segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Série Reedição: ORIGENS DAS CELEBRAÇÕES MODERNAS - Significado dos Sol...

Damares desrespeita a Constituição e diz que PMs têm direito de fazer greve


Participando em evento da ONU em Genebra (Suíça), a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos declarou que os policiais militares têm o direito de fazer greve, o que é expressamente proibido pela Constituição

24 de fevereiro de 2020, 10:52 h Atualizado em 24 de fevereiro de 2020, 16:19

(Foto: ABr | Reprodução)


247 - Em entrevista ao jornalista Jamil Chade, depois de discursar no Conselho de Direitos Humanos da ONU nesta segunda-feira (24), em Genebra, a ministra Damares Alves (da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) disse que os policiais militares têm direito a fazer greve.

"Todo mundo tem direito à greve. As categorias têm direito à greve", insistiu. "O que eu percebi é que os policiais no Ceará estão no limite", afirmou Damares ao jornalista.

Mas a Constituição proíbe greve de policiais militares e o STF  (Supremo Tribunal Federal), em decisão de 2017, estendeu o veto a agentes das polícias Civil, Militar, Federal, Rodoviária Federal, Ferroviária Federal e Corpo de Bombeiros.

"Só que o direito à greve também respeite o direito à vida, o direito à proteção, o direito de ir e vir. Só isso que estou querendo que eles [PMs amotinados no Ceará] observem", acrescentou Damares.

Ao ser questionada novamente sobre o direito de policiais fazerem greve, a ministra respondeu: "Nós temos leis que regulam a greve no Brasil. Agora, as pessoas questionam, mas as forças de segurança têm direito à greve? Direito à greve é direito à greve", insistiu.

Mais tarde, ela respondeu à reportagem pelo Twitter, postando frases genéricas e reforçando o que já havia dito a Jamil Chade. "Defendendo motim? Eu? Quanta mentira. Defendo o direito de ir e vir da população. O direito à segurança. A não violência contra policiais. E o direito de trabalhadores de reivindicar em melhores salários. Frases soltas não resumem meus posicionamentos", postou.

Damares Alves

@DamaresAlves

Defendendo motim? Eu? Quanta mentira.
Defendo o direito de ir e vir da população. O direito à segurança.
A não violência contra policiais.
E o direito de trabalhadores de reivindicar em melhores salários.
Frases soltas não resumem meus posicionamentos.

Ver imagem no Twitter

5.484

14:16 - 24 de fev de 2020 · Geneva, Switzerland

Defesa de Lula publica documentos para rebater versão falsa de Moro


Advogados Cristiano Zanin e Valeska Martins rebatem versão divulgada pelo ministro da Justiça para, segundo eles, “tentar esconder mais uma intimidação ao ex-presidente”

24 de fevereiro de 2020, 17:12 h Atualizado em 24 de fevereiro de 2020, 17:18Ex-presidente Lula e Sergio Moro Ex-presidente Lula e Sergio Moro 

247 - Os advogados Cristiano Zanin e Valeska Martins, que defendem o ex-presidente Lula, divulgaram nesta segunda-feira 24 uma nota sobre o caso em que o ministro da Justiça, Sergio Moro, tentou enquadrar Lula na Lei de Segurança Nacional, herança da ditadura militar, por uma crítica feita ao governo de Jair Bolsonaro.

PUBLICIDADE

Para contestar a versão do ministro, que segundo a coluna Painel, disse agora que houve uma confusão e que o pedido de inquérito não faz referência à Lei de Segurança Nacional, reconhecendo o erro do seu próprio Ministério, os advogados apresenatram documentos da Polícia Federal que derrubam esta versão.

"As desculpas apresentadas pelo ministro Sergio Moro após a repercussão fortemente negativa da tentativa de enquadrar o ex-presidente Lula na legislação ditatorial não apagam o fato de que, desde 26 de novembro de 2019, tinha ciência e não contestou a abertura do inquérito pela Polícia Federal com base na LSN", rebatem os advogados.

Segue nota da Defesa de Lula:

Em declaração publicada hoje (24) na coluna Painel da Folha de S. Paulo, e em comunicado distribuído à imprensa pela assessoria Ministério da Justiça e Segurança Pública, o ministro Sergio Moro tenta negar que requisitou o inquérito policial instaurado contra o ex-presidente Lula para apurar hipotética violação à Lei de Segurança Nacional (Lei nº 7.170/83).

No entanto, Lula prestou depoimento à Polícia Federal no dia 19/02/19 em inquérito instaurado com base na Lei de Segurança Nacional e requisitado pelo Ministro da Justiça e Segurança Pública. Na oportunidade, o ex-presidente demonstrou que não violou a citada lei.

As desculpas apresentadas pelo ministro Sergio Moro após a repercussão fortemente negativa da tentativa de enquadrar o ex-presidente Lula na legislação ditatorial não apagam o fato de que, desde 26 de novembro de 2019, tinha ciência e não contestou a abertura do inquérito pela Polícia Federal com base na LSN. Ao contrário, o Ministério da Justiça confirmou a existência do inquérito baseado na Lei de Segurança Nacional no mesmo dia do depoimento prestado por Lula.

Para esclarecer os fatos, após tantas versões conflitantes por parte do ministro e do Ministério, apresentarmos a cronologia abaixo:

1 – 20/11/2019: Lula gravou um vídeo de agradecimento ao MAB e aos movimentos sociais, sem fazer referência ao Presidente da República;

2 – 22/11/2020: Ministro da Justiça e da Segurança Pública requisitou a instauração de inquérito policial afirmando, de modo factualmente incorreto, que Lula terá atribuindo “falsamente responsabilidade específica por crime de assassinato, além de injuriá-lo, qualificando-o como miliciano” — situação que poderia, em tese, ser enquadrada no art. 26 da Lei de Segurança Nacional;

documento 1

3 – 26/11/2019: foi instaurado inquérito policial com expressa referência à requisição do Ministro da Justiça e da Segurança Pública e à Lei de Segurança Nacional;

documento 2

4 – 26/11/2019: o Ministro da Justiça e da Segurança Pública foi formalmente comunicado da instauração do inquérito policial contra o ex-presidente Lula a partir de sua requisição, com expressa referência à Lei de Segurança Nacional, e não apresentou qualquer contestação;

documento 3

5 – No dia 19, após o depoimento de Lula, o Ministério da Justiça reafirmou, em nota, a possibilidade de enquadrar Lula na Lei de Segurança Nacional, conforme publicado no UOL:

“O Ministério da Justiça confirmou o pedido da investigação contra Lula, “para investigar possível crime contra a honra do Presidente da República”, segundo informou a pasta, em nota (…) Segundo informou o Ministério da Justiça, a fala de Lula pode ter configurado os crimes previstos no artigo 138 do Código Penal e no artigo 26 da Lei de Segurança Nacional. Ambos tratam dos crimes de calúnia e difamação.”

Em comunicado apresentado em julho de 2016 ao Comitê de Direitos Humanos da ONU demonstramos que o então juiz Sergio Moro capitaneava uma cruzada judicial contra Lula, com objetivos políticos. A existência de um inquérito policial baseado na Lei de Segurança Nacional a partir de requisição do atual Ministro da Justiça e da Segurança Pública só reforça essa situação e escancara o lawfare praticado contra Lula.

Por Cristiano Zanin e Valeska Martins

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/defesa-de-lula-publica-documentos-para-rebater-versao-falsa-de-moro

Veja os salários iniciais da PM no país. Do Ceará é um dos mais baixos


Atualmente, o salário de soldado é de R$ 3.475,74. O governo negocia aumentar para R$ 4.500, parcelado em três vezes até 2022

Forças de segurança, incluindo o Exército, patrulham as ruas de Fortaleza

Forças de segurança, incluindo o Exército, patrulham as ruas de Fortaleza
KLEBER GONÇALVES/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

A greve dos policiais militares do Ceará, que culminou com o senador Cid Gomes (PDT-CE) baleado na quarta-feira (19), preocupa outros estados do Brasil. O salário inical da categoria no país varia de R$ 2.778 (Espírito Santo) a R$ R$ 5.767 (Goiás), segundo levantamento da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo, realizado no ano passado.

Leia também: Ceará afasta total de 168 PMs por envolvimento em motins

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará informou que atualmente o salário de um soldado da Polícia Militar do estado é fixado no valor de R$ 3.475,74. O governo ofereceu um reajuste de 29%, passando o valor para R$ 4.500,00, parcelado em três vezes até 2022. O que os policiais militares não aceitaram e mantiveram a paralisação que começou no início da semana.

Com isso, o estado vive uma onda de violência. Foram 88 assassinatos nos últimos três dias. O governo federal decretou a GLO (Garantia da Lei e da Ordem), que autorizou o envio das Forças Armadas, após tumultos e protestos realizados por policiais militares em greve.

Ranking de salários

Publicidade

Fechar anúncio

De acordo com a tabela de salários iniciais da PM, o Ceará tem o sétimo mais baixo, na frente apenas da Paraíba, São Paulo, Rio Grande do Norte, Bahia, Pernambuco e Espírito Santo.

Os estados com melhores salários são Goiás, Distrito Federal, Acre, Roraima, Amapá e Matro Grosso.

O salário inicial em cada estado*

Goiás - R$ 5.767
Distrito Federal - R$ 5.245
Acre - R$ 5.113
Roraima - R$ 5.026
Amapá - R$ 4.830
Mato Grosso - R$ 4.741
Tocantins - R$ 4.711
Rio Grande do Sul - R$ 4.689
Santa Catariana - R$ 4.581
Maranhão - R$ 4.558
Rondônia - R$ 4.232
Amazonas - R$ 4.227
Paraná - R$ 4.180
Minas Gerais - R$ 4.098
Alagoas - R$ 3.744
Pará - R$ 3.659
Rio de Janeiro - R$ 3.452
Piauí - R$ 3.371
Sergipe - R$ 3.370
Mato Grosso do Sul - R$ 3.352
Ceará - R$ 3.253
Paraíba - R$ 3.202
São Paulo - R$ 3.143
Rio Grande do Norte - R$ 2.904
Bahia - R$ 2.837
Pernambuco - R$ 2.819
Espírito Santo - R$ 2.778

* De acordo com levantamento da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo em 2019

Fonte: https://noticias.r7.com/economia/veja-os-salarios-iniciais-da-pm-no-pais-do-ceara-e-um-dos-mais-baixos-23022020?fbclid=IwAR1ieg1VsPkax6fuEdsQCb_TOdiuRqzbJVQjMzLprxJ-TX27pwVUOYDP03s

Professora apanha de aluno após chamar a atenção dele

É o fim da picada!

