quarta-feira, 29 de abril de 2020

STF abre inquérito para investigar Weintraub por crime de racismo


Abraham Waintraub insinuou que a China teria interesses econômicos e políticos com a pandemia do novo coronavírus e ironizou o sotaque dos chineses nas redes sociais. Foi acusado de racismo

29 de abril de 2020, 09:23 h Atualizado em 29 de abril de 2020, 15:09

Abraham Weintraub Abraham Weintraub (Foto: Lula Marques)


247 - O ministro Celso de Mello, decano do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou a abertura de inquérito para investigar o ministro da Educação do governo Bolsonaro, Abraham Weintraub, pelo crime de racismo. A informação é da Folha de São Paulo.

No mês de abril, Weintraub usou suas redes sociais para insinuar que a China teria interesses políticos e econômicos com a pandemia do novo coronavírus. O ministro da Educação colocou o personagem Cebolinha, da Turma da Mônica, que troca a letra “r” por “l”, para fazer referência ao sotaque dos chineses em publicação.

"Geopoliticamente, quem podeLá saiL foLtalecido, em termos Lelativos, dessa crLise mundial? PodeLia seL o Cebolinha? Quem são os aliados do BLasil do plano infalível do Cebolinha paLa dominaL o mundo?", ironizou Weintraub.

O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, chamou o ministro da Educação de racista. Depois disso, Weintraub apagou a publicação do Twitter.

O Ministério Público Federal alega que o comportamento do ministro da Educação “configura, em tese, a infração penal prevista na parte final do artigo 20 da Lei 7.716/1989, que define os crimes resultantes de preconceito”, e pediu abertura da investigação, autorizada pelo Supremo Tribunal Federal

Fonte: . https://www.brasil247.com/poder/stf-abre-inquerito-para-investigar-waintraub-por-crime-de-racismo

"E daí? Lamento. Eu sou Messias, mas não faço milagre", diz Bolsonaro sobre mais de 5 mil mortes pela Covid


No dia em que o País registra recorde de 474 mortes em um dia, chegando a 5.017 mortes por Covid-19, Jair Bolsonaro reage com piada. "E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre", disse ele

28 de abril de 2020, 20:23 h Atualizado em 28 de abril de 2020, 23:2

(Foto: Reprodução / TV Globo)

247 - Dados do Ministério da Saúde desta terça-feira (19) mostram que subiu para 5.017 o número de mortes provocadas pela Covid-19 no Brasil. Com isso, o país ultrapassou a China, que registra oficialmente 4.643.

Ao ser questionado sobre esse aumento, Jair Bolsonaro afirmou: "E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre", disse ele fazendo um trocadilho com o seu nome, Jair Messias Bolsonaro, com um personagem bíblico.

Sobre a ação movida pelo jornal O Estado de S. Paulo, que ganhou liminar exigindo que Bolsonaro apresente em 48 horas (sob pena de multa de R$ 5 mil) "o laudo de todos os exames" dele de teste de coronavírus.

"Daqui a pouco vão querer saber se eu sou virgem ou não. Dá positivo ou não? Se nós dois [presidente e o repórter] estivermos com Aids, a lei nos garante o anonimato. Da minha parte, não tem problema nenhum em mostrar, mas quero ter o direito de não mostrar", disse.


Thelmer Krominski

@EKrominski

e daí q vc
incentivou a população a sair de casa
fez pouco caso das recomendações da OMS
comprou briga com governadores para forçar reabertura do comércio
demitiu o ministro da saúde em meio a pandemia
o sangue está grudado suas mãos, @jairbolsonaro
não adianta tentar lavar

Vídeo incorporado

1.234

21:16 - 28 de abr de 2020

Informações e privacidade no Twitter Ads

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/e-dai-lamento-eu-sou-messias-mas-nao-faco-milagre-diz-bolsonaro-sobre-mortes-pela-covid

Lula obtém vitória no Supremo. Fachin cancela julgamento do triplex


Foto: Gustavo Bezerra

A defesa do ex-presidente recorreu ao STF para questionar procedimentos adotados pelo Superior Tribunal de Justiça para o julgamento virtual do caso na semana passada. Caso foi incluído na pauta na madrugada da quarta-feira.

O relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, ministro Edson Fachin, atendeu ao pedido apresentado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que recorreu do julgamento virtual de recurso pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Ele decidiu que prazos processuais para realizar julgamento virtual de recurso de Lula no caso do triplex no Guarujá (SP) devem ser seguidos pelo STJ.

“Nessa toada, ainda de acordo com o regimento interno do Superior Tribunal de Justiça, tem-se que as sessões de julgamento virtual devem ser precedidas da inclusão do processo, pelo relator, na plataforma eletrônica, mediante a respectiva publicação da pauta do Diário da Justiça eletrônico, com antecedência de cinco dias úteis antes do início aprazado para início do julgamento”, escreveu Fachin. Na madrugada de quarta-feira passada (22), a defesa de Lula foi surpreendida com a inclusão do caso no julgamento virtual realizado na tarde daquele mesmo dia.

“O andamento processual dá conta de que o feito fora incluído em mesa para julgamento na sessão virtual do dia 22 de abril de 2020, […] fato processual que, ao menos nesse juízo de cognição sumária, apresenta indícios de eventual desacordo com a norma regente dos julgamentos em ambiente virtual”, complementou o relator da Lava Jato.

O processo começou a ser analisado na semana passada e teria término nesta terça-feira (28). Porém, de acordo com a defesa do ex-presidente, o prazo regimental para contestar o julgamento virtual não foi aberto e, portanto, o julgamento é irregular.

“Eventual julgamento que venha a se realizar diante desse cenário será nulo, por afrontar as disposições regimentais e o devido processo legal em toda a sua extensão […], incluindo-se as garantias do contraditório e da ampla defesa”, afirma o advogado do ex-presidente, Cristiano Zanin.

PT Nacional

Fonte: https://ptnacamara.org.br/portal/2020/04/28/lula-obtem-vitoria-no-supremo-fachin-cancela-julgamento-do-triplex/

terça-feira, 28 de abril de 2020

Frota entra com pedido de afastamento de Jair Bolsonaro no STF


Deputado Alexandre Frota (PSDB) protocolou mandado de de segurança no STF pedindo o afastamento de Bolsonaro a partir das acusações de Sérgio Moro. O parlamentar ex-bolsonarista aponta que Bolsonaro mudou o comando da PF com o objetivo de "interferir nas investigações realizadas" pela corporação

28 de abril de 2020, 17:17 h Atualizado em 28 de abril de 2020, 17:51

 

247 - O deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) mandado de segurança pedindo o afastamento de Jair Bolsonaro, a partir das acusações feitas contra ele pelo ex-ministro Sérgio Moro.

Segundo o jornal Valor, entre as acusações apontadas por Frota no pedido está de que Bolsonaro teria fraudado o Diário Oficial da União (DOU) ao publicar a assinatura de Moro no ato de exoneração do delegado Maurício Valeixo do cargo de diretor-geral da Polícia Federal.

Na ação no Supremo, o deputado ex-bolsonarista aponta a ligação do vereador Carlos Bolsonaro com com o novo diretor-geral da PF, Alexandre Ramagem e diz que Bolsonaro mudou o comando da corporação com o objetivo de "interferir nas investigações realizadas" pela Polícia Federal.

Além disso, Frota afirma que o presidente pratica crimes contra a saúde pública por pregar o fim do isolamento social em meio à pandemia do novo coronavírus.

Fonte: https://www.brasil247.com/regionais/brasilia/frota-entra-com-pedido-de-afastamento-de-jair-bolsonaro-no-stf

STF empareda Bolsonaro e divulga ação que retira dele todos os poderes


27 de abril de 2020, 22:54

Da página do Supremo Tribunal Federal – O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que o presidente da República, Jair Bolsonaro, seja citado no Mandado de Segurança (MS) 37083, impetrado por dois advogados para que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, analise, em 15 dias, a denúncia por crime de responsabilidade protocolada por eles. O ministro observou que, segundo a Súmula 631 do Supremo, a citação de Bolsonaro, na qualidade de litisconsorte passivo necessário, deve ser providenciada pelos advogados, sob pena de extinção do processo sem análise do pedido (mérito).

O relator explica que a citação é uma providência essencial ao regular prosseguimento da ação, pois a eventual concessão do mandado de segurança afetará a esfera jurídica do presidente da República.

O ministro também solicitou informações prévias ao presidente da Câmara dos Deputados, apontado como autoridade coatora na ação por ainda não ter se pronunciado sobre o pedido de impeachment. Segundo o despacho, Maia deverá se manifestar, inclusive, sobre o conhecimento do mandado de segurança.

Prerrogativas

No MS, os advogados pedem a concessão de tutela de urgência para que sejam transferidas para o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, prerrogativas do chefe do governo como a nomeação de ministros, a apresentação de projetos de lei, as relações com chefes de estados estrangeiros e a decretação de estado de defesa ou de sítio.

Por receio de reiteração do que classificam como crime de responsabilidade, pedem que o presidente da República se abstenha de fomentar, promover e participar de aglomeração pública até que comprove os exames negativos para Covid-19. Também querem que ele se abstenha de publicar em meio eletrônico, especialmente em redes sociais, qualquer conteúdo contrário às determinações da OMS sobre o Covid-19. Além disso, pleiteiam a apresentação de seu prontuário médico, como cópia de exames realizados, de 1º de janeiro até a data da impetração do MS, contendo histórico e exames médicos de natureza física e psiquiátrica.

Como outra forma de prevenir suposto crime de responsabilidade, os advogados pedem que Bolsonaro comunique previamente nos autos suas pretensões de saídas em público, com delineamento da agenda oficial, do local, do horário e das medidas prévias adotadas para evitar aglomeração social. Também solicitam que seja determinado ao chefe do Executivo a expedição de protocolo normativo, no prazo de cinco dias, ordenando que seus agentes de segurança, civis ou militares, retirem de qualquer evento público de que participe pessoas portando bandeiras, faixas, camisas e outros meios visíveis de comunicação pedindo a ‘intervenção militar’, ‘golpe militar’, ‘fechamento do Congresso, da Câmara e/ou do Senado’, e ‘fechamento do Supremo’.

Fonte: https://www.brasil247.com/regionais/brasilia/stf-empareda-bolsonaro-e-divulga-acao-que-retira-dele-todos-os-poderes?amp

Banco do BRICS alocará US$ 15 bi para recuperação da economia dos países-membros após pandemia


"Prevê-se que sejam gastos, no total, até US$ 15 bilhões [R$ 83,5 bilhões] para estes fins. Acreditamos que este deverá ser um excelente apoio na fase de recuperação das nossas economias da crise e de retoma da plena atividade econômica", afirmou o chanceler russo, Sergei Lavrov

28 de abril de 2020, 11:48 h Atualizado em 28 de abril de 2020, 12:53 (Foto: Reprodução)

Sputnik - Os fundos da linha de crédito do novo Banco de Desenvolvimento do BRICS podem ser utilizados para fazer recuperar os países após a pandemia de coronavírus.

A declaração foi dada pelo chanceler russo, Sergei Lavrov, em coletiva de imprensa na sequência da videoconferência dos ministros das Relações Exteriores do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul).

"Discutimos as atividades do novo Banco de Desenvolvimento do BRICS. No âmbito do banco, foi decidido por princípio criar um instrumento de crédito especial para projetos de recuperação econômica nos países do BRICS", comunicou Lavrov durante sessão de informação sobre os resultados da reunião por videoconferência.

"Prevê-se que sejam gastos, no total, até US$ 15 bilhões [R$ 83,5 bilhões] para estes fins. Acreditamos que este deverá ser um excelente apoio na fase de recuperação das nossas economias da crise e de retoma da plena atividade econômica", afirmou.

Lavrov também comentou o mecanismo bloco para o desenvolvimento e utilização de vacinas, incluindo contra infecções por coronavírus, que deverão ser lançadas o mais rapidamente possível.

"Hoje analisámos esta situação e decidimos enfatizar a necessidade de implementar este acordo o mais rapidamente possível, de criar tal mecanismo, porque ainda não começou a funcionar", disse Lavrov.

Anteriormente, foi comunicado que o novo Banco de Desenvolvimento do BRICS criará um fundo emergencial de assistência para apoiar os países-membros na recuperação econômica e na saída da crise associada à pandemia COVID-19.

Fonte: https://www.brasil247.com/economia/banco-do-brics-alocara-us-15-bi-para-recuperacao-da-economia-dos-paises-membros-apos-pandemia

Celso de Mello mandou recados duríssimos a Bolsonaro e ignorou possíveis crimes de Moro


No despacho com que abriu o inquérito sobre as acusações de Moro a Bolsonaro, o ministro do STF foi duríssimo contra Jair Bolsonaro e ignorou os possíveis crimes cometidos pelo ex-ministro da Justiça. Foi um sinal do que aguarda o atual presidente na Corte

28 de abril de 2020, 13:22 h Atualizado em 28 de abril de 2020, 14:33Celso de Mello, Jair Bolsonaro e Sérgio Moro Celso de Mello, Jair Bolsonaro e Sérgio Moro (Foto: STF | PR)

247 - No texto em que justificou a decisão de abrir inquérito para investigar as acusações de Sergio Moro contra Jair Bolsonaro, o ministro Celso de Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), mirou suas baterias unicamente contra o chefe do Executivo, ignorando os possíveis crimes cometidos pelo ex-ministro da Justiça.Ao solicitar a instauração do inquérito nesta segunda-feira (28), Mello citou o possível cometimento de oito crimes. O ex-ministro da Justiça, de acordo com interlocutores de Aras, pode ser enquadrado em três deles, denunciação caluniosa, crime contra a honra e prevaricação, segundo o jornalista Matheus Teixeira, da Folha de S.Paulo.

Como o ministro do Supremo atendeu ao pedido integral de Aras, tanto Moro como Bolsonaro Bolsonaro são considerados tecnicamente investigados. No entanto, em sua decisão, Mello menciona Moro lateralmente, sem qualquer consideração, enquanto lança advertências sérias na direção de Bolsonaro. apenas para fazer referência ao que disse em relação ao chefe do Executivo.

Em seu despacho, Mello escreveu que ninguém está acima da lei, nem o presidente da República, e manda recados diretos a Bolsonaro, afirmando que o presidente deve ficar no poder “enquanto a bem servir”. Inusualmente agressivo, Celso de Mello anotou ainda que Bolsonaro está sujeito “às consequências jurídicas e políticas de seu próprio comportamento” e que ninguém tem legitimidade para “vilipendiar a Constituição”.

Fonte: https://www.brasil247.com/poder/celso-de-mello-mandou-recados-durissimos-a-bolsonaro-e-ignorou-possiveis-crimes-de-moro

Eleitores dizem que Lula foi o melhor presidente do Brasil, aponta pesquisa


De acordo com levantamento feito pelo Instituto Paraná Pesquisas, Lula é apontado como o melhor presidente que o País já teve por 29,5% dos brasileiros, seguido por FHC, com 16,0%

28 de abril de 2020, 12:35 h Atualizado em 28 de abril de 2020, 12:53..

(Foto: RICARDO STUCKERT)

247 - Um levantamento feito pelo Instituto Paraná Pesquisas apontou que, segundo 29,5% dos eleitores, Luiz Inácio Lula da Silva foi o melhor presidente que Brasil já teve. Em segundo lugar aparece o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, com 16,0%.

PUBLICIDADE

Na terceira posição está Michel Temer, com 5,0%, seguido por Itamar Franco (3,4%) e por Dilma Rousseff (2,4%).

Na sexta colocação está Fernando Collor de Mello (1,6%) e, na sétima, José Sarney, com 1,5%.

De acordo com a pesquisa, 36,1% disseram que nenhum presidente foi bom e 4,3% não souberam responder.

Foram entrevistadas 2.122 pessoas em 198 municípios brasileiros espalhados por 26 Estados e no Distrito Federal. O levantamento foi feito entre os dias 24 a 27 de abril de 2020, atinge um grau de confiança de 95% para uma margem estimada de erro de aproximadamente 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Fonte: https://www.brasil247.com/poder/eleitores-dizem-que-lula-foi-o-melhor-presidente-do-brasil-aponta-pesquisa

segunda-feira, 27 de abril de 2020

Apoio ao impeachment de Bolsonaro já tem maioria: 54%


É a primeira vez que mais da metade dos entrevistados apoia um impedimento do presidente, segundo Pesquisa Atlas Político. Segundo o levantamento, a rejeição de Bolsonaro chegou a 64,4% – diante de 30% de aprovação

27 de abril de 2020, 08:42 h Atualizado em 27 de abril de 2020, 12:51

Presidente Jair Bolsonaro faz pronunciamento no Palácio do Planalto Presidente Jair Bolsonaro faz pronunciamento no Palácio do Planalto (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)

247 - Pesquisa Atlas Político, feita com 2.000 pessoas entre os dias 24 e 26 de abril, e divulgada nesta segunda-feira (27) pelo jornal El País, aponta que 54% dos brasileiros são a favor do impeachment de Jair Bolsonaro. É a primeira vez que mais da metade dos entrevistados apoia o impedimento de Bolsonaro no levantamento feito pelo instituto. Apoio vem na esteira da demissão de Sérgio Moro do Ministério da Justiça.

PUBLICIDADE

No levantamento anterior, feito em março, 48% dos entrevistados eram favoráveis ao impeachment. Segundo a pesquisa, a rejeição de Bolsonaro chegou a 64,4%, ante 30% de aprovação.

Esta também a primeira vez que o levantamento mostra rejeição de Bolsonaro maior que a do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tem 60% de reprovação. O governo Bolsonaro é avaliado como ruim ou péssimo por 49%, o maior índice desde fevereiro de 2019, quando a série foi iniciada. Outros 28% consideram o governo como regular e 21% classificam como ótimo ou bom.

grafico

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/apoio-ao-impeachment-de-bolsonaro-ja-tem-maioria-54-st3ivr8r

domingo, 26 de abril de 2020

Rússia enviará mais de 40 toneladas de material médico para a Venezuela destinado à COVID-19


Medicamentos doados à Venezuela pela Rússia (foto de arquivo)


© Sputnik / Magda Gibelli

Américas

05:58 26.04.2020(atualizado 05:59 26.04.2020) URL curta

Tema:

Situação em torno da pandemia de COVID-19 no fim de abril (88)

3110

Nos siga no

Embaixador da Rússia em Caracas comunicou à Sputnik que seu país deverá enviar à Venezuela ajuda médica no combate ao coronavírus em início de maio.

Embora o diplomata não tenha especificado que itens serão incluídos na remessa, esta deverá ser constituída pelo material médico mais necessário para tratar a infecção.

"Muito em breve, até o Dia da Vitória [9 de maio na Rússia], esperamos um novo lote importante de medicamentos, mais de 40 toneladas", afirmou o embaixador russo em Caracas, Sergei Melik-Bagdasarov.

Ainda no final de março e início de abril, Moscou despachou milhares de testes da COVID-19 ao país sul-americano.

Pandemia na Venezuela

Até o momento, o governo venezuelano já realizou mais de 423 mil testes de detecção do coronavírus.

A população local foi submetida a quarentena a partir de 16 de março, tendo o confinamento sido prolongado pelo presidente Nicolás Maduro por mais 30 dias no último dia 12.

Contudo, hoje (26) e amanhã (27), será permitido a crianças, adolescentes e idosos saírem às ruas para realizar atividades físicas.

Pelo menos 10 óbitos provocados pela pandemia foram registrados assim como mais de 300 casos da doença.

Fonte: https://br.sputniknews.com/americas/2020042615502924-russia-enviara-mais-de-40-toneladas-de-material-medico-para-a-venezuela-destinado-a-covid-19/

sábado, 25 de abril de 2020

PF identifica Carlos Bolsonaro como chefe do esquema de fake news nas redes sociais


Segundo o jornalista Leandro Colon, dentro da Polícia Federal não há dúvidas de que Jair Bolsonaro pressionou o ex-diretor da PF Mauricio Valeixo, homem de confiança de Sérgio Moro, porque tinha ciência de que a corporação havia chegado ao seu filho

25 de abril de 2020, 16:50 h Atualizado em 25 de abril de 2020, 18:10

(Foto: Instagram/Divulgação)

247 - A Polícia Federal identificou o vereador Carlos Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro, como um dos articuladores da esquema criminoso de disseminação de fake news e ataques a autoridades, no inquérito conduzido pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo o jornalista Leandro Colon, da Folha de S. Paulo, dentro da Polícia Federal, não há dúvidas de que Bolsonaro pressionou o ex-diretor da PF Mauricio Valeixo, homem de confiança do ex-ministro Sérgio Moro, porque tinha ciência de que a corporação havia chegado ao seu filho.

"Carlos é investigado sob a suspeita de ser um dos líderes de grupo que monta notícias falsas e age para intimidar e ameaçar autoridades públicas na internet. A PF também investiga a participação de seu irmão Eduardo Bolsonaro, deputado federal pelo PSL de SP", afirma Colon.

Fonte: https://www.brasil247.com/regionais/brasilia/pf-identifica-carlos-bolsonaro-como-chefe-do-esquema-de-fake-news-nas-redes-sociais

Eduardo Bolsonaro espalha fake news para justificar interferência na PF e é enquadrado por Dilma


A ex-presidente Dilma Rousseff enquadrou neste sábado o deputado Eduardo Bolsonaro, que espalhou mais uma fake news para tentar justificar o movimento do seu pai de intervir na PF para proteger o clã; leia a nota de Dilma

25 de abril de 2020, 21:12 h Atualizado em 25 de abril de 2020, 22:27

Dilma cobra queda de preços dos combustíveis. Dilma cobra queda de preços dos combustíveis. (Foto: Brasil247)

 

247 - A ex-presidente Dilma Rousseff desmontou neste sábado (25) uma fake news disseminada pelo deputado Eduardo Bolsonaro, que tentou justificar o movimento do seu pai, Jair Bolsonaro, de intervir na Polícia Federal para proteger o clã.

Pelo Twitter, Eduardo Bolsonaro acusou Dilma de, em 2012, ter editado decreto que obrigava a PF a informar o governo sobre operações das quais participassem mais de 10 policiais.

"O decreto a que ele se refere foi editado para reduzir despesas com locações, diárias e viagens de TODO o funcionalismo federal", disse Dilma em nota.

"Os governos do PT jamais tentaram interferir em operações da PF, como o ex-ministro e ex-juiz Sérgio Moro, em um momento de sincericídio, foi obrigado a reconhecer", acrescenta a ex-presidente

Leia, abaixo, a nota de Dilma na íntegra:

Mais um fake news de Eduardo Bolsonaro

Eduardo Bolsonaro falta com a verdade mais uma vez, hoje, ao postar um tuite em que me acusa de, em 2012, ter editado decreto que obrigava a PF a informar o governo sobre operações das quais participassem mais de 10 policiais.

Mais uma fake news!

O decreto a que ele se refere foi editado para reduzir despesas com locações, diárias e viagens de TODO o funcionalismo federal.

Exatamente como diz a sua ementa:

"Estabelece, no âmbito do Poder Executivo federal, limites e instâncias de governança para a contratação de bens e serviços e para a realização de gastos com diárias e passagens."

Quem quer que leia o decreto encontrará dois itens que estabelecem claramente a exceção que dispensa a Policia Federal de pedir a assinatura do ministro da Justiça em autorizações de viagens e pagamento de diárias para operações sigilosas, vale dizer, de investigação:

"§ 4º Quando o deslocamento exigir a manutenção de sigilo, as autoridades de que tratam o caput, o § 1º e o § 2º poderão delegar a competência para a concessão de diárias e passagens aos chefes de unidades responsáveis pelo deslocamento."

"§ 9º As autorizações para despesas com diárias e passagens poderão ser realizadas de forma confidencial, quando envolverem operações policiais, de fiscalização ou atividades de caráter sigiloso, garantido levantamento do sigilo após o encerramento da operação."

Os governos do PT jamais tentaram interferir em operações da PF, como o ex-ministro e ex-juiz Sérgio Moro, em um momento de sincericídio, foi obrigado a reconhecer.

A cada dia fica mais claro que as fake news produzidas pelos que defendem o governo bolsonaro não param nunca.

Resta saber por quanto tempo o próprio governo resistirá a tantas agressões à verdade, à ética, ao Código Penal e à Constituição.

DILMA ROUSSEFF

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/eduardo-bolsonaro-espalha-fake-news-para-tentar-justificar-interferencia-na-pf-e-e-enquadrado-por-dilma

Lula: Bolsonaro é cria do Moro e os dois são bandidos


Ex-presidente Lula, que hoje seria presidente se Sergio Moro não tivesse atuado de forma ilegal para eleger Jair Bolsonaro, também diz que os dois são filhos das mentiras da Globo

25 de abril de 2020, 14:39 h Atualizado em 25 de abril de 2020, 15:05

 

247 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva destacou que Jair Bolsonaro só chegou à presidência da República após Sérgio Moro condenar o petista sem provas no processo do triplex em Guarujá (SP). O ex-presidente fez a postagem no Twitter após um confronto de disputa da opinião pública entre Bolsonaro e Moro, após o ex-juiz pedir demissão do ministério da Justiça devido à exoneração de Maurício Valeixo da Diretoria-Geral da Polícia Federal.

"Não pode haver inversão da história. O Bolsonaro é filho do Moro, e não o Moro cria do Bolsonaro. Nessa disputa toda, os dois são bandidos, mas é o Bolsonaro que é a cria e não o contrário. E os dois são filhos das mentiras inventadas pela Globo", afirmou o ex-presidente no Twitter.

Lula

@LulaOficial

Não pode haver inversão da história. O Bolsonaro é filho do Moro, e não o Moro cria do Bolsonaro. Nessa disputa toda, os dois são bandidos, mas é o Bolsonaro que é a cria e não o contrário. E os dois são filhos das mentiras inventadas pela Globo.

16,7 mil

13:48 - 25 de abr de 2020

Fonte: https://www.brasil247.com/poder/lula-bolsonaro-e-cria-do-moro-e-os-dois-sao-bandidos

sexta-feira, 24 de abril de 2020

Moro tem provas documentais para derrubar Bolsonaro


Interlocutores do ex-ministro da Justiça relataram que Sérgio Moro e Jair Bolsonaro tiveram inúmeras conversas pessoais e de governo pelo WhatsApp, que podem comprovar as acusações feitas pelo ex-juiz

24 de abril de 2020, 16:23 h Atualizado em 24 de abril de 2020, 16:27

Sérgio Moro e Jair Bolsonaro Sérgio Moro e Jair Bolsonaro (Foto: Anderson Riedel/PR | Marcos Corrêa/PR)

247 - As acusações de Sérgio Moro contra Jair Bolsonaro estão respaldadas em provas documentais.

Segundo os jornalistas Andreza Matais e Fausto Macedo, do Estado de S. Paulo, interlocutores do ex-ministro relataram ao Estado que Moro e Bolsonaro tiveram inúmeras conversas, pessoais e de governo, especialmente pelo WhatsApp, canal usado pelo presidente para dar ordens aos subordinados.

"Essas fontes observaram que Moro tem uma experiência de 22 anos na função de juiz criminal e sabe, como poucos, que não se acusa alguém sem provas concretas. Pelo menos sete crimes que Bolsonaro teria cometido foram apontados pelo ex-ministro no pronunciamento que fez nesta sexta-feira. Moro surpreendeu até sua equipe ao revelar com detalhes que o presidente manifestou interesse em interferir na autonomia da Polícia Federal. Ordens que ele nunca repassou. Bolsonaro nunca teve uma conversa a sós com o diretor-geral da PF, Maurício Valeixo", afirmam os jornalistas.

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/moro-tem-provas-documentais-para-derrubar-bolsonaro

Aras pede ao STF para investigar acusações de Moro contra Bolsonaro


O Procurador-Geral da República pediu que o STF abra inquérito para apurar crimes de falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, prevaricação e obstrução de justiça possivelmente cometidos por Bolsonaro e delatados pelo ex-ministro Moro nesta sexta-feira

24 de abril de 2020, 17:29 h Atualizado em 24 de abril de 2020, 17:53

Augusto Aras e Bolsonaro Augusto Aras e Bolsonaro (Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF | Marcos Corrêa/PR)

247 - O Procurador-Geral da REpública, Augusto Aras, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que abra inquérito para investigar supostos crimes cometidos por Jair Bolsonaro e delatados pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro nesta sexta-feira (24).

A PGR aponta crimes de falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, prevaricação, obstrução de justiça, corrupção passiva privilegiada, denunciação caluniosa e crime contra a honra.

A decisão de abertura do inquérito precisa de aval do Supremo, que é dado pelo ministro relator ainda não definido.

“A dimensão dos episódios narrados revela a declaração de Ministro de Estado de atos que revelariam a prática de ilícitos, imputando a sua prática ao Presidente da República, o que, de outra sorte, poderia caracterizar igualmente o crime de denunciação caluniosa”, alega Aras.

“Indica-se, como diligência inicial, a oitiva de Sergio Fernando Moro, a fim de que apresente manifestação detalhada sobre os termos do pronunciamento, com a exibição de documentação idônea que eventualmente possua acerca dos eventos em questão", acrescenta.

Fonte: https://www.brasil247.com/poder/aras-pede-que-stf-investigue-bolsonaro-por-possiveis-crimes-delatados-por-moro

STF empareda Bolsonaro e divulga ação que retira dele todos os poderes


Ministro Celso de Mello deu celeridade a ação que pode transferir todas as decisões de governo para o vice Hamilton Mourão e também proibir Jair Bolsonaro de atuar nas ruas e nas redes sociais enquanto não apresentar seus exames – o que seria uma intervenção branca

24 de abril de 2020, 05:20 h Atualizado em 24 de abril de 2020, 06:49 (Foto: STF | Reuters)

Da página do Supremo Tribunal Federal – O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que o presidente da República, Jair Bolsonaro, seja citado no Mandado de Segurança (MS) 37083, impetrado por dois advogados para que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, analise, em 15 dias, a denúncia por crime de responsabilidade protocolada por eles. O ministro observou que, segundo a Súmula 631 do Supremo, a citação de Bolsonaro, na qualidade de litisconsorte passivo necessário, deve ser providenciada pelos advogados, sob pena de extinção do processo sem análise do pedido (mérito).

O relator explica que a citação é uma providência essencial ao regular prosseguimento da ação, pois a eventual concessão do mandado de segurança afetará a esfera jurídica do presidente da República.

O ministro também solicitou informações prévias ao presidente da Câmara dos Deputados, apontado como autoridade coatora na ação por ainda não ter se pronunciado sobre o pedido de impeachment. Segundo o despacho, Maia deverá se manifestar, inclusive, sobre o conhecimento do mandado de segurança.

Prerrogativas

No MS, os advogados pedem a concessão de tutela de urgência para que sejam transferidas para o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, prerrogativas do chefe do governo como a nomeação de ministros, a apresentação de projetos de lei, as relações com chefes de estados estrangeiros e a decretação de estado de defesa ou de sítio.

Por receio de reiteração do que classificam como crime de responsabilidade, pedem que o presidente da República se abstenha de fomentar, promover e participar de aglomeração pública até que comprove os exames negativos para Covid-19. Também querem que ele se abstenha de publicar em meio eletrônico, especialmente em redes sociais, qualquer conteúdo contrário às determinações da OMS sobre o Covid-19. Além disso, pleiteiam a apresentação de seu prontuário médico, como cópia de exames realizados, de 1º de janeiro até a data da impetração do MS, contendo histórico e exames médicos de natureza física e psiquiátrica.

Como outra forma de prevenir suposto crime de responsabilidade, os advogados pedem que Bolsonaro comunique previamente nos autos suas pretensões de saídas em público, com delineamento da agenda oficial, do local, do horário e das medidas prévias adotadas para evitar aglomeração social. Também solicitam que seja determinado ao chefe do Executivo a expedição de protocolo normativo, no prazo de cinco dias, ordenando que seus agentes de segurança, civis ou militares, retirem de qualquer evento público de que participe pessoas portando bandeiras, faixas, camisas e outros meios visíveis de comunicação pedindo a ‘intervenção militar’, ‘golpe militar’, ‘fechamento do Congresso, da Câmara e/ou do Senado’, e ‘fechamento do Supremo’.

Fonte: https://www.brasil247.com/regionais/brasilia/stf-empareda-bolsonaro-e-divulga-acao-que-retira-dele-todos-os-poderes

segunda-feira, 20 de abril de 2020

Aras pede abertura de inquérito para apurar ato pró-golpe com a presença de Bolsonaro


O procurador-geral da República, Augusto Aras, solicitou ao STF a abertura de um inquérito com o objetivo de apurar a suposta participação de deputados federais na organização de "atos delituosos" que pediram fechamento do Congresso e do STF

20 de abril de 2020, 14:08 h Atualizado em 20 de abril de 2020, 14:50

Augusto Aras e Bolsonaro Augusto Aras e Bolsonaro (Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF | Marcos Corrêa/PR)

247 - O procurador-geral da República, Augusto Aras, solicitou nesta segunda-feira (20) ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de um inquérito com o objetivo de apurar a suposta participação de deputados federais na organização de "atos delituosos" que pediram fechamento do Congresso e do STF. O inquérito tem como foco a mobilização onde Jair Bolsonaro discursou neste último domingo (19), em Brasília (DF).

O ocupante do Planalto, no entanto, não é alvo do inquérito. Vale ressaltar que Bolsonaro indicou Aras para a PGR desrespeitando a lista tríplice do Ministério Público. O teor do inquérito foi publicado na coluna de Bela Megale.

"O Estado brasileiro admite única ideologia que é a do regime da democracia participativa. Qualquer atentado à democracia afronta a Constituição e a Lei de Segurança Nacional", afirmou Aras.

Fonte: https://www.brasil247.com/poder/aras-pede-abertura-de-inquerito-para-apurar-ato-pro-golpe-com-a-presenca-de-bolsonaro

Ministro do STJ nega recurso de Flávio Bolsonaro e crava: ‘fortes indícios de materialidade e autoria de crimes'


O ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ) afirmou que a quebra de sigilo fiscal e bancário de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) foi autorizada “em decisões judiciais devidamente fundamentadas”. Ele negou o recurso do senador, filho do presidente.

20 de abril de 2020, 17:53 h Atualizado em 20 de abril de 2020, 19:26

Flávio Bolsonaro Flávio Bolsonaro (Foto: Alessandro Dantas)

247 - O ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou o recurso do senador Flávio Bolsonaro para arquivar o inquérito que corre contra ele na Justiça. Fischer destacou que a investigação contra  senador se dá “no amparo de fortes indícios de materialidade e autoria de crimes”.

Felix Fischer ainda relata: “ao contrário do que o recorrente informa, que a investigação tenha acontecido em face de pessoa politicamente exposta, com vazamento de seus dados fiscais e bancários por cerca de 10 anos, fato é que, conforme consignado nos presentes autos, a quebra de sigilo foi autorizada em duas decisões judiciais devidamente fundamentadas (no amparo em fortes indícios de materialidade e autoria de crimes; na suposta formação de grande associação criminosa, com alto grau de permanência e estabilidade na Alerj; e, como se não bastasse, na imprescindibilidade da medida).”

A reportagem do jornal O Globo destaca que “o pedido da defesa do senador Flávio Bolsonaro foi feito no início de março deste ano. Os advogados do senador tinham feito um recurso à Corte depois que seus pedidos junto a 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio tinham sido negados.”

A matéria ainda informa que “o recurso na Corte representava a 9ª vez que a defesa de Flávio tentou paralisar as investigações, que apuram peculato e lavagem de dinheiro em seu gabinete na Alerj, desde janeiro do ano passado. O senador argumenta que ocorreu quebra de sigilo fiscal e bancário na comunicação feita pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sobre suas movimentações atípicas.”

Fonte:  https://www.brasil247.com/regionais/brasilia/o-ministro-do-stj-nega-recurso-de-flavio-bolsonaro-e-crava-fortes-indicios-de-materialidade-e-autoria-de-crimes

Governo Bolsonaro processa Flávio Dino por tentar trazer respiradores da China


Receita Federal afirmou em nota que “tomará providências legais cabíveis contra as pessoas físicas e jurídicas envolvidas, além de representação aos órgãos de persecução penal". O governador Flávio Dino (MA) tem dito que o governo Jair Bolsonaro tem recusado ajuda ao estado

20 de abril de 2020, 15:54 h Atualizado em 20 de abril de 2020, 16:49

Jair Bolsonaro e Flávio Dino Jair Bolsonaro e Flávio Dino (Foto: PR | LULA MARQUES)

247 - O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), vai ser processado pela Receita Federal após tentar importar 107 respiradores da China cruzando a carga pela Etiópia. A estratégia do dia 14 de abril foi adotada como necessária uma vez que outras entregas de equipamentos médicos foram boicotadas por Jair Bolsonaro ou pelos Estados Unidos. A informação é da Coluna Painel, da Folha de S.Paulo.

A Receita afirmou em nota que a operação foi "realizada sem o prévio licenciamento da Anvisa e sem autorização da Inspetoria Receita Federal em São Luís, órgão legalmente responsável por fiscalizar a importação das mercadorias”.

O órgão enfatizou que vai “adotar providências legais cabíveis contra as pessoas físicas e jurídicas envolvidas, promovendo os competentes procedimentos fiscais, além de representação aos órgãos de persecução penal".

A Infraero registrou boletim de ocorrência na quarta-feira (15). Os equipamentos não serão retirados do governo do Maranhão para que as pessoas que os estão utilizando não sejam prejudicadas.

Fonte: https://www.brasil247.com/poder/governo-bolsonaro-processa-dino-por-trazer-respiradores-da-china-via-etiopia

Eugênio Aragão: Bolsonaro deve ser afastado por ofender matriz normativa do Estado


Para o ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão, estamos neste momento "diante da maior ameaça à Constituição desde sua promulgação". "A deslealdade do presidente para com os cânones constitucionais por si só seria motivo para afastá-lo do cargo", defende

20 de abril de 2020, 19:10 h Atualizado em 20 de abril de 2020, 19:23

Brasília - O novo ministro da Justiça, Eugênio Aragão, durante cerimônia de posse (José Cruz/Agência Brasil) Brasília - O novo ministro da Justiça, Eugênio Aragão, durante cerimônia de posse (José Cruz/Agência Brasil) (Foto: José Cruz - ABR)

Sputnik - Após ofender "a matriz normativa e axiológica do Estado brasileiro", o presidente Jair Bolsonaro deve ser afastado do cargo para que o Brasil volte ao eixo constitucional, disse à Sputnik Brasil o ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão.

Nesta segunda-feira, o procurador-geral da República, Augusto Aras, solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de uma investigação dos atos realizados no último domingo (19) que pediram uma intervenção militar e o fechamento do STF e do Congresso Nacional.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), o inquérito visa apurar possível violação da Lei de Segurança Nacional (7.170/1983), levando em conta que uma das pautas defendidas por parte dos manifestantes era a reedição do AI-5, o ato institucional que endureceu o regime militar durante a ditadura que vigorou no país entre 1964 e 1985.

"O Estado brasileiro admite única ideologia, que é a do regime da democracia participativa. Qualquer atentado à democracia afronta a Constituição e a Lei de Segurança Nacional", afirmou Augusto Aras, citado em nota oficial.

Entre os diversos atos realizados ontem pelo país pedindo o fim do isolamento social imposto para conter a propagação do novo coronavírus, chamou a atenção uma manifestação em frente ao quartel-general do Exército em Brasília, que contou com a participação do presidente da República. Em meio a pedidos de intervenção militar e outras defesas acaloradas de rupturas da ordem, Jair Bolsonaro discursou para um grande número de apoiadores aglomerados, causando indignação em várias autoridades, que não pouparam críticas ao chefe de Estado.

Para o ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão, jurista e professor da Universidade de Brasília, sem dúvida, estamos, neste momento, "diante da maior ameaça à Constituição desde sua promulgação". Segundo ele, ao contrário do que prometeu ao assumir o cargo, o presidente Bolsonaro não está respeitando os princípios constitucionais.

"A deslealdade do presidente para com os cânones constitucionais, como o federalismo, a dignidade da pessoa humana e a independência dos poderes, por si só, seria motivo para afastá-lo do cargo por perjúrio, pois não está cumprindo com o juramento que fez ao tomar posse diante do Congresso Nacional", disse o magistrado em entrevista à Sputnik Brasil.

De acordo com Aragão, diante da delicada situação em que o país se encontra, a única saída para essa crise seria os poderes legislativo e judiciário cumprirem "seus deveres" e acabarem com a "ameaça institucional que Bolsonaro representa".

"Não se trata de uma briga partidária, e, sim, de uma tarefa que a república impõe: o presidente não pode continuar no cargo quando ofende a matriz normativa e axiológica do Estado brasileiro. É preciso de um pacto para afastar esse senhor e recolocar o Brasil no seu eixo constitucional, preservando o Estado democrático de direito."

​A cientista política Ariane Roder, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), acredita que não há argumento plausível para que políticos ou eleitores defendam um regime de exceção, não tendo qualquer legitimidade ou legalidade, portanto, os pedidos de intervenção militar.

Também em entrevista à Sputnik Brasil, a acadêmica afirma que, em um momento no qual o mundo está passando por uma crise sem precedentes, o mais importante é que os governantes adotem uma postura estratégica, alinhada aos atores institucionais, pois a população precisa, antes de mais nada, de uma mensagem de confiança, liderança e atitude homogênea.

"O que a gente está vivenciando no Brasil é justamente o oposto disso. Como se não bastasse a crise na saúde, como se não bastasse a crise na economia que essa pandemia está desdobrando — no campo econômico e social —, nós temos uma crise que era totalmente desnecessária neste momento, que é uma crise política interna, muito ensejada pelo próprio presidente Jair Bolsonaro", opina a especialista.

​Para Roder, o que se tem visto, não apenas nas últimas semanas, mas desde o início do atual governo, é uma estratégia do executivo de propor uma queda de braço com os demais poderes, embora isso possa gerar uma crise para a própria administração federal.

Segundo ela, isso acontece simplesmente porque Bolsonaro não foca na questão da governabilidade hoje, mas age com base em uma agenda direcionada para 2022.

"O objetivo final desse governo é a reeleição. Então, tudo que ele tem feito é tentar manter a estratégia que o levou ao poder no ano passado, que é essa polarização ideológica", explica, sublinhando que Bolsonaro e seus aliados têm se aproveitado de um "contexto dramático" para levar a cabo esse plano.

Ainda de acordo com a professora, diante da atual situação, é preciso repudiar tanto o tipo de manifestação que foi visto ontem, em Brasília, quanto a atitude do presidente, por apoiar manifestantes que têm "mensagens bastante perigosas para a democracia".

"A gente precisa apoiar os poderes, tanto o Congresso quanto o judiciário, quanto os próprios governadores. Porque é nesse equilíbrio de poderes que a democracia funciona."

Fonte: https://www.brasil247.com/poder/eugenio-aragao-bolsonaro-deve-ser-afastado-por-ofender-matriz-normativa-do-estado

Gleisi reforça apoio do PT ao Fora Bolsonaro


"O PT continuará esse debate em suas instâncias e não faltará ao país", disse a presidente do Partido dos Trabalhadores

20 de abril de 2020, 05:22 h Atualizado em 20 de abril de 2020, 12:36

burst burst (Foto: Ricardo Stuckert)

247 – O PT aderiu de vez ao Fora Bolsonaro depois que Jair Bolsonaro revelou que pretende implantar uma nova ditadura no Brasil, ao participar de uma manifestação que pedia a volta do AI-5. "Eu também acho @Haddad_Fernando, chegou a hora do fora Bolsonaro! O PT continuará esse debate em suas instâncias e não faltará ao país", disse ela, em resposta a Fernando Haddad.

"O verme, mais uma vez, diz a que veio. Até quando os democratas suportarão tanta provocação, sem nada fazer? O dia do fora já chegou!", havia dito Haddad, poucas horas antes.

Fonte: https://www.brasil247.com/poder/gleisi-reforca-apoio-do-pt-ao-fora-bolsonaro-apos-jair-revelar-sua-intencao-de-implantar-uma-ditadura-no-brasil

sexta-feira, 17 de abril de 2020

Bolsonaro declara guerra a Rodrigo Maia na CNN: “o Brasil não merece Maia na Câmara e ele tem que me respeitar”


Em entrevista à CNN Brasil logo após ter anunciado a substituição de Luiz Mandetta por Nelson Teich no Ministério da Saúde, Jair Bolsonaro afirmou que Rodrigo Maia deve respeitá-lo. "O Maia tem de me respeitar como chefe do Executivo", disse

16 de abril de 2020, 20:13 h Atualizado em 16 de abril de 2020, 22:53

Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro (Foto: Câmara dos Deputados | PR)

247 - Jair Bolsonaro fez duras críticas na noite desta quinta-feira, 16, ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Em entrevista à CNN Brasil, Bolsonaro disse que Maia deve respeitá-lo. "O Maia tem de me respeitar como chefe do Executivo", disse.

"O Brasil não merece a atuação dele na Câmara. Péssima sua atuação. Não estou rompendo com o parlamento, não", acrescentou.

Bolsonaro também voltou a defender a flexibilização das medidas de isolamento contra a pandemia do novo coronavírus em nome da economia.

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/bolsonaro-declara-guerra-a-rodrigo-maia-na-cnn-o-brasil-nao-merece-maia-na-camara-e-ele-tem-que-me-respeitar

quinta-feira, 16 de abril de 2020

"Como a demissão de Mandetta foi ruim, Bolsonaro quer trocar a pauta", diz Maia sobre ataques


“O presidente ataca com velho truque da política: como a demissão do ministro Mandetta foi ruim, ele quer trocar a pauta”, disse Maia ao responder os ataques de Jair Bolsonaro

16 de abril de 2020, 21:09 h Atualizado em 16 de abril de 2020, 21:12

Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro (Foto: ABr)

 

247 - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), rebateu os ataques feitos por Jair Bolsonaro. Segundo ele, a estratégia de Bolsonaro é para tirar o foco sobre a demissão de Luiz Henrique Mandettta.

“O presidente ataca com velho truque da política: como a demissão do ministro Mandetta foi ruim, ele quer trocar a pauta. O que precisamos falar é de saúde. Volto a deixar minha solidariedade às famílias de mais de 1.900 pessoas que perderam suas vidas. Não podemos aceitar que apenas uma visão de Brasil prevaleça”, afirmou Maia, em entrevista à CNN.

O deputado disse ainda que não responderia no “nível que ele [Bolsonaro] quer”. “Não tem nenhuma intenção de conflitar com o governo, de prejudicar e enfrentar o governo. Ele pode atacar o Congresso, ele joga pedra, o Parlamento vai jogar flores”.

Em outro recado a Bolsonaro, Maia disse que ele “pode ficar tranquilo”, que a Câmara está aberta a dialogar com o Executivo e que “não vai entrar” nesses conflitos, porque, “neste momento de crise, o país precisa de união, com um objetivo, que é salvar vidas e emprego”.

“Não vou de forma nenhuma responder o presidente no nível que ele quer que eu responda. É disso que se trata em um momento de crise, de união, com um objetivo só: salvar vidas e emprego”.

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/como-a-demissao-de-mandetta-foi-ruim-bolsonaro-quer-trocar-a-pauta-diz-maia-sobre-ataques

Nelson Teich sugere em vídeo que jovens devem ter prioridade em relação aos idosos (assista)


“Na Saúde, o dinheiro é limitado e escolhas são inevitáveis”, diz Nelson Teich, sugerindo que jovens têm prioridade sobre idosos, em um vídeo de abril de 2019

16 de abril de 2020, 17:33 h Atualizado em 16 de abril de 2020, 22:53

Nelson Teich Nelson Teich (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil | Reprodução)

 

247 - Nomeado por Jair Bolsonaro como novo ministro da Saúde, Nelson Teich já disse em vídeo que “na saúde, o dinheiro é limitado e escolhas são inevitáveis” e sugere que jovens têm prioridade em relação a idosos.

A fala não fazia referência à pandemia do coronavírus. O vídeo foi publicado no site Instituto Oncoguia, em uma seção dedicada ao 9º Fórum Nacional Oncoguia - Complexidade do Sistema de Saúde Brasileiro. A data da postagem do vídeo no Youtube é de 25 de abril de 2019.

Em sua primeira fala como ministro da Saúde nesta quinta-feira 16, ele anunciou um "programa de testes" para o Brasil enfrentar a pandemia, disse que não haverá mudanças bruscas nas regras do isolamento social praticado atualmente e defendeu a ciência e a técnica como base das decisões a serem tomadas.

eonardo Attuch

@AttuchLeonardo

“Na saúde, o dinheiro é limitado e escolhas são inevitáveis”, diz Nelson Teich, novo ministro da Saúde, sugerindo que jovens têm prioridade em relação a idosos. Você concorda? Ou todos têm direito ao mesmo tratamento?

Fonte:

Presidente do Banco Central diz que reduzir mortes por Covid-19 é pior para a economia


Reportagem do Intercept Brasil destaca a fala do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para investidores do mercado. De acordo com o dirigente, quanto maior for o número de novos casos e mortes por coronavírus melhor para a economia

16 de abril de 2020, 10:08 h Atualizado em 16 de abril de 2020, 12:49

Roberto Campos Neto Roberto Campos Neto (Foto: José Dias/PR | REUTERS/Bruno Kelly)

247 - Em fala a investidores do mercado financeiro, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, descontextualizou os dados de um gráfico elaborado por economistas do Centro de Pesquisas de Política Econômica para afirmar que o isolamento social irá aprofundar a recessão econômica. É o que aponta uma reportagem da jornalista Amanda Audi, no site Intercept Brasil.

"Esse é um gráfico que muita gente tem comunicado em palavras, que é a troca entre o tamanho da recessão e o achatamento da curva [de contaminação] que você quer atingir. Mostra que, quando você tem um achatamento maior, você tem uma recessão maior e vice-versa", disse Campos Neto em uma live organizada pela XP Investimentos, uma das maiores corretoras de valores do Brasil.

De acordo com a matéria, "na lógica fria de Campos Neto, quanto mais rápido vierem novos casos e mortes por covid-19, melhor para a economia. Mais importante é que a indústria continue produzindo e vendendo. Ainda que isso cause o colapso de hospitais e do sistema de saúde pública, forçando médicos e escolher quem atender e quem deixar morrer, é um preço razoável a pagar em nome do lucro".

"A fala do presidente do BC embute uma desonestidade intelectual. O gráfico usado por ele consta da introdução do livro 'Mitigating the covid economic crisis: act fast and do whatever it takes' – 'Reduzindo a crise econômica da covid: agir rápido e fazer todo o possível', em tradução livre. Trata-se de uma compilação de artigos organizada pelos economistas Richard Baldwin e Beatrice Weder di Mauro, do Centro de Pesquisas de Política Econômica, um think tank baseado em Genebra e que desde 1983 reúne mais de 700 pesquisadores de universidades majoritariamente europeias. Lançado em 18 de março, o livro (em inglês) pode ser baixado de graça na internet".

Fonte: https://www.brasil247.com/economia/presidente-do-banco-central-diz-que-reduzir-mortes-por-covid-19-e-pior-para-a-economia

Lula: Titanic afunda enquanto Bolsonaro finge que nada está acontecendo


Lula compara uma das cenas do filme Titanic para demonstrar o descaso de Bolsonaro com o avanço do novo coronavírus no país, que já infectou quase 30.000 brasileiros

16 de abril de 2020, 11:16 h Atualizado em 16 de abril de 2020, 12:03Lula Lula (Foto: Ricardo Stuckert)

 

247 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva usou suas redes sociais nesta manhã de quinta-feira (16) para criticar o descaso de Jair Bolsonaro com o avanço do novo coronavírus no Brasil.

Até as 6h30 desta quinta-feira (16), as secretarias estaduais de saúde divulgaram 29.015 casos confirmados do novo coronavírus no Brasil, com 1.760 mortes.

Lula comparou o comportamento de Bolsonaro com uma das cenas do filme clássico “Titanic”, onde o capitão do navio observa sem reagir toda a estrutura da embarcação afundar no mar.

“O Bolsonaro parece o capitão do Titanic. O navio estava afundando e ele continuava fingindo que nada estava acontecendo. O país está à deriva. Uma nau sem rumo”, declarou o ex-presidente Lula.

Lula

@LulaOficial

O Bolsonaro parece o capitão do Titanic. O navio estava afundando e ele continuava fingindo que nada estava acontecendo. O país está à deriva. Uma nau sem rumo.

9.729

10:54 - 16 de abr de 2020

Lula: Guedes manda dinheiro rapidamente para a XP e o mercado financeiro e segura o dos pobres


O ex-presidente Lula condenou a postura do governo, que se apressa para socorrer banqueiros e promove uma lentidão na distribuição do auxílio de R$ 600 reais aos trabalhadores autônomos. “Ora, se demora tanto tempo pra chegar o dinheiro na mão do pobre, porque chega tão rápido na mão do banqueiro?” , indaga Lula

16 de abril de 2020, 08:47 h Atualizado em 16 de abril de 2020, 09:48

Lula: Guedes é do mercado, não se interessa pela fome dos aposentados Lula: Guedes é do mercado, não se interessa pela fome dos aposentados (Foto: Reprodução | PR)

247 - O ex-presidente Lula usou suas redes sociais nesta manhã para condenar a postura do governo, que se apressa para socorrer banqueiros e promove uma lentidão na distribuição do auxílio de R$ 600 reais aos trabalhadores autônomos. “Ora, se demora tanto tempo pra chegar o dinheiro na mão do pobre, porque chega tão rápido na mão do banqueiro?”, questiona Lula.

“A XP foi atrás do Guedes e rapidinho eles liberaram R$ 1,2 trilhão para o mercado financeiro”, relembra Lula.

Em todas as regiões do Brasil, milhares de trabalhadores denunciam que não conseguem sacar o valor de R$ 600 reais fornecido pelo governo como renda emergencial durante o período de pandemia. 


Lula

@LulaOficial

A XP foi atrás do Guedes e rapidinho eles liberaram R$ 1,2 trilhão para o mercado financeiro. Ora, se demora tanto tempo pra chegar o dinheiro na mão do pobre, porque chega tão rápido na mão do banqueiro?

12,8 mil

08:27 - 16 de abr de 2020

Fonte: https://www.brasil247.com/economia/lula-se-demora-tanto-tempo-pra-chegar-o-dinheiro-ao-pobre-porque-chega-tao-rapido-na-mao-do-banqueiro

Flávio Dino dribla governo Bolsonaro e compra respiradores na China


O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) fez uma verdadeira operação de guerra para comprar equipamentos médicos na China, inclusive respiradores, escapando do boicote do governo de Jair Bolsonaro e da concorrência internacional

16 de abril de 2020, 04:19 h Atualizado em 16 de abril de 2020, 07:49

Flávio Dino, governador do Maranhão Flávio Dino, governador do Maranhão (Foto: Divulgação)

247 - Para conseguir transportar 107 respiradores e 200 mil máscaras da China, escapando do boicote do governo federal, o governo do Maranhão precisou montar uma operação de guerra.

O Painel da Folha de S.Paulo informa que a operação foi traçada depois de o governo do Maranhão ter reservado algumas vezes respiradores, que foram atravessados por Alemanha, EUA e pelo próprio governo federal.

De acordo com a coluna, em março, o governador Flávio Dino (PCdoB) reservou a compra de um lote de respiradores de uma fábrica de Santa Catarina, mas a transação foi bloqueada pelo governo de Jair Bolsonaro.

Depois, o governo do Maranhão reservou 150 respiradores na China, mas foi atravessado pela Alemanha, que passou na frente, pagou mais e levou o pacote. O mesmo ocorreu com outra tentativa de compra, que não se concretizou devido à interferência dos Estados Unidos.

Finalmente, o governo do Maranhão conseguiu levar para casa os respiradores e demais equipamentos com a ajuda de uma importadora maranhense e a negociação direta com a província chinesa de Guangzhou, que enviou os respiradores para a Etiópia, com o objetivo de escapar da interceptação por países europeus e pelos EUA.

Os equipamentos desembarcaram na capital maranhense São Luís na terça-feira (14).

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/flavio-dino-dribla-governo-bolsonaro-e-compra-respiradores-na-china

Zanin: quem espalhou fake news contra Marisa Letícia responderá judicialmente pelo ato


Após a mídia corporativa espalhar mais uma mentira a respeito de Marisa Letícia, dizendo que ela deixou um patrimônio de 256 milhões (o correto é R$ 26 mil) o advogado de Lula Cristiano Zanin informa que todos os canais responsáveis por disparar fake news contra a ex-primeira dama, atacando sua memória, ficarão sujeitos a responderem judicialmente pelo crime

16 de abril de 2020, 10:02 h Atualizado em 16 de abril de 2020, 10:49

Cristiano Zanin Martins, Lula e Marisa Letícia Cristiano Zanin Martins, Lula e Marisa Letícia (Foto: Ricardo Stuckert)247 - Após a mídia corporativa espalhar mais uma mentira a respeito de Marisa Letícia, dizendo que ela deixou um patrimônio de 256 milhões (o correto é R$ 26 mil) em seu inventário, o advogado de Lula Cristiano Zanin informa que todos os canais responsáveis por disparar fake news contra a ex-primeira dama, atacando sua memória, ficarão sujeitos a responderem judicialmente pelo crime.

A mentira a respeito de Marisa Letícia começou nas mãos de um juiz, que havia perguntado, em documento do dia 6 de abril, sobre o valor dos CDBs com uma suposição equivocada, confundindo o valor unitário de cada certificado com o valor unitário de debêntures de outra natureza, gerando um valor estimado muito acima do valor real dos CDBs de Dona Marisa, que correspondem a pouco mais de 26 mil reais.

Zanin também informa que a família de Marisa irá tomar as medidas cabíveis que a lei permitir para preservar a sua memória. “E também aguardo uma reparação dos canais que divulgaram as fake news”, acrescenta.

Fonte: https://www.brasil247.com/poder/zanin-quem-espalhou-fake-news-contra-marisa-leticia-respondera-judicialmente-pelo-ato

quarta-feira, 15 de abril de 2020

Como era bom o Brasil com o PT

Antonia Neide Costa Santana

6 de abril às 19:00

Copiado e colado..

ALGUÉM ME PEDIU PRA PARAR DE CRITICAR O BOLSONARO E MOSTRAR AS COISAS BOAS QUE ELE JÁ FEZ.
Vou elencar:
01. Subiu o salário mínimo de R1.198,00 para R$ 1.045,00;
02. Abaixou o preço da gasolina de R$ 2,80 para R$ 4,98;
03. Abaixou o GLP de R$ 45,00 para R$ 80,00;
04. Prestigiou os patrões com a retirada dos direitos trabalhistas dos empregados;
05. Prestigiou os trabalhadores dando a oportunidade de trabalhar 40 anos para se aposentar;
06. Prestigiou os miseráveis na reforma da previdência passando o valor assistencial de um salário mínimo para R$ 400,00;
07. Prestigiou os trabalhadores à negociar o seu salário com o empresário e trabalhar aos sábados e domingos, sem direito a descanso semanal, vale transporte, vale alimentação, férias e 13° salário;
08. Diminuiu a mamata dos militares, magistrados, procuradores e políticos com um aumento substancial de 41% nos vencimentos;
09. Tirou a mamata dos banqueiros repassando de crise em crise bilhões e trilhões de reais do tesouro;
10. Defende o trabalhador jogando-o à própria sorte na 'guerra contra a Covid-19' para7 que o patrão não fique sem os lucros.

Elenquei somente 10, como pediu. Fácil, fácil...
MAIS ALGUMAS REALIZAÇÕES
11- Protegeu a sua família, sumindo com o Queiróz e o miliciano Adriano.
12- Ajudou a agricultura brasileira, popularizando o laranjal, a goiabeira e a bananinha.
13- Conseguiu reduzir o valor do dólar de 2,50 para 5,50.
14- Nomeou ministros altamente preparados, inteligentes e lucidos como Ricardo Salles, Weintraub, Damares e Ernesto Araújo.
15- Aumentou o prestígio internacional do Brasil, que virou piada nos principais jornais do mundo.
16- Montou um eficiente Ministério da Justiça que até agora descobriu: onde está o Queiróz, quem mandou matar Marielle, quem lançou petróleo no mar, o conteúdo dos celulares do miliciano Adriano, a origem dos 7 apartamentos de luxo do filho zero um, quem financiou as fakes news que ajudaram eleger o "Minto",...
17- Popularizou o termo "Golden Shower"

Lucia Kubistchek

CIA emite alerta sobre cloroquina de Trump e Bolsonaro: pode matar


A CIA emitiu um alerta a seus agentes para que não usem a hidroxicloroquina, o remédio propagandeado por Trump e Bolsonaro como solução para a Covid-19. Segundo a agência, o remédio pode causar “morte cardíaca súbita"

15 de abril de 2020, 09:13 h Atualizado em 15 de abril de 2020, 09:51

Jair Bolsonaro e Donald Trump Jair Bolsonaro e Donald Trump (Foto: Reuters | Reprodução)

247 - O Washington Post, em reportagem intitulada “Remédio promovido por Trump é alvo de alerta da CIA”, informou que uma semana após a recomendação de Trump  o serviço de espionagem dos EUA avisou seus agentes que a hidroxicloroquina poderia causar “morte cardíaca súbita”. O remédio é propagandeando tanto por Trump como por Bolsonaro como “solução mágica” para a pandemia de coronavírus.

O registro, feito por Nelson de Sá em sua coluna, anota ainda que na reportagem, o Washington Post identificou os problemas com a droga no Brasil: “um estudo no Brasil sobre a cloroquina, similar à hidroxicloroquina, foi interrompido porque participantes desenvolveram problemas cardíacos”.

O New York Times foi além e dedicou uma reportagem só ao estudo brasileiro, destacando que foi “encerrado após pacientes desenvolverem batimentos cardíacos irregulares”.

Fonte: https://www.brasil247.com/midia/cia-emite-alerta-sobre-cloroquina-de-trump-e-bolsonaro-pode-matar

Câmara exige que Bolsonaro apresente resultados de exames do Covid-19; risco de impeachment


Mesa Diretora da Câmara dos Deputados aceitou o requerimento feito pelo deputado Rogério Correia e enviou à Secretaria-Geral da Presidência determinação expressa para que Bolsonaro apresente em 30 dias o resultado de seus testes de coronavírus. O não cumprimento pode levar à abertura de processo de impeachment

15 de abril de 2020, 12:31 h Atualizado em 15 de abril de 2020, 13:14

Jair Bolsonaro coloca máscara durante entrevista coletiva sobre coronavírus no Palácio do Planalto Jair Bolsonaro coloca máscara durante entrevista coletiva sobre coronavírus no Palácio do Planalto (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

247 - A Câmara dos Deputados deu 30 dias para que a Presidência da República apresente os resultados dos exames feitos por Jair Bolsonaro, para comprovar se ele contraiu ou não coronavírus. A informação é da jornalista Bela Megale. O requerimento foi feito pelo deputado federal Rogério Correia (PT-MG).

A Mesa Diretora da Câmara dos Deputados aceitou o requerimento e enviou a solicitação para a Secretaria-Geral da Presidência.

Se a Presidência não responder o pedido, vai desobedecer o artigo 50 da Constituição, que prevê crime de responsabilidade para autoridades do executivo que não prestarem informações solicitadas pela Câmara ou Senado, o que pode levar à abertura de processo de impeachment.

Em março, Bolsonaro fez dois exames depois de retornar de uma viagem dos Estados Unidos em que mais de 20 integrantes da comitiva presidencial voltaram contaminados com o coronavírus. Ele disse que o teste deu negativo, mas se recusou a apresentar o documento. Agora, a Presidência recusou um pedido de abertura dos resultados com base na Lei da Transparência, alegando que o resultado seria “sigiloso”.  Se não acatar a determinação da Câmara, Bolsonaro poderá ser cassado. 

Fonte: https://www.brasil247.com/poder/camara-exige-que-bolsonaro-apresente-resultados-de-exames-do-covid-19-risco-de-impeachment

Coronavírus: Reino Unido fez promessas à China sobre como se referiria ao COVID-19, afirma a China


O governo britânico está se recusando a confirmar ou negar as denúncias que deu à China garantias sobre o modo como se refere à pandemia de coronavírus e sua causa.

A Embaixada da China em Londres diz que o secretário de Relações Exteriores Dominic Raab prometeu a Pequim que não "politizará" o surto e "concorda plenamente com a China que a fonte do vírus é uma questão científica que requer avaliação profissional e baseada na ciência".

Foreign Secretary Dominic Raab holds the Covid-19 Digital Press Conference with Chief Scientific Adviser, Sir Patrick Vallance and Chief Medical Officer, Professor Chris Whitty in 10 Downing Street

Dominic Raab fez a promessa ao ministro das Relações Exteriores da China

Os chineses acusaram o governo do presidente dos EUA, Donald Trump, de "politizar" o surto do COVID-19, chamando-o de vírus "chinês" ou "Wuhan".

Trump e a Organização Mundial da Saúde acusaram-se de politizar a crise consecutivamente por causa da ingenuidade da OMS em elogiar a resposta da China ao surto.

O Ministério das Relações Exteriores confirmará apenas que Raab conversou com o embaixador chinês e seu ministro das Relações Exteriores, mas não se baseou na natureza dessas negociações.

"O Reino Unido acredita que o coronavírus é um desafio global e é vital que os países se reúnam para enfrentar essa ameaça compartilhada", disseram autoridades em comunicado por escrito.

"Sempre dissemos que informações transparentes e precisas sobre o vírus são essenciais para uma resposta global eficaz".

No entanto, questionado sobre os relatórios que o ex-secretário de Relações Exteriores Lord Hague disse à Sky News que a fonte do vírus parece ser incontestável, dizendo: "Eu não vi uma teoria credível que não a saia da China de alguma forma".

Os relatórios são divulgados à medida que a raiva e a frustração do Ocidente com a China crescem. Os cientistas acreditam que sua fonte mais provável eram os animais selvagens - e que foram transferidos para os seres humanos em um mercado de animais em Wuhan.

Mas o governo chinês está tentando mudar a culpa, de acordo com a inteligência britânica, que acusa Pequim de se envolver em uma campanha de desinformação no estilo russo para turvar a água.

Um funcionário do Ministério das Relações Exteriores da China, por exemplo, sugeriu publicamente que o vírus foi levado a Wuhan pelos militares americanos.

E o Global Times - um porta-voz internacional do governo chinês - twittou sugestões que podem ter começado na Itália.

Se Raab concordou com a China que a "fonte do vírus é uma questão científica que requer avaliação profissional e baseada na ciência", como está sendo reivindicado pelos chineses, ele também pode querer buscar garantias de que essa busca estará aberta. e transparente.

A worker sanitizes the square in front of the Hankou Railway Station, closed after the city of Wuhan was locked downOs chineses suprimiram os relatos do vírus quando ele apareceu pela primeira vez e perseguiram os médicos que denunciavam.

Acredita-se que eles tenham subnotificado maciçamente a escala de seu próprio surto.

E as autoridades chinesas também nos últimos dias impuseram restrições a qualquer pesquisa científica ou acadêmica sobre o vírus.

Os estudos sobre a origem do vírus agora devem ser aprovados por funcionários do governo central.

É provável que o acobertamento e a subnotificação na China tenham levado os países ocidentais a subestimarem muito a ameaça do COVID-19 e não se preparem suficientemente para seus próprios surtos.

Se a China também suprimir suas próprias descobertas sobre as causas do vírus, lições vitais serão desaprendidas, tornando mais provável uma outra pandemia futura.

https://news.sky.com

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Após operação contra garimpeiros, diretor do Ibama é exonerado


Agentes do Ibama apreendem uma carga ilegal de madeira na área indígena de Cachoeira Seca, no Pará


© AP Photo / Vinicius Mendonza / Ibama

Brasil

17:57 14.04.2020(atualizado 20:22 14.04.2020) URL curta

2106

Nos siga no

Nesta terça-feira (14), o governo federal publicou no Diário Oficial da União a exoneração do diretor de Proteção Ambiental do Ibama, Olival Azevedo.

A texto publicado na Seção 2 do DOU é assinado pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. A decisão teria sido de "comum acordo", segundo publicou o portal G1.

Azevedo foi nomeado para o cargo ainda em janeiro de 2019. O ex-subcomandante da Polícia Militar Ambiental de São José do Rio Preto, em São Paulo, era considerado uma indicação do próprio ministro Ricardo Salles.

Segundo afirmou o colunista do UOL, Rubens Valente, a exoneração é consequência de uma operação de combate ao garimpo ilegal em três terras indígenas no interior do Pará.

O objetivo da operação seria reprimir o garimpo, o desmatamento, a caça ilegal de animais silvestres e também impedir que invasores levassem a COVID-19 para dentro das terras indígenas. Com o avanço da pandemia, também aumentaram as invasões de terras indígenas, além de um crescimento de 29,9% nos alertas de desmatamento no mês de março deste ano.

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES), afirmou em sua conta no Twitter que ingressará com uma ação popular contra a exoneração, apontando que o ministro Salles teria agido com desvio de finalidade e violação dos princípios da legalidade, moralidade e eficiência administrativa.


Fabiano Contarato

@ContaratoSenado

Vou ingressar com Ação Popular contra ato do ministro do Meio Ambiente que, hoje, exonerou o diretor de Proteção Ambiental do órgão. O ministro agiu com desvio de finalidade e violação dos princípios da legalidade, moralidade e eficiência administrativa.https://bit.ly/3a7QD9I

Diretor do Ibama é exonerado após operação contra garimpos ilegais

Uma operação de combate ao garimpo ilegal em terras indígenas levou à exoneração do direto...

noticias.uol.com.br

792

15:36 - 14 de abr de 2020

terça-feira, 14 de abril de 2020

Camilo Santana, do Ceará, é o governador melhor avaliado na crise do Coronavírus


Com 73% de "ótimo" e "bom", Camilo Santana (PT-CE) é o governador melhor avaliado na gestão da crise do coronavírus, de acordo a Pesquisa Fórum, realizada pela Offerwise. Na segunda posição aparece Ratinho Jr. (PSD), seguido pelo governador da Bahia, Rui Costa (PT-BA)

14 de abril de 2020, 12:51 h Atualizado em 14 de abril de 2020, 14:06Camilo Santana Camilo Santana (Foto: THIARA MONTEFUSCO/ GOVERNO DO CEAAÁ)

 

247 - Com 73% de "ótimo" e "bom", Camilo Santana (PT-CE) é o governador melhor avaliado na gestão da crise do coronavírus. De acordo a Pesquisa Fórum, realizada pela Offerwise, 13% da população cearense avaliam como "regular" o plano de ação governamental contra a covid-19; 8% acham "ruim", 5% como "péssimo" e 3% não souberam ou se recusaram a responder. Os dados do levantamento foram publicados pelos jornalistas Dri Delorenzo e Renato Rovai, na Revista Forum.

Em segundo lugar está o governador do Paraná, Ratinho Jr. (PSD), 20% de ótimo; 52%, bom; 16%, regular; 3%, ruim, e 5%, péssimo. Ao todo, 5% não souberam ou não quiseram responder.

Na terceira colocação está o governador da Bahia, Rui Costa (PT-BA), com  30% de ótimo e 35% de bom. Segundo a pesquisa, 26% da população baiana avaliam como regular; 4%, ruim; 3%, péssimo; e 3% não sabe ou não quis responder.

Em quarto lugar está Paulo Câmara (PSB), com 23% de ótimo e 30% de bom. Ao todo, 30% veem como regular, 4% como ruim, 11% como péssimo; e 2% não sabe ou não quis responder.

Com 11% de ótimo e 38% de bom, o governador Romeu Zema (Novo) é o quinto melhor avaliado - 22% avaliam como regular, 13% acham ruim, 11%, péssimo, e 6% não sabe ou não quis responder.

Em sexto lugar aparece Wilson Witzel (PSC), do Rio de Janeiro, com 16% de ótimo, 30% de bom; 28% de regular; 12% de ruim; 13% de péssimo; e 1% não sabe ou não quis responder.

Fonte: https://www.brasil247.com/poder/camilo-santana-do-ceara-e-o-governador-melhor-avaliado-na-crise-do-coronavirus

segunda-feira, 13 de abril de 2020

Valmir Assunção é vítima de crime de racismo após defender instalação de UTI’s em Itamaraju


divulgação

O deputado federal Valmir Assunção (PT-BA) foi vítima de crime de racismo, difamação e ofensa à figura pública nesta sexta-feira santa (10), em áudio gravado por uma comerciante bolsonarista do município de Itamaraju, sua terra natal, no extremo sul da Bahia. Na gravação que circula em um grupo de WhatsApp, de autoria de Jack Oliveira, o parlamentar itamarajuense é chamado de “macaco”, “ridículo”, “horroroso”, “vagabundo” e “nariz de chapoca”, termos reconhecidamente utilizados como ofensas racistas.

Em nota assinada pelo líder do PT na Câmara, Enio Verri (PR), a Bancada do PT repudia os ataques racistas e difamatórios e se solidariza com o deputado Valmir Assunção. “Racismo é crime inafiançável no Brasil, tipificado na Lei nº 7716/89, podendo ter como pena até 5 anos de reclusão”, lembrou o líder, na nota.(Veja a íntegra no final da matéria).

O deputado Valmir Assunção é alvo também dos crimes de difamação e ofensa à figura pública em trecho dos áudios no qual Jack afirma que ele “só levou dois motéis para a cidade” usando de “laranjas” e, segundo palavras dela, não levou nenhum outro benefício para o município. “Me aponte alguma coisa que esse macaco trouxe para Itamaraju”, repete a comerciante no áudio, que já circula também em formato de vídeo em correntes de WhatsApp que viralizaram.

As agressões racistas e difamatórias aconteceram após Valmir divulgar vídeo nas suas redes sociais defendendo a proposta do governador Rui Costa (PT) de instalar 20 leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) para tratar pacientes infectados pelo COVID-19 em Itamaraju – o que, de acordo com a afirmação da comerciante nos áudios publicados por ela, seria responsável por “levar o Coronavírus” para a cidade.

A posição contrária aos leitos também é encampada pelo atual prefeito de Itamaraju, Marcelo Angênica (PSDB).

Denuncia

O deputado Valmir Assunção repudiou os crimes dos quais foi vítima e acionou imediatamente a Secretaria da Segurança Pública do Estado da Bahia (SSP-BA) para apurar o caso. O deputado petista disse que a situação é grave e que não recuará diante das atrocidades que foi obrigado a ouvir.

“Não posso me abster de denunciar isso, pois sei que o País ainda possui em sua sociedade pessoas racistas e desinformadas. O fato de eu ser negro é motivo de orgulho. A ignorância das pessoas diante desse processo histórico só dificulta a atuação política em Itamaraju e em outras regiões da Bahia e do Brasil. Vou até o fim para que essa pessoa seja punida devidamente dentro da lei”, afirmou Valmir Assunção.

A defesa do parlamentar baiano usará como base para a denúncia a Lei Nº 7716/89, que define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor e que prevê pena de até cinco anos de reclusão para os crimes de racismo praticados no País. “Eu lamento que isso ainda aconteça em nossa sociedade. Mas não podemos deixar isso passar. Não podemos ser cúmplices de crimes como esse. Ainda mais em um momento tão delicado que vivemos”, afirmou Valmir.

“Ser contrário a tudo que os órgãos de saúde federal, estadual e mundial pregam é uma coisa, mas colocar apoiadores da gestão municipal para cometer racismo extrapola o limite de razoabilidade. Não vamos abaixar a cabeça, vamos defender as vidas, principalmente do povo pobre, nesse momento”, completou o deputado.

Veja a íntegra da nota

Bancada do PT repudia ataques racistas contra deputado

A Bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara dos Deputados repudia os ataques racistas e difamatórios dirigidos ao deputado Valmir Assunção (PT-BA), após defender a instalação de leitos de UTIs na cidade de Itamaraju/BA, para o atendimento de pacientes infectados pelo Covid-19.

Os ataques ocorreram na última sexta-feira santa (10) e foram proferidos por uma comerciante do município.  Nossa Bancada manifesta sua solidariedade ao parlamentar, ao tempo em que reitera que racismo é crime inafiançável no Brasil, tipificado na Lei nº 7716/89, podendo ter como pena até 5 anos de reclusão.

Racistas Não Passarão!

Deputado Enio Verri – líder do PT na Câmara dos Deputados

PT na Câmara, com Assessoria Parlamentar

Fonte: https://ptnacamara.org.br/portal/2020/04/11/valmir-assuncao-e-vitima-de-crime-de-racismo-apos-defender-instalacao-de-utis-em-itamaraju/