abolir a escravatura e o único, dentre as maiores economias do planeta, a não completar a reforma agrária capitalista.
A dominação oligárquica fez do Brasil um dos países mais desiguais do mundo com o aviltamento dos salários, a exclusão brutal do povo trabalhador e o desemprego estrutural. Com a terceirização geral e irrestrita dos contratos de trabalho, as classes dominantes sacramentaram o pacto de dominação escravocrata que fará o país retroceder às características da exploração oligárquica do século 19.
6.
A oligarquia estabelece com o Estado uma relação patrimonialista e de pilhagem permanente de várias maneiras: com benefícios e favores fiscais e tributários; na sonegação consentida e tolerada; através da corrupção direta [licitações] e indireta [privatizações]; e, principalmente, na acumulação preguiçosa com os juros mais pornográficos do planeta.
É, enfim, uma classe parasitária do rentismo e do ganho fácil na orgia financeira. É uma burguesia que financeirizou seu negócios em patamares elevados, onde a produção para o mercado interno é mero efeito secundário da prioridade de ganhos financeiros fáceis.
Para Maria da Conceição,
“as relações de dominação e cumplicidade entre os agentes do dinheiro mundial e as burocracias do dinheiro nacional foram a moldura estrutural que enquadrou a formação de nossas elites ‘cosmopolitas’ e o caráter mais ou menos dependente – ou associado – de nossa burguesia com o capitalismo financeiro internacional. Estas relações financeiras desiguais terminam em geral num processo de endividamento externo do Estado, que conduz periodicamente ao estrangulamento das finanças públicas e alimenta os conflitos do governo central com as elites locais por tornar escassos os ‘fundos públicos’”.
7.
A fração industrial da oligarquia, sobretudo o núcleo paulista hegemônico, defende políticas que, teoricamente, seriam contraditórias com seus interesses, como os juros altos e a valorização do real.
Isso representa a renúncia a um projeto de desenvolvimento nacional autônomo, com soberania científica e tecnológica para a geração de inteligência e empregos aqui no país, e não nas matrizes das companhias norte-americanas, européias, japonesas ou chinesas.
Esta perspectiva interdita a inserção favorável do país nas cadeias globais de valor e na disputa competitiva dos mercados mundiais de bens, obras e serviços. A destruição da cadeia de gás e petróleo e da engenharia nacional pela Lava Jato, bem como a entrega do pré-sal, o abandono da política de conteúdo local e o ataque à cadeia de produção animal, estão embalados neste invólucro ideológico.
8.
A oligarquia brasileira sempre se reconheceu subalternizada e colonizada pelas metrópoles imperiais, sobretudo pelos EUA. Aliás, faz disso seu glamour.
Não por acaso, em 18/4/2016, o dia seguinte à “assembléia geral de bandidos comandada por um bandido chamado Eduardo Cunha”, que aprovou o impeachment fraudulento da Presidente Dilma, o hoje chanceler Aloysio Nunes Ferreira [PSDB/SP] voou aos EUA para prestar contas ao Departamento de Estado sobre o processo do golpe.
É, como se vê, uma oligarquia que despreza os conceitos de nação, povo, soberania, cultura e desenvolvimento nacional. O mantra que embala os sonhos desta burguesia é: “se é bom para os EUA, é bom para o Brasil”.
9.
A oligarquia brasileira, que na sua essência é autoritária e golpista, tem traços fascistas. Os fascistas estigmatizam grupos sociais para infundir sentimentos coletivos de ódio contra os grupos por eles mesmos estigmatizados – em regra, os eleitos como inimigos. Hitler foi o precursor deste método na Alemanha dos anos 1920/1930, inclusive mandando afixar estrelas de David nas casas de famílias de judeus, para facilitar a caçada dos “inimigos”.
Os fascistas instrumentalizam as instituições do Estado como a PF, o MP e o judiciário para aniquilar adversários políticos e ideológicos – Lula, o PT e as esquerdas – para, com isso, eliminar a oposição e a resistência democrática aos atentados que perpetra contra o Estado de Direito e a democracia.
10.
A oligarquia é um entrave à modernização e à democratização do Brasil. Qualquer mudança do país, mesmo no marco de um projeto social-democrata e de bem-estar-social, encontrará nesta oligarquia uma ferrenha resistência.
Um projeto democrático-popular de transformação do Brasil, capaz de assegurar a dignidade dos subalternos, não tem viabilidade no marco de um governo de coalizão com a oligarquia associada ao capital financeiro internacional e que condena o país ao atraso estrutural.
Para Maria da Conceição Tavares,“... a reconstrução de um Estado democrático e republicano é provavelmente apenas uma aspiração consciente dos cidadãos, isto é, dos incluídos”. A partir desta afirmação, ela pergunta: “Mas, e os excluídos da cidadania, como chegarão a ela sem a luta de classes?”.
A derrota da oligarquia golpista é o pressuposto fundamental para que o país consiga se libertar da corrente que o prende ao passado arcaico de exclusão social e dependência das metrópoles estrangeiras.
É preferível perder eleições e acumular forças, a vencer e sofrer uma derrota estratégica por executar um programa oposto ao necessário para construir a nação brasileira moderna, democrática e igualitária.
Não é suficiente ganhar uma eleição, é necessário alterar a correlação de forças na luta de classes e criar condições para poder mudar o Brasil para melhor.
http://www.brasil247.com/pt/colunistas/jefersonmiola/287482/A-ess%C3%AAncia-da-oligarquia-e-os-impasses-dos-governos-de-coaliz%C3%A3o.htm