Professora apanha de aluno após chamar a atenção deleFoto: Reprodução/Facebook

Uma professora catarinense ficou ferida após ter sido agredida dentro da escola por um aluno de 15 anos. Marcia Friggi, de Indaial (SC), relata ter recebido uma sequência de socos depois de ter expulsado o estudante de sala por mau comportamento. O caso aconteceu no CEJA (Centro de Edução de Jovens e Adultos) da cidade.

Em uma publicação feita no Facebook na tarde desta segunda-feira, Marcia deu detalhes do incidente, que ocorreu após ela ter pedido que o aluno colocasse o livro sobre a mesa.

“Eu coloco o livro onde eu bem quiser”, foi a resposta do garoto. Depois de ser contestado, ele ofendeu a professora com um termo chulo e foi expulso de sala. Ao acompanhar o aluno, a professora acabou sendo agredida com uma sequência de socos.

A professora se disse “dilacerada”. “Estou dilacerada por ter sido agredida fisicamente. Estou dilacerada por saber que não sou a única, talvez não seja a última”, disse.

Ela também divulgou uma sequência de fotos que a mostram com o rosto sangrando logo após a agressão.Fonte: https://www.tribunapr.com.br/noticias/brasil/professora-apanha-de-aluno-apos-chamar-atencao-dele/?fbclid=IwAR3WFPRGznBHvIdQOSVJ3Tf5NPboDxM8LHLN-6z2oU7CgynkWGJS2eQgXmc

Sargento da FAB preso com cocaína em avião da comitiva de Bolsonaro faz acordo e pega 6 anos na Espanha

Segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues foi preso por levar no voo 39 kg de cocaína

Do AFP.

O militar brasileiro que foi detido em 2019 na Espanha com 39 quilos de cocaína, quando viajava como parte da tripulação de apoio do presidente Jair Bolsonaro, aceitou nesta segunda-feira (24) cumprir seis anos de prisão. A informação foi divulgada por um porta-voz do Judiciário espanhol.

— A Promotoria reduziu o pedido de prisão de oito anos para seis anos e um dia, e a defesa do militar aceitou esta pena — afirmou o porta-voz do tribunal de Sevilha (Andaluzia), local do julgamento do sargento da Aeronáutica.

Manoel Silva Rodrigues foi detido em junho do ano passado com 39 quilos de cocaína em sua mala quando fez escala em Sevilha em um avião de apoio da comitiva de Bolsonaro, que viajaria ao Japão para reunião do G20. Na ocasião, o presidente classificou o fato como “inaceitável”, exigiu uma investigação e “punição severa ao responsável”.

A Força Aérea Brasileira (FAB), responsável pela segurança do avião, anunciou o reforço das medidas de controle para prevenir este tipo de ilícito.

(…)

VEJA TAMBÉM – Exclusivo: Sargento preso com cocaína na Espanha processa Eduardo Bolsonaro, que o impede de ser ouvido na Câmara

Fonte: https://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/sargento-da-fab-preso-com-cocaina-em-aviao-da-comitiva-de-bolsonaro-faz-acordo-e-pega-6-anos-na-espanha/

domingo, 23 de fevereiro de 2020

Um domingo dantesco e preocupante


Eric Nepomuceno, do Jornalistas pela Democracia, se refere ao "teste de popularidade" de Bolsonaro no litoral paulista. "Enquanto o país afunda, essa figura tresloucada age como se nada importasse mais do que sua ânsia incontrolável de não parecer o que realmente é: uma boçalidade ambulante. E o país não reage"

23 de fevereiro de 2020, 17:21 h Atualizado em 23 de fevereiro de 2020, 18:18

(Foto: Reprodução)

 

Por Eric Nepomuceno, para o Jornalistas pela Democracia - No sábado de carnaval, um fraterno amigo ligou perguntando se eu estava no Rio ou em Petrópolis, sabedor que costumo dividir a semana entre esses dois mundos.

Respondi que não, que tinha vindo para a melhor cidade do Brasil onde passar o carnaval. “Olinda?”, perguntou ele. E respondi: “Não, não: Curitiba.” Ele ficou em silêncio por uns segundos, sem entender.

Explico: de uma caretice inigualável, a cidade que idolatra Jair Messias e Sergio Moro mergulha num silêncio olímpico, quase melancólico, nesses dias em que o país inteiro se sacode de alegria (ou último recurso de sobrevivência, vai saber...).

Como só tenho aqui um amigo, aliás esplêndido escritor, e uma amiga, fico em paz no meu canto, lendo, escrevendo e comendo de maneira esplêndida, sem hora para nada.

Estaria, pois, tudo ótimo, se eu não tivesse cometido uma asneira imensa: neste domingo, resolvi dar uma espiada no youtube.

E me deparei com algo tão patético, tão dantesco, que levei um par de minutos para entender que também se trata de algo preocupante.

Estou me referindo ao desfile de empáfia e vaidade de Jair Messias por alguns lugares de Praia Grande, uma cidade de classe média (em parte) ou classe popular (na maioria) do litoral sul de São Paulo.

Ele também perambulou pelo Guarujá, a outrora área dos elegantes que de alguns muitos anos para cá não fez mais que decair, e onde ele está guardado numa base militar.

Alguns pontos chamaram minha atenção.

O primeiro deles: as cenas gravadas tiveram o cuidado específico de concentrar as imagens fechadas, não permitindo que se calculasse a dimensão exata dos fanáticos adoradores de Jair Messias. Além disso, não mostraram os preparativos e a chegada do comboio presidencial, para transmitir a sensação de espontaneidade: o senhor presidente ia passando por ali, puro acaso, e resolveu dar uma paradinha para cumprimentar o povo.

Em todo caso, foram manifestações expressivas. É possível dizer, com margem amplíssima de segurança, que cada parada de Jair Messias reuniu ao menos um par de centenas de pessoas. Como dificilmente haveria modo de arrebanhar previamente todas elas, como é feito todo santo dia na porta do Palácio da Alvorada, existe pelo menos um verniz de autenticidade no que se viu.

O segundo ponto: a mais que justificada angústia dos seguranças de Jair Messias. Enquanto o deputado federal carioca Hélio Lopes, que é chamado de “Hélio Negão”, se dividia minuciosamente entre o papel de papagaio de pirata e o de guarda costas presidencial, os verdadeiros seguranças pareciam baratas tontas sem saber como agir.

Eu me diverti especialmente com os encarregados de carregar algo parecido a pastas de couro, mas que são escudos que podem ser abertos em frações de segundo. Jair Messias distribuindo abraços, pegando crianças no colo, abraçando velhotes e velhotas, e eles lá, desesperados por terem plena e absoluta consciência dos perigos corridos pelo fanfarrão abobado.

E, finalmente, o terceiro ponto: o esgar de Jair Messias, o seu sorriso de gesso com a autenticidade de uma nota de três reais e dez centavos, o olhar enfermiço de um desequilibrado sem volta.

Um manipulador, sim, é claro. Mas que sabe perfeitamente o que faz, e qual o seu público a ser fortalecido e, eventualmente, ampliado.

Jair Messias em ação de teste de popularidade é um espetáculo dantesco. Enquanto o país vê a economia agonizante, enquanto aberrações destroçam o sistema de educação, de saúde, do meio ambiente, das relações externas, da previdência social, dos programas sociais, enfim, enquanto o país afunda, essa figura tresloucada age como se nada importasse mais do que sua ânsia incontrolável de não parecer o que realmente é: uma boçalidade ambulante.

E aí está o aspecto preocupante do que eu e centenas de milhares de brasileiros vimos neste domingo de carnaval: o país não reage aos absurdos impostos por Jair Messias e seu governo degenerado.

É como se tudo fizesse parte de uma nova normalidade: normal o desemprego, normal policiais amotinados serem defendidos pelo presidente da República, normal o fim de programas sociais, normal tudo de tenebroso que acontece à nossa volta.

O país não reage, o povo não reage. E assim vamos todos naufragando, conduzidos por um cafajeste que ninguém controla.

Fonte: https://www.brasil247.com/blog/um-domingo-dantesco-e-preocupante

sábado, 22 de fevereiro de 2020

Lula é odiado porque deveria dar errado


Emir Sader analisa o ódio ao Lula, que é mais feroz na elite de São Paulo

publicado 05/03/2015

O Conversa Afiada reproduz artigo de Emir Sader, na Carta Maior:

Quem tem medo do Lula??

Lula é odiado porque deveria ter dado errado e deixado as elites para seguirem governando o Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador.
por Emir Sader
A direita – midiática, empresarial, partidária, religiosa – entra em pânico quando imagina que o Lula possa ser o candidato mais forte para voltar a ser presidente em 2018. Depois de ter deixado escapar a possibilidade de vencer em 2014, com uma campanha que trata de colocar o máximo de obstáculos para o governo de Dilma – em que o apelo a golpe e impeachment faz parte do desgaste –, as baterias se voltam sobre o Lula.
De que adiantaria ajudar a condenar a Dilma a um governo sofrível, se a imagem do Lula só aumenta com isso? Como, para além das denuncias falsas difundidas até agora, tratar de desgastar a imagem de Lula? Como, se a imagem dele está identificada com todas as melhorias na vida da massa da população? Como se a projeção positiva da imagem do Brasil no mundo está associada à imagem de Lula? Como se a elevação da auto estima dos brasileiros tem a ver diretamente com a imagem de Lula?
Mas, quem tem tanto medo do Lula? Por que o ódio ao Lula? Por que esse medo? Por que esse ódio? Quem tem medo do Lula e quem tem esperanças nele? Só analisando o que ele representou e representa hoje no Brasil para entendermos porque tantos adoram o Lula e alguns lhe têm tanto ódio.
Lula deu por terminados os governos das elites que, pelo poder das armas, da mídia, do dinheiro, governavam o pais só em função dos seus interesses, para uma minoria. Derrotou o candidato da continuidade do FHC e começou uma serie de governos que melhoraram, pela primeira vez, de forma substancial, a situação da massa do povo brasileiro.
Quem se sentiu afetado e passou a odiar o Lula? As elites politicas que se revezavam no governo do Brasil há séculos. Os que sentiram duramente a comparação entre a formas deles de governar e a de Lula. Sentiram que o Brasil e o mundo se deram conta de que a forma de Lula de governar é a forma de terminar com a fome, com a miséria, com a desigualdade, com a pobreza, com exclusão social. Eles sofrem ao se dar conta que governar para todos, privilegiando os que sempre haviam sido postergados, é a forma democrática de governar. Que Lula ganhou apoio e legitimidade, no Brasil, na América Latina e no mundo justamente por essa forma de governar.
Lula demonstrou, como ele disse, que é possível governar sem almoçar e jantar todas as semanas com os donos da mídia. Ele terminou seu segundo mandato com mais de 80% de referências negativas na mídia e com mais de 90% de apoio. Isso dói muito nos que acham que controlam a opinião publica e o pais por serem proprietários dos meios de comunicação.
Lula demonstrou que é possível – e até indispensável – fazer crescer o pais e distribuir renda ao mesmo tempo. Que uma coisa tem a ver intrinsecamente com a outra. Que, como ele costuma dizer, “O povo não é problema, é solução”. Dinheiro nas mãos dos pobres não vai pra especulação financeira, vai pro consumo, para elevar seu nível de vida, gerando empregos, salários, tributação.
Lula mostrou, na pratica, que o Brasil pode melhorar, pode diminuir suas desigualdades, pode dar certo, pode se projetar positivamente no mundo, se avançar na superação das desigualdades – a herança mais dura que as elites deixaram para seu governo. Para isso precisa valorizar seu potencial, seu povo, elevar sua auto estima, deixar de falar mal do país e de elogiar tudo o que está lá fora, especialmente no centro do capitalismo.
Lula fez o Brasil ter uma política internacional de soberania e de solidariedade, que defende nossos interesses e privilegia a relação solidaria com os outros países da America Latina, da África e da Ásia.
Lula foi quem resgatou a dignidade do povo brasileiro, de suas camadas mais pobres, em particular do nordeste brasileiro. Reconheceu seus direitos, desenvolveu politicas que favoreceram suas condições de vida e uma recuperação espetacular da economia, das condições sociais e do sistema educacional do nordeste.
Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo.
A melhor resposta ao ódio ao Lula é sua consagração e consolidação como o maior líder popular da  historia do Brasil. A força moral das suas palavras – que sempre tentam censurar. Sua trajetória de vida, que por si só é um exemplo concreto de como se pode superar as mais difíceis condições e se tornar um líder nacional e mundial, se se adere a valores sociais, políticos e morais democráticos.
Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia.
O Lula é a maior garantia da democracia no Brasil, porque sua vida é um exemplo de prática democrática. O amor do povo ao Lula é a melhor resposta ao ódio que as elites têm por ele.

Fonte: https://www.conversaafiada.com.br/politica/2015/03/05/lula-e-odiado-porque-deveria-dar-errado

LULA: Perguntas e respostas que não querem calar


PRESO POLÍTICO - Confira aqui a farsa criada em torno da trama para manter Lula preso e fora da disputa política

por Jornalistas Livres 11 fevereiro, 2019

Perguntas e respostas elaboradas por Valter Pomar, professor da Universidade Federal do ABC, com recortes de painel do artista plástico paraibano Flávio Tavares usados como ilustrações

1. Quantos procedimentos judiciais há contra Lula?
Centenas!

2. Por qual motivo há tantos procedimentos judiciais contra Lula?
Os inimigos dizem que Lula “fez por merecer”. A verdade é que, incapazes de derrotar Lula eleitoralmente, seus inimigos montaram uma farsa judicial com o objetivo de condenar e prender a maior liderança popular da história do Brasil. E quanto mais processos existirem, mais forte é a impressão de que “onde há fumaça, há fogo”.

3. Quantos procedimentos judiciais já foram totalmente concluídos?
Nenhum. O mais avançado é o referente ao apartamento no Guarujá, que já foi julgado em segunda instância. Depois vem o processo referente ao Sítio de Atibaia, cuja sentença de primeira instância saiu no dia 6 de fevereiro de 2019. Em seguida há o processo sobre o Terreno do Instituto Lula, que está para ser julgado em primeira instância.

4. Se nenhum procedimento judicial foi concluído, Lula não deveria estar solto?
Com certeza! Segundo a Constituição brasileira, Lula deveria estar respondendo em liberdade.

5. Se a Constituição diz que Lula deveria estar solto, por qual motivo ele está preso?Lula está preso porque, por maioria de um voto (6 contra 5), o Supremo Tribunal Federal autorizou que Lula fosse preso, mesmo que ele só tenha sido condenado em segunda instância.

6. Por qual motivo o Supremo Tribunal Federal autorizou a prisão de Lula?
A maioria dos juízes do Supremo Tribunal Federal sofreu chantagem dos meios de comunicação e do Alto Comando do Exército. Foram pressionados para que votassem contra o ex-presidente Lula, para que ele continuasse preso.

7. Mas por quê Lula foi condenado em segunda instância?
Porque os desembargadores que fazem parte do 4º Tribunal Regional Federal aceitaram a sentença escrita pelo juiz de primeira instância, embora ela não trouxesse qualquer prova contra o Lula. Ele foi condenado por “atos indeterminados”!

8. Quem era o juiz de primeira instância?
Naquele momento, era o Sérgio Moro, o atual ministro da Justiça do governo Bolsonaro! Sim: o juiz que primeiro julgou e condenou Lula, o juiz que contribuiu decisivamente para tirar Lula da disputa eleitoral, este mesmo juiz aceitou ser ministro da pessoa que foi a maior beneficiada pelo julgamento: Jair Bolsonaro. Que só ganhou a eleição porque Lula foi impedido de concorrer.

9. Se Lula mora em São Paulo, por qual motivo ele foi julgado por um juiz do Paraná?
Porque foi cometida uma fraude processual.

10. Que fraude foi essa?
Moro era responsável por julgar os processos envolvendo a Petrobrás. Para fazer Lula ser julgado por Moro, o Ministério Público incluiu, em diversos procedimentos judiciais contra Lula, acusações envolvendo a Petrobrás.

11. Esse envolvimento existia ou não existia?
Não existia e nunca existiu. Quem confirma isso é o próprio Moro, que na sentença de condenação contra Lula escreveu o seguinte: “Este juízo jamais afirmou, na sentença ou em lugar algum, que os valores utilizados pela construtora nos contratos com a Petrobrás foram utilizados para pagamento de vantagem indevida para o ex-presidente”.

12. Mas se o próprio Moro reconheceu que a acusação contra Lula não envolvia a Petrobrás, então ele não deveria ter transferido o caso para outro juiz, abrindo mão de julgar Lula?
Deveria. Mas se ele fizesse isso, a condenação não existiria ou pelo menos demoraria mais para sair. E eles queriam condenar Lula rapidamente, em tempo de impedir que ele fosse candidato à Presidência da República, nas eleições de 2018.

13. Mas afinal de contas, Moro condenou Lula com base em qual acusação?
Com a acusação de que ele teria ganho um apartamento no Guarujá, em troca de favores que ele concedeu a uma empreiteira.

14. Lula ganhou esse apartamento?
Não. Lula não é proprietário de nenhum apartamento no Guarujá. Lula nunca morou no Guarujá. Lula não tem as chaves de nenhum apartamento no Guarujá. Ninguém da família de Lula é proprietário de nenhum apartamento no Guarujá.

15. Mas Moro afirmou que o apartamento foi reformado para que Lula pudesse morar nele, não foi?
Afirmou. Acontece que é mentira do Moro. Essa reforma nunca existiu. O Movimento dos Sem Teto ocupou o tal apartamento e comprovou, com fotografias, que nunca foi feita reforma alguma. A equipe de reportagem do UOL filmou o apartamento e mostrou que a história da reforma era uma farsa inventada para ferrar o Lula.

16. De quem é o apartamento, afinal?
Segundo os registros em cartório, o apartamento é da empreiteira.

17. Mas se é assim, com base em que provas Moro condenou Lula?
Com base em uma delação premiada do dono da tal empreiteira.

18. O que é uma delação premiada?
Na delação premiada, um criminoso colabora com a polícia ou com o Ministério Público. Se as revelações que ele fizer forem do interesse da força tarefa da chamada Operação Lava Jato, então o delator pode obter prêmios: grande redução de pena, usufruir parte do dinheiro que roubou etc.

19. Mas se foi utilizada como prova, então a delação do dono da empreiteira foi confirmada?
Foi confirmada por outra delação premiada. Noutras palavras: dois criminosos se juntaram para fabricar provas contra um inocente. O inocente foi condenado, o juiz virou ministro e os delatores estão livres.

20. Mas isto não deveria ter sido levado em conta no julgamento em segunda instância?
Sim, deveria. Mas os desembargadores da 8ª Turma do 4º Tribunal Regional Federal já haviam decidido que o juiz Moro tinha o direito de julgar “no limite da lei”. Ou seja, Moro podia, no caso de Lula, “interpretar” a lei. E quando chegou a vez deles, os desembargadores fizeram o mesmo. Violaram assim um princípio constitucional: o da impessoalidade.

21. Quando o caso de Lula será julgado em terceira instância?
A qualquer momento, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) poderá julgar o recurso feito pela defesa de Lula no caso do apartamento no Guarujá.

22. Existe alguma chance de absolvição ou de revisão da pena?
Há uma maioria no STJ decidida a manter a condenação. Entretanto, pode existir alguma alteração na pena que foi aplicada pelo Tribunal Regional Federal.

23. Caso o STJ reduza a pena, Lula pode ser solto?
Em tese sim. Mas só pode ser beneficiado por progressão de pena, quem pagar as multas. E Lula foi condenado não apenas à prisão, mas também a pagar uma multa imensa. Além disso, há outros processos contra Lula que estão para ser concluídos.

24. Qual foi a acusação no caso do Sítio de Atibaia?
É parecida com a do apartamento. Lula foi acusado de ter sido beneficiário de reformas feitas num sítio. As reformas teriam sido feitas por uma empreiteira, em troca de supostos favores concedidos por Lula.

25. O sítio é de Lula?
Não, o sítio não é de Lula. Neste caso, nem mesmo Moro teve coragem para inventar isto.

26. Lula encomendou as reformas?
Não. Neste caso, pelo menos até agora, nem mesmo o delator premiado teve coragem de inventar isto.

27. Mas se o sítio não era de Lula, nem foi ele que encomendou as reformas, ele é acusado do quê?
De ter sido o beneficiário final das reformas. Ou seja: a acusação é que Lula presidiu o Brasil por 8 anos, durante seu governo uma empreiteira ganhou muito dinheiro, em troca esta empreiteira fez uma reforma num sítio que não era de Lula, mas que Lula frequentava.

28. Lula frequentava este sítio?
Sim. O sítio pertence a uma família de quem Lula é amigo desde 1978.

29. Lula também foi condenado neste processo do sítio?

Sim. No dia 6 de fevereiro de 2019, a juíza Gabriela Hardt (substituta escolhida a dedo por Sérgio Moro, agora ministro da Justiça) condenou Lula a 12 anos e 11 meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Neste caso usaram os mesmos procedimentos adotados no caso do apartamento no Guarujá, especialmente a delação premiada.

30. E qual é a acusação no caso do terreno do Instituto Lula?
A de que uma empreiteira teria favorecido o Instituto Lula com um terreno, em troca de favores concedidos por Lula quando ele era presidente.

31. O Instituto Lula recebeu este terreno?
Não, nunca!

32. Certo. Então, se o Instituto Lula nunca recebeu este terreno, Lula é acusado do quê?
Na real? De ter pretendido cometer um crime.

33. Você está de gozação?
Não. Quem está de gozação é o Ministério Público. Mas é uma gozação perversa, sem graça, porque tudo caminha para que Lula também seja condenado neste caso.

34. Com base em que provas?!?
Novamente, com base em delações premiadas, segundo as quais Lula pretendia cometer o crime de receber o tal terreno de uma empreiteira.

35. Então nas próximas semanas, Lula poderá ser novamente condenado?
Sim. Inclusive poderá ser condenado, em terceira instância, naquele primeiro processo, o do apartamento no Guarujá.

36. Além dos processos do Apartamento, do Sítio e do Terreno, há algum outro processo contra Lula que seja mais relevante?
Há sim. Há uma ação penal que afirma que Lula era chefe de uma “organização criminosa”, atuante entre 2002 e 2016, que tinha como objetivo controlar o governo federal para praticar seus ilícitos.

37. Que “organização criminosa” era essa?
Segundo a tal ação penal, a organização criminosa chefiada por Lula chama-se Partido dos Trabalhadores, o PT. Portanto, segundo a força tarefa da Operação Lava Jato, o PT não é um partido, mas uma “orcrim”. O objetivo desta ação penal é muito clara: não apenas condenar Lula, mas condenar também o PT. E se o PT for condenado, eles pretendem cassar a legenda do Partido.

38. É por esses motivos que muita gente afirma que Lula é inocente?

Sim. Quem tiver a paciência de ler as milhares de páginas dos processos, especialmente a sentença de Sérgio Moro no primeiro processo, vai se dar conta de não existem provas para condenar Lula. E na ausência de provas, ninguém pode ser condenado. Como diz o ditado: todo mundo é inocente, até prova em contrário. E no caso de Lula, a prova em contrário não apareceu. Nem vai aparecer. É por isso que juristas renomados do mundo todo, e até a Comissão de Direitos Humanos da ONU, já protestaram contra a maneira como estão sendo conduzidos esses processos contra Lula.

39. De onde você tira tanta certeza de que não vai aparecer prova alguma?
Simples: Lula é investigado desde 1980. Nunca apareceu nenhuma prova de que ele tivesse cometido nenhum crime. Já contra seus adversários, basta investigar um pouquinho que as provas aparecem. Veja o caso da família Bolsonaro.

40. Mas mesmo que não existam provas, eu não posso achar que Lula tem “culpa no cartório”?
Qualquer um pode achar o que quiser. E se você está convencido, com provas ou sem provas, de que Lula cometeu erros gravíssimos, você tem o direito de votar contra ele e contra o partido dele, o PT. Mas sem provas ninguém pode ser condenado e preso! Esta é a diferença entre política e justiça.

41. Explique melhor esta diferença.
Na disputa política, nas eleições, eu posso acreditar que alguém é um perigo para o país. Nesse caso, eu posso votar contra este alguém. Não preciso de provas para chegar a esta conclusão. Basta convicção. Mas quando se trata de um julgamento na justiça, então não basta eu ter convicção. É preciso provar. E no caso de Lula, não existe nenhuma prova.

42. Ora, se não existe nenhuma prova e ainda assim Lula foi condenado, então quem descumpriu a lei foram os promotores e juízes?
Exatamente. Por isso é que Lula é um preso político. Ele está sendo perseguido e foi preso por motivos políticos. Como seus inimigos não conseguiram derrotar Lula politicamente, fizeram isto de outro modo: usando os caminhos do poder judiciário.

43. Mas se é assim, então ele está sendo injustiçado. Como libertar Lula?
Como Lula é um preso político, sua libertação e a anulação de sua pena dependem da luta política. No momento em que a maioria do povo estiver convencida de que a condenação foi injusta e ilegal, a pressão popular tornará impossível manter Lula preso.

44. E você acha que isto vai acontecer?
Sim, isto vai acontecer. Cedo ou tarde, a justiça e a verdade acabam vencendo. Nosso desafio é fazer com que isto aconteça rapidamente. Queremos anular a sentença e colocar Lula em liberdade, para que ele ajude o povo brasileiro na luta contra o governo de extrema direita que está destruindo nossos direitos sociais, nossas liberdades democráticas e nossa soberania nacional.

8 de fevereiro de 2019

Fonte: https://jornalistaslivres.org/lula-perguntas-e-respostas-que-nao-querem-calar/

Por que as elites brasileiras odeiam Lula?


Para elas o mais importante não é, exatamente, o dinheiro. O mais importante é a distinção

por Jornalistas Livres 1 abril, 2018

Artigo de Rodrigo Perez Oliveira, professor de Teoria da História da UFBA, com foto de Guilherme Santos/Sul21

Nada diz mais sobre o Brasil, sobre o que somos há muito tempo, que a caravana de Lula pelo sul do país. Em terras sulistas, por onde Lula passou foi hostilizado pela classe proprietária, pela elite da terra.

Não!
Chamar de “hostilidade” é pouco.

O que aconteceu na etapa sulista da caravana “Lula pelo Brasil” foi uma sucessão de atentados contra a vida de Lula e de seus correligionários políticos. Começou com chicotadas, agressões e pedradas e chegou, no último dia 27 de março, a tiros de arma de fogo.

Não foi ovo, não foi cocô. Foi tiro. Tiro de arma de fogo.

Como entender essa escalada de violência na política Brasileira?

Muitos falam em “fascismo”, termo que tem notória força política e que por isso seu uso no debate público talvez tenha lá alguma importância.

Mas estou convencido de que se quisermos fazer uma interpretação mais rigorosa da realidade, o termo é equivocado, pois mais confunde do que esclarece. Definir como “fascista” a escalada da violência na política brasileira demandaria tantos reparos e observações para mostrar como o “fascismo brasileiro” é diferente daquele “fascismo clássico” europeu de meados do século XX que o próprio conceito perderia força explicativa.

Por isso, prefiro seguir uma via interpretativa doméstica, tomando as manifestações de violência contra a caravana de Lula no sul do Brasil como representativas daquilo que o Brasil é, do que sempre foi.

É este o meu esforço neste ensaio: tomo a violência contra a caravana de Lula como ponto de partida para uma interpretação do Brasil.

Começo, então, com a pergunta que não quer calar, com a pergunta que, talvez, seja a mais importante de ser feita no atual momento da história do Brasil:

Por que as elites brasileiras odeiam Lula?

Nem de longe Lula foi um Presidente revolucionário, nem de longe relou no “sagrado” direito de propriedade privava. As elites brasileiras não perderam dinheiro nos governos de Lula. Muito pelo contrário, nunca ganharam tanto.

De onde vem todo esse ódio?

Não penso que seja necessária a importação de um conceito específico da história europeia para a compreensão de uma realidade que é tão brasileira quanto a jabuticaba. Não é fascismo não, não tem nada a ver com fascismo.

O fascismo é moderno, é o desdobramento mais grotesco da modernidade.

O ódio a Lula é arcaico, deita suas raízes nos velhos valores aristocráticos, pré-modernos, na lógica da Casa Grande, em uma racionalidade de tipo antigo.

Não é fascismo não. É o Brasil mesmo.

Sei que é difícil reconhecer, mas no fundo, bem no fundinho, é só o velho Brasil de sempre. Em pouco mais de uma década de bonança, nos enganamos, fomos ingênuos, achando que o Brasil estava mudando, melhorando. Mudou não. Melhorou não. Tá igualzinho ao que sempre foi.

Não há como falar nessa atualização do “Brasil de sempre” sem dedicar alguma atenção à “instituição Lula”.

Pois sim, o “homem Lula” já morreu e deu lugar a uma instituição.

Lula é a maior instituição política da história do Brasil. É tolo quem acha que uma instituição pode ser morta com uma bala ou com uma facada. Todos os brasileiros e brasileiras terão que conviver com a “instituição Lula” daqui para frente. Ninguém mais faz política no Brasil sem passar por Lula, seja para negá-lo ou para reivindicar o seu legado.

Mas o que significa essa instituição?

Há pouco tempo, escrevi um ensaio sugerindo que no final da década de 1990 aconteceu dentro do PT a “guinada lulista”, que teve efeitos contraditórios para o maior partido político da história da esquerda latino-americana: o lulismo, ao mesmo tempo em que catapultou o PT à chefia do Poder Executivo, representou o seu colapso ideológico.

É que o lulismo aposta na conciliação de classes e ao fazê-lo acaba negando o princípio da luta de classes, que é o núcleo da identidade ideológica de qualquer partido que pretenda estar à esquerda.

O lulismo achou que era possível “ajudar os pobres sem incomodar os de cima’, na certeira formulação de Marcelo Odebrecht.

No frigir dos ovos, essa conciliação seria mesmo possível.
Com algum sacrifício da classe média e com uma situação econômica relativamente favorável, seria possível distribuir renda para os mais pobres sem contrariar os interesses dos grandes capitalistas.

Dinheiro no bolso do povão, expansão do crédito, incentivo ao consumo, bancarização das relações comerciais, investimento na exportação de commodities. Todo mundo saiu ganhando, ainda que uns tenham ganhado mais que outros.

Com o boom do consumo, ganhou o capital produtivo.

Com a bancarização das relações comerciais, ganhou o rentismo.

Com o micro-crédito, ganhou o pobre, que comprou geladeira, TV de plasma e viajou de avião pra lá e pra cá.

A fórmula funcionou durante dez anos. O fator “Dilma Rousseff” foi o principal elemento de desestabilização do sistema. Não foi o único elemento, é claro que não. Mas foi o principal.

É que Dilma tensionou demais.

Dilma tensionou com o rentismo na batalha dos spreads, tensionou com a classe política, quando acreditou que a “Operação Lava Jato” seria de fato republicana.

O golpe de 2016 não foi exatamente contra o lulismo. Foi contra o dilmismo.

Duvido que Lula cairia, duvido muito. Mas não é disso que quero falar, não aqui, não agora.

O que estou querendo dizer é que pela lógica racional do mercado, do capitalismo, não há nenhum motivo para as elites brasileiras odiarem Lula.

Os donos de terra do sul do Brasil receberam muito dinheiro do governo federal durante a Era Lula, pois a exportação das commodities era o grande combustível econômico da conciliação lulista. Era importante para o governo que os proprietários produzissem, vendessem, ganhassem dinheiro.
Lula tratou o agronegócio com muito carinho, com muito carinho mesmo.

De onde vem esse ódio? Por que os proprietários sulistas tentaram matar Lula? É por causa da corrupção?

Não, não tem nada a ver com corrupção. Há outros políticos notoriamente corruptos que não despertam o mesmo ódio. Nunca é demais lembrar que os mesmos que hoje odeiam Lula aplaudiram Eduardo Cunha e votaram em Aécio Neves. O problema dessas pessoas nunca foi a corrupção.

O ódio é arcaico, é de tipo antigo.

Lula é o nordestino, trabalhador manual, homem de berço plebeu que ousou governar.

Num país em que a política formal sempre foi assunto a ser tratado entre iguais, entre oligarcas, Lula representa o radicalismo, ainda que na posição de mandatário maior da República tenha sido bem tímido, talvez até um tanto conservador.

É que o radicalismo de Lula independe de suas ações. Lula é o próprio radicalismo, é o radicalismo em pessoa, não importa o que faça, não importa o que deixe de fazer, não importa o quanto tente conciliar.

Com aquela “alma de pobre”, com aquelas escorregadelas nas concordâncias e nos plurais, Lula jamais conseguirá conciliar por muito tempo, pois para conciliar carece antes de ser aceito como mediador. Precisa sentar à mesa.

O aristocrata não aceita sentar à mesa com o plebeu.

As elites brasileiras têm nojo de Lula, sempre tiveram. Mesmo ganhando dinheiro durante o governo Lula, elas continuaram sentindo nojo, odiando. É que para as elites brasileiras o mais importante não é, exatamente, o dinheiro. O mais importante é a distinção.

Não importa se o aquecimento do consumo é positivo para a cadeia produtiva. Quando a empregada usa o mesmo perfume que a patroa, quando o filho do porteiro começa a estudar na universidade, é o regime da distinção que está sendo abalado.

Patroa e empregada, sinhá e mucama, não podem ter o mesmo cheiro. Não importa se a empregada “tirou” o tal perfume no cartão de crédito, pra pagar em 12 suaves prestações. Não importa se a empregada, depois da jornada de trabalho, vai sacolejar duas horas no trem e no ônibus para chegar em casa, no outro lado da cidade.
O que importa é o cheiro, é o signo de distinção.

Não importa se o morador do 10° andar vai passear em Paris nas férias, enquanto o porteiro vai visitar “mainha” em Santo Amaro. O que importa mesmo é que quando começar o semestre, o filho do porteiro estará lá, na mesma sala que filho do morador do 10° andar. Olhando de longe, bem de longe, eles são iguais, são estudantes. O absurdo está aqui. O ódio vem daqui.

É isso: não tem nada a ver com fascismo. O que explica a escalada de violência na política brasileira é o ódio de uma elite arcaica que goza com a distinção.

Não é fascismo. O fascismo é a tragédia da Europa moderna. Nossa tragédia é outra.

É a tragédia de uma sociedade de modernização incompleta, forjada no escravismo e controlada por uma elite historicamente comprometida com o atraso.

Fonte: https://jornalistaslivres.org/por-que-as-elites-brasileiras-odeiam-lula/

Por que tanto ódio a Lula? Nossos leitores com a palavra. | Jornalistas Livres

jornalistaslivres.org

Por que tanto ódio a Lula? Nossos leitores com a palavra. | Jornalistas Livres

por Cesar Locatelli


Compilamos as respostas dos leitores dos Jornalistas Livres

No artigo ‘Por que tanto ódio?’ pedimos ajuda para entender a matriz de tanta energia negativa contra Lula. Obtivemos muitas contribuições e agradecemos muito por elas. Cerca de 85% dos comentários e explicações tentativas foram de pessoas que não nutrem ódio pelo ex-presidente.

Mas, claro, não faltaram aqueles que o detestam e julgam que “ele é o cara mais corrupto do Brasil”, que “ele traiu as camadas populares”, que “ele tem um fundo de investimento em marketing de 1 bilhão de dólares” e, até, que “ele mesmo plantou o ódio dividindo a sociedade em classes e incitando uma contra a outra”.

Como o discurso gerador do ódio é facilmente encontrado na mídia tradicional, optamos por focar nas explicações do ódio por parte daqueles que não odeiam Lula. Selecionamos cinco vertentes que nos pareceram principais nas contribuições dos leitores e reproduzimos algumas aqui.

Então vamos lá: Por que tanto ódio contra Lula? Nossos leitores têm a palavra.

1 Preconceito

  • É o ódio ao pobre “que não sabe seu lugar”. Só isso.
  • Pq eh nordestino, pobre, sem curso superior, chegou aqui num pau de arara, ex sindicalista, mãe analfabeta, pq a mulher foi babá, pq quando pega o microfone estraçalha o adversário, pq tem a melhor oratória do mundo, pq é sábio, pq é povo, pq é reconhecido no mundo inteiro como grande líder, pq acham q eh o maior ladrão da história.
  • O ódio sempre esteve presente – pobres e pretos sentiam mais. Lula só tirou a casca da ferida e expôs o que sempre esteve lá. A caixa de pandora foi aberta e o erro foi não ter encarado problemas antigos de frente como: um judiciário acovardado, mídias em mãos de pessoas erradas (Globo, Veja e CIA) que forneceram mais gasolina para o fogo.
  • Primeiro, o preconceito. Segundo, ele fez pelo Brasil e para os pobres o que nenhum deles invejosos fizeram. Eles não aceitam o sucesso de Lula no mundo todo e o respeito por ele conquistado.
  • Equação simplérrima: burrice+preconceito+Globo= ódio ao LULA
  • Durante muitos séculos nos fizeram acreditar que ser pobre, ou menos favorecido, era motivo de vergonha, falta de capacidade, preguiça, etc.
  • Lula faz algumas pessoas lembrarem do que elas são, de onde vieram…
  • Porque é difícil para uma “elite” preconceituosa saber que a maior autoridade do país por duas vezes foi um nordestino, sindicalista e carismático
  • É ódio de classe. Começa assim: narciso acha feio o que não é espelho. Depois: quero ser narciso.

2 Falta e manipulação de informação

  • A imprensa medieval, golpista e partidária, convenceu parte da classe C que subiu para B, com pequenos negócios, restaurantes, farmácias, panificadoras, lojas, etc, que pertenciam a classe A e AA, que eram capitalistas e por méritos próprios. Que os avanços sociais, políticos, econômicos e culturais adquiridos nestes últimos treze anos, não foram por medidas governamentais e sim a capacidade de empreendedor.
  • Porque com o golpe a elite escravocrata perdeu a pudor de externar seu ódio de classe, sua prepotência aristocrata. Porque esse ódio é cultivado dia a dia na televisão e nas revistas e jornais da mídia tradicional, conquistando uma imensidão de mentes mal instruídas.
  • Infelizmente o brasileiro se forma e informa com os grandes meios de comunicação de massas, não lê livros ou fontes mais confiáveis de informação.
  • O preconceito escravagista contra trabalhadores e trabalhadoras, mulheres, racismo, trans, lesbo, homofobia. O poder é só para um punhado de homens brancos e ricos. E a mídia que destila um ódio cotidiano ao PT. E não se tem um contraponto. E os partidos políticos que estão nas pequenas e médias cidades dominam a imprensa local e destilam diariamente em seus editoriais este ódio cotidiano. Repercutem matérias da grande mídia.
  • O Lula deu muita liberdade a meios de comunicação inescrupulosos pensou que esses meios de comunicação que na verdade é controlada pela elite ele pensou que nunca iria se rebelar contra os governo do PT e contra os partidos que governam para as pessoas menos favorecidas.

3 Inveja

  • Infelizmente, pessoas simples como ele, se perguntam por que ele chegou lá. A inveja mata, olhar para si mesmo e se sentir menor, não é fácil.
  • É que Lula incomoda de várias formas. Incomoda o homem escolarizado, que teve tudo ao seu alcance para ter, por exemplo, o poder de síntese que o Lula tem e ele com tudo na mão, não consegue.
  • Por que por mais que tentam, ninguém tem a luz do Lula. A oratória dele, comove e faz pensar. Ele desperta uma emoção tão grande que incomoda o nada.
  • Inveja, maldade, burrice, tudo junto!
  • Nunca perdoaram Lula por ele não ter absorvido a empáfia presunçosa, por exemplo, de FHC. A raiva que têm de Lula é porque ele circula abraçando favelado, suado, com a mesma naturalidade que sorri e se senta ao lado da Rainha Elizabeth II (suprema inveja!)

4 Distribuição de renda

  • Porque aqueles que fazem o bem são rejeitados e humilhados, é só acompanhar ao longo da história mundial, todos os que fizeram um bem a humanidade, foram execrados, ex; Jesus Cristo, Gandhi, Lincoln, Mandela, Getúlio Vargas, e agora Lula.
  • Por sua visão em ajudar os destituídos.
  • Por que tanto ódio? Porque as chamadas “zelites” não perdoam a “audácia” que ele teve de ser Presidente do Brasil!
  • Lula permitiu aos pobres não só sonharem com dias melhores, mas incentivou e permitiu que boa parte dos esquecidos viessem a exigir seus direitos. Essa subversão sempre custará muito caro. Muitos que ousaram pagaram com a vida. Fato!!!
  • A distribuição de renda é o maior motivo. As pessoas ainda não conseguem amar o seu próximo!
  • Acredito que assim como outras lideranças populares que tiveram grande importância cada um dentro dos seus propósitos, Lula foi eleito se tornou presidente, veio do povo é governou por um país melhor, menos desigual, mexeu com a estrutura colonial que vivíamos e por isso não é bem vindo para as elites e por quem se deixa enganar por esse pensamento conservador que faz parte de nossa sociedade.
  • Pq a senzala, os srs. do engenho, as sinhazinhas, as mucamas e os escravos têm que continuar existindo…absurdo eu estar constatando isso em 2017

5 Jogo político

  • É bem simples, por ter sido o maior sucesso da esquerda que o país já teve precisaram demonizar e transformá-lo no principal inimigo público do país.
  • Nunca houve uma quebra na estrutura de poder desse país e quem conta a história é quem vence. O povo nunca é apresentado aos fatos que lhe interessam.
  • Nordestino, pobre e “analfabeto” vira um líder jamais visto no país, incomoda a elite e aos grandes empresários que sempre manipularam o povo e sempre tiveram o controle da situação. Lula é um grande líder e isso incomoda os donos do Brasil.
  • Pq ele governou pra todos e a elite não suporta isso! Simples!
  • Porque o foco de seu governo foi o favorecimento aos mais pobres. Isso incomoda e muito.
  • Lula é aquele que fala como a vida é sem rodeios!
  • JÁ VIU ALGUÉM CHUTAR CACHORRO MORTO??? CACHORRO MORTO NÃO INCOMODA MAIS. LULA É AMEAÇA PRA ELES.

Confira aqui todos os comentários e e-mails enviados até o fechamento desta.
(excluímos aqueles que continham discurso de ódio ou fugiam ao tema.)

Fonte: https://jornalistaslivres.org/por-que-tanto-odio-lula-nossos-leitores-com-palavra/

PT lança cartilha em quatro idiomas contra “caçada judicial” a Lula

agenciabrasil.ebc.com.br

Arquivo/Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil


Para amplificar os argumentos apresentados pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva diante das acusações de corrupção ao petista, o Diretório Nacional do PT elaborou uma cartilha intitulada A Caçada Judicial ao ex-presidente Lula. Em quatro idiomas – português, inglês, espanhol e francês – a publicação será distribuída a grandes veículos de comunicação nacionais e mundiais, aos diretórios municipais e estaduais do partido, e a parlamentares e lideranças do PT de todo o Brasil.

O documento foi baseado na petição que os advogados do ex-presidente protocolaram no fim de julho na Organização das Nações Unidas (ONU) denunciando o tratamento que vem sendo dado a Lula por setores da Justiça e da mídia, aos quais a defesa acusa de perseguição. Segundo a assessoria de imprensa do PT, a cartilha já começou a ser distribuída.

“Enquanto tentam encontrar um crime – qualquer um – para condenar Lula nos tribunais, adversários do maior líder político do Brasil promovem um julgamento pela mídia, na mais violenta campanha de difamação contra um homem público em toda a história do país”, denuncia trecho da cartilha.

Ex-presidente Lula participa da 5 Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Em quatro idiomas, cartilha defende ex-presidente Lula do que seus advogados consideram uma "caçada judicial"

No documento, o PT diz que em mais de 40 anos de atividade pública, a vida de ex-presidente foi vasculhada em todos os aspectos, “mais do que a de qualquer outro político brasileiro”, e que apenas a ditadura militar condenou e prendeu Lula, em 1980, com base na Lei de Segurança Nacional, por “subversão”, durante a luta pela redemocratização do país.

“Apesar das falsas acusações que sempre sofreu, nunca se demonstrou nada de errado na vida de Lula, porque ele sempre agiu dentro da lei, antes, durante e depois de ser presidente do Brasil”, diz outra parte do documento.

Perseguição

Segundo a cartilha do PT, desde a reeleição da presidenta afastada Dilma Rousseff, em outubro de 2014, Lula tornou-se alvo de uma verdadeira caçada judicial. “Agentes partidarizados do Estado, no Ministério Público, na Polícia Federal e no Poder Judiciário, mobilizaram-se com o objetivo de encontrar um crime – qualquer um – para acusar Lula e levá-lo aos tribunais.”

No texto, o partido indica o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas ações da Operação Lava Jato na primeira instância, como um dos promotores da “perseguição” a Lula. O documento diz que Moro e procuradores da força tarefa da operação submetem o ex-presidente a uma série de “constrangimentos e arbitrariedades, que violam não apenas suas garantias, mas os princípios do Estado Democrático de Direito, ameaçando toda a sociedade”.

A cartilha cita como evidência desta perseguição as quebras dos sigilos bancário, fiscal e telefônico de Lula, de seus filhos, de sua empresa de palestras e do Instituto Lula. Segundo o documento, a perseguição também se estendeu a seus advogados.

A condução coercitiva do ex-presidente para prestar depoimento à Polícia Federal no dia 4 de março deste ano e a divulgação de uma conversa telefônica com Dilma, considerada posteriormente ilegal pelo Supremo Tribunal Federal, também demonstrariam as perseguições sofridas pelo petista, segundo a cartilha.

“Na ausência de acusações formais, pois Lula sempre agiu dentro da lei, promovem um julgamento pela mídia (trial by media), sem equilíbrio e sem direito ao contraditório. Boatos, ilações e vazamentos seletivos de investigações são divulgados com estardalhaço, num verdadeiro linchamento moral e político”, de acordo com o texto.

Colaboração

A cartilha diz ainda que o ex-presidente tem colaborado com todas as investigações e que, apenas nos últimos 12 meses, Lula prestou cinco depoimentos à Polícia Federal e apresentou informações por escrito ao Ministério Público em dois inquéritos.

O texto atribuiu boa parte da perseguição ao ex-presidente à liderança política do petista. “Lula é perseguido porque não podem derrotá-lo nas urnas. E apesar da sistemática campanha de difamação jurídico-midiática, continua sendo avaliado nas pesquisas como o melhor presidente que o Brasil já teve, além de liderar as sondagens para uma futura eleição presidencial”, diz a cartilha.

O texto diz ainda que a campanha feita contra Lula é “a maior operação de propaganda opressiva que já se fez contra um homem público no Brasil”.

Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2016-08/pt-lanca-cartilha-em-quatro-idiomas-contra-cacada-judicial-lula

Fazendeiro que escondeu Adriano da Nóbrega tem foto com Bolsonaro


Leandro Abreu Guimarães, que abrigou o miliciano Adriano da Nóbrega, morto em uma ação policial na Bahia, já tirou selfies ao lado de Jair Bolsonaro durante um evento no interior do Estado, mostra reportagem da revista Veja

21 de fevereiro de 2020, 14:40 h Atualizado em 21 de fevereiro de 2020, 17:41

(Foto: reprodução)

247 - O fazendeiro Leandro Abreu Guimarães, que abrigou o miliciano Adriano da Nóbrega, morto em uma operaçõa conjunta da PM da Bahia com a Polícia Civil do Rio de Janeiro, já tirou selfies ao lado de Jair Bolsonaro durante um evento no interior do Estado, aponta reportagem da revista Veja.

Segundo a reportagem, publicada desta sexta-feira (20), parentes do fazendeiro teriam dito que ele teria sido torturado para revelar o local onde Adriano estaria escondido após fugir de uma operação policial em um condomínio na Costa do Sauípe.

Desde que o miliciano foi morto, Jair Bolsonaro vem tentando se distanciar das suspeitas de ter algum tipo de ligação com Adriano, chegando até mesmo a questionar a quem interessaria a morte do ex-capitão do Bope do Rio e Janeiro, além de questionar como seriam feitas as perícias nos celulares apreendidos.

A reportagem relembra que “em dezembro, quando a pauta se restringia apenas ao esquema da rachadinha, o presidente disse em entrevista a VEJA que outro escândalo estava prestes a estourar e teria como origem interceptações telefônicas que mostrariam o envolvimento dele e dos filhos com o crime organizado no Rio”.

A reportagem observa, também, que Leandro e Adriano eram “amigos pelo menos desde 2017. Já como foragido, Adriano se hospedou várias vezes na fazenda de Leandro, inclusive com a mulher e a filha mais nova. Quando fugiu de um cerco policial na Costa do Sauípe, foi a Leandro que pediu ajuda”. “Também foi Leandro que, na véspera da morte, o levou da fazenda para o sítio onde Adriano seria alcançado pela polícia”.

Da fazenda de Leandro, Adriano fugiu para um outro sítio, este de propriedade do vereador Gilsinho de Dedé, filiado ao PSL, partido pelo qual Bolsonaro foi eleito. O texto da revista ressalta que “Gilsinho alega que não conhecia o ex-capitão do Bope, apesar de Adriano ter pernoitado várias vezes em sua propriedade, inclusive na companhia da mulher, Júlia”.

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/fazendeiro-que-escondeu-adriano-da-nobrega-tem-foto-com-bolsonaro

Veja embrulha Witzel e Bolsonaro na morte de miliciano, aponta Fernando Brito


A revista traz mais: o fazendeiro Leandro Abreu Guimarães, “que deu guarida a Adriano em sua fazenda no município baiano de Esplanada” e que ajudou o ex-PM a fugir de um cerco policial na Costa do Sauípe, aparece, sorridente, numa selfie com Jair Bolsonaro

22 de fevereiro de 2020, 05:01 h Atualizado em 22 de fevereiro de 2020, 09:44

Adriano Magalhães da Nóbrega e Jair  Bolsonaro Adriano Magalhães da Nóbrega e Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução | REUTERS/Adriano Machado)

Por Fernando Brito, editor do Tijolaço - Entramos no carnaval da “milícia doida”. Hoje, a Veja mergulha o governador Wilson Witzel no pantanal da morte do miliciano Adriano Nóbrega.

Ele teria recebido – segundo sua mulher, Júlia Mello Lotufo, 2 milhões de reais em dinheiro vivo para sua campanha eleitoral ao governo do Rio.

Também revelou a ela quem pediu e quem recebeu as mochilas de dinheiro — repassado, nas palavras dele, como uma espécie de investimento, um seguro que garantiria proteção para tocar seus negócios clandestinos sem ser importunado pelas autoridades, especialmente a polícia.

Witzel, claro, nega tudo e diz que vai processar a viúva de Adriano.

Ela, diz que Witzel roeu a corda da relação com o miliciano para colá-lo na testa dos Bolsonaro.

A revista traz mais: o fazendeiro Leandro Abreu Guimarães, “que deu guarida a Adriano em sua fazenda no município baiano de Esplanada” e que ajudou o ex-PM a fugir de um cerco policial na Costa do Sauípe, aparece, sorridente, numa selfie com Jair Bolsonaro.

Não é nada, é claro, senão mais uma coincidência das dúzias de “por acaso” que surgem na história das ligações milicianas do presidente.

Que mais uma? Lauro Jardim a traz: Paulo Catta Preta, advogado da família de Adriano é amigo antigo de Fred Wassef, advogado de Flávio Bolsonaro no caso das rachadinhas.

— o 01 empregava a ex-mulher e a filha de Nóbrega em seu gabinete de deputado estadual. Catta Preta, aliás, já foi até advogado da ex-mulher de Wassef, Cristina Boner.

Fonte: https://www.brasil247.com/midia/veja-embrulha-witzel-e-bolsonaro-na-morte-de-miliciano-aponta-fernando-brito

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

Solidariedade expulsa vereador Sargento Ailton


sexta-feira, fevereiro 21, 2020 Nenhum comentário

Decisão do partido tem "caráter irrevogável". Sargento Ailton é policial militar e vereador em Sobral, cidade onde o senador licenciado Cid Gomes foi baleado.

O Solidariedade expulsou do partido o vereador Sargento Ailton, de Sobral (CE). A decisão da direção nacional e do diretório regional da sigla foi comunicada nesta sexta-feira (21) e, segundo a legenda, tem caráter irrevogável.

Em nota (leia a íntegra mais abaixo), o partido afirma o parlamentar, que é policial militar, "foi flagrado como um dos líderes do motim de policiais que causaram o confronto e baleou o senador Cid Gomes".

O senador licenciado do PDT do Ceará foi baleado na última quarta-feira (19) em Sobral. Cid foi alvo dos disparos em um motim de policiais que reivindicavam aumento salarial. Quando foi atingido, ele tentava com uma retroescavadeira furar um bloqueio feito no 3º Batalhão da Polícia Militar do município.

Segundo o Solidariedade, a expulsão do vereador foi decidida em conjunto com o deputado federal e presidente nacional do Solidariedade, Paulinho da Força (SP), e o presidente estadual do partido, deputado federal Genecias Noronha, e mostra que a sigla não compactua com ações que violentem e agridem a democracia.

"Nós não trabalhamos com militância do terror que causam a depredação do patrimônio de pessoas e não podemos aceitar que policiais e agentes públicos, encapuzados e armados como milicianos, levem o terrorismo às ruas", diz trecho da nota.

Na nota o partido ressalta que não aceita esse desvio de conduta e que aplicou a sanção devida, tendo como base a gravidade da infração.

O G1 tenta contato com o vereador e aguarda uma manifestação sobre sua expulsão.

Leia a íntegra da nota do Solidariedade

Solidariedade expulsa vereador Sargento que coordenou motim no Ceará


A direção nacional do Solidariedade, junto do diretório estadual do partido no Ceará, vêm a público anunciar a expulsão do vereador Sargento Ailton do partido. O parlamentar foi flagrado como um dos líderes do motim de policiais que causaram o confronto e baleou o senador Cid Gomes.


Essa decisão, tomada em conjunto com o deputado federal e presidente nacional do Solidariedade, Paulinho da Força, e o presidente estadual do partido, deputado federal Genecias Noronha, vem mostrar que não compactuamos com ações que violentem e agridem a democracia.


O Solidariedade mantem sólidas bases democráticas e não permite que seus filiados tomem frente de ações que podem prejudicar a população. É inadmissível que um membro de nosso partido participe de ações que obriguem comerciantes fecharem suas portas e que acabe em um senador da República baleado.


Reiteramos que nosso compromisso sempre foi com a paz e o progresso do Brasil. O Solidariedade não aceita esse desvio de conduta e aplicou a sanção devida, tendo como base a gravidade da infração.


Nós não trabalhamos com militância do terror que causam a depredação do patrimônio de pessoas e não podemos aceitar que policiais e agentes públicos, encapuzados e armados como milicianos, levem o terrorismo às ruas.


Hoje vemos em diversos estados essas milícias que agem como bandidos e criam suas próprias leis. A população fica perdida sem saber quem são os marginais nesta crescente onda de violência promovida por agentes públicos fora da lei.


A decisão é de caráter irrevogável. Continuaremos trabalhando para que a paz volte a reinar no Ceará e reiteramos que não admitimos que um de nossos militantes participe desse tipo de balbúrdia que atinge diretamente a população.



Paulinho da Força

Presidente Nacional do Solidariedade e deputado federal


Genecias Noronha

Presidente do Solidariedade/CE e deputado federal

Veja mais sobre: Politica

Fonte: https://www.sobral24horas.com/2020/02/solidariedade-expulsa-vereador-sargento.html

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Brasil se torna o principal mercado mundial de pesticidas altamente perigosos, diz ONG


Avião espalha pesticida em uma plantação

© AP Photo / Gary Kazanjian

Brasil

13:05 20.02.2020(atualizado 13:06 20.02.2020) URL curta

1 0 0

Nos siga no

Fazendas de soja, milho e algodão transformaram o Brasil no principal mercado de pesticidas altamente perigosos, disse o projeto de jornalismo do Greenpeace no Reino Unido, Unearthed, em comunicado à imprensa nesta quinta-feira, citando os resultados de uma investigação conjunta com uma ONG suíça.

A investigação foi conduzida após a visita de dezembro do relator especial da ONU, Baskut Tuncak, ao Brasil, quando ele criticou o governo do país da América Latina por desencadear "uma onda catastrófica de pesticidas tóxicos, desmatamento e mineração que envenenarão gerações".

O funcionário da ONU também alertou sobre as altas chances de uma "epidemia de envenenamentos por pesticidas".

"As vastas plantações brasileiras de soja, milho e algodão o transformaram no mercado mais importante do mundo para pesticidas altamente perigosos, segundo uma investigação conjunta da Unearthed e da ONG suíça Public Eye", afirmou o comunicado à imprensa.

De acordo com a Unearthed, a análise detalhada dos dados referentes a mais de US$ 20 bilhões em vendas de agroquímicos em 2018 estabeleceu que o Brasil, considerado lar de 20% da biodiversidade restante do mundo, era o principal consumidor de pesticidas altamente perigosos para a saúde e para o meio ambiente.

"Quase dois terços desses gastos brasileiros com pesticidas altamente perigosos (HHP) foram para as vastas fazendas de soja do país, cultivadas para atender à demanda global de ração animal para galinhas, porcos, vacas e peixes", acrescentou a ONG.

Em 2019, o presidente Jair Bolsonaro introduziu várias medidas para aliviar o já fraco controle de pesticidas do país, o que contribuiu para a rápida expansão do cultivo de soja com o uso de agrotóxicos.

Nesse contexto, o candidato ao Prêmio Nobel e o líder indígena brasileiro de renome mundial Raoni Metuktire, no início de fevereiro, pediu ao governo do Reino Unido que introduzisse regras comerciais estritas sobre as importações de soja para alimentação animal. Em particular, de acordo com um documento informativo, ele pedia regras comerciais mais rígidas sobre pesticidas na soja da região amazônica.

Fonte: https://br.sputniknews.com/brasil/2020022015239835-brasil-se-torna-o-principal-mercado-mundial-de-pesticidas-altamente-perigosos-diz-ong/

Maia, Gilmar e Doria veem escalada de ‘autoritarismo’ no Planalto


O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que a “linha dura” continua instalada no Palácio do Planalto, após Jair Bolsonaro insultar uma repórter da Folha. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), criticou o ocupante do Planalto por manifestações que não contribuem com “a evolução da democracia”

20 de fevereiro de 2020, 08:09 hRodrigo Maia, Gilmar Mendes, João Doria e Jair Bolsonaro Rodrigo Maia, Gilmar Mendes, João Doria e Jair Bolsonaro (Foto: Câmara dos Deputados | STF | Gov. SP | Carolina Antunes/PR)

247 - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes e dez parlamentares discutiram o que consideram uma “escalada autoritária” de Jair Bolsonaro contra a imprensa, os governadores, o Congresso e outras representações da democracia.

Maia afirmou que a “linha dura” continua instalada no Palácio do Planalto, mas, de acordo com o parlamentar, o Congresso tocará as reformas tributária e administrativa, mesmo sem a iniciativa ou o apoio do Executivo. Os relatos sobre a insatisfação no meio político contra o ocupante do Planalto foram publicados no jornal O Estado de S.Paulo.

O ministro Gilmar Mendes reclamou da “bonomia” (bondade, falta de maldade, leniência) com que instituições e setores da sociedade convivem com as agressões de Bolsonaro. Ele defendeu o “fim dessa bonomia”.

Doria criticou Bolsonaro por manifestações que não contribuem com “a evolução da democracia”. Nesta quarta-feira (19), após encontro com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), cobrou de Bolsonaro “diálogo e entendimento”.

Nesta terça-feira (18), Bolsonaro insultou com insinuação sexual a jornalista Patricia Campos Mello, do jornal Folha de S.Paulo, por causa de reportagens sobre o disparo em massa de fake news no WhatsApp para favorecer o ocupante do Planalto. "Ela [repórter] queria um furo. Ela queria dar o furo a qualquer preço contra mim [risos dele e dos demais]".

Fonte: https://www.brasil247.com/poder/maia-gilmar-e-doria-veem-escalada-de-autoritarismo-no-planalto

Brasil está sendo convertido em nação de patifes pelo clã Bolsonaro, diz Veríssimo


"O apatifamento de uma nação começa pela degradação do discurso público e pela baixaria como linguagem corriqueira, adotadas nos mais altos níveis de uma sociedade embrutecida", diz ele

20 de fevereiro de 2020, 05:57 h Atualizado em 20 de fevereiro de 2020, 06:00

 

247 – "Apatifar, nos diz o Aurélio, significa tornar desprezível, aviltar, envilecer. Pessoas se apatifam, nações inteiras podem se apatifar, ou serem apatifadas", diz o escritor Luis Fernando Verissimo, em coluna publicada nesta quinta-feira no jornal Estado de S. Paulo. "É impossível observar o Brasil de hoje sem a sensação de estar assistindo a uma pantomima tragicômica, à decomposição de um Estado que, dissessem o que dissessem de governos anteriores - inclusive os lamentáveis -, mantinha, pelo menos, a linha, o que é mais do que se pode dizer da atuação de Bolsonaro & Filhos no palco do poder", afirma.

"O apatifamento de uma nação começa pela degradação do discurso público e pela baixaria como linguagem corriqueira, adotadas nos mais altos níveis de uma sociedade embrutecida. Apatifam-nos pelo exemplo. Milícias armadas impõem sua lei do mais forte e mais assassinos com licença tácita para matar. Há uma guerra aberta com a área de cultura e a ameaça de um retrocesso obscurantista nas prioridades de um governo que ainda não aceitou Copérnico, o que dirá Darwin. Aumentam os cortes de gastos sociais, além de cortes em direitos históricos dos trabalhadores. Aumenta a defloração da Amazônia. Aumentam as ameaças à imprensa", aponta ainda o escritor.

Fonte: https://www.brasil247.com/cultura/brasil-esta-sendo-convertido-em-nacao-de-patifes-pelo-cla-bolsonaro-diz-verissimo

Misoginia de Bolsonaro leva parlamentares à PGR pelo crime de quebra de decoro


Foto: Carlos Roberto-Secom-PGR

O Brasil assiste estupefato a mais um espetáculo de horrores protagonizado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro. Insulto, agressão, calunia e difamação contra a jornalista Patrícia de Campos Mello estão cunhados na fala proferida por Bolsonaro na terça-feira (18), e que levaram parlamentares da Câmara e do Senado a ingressarem na tarde desta quarta-feira (19), com uma representação junto à Procuradoria-Geral da República pelo crime de quebra de decoro por parte do presidente Bolsonaro.

“Olha a jornalista da Folha de S.Paulo… Tem mais um vídeo dela aí. Não vou falar aqui porque tem senhoras aqui do lado. Ela falando: ‘Eu sou (…) do PT’, certo? O depoimento do Hans River foi final de 2018 para o Ministério Público, ele diz do assédio da jornalista em cima dele. (…) Ela [repórter] queria um furo. Ela queria dar o furo a qualquer preço contra mim [risos dele e dos demais]”, consta na representação, essa fala de Jair Bolsonaro que caracteriza a quebra de decoro do presidente.

A manifestação machista e misógina causou indignação e preocupação do Congresso Nacional representados nas 74 assinaturas que consignam a representação na PGR.

A deputada Natália Bonavides (PT-RN), uma das signatárias da ação, disse que assinou a representação por considerar dois fatos “gravíssimos” na fala do presidente. Um deles é o ataque às mulheres. “Quando a autoridade máxima da República trata com desprezo uma mulher, essa autoridade está legitimando uma violência que acontece a cada dia dentro de casa, no transporte público, no ambiente de trabalho, enfim, em tantos ambientes nos quais nós mulheres passamos por violência”, disse indignada a deputada.

Liberdade de imprensa

Outro ponto grave considerado pela parlamentar é o ataque contra a liberdade de imprensa, contra a democracia. “Gostaria de reforçar o símbolo negativo que isso representou no ataque à imprensa. A democracia não avisa quando está morrendo. Está acontecendo hoje no Brasil uma escalada autoritária e uma das faces dessa escalada autoritária é forma desrespeitosa e violenta com a qual o presidente Bolsonaro trata os jornalistas. Diante de tudo isso, não podíamos nos omitir”, afirmou.

Esse encaminhamento institucional, continuou Natália, vai além da denúncia política, ela exige uma resposta da PGR “para que tome providências, para que apure se essa fala do presidente vai ser normalizada, se as instituições vão assistir omissas e caladas a essa escalada do autoritarismo no Brasil”.

Fonte: https://ptnacamara.org.br/portal/2020/02/19/misoginia-de-bolsonaro-leva-parlamentares-a-pgr-pelo-crime-de-quebra-de-decoro-contra-jornalista-da-folha/

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Pelo menos três pessoas atiraram na direção de Cid Gomes

Em edição antecipada, Istoé pede o impeachment de Bolsonaro


Em edição especial, a revista Istoé pede abertamente o impedimento de Jair Bolsonaro. A edição estampa em sua capa: 'de acordo com a Constituição, o chefe de Estado já deu caudalosas razões para a abertura de processo de impeachment. Cabe agora aos demais poderes o papel e o dever de investigar e julgar a conduta do inquilino do Planalto"

19 de fevereiro de 2020, 22:02 h


Bolsonaro e Capa da Istoé Bolsonaro e Capa da Istoé (Foto: Myke Sena/ Metrópoles)

 

247 - Em edição antecipada, a revista Istoé pede abertamente o impedimento de Jair Bolsonaro. A edição estampa em sua capa: 'de acordo com a Constituição, o chefe de Estado já deu caudalosas razões para a abertura de processo de impeachment. Cabe agora aos demais poderes o papel e o dever de investigar e julgar a conduta do inquilino do Planalto."

PUBLICIDADE

O texto ainda lembra o ataque de Bolsonaro à jornalista Patrícia Campos Mello: "ao fazer menções abjetas de conotação sexual contra a jornalista Patrícia Campos Mello, Bolsonaro volta a dar demonstrações inequívocas de que fere o decoro e a liturgia do cargo que ocupa".

Fonte: https://www.brasil247.com/midia/em-edicao-antecipada-istoe-pede-o-impeachment-de-bolsonaro

Frota: para defender o filho, Bolsonaro “já mexeu no Coaf, no MP, na PF, já fez acordos com STF”


"Medo da perícia nos celulares , mas durante anos empregaram a mãe e a esposa do miliciano. Para defender o filho já mexeu no Coaf no MP na PF, já fez acordos com STF, agora diz que ele mandou homenagear um herói um grande homem. Fica nervoso toda vez que o assunto vem à tona", escreveu o deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) no Twitter

19 de fevereiro de 2020, 10:23 h

(Foto: Câmara | PR)247 - Ex-filiado ao PSL, o deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) compartilhou no Twitter um vídeo com Jair Bolsonaro dizendo que "em alguns momentos, os grupos de extermínio são bem-vindos".

"Medo da perícia nos celulares, mas durante anos empregaram a mãe e a esposa do miliciano. Para defender o filho já mexeu no Coaf no MP na PF, já fez acordos com STF, agora diz que ele mandou homenagear um herói um grande homem. Fica nervoso toda vez que o assunto vem à tona", escreveu o parlamentar no Twitter.

Nesta terça-feira (18), Bolsonaro demonstrou preocupação com a perícia nos celulares do miliciano Adriano da Nóbrega. "Quem fará a perícia nos telefones do Adriano? Poderiam forjar trocas de mensagens e áudios recebidos? Inocentes seriam acusados do crime?", escreveu ele na rede social.

Alexandre Frota 77

@alefrota77

Medo da perícia nos celulares , mas durante anos empregaram a mãe e a esposa do miliciano .Para defender o filho já mexeu no Coaf no MP na PF, já fez acordos com STF, agora diz que ele mandou homenagear um herói um grande homem. Fica nervoso toda vez que o assunto vem à tona .

Vídeo incorporado

228

08:33 - 19 de fev de 2020

Jair M. Bolsonaro

@jairbolsonaro

· 18 de fev de 2020

- A quem interessa não haver uma perícia independente? Sua possível execução foi "queima de arquivo"?
- Sem uma perícia isenta os verdadeiros criminosos continuam livres até para acusar inocentes do caso Marielle.

Ver imagem no Twitter

Jair M. Bolsonaro

@jairbolsonaro

- PS.: quem fará a perícia nos telefones do Adriano? Poderiam forjar trocas de mensagens e áudios recebidos? Inocentes seriam acusados do crime?

16,6 mil

07:09 - 18 de fev de 2020

Fonte: https://www.brasil247.com/regionais/sudeste/frota-para-defender-o-filho-bolsonaro-ja-mexeu-no-coaf-no-mp-na-pf-ja-fez-acordos-com-stf

Lula: ataques ao PT foram parte de uma guerra contra os mais pobres


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou a diminuição do número de beneficiários do programa Bolsa Família. Em julho de 2017, 12,7 milhões de famílias foram atendidas pelo programa. Foi o menor índice dos últimos oito anos. "Os ataques contra o PT tinham esse objetivo: tirar os direitos dos trabalhadores e acabar com a proteção aos mais pobres", afirmou o ex-presidente no Twitter

19 de fevereiro de 2020, 11:29 h

(Foto: Ricardo Stuckert | PR | ABr)

247 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou a diminuição do número de beneficiários do programa Bolsa Família. Em julho de 2017, 12,7 milhões de famílias foram atendidas pelo programa. Foi o menor índice dos últimos oito anos. O ano de 2019 teve a segunda menor quantidade de beneficiários em 8 anos: 13,1 milhões de famílias em novembro, de acordo com o Ministério da Cidadania. Em dezembro, o número foi o mesmo. Em janeiro subiu para 13,2 milhões de famílias atendidas, com benefício médio de R$ 191.

"Os ataques contra o PT tinham esse objetivo: tirar os direitos dos trabalhadores e acabar com a proteção aos mais pobres", afirmou o ex-presidente no Twitter.

Criado em 2003, o programa atende famílias com filhos de até 17 anos em condições de pobreza - renda entre R$ 89,01 e R$ 178, e extrema pobreza, com renda de até R$ 89.

No governo Jair Bolsonaro, a fila de brasileiros que esperam para receber dinheiro do programa Bolsa Família chega a 3,5 milhões de pessoas, o que representa 1,5 milhão de famílias de baixa renda, de acordo com matéria de Vinícius Valfré e Adriana Fernandes, do jornal O Estado de S.Paulo.

Lula

@LulaOficial

Os ataques contra o PT tinham esse objetivo: tirar os direitos dos trabalhadores e acabar com a proteção aos mais pobres. https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2020/02/19/cortes-no-bolsa-familia-impulsionam-aumento-da-extrema-pobreza-no-brasil.htm …

Cortes no Bolsa Família impulsionam aumento da extrema pobreza no Brasil

Em cinco anos, o Bolsa Família —programa de transferência de renda criado em 2003 e ...

noticias.uol.com.br

2.142

10:29 - 19 de fev de 2020

Oposição a Bolsonaro e propostas do PT para tirar o País da crise pautam reunião de Lula com petistas

Foto: Gabriel Paiva

Por onde passa, o ex-presidente Lula mobiliza acalorados debates acerca da conjuntura política. E não foi diferente na reunião das Bancadas do PT na Câmara e no Senado, na tarde desta terça-feira (18), em Brasília. Luiz Inácio Lula da Silva propôs que o PT atue com mais força e radicalidade nas pautas apresentadas pelo governo de Jair Bolsonaro que estão levando o País e o povo brasileiro à ruína.

Ao lado dos líderes do PT na Câmara, Enio Verri (PR), e do Senado, Rogério Carvalho (SE), Lula destacou que o partido precisa dialogar com a sociedade brasileira sobre os retrocessos implementados no Brasil desde o golpe de 2016. “Eles estão destruindo tudo aquilo que construímos em nossos governos”, criticou, ao se referir ao legado de políticas públicas e de programas sociais que foram criados durante as gestões petistas (2003-2016).

Fotos: Gabriel Paiva

Para Lula, o partido precisa explicitar o debate sobre o fim da soberania nacional e sobre a agenda ultraneoliberal de Paulo Guedes (Ministro da Economia), que propõe vender todas as empresas públicas e destruir o Estado brasileiro.

Para enfrentar a crise econômica que tem atingido o povo brasileiro, é importante difundir o Programa Emergencial de Emprego e Renda, produzido pelo PT, que está sendo debatido com as centrais sindicais e organizações populares, que prevê iniciativas de recuperação do emprego e da renda no País. “Essa pauta precisa chegar à base, estar na ordem do dia, em todas as agendas pelo Brasil”, receitou.

Petroleiros

Lula disse que o PT é solidário e está junto com os petroleiros na greve que já dura 18 dias no País. O ex-presidente orientou que o partido participe, apoie e denuncie a perseguição que os grevistas sofrem, inclusive do Tribunal Superior do Trabalho (TST). Ele afirmou que as Bancadas do PT na Câmara e no Senado agem corretamente em oferecer apoio à paralