quarta-feira, 31 de julho de 2019

Ex-presidente da OAB, alvo de atentado a bomba da extrema direita em 1980, assina ação contra Bolsonaro


O ex-presidente da OAB Eduardo Seabra, quando a sede do conselho federal foi alvo de um atentado a bomba promovido por grupos ligados à extrema direita, em 1980, assinou a ação que todos os ex-presidentes vivos da entidade apresentam ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra Jair Bolsonaro; ação pede que Bolsonaro conte o que sabe sobre a morte de Fernando Santa Cruz, pai do atual presidente da Ordem, Felipe Santa Cruz

31 de julho de 2019, 16:07 h Atualizado em 31 de julho de 2019, 16:52


247 - O ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Eduardo Seabra, quando a sede do conselho federal foi alvo de um atentado a bomba promovido por grupos ligados à extrema direita, em 1980, assinou a ação que todos os ex-presidentes vivos da entidade apresentam nesta quarta-feira (31) ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra Jair Bolsonaro.

Na ação, os ex-presidentes da OAB pedem que Bolsonaro conte o que sabe sobre a morte de Fernando Santa Cruz, pai do atual presidente da Ordem, Felipe Santa Cruz. Nesta semana, Bolsonaro disse saber como ele foi assassinado e praticamente defendeu sua execução. Fernando Santa Cruz desapareceu após ter sido preso por agentes da ditadura militar, em 1974. (Leia no Brasil 247)

De acordo com o blog do jornalista Guilherme Amado, Seabra não assinaria o documento pelo fato de estar doente, mas o advogado Cezar Britto, que também já presidiu a instituição. Em 1980, Seabra era o alvo do atentado a bomba que resultou na morte da secretária Lyda da Silva, sua secretária.

Autoria do ataque foi atribuída a militares que estavam ligado ao atentado frustrado no Rio.

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/ex-presidente-da-oab-alvo-de-atentado-a-bomba-da-extrema-direita-em-1980-assina-acao-contra-bolsonaro

TRF-4 acata pedido de Lula e manda PF dar explicações sobre restrições de visitas


Recurso apresentado pela defesa do ex-presidente Lula foi acatado pelo TRF-4 e o Ministério Público Federal e a Polícia Federal tem prazo de 48 horas para apresentar explicações sobre as restrições impostas a visita de advogados

31 de julho de 2019, 18:42 h Atualizado em 31 de julho de 2019, 20:22


Conjur - A Justiça federal acolheu em parte pedido do ex-presidente Lula, diante das novas regras de visita para seus advogados. Nivaldo Brunoni, juiz convocado do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, determinou que o Ministério Público Federal preste as informações pedidas em até 48h.

Até pouco tempo, Lula podia diariamente se reunir com seus advogados  das 9h às 11h30, pela manhã, e entre 14h e 17h30, à tarde, de segundas às sextas-feiras. Mas uma regra interna da Polícia Federal diminuiu o contato para uma hora diária.

A defesa de Lula, feita pelos advogados Cristiano Zanin e Valeska Teixeira, do escritório Teixeira e Martins, solicitou que o antigo esquema fosse restabelecido. Porém, o processo está parado, já que o Ministério Público Federal solicitou uma lista com todos os visitantes de Lula para poder fazer um parecer.

Os advogados entraram com um HC no TRF-4 e o juiz convocado então determinou que a Polícia Federal dê em 48 horas a lista para o MPF.

"Defiro o pedido liminar para determinar que o juízo de primeiro grau dê impulso ao processo no prazo de 48 horas, de modo a instar a autoridade policial a fornecer as informações requeridas pelo Ministério Público Federal para, posteriormente, decidir como entender conveniente", disse o juiz na decisão.

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/trf-4-acata-pedido-de-lula-e-manda-pf-dar-explicacoes-sobre-restricoes-de-visitas

terça-feira, 30 de julho de 2019

Setores da direita e dos militares rechaçam ataque de Bolsonaro a presidente da OAB


O comportamento agressivo de Jair Bolsonaro, que nesta segunda-feira (29) ultrapassou o limite da crueldade ao atacar o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, fazendo comentários desairosos sobre o assassinato de seu pai pela ditadura militar, desagradou também a políticos de direita e a militares

30 de julho de 2019, 07:40 h


(Foto: PR | ABr)

247 - "Pelo futuro do País, o presidente precisa deixar o passado no passado”, disse Janaína Paschoal (PSL-SP), segundo informa a Coluna do Estadão

De acordo com o jornal, militares também lamentaram reservadamente a declaração por ela ter trazido à tona o atestado de óbito de Fernando Santa Cruz, expedido pela Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. O atestado comprova que Santa Cruz foi assassinado. O documento afirma que ele morreu “de causa não natural, violenta, causada pelo Estado”. 

“Esse tema suscita muitas memórias, abre feridas. Melhor seria que ele deixasse de se manifestar a esse respeito e tomasse mais cuidado com as falas em geral", disse a deputada Janaína Paschoal. 

A Coluna ouviu reservadamente outros apoiadores de Bolsonaro, que consideraram a agressão desleal.

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/setores-da-direita-e-dos-militares-rechacam-ataque-de-bolsonaro-a-presidente-da-oab

Decepcionados, congressistas discutem extinguir MPs e decretos de Bolsonaro


Líderes e dirigentes de partidos pregam uma reação do Parlamento a declarações de Jair Bolsonaro, que agediu o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz; parlamentares defendem que o Congresso avalie extinguir a figura das medidas provisórias e derrubar todo decreto em que o chefe do Planalto exorbitar de suas funções, independentemente do conteúdo

30 de julho de 2019, 08:21 h


Brazil's President Jair Bolsonaro attends a ceremony for the presentation of the 2nd phase of the advertising campaign of the pension reform bill at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil May 20, 2019. REUTERS/Adriano Machado Brazil's President Jair Bolsonaro attends a ceremony for the presentation of the 2nd phase of the advertising campaign of the pension reform bill at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil May 20, 2019. REUTERS/Adriano Machado (Foto: ADRIANO MACHADO - REUTERS)

247 - Líderes e dirigentes de partidos pregam uma reação do Parlamento a declarações do presidente Jair Bolsonaro, que agediu o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz. Segundo a coluna Painel, parlamentares defendem que o Congresso Nacional avalie extinguir a figura das medidas provisórias e derrubar todo decreto em que o chefe do Planalto exorbitar de suas funções, independentemente do conteúdo.

Jair Bolsonaro afirmou saber como Fernando Santa Cruz, pai do atual dirigente da OAB, foi assassinado e praticamente defendeu sua execução, fazendo apologia de um crime cometido pelo estado brasileiro (veja aqui).

De acordo com o deputado Marcelo Ramos (PL-AM), o excesso de medidas provisórias e decretos um método é uma maneira de Bolsonaro burlar o Parlamento.

“Defendo que a gente reaja a todo e qualquer decreto que extrapole a prerrogativa do presidente”, afirma. “O problema não é só de conteúdo, a prática de passar por cima do Congresso é que é grave”, conclui.

ONU condena governo brasileiro pelo assassinato de líder indígena


Em um comunicado, a alta comissária para Direitos Humanos da ONU, a ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet, disse que a morte do líder indígena Emyra Waiãpi é um "sintoma perturbador do crescente problema de invasão de terras indígenas - especialmente florestas - por garimpeiros, madeireiros e fazendeiros no Brasil"

29 de julho de 2019, 18:50 h Atualizado em 29 de julho de 2019, 19:2

247 - A Organização das Nações Unidas (ONU) condenou a morte de um índio na Aldeia Mariry, no Amapá. A alta comissária para Direitos Humanos, Michelle Bachelet, pediu ao governo de brasileiro de Jair Bolsonaro que reconsidere sua proposta de abrir mais áreas da Amazônia para mineração.

Em um comunicado, Bachelet disse que a morte do indígena é um "sintoma perturbador do crescente problema de invasão de terras indígenas - especialmente florestas - por garimpeiros, madeireiros e fazendeiros no Brasil".

"Exorto o governo do Brasil a agir de forma decisiva para deter a invasão dos territórios indígenas e garantir o exercício pacífico de seus direitos coletivos sobre suas terras."

Emyra Waiãpi, de 62 anos, foi morto no dia 23 de julho. Ele é um dos líderes do povo Waiãpi, cujos indígenas denunciaram a invasão por garimpeiros. A Fundação Nacional do Índio (Funai) e o Ministério Público Federal (MPF) estão investigando as circunstâncias da morte.

Bolsonaro, por sua vez, se adiantou às investigações e afirmou nesta segunda que não há "nenhum indício forte" de que o indígena tenha sido assassinado.

O presidente já afirmou que tem a "intenção" de regulamentar o garimpo, incluindo a liberação da atividade em terras indígenas.

"É intenção minha regulamentar o garimpo, legalizar o garimpo, é intenção minha, inclusive para índio. Tem que ter o direito de explorar o garimpo na tua propriedade. A terra indígena é como se fosse propriedade dele", disse o presidente. "É intenção minha regulamentar o garimpo, legalizar o garimpo, é intenção minha, inclusive para índio. Tem que ter o direito de explorar o garimpo na tua propriedade. A terra indígena é como se fosse propriedade dele", disse o presidente.

Fonte: https://www.brasil247.com/mundo/onu-condena-governo-brasileiro-pelo-assassinato-de-lider-indigena

Moro mentiu ao dizer que celular de Bolsonaro foi hackeado


A informação de que o celular do presidente Jair Bolsonaro foi hackeado não convenceu nem mesmo parte do núcleo do governo, diz a jornalista Mônica Bergamo

30 de julho de 2019, 06:03 h


(Foto: Lula Marques)

247 - A colunista da Folha afirma que assessores do presidente ainda duvidam que isso tenha ocorrido, apesar da nota divulgada pelo Ministério da Justiça, comandado por Sergio Moro.

Ou seja, o ministro espalha uma notícia falsa para embaralhar ainda mais os fatos em torno da invasão de números telefônicos de autoridades. 

A descrença na invasão do celular de Bolsonaro vem do fato de que pessoas do seu núcleo mais próximo nunca sofreram interferência nem o presidente se queixou de qualquer anormalidade, diz a coluna

O próprio "hacker" Walter Delgatti Neto, preso há uma semana, declarou à Polícia Federal que invadiu os celulares de diversas autoridades, mas nenhuma do atual governo federal.

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/moro-mentiu-ao-dizer-que-celular-de-bolsonaro-foi-hackeado

EUA em recessão


Se o Federal Reserve cortar as taxas de juros agora, será uma admissão de que uma recessão está chegando

    Michael Snyder
    Economic Collapse

    30 de julho de 2019

    Portanto, há muita agitação que o Federal Reserve está prestes a cortar as taxas de juros - e isso pode realmente acontecer.

    Veremos. Mas se isso acontecer, isso contradirá diretamente a narrativa cuidadosamente elaborada sobre a economia que o Federal Reserve tem perpetuado todo esse tempo. O presidente do Fed, Jerome Powell, insistiu repetidamente que a economia dos EUA está em grande forma, mesmo quando há uma enorme quantidade de evidências indicando o contrário. E, claro, o presidente Trump tem nos dito repetidamente que esta é "a maior economia da história do nosso país", mas agora ele está pedindo que o Federal Reserve reduza as taxas de juros também. Algo parece não somar aqui. Se a economia dos EUA realmente estava "crescendo", não há como o Fed cortar as taxas de juros. No momento, as taxas de juros já estão baixas pelos padrões históricos e, teoricamente, é durante os períodos de “boom” que as taxas de juros devem ser normalizadas. Mas se a economia dos EUA está realmente desacelerando e entrando em recessão, então um corte na taxa faria todo o sentido. E se essa é a realidade do que estamos enfrentando, então os otimistas econômicos foram provados completamente errados, e pessoas como eu que têm alertado sobre uma desaceleração econômica estão provadas corretamente.

    Se os responsáveis ​​pela televisão estiverem corretos, provavelmente veremos um corte na taxa. De fato, aparentemente há algumas pessoas que estão empurrando “para um corte de 50 pontos base”…

    A maioria dos observadores do Fed acredita que o banco central reduzirá sua taxa de juros, agora oscilando entre 2,25% e 2,5%, em um quarto de ponto, também conhecido como 25 pontos base. Um pequeno grupo - incluindo o último candidato do presidente Donald Trump para o governador do Fed - está batendo na mesa para um corte de 50 pontos base, o que levaria a taxa abaixo de 2%. Um corte de taxa de qualquer tamanho seria o primeiro desde a crise financeira de 2008.

    Um corte de 50 pontos base é algo que normalmente só seria feito durante uma emergência econômica.

    Já chegamos a tal ponto?

    Esse não parece ser o caso. Os preços das ações ainda estão em níveis recordes, e pelo menos de acordo com os números altamente manipulados do governo, o PIB dos EUA ainda está crescendo ...

    O produto interno bruto do país - o valor de todos os bens e serviços produzidos nos EUA - aumentou a uma taxa anual ajustada sazonalmente de 2,1% no período de abril a junho, após um ganho de 3,1% no primeiro trimestre, disse o Departamento de Comércio. . Os economistas esperavam um aumento de 1,8% na produção.

    O relatório surge em meio a preocupações crescentes de que a desaceleração da economia global e a guerra comercial do presidente Trump com a China possam levar a uma recessão no próximo ano.

    Sim, existem muitos outros indicadores que estão claramente nos dizendo que uma desaceleração econômica já começou, e eu não vou repetir tudo o que tenho dito nos últimos 6 meses neste artigo.

    Mas mesmo que as coisas estejam definitivamente indo na direção errada, eu definitivamente não chamaria o que atualmente estamos experimentando uma “emergência econômica” ainda.

    Afinal, as coisas não podem ser tão ruins se um garoto de 16 anos acabou de ganhar 3 milhões de dólares jogando videogame ...

    Um adolescente da Pensilvânia ganhou US $ 3 milhões e levou para casa o maior prêmio da Copa do Mundo de 2019 da Fortnite no domingo. Kyle "Bugha" Giersdorf marcou 26 pontos a mais do que o vice-campeão "salmo" para ganhar o torneio de eSports realizado no Arthur Ashe Stadium, no Queens.

    “Palavras nem podem explicar isso. Estou muito feliz ”, disse o jovem de 16 anos em uma entrevista postada aos organizadores do Twitterby. "Tudo o que fiz, a rotina, tudo valeu a pena. É simplesmente insano.

    Bom para aquele garoto. Eu gostaria que eu fosse talentoso o suficiente para ser um campeão mundial em alguma coisa.

    Infelizmente, quando as coisas ficam realmente ruins neste país, o dinheiro vai começar a ficar muito apertado, e simplesmente ainda não chegamos lá.

    Então, seria possível que houvesse outra razão para o repentino empurrão para que o Fed reduzisse as taxas?

    Bem, Steve Liesman da CNBC parece pensar que poderia haver uma motivação política ...

    "Pense sobre o que acontece quando uma pessoa se levanta em um comício e começa a criticar o Federal Reserve, e começa a criar o que poderia levar à pressão do Congresso sobre o Fed, então você poderia imaginar que poderia ser um sistema diferente."

    "Acho que eles acham que há muito risco de desvantagem política para se entender errado."

    Se o Federal Reserve não reduzir as taxas e a economia dos EUA realmente começar a sair dos trilhos, será a meta econômica número um do presidente Trump durante a campanha de 2020.

    E já chegou ao ponto em que Trump está atacando regularmente nas redes sociais. Por exemplo, ele postou o seguinte há pouco tempo atrás ...

    O Fed “levantou” muito cedo e demais. Seu aperto quantitativo foi outro grande erro. Enquanto nosso país está indo muito bem, a potencial geração de riqueza que foi perdida, especialmente quando comparada à nossa dívida, é impressionante.

    Se uma onda de sentimento anti-Fed ajudar a obter a reeleição de Trump, isso poderia ser um cenário de pesadelo para as pessoas do Federal Reserve. Com um segundo mandato completo e uma maioria republicana no Congresso, o presidente Trump poderia decidir reformar drasticamente ou se livrar completamente do sistema do Federal Reserve. É claro que aqueles que acompanham meu trabalho regularmente sabem que eu ficaria feliz com isso, porque venho defendendo a eliminação do sistema da Reserva Federal por muitos anos.

    O tipo de cenário político que acabei de esboçar provavelmente não acontecerá, mas mesmo que haja uma pequena chance de que isso aconteça, as pessoas que administram o Federal Reserve precisam dar conta dessa possibilidade.

    Portanto, reduzir as taxas seria uma maneira de "agir com segurança" ao apaziguar o presidente Trump e seus partidários. Se o presidente Trump sentir que o Fed está em sua equipe, provavelmente não estará inclinado a fazer uma grande jogada contra eles.

    De qualquer forma, um corte de pequena taxa definitivamente não fará muito para alterar nossa trajetória econômica geral.

    Porque a verdade é que uma desaceleração econômica já começou, e muitos especialistas estão prevendo que ela vai acelerar bastante durante o segundo semestre deste ano.

    Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

    Endividamento sem fim dos EUA


    Tesouro dos EUA espera agora emprestar mais de US $ 800 bilhões em dívidas em dois trimestres

      Zero Hedge

      30 de julho de 2019

      Uma das razões pelas quais Trump e o Congresso foram tão rápidos em aprovar um acordo de teto da dívida na semana passada é que se eles falhssem em fazer isso, com o saldo de caixa do Tesouro caindo precariamente e esperado para atingir US $ 0 no início de setembro, houve um chance trivial que os EUA poderiam tecnicamente deixar de cumprir na época em que o Congresso voltasse de suas férias de agosto.

      É claro que isso não aconteceu, um acordo de extensão do teto da dívida foi alcançado e, como resultado, o Tesouro está agora livre para começar a recarregar seu saldo em dinheiro, e planeja fazer exatamente isso. Na segunda-feira, o Departamento do Tesouro anunciou suas últimas estimativas trimestrais de necessidades de financiamento líquidas negociáveis ​​para os trimestres atual (julho-setembro de 2019) e próximo (outubro-dezembro de 2019). O que revelou foi o seguinte:

      Depois de tomar emprestado apenas US $ 40 bilhões no período passado, que deixou o Tesouro com um saldo de caixa de US $ 264 bilhões no trimestre atual, o Tesouro agora espera que a emissão do Tesouro exploda mais e empresta US $ 433 bilhões em empréstimos. dívida líquida comercializável, um enorme aumento de US $ 274 bilhões - ou mais que o dobro - de sua previsão anterior anunciada em abril de 2019.

      A razão para esta enxurrada de emissão de dívida? Reconstruir o saldo de caixa de volta a um nível de US $ 350 bilhões, que é onde o Tesouro espera que seu saldo de caixa no final de setembro seja de US $ 85 bilhões, a partir da previsão de 29 de abril.

      Olhando para o futuro, durante o trimestre de outubro-dezembro de 2019, o Tesouro divulgou pela primeira vez que espera emprestar US $ 381 bilhões em novas dívidas, assumindo um saldo de caixa de US $ 410 bilhões no final de dezembro, com US $ 310 bilhões da nova emissão. cobrir as necessidades de financiamento.

      Quanto ao trimestre passado, em abril de 2019, o Tesouro estimou empréstimos de US $ 30 bilhões e assumiu um saldo de caixa de US $ 270 bilhões no final de junho. A mudança nos empréstimos resultou de menores fluxos de caixa líquidos parcialmente compensados ​​pelo menor saldo de caixa no final do trimestre devido ao fato de o Tesouro atingir o teto da dívida.

      Em outras palavras, o Tesouro vai vender US $ 814 bilhões em dívidas no trimestre atual e futuro ... e só vai piorar a partir daí.

      Como a Bloomberg informa, o Tesouro deverá manter sua nota trimestral e as vendas de títulos em níveis recordes pela terceira vez consecutiva, já que o mais recente acordo orçamentário de Washington mostra que a farra da dívida dos EUA continuará. Embora o presidente Trump tenha dito uma vez que eliminaria a dívida nacional, ele agora está pronto para aprovar um orçamento que ajudará a gerar déficits anuais de trilhões de dólares. Como resultado, a Bloomberg observa que as empresas de valores mobiliários de Wall Street preveem que um aumento na emissão de títulos do Tesouro pode ocorrer em um ano.

      Revendedores de títulos vêem o status quo prevalecente no anúncio de reembolso trimestral de quarta-feira. As projeções estão se aglutinando em torno da visão de que o Tesouro manterá os tamanhos de leilão de 3, 10 e 30 anos da dívida inalterados em um total recorde de US $ 84 bilhões, em vendas programadas de 6 a 8 de agosto. Para colocar em perspectiva, o valor foi de US $ 62 bilhões na época da eleição de 2016 nos EUA.

      A emissão de cupons deve levantar US $ 296 bilhões em dinheiro novo de investidores privados para o período de agosto a outubro. Esse montante, somado à emissão de US $ 194 bilhões em notas, ajudará a financiar US $ 272 bilhões em necessidades de financiamento, além de US $ 200 bilhões em aumento do saldo de caixa.

      O acordo bipartidário para suspender o limite da dívida por dois anos também abre caminho para um aumento de US $ 324 bilhões nos gastos do governo no período acima dos limites orçamentários existentes. Isso está estimulando a maioria dos revendedores a aumentar as vendas da dívida no ano fiscal de 2021, que começa em outubro de 2020. Além disso, com uma suspensão do limite da dívida em julho, as contas devem aumentar em US $ 130 bilhões em agosto, embora, como observa DB, o risco seja de que poderia correr mais alto. A decisão do Tesouro de reconstruir gradualmente seu saldo de caixa ajudará a limitar parte da pressão nos mercados de financiamento. Taxas de recompra mais altas tornariam a emissão de cupons front-end mais cara. Por exemplo, o Treasury-OIS de 2 anos aumentou cerca de 8 pb em julho, uma vez que os investidores começaram a esperar que a oferta da lei de agosto aumentasse a pressão sobre as taxas de financiamento. Em seu comunicado de reembolso, o Tesouro pode sinalizar que passaria temporariamente um saldo de caixa mais baixo nas próximas semanas, o que ajudaria a aliviar a ansiedade do mercado de financiamento, embora à luz da previsão do Tesouro, que parece um tanto contraditória. De fato, com a decisão do Tesouro de reconstruir rapidamente seu saldo de caixa de volta ao nível que considera mais prudente (digamos, US $ 350 bilhões), o aumento das faturas nas próximas 4 a 6 semanas excede significativamente a maioria das previsões de Wall Street.

      A Câmara aprovou a proposta de ampliação do teto da dívida e do orçamento em 25 de julho e o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, disse que espera que sua câmara a liberte esta semana para a assinatura de Trump.

      "O déficit está aumentando e o ímpeto para maiores gastos é muito forte", disse Stephen Stanley, economista-chefe da Amherst Pierpont Securities. "No segundo semestre do próximo ano, o Tesouro terá que aumentar o tamanho dos cupons novamente."

      Esta é uma boa notícia para os gastadores de Washington ... e uma catástrofe para qualquer falcão de déficits. Com o presidente empurrando para além da ortodoxia republicana sobre a contenção fiscal e a questão não proeminente entre os democratas que fazem campanha para assumir seu emprego, Washington não está mostrando sinais de desacelerar os gastos.

      O que significa que quando se trata de conservadorismo fiscal, Trump é apenas um republicano no nome, como o déficit fiscal continuou a subir sob Trump como cortes de impostos, aumentos de gastos bipartidários e direitos pesam sobre as perspectivas orçamentais. Enquanto isso, os candidatos socialistas para a eleição presidencial de 2020 estão tentando atrair eleitores com propostas que só aumentariam a lacuna como o MMT.

      Maya MacGuineas, presidente do comitê não-partidário de fiscalização do orçamento para um Orçamento Federal Responsável, chamou o último acordo orçamentário de “total abdicação da responsabilidade fiscal pelo Congresso e pelo Presidente”.

      O que está claro - como a Bloomberg conclui - é o pano de fundo que o mercado de títulos do Tesouro de US $ 15,9 trilhões deve se desenvolver nos próximos dois anos.

      "Até 2021, o Tesouro começará a ter um problema, dado o crescimento do déficit, e precisará aumentar o tamanho dos cupons", disse Margaret Kerins, chefe global de estratégia de renda fixa da BMO Capital Markets. Então, novamente, se a atual administração ainda está no comando, o mundo provavelmente terá uma questão muito mais premente do que a eventual insolvência dos EUA para se preocupar…

      Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

      segunda-feira, 29 de julho de 2019

      Anistia Internacional condena crime que pode levar Bolsonaro ao impeachment


      Declaração criminosa de Jair Bolsonaro sobre Fernando Santa Cruz, assassinado na ditadura militar, foi rebatida pela Anistia Internacional; a diretora executiva da Anistia Internacional, Jurema Werneck, repudiou o tom de torturador do ex-capitão; ela disse: "o Brasil deve assumir sua responsabilidade, e adotar todas as medidas necessárias para que casos como esses sejam levados à justiça"

      29 de julho de 2019, 21:40 h


      (Foto: ADRIANO MACHADO - REUTERS)

      247 - Declaração criminosa de Jair Bolsonaro sobre Fernando Santa Cruz, assassinado na ditadura militar, foi rebatida pela Anistia Internacional. A diretora executiva da Anistia Internacional, Jurema Werneck, repudiou o tom de torturador do ex-capitão. Ela disse: "o Brasil deve assumir sua responsabilidade, e adotar todas as medidas necessárias para que casos como esses sejam levados à justiça".

      A nota ainda agrega: "o direito à memória, justiça, verdade e reparação das vitimas, sobreviventes e suas famílias deve ser defendido e promovido pelo Estado Brasileiro e seus representantes."

      Para Jurema, "é terrível que o filho de um desaparecido pela ditadura tenha que ouvir do presidente do Brasil, que deveria ser o defensor máximo do respeito e da justiça no país, declarações tão duras."

      A reportagem do portal Uol ainda destaca que "a diretora da Anistia reiterou o posicionamento da organização que luta pela elucidação de casos que envolvem violações aos direitos humanos."

      Ela disse: "defendemos a revogação da Lei de Anistia de 1979, eliminando os dispositivos que impedem a investigação e a sanção de graves violações de direitos humanos, a investigação e responsabilização dos crimes contra a humanidade cometidos por agentes do Estado durante o regime militar."

      Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/anistia-internacional-condena-crime-que-pode-levar-bolsonaro-ao-impeachment

      Umas e outras desse governo

      por Jacinto Pereira

      Albert Einstein falou que a humanidade deixaria de existir três anos após a extinção das abelhas. O governo Bolsonaro está contribuindo para a extinção das abelhas ao liberar a maior quantidade de licença de novos agrotóxicos, produtos que não são liberados nem nos EUA e na Europa. Os gaúchos já estão tendo problemas com a produção agrícola em função da morte destes polinizadores. Em análises laboratoriais no Rio Grande do Sul, encontraram vários desses produtos em abelhas mortas, em mel, filhos e casulos.


            Dois navios iranianos, que levariam milho brasileiro, foram impedido de serem abastecidos para voltarem ao seu país pelo governo Bolsonaro, desrespeitando leis e outras normas, apenas para agradar aos americanos. O Irã compra mais de um quarto da produção brasileira de milho. Esse fato vai com certeza ter repercussão tipo: Irã procurar novos fornecedores e deixando os produtores brasileiros em dificuldades para arranjar novos compradores mundo a fora. Para piorar, foi decisão do governo defendido e apoiado pelos ruralistas, que para agradar aos EUA, que é o maior concorrente das exportações de produtos agrícolas brasileiro, está em risco as exportações de quase dez bilhões para aquele país, onde a balança comercial com os iranianos, é favorável ao Brasil em mais de dois bilhões de reais.
      Para a destruição da economia brasileira não precisamos de uma guerra, basta ter um mito como presidente.

      Bolsonaro pode escolher PGR apoiado por Flávio, enrolado no caso Queiroz


      O subprocurador-geral da República Augusto Aras se tornou o candidato favorito de Jair Bolsonaro para o posto procurador-geral. Ele conta com o apoio do senador Flávio Bolsonaro, implicado no caso Queiroz e do seu irmão Eduardo, além de ministros de peso, como o da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, e o de Minas e Energia, Bento Albuquerque

      29 de julho de 2019, 06:51 h Atualizado em 29 de julho de 2019, 07:23Procuradoria Geral da República Procuradoria Geral da República (Foto: Agência Brasil)

      247 - O subprocurador-geral da República Augusto Aras se tornou o candidato favorito de Jair Bolsonaro para o posto procurador-geral. Ele conta com o apoio do senador Flávio Bolsonaro, implicado no caso Queiroz e do seu irmão Eduardo, além de ministros de peso, como o da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, e o de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

      Na terça-feira (23), Bolsonaro recebeu Aras em sua residência oficial, o Palácio da Alvorada.  

      Aras, de 60 anos, baiano de Salvador, disputa com a atual titular do cargo, Raquel Dodge, a indicação do presidente. 

      Ele é apoiado também pelo fundador da chamada "bancada da bala", o ex-deputado federal Alberto Fraga (DEM-DF) e pelo prefeito de Salvador e presidente nacional do DEM, ACM Neto.

      Dodge, cujo mandato termina em 17 de setembro, é apoiada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). 

      As informações são do jornal Valor


      Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/bolsonaro-pode-escolher-pgr-apoiado-por-flavio-enrolado-no-caso-queiroz

      Bolsonaro agride presidente da OAB e diz saber como seu pai foi assassinado na ditadura


      Jair Bolsonaro fez um ataque inimaginável ao presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, que teve seu pai assassinado pela ditadura militar. Bolsonaro disse saber como ele foi assassinado e praticamente defendeu sua execução, fazendo apologia de um crime cometido pelo estado brasileiro; com sua declaração, ele sinalizou, mais uma vez, que está disposto a implantar uma ditadura fascista no Brasil

      29 de julho de 2019, 11:50 h Atualizado em 29 de julho de 2019, 12:0 (Foto: PR | ABr | Divulgação)

      247 - O presidente Jair Bolsonaro atacou o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, pela atuação na investigação do caso de Adélio Bispo, autor do ferimento a faca que sofreu no período eleitoral, e disse que, “se a OAB quiser”, pode explicar como “o pai dele desapareceu no período militar”.

      "Por que a OAB impediu que a Polícia Federal entrasse no telefone de um dos caríssimos advogados? Qual a intenção da OAB? Quem é essa OAB? Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, conto pra ele. Ele não vai querer ouvir a verdade. Conto pra ele. Não é minha versão. É que a minha vivência me fez chegar nas conclusões naquele momento. O pai dele integrou a Ação Popular, o grupo mais sanguinário e violento da guerrilha lá de Pernambuco e veio desaparecer no Rio de Janeiro", afirmou Bolsonaro.

      O presidente da OAB é filho de Felipe é filho de Fernando Augusto Santa Cruz de Oliveira, desaparecido após ter sido preso no Rio de Janeiro por agentes da ditadura, em fevereiro de 1974. Segundo documentos da Comissão da Verdade, que investiga os crimes da ditadura, não há registros de que Fernando tenha participado de luta armada contra o regime, ao contrário do afirmado por Bolsonaro.

      Sobre o caso de Adélio, Bolsonaro disse que “ele se deu mal. Eu não recorri porque se recorresse ele seria julgado não por homicídio, mas tentativa de homicídio, em um ano e meio ou dois estaria na rua. Como não recorri, agora é maluco o resto da vida. Vai ficar num manicômio judicial, é uma prisão perpétua. Já fiquei sabendo que está aloprando por lá. Abre a boca, pô", disse.

      Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/bolsonaro-ataca-presidente-da-oab-e-diz-saber-como-seu-pai-foi-assassinado-na-ditadura

      Líder do PT, Paulo Pimenta assume a bandeira do impeachment de Bolsonaro



      "Não podemos mais tapar o sol com a peneira. Bolsonaro tem que ser impedido. Ele é um criminoso que idolatra genocidas, torturadores e ditadores. Ele e seu clã miliciano conduzem o país para um estado policial autoritário que corrói a democracia e as instituições da república", postou o deputado Paulo Pimenta (PT-RS), líder do partido na Câmara

      29 de julho de 2019, 13:17 h Atualizado em 29 de julho de 2019, 13:1 (Foto: Lula Marques/PT)

      247 – O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) assumiu a bandeira do 'Fora, Bolsonaro' e defendeu o impeachment do presidente Jair Bolsonaro depois que ele exaltou, nesta manhã, a morte de Fernando Santa Cruz, militante político assassinado durante a ditadura militar e pai do atual presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz. "Não podemos mais tapar o sol com a peneira. Bolsonaro tem que ser impedido. Ele é um criminoso que idolatra genocidas, torturadores e ditadores. Ele e seu clã miliciano conduzem o país para um estado policial autoritário que corrói a democracia e as instituições da república", disse Pimenta.

      "Por que a OAB impediu que a Polícia Federal entrasse no telefone de um dos caríssimos advogados? Qual a intenção da OAB? Quem é essa OAB? Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, conto pra ele. Ele não vai querer ouvir a verdade. Conto pra ele. Não é minha versão. É que a minha vivência me fez chegar nas conclusões naquele momento. O pai dele integrou a Ação Popular, o grupo mais sanguinário e violento da guerrilha lá de Pernambuco e veio desaparecer no Rio de Janeiro", afirmou Bolsonaro, em mais um de seus recorrentes crimes de responsabilidade.

      Paulo Pimenta

      @DeputadoFederal

      Não podemos mais tapar o sol com a peneira. Bolsonaro tem que ser impedido. Ele é um criminoso que idolatra genocidas, torturadores e ditadores. Ele e seu clã miliciano conduzem o país para um estado policial autoritário que corroe a democracia e as instituições da república.

      Fonte: https://www.brasil247.com/poder/lider-do-pt-paulo-pimenta-pt-rs-assume-a-bandeira-do-impeahcment-de-bolsonaro

      sexta-feira, 26 de julho de 2019

      Moro 'banca o chefe de quadrilha', diz OAB à jornal


      O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, participa de audiência pública na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

      © Foto : Marcelo Camargo/Agência Brasil

      Brasil

      11:20 26.07.2019(atualizado 14:49 26.07.2019) URL curta

      18304

      Para o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, atua como "chefe de quadrilha" e utiliza o cargo para fins pessoais.

      "[Moro] usa o cargo, aniquila a independência da Polícia Federal e ainda banca o chefe de quadrilha ao dizer que sabe das conversas de autoridades que não são investigadas", disse Cruz à Folha de S. Paulo.

      A OAB defendeu o afastamento de Moro do cargo de ministro quando o The Intercept Brasil começou a divulgar mensagens do ex-juiz e de membros da Lava Jato.

      "Muitos disseram que a OAB foi açodada quando sugeriu o afastamento do ministro, exata e exclusivamente para a preservação das investigações", afirma Cruz.

      A fala do presidente da OAB ocorre após Moro telefonar para pessoas que teriam sido vítimas das ações de hackers presos pela Polícia Federal.

      O ministro ligou para o presidente Jair Bolsonaro (PSL), o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Moro teria afirmado que as conversas obtidas pelos invasores seriam destruídas.

      A destruição das conversas, contudo, é questionada.

      Marco Aurélio Mello, do STF, disse à Folha de S. Paulo que apenas o Judiciário pode determinar o destino das mensagens e que provas não podem ser destruídas.

      Fonte: https://br.sputniknews.com/brasil/2019072614280246-moro-banca-o-chefe-de-quadrilha-diz-oab-a-jornal/

      Como agiram os suspeitos de invadir o celular de Moro, segundo investigação

      BBC News 

      © Foto: Sergio Lima/Getty

      A investigação da Polícia Federal (PF) que levou à prisão de quatro suspeitos de terem invadido celulares de autoridades, entre elas o ministro da Justiça, Sergio Moro, indica que o hackeamento ocorreu na conta do aplicativo de mensagens do Telegram, por meio da interceptação do envio de um código pelo aplicativo para sincronizá-lo fora do aparelho celular, em computadores.

      Disponível para iOS e Android: Templates - App Microsoft Notícias (for spotlight promo)

      App Microsoft Notícias

      Baixe Agora

      Publicidade para Android e iOS

      O resultado da apuração da PF está na decisão que autorizou as prisões preventivas ontem, do juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, que foi tornada pública nesta quarta-feira (24). Estão detidos em Brasília Walter Delgatti Neto, Danilo Cristiano Marques, Gustavo Henrique Elias Santos, e sua namorada, Suelen Priscila de Oliveira.

      "Com efeito, há fortes indícios de que os investigados integram organização criminosa para a prática de crimes e se uniram para violar o sigilo telefônico de diversas autoridades públicas brasileiras via invasão do aplicativo Telegram", diz a decisão.

      No entanto, não está claro ainda se os quatro presos têm relação com as conversas divulgadas pelo site The Intercept Brasil.

      Moro disse que seu aparelho foi hackeado no dia 4 de junho, quando o invasor teria operado seu aplicativo de mensagens por seis horas.

      Cinco dias depois, o Intercept Brasil iniciou a publicação de uma série de reportagens que mostram conversas privadas envolvendo Moro, quando ainda era juiz da 13ª vara de Curitiba, e procuradores da Lava Jato, entre eles o chefe da força-tarefa da operação, Deltan Dallagnol.

      O veículo afirma ter recebido o material semanas antes de Moro ter divulgado que seu celular foi invadido.

      Veja mais no MSN Brasil:
      Casal suspeito de hackear Moro movimentou R$ 627 mil (Estadão)
      Weintraub diz ter direito a férias por ser professor (Poder360)
      Juiz vê indício de que hackers receberam dinheiro (Reuters)
      Como agiram os suspeitos hackear Moro, segundo a PF (BBC News)

      No Twitter, no entanto, o atual ministro da Justiça relaciona as prisões desta terça-feira com as mensagens divulgadas pelo Intercept Brasil. "Parabenizo a Polícia Federal pela investigação do grupo de hackers, assim como o MPF e a Justiça Federal. Pessoas com antecedentes criminais, envolvidas em várias espécies de crimes. Elas, a fonte de confiança daqueles que divulgaram as supostas mensagens obtidas por crime", escreveu.

      Como teria sido a invasão?

      Segundo a polícia, os investigados usaram tecnologia VOIP (serviços de voz sobre IP), que permite a realização de ligações via computadores, telefones convencionais ou celulares de qualquer lugar do mundo.

      O serviço utilizado no caso foi prestado pela microempresa BRVOZ, aponta a investigação. Por meio desse serviço, diz a decisão, "o cliente/usuário da BRVOZ utilizando a função 'identificador de chamadas' pode realizar ligações telefônicas simulando o número de qualquer terminal telefônico como origem das chamadas".

      Com essa tecnologia, os investigados teriam solicitado o código de acesso para ativar o serviço Telegram Web (uso do aplicativo de conversas no computados) por meio de ligação telefônica.

      O invasor, então, teria realizado diversas ligações para o número de Sergio Moro, com objetivo de manter a linha ocupada, para que a ligação contendo o código de ativação do serviço Telegram Web fosse direcionada para a caixa postal da vítima.

      O ministro havia relatado ter recebido ligações de seu próprio número no dia 4 de junho, o que pode configurar essa tentativa de bloquear a linha.

      O uso desse mesma tecnologia permite que sejam feitas ligações para a caixa postal, com o uso simulado da linha telefônica da vítima. Com isso, é possível ouvir a mensagem enviada pelo Telegram com o código para acesso no computador.

      Segunda a decisão judicial, a PF passou, então, a "verificar as rotas e interconexões das ligações efetuadas para o telefone que era utilizado pelo Sr. Ministro da Justiça e Segurança Pública, notadamente das ligações que foram originadas do próprio número telefônico da vítima".

      "Assim identificou-se a rota de interconexão com a operadora Datora Telecomunicações Ltda que transportou as chamadas destinadas ao número do Sr. Ministro Sérgio Moro, após ter recebido as chamadas através da rota de interconexão baseada em tecnologia VOIP", continua a decisão.

      Após a análise do sistema da BRVOZ, a PF identificou que todas as ligações efetuadas para o telefone de Moro partiram do usuário cadastrado em nome de Anderson José da Silva.

      Essa foi também a origem de ligações destinadas a outras autoridades públicas que tiveram o aplicativo Telegram invadido de forma ilícita, como o desembargador Abel Gomes (Tribunal Regional Federal da 2a Região), que julga casos da Lava Jato no Rio de  Janeiro na segunda instância judicial, além do juiz federal Flávio Lucas (18a Vara Federal do Rio de Janeiro) e os delegados de Polícia Federal Rafael Fernandes (SR/PFISP) e Flávio Vieitez Reis (DPF/CAS/SP).

      Os suspeitos presos

      A investigação identificou ainda que "os clientes BRVOZ" realizaram 5.616 ligações em que o número de origem era igual ao número de destino.

      "Leio, na decisão do Juiz, a referência a 5.616 ligações efetuadas pelo grupo com o mesmo modus operandi e suspeitas, portanto, de serem hackeamentos. Meu terminal só recebeu três. Preocupante", escreveu Moro no Twitter.

      Os quatro presos são Walter Delgatti Neto, Danilo Cristiano Marques, Gustavo Henrique Elias Santos, e sua namorada, Suelen Priscila de Oliveira. Para chegar aos quatro suspeitos, a PF abalizou os IPs (protocolos de internet) atribuídos aos dispositivos (computador ou smartphone) que se conectaram ao VOIP da empresa BRVOZ.  Os endereços dos usuários desses IPs foram descobertos por meio dos registros cadastrais fornecidos pelos provedores de internet.

      "As prisões temporárias dos investigados são essenciais para colheita de prova que por outro meio não se obteria, porque é feita a partir da segregação e cessação de atividades e comunicação dos possíveis integrantes da organização criminosa, podendo-se com isso partir-se, sendo o caso, para provas contra outros membros da organização e colheita de depoimentos de testemunhos sem a influência ou interferência prejudicial dos indiciados", justificou o juiz.

      Um relatório de informações financeiras apontou movimentações suspeitas de Gustavo Santos e Suelen Oliveira. Segundo a PF, ele movimentou em sua conta bancária R$ 424 mil entre 18 de abril e 29 de junho deste ano, enquanto em seu cadastro no banco conste a renda mensal de R$ 2.866.

      Já Oliveira movimentou R$ 203,5 mil entre sete de março e 29 de maio, tendo renda mensal cadastrada de R$ 2.192.

      Por causa dessas movimentações, a decisão judicial autorizou a quebra de sigilo bancário dos quatro suspeitos "realizar o rastreamento dos recursos recebidos ou movimentados pelos investigados e de averiguar eventuais patrocinadores das invasões ilegais dos dispositivos informáticos (smartphones)".

      O juiz autorizou, ainda, a quebra do sigilo nas comunicações dos quatro por emails.

      Fonte: https://www.msn.com/pt-br/noticias/politica/como-agiram-os-suspeitos-de-invadir-o-celular-de-moro-segundo-investigacao/ar-AAENXIe?ocid=NL_PTBR_A1_20190726_1_2

      Rússia nos esforços contra o dólar


      Estoques de ouro da Rússia atingem US $ 100 bilhões em meio a esforços para dedolarizar suas reservas

        Sputnik

        26 de julho de 2019

        Moscou vem aumentando as reservas do país do metal precioso nos últimos anos vendendo seus títulos do Tesouro dos EUA ao mesmo tempo. Embora a Rússia tenha sido um dos maiores investidores em dívidas dos EUA, seu estoque atingiu agora US $ 12 bilhões, o nível mais baixo desde 2007.

        As reservas de ouro da Rússia totalizaram 2.208 toneladas, informou o Banco Central da Rússia (CBR), estimando o valor de suas reservas de ouro em US $ 100,3 bilhões em 1º de julho. Só em junho, a Rússia acrescentou 18 toneladas do metal precioso à sua montanha de ouro, acompanhando os recentes esforços para dedolarizar suas reservas cambiais.

        Moscou aumentou seus estoques de metais preciosos em 96,4 toneladas desde o início do ano. Em maio, abril e março, foram comprados mais de 6, cerca de 16 e 18 toneladas, respectivamente. No entanto, fevereiro ainda detém o recorde com 31 toneladas adicionadas às reservas de ouro.

        A onda de compras de 2018, no entanto, excedeu o ritmo deste ano, com a compra de um recorde de 275 toneladas em 2018, tornando-se a maior quantidade de ouro comprado em um único ano, concluiu o World Gold Council.

        Aumentando seus estoques de ouro, a Rússia também está diminuindo sua participação nos títulos do Tesouro dos EUA. Os estoques de dívida dos EUA da Rússia caíram para US $ 12,024 bilhões, o menor nível desde maio de 2007. Essas reservas afundaram 85%, caindo de US $ 96,9 bilhões para US $ 13,2 bilhões no ano passado.

        Moscou já havia criticado os EUA por "abusar" do status de reserva de sua moeda, alertando que isso poderia sair pela culatra. Durante o recente Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo (SPIEF), o presidente russo Vladimir Putin criticou os Estados Unidos, observando que o dólar se tornou "uma ferramenta para o país emissor exercer pressão sobre o resto do mundo", e argumentou que o O papel desta moeda deve ser reconsiderado.

        A Rússia é um entre vários estados que promovem uma mudança do dólar para moedas nacionais no comércio bilateral. A tendência de abandonar o dólar tem sido notada em um relatório recente sobre as economias dos países do BRICS, que reduziram em 20% o uso do dólar no comércio mútuo.

        Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

        Glenn desmonta farsa e prova que sua fonte não é o "hacker de Araraquara"


        Está caindo por terra a farsa montada por Sergio Moro; a fonte do site The Intercept Brasil não é a que foi apresentada pelas autoridades; segundo Greenwald, o primeiro contato com a fonte ocorreu no início de maio, ou seja, um mês antes da denúncia feita por Moro; o hacker só apareceu em cena depois que o ex-juiz disse ter sido hackeado

        26 de julho de 2019, 08:15 h Atualizado em 26 de julho de 2019, 09:0Glenn Greenwald Glenn Greenwald (Foto: Gustavo Bezerra | Reprodução)

        247 - A fonte que entregou os diálogos da Operação Lava Jato ao jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil, negou em conversa no dia 5 de junho que também tenha sido responsável pela invasão ao Telegram do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. O diálogo foi repassado à Veja pelo próprio Greenwald. Está caindo a máscara de Moro. Ficou evidente que montou uma farsa.

        Na mensagem, o editor do The Intercept Brasil pergunta à fonte se ela havia lido uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo sobre a invasão ao celular do ex-juiz. O título da matéria dizia que o hacker usou aplicativos do aparelho e trocou mensagens por seis horas. “Posso garantir que não fomos nós”, responde a fonte, em mensagem transcrita de forma literal.

        “Nunca trocamos mensagens, só puxamos. Se fizéssemos isso ia ficar muito na cara”, acrescenta a fonte em outra mensagem, antes de criticar o método de ação empregado contra o ministro. “Nós não somos ‘hackers newbies’ [amadores], a notícia não condiz com nosso modo de operar, nós acessamos telegrama com a finalidade de extrair conversas e fazer justiça, trazendo a verdade para o povo.”

        Segundo Greenwald, o primeiro dos contatos com a fonte ocorreu no início de maio. Ou seja, um mês antes da denúncia feita por Moro.

        O jornalista disse ter sido apresentado à fonte por um intermediário e destacou que todos os contatos foram feitos virtualmente. Greenwald também afirmou desconhecer a identidade do hacker, que teria extraído todo material do Telegram de Dallagnol.

        “A fonte me disse que não pagou por esses dados e não me pediu dinheiro algum em troca desse conteúdo”, disse o jornalista.

        O material divulgado pelo Intercept foi compartilhado com VEJA e a Folha de S.Paulo, que também publicaram reportagens sobre irregularidades da Lava Jato.

        Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/glenn-revela-dialogo-com-fonte-de-mensagens-vazadas

        PT denuncia Moro à PGR pelo crime de obstrução judicial


        A presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR), anunciou nesta sexta-feira (26) que irá acionar o STF e a PGR contra as últimas ações arbitrárias de Sergio Moro, que configuram crime de obstrução judicial ; "Moro agiu em flagrante abuso de autoridade", denuncia Gleisi

        26 de julho de 2019, 10:25 h Atualizado em 26 de julho de 2019, 11:2

        247 - A presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR), anunciou nesta sexta-feira (26) que irá acionar o STF e a PGR contra as últimas ações arbitrárias de Sergio Moro; "Moro agiu em flagrante abuso de autoridade", denuncia Gleisi.

        Confira sua postagem:

        "Por estar a frente do Ministério da Justiça e não mais na cadeira de juiz,
        Sérgio   Moro   não   possui   qualquer   ingerência   sobre   investigações   da   Polícia Federal, muito menos sobre os inquéritos presididos pelos Delegados da Polícia Federal. Moro agiu em flagrante abuso de autoridade, nos termos da Lei  nº 4.898/65", diz um trecho do documento.

        Fonte: https://www.brasil247.com/poder/pt-ira-acionar-stf-e-pgr-contra-arbitrariedades-de-sergio-moro

        Greenwald: “O mais bombástico ainda será publicado”


        "Os materiais mais bombásticos e importantes ainda não foram publicados, mas logo serão", afirma o jornalista Glenn Greenwald sobre a série de reportagens do site Intercept Brasil que revela irregularidades da Lava Jato; "Tem muitas revelações graves"

        26 de julho de 2019, 12:57 h Atualizado em 26 de julho de 2019, 13:04


        Glenn Greenwald Glenn Greenwald (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

        247 - "Os materiais mais bombásticos e importantes ainda não foram publicados, mas logo serão", afirma o jornalista Glenn Greenwald sobre a séria de reportagens do site Intercept Brasil que revela irregularidades da Operação Lava Jato.

        "Tem muitas revelações graves. Essas seis semanas que começamos a publicar foram muito pouco tempo para um acervo deste tamanho. Então, com certeza, vai ter muito mais revelações graves no futuro", acrescentou ele durante entrevista ao site Metrópoles (DF).

        Atingido em cheio pelas revelações, o ministro Sérgio Moro (Justiça) publicou uma portaria que pode resultar na deportação do jornalista. "Esta Portaria regula o impedimento de ingresso, a repatriação, a deportação sumária, a redução ou cancelamento do prazo de estada de pessoa perigosa para a segurança do Brasil ou de pessoa que tenha praticado ato contrário aos princípios e objetivos dispostos na Constituição Federal", diz o texto (veja aqui).

        Greenwald ficou conhecido internacionalmente em 2013, quando divulgou em parceria com Edward Snowden a existência dos programas secretos de vigilância global dos Estados Unidos, efetuados pela sua Agência de Segurança Nacional (NSA). O jornalista comparou este caso com as reportagens do Intercept sobre a Lava Jato.

        "Uma diferença é que o material do Snowden era sobre segurança nacional. Então, por um lado foi um pouco mais sensível, porque com materiais e segredos sobre segurança nacional você pode errar e acabar publicando algo que deixa alguém em perigo sério, perigo de morte. Então, por um lado é mais perigoso. Mas, por outro, o material que estamos trabalhando agora é sobre as pessoas mais poderosas deste país que já mostraram que quebrariam qualquer lei ou código de ética para realizar seus fins. Então, eu acho que a reportagem que estamos fazendo, neste caso, é mais perigosa, com mais risco, que a reportagem que fizemos, pelo fato de a matéria ser sobre o governo atual", disse.

        "Durante a época do Snowden, eu estava no Brasil ou na Alemanha reportando sobre outros governos, com distância. Mas, agora, as pessoas que estamos revelando, divulgando, denunciando, são muito mais próximas e têm mais controle sobre nós. Então, o material é mais perigoso", continuou.

        Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/greenwald-o-mais-bombastico-ainda-sera-publicado

        quinta-feira, 25 de julho de 2019

        Economist: Bolsonaro não combate corrupção e Moro perdeu reputação


        Segundo a Economist, Bolsonaro está quebrado sua principal promessa de campanha: o combate à corrupção; "Sua administração parece quase tão escandalosa quanto a que substituiu", diz a revista britânica, apontando que Sérgio Moro está "enfraquecido pelos vazamentos"

        25 de julho de 2019, 17:54 h Atualizado em 25 de julho de 2019, 20:17


        A Era Bolsonaro cala o ministro Sérgio Moro A Era Bolsonaro cala o ministro Sérgio Moro (Foto: Foto: José Cruz - Agência Brasil)

        247 - A revista britânica The Economist publicou nesta quinta-feira, 25, reportagem com duras críticas ao presidente Jair Bolsonaro.

        Segundo a Economist, Bolsonaro está quebrado sua principal promessa de campanha: o combate à corrupção. "Seus planos para manter sua promessa de campanha mais importante estão falhando. Isso porque sua administração parece quase tão escandalosa quanto a que substituiu. Um de seus filhos, Flávio, senador do Rio de Janeiro, está sendo investigado por lavagem de dinheiro", diz a revista.

        Leia, abaixo, a reportagem do The Economista na íntegra:

        Jair Bolsonaro desistiu de sua cruzada anti-corrupção

        O presidente está quebrando sua principal promessa de campanha

        Se há uma coisa que os eleitores queriam de Jair Bolsonaro quando o elegeram presidente do Brasil em outubro passado, era acabar com a corrupção. Quando ele era um congressista de direita do Congresso, suas fulminações contra os corruptos ajudaram a torná-lo famoso. Em seu discurso de posse no dia 1º de janeiro, ele prometeu “libertar o país do jugo da corrupção”.

        Agora, seus planos para manter sua promessa de campanha mais importante estão falhando. Isso porque sua administração parece quase tão escandalosa quanto a que substituiu. Um de seus filhos, Flávio, senador do Rio de Janeiro, está sendo investigado por lavagem de dinheiro.

        Mensagens vazadas para o Intercept , um site de notícias investigativas, prejudicou a reputação de Sérgio Moro, o ministro da Justiça, que é responsável pelo combate à corrupção e ao crime. Eles mostram que Moro colaborou indevidamente com os promotores quando ele era o juiz encarregado da vasta investigação anticorrupção da Lava Jato. A operação levou à prisão de mais de 100 empresários e vários políticos, incluindo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

        O ministro do turismo está sendo investigado por colocar candidatas nas eleições parlamentares e estaduais para obter fundos de campanha para si. Bolsonaro nomeou outro filho, Eduardo, para ser o embaixador do Brasil nos Estados Unidos, acrescentando nepotismo à lista de pecados de sua administração.

        O presidente pode reivindicar alguns sucessos, incluindo progressos na reforma econômica. Ele rompeu com a prática passada dos presidentes de dar empregos em gabinetes em troca de apoio no Congresso. Até agora, essa é sua única contribuição para políticas mais limpas.

        Um ponto baixo aconteceu no dia 16 de julho, quando Dias Toffoli, juiz da suprema corte, suspendeu a investigação contra Flávio Bolsonaro. A polícia identificou um "aumento excepcional" em seu patrimônio líquido vinculado a negócios imobiliários entre 2014 e 2017, quando era deputado estadual. Sete milhões de reais (US$ 2 milhões) foram passados sem explicação pela conta bancária de seu motorista, um amigo do presidente.

        Toffoli determinou que os promotores precisam da permissão de um juiz para usar dados financeiros coletados pelo Coaf, a unidade de inteligência financeira do governo e outras agências. A Suprema Corte tem considerado desde 2017 se deve emitir tal decisão. Deve-se decidir em novembro deste ano. O Sr. Toffoli agiu por conta própria depois que os advogados de Flávio se manifestaram junto ao processo. A decisão lança investigações sobre corrupção em um “estado de instabilidade e confusão”, diz Silvana Batini, promotora de Lava Jato do Rio de Janeiro. Também poderia dificultar a lavagem de dinheiro por gangues de drogas.

        O presidente saudou a decisão de suspender o caso contra o filho. Caso contrário, ele ficou quieto quanto à corrupção. No segundo semestre de 2018, ele tuitou 68 vezes sobre corrupção, segundo o Laboratório de Governo Eletrônico da Universidade de Brasília. O número de tweets caiu para 20 no primeiro semestre deste ano. Em julho, até agora não houve nenhum.

        Moro, enfraquecido pelos vazamentos, não disse nada sobre a decisão de Toffoli. Uma medida de combate ao crime e corrupção que ele propôs está fazendo pouco progresso. O comitê responsável por ele na Câmara dos Deputados votou contra uma idéia de punir os erros: escrever na lei a exigência de que as pessoas condenadas por corrupção iniciem suas sentenças se perderem seus primeiros recursos, o que nem sempre acontece.

        Até agora, os brasileiros não perceberam que a equipe dos sonhos contra a corrupção está falhando. Verdade, o índice de aprovação de Bolsonaro de 33% no início de julho foi o menor desde 1990 para qualquer presidente depois de seis meses no cargo, segundo o instituto de pesquisas Datafolha. Mas escândalos não são o motivo. Mais frequentemente, os entrevistados apontam para o impacto de uma economia fraca, cortes nos orçamentos universitários e comportamento imprudente (Bolsonaro recentemente chamou governadores de estados pobres do nordeste de paraíbas, ou "hicks").

        Manchetes embaraçosas não impediram que partes de seu programa continuassem, o que não foi o caso durante a Presidência de seu antecessor, Michel Temer. O Mercosul, grupo ao qual o Brasil pertence, chegou a um acordo comercial em princípio com a União Européia. Uma reforma das pensões está avançando.

        Se a luta pela corrupção for retomada, dizem os promotores, tanto a Suprema Corte quanto o presidente terão que mudar de rumo. Os promotores esperam que o tribunal reverta a decisão de Toffoli, desobstruindo as investigações sobre Flávio e outros supostos infratores. O progresso dependerá em parte de quem o Sr. Bolsonaro escolhe para suceder Raquel Dodge como procurador-geral da República em setembro. Bolsonaro tem se perguntado se escolherá um dos três candidatos propostos pela Associação Nacional de Promotores. Essa prática começou em 2003 como uma forma de garantir a independência do procurador-geral em relação à política. A escolha de Bolsonaro será "um grande teste do compromisso do governo" para combater a corrupção, diz Bruno Brandão, da ONG Transparência Internacional.

        Apesar de suas falhas, a Lava Jato ofereceu a esperança de que o Brasil poderia acabar com a cultura de impunidade que permitia o florescimento da corrupção. A questão agora é se essa missão pode superar o dano infligido por seus maiores campeões.

        Fonte: https://www.brasil247.com/midia/economist-bolsonaro-nao-combate-corrupcao-e-moro-perdeu-reputacao

        Onze parlamentares do Nordeste processam Bolsonaro por racismo


        O deputado federal Márcio Jerry (PCdoB/MA) e mais 10 parlamentares entraram com representação junto ao Ministério Público Federal contra Jair Bolsonaro por "ato de improbidade administrativa e dano moral coletivo no caso em que cometeu ato racista contra nordestinos e ameaçou estados", informou o deputado nesta quinta-feira (25)

        25 de julho de 2019, 18:26 h Atualizado em 25 de julho de 2019, 20:24

        247 - O deputado federal Márcio Jerry (PCdoB/MA) e mais 10 parlamentares entraram com representação junto ao Ministério Público Federal contra Jair Bolsonaro por "ato de improbidade administrativa e dano moral coletivo no caso em que cometeu ato racista contra nordestinos e ameaçou estados", informou o deputado nesta quinta-feira (25).

        "Naturalizar ilegalidades graves de um presidente da República é o mesmo que autorizá-lo a persistir nas ilegalidades. O que pedimos ao MPF são as ações previstas no ordenamento jurídico e na própria missão institucional de defesa da ordem jurídica e do regime democrático", explicou Jerry.

        Fonte: https://www.brasil247.com/regionais/nordeste/doze-parlamentares-do-nordeste-processam-bolsonaro-por-racismo

        Bolsonaro volta a atacar o Nordeste e os nordestinos: “Massa de manobra da esquerda”


        Bolsonaro não se emenda. Disse ele ao Broadcast Político:

        “Alguém acha que eu falei mal do povo nordestino quando eu cochichei no ouvido do deputado uma questão do Maranhão e da Paraíba? Agora está uma briga, estive na Bahia e fui muito questionado pelo povo dizendo que não é verdade que o pior governador do Nordeste é o do Maranhão. Uns dizem que é da Bahia, do Ceará, Paraíba, do Piauí. Está uma briga terrível. Queremos libertar o Nordeste desse julgo. Parece que são massa de manobra da esquerda. Tem de deixar de existir”.

        Fonte: https://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/bolsonaro-volta-a-atacar-o-nordeste-e-os-nordestinos-massa-de-manobra-da-esquerda/

        Crescimento fake nos EUA


        Uma "recessão de ganhos" está aqui - grandes empresas em toda a América estão relatando resultados financeiros desastrosos

          Michael Snyder
          Economic Collapse

          25 de julho de 2019

          Se a economia dos EUA estivesse realmente “crescendo”, os lucros das empresas aumentariam.

          Mas isso não está acontecendo. Na verdade, não temos visto ganhos corporativos caindo assim desde a última recessão. Eles caíram durante o primeiro trimestre deste ano, e com base nos resultados que temos até agora, parece que os lucros das empresas cairão substancialmente mais uma vez no segundo trimestre. Quando os lucros corporativos caem por dois trimestres consecutivos, isso é oficialmente considerado uma “recessão de ganhos”, e isso normalmente ocorre pouco antes de a economia em geral mergulhar em um território de recessão. À medida que as coisas ficam mais fortes para os nossos gigantes corporativos, devemos esperar muito mais demissões nos próximos meses, e a taxa de desemprego deve subir muito rapidamente. Em outras palavras, parece que nossos problemas econômicos estão prestes a acelerar substancialmente.

          Nesta semana, algumas das maiores empresas em todo o país reportaram resultados para o segundo trimestre, e testemunhamos desapontamento após decepção.

          Vamos começar com a Boeing ...

          O 737 Max já está há mais de quatro meses em um aterramento global sem precedentes, que as autoridades ordenaram após dois acidentes fatais. A fabricante forneceu sinais da pressão sobre seus recursos, começando com uma queima de US $ 1,01 bilhão de fluxo de caixa livre no segundo trimestre - um balanço de US $ 5 bilhões em relação ao ganho do ano passado durante o mesmo período.

          É claro que a Boeing fez um mau avião e, portanto, seus resultados desastrosos certamente poderiam ser atribuídos a isso.

          Mas e quanto ao Netflix? Uma vez que um dos queridinhos de Wall Street, Netflix foi absolutamente martelado nos últimos dias ...

          O decepcionante trimestre da Netflix, divulgado na última quarta-feira, fez com que a audiência de streaming de Wall Street perdesse mais de US $ 24 bilhões em seis dias, com as ações subindo 15%.

          As ações da Netflix caíram a cada um dos últimos nove dias de negociação, quando as ações começaram a cair antes mesmo de divulgar seu relatório financeiro trimestral, o que indicava a perda de assinantes nos EUA pela primeira vez desde o lançamento de seu serviço de streaming há quase uma década. .

          Sim, o Netflix pode ser considerado um caso especial porque está enfrentando muita concorrência. Em dezembro passado, escrevi um artigo inteiro prevendo que isso aconteceria, e isso é apenas o começo dos problemas da empresa.

          Por outro lado, o futuro deveria ser extremamente brilhante para a Tesla, mas a empresa está sangrando dinheiro como um louco e nas últimas 24 horas o preço das ações caiu drasticamente ...

          Mesmo depois de entregar um número recorde de carros em seu segundo trimestre, a Tesla (TSLA) ainda está sangrando dinheiro. A Tesla disse na quarta-feira que perdeu US $ 408 milhões durante os três meses que terminam em junho, muito piores do que Wall Street esperava. As ações da Tesla caíram mais de 10% após o pregão após o relatório de lucros.

          A perda foi um pouco menos dolorosa do que no trimestre anterior, em que a Tesla perdeu US $ 702 milhões.

          Mas Elon Musk tem um dom para fazer os investidores entregarem pilhas gigantescas de dinheiro, e por isso a Tesla vai sobreviver por enquanto.

          Enquanto isso, o resto da indústria automobilística também está lutando. Na verdade, a Ford acaba de reportar resultados muito decepcionantes e reduziu significativamente a previsão para o restante de 2019…

          As ações da Ford despencaram na quarta-feira depois que a montadora reportou lucros no segundo trimestre que estavam aquém das expectativas e divulgou uma previsão decepcionante para o ano.

          A Ford, que cortou milhares de empregos este ano, também está investindo US $ 11 bilhões até 2022 em veículos elétricos e híbridos para tentar manter o ritmo em uma indústria em mutação.

          Você está começando a ver um colapso?

          Até mesmo o Paypal está aquém das expectativas. O seguinte vem da CNBC…

          As ações da PayPal caíram até 6% no pregão após o fechamento do pregão, depois que a gigante dos pagamentos perdeu as estimativas de Wall Street para a receita do segundo trimestre e reduziu a orientação para o ano inteiro.

          Tudo o que acabo de compartilhar com você faz sentido total e completo se a economia dos EUA estiver mergulhando em uma nova recessão.

          E outros números econômicos continuam a nos dizer exatamente a mesma coisa. Por exemplo, acabamos de obter o pior número de PMI de fabricação dos EUA em 118 meses. Isso é uma notícia absolutamente terrível, mas o setor manufatureiro da Europa está piorando.

          A atividade manufatureira está desacelerando em todo o mundo, e uma grande razão para isso é porque o comércio global está encolhendo no ritmo mais rápido que temos visto desde a última crise financeira.

          Enquanto isso, acabamos de saber que as vendas de casas existentes nos Estados Unidos caíram ano após ano por dezesseis meses seguidos.

          Depois que algo acontece 16 vezes seguidas, você poderia pensar que os especialistas seriam capazes de identificar uma “tendência” até agora, mas muitos deles continuam otimistas em relação ao setor imobiliário.

          Além disso, os anúncios de fechamento da loja continuam sendo exibidos a uma taxa impressionante. Esta semana, soubemos que a GNC está planejando fechar até 900 lojas até o final de 2020.

          Nós já estávamos a caminho de quebrar completamente o recorde de todos os tempos de fechamento de lojas em um único ano, mesmo antes do anúncio, e a frase "apocalipse de varejo" quase não parece forte o suficiente para descrever o que estamos testemunhando por mais tempo.

          Assim como eu avisei, a paisagem da América está sendo desarrumada por lojas com tábuas fechadas e shoppings abandonados, e isso é particularmente verdadeiro em nossas áreas mais pobres.

          A impressão de dinheiro sem precedentes pela Reserva Federal e uma farra de dívida sem precedentes por parte do governo federal podem ter nos dado um breve alívio, mas nenhum dos problemas econômicos fundamentais que foram identificados durante a última recessão jamais foi consertado.

          Agora chegou uma nova crise e estamos apenas nos primeiros capítulos dela.

          Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

          Uma força obscura por trás do quanto pior melhor


          Está óbvio quem substituirá Trump após a demolição controlada da economia

            Brandon Smith
            Alt-Market.com

            25 de julho de 2019


            Nos meses que antecederam as eleições de 2016 eu estava prevendo uma vitória de Trump baseada em uma teoria particular que eu acredito que ainda seja verdadeira hoje - a teoria de que as elites bancárias globais no poder estavam permitindo os chamados movimentos “populistas” no país. EUA e Europa para ganhar tração política perto do final da década longa "Everything Bubble". Uma vez que os grupos populistas estavam entrincheirados e se sentindo excessivamente confiantes, a cabala, então, apertaria a liquidez para a fraqueza econômica existente e derrubaria o sistema sobre suas cabeças. Os populistas seriam culpados por um desastre econômico que os bancos centrais haviam arquitetado com muitos anos de antecedência.

            Uma vez que o sofrimento tenha sido suficiente para a população, globalistas e extremistas de esquerda entrariam em cena para oferecer o antipopulismo como uma solução; significa a centralização e socialização de tudo em uma escala nunca antes vista, exceto, talvez, nos dias mais sombrios da Revolução Bolchevique.

            Essa teoria me permitiu prever o sucesso do voto do Brexit no Reino Unido, a entrada de Trump na Casa Branca, os aumentos das taxas de juros do Federal Reserve e os cortes do balanço na fraqueza econômica, e agora está parecendo cada vez mais com minha previsão de março um "No Deal" Brexit será correto com Boris Johnson subindo para a posição de primeiro-ministro. Então, continuo aguentando.

            Por extensão, há alguns anos venho examinando as estranhas correlações entre os antecedentes e as políticas de Donald Trump e os antecedentes e políticas de Herbert Hoover; o presidente republicano que supervisionou o grande crash de 1929 e o começo da Grande Depressão.

            Uma das primeiras ações de Hoover como presidente em resposta às tensões fiscais de 1929 foi apoiar o aumento dos cortes de impostos, principalmente para corporações (isso foi seguido em 1932 por amplos aumentos de impostos no meio da depressão). Então, ele instituiu tarifas através da Lei Smoot-Hawley. Sua hiperconcentração em gastos maciços em infraestrutura resultou em expansão da dívida dos EUA e não fez nada para tirar os EUA do abismo de desemprego. Na verdade, projetos de infraestrutura como a Hoover Dam, lançada em 1931, não foram pagos por mais de 50 anos. Hoover acabou como um presidente republicano de mandato único que abriu caminho ao  socialista  Franklin D. Roosevelt, um comunista disfarçado e talvez o presidente mais destrutivo da história norte-americana.


            Foi Hoover e suas políticas "protecionistas" que foram responsabilizadas pela Grande Depressão (junto com o padrão ouro), mas foi o Federal Reserve que criou toda a calamidade. A flexibilização da política do Fed na década de 1920 levou à extensa bolha nos mercados bancários e de ações, e os aumentos de juros e aperto de liquidez do Fed no início da década de 1930 e  exacerbaram o crash e estenderam a depressão por muitos anos. O ex-presidente do Fed, Ben Bernanke, admitiu abertamente que o Fed foi responsável pela Grande Depressão em um discurso feito em homenagem a Milton Friedman em 2002. Ele declarou:

            “Em suma, de acordo com Friedman e Schwartz, por causa de mudanças institucionais e doutrinas equivocadas, os pânicos bancários da Grande Contração foram muito mais severos e generalizados do que normalmente ocorreria durante uma recessão.

            Deixe-me terminar minha conversa abusando levemente do meu status de representante oficial do Federal Reserve. Eu gostaria de dizer a Milton e Anna: Em relação à Grande Depressão. Você está certo, nós fizemos isso. Sentimos muito. Mas graças a você, não faremos isso novamente. ”

            Claro, o Fed está fazendo isso de novo. Há mais de um ano e meio, o Fed vem instituindo o aperto da liquidez na fraqueza econômica no início do crash de uma das maiores bolhas financeiras da história do mundo econômico. É uma bolha que eles criaram com a intenção de deliberadamente implodi-la, e o processo já começou. Como já observei inúmeras vezes, o colapso nos fundamentos está bem encaminhado, com quase todos os setores da economia em recuo, exceto os três indicadores que o Fed e o governo manipulam estatisticamente: PIB, emprego e mercados de ações.

            Trump também não é inocente nesse esquema. Depois de meses criticando o Fed durante sua campanha por inflacionar uma economia falsa e um mercado de ações, Trump fez um 180 em seus partidários depois de se tornar presidente e agora anexou sua administração tão completamente à Everything Bubble (e às bolsas de valores em particular) que está certo de que ele e seus seguidores conservadores assumirão a culpa ao entrar em colapso.

            Eu também não sou a única pessoa a notar a comparação entre Trump e Herbert Hoover. As semelhanças de Trump com Hoover estão sendo mencionadas incessantemente desde o ano passado na mídia tradicional e de esquerda, com um foco particular na guerra comercial. Os conflitos comerciais de Trump estão fornecendo a cobertura perfeita para que as elites bancárias se retirem da economia, enquanto escapam de qualquer culpa. A narrativa está sendo preparada para um colapso e o plano é fazer dos populistas, nacionalistas e ativistas da soberania os bodes expiatórios.

            Então, a questão é, se Trump está desempenhando o papel de um Hoover moderno, e a atual queda nos fundamentos está prestes a se tornar outra depressão de longo prazo, então quem é o próximo Franklin D. Roosevelt; o presidente comunista ou grupo político para empurrar a América ainda mais para o lado socialista?

            É difícil dizer neste momento se Trump, como Hoover, será um presidente de um mandato. Se o colapso econômico continuar em seu ritmo atual, é improvável que Trump consiga um segundo mandato em 2020. Dito isso, o advento de uma guerra total com um país como o Irã pode mudar a dinâmica mesmo em meio a uma crise financeira. .

            Seja em 2020, ou 2024, acredito que Trump e a revolta populista serão substituídos por um fervor socialista além de qualquer coisa que tenhamos visto durante o governo Obama. Assim como os conservadores surpreenderam o mundo em 2016, acredito que a esquerda difícil surpreenderá o mundo nos próximos 5 anos.

            Eu acho bastante suspeito a quantidade de atenção da mídia que políticos duros de esquerda, com pouca experiência, estão recebendo na grande mídia atualmente. Eu também estou desconfiado da quantidade de atenção que Donald Trump está pagando para esses mesmos políticos no que parece ser outro jogo de luta livre para o benefício do público. Sim, eu estou falando sobre as “quatro amazonas do Apocalipse” e a novela das novelas em andamento entre eles e Trump, que mantêm esses jovens novatos sempre sob os holofotes, apesar de tudo.

            Talvez seja muito difícil notar agora, no meio da febre Trump, mas eu vejo o começo, a raiz ou a semente, de uma enorme mudança  de narrativa na elevação de extremistas políticos como Ayanna Pressley, Alexandria Ocasio-Cortez, Rashida Tlaib e Ilhan Omar, também conhecido como “o esquadrão”. Sim, eles parecem ser odiados universalmente em Washington agora, e o abjeto fracasso do Green New Deal da AOC faz parecer que há pouco apoio para suas idéias, mas, novamente, olhe para quanta atenção esses ninguém estão acumulando ...

            Lembro-me dos primeiros indícios da candidatura de Barack Obama à presidência, embora ele tivesse pouca experiência política em comparação com seus oponentes, a maioria deles como  senador estadual. Pessoas correndo contra ele durante seu início de carreira nos lados democrata e republicano pareciam continuar abandonando as corridas devido a escândalos sexuais. Então, Obama recebeu atenção da mídia tradicional e até do The Daily Show antes de anunciar sua candidatura ao Salão Oval. A construção foi óbvia para os analistas que reconheceram os sinais. Obama havia sido ungido pelas elites.

            AOC e "o esquadrão" estão sendo comercializados de maneira muito semelhante a Obama; como esperançoso, jovem, vibrante, cheio de energia e pronto para enfrentar o mundo. O tipo de filme de vendas de filmes Disney que brinca com corações e que os democratas e esquerdistas enlouquecem.

            Hoje, comparativamente, candidatos presidenciais democratas “moderados” para 2020, como Bernie Sanders e Elizabeth Warren, estão caindo sobre si mesmos para promover “o esquadrão” e obter sua aprovação e apoio político. É claro que os esquerdistas de linha dura estão ditando a conversa sobre o futuro caminho governamental da América, e esse caminho é de extrema centralização, globalização e tirania burocrática draconiana em nome do pânico ambiental fraudulento.

            Curiosamente, Elizabeth Warren está chamando a atenção ultimamente com seus avisos de vinda da  calamidade econômica sob a administração Trump. Suas observações são muito óbvias para a maioria de nós e não vale a pena notar aqui; É legal que Warren esteja mencionando a perspectiva de perigo econômico no mainstream, mas ela está anos atrasada para a festa. Gostaria de salientar, no entanto, que isto marca um ponto de viragem na conversa das eleições de 2020. De repente, os democratas estão falando seriamente sobre o potencial de uma crise financeira - que me diz que o crash em câmera lenta que já está acontecendo hoje está prestes a acelerar ainda mais no próximo ano. Os globalistas estão preparando o terreno para os democratas dizerem “Vejam, nós lhes dissemos”, com a aproximação de um ano eleitoral.

            Neste ponto, dadas as recentes declarações dela, vou ter que prever que Elizabeth Warren é a candidata democrata à eleição de 2020.

            É importante lembrar que o sentimento público é inconstante e pode mudar tão rapidamente que confunde a mente. Com o advento de um grande desastre econômico e talvez até mesmo uma guerra cinética que os EUA não podem sustentar ou vencer a longo prazo, as previsões de globalistas e esquerdistas de que os movimentos populistas são uma "crise esperando para acontecer" seriam cumpridas. Trump não tem controle real sobre a economia, é claro, e o Fed determina quando e como uma bolha financeira explodirá; mas isso não impedirá a maioria de colocar a culpa nos pés de Trump e sua base política. A introdução do socialismo hardcore como o ideal americano proeminente seria uma venda muito mais fácil naquele momento.

            No meio da catástrofe social, aquilo que antes achávamos impossível se torna provável. Eu prevejo que as “quatro amazonas do Apocalipse” e seus semelhantes são escolhidos pelos globalistas para assumir o controle dos EUA na próxima década de 20, depois que Trump e os populistas estão totalmente desacreditados aos olhos de mais da metade do país e do mundo. Para ter certeza, há muitos de nós que não aceitarão o governo socialista / comunista aberto e todas as notícias que o acompanham (incluindo o controle de carbono e o desarmamento da população), e eu não tenho dúvidas de que uma guerra civil entrará  em erupção.

            A questão é que devemos esperar este resultado como um dos globalistas forçará. Os sinais são visíveis agora. As políticas dessas mulheres, que são totalmente insanas e falidas de lógica, vão se tornar os ideais predominantes da próxima revolução política. Conte com isso.

            Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

            PT denuncia nova armação criminosa de Moro contra o partido no caso do suposto "hacker" de Araraquara


            "Acuado, o ex-juiz repete seus conhecidos métodos: prisões espetaculares e vazamentos direcionados contra seus adversários", diz a nota assinada pela presidente do partido, Gleisi Hoffmann, e pelos líderes na Câmara e no Senado, Paulo Pimenta e Humberto Costa. "O PT tomará as medidas judiciais cabíveis contra os agentes e os responsáveis por mais esta farsa", aponta a legenda

            25 de julho de 2019, 03:28 h

              (Foto: Câmara dos Deputados)

            247 – A tentativa do ministro Sergio Moro e da Polícia Federal de vincular o suposto "hacker" de Araraquara ao Partido dos Trabalhadores foi duramente rebatida pela legenda. "Acuado, o ex-juiz repete seus conhecidos métodos: prisões espetaculares e vazamentos direcionados contra seus adversários. É criminosa a tentativa de envolver o PT num caso em que é Moro que tem de se explicar e em que o maior implicado é filiado ao DEM", diz a legenda, em nota. Confira abaixo:

            Nota do Partido dos Trabalhadores – O ministro Sergio Moro, responsável pela farsa judicial contra o ex-presidente Lula, comanda agora um inquérito da Polícia Federal com o claro objetivo de produzir mais uma armação contra o PT.

            As investigações da PF sobre as pessoas presas em São Paulo confirmam a autenticidade das conversas ilegais e escandalosas que Moro tentou desqualificar nas últimas semanas.

            Acuado, o ex-juiz repete seus conhecidos métodos: prisões espetaculares e vazamentos direcionados contra seus adversários. É criminosa a tentativa de envolver o PT num caso em que é Moro que tem de se explicar e em que o maior implicado é filiado ao DEM.

            O PT sempre foi alvo desse tipo de farsa, como ocorreu na véspera da eleição presidencial de 1989, quando a polícia vestiu camisetas do partido nos sequestradores do empresário Abílio Diniz antes de apresentá-los à imprensa.

            O PT tomará as medidas judiciais cabíveis contra os agentes e os responsáveis por mais esta farsa. Quem deve explicações ao país e à Justiça é Sergio Moro, não quem denuncia seus crimes.

            Brasília, 24 de julho de 2019

            Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do PT
            Paulo Pimenta, líder do PT na Câmara dos Deputados
            Humberto Costa, líder do PT no Senado Federal

            Fonte: https://www.brasil247.com/poder/pt-denuncia-nova-armacao-criminosa-de-moro-contra-o-partido-no-caso-do-suposto-hacker-de-araraquara

            Moro vira piada do Sensacionalista


            Em desespero após ser atingindo em cheio com as revelações da Vava Jato, o ministro Sérgio Moro (Justiça) virou piada no site humorístico Sensacionalista; "A PF precisa investigar qual foi o hacker que instalou o vírus do bolsonarismo na cabeça de 53 milhões de brasileiros", diz o texto

            25 de julho de 2019, 12:42 h Atualizado em 25 de julho de 2019, 13:25


            (Foto: MJSP)

            247 - Em desespero após ser atingindo em cheio com as revelações das irregularidades da Operação Lava Jato, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, virou piada no site humorístico Sensacionalista.

            "Bolsonaro diz que também foi hackeado. Ele afirma que tudo o que o governo fez até agora foi o hacker quem fez", diz o texto, intitulado "PF prende hacker de mensagens que Moro não mandou. Pode rir, a piada é essa".

            "Agora a PF precisa investigar qual foi o hacker que instalou o vírus do bolsonarismo na cabeça de 53 milhões de brasileiros", continua a matéria.

            Leia a íntegra do texto:

            A Policia Federal prendeu vários suspeitos de terem invadido os celulares de membros da Lava Jato. Moro, chefe da PF, vinha dizendo que não reconhecia a veracidade das mensagens em que ele interferia no processo legal para prejudicar o PT.

            Bolsonaro diz que também foi hackeado. Ele afirma que tudo o que o governo fez até agora foi o hacker quem fez. Declarações estúpidas, decisões trágicas, vídeo de Golden shower.

            Agora a PF precisa investigar qual foi o hacker que instalou o vírus do bolsonarismo na cabeça de 53 milhões de brasileiros.

            Fonte: https://www.brasil247.com/midia/moro-vira-piada-do-sensacionalista