MP ELEITORAL PEDE CASSAÇÃO DE MICHEL TEMER

Do Infomoney - Segundo fontes ouvidas pelo jornal O Estado de S. Paulo, o MPE (Ministério Público Eleitoral) pediu ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) a cassação do presidente Michel Temer (PMDB) e a inelegibilidade da presidente deposta Dilma Rousseff (PT). A manifestação da PGE (Procuradoria-Geral Eleitoral), mantida sob sigilo, foi encaminhada na noite desta terça-feira (28) ao TSE.
O presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, anunciou nesta terça-feira que a chapa Dilma-Temer começará a ser julgada na manhã da próxima terça-feira (4). Ele informou ainda que os ministros da Corte concordaram em reservar quatro sessões para julgar o caso. Além da sessão da manhã de terça, no mesmo dia haverá uma outra sessão, à noite, a partir das 19h. Pelo cronograma anunciado por Gilmar, haverá, ainda, uma sessão extraordinária na noite de quarta, enquanto na sessão semanal de quinta, pela manhã, os ministros devem concluir o julgamento.
Segundo o jornal, se os ministros do TSE seguirem o entendimento da PGE - ou seja, cassarem Temer, mas o deixarem elegível -, ele poderia concorrer numa eleição indireta. Procurada pela reportagem, a defesa de Temer informou que só se manifestará sobre o parecer no julgamento. A defesa de Dilma não se manifestou.
O TSE apura desde 2015, a pedido do PSDB, se a chapa formada por Dilma Rousseff e Michel Temer na eleição presidencial de 2014 cometeu abuso de poder político e econômico, recebeu dinheiro de propina e se beneficiou do esquema de corrupção que atuou na Petrobras.
http://www.brasil247.com/pt/247/poder/287549/MP-Eleitoral-pede-cassa%C3%A7%C3%A3o-de-Michel-Temer.htm

DEPRESSÃO SE APROFUNDA E SETOR DE SERVIÇOS CAI 7,3%

O IBGE divulgou nesta quarta-feira 29 mais um dado que comprova o fracasso econômico do golpe parlamentar que colocou Michel Temer no governo; setor de serviços iniciou 2017 com as maiores perdas em cinco anos, com queda em praticamente todas as atividades; volume de vendas do setor despencou 7,3% em janeiro, comparando com o mesmo período de 2016; na comparação com dezembro do ano passado, a queda é de 2,2%, em meio ao desemprego elevado e atividade econômica cambaleante; em 2016, o volume de serviços encolheu 5%, pior resultado da série iniciada em 2012
(Reuters) - O setor de serviços do Brasil iniciou o ano com as maiores perdas desde 2012, com queda em praticamente todas as atividades em meio ao desemprego elevado e atividade econômica ainda enfraquecida.
O volume de vendas do setor em janeiro recuou 2,2 por cento na comparação com o mês anterior, devolvendo os ganhos de 0,7 por cento vistos no último mês de 2016, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira.
Esse é o pior resultado mensal da série histórica iniciada em 2012. Na comparação com janeiro do ano passado, o setor despencou 7,3 por cento.
Em janeiro, somente a atividade de Serviços de informação e comunicação apontou ganhos sobre dezembro, de 5,5 por cento. O restante veio no vermelho, sendo a principal influência para o resultado a queda 15,2 por cento em Serviços profissionais, administrativos e complementares.
De acordo com o IBGE, o agregado especial das atividades turísticas apresentou recuo de 11 por cento, após avanço de 3,1 por cento em dezembro.
Em 2016, o volume de serviços encolheu 5 por cento, pior resultado da série iniciada em 2012.
Apesar de alguns sinais de melhora da atividade econômica, o setor de serviços sofre diretamente o impacto do desemprego elevado.
(Por Camila Moreira)
http://www.brasil247.com/pt/247/economia/287539/Depress%C3%A3o-se-aprofunda-e-setor-de-servi%C3%A7os-cai-73.htm

Polarização entre petistas e tucanos é positiva


Passou a ser moda fazer a crítica do Fla x Flu que seria a polarização entre PT e PSDB. Marina Silva, na tentativa de projetar uma "terceira via", teve esse como um dos seus temas, mas ao ter como guru um economista tucano e ao aderir a Aécio no segundo turno, só reafirmou aquela polarização. Outros abordam, de maneira vulgar, a necessidade de superar essa polarização, como se ela fosse artificial.
Na Europa, conforme os dois partidos tradicionais aderiram à política de austeridade – a forma do ajuste fiscal neoliberal por lá –, a polarização entre social democracia e conservadores perdeu validade. Nenhum dos dois era anti-neoliberal. Surgiram então alternativas ao bipartidismo, na extrema direita e na esquerda.
Aqui a divisão entre PT e tucanos tem sentido, porque os tucanos representam o modelo neoliberal no governo de FHC, enquanto o PT representa o antineoliberalismo, nos governos Lula e Dilma. Porque esta linha divisória continua sendo a determinante no período histórico atual, em que o capitalismo vestiu o traje neoliberal.
As campanhas eleitorais desde então foram muito esclarecedoras, com o PT defendendo o modelo de desenvolvimento econômico com distribuição de renda e o PSDB defendendo a retomada do modelo do governo de FHC, de centralidade do ajuste fiscal. E o povo decidiu, quatro vezes seguidas, pela proposta do PT. A polarização foi entre o modelo neoliberal de FHC e o modelo antineoliberal do PT.
Nas eleições mais recentes, seja Marina ou até mesmo o candidato tucano, tentaram disfarçar a prioridade do ajuste fiscal nas suas propostas, dizendo que manteriam as políticas sociais dos governos do PT. Mas seus gurus econômicos, paralelamente, reafirmavam os princípios neoliberais do ajuste fiscal, revelando como as políticas sociais seriam vítimas dos projetos dos seus candidatos.
Marina, em particular – mas outros políticos também – afirma que é necessário romper a polarização entre PT e PSDB, que seria negativa, que estreitaria as possibilidades e aponta para uma "terceira via". Esta ficou conhecida na Europa como uma renovação do neoliberalismo, sob o lema de "nem Estado, nem mercado" ou de "nem tanto Estado, nem tanto mercado". Foi protagonizada por Tony Blair, por Bill Clinton. Escamoteou a polarização entre neoliberalismo e antineoliberalismo, representando uma continuidade daquele, sob outra forma.
A melhor polarização é em torno do neoliberalismo, modelo assumido pelo capitalismo no período histórico atual, porque é o tema central do nosso tempo. Marina tenta disfarçar isso, o PMDB esteve de um lado, agora está do outro. Mas a linha divisória é essa: a favor ou contra o modelo neoliberal.
Quando se tenta desclassificar a polarização falando do Fla x Flu, se quer dizer que se trataria de alinhamentos irracionais, sectários, futebolísticos, quando se trata de alinhamentos racionais, a favor ou contra o neoliberalismo. A direita tentar impor a favor ou contra a Lava Jato, a favor ou contra a corrupção, a favor ou contra o voto em lista, a favor ou contra o foro privilegiado. Fugindo do tema essencial: o neoliberalismo.
http://www.brasil247.com/pt/blog/emirsader/287398/Polariza%C3%A7%C3%A3o-entre-petistas-e-tucanos-%C3%A9-positiva.htm

terça-feira, 28 de março de 2017

GILMAR AVISA: CASSAÇÃO DE TEMER COMEÇA NA PRÓXIMA SEMANA

247 - O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, afirmou nesta terça-feira, 28, que a tendência é que a corte comece a julgar na próxima semana a ação proposta pelo PSDB que pode cassar o mandato de Michel Temer.
"A tendência é essa", disse Gilmar, que tem sido apontado como potencial presidenciável numa eventual eleição indireta.
Nessa segunda-feira, 27, o relator da ação no TSE, ministro Herman Benjamin, enviou o relatório final para os demais integrantes da Corte e pediu para incluir o processo na pauta de julgamentos no plenário. Ele telefonou para Gilmar Mendes e ouviu a promessa de que convocaria sessões extraordinárias para a realização do julgamento.
O mandato do ministro Henrique Neves termina em 16 de abril e ele será substituído por Admar Gonzaga. A ministra Luciana Lóssio vai sair em 5 de maio, e para o lugar dela deverá ir Tarcísio Vieira. Herman Benjamin quer que os dois participem do julgamento.
Se Temer for cassado, o Brasil poderá ter eleições indiretas e Gilmar, que tem criticado supostos abusos do Ministério Público, tem feito discursos ao gosto dos parlamentares, que seriam os eleitores dessa disputa. Temer pretende catimbar ao máximo, levando o julgamento até o fim de 2018 (leia mais).
Leia reportagem da Agência Brasil sobre o assunto:
Gilmar Mendes diz que “tendência” é julgar chapa Dilma-Temer na semana que vem
O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, afirmou hoje (28) a jornalistas que o julgamento da ação em que o PSDB pede a cassação da chapa Dilma-Temer, que disputou e venceu as eleições presidenciais de 2014, deve mesmo ter início na próxima semana.
Ontem (27), o ministro Herman Benjamin, relator da ação no TSE, enviou seu relatório final para os demais ministros da Corte, liberando o processo para que seja pautado em plenário. Conforme determina a Lei da Inelegibilidade, ele pediu a Gilmar Mendes que inclua a ação imediatamente em pauta.
Para que a ação seja pautada, entretanto, é preciso aguardar as alegações finais do Ministério Público, que possui a prerrogativa de pedir 48 horas de prazo, após o relatório final ter sido concluído por Benjamin, para dar seu parecer.
Questionado nesta terça-feira se o julgamento começaria de fato na semana que vem, Mendes afirmou que a "tendência é essa". Ele também confirmou, no entanto, que logo na abertura das discussões em plenário é possível que o julgamento seja suspenso, adiando o começo efetivo dos debates.
A suspensão ocorrerá caso os ministros decidam acatar um pedido feito pelos advogados de Dilma Rousseff para que as defesas tenham mais cinco dias para examinar provas relativas à empreiteira Odebrecht, que foram anexadas ao processo já em sua fase final, e então entregarem novas alegações finais.
"Se ele [Benjamin] levar dessa forma, certamente será discutido no plenário", disse Mendes, referindo-se à hipótese de o relator da ação não decidir sobre a petição da defesa de Dilma antes do início do julgamento.
No caso de o prazo ser concedido às defesas, é possível que o julgamento acabe adiado para o fim de abril. Isso porque o TSE não possui sessões previstas para a semana da páscoa e o ministro Gilmar Mendes tem viagens agendadas para terceira semana de abril, quando irá à Europa participar de um seminário.
Nesta quarta-feira, Gilmar Mendes não quis responder se estaria disposto a alterar sua agenda de modo a agilizar o julgamento. Na hipótese de ação ficar suspensa até o fim do mês que vem, o ministro Henrique Neves não participará do julgamento, pois seu mandato no TSE termina no dia 16 de abril.
Cassação e inelegibilidade
Em dezembro de 2014, as contas da campanha de Dilma Rousseff e Michel Temer foram aprovadas por unanimidade pelo TSE, mas com ressalvas. No entanto, o processo foi reaberto após questionamento do PSDB, que defendeu haver irregularidades nas prestações de contas apresentadas pela chapa, que teria recebido recursos do esquema de corrupção investigado na Lava Jato.
Inicialmente focado em irregularidades na contratação de gráficas, desde o início deste mês o ministro Herman Benjamin decidiu investigar também os indícios de que a campanha teria recebido recursos não declarados da empreiteira Odebrecht, conforme indícios revelados pela Operação Lava Jato.
A jurisprudência do TSE prevê que a prestação contábil de presidentes e do vice-presidentes deve ser julgada em conjunto. Em caso de condenação, o processo pode resultar na inelegibilidade de Dilma Rousseff e de Michel Temer, que pode ainda ser afastado da Presidência da República.
A campanha de Dilma Rousseff nega qualquer irregularidade e sustenta que todo o processo de contratação das empresas e de distribuição dos produtos foi documentado e monitorado. Os advogados da presidenta afastada também afirmam que todos os recursos recebidos foram declarados.
A defesa do presidente Michel Temer sustentou no TSE que a campanha eleitoral do PMDB não tem relação com os pagamentos suspeitos ou com o recebimento de recursos não declarados.
http://www.brasil247.com/pt/247/poder/287416/Gilmar-avisa-cassa%C3%A7%C3%A3o-de-Temer-come%C3%A7a-na-pr%C3%B3xima-semana.htm

DIRCEU ATACA TEMER E PEDE LUTA POR ELEIÇÕES JÁ

247 - O ex-ministro José Dirceu, que está preso no centro de detenção em São José dos Pinhais, escreveu artigo com duras críticas ao governo de Michel Temer.
Em texto divulgado pelo jornalista Breno Altman em seu Facebook, José Dirceu diz que o país vive sua catarse regressiva. "O governo faz tudo para implantar a agenda da regressão, da supressão dos direitos sociais e dos trabalhadores: a PEC dos Gastos, a Reforma da Previdência, a terceirização da mão de obra. No entanto, nem uma palavra sobre os gastos com a dívida interna e as despesas financeiras, os juros médios de 14%, os juros da dívida de 4,5% na melhor das hipóteses, 7,5% nos piores anos!", afirma.
Leia o artigo na íntegra:
SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA
por José Dirceu
O país vive sua catarse regressiva. Para além da ilegitimidade do governo, as chamadas reformas avançam, tal qual em 1967-69, sustentadas — tanto elas quanto o governo — pela maioria parlamentar que se formou desde o pacote de maldades, o que inviabilizou o ajuste fiscal de Dilma, pelo MPF/Judiciário e pela mídia. A coalisão PSDB-PMDB retoma a agenda da era FHC e, agora, com o ex-PFL/DEM como sócio menor, com o centrão jogando o papel de sempre. Para completar o cenário, os rentistas e o capital bancário financeiro, os oportunistas e carreiristas de sempre, o empresariado pato e as classes médias assistem, alguns com renovado cinismo e outros estupefatos, o processo de bombardeios das conquistas sociais. Afinal, não estavam lutando contra a “corrupção”?.
Assistem ao espetáculo sofrível do governo Temer. Mas saem em sua defesa e lhe dão sustentação, alguns de forma envergonhada, outros aderindo com prazer, jogando no lixo a luta contra a corrupção. Por que não, se até o STF e o MPF buscam meios de preservar Temer e o tucanato?
O governo faz tudo para implantar a agenda da regressão, da supressão dos direitos sociais e dos trabalhadores: a PEC dos Gastos, a Reforma da Previdência, a terceirização da mão de obra. No entanto, nem uma palavra sobre os gastos com a dívida interna e as despesas financeiras, os juros médios de 14%, os juros da dívida de 4,5% na melhor das hipóteses, 7,5% nos piores anos!.
Vamos à PEC dos Gastos. Sua justificativa é a busca do equilíbrio das contas públicas, cujo primário foi de +2,1 em 2007, +1,8 em 2012, +1,4 em 2013, notem -0,8(?) em 2015 (ano eleitoral), -1,9 em 2015. 2016 se encerrou com déficit de R$ 159 bilhões, -3,1 do PIB. Ano, portanto, atípico pelas razões conhecidas: golpe, locaute de investimentos, sabotagem do ajuste fiscal de 2015, farsa de aumentos dos salários do serviço público, choque de preços administrados e de alimentos, queda do preço das commodities, retirada do grau de bom pagador do Brasil e por aí vai.
O pânico e o medo mais o desemprego fez o consumo desabar. Normalmente, sem a guerra política movida contra o governo Dilma, a recessão seria igual ou pouco maior que a de 2014 e não de -3,5%. Ou falácia, Dilma fez superávit em 2012, 2013 e 2014, pequeno é verdade, mas não incompatível com os juros pagos que em 2012 foram de 3,1%; em 2013, de -3,5%; e em 2014, de 4,4%. O déficit nominal foi, respectivamente, de -1,3, em 2012, -2,1 em 2013, -4,7% em 2014, -8,6, em 15, e, em 16, na mesma escala entre 7,6% e 8,6%. Anos atípicos com a economia em choque político.
Perco esse tempo para demonstrar a inutilidade do PEC dos Gastos e seu verdadeiro objetivo, já que bastaria uma reforma tributária e uma outra política de juros para equacionar o déficit nominal e o crescimento da dívida pública.
As contas da Previdência
É preciso considerar o peso da queda da arrecadação e dos juros da dívida em 2014, 15, 16 para entender o aumento do déficit nominal e mesmo primário. Não houve nenhuma mudança significativa nesses anos, nem nos dez últimos, na despesa com pessoal e ou custeio. Nada de extraordinário com as despesas da Previdência, fora o fato de que, com 12 milhões de desempregados, caem as contribuições e aumentam os benefícios.
Exemplo: a Previdência Urbana em 2012, 13 e 14 teve superávit de 0,5% do PIB; a Rural, déficit de 1,5% em média entre 2012 e 15; e a dos servidores idem. Então, os 3% de déficit, mais ou menos R$ 180 bilhões, estão concentrados na Previdência Rural, que só arrecada contribuições de 0,1% do PIB, e a dos servidores, 0,2%. Para uma despesa-benefícios de 1,8% em 2015, a Rural pagou 1,7%. Em 2016, a Previdência Urbana deu déficit pela primeira vez, -0,7%, mais ou menos R$ 50 bilhões.
A PEC dos Gastos visa cortar 4% do PIB nos próximos anos. Pelos cálculos da FGV/IBRE, daqui a dez anos as despesas do governo federal, pelas regras atuais, seriam de 24,5% do PIB. O objetivo da PEC é reduzir essa despesa para 17,4% em 2022 (fim do mandato do presidente eleito em 2018).
Onde cortar esses 4% ou 7%? Os investimentos já estão na lona. Então, na lógica desse governo sobram Previdência, LOAS, BPC, e o salário do servidor terceirizado. Nunca das carreiras estratégicas do Estado, beneficiadas em 2016 com aumentos de 19% a 40%: juízes, procuradores, delegados, defensores, gestores, diplomatas e por aí vai. Privilégios, legalistas, castas! Ilegalidades! Venda de férias, licenças prêmios, auxílios livros, estudos, creches, habitação, planos de saúde, moradia. Verdadeiros marajás!
Daí as vergonhosas propostas, covardes, de aumentar a idade de aposentadoria, exigir até 15 anos a mais de trabalho para receber a integral, desvincular os benefícios do BPC e rurais do salário mínio. São 8,5 milhões de aposentados rurais e 3,5 milhões de beneficiários do BPC. Alguém pode aceitar tamanha infâmia, sabendo que é o mínimo para a sobrevivência desses brasileiros, fora o papel no PIB e no desenvolvimento local desses benefícios? Um crime!
Não há país no mundo em que a Previdência se autofinancie. 1,5% do PIB para a Previdência é o mínimo! Que se reforme a ferro e a fogo a Previdência dos servidores públicos, que se ponha fim aos escandaloso regime desigual dentro do funcionalismo público, sem o absurdo de elevar a alíquota de 11% para 14%, por exemplo, nos estados que mal pagaram salários.
Os 4% ou 7% virão da liquidação da luta contra a pobreza, Bolsa Família, BPC, LOAS, Previdência Rural e Urbana?
Se não cabe no Orçamento Geral e da Seguridade Social nosso sistema de Previdência, Assistência e Saúde, não podemos simplesmente num país com as desigualdades como o nosso, sem ouvir o povo, fazer na prática um desmonte desse Estado Social.
Por que não taxar os ricos? O país não pode fazer uma reforma tributária e reduzir os juros? Vamos pagar 5% de juros para uma minoria já rica ou de classe média, que tem seguro saúde, previdência privada, imóveis, renda de juros aluguéis, dividendos? Por que não pagar 2% ou mesmo 1%?
Nosso déficit é fruto dos juros pagos à dívida interna. R$ 350 bilhões em média por ano, chegando a R$ 560 bilhões em alguns anos. Fizemos superávit fiscal desde o segundo governo FHC, à exceção de 2015 e 2016, nas condições de crise política e econômica. A dívida pública subiu de 56% para 70% do PIB por causa dos altos juros e não por causa dos gastos públicos.
Devemos reduzir os gastos ou aumentar as receitas? Os dois, reduzir os gastos com juros e aumentar as receitas invertendo o caráter de nossos tributos hoje regressivos e indiretos. Que os ricos paguem pela crise e não só os pequenos e os trabalhadores, e pior, os aposentados, os pobres e as pessoas com necessidades especiais.
É verdade que o déficit da Previdência e da seguridade social cresce chegando a R$ 257 bilhões em 2016. Com receitas de R$ 617,7 bilhões (incluindo as contribuições sociais – COFINS, PIS/PASEP/CSLL, e todas contribuições, urbanas, rurais, servidores e ainda loterias) e despesas R$ 874,7 bilhões (Previdência, saúde e assistência social). Mas atenção, R$ 91 bilhões foram retirados pela DRU e as renúncias fiscais levaram outros R$ 58,6 (com as desonerações chegaram a R$ 158 bilhões em 2015); isso, sem falar nas dívidas das empresas e na sonegação. Logo o déficit seria, em 2016 — repito, ano atípico —, de R$ 106,7 bilhões. Até 2013, o déficit da seguridade social era mínimo. Por exemplo, em 2013 foi de R$ 83,7 bilhões, mas a DRU tirou R$ 60,1 bilhões, logo seria R$ 23,6 bilhões; era R$ 22 bi em 2012, R$ 13,2 bi, em 2011. O estoque da dívida ativa foi de 351 bilhões em 2015. A sonegação e dívida de empregadores em 2016 foi de 91 bilhões de reais.
Esses dados estão num artigo lúcido de Ribamar Oliveira, no "Valor Econômico”" de 16 de fevereiro, escrito para responder a nós que afirmamos que não se pode falar em déficit da Previdência sozinha, já que a Constituição de 1988 criou a Seguridade Social financiada pelas contribuições previdenciárias e sociais, como já explicamos. Mas o jornalista sabe que chegamos a um sobrejuro absurdo na contramão de todos os países desenvolvidos, onde se paga juros negativos ou irrisórios, 1%, 2%, a médio ou longo prazo.
Essa iníqua e injusta situação, quase uma desapropriação de renda nacional, seu sequestro para uma minoria, tem que cessar, assim como o iníquo sistema tributário nacional.
O grave desta situação, no caso da DRU, desonerações, dívidas das empresas, sonegações, é que a Saúde Pública, financiada pelo orçamento da seguridade social, como demonstra Ribamar Oliveira, é a principal atingida. Crescem as despesas da Previdência e caem as de Saúde.
Aliás, um estudo do Ministério da Fazenda mostra que a saúde representa 9% dos gastos federais, e a Previdência, assistência social e trabalho, 48%.
Assim, realmente a PEC dos Gastos coloca a Saúde Pública, o SUS, em risco, já enfraquecidos pela criminosa extinção da CPMF. Fora o fato de que a reforma da Previdência proposta e a PEC dos Gastos, irmãs gêmeas, promovem e estimulam, na prática, uma corrida para os planos de saúde e para a previdência privada.
A questão de fundo é o rompimento do pacto constitucional de 1988, gravíssimo, sem consulta popular. A convocação de eleições e Constituinte, precedida de uma reforma política via plebiscito ou referendo é uma exigência legal, democrática e única para restabelecer a legalidade, legitimidade e o pacto social e constitucional.
O Brasil e suas classes sociais, seu povo, tem que decidir que Estado e sociedade querem, quem financia e o quê – daí a necessidade de reformas do Estado, Tributária, Previdenciária e Social, decidida nas urnas. De colocar na pauta de debates temas como aborto, união civil de homossexuais, Polícia Militar, Sistema Penal e Penitenciário, drogas (descriminalização e legalização), e, principalmente, nosso Estado de Bem Estar Social e seu financiamento.
Numa Constituinte poderemos, de uma vez por todas, colocar um fim nessa verdadeira rapina via juros altos, o instrumento da maior concentração de renda de nossa história recente! Em dez anos, 50% do PIB, R$ 3,5 trilhões foram pagos em juros! Para quem? No máximo 2% da população ficou com 70%, 80% desse total!
A verdadeira guerra fiscal é a dos rentistas que não aceitam juros reais menores de 5%, impondo ao país – refém deles – juros altos e déficits públicos nominais, apesar dos superávits registrados durante 15 anos.
No nosso caso era necessário elevar os juros a 14,5%? Ah, é verdade que temos que pagar juros reais de 5%! Às vezes, e muitas delas, de 10%, 15% e até 27,5% como na era Gustavo Franco, quando apesar de aumentar a carga tributária, privatizar, dobrarmos a dívida pública. Qual é a responsabilidade da crise política fomentada e produzida pelos golpistas na queda do PIB, aumento da inflação, desemprego e déficit público com a queda brutal da arrecadação e aumento serviço da dívida?
Não foram os que hoje governam que exigiram, em 2014, um ajuste fiscal recessivo? O choque de preços administrativos, lembram? O aumento dos juros, o câmbio desvalorizado e o corte brutal de investimentos? Pior com corte de crédito, decorrência da explosão inflacionária e a recessão que terminou o ano de 2015 com um PIB de – 3,5%.
Produziram o maior desemprego, endividaram as empresas que, com a queda da demanda, o aumento dos estoques, cortaram os investimentos. Os bancos cortaram os créditos e aumentaram ainda mais os juros; os consumidores, em pânico com o desemprego e o risco de insolvência, da perda do carro, da casa própria, pararam de comprar, até porque o crédito desapareceu!
Eis o quadro atual de nossa economia, uma vez que nada mudou em 2016: queda de 4,49% no PIB, desemprego de 12,4% e, pela brutal recessão, inflação de 6,49%.
Agora, o que vemos é um governo paralisado – fora as reformas é lógico –, com déficit de assombrosos R$ 159 bilhões em 2016 e R$ 127 bilhões prometidos para 2017, mas com o compromisso firme de manter os juros reais nos 5% famosos, taxa “mínima” para viabilizar, segundo eles, a solvência do governo. Portanto, uma Selic entre 9% a 10%.
Não basta, ainda que necessário, só o “Fora Temer”. É hora de ir para as ruas e chamar os trabalhadores, todos aqueles que se opõem ao golpe e ao desmonte da Previdência, seguridade e saúde, à luta, seja protestando, seja exigindo eleições já e uma Constituinte. Vamos buscar, encontrar, abraçar a corrente humana de brasileiros que apoiam Lula e seu legado, que querem ELEIÇÕES JÁ! Vamos à luta
http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/287399/Dirceu-ataca-Temer-e-pede-luta-por-elei%C3%A7%C3%B5es-j%C3%A1.htm

DILMA FARÁ TOUR PELA DEMOCRACIA NOS EUA

 Jornalistas Livres 247 - As universidades mais conceituadas dos Estados Unidos (e do mundo) convidaram Dilma Rousseff a falar sobre democracia, num lugar onde Michel Temer é tratado com golpista.
O novo tour de Dilma no exterior acontecerá entre 8 e 15 de abril, quando dará palestras em instituições de Harvard, Columbia e Princeton, além de conceder entrevistas, como ao programa independente "Democracy Now".
Nas recentes viagens de Dilma para fora do Brasil, em Genebra (Suíça) e Lisboa (Portugal), Dilma foi tratada como popstar. No início de março, ela foi efetivamente chamada de "superstar" pelos suíços após falar no 15º Festival Internacional de Filmes de Direitos Humanos, onde denunciou o golpe no Brasil. Em Lisboa, ingressos para sua palestra se esgotaram em 20 minutos, deixando centenas de pessoas do lado de fora.
Já Michel Temer foi recebido com protestos e tratado como golpista tanto em Portugal como nos Estados Unidos recentemente (aqui e aqui).
Confira a agenda de Dilma nos EUA:
8 de Abril – Boston, Harvard "Brazil Conference"
10 de Abril – Universidade de Brown
11 de Abril – Universidade de Columbia
12 de Abril – New School
13 de Abril – Princeton
14 de Abril – Democracy Now e Defend Democracy Brazil

http://www.brasil247.com/pt/247/poder/287325/Dilma-far%C3%A1-tour-pela-democracia-nos-EUA.htm

PF ADMITE QUE GRAVOU CONDUÇÃO DE LULA SEM AUTORIZAÇÃO DE MORO

Jornal GGN - O delegado da Polícia Federal Igor Romário de Paula reconheceu, na segunda (27), que um oficial gravou ilegalmente as imagens da condução coercitiva do ex-presidente Lula, realizada em 4 de março de 2016. Na ocasião, o juiz Sergio Moro havia determinado expressamente que seria proibido qualquer registro do ex-presidente. A PF, contudo, não só gravou como reproduziu as imagens para atores globais na sede da PF e ainda entregou uma cópia à revista Veja.
Na semana passada, diante da notícia de que as imagens existem e foram repassadas à imprensa, a defesa de Lula entrou com um requerimento solicitando a Moro que impedisse, de ofício, a divulgação do material. Moro, contudo, foi irônico e duvidou da notícia. Disse que se alguém tivesse gravado, as imagens já teriam vindo a público há muito tempo. E que se for o caso, nada pode fazer porque não compete a ele "impor censura" aos meios de comunicação.
Nesta segunda, a defesa de Lula voltou a peticionar"para que os envolvidos se abstenham de qualquer divulgação das imagens gravadas, preservando o sigilo do material. Reitera igualmente que seja apurada a prática de eventuais crimes decorrentes da violação de deveres funcionais pelos agentes públicos, que tinham o dever de preservar o sigilo do material e eventual participação de pessoas relacionadas ao filme, cujos investidores são mantidos em sigilo."
Igor Romário de Paula é o mesmo delegado que surgiu na imprensa dizendo que o "timing para prender Lula" poderia surgir em 30 ou 60 dias, dependendo da conclusão do inquérito do sítio de Atibaia. Ele é processado pelo ex-presidente.
Abaixo, a nota completa da defesa:
"Na última sexta-feira, apresentamos ao Juízo da 13ª. Vara Federal de Curitiba, na condição de advogados do ex-Presidente Luiz Inacio Lula da Silva, sólidos indícios da ocorrência de atos ilícitos em virtude da gravação da sua condução coercitiva no dia 04/03/2016 e, ainda, da disponibilização dessas gravações a terceiros, estranhos às investigações. O delegado federal Igor Romário de Paula reconheceu, nesta data (27/03), ter havido gravações durante a execução da condução coercitiva de Lula, mas nega que tais imagens tenham sido cedidas a terceiros.
A existência das gravações, reconhecidas pela Polícia Federal, já é o suficiente, em princípio, para evidenciar que a decisão do Juízo foi desconsiderada, levando em conta a determinação de não haver gravação "em qualquer hipótese".
Nossa manifestação também demonstra que houve ampla confissão (ainda que eventualmente involuntária) por parte de pessoas estranhas às investigações que tiveram acesso às gravações realizadas pela PF. Registrou-se que o jornalista Ulisses Campbell publicou o seguinte:
"VEJA teve acesso à íntegra da gravação, efetuada por meio de uma câmera digital acoplada ao uniforme de um agente da PF que participou da ação"(edição 8/2/2017). Na mesma linha foram os registros de Gustavo Foster (Zero Hora), Marcelo Antunez (diretor do filme "A lei é para todos"), Tomislav Blazic (produtor do filme), Ary Fontoura (ator escalado para o filme) a diversas publicações.
Perguntado pela revista Veja o que tinha ido fazer na Polícia Federal de Curitiba o ator Ary Fontoura declarou: "Vim sentir o clima da Lava-Jato e assistir às gravações que a PF fez da condução coercitiva do Lula".
A petição atual reitera os pedidos formulados anteriormente, para que os envolvidos se abstenham de qualquer divulgação das imagens gravadas, preservando o sigilo do material. Reitera igualmente que seja apurada a prática de eventuais crimes decorrentes da violação de deveres funcionais pelos agentes públicos, que tinham o dever de preservar o sigilo do material e eventual participação de pessoas relacionadas ao filme, cujos investidores são mantidos em sigilo.
Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Zanin Martins"
http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/287363/PF-admite-que-gravou-condu%C3%A7%C3%A3o-de-Lula-sem-autoriza%C3%A7%C3%A3o-de-Moro.htm

segunda-feira, 27 de março de 2017

Depois do fim da CLT, Temer quer cobrar mensalidade nas universidades


247 - Depois de congelar pelos próximos 20 anos os investimentos reais em educação e acabar com a CLT por meio da aprovação do projeto de terceirização geral e irrestrita no País, o governo Michel Temer quer, agora, cobrar mensalidades em Universidades e Institutos Federais.
A cobrança foi defendida com veemência pela secretária-executiva do Ministério da Educação, Maria Helena Guimarães de Castro, em reunião com dirigentes da Federação do Sindicato de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico Técnico e Tecnológico (Proifes-Federação), no mês passado em Brasília (DF). As informações estão na página da própria Federação.
"Eu sou de universidade, defendo a educação pública, mas acho que temos de olhar para a situação real. Não podemos criar situações incompatíveis com o mundo que estamos vivendo, de queda de receita, de mudança no paradigma da economia do país. Nós só aumentamos em folha de pagamento", afirmou Maria Helena durante a reunião. Logo depois, a secretária citou as realidades do ensino superior em Portugal, Inglaterra, França e Alemanha. "Aliás, nem sei ainda que países têm universidades públicas plenamente gratuitas para todos, independente da situação sócio-econômica. O Brasil não pode ficar fora do mundo real", disse.
Vejam no vídeo, que Dilma critica fortemente a Terceirização irrestrita do Trabalho!
Para o ex-ministro da Educação do governo Dilma Rousseff Aloizio Mercadante, a proposta de cobrança de mensalidades nas Universidades e nos Institutos Federais é um retrocesso sem precedentes e vai aumentar a exclusão na educação superior. "Esse processo faz parte do golpe que realiza uma ofensiva contra todos os avanços sociais que tivemos na última década, que foram os maiores da história recente do Brasil", afirmou.
Mercadante disse que na realidade brasileira, em que o ensino superior é predominantemente privado, o grande problema para a inclusão e para a permanência dos mais pobres nas universidades é a renda. "Para enfrentarmos a questão da renda, implementamos programas fundamentais, como o ProUni, o Fies e a política de cotas, e avançamos de maneira sem precedentes no resgate de um passado de exclusão social na educação", disse o ex-ministro.
Segundo Mercadante, "a educação brasileira é retardatária, resultado de um capitalismo tardio, marcado por quase quatro séculos de escravidão e por um passado colonial, que deixaram cicatrizes profundas em nossa história".
O ex-ministro recordou que a Universidade de Bolonha foi fundada em 1088, a de Paris 1170, a de Cambridge em 1290, a de Salamanca em 1218, a de Coimbra em 1290 e nas Américas, Harvard em 1636. "No Brasil, a primeira universidade data de 1920, quando todos os países da América Latina já possuíam uma ou mais universidades", afirmou. "Estão propondo um atraso inaceitável para a educação brasileira. A universidade é educação, pesquisa, inovação e extensão", finaliza.
FHC
A necessidade de cobrança de mensalidade nas universidades federais foi fortemente defendida pelos governos Fernando Henrique Cardoso (PSDB), de 1995 a 2002, período em que Maria Helena ocupou a presidência do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e a mesma secretaria executiva do MEC.
O assunto ficou fora da pauta nacional por 13 anos, durante os governos do PT, momento em que as Universidades e Institutos Federais, em razão do Reuni, experimentaram o maior crescimento da história.
http://aesquerdavalente.blogspot.com.br/2017/03/depois-do-fim-da-clt-temer-quer-cobrar.html

LOBISTA QUE OPEROU PARA O PSDB FECHA DELAÇÃO

SP 247 - O operador e lobista Adir Assad, que promete entregar todos os caminhos das propinas pagas a agentes públicos nas grandes obras do governo de São Paulo durante as últimas gestões tucanas, assina sua delação premiada nos próximos dias. A informação é do colunista Lauro Jardim (leia aqui).
Adir Assad tem informações de peso que podem complicar ainda mais a vida de tucanos como o senador José Serra e do governador Geraldo Alckmin. Assad diz ter repassado cerca de R$ 100 milhões para Paulo Vieira de Souza, ex-diretor da Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa), entre 2007 e 2010, época em que o estado de São Paulo era governado por José Serra (PSDB).
Paulo Preto atuou nas obras do Rodoanel nas gestões de Geraldo Alckmin e Serra, e também foi citado por empreiteiros como coletor de propinas. De acordo com o lobista, o ex-diretor da Dersa centralizava os repasses das empreiteiras responsáveis por obras na estatal do governo paulista.
Assad é apontado como o maior emissor de notas frias para lavagem de dinheiro de empreiteiras suspeitas de envolvimento no esquema de corrupção na Petrobrás. Ele confessou ter usado suas empresas de fachada para lavar recursos de empresas em obras na região metropolitana de São Paulo, como o Rodoanel, a Nova Marginal Tietê, e o Complexo Jacu-Pêssego.
Paulo Preto também analisado com mais frequência a possibilidade de também aderir a um acordo de delação premiada com MPF. A interlocutores, o operador tucano disse que "tudo o que acontecia no Dersa era de conhecimento do Serra e do Aloysio" (leia mais).
http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/287114/Lobista-que-operou-para-o-PSDB-fecha-dela%C3%A7%C3%A3o.htm

MORO QUESTIONA PF SOBRE VÍDEO DE COERCITIVA DE LULA

247 – O juiz Sergio Moro deu um prazo de cinco dias para que a Polícia Federal se manifeste a respeito de supostas imagens que teriam sido feitas durante a condução coercitiva do ex-presidente Lula, em março do ano passado.
O prazo foi concedida na última sexta-feira 24, depois que a defesa de Lula entrou com uma petição para que Moro proibisse que a produção do filme "Polícia Federal - A lei é para todos" e a imprensa de divulgarem as cenas.
Segundo reportagens divulgadas sobre o filme, agentes da PF teriam feito cenas com câmeras acopladas em seus uniformes. A filmagem da ação teria sido proibida, à época, pelo próprio Moro, lembrou a defesa de Lula na petição.
Ao analisar o pedido dos advogados, o juiz da Lava Jato afirmou que 'não cabe a este Juízo impor censura a veículos de comunicação ou mesmo à produção de algum filme'.
Mas acabou pedindo à PF "oportunos esclarecimentos e se manifestar sobre a petição (da defesa de Lula)".
http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/287167/Moro-questiona-PF-sobre-v%C3%ADdeo-de-coercitiva-de-Lula.htm