sexta-feira, 29 de setembro de 2017

CNI/Ibope aponta Lula como o melhor da história


Agência Brasil

Alvo de uma caçada judicial e midiática sem precedentes no País, o ex-presidente Lula é apontado pela pesquisa CNI/Ibope como o melhor presidente que o Brasil já teve; em dezembro de 2010, ao entregar a faixa presidencial para Dilma Rousseff, Lula havia feito um governo bom ou ótimo para 80% dos brasileiros; desde a redemocratização, nenhum governante foi tão aprovado pela população; Dilma chegou a ser bem avaliada por 63% da população em 2013, mas após campanha de sabotagem de seu governo, foi vítima de um golpe e retirada da presidência com 10% de avaliação positiva; veja como os demais presidentes terminaram os seus governos; Michel Temer bate todos os recordes de rejeição, ao ser aprovado por apenas 3% dos brasileiros

29 de Setembro de 2017 às 13:20 // TV 247 no Youtube Youtube

247 - Alvo de uma caçada judicial e midiática sem precedentes no País, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é apontado pela pesquisa CNI/Ibope como o melhor presidente que o Brasil já teve.

Segundo o levantamento do Ibope com a avaliação mensal de cada presidente desde a redemocratização, Lula terminou seu segundo mandato, em dezembro de 2010, com 80% de avaliações ótimo e bom da população. Nenhum governante foi tão aprovado pela população.

Os dados mostram que o ex-presidente José Sarney começou seu mandato com avaliação positiva de 71%, mas foi paulatinamente caindo até chegar a novembro de 1989 bem avaliado por apenas 9% dos brasileiros.

Seu sucessor, Fernando Collor de Mello, assumiu o governo em 1990 com 59% de bom ou ótimo, mas após as denúncias que levaram ao seu impeachment, em agosto de 1992 Collor deixou a presidência com a apenas 12%.

O presidente Itamar Franco, cujo governo foi responsável pelo Plano Real e a estabilização da moeda, terminou bem avaliado por 46% dos brasileiros.

Ainda segundo o levantamento do Ibope, o presidente Fernando Henrique Cardoso iniciou o primeiro governo avaliado positivamente por 41% da população. O maior percentual de popularidade que FHC chegou a ter foi uma avaliação positiva de 51%, março de 1997. Terminou o primeiro mandato com 40% de bom ou ótimo, e o seu segundo mandato com apenas 22%.

O ex-presidente Lula iniciou o primeiro mandato, em 2003, com avaliação positiva de 51%, o teto de FHC. Lula manteve uma regularidade e disputou a reeleição com aprovação de 57%.

No segundo mandato, conforme a pesquisa Ibope/CNI, Lula registra uma ascensão paulatina, começando com 49% em março de 2007, subindo para 73% em dezembro de 2008, 75% em junho de 2010 e, ao entregar a faixa presidencial para Dilma Rousseff, o ex-presidente havia feito um governo bom ou ótimo para 80% dos brasileiros.

A presidente Dilma Rousseff iniciou seu primeiro governo bem avaliada por 56% da população. Chegou a 63% de bom ou ótimo em março de 2013 e foi reeleita com 40% de aprovação. Após a campanha sistemática de sabotagem de seu governo pela aliaça entre o PSDB de Aécio Neves e o então presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB), Dilma iniciou o segundo mandato com 13% de avaliação positiva, chegou a ter 9% em dezembro de 2015 e quando foi retirada da Presidência sem comprovação de crime de responsabilidade, ou seja, por meio de um golpe, tinha 10%.

Já Michel Temer conseguiu bater todos os recordes de rejeição da população. Iniciou o governo com 13% de avaliação positiva e chegou a ter 14% em setembro do ano passado. De lá para cá, vem despencando de 10% em março deste ano, 5% em julho e atualmente encontra-se aprovado como ótimo ou bom por apenas 3% da população.

Moral da história: o brasileiro reconhece em Lula o maior presidente que o País já teve, por isso Lula lidera em todas as pesquisas de intenções de voto. Enquanto Michel Temer, que chegou ao Poder de maneira ilegítima, é rechaçado pela população.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/319900/CNIIbope-aponta-Lula-como-o-melhor-da-hist%C3%B3ria.htm

Maia: ‘Não fiz com eles o que fizeram com a Dilma’


Agência Brasil

247 - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), enviou um recado alto e claro para o núcleo do PMDB e para Michel Temer. "O meu padrão não é o mesmo daqueles que, em torno do presidente, comandaram o impeachment da presidente Dilma", afirmou Maia em referência ao embate travado entre o DEM e o PMDB pela disputa de parlamentares dissidentes de outras legendas e sobre uma eventual candidatura sua à Presidência da República.

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, Maia destacou que os rumores de que poderia disputar o Planalto surgiram nos gabinetes e rodas de cafezinho de membros do PMDB "Não fiz com eles o que eles fizeram com a Dilma. Talvez por isso essas mentiras criadas, para tentar criar um ambiente em que eu era o que não prestava e eles eram os que prestavam", disse. "Como eles fizeram desse jeito com a Dilma, talvez imaginassem que o padrão fosse esse", disparou.

Segundo Maia o clima tenso entre as duas legendas deverá se acirrar uma vez que o PMDB teria faltado com o compromisso e tentado filiar deputados de outras legendas que estavam negociando sua ida para o DEM. O DEM, neste caso, poderá promover retaliações votando contra projetos de interesse do governo Temer.

O parlamentar destacou que nas próximas eleições pretende se candidatar à reeleição. "Para ser presidente da Câmara e para ser deputado precisa de voto, mas é uma hipótese forte. Acho que ajudo o Rio mais em Brasília."

Sobre a votação da segunda denúncia feita pela Procuradoria Geral da República contra Michel Temer, maia, porém, amenizou o tom. "Denúncia não é campanha para assumir Presidência. Esse papel, que alguns gostariam que eu tivesse exercido, não tinha condição de exercer nem na primeira (a primeira denúncia contra o peemedebista acabou arquivada pela Câmara) nem terei na segunda", disse.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/poder/319868/Maia-%E2%80%98N%C3%A3o-fiz-com-eles-o-que-fizeram-com-a-Dilma%E2%80%99.htm

Afinal, o PT é um partido ou uma seita?


Ricardo Stuckert

"Somos um partido político sob a liderança de pessoas de carne e osso ou somos uma seita guiada por uma pretensa divindade?", questionou o ex-ministro Antonio Palocci, hoje delator na Operação Lava Jato, na carta em que pede sua desfiliação do PT.

Palocci, todos sabem, sempre foi de carne e osso. Já era quando, ainda ministro da Fazenda, foi flagrado numa mansão de lobby em Brasília, frequentada por garotas de programa. Continuou de carne e osso quando, eleito deputado, assumiu o risco de ser também consultor de empresas durante os governos do PT – o que fatalmente levantaria suspeitas sobre eventual tráfico de influência. Afinal, por maior que fosse a experiência de Palocci na economia, os empresários que o contrataram, muitas vezes, estavam mais interessados nas suas boas relações do que nos seus conhecimentos.

Se Palocci é humano, demasiadamente humano, passemos à segunda questão. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, alvo principal de Palocci em sua delação, seria então uma divindade, acima do bem e do mal? Bobagem. O argumento do ex-ministro serve apenas à construção de um mito: o de que os eleitores de Lula, líder em todas as pesquisas sobre sucessão presidencial, seriam cegos, fanáticos ou ignorantes.

A realidade, no entanto, é outra. Não há, dentro ou fora do PT, quem considere Lula um santo. Aqueles que o apoiam simplesmente reconhecem que, apesar dos erros, seus governos promoveram crescimento, distribuição de renda, empregos e autoestima entre os brasileiros – mercadorias que desapareceram da prateleira nos últimos anos. Não é por outra razão que Lula deixou o governo com 80% de aprovação. Em contraposição, o Brasil de hoje tem um "presidente" aprovado por 3% da população.

Lula seria então uma espécie de "rouba mas faz" ou um "bandido de estimação" dos fanáticos da igrejinha petista? Outro argumento que não cola entre muitos brasileiros por uma razão simples. Basta compará-lo com a concorrência. Michel Temer, mantido no poder sob o silêncio cúmplice dos que atacam a "seita", foi apontado como chefe de uma quadrilha que desviou R$ 567 milhões nos últimos anos. Aécio Neves, responsável pelo golpe de 2016, foi flagrado num esquema de propinas de R$ 2 milhões e tem sido bajulado pelos presidenciáveis tucanos – apesar disso, ninguém questiona se o PSDB é uma seita.

Num mundo ideal, Lula talvez pudesse ser uma espécie de José Pepe Mujica. Mas o fato é que ele foi presidente de um país que caminhava para ser a quinta economia do mundo, antes de desabar e cair pelas tabelas com o golpe de 2016, inserida numa cultura em que sempre foram promíscuas as relações público-privadas. Evidente que, hoje, o próprio Lula há de questionar se não manteve relações próximas demais com determinadas empresas. Mas, novamente, a sociedade enxerga a hipocrisia quando observa a diferença de critérios que pauta o Poder Judiciário. Afinal, por que as doações da Odebrecht ao Instituto Lula são criminosas e ao Instituto Fernando Henrique Cardoso são contribuições para o debate democrático? Por que amigos não podem emprestar um sítio em Atibaia (SP) a Lula e FHC pode ter um apartamento à sua disposição em Paris?

Esses são apenas alguns exemplos do duplo padrão moral da elite brasileira, que ainda não compreendeu que uma eleição no Brasil não é uma competição entre santos – ou divindades, para usarmos a expressão de Palocci. Trata-se, tão-somente, de uma disputa entre projetos de desenvolvimento para o País. E aquilo que o eleitor maduro compara é o resultado. Quem, afinal, é capaz de promover maior bem-estar para a maioria da população? É somente isso o que explica o desempenho de Lula nas pesquisas e também o fato de Palocci ainda não ser a bala de prata contra Lula.

(este artigo foi originalmente publicado na Revista Nordeste)

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/blog/leonardoattuch/319519/Afinal-o-PT-%C3%A9-um-partido-ou-uma-seita.htm

Com Temer, escolas não receberão mais livros de literatura


Beto Barata/PR

247 - A gestão mal avaliada e desgastada de Michel Temer (PMDB) também afeta o investimento na educação. O governo federal vai ficar ao menos quatro anos sem entregar novos livros de literatura para bibliotecas de escolas públicas brasileiras.

A última remessa de livros feita pelo Ministério da Educação (MEC) para toda a rede ocorreu em 2014. A partir daquele ano o programa que garantia a compra e a entrega não foi mais executado. A alternativa proposta pelo governo federal só terá possibilidade de enviar novos livros a partir de 2019, informa matéria do G1.

Entre os anos de 2000 e 2014 foram quase 230 milhões de exemplares, a um custo médio de R$ 3,80. Os livros foram distribuídos pelo Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), que neste mesmo período investiu R$ 891 milhões em compras. O montante significou, em média, R$ 68,5 milhões por ano na renovação dos acervos para estudantes de todos os anos do ensino básico (infantil, fundamental e médio).

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/319858/Com-Temer-escolas-n%C3%A3o-receber%C3%A3o-mais-livros-de-literatura.htm

Temer fecha agências do Banco Postal e, pra variar, prejudica os mais pobres


Agência Brasil

247 - O encerramento do serviço do Banco Postal por parte dos Correios deverá afetar mais de 137 mil aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que terão o pagamento de seus benefícios transferidos para outras agências bancárias, muitas até mesmo em outros municípios. A devisão afeta beneficiários de 12 estados, sendo que os mais são os da Região Nordeste, especialmente os do Ceará, Piauí, Bahia e Rio Grande do Norte.

De acordo com o jornal Valor Econômico, os Correios alegam que não possuem recursos suficientes para manter a operação por meio de um convênio com o Banco do Brasil. "Pelo contrato vigente entre BB e Correios, os custos para contratação de vigilantes são responsabilidade dos Correios. Entretanto, o BB e Correios mantêm negociações para encontrar alternativas que permitam a manutenção de parte dos pontos de atendimento", disse o Banco do Brasil.

Com a decisão, o Banco do Brasil transferirá o pagamento de 81,2 mil beneficiários para outras instituições financeiras. Outros 56,7 mil terão que receber os benefícios diretamente nas agências do Banco do Brasil.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/319855/Temer-fecha-ag%C3%AAncias-do-Banco-Postal-e-pra-variar-prejudica-os-mais-pobres.htm

Reflexão maravilhosa

O primeiro sintoma da inteligência é a coerência, o segundo, a firmeza de posições, sem concessões, a terceira, a franqueza, e a quarta, a coragem.
Na sessão plenária de hoje, o Deputado Paulo Pimenta, PT-RS, fez um discurso, que foi usado pela mídia golpista e mal interpretado pela esquerda menos inteligente.
Pimenta começou afirmando não gostar de Aécio Neves, “um golpista, um bebê chorão que, ao não se conformar com a derrota eleitoral, criou as condições, junto com Eduardo Cunha, para um golpe de estado, derrubando uma presidente legitimamente eleita e que não cometeu ilícito algum” (sic).
E mais disse, que quer ver Aécio cassado e preso.
A partir daí foi duro com o STF, acusando-o de arbítrio e inconstitucionalidade, que os poderes são harmônicos e independentes, terminando por afirmar: hoje foi o Aécio, amanhã poderá ser qualquer um de nós, na linha do poema de Brecht.
A partir daí o Estadão e a Globo noticiaram que o PT estava defendendo Aécio.
Coxisquerdinhas leram essa bosta e embarcaram na canoa furada, batendo em Pimenta.
O STF não tem poder de punir quem tem mandato popular, isso é um arbítrio, um abuso de poder, e petista que apóia isso por vingança está legitimando o que fazem com Lula e Dirceu.
A esfera política é por conta do parlamento, que deve investigar no conselho de ética e cassar ou não, em plenário.
É tão lícito o STF punir Aécio quanto punir Lindbergh ou Gleise, absurdos.
Se o STF tem motivos para puni-lo, deveria, ANTES, pedir permissão ao Senado, como está sendo feito com Temer.
O judiciário está hoje como os militares estavam para a ditadura, fazendo o que querem porque se acham superiores, quase deuses, donos da moral e do país.
Um caso ocorrido ontem, aqui no Rio: uma juíza saiu porta a fora, berrando impropérios a um cidadão, na calçada, acusando-o de suspeito numa área de segurança. Crime do meliante: um cidadão aguardando uma audiência. Indícios de ser um meliante: o cidadão é negro.
Em outro estado uma juíza invadiu uma delegacia e resgatou o filho, um narcotraficante com diversas passagens na polícia, preso fortemente armado e com a posse de drogas.
E o que dizer do tribunal de Curitiba?
Pimenta foi corretíssimo, não defendeu Aécio, mas o mandato de Aécio, um senador legitimamente eleito.
Três juizes cassá-lo é repetir as cassações da ditadura militar.
Tudo isso pode ser resumido numa frase proferida por Pimenta: “o judiciário se agiganta na medida em que o legislativo se encolhe”.
Pimenta foi perspicaz (inteligente), coerente, firme e corajoso, qualidades do grande político.
Tem petista se pautando pela mídia, e isso é ser coxisquerdinha.
Quem tem que detonar Aécio, merecidamente, é o Senado, e não um, dois ou três juízes.
Democracia é isso, o mais é a suruba jurídica a que estamos assistindo, onde Lula e Dirceu são as maiores vítimas.

Francisco Costa
Rio, 27/09/2017.

CNI/Ibope: 89% dos brasileiros reprovam o governo Temer

Nesta quinta-feira (28), o Ibope divulgou pesquisa encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), que reforça a impopularidade de Michel Temer, com 77% de ruim e péssimo. Ainda segundo o levantamento, 89% dos entrevistados reprovam a maneira de governar de Temer. Apenas 7% aprovam. No levantamento divulgado em julho, 11% aprovavam; 83% desaprovavam.

De acordo com a pesquisa realizada entre os dias 15 e 20 de setembro, com 2 mil pessoas em 126 municípios, apenas 3% dos entrevistados consideram o governo Temer ótimo/bom. Outros 16% consideram o governo regular, e 3% não sabe/não respondeu.

O Ibope também apontou o nível de confiança dos brasileiros em relação a Temer: 6% dos entrevistados disseram confiar em Temer, enquanto 92% afirmaram não confiar; 2% não souberam ou não responderam.

Na pesquisa feita em julho, 10% disseram confiar em Temer, 87% afirmaram não confiar; 3% não souberam ou não responderam.

O Ibope também pediu aos entrevistados que comparassem as gestões de Temer com a da presidenta Dilma Rousseff. Segundo o levantamento, 59% consideram o governo Temer pior.

Sobre as perspectivas em relação ao “restante do governo”, 6% responderam “ótimo/bom”; 17%, “regular”; 72%, “ruim/péssimo”; e 5% não souberam ou não responderam.

A pesquisa também ouviu os entrevistados sobre a percepção a respeito da atuação do governo em áreas específicas. Perguntados sobre a avaliação sobre a saúde, o índice de reprovação foi de 86%.

Quando questionados sobre a avaliação sobre a política de impostos, 90% desaprovavam. Já sobre as taxas de juros, a reprovação chegou a 87%.

Do Portal Vermelho, com informações de agências

Fonte: https://ptnacamara.org.br/portal/2017/09/28/cniibope-89-dos-brasileiros-reprovam-o-governo-temer/

PT ingressa no STF contra nova Lei de Grilagem de Terras

foto: wwf Brasil

O Partido dos Trabalhadores ingressou nesta quinta-feira (28) no Supremo Tribunal Federal (STF) com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade que questiona 15 pontos da nova “lei da grilagem” (Lei 13.465/17). A referida legislação teve origem na medida provisória (MP 759/16) que alterou mais de 20 leis sem o necessário debate com a sociedade – o que seria fundamental, já que ela trará impactos sem precedentes à organização territorial do campo e das cidades.

O partido questiona a constitucionalidade formal e material de diversos dispositivos da Lei 13.465, entre eles, os que se referem à renúncia de receita por parte da União sem a respectiva previsão do impacto orçamentário. Tal exigência está no artigo 113 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, que estabelece que toda lei, ao promover qualquer tipo de renúncia de receita, detalhe também a estimativa de impacto orçamentário e financeiro. O que não ocorreu.

Na ação assinada pela presidenta Nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), o partido cita dados produzidos pelo Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), que estima uma perda de R$ 19 a R$ 21 bilhões com a aplicação da lei somente na Amazônia. Esse prejuízo, segundo o instituto, seria o resultado da “diferença entre o valor médio de mercado dos imóveis em processo de regularização e o valor a ser cobrado pelo governo, de acordo com as novas regras”.

“Com essa quantia, o governo poderia beneficiar até 9,5 milhões de família ao longo de um ano por meio do Programa Bolsa Família, ou ainda cobrir 14 anos do Orçamento destinado ao Ministério do Meio Ambiente em 2017 sem contingenciamento. O montante também equivale a sete vezes as doações internacionais já feitas ao Fundo Amazônia, que apoia projetos de conservação na região”, destaca o estudo do Imazon.

Causa estranheza, portanto, a contradição assumida por um governo que chegou ao poder com o discurso da austeridade fiscal e do controle das contas públicas. Ao mesmo tempo em que congela investimentos públicos por 20 anos por meio da Emenda Constitucional 95 e retira direitos de trabalhadores e aposentados, o governo ilegítimo cria instrumentos de renúncias de receitas, gerando prejuízos ao País.

Redução de preços – Entre as situações em que a Lei 13.465 faz renúncia de receita sem o devido impacto orçamentário, está aquela que prevê a venda de terras da União com preços variando entre 10% e 50% do valor mínimo da pauta de valores da terra nua elaborada pelo Incra. “Novamente sem qualquer justificativa, a União dispõe de seus imóveis por um preço bem abaixo do valor de mercado. Desfaz-se, assim, do patrimônio público, por um valor irrisório, sem qualquer justificativa”, ressalta o partido em um dos trechos da ação.

Outro ponto em que há renúncia de receita sem previsão de impacto orçamentário é o que permite avaliação dos imóveis por trecho ou região, com base no valor de mercado. Ou seja, a nova legislação abre margem para que a avaliação seja feita em massa, sem considerar cada imóvel individualmente. “O método de avaliação em massa recebe várias críticas, uma vez que o valor de cada imóvel não é apurado individualmente, e por isso não é capaz de perceber e discriminar as peculiaridades de cada um”, destaca o PT.

Grileiros em ação – O Partido dos Trabalhadores também questiona o fato de a Lei 13.465 incentivar a ação de grileiros. Ao alterar o Programa Terra Legal (Lei 11.952/09), a nova lei permite a regularização de áreas de até 2.500 hectares, autorizando o acesso de grandes invasores a esses imóveis, em total desconformidade com o cumprimento da função social da propriedade pública, previsto no inciso XXIII, do artigo 5º da Constituição Federal.

No rol de outras inconstitucionalidades apontadas pelo PT, estão a venda e privatização de Fernando de Noronha; a revogação da transparência, que tira da Secretaria do Patrimônio da União a obrigatoriedade de tornar pública a relação de todas as áreas ou imóveis de propriedade da União; e a extinção de obrigações trabalhistas e ambientais para ocupantes de grandes extensões de terras públicas, permitindo a eles quitar suas dívidas, livrando-se antecipadamente de cumprir essas obrigações.

Tarciano Ricarto

Fonte: https://ptnacamara.org.br/portal/2017/09/28/pt-ingressa-no-stf-contra-nova-lei-de-grilagem-de-terras/

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Reunião ufológica do CSPU em Sobral

Bom dia a todos. Amanhã à noite estaremos realizando mais uma reunião para atualizarmos nossas informações sobre os Discos Voadores e você, que gosta do assunto, está convidado O local vai ser o mesmo das últimas, ou seja: Rua Coronel Diogo Gomes, 998 - Centro - Sobral. Espero os Ufólogos e simpatizantes da Ufologia a partir das 19 horas. Maiores informações pelos fones: (88) 999210172 e 988477189.

Abraço a todos

Jacinto Pereira.

MP do Refis é aprovada na Câmara para atender interesse dos que apoiaram o golpe


Com o voto contrário da Bancada do Partido dos Trabalhadores, o plenário da Câmara aprovou nesta quarta-feira (27), o novo Programa de Refinanciamento de Dívidas Tributárias (Refis). A proposta contida no substitutivo do deputado Newton Cardoso Jr. (PMDB-MG) à Medida Provisória 783/17, beneficia empresas que se encontram com dívidas junto à Receita Federal, à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional e à Procuradoria-Geral da União.

A proposta do governo ilegítimo de Michel Temer, em parceria com os seus aliados no Congresso Nacional, concede generosos descontos aos devedores e sonegadores. Os juros oscilam entre 50% a 90%, e as multas podem ser de até 70%. Com isso, o governo em vez de aumentar a sua arrecadação, diminui.

Segundo informações do jornal O Estado de S.Paulo, as mudanças que os deputados fizeram no texto provocam uma perda de R$ 800 milhões nos R$ 8,8 bilhões que o governo esperava arrecadar com o programa em 2017. Cálculos da Receita, porém, indicam perda ainda maior, de R$ 5,6 bilhões. Estima-se que para 2018 as perdas atinjam a casa de R$ 2,4 bilhões.

O líder da Bancada do PT na Câmara, deputado Carlos Zarattini (SP), afirmou que o governo ilegítimo de Michel Temer tinha o entendimento de não fazer nenhuma modificação na medida provisória, de autoria da Receita Federal. No entanto, explicou o petista, Temer acabou negociando com os parlamentares que tinham maior interesse no assunto, e cedeu em alguns pontos.

“Nós consideramos que, dessa forma, o governo tentou amolecer o coração desses deputados para que eles não votem pela aceitação da segunda denúncia que pesa sobre Michel Temer, pelos crimes de formação de quadrilha e obstrução à Justiça”, observou o deputado Zarattini.

Já o deputado Bonh Gass (PT-RS), que pronunciou na sessão em nome da Minoria, disse que a com a aprovação do Refis, o governo Temer além de ter a meta fiscal ampliada, tem também a possibilidade da liberação de recursos “para garantir apoio contra a denúncia por organização criminosa e obstrução da Justiça”. “O governo está dando uma grande mão para os poucos ricos deste País”, criticou.

Para o deputado João Daniel (PT-SE), essa é mais uma medida provisória enviada por este governo à Câmara com o objetivo de atender aos interesses dos que lhe apoiaram. “É um Governo que tem quase 98% de rejeição e governa com estas medidas provisórias, com estes Refis, que privilegia interesses das empresas, dos ricos e que se mantêm através do apoio e da cobrança aos parlamentares, sem nenhuma preocupação com as questões sociais e com a questão nacional”, afirmou.

Benildes Rodrigues

Foto: Gustavo Bezerra/PTnaCâmara

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

João Vaccari Neto é absolvido pelo TRF-4 pela segunda vez

Foto: Sérgio Castro

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) absolveu, em julgamento concluído na manhã desta terça-feira (26), o ex-secretário de Finanças do PT João Vaccari Neto. Ele havia sido denunciado por corrupção passiva e a pena prevista era de 9 anos. No entanto, Vaccari foi absolvido, por maioria, pela 8ª Turma, por insuficiência de provas.

Esta é a segunda vez que Vaccari é absolvido por falta de provas e que o tribunal reformou uma decisão do juiz Sérgio Moro. Em junho, o Tribunal Regional Federal com sede em Porto Alegre – RS absolveu o ex-secretário da condenação proferida em primeira instância por Moro. Ele havia condenado o ex-tesoureiro a 15 anos e 4 meses de prisão com base em uma delação no âmbito da Lava Jato.

Em moção aprovada e divulgada na ocasião, o PT, através do Diretório Nacional, defendeu que Vaccari deveria ser posto em liberdade de forma imediata, afim de reparar da forma mais célere possível a injustiça da qual é vítima há mais de dois anos.

A moção externava o profundo repúdio do partido à manutenção da prisão preventiva do seu ex-secretário de Finanças João Vaccari Neto e exigir sua imediata liberdade.

“João Vaccari foi absolvido porque contra ele não há uma prova sequer, nem nesse e nem nos outros processos nos quais é réu, e a manutenção de sua prisão se dá única e exclusivamente por ser ele um quadro histórico do PT”, dizia a nota.

Da Redação da Agência PT de Notícias

Fonte: https://ptnacamara.org.br/portal/2017/09/26/joao-vaccari-neto-e-absolvido-pelo-trf-4-pela-segunda-vez/

Zarattini condena silêncio dos golpistas sobre afastamento de Aécio

Covardes! Covardes! Foi dessa forma que o líder da Bancada do PT, deputado Carlos Zarattini (PT-SP), em discurso forte e contundente, feito no plenário da Câmara, nesta terça-feira (26) se dirigiu aos parlamentares que dão sustentação ao governo ilegítimo de Michel Temer. O deputado se referiu ao fato de os golpistas se agarrem à carta escrita pelo ex-ministro Antonio Palocci como escudo para ocultar a decisão do Supremo Tribunal Federal que afastou o senador Aécio Neves (PSDB-MG) de suas funções legislativas e o colocou em “recolhimento noturno” domiciliar.

“Me espanta muito a liderança da base do governo ressaltar a carta do Palocci e não falar um pio sobre o afastamento do senador Aécio Neves. Eles querem fazer de conta que não aconteceu nada como Aécio. Ele foi afastado pelo STF e a base governista não toca nesse assunto? Covardes, covardes que não têm coragem de debater o que ocorre no Brasil”, acusou Zarattini.

Defendeu o líder petista que, ao invés da base aliada se preocupar com a “cartinha” do Palocci, deveria se ocupar com fato muito mais grave, que é afastamento do Aécio de suas funções de senador.  “Não fiquem aqui festejando a carta do Antonio Palocci. Essa cartinha é um bilhetinho. E o povo brasileiro já sabe o objetivo dele (Palocci), que é entregar o Lula para assim, poder sair da cadeia. Esse é o objetivo”, criticou.

Para Zarattini, o silêncio sobre fatos graves comprovados contra Aécio – “ícone” da mídia golpista que se aliou ao governo ilegítimo de Temer para derrubar a presidenta Dilma Rousseff, legitimamente eleita, demonstra a negação dessa ala que compõe o cenário político brasileiro, de não aceitar e enfrentar a realidade que bate às suas portas: o favoritismo do maior líder político da América Latina, Luiz Inácio Lula da Silva.

“Eles não querem reconhecer que Lula, apesar de todas as denúncias e acusações infundadas continua crescendo na opinião popular porque o povo já entendeu qual a jogada. O povo brasileiro já entendeu que o objetivo da Lava Lato é o mesmo objetivo dos golpistas: Tirar o Lula da disputa eleitoral. É impedir que se retome o processo de desenvolvimento em nosso País”, alertou.

Carlos Zarattini observou ainda que esses fatos precisam ser debatidos e diluídos pela sociedade. “É lamentável o silêncio da base sobre o afastamento do Aécio Neves. Vamos discutir essas questões que dizem respeito à democracia do nosso País. Nós queremos garantir a democracia”, afirmou.

“Todo nosso esforço para aprovar a Reforma Eleitoral, vai no sentido de garantir eleições democráticas e livres, porque isso está sob ameaça e não podemos aceitá-las. Temos que responder, garantindo o voto direto, que o voto popular seja respeitado e que a gente impeça todo tipo de arbitrariedade que reduz a democracia em nosso País”, concluiu Zarattini.

Benildes Rodrigues

Fonte: https://ptnacamara.org.br/portal/2017/09/27/zarattini-condena-silencio-dos-golpista-sobre-afastamento-de-aecio/

46ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CBH-ACARAÚ EM SOBRAL


Cruz. Aconteceu, nesta quarta-feira, 27, no Auditório do Sistema Integrado de Saneamento Rural – SISAR, a 46ª Reunião Ordinária do Comitê de Bacia Hidrográfica do Vale do Acaraú, que teve como pauta: Informes; Leitura e Aprovação da Ata da 18ª Reunião Extraordinária que aconteceu dia 19 de agosto, no Auditório do SISAR/Sobral; eleição dos novos membros do Setor Usuário, que se encontrava em vacância e eleição da Diretoria do CBH Acaraú; Situação do volume armazenado nos açudes no dia 25 de setembro e encaminhamentos.

Patrícia, da Gerência Regional das Bacias do Acaraú e Coreaú, fez a apresentação do volume dos açudes com a seguinte capacidade: Ararás – 11,93%; Arrebita – 30,50%; Ayres de Sousa – 60,95%; Bonito – 0,00%; Carão – 0,00%; Carmina – 0,02%; Edson Queiroz – 28,57%; Farias de Souza – 2,29%; Forquilha – 15,95%; Jatobá II – 8,70%; Jenipapo – 74.29%; São Vicente – 75,41% Sobral – 41,11% e Taquara – 26,75%

.

Bartolomeu - COGERH

O Gerente Regional da COGERH Bartolomeu fez várias intervenções durante a reunião para responder aos questionamentos dos Membros do Comitê de Bacia, principalmente, no tocante à fiscalização do uso da água e barramento no leito do Rio Acaraú e sobre a medição da vazão no trecho perenizado do Rio Acaraú.

Candidatos o Setor usuário

O Senhor José Francisco da Prefeitura de Santa Quitéria solicitou reforma na parede do Açude Edson Queiroz que se encontrava deteriorada pelo processo de erosão pluvial. O Senhor Bruno da COGERH orientou para que as pessoas colaborassem com o processo de fiscalização sobre práticas ilegais no uso da água. A Secretária da Secretaria de Recursos Hídricos – SRH Márcia Caldas disse está trabalhando junto com a COGERH na fiscalização, mas, dentro da Lei e orientou para que os usuários fizessem denúncias de qualquer irregularidade que estivesse sendo praticada na Bacia Hidrográfica do Rio Acaraú. A Diretora de Operação da COGERH – Fortaleza Doutora Débora Rios fez uma explanação bastante clara e objetiva sobre os trabalhos desenvolvidos pela COGERH e reafirmou que a COGERH não havia garantido água para o Baixo Acaraú, em resposta aos questionamentos sobre a vazão de água destinada ao Perímetro Irrigado do Baixo Acaraú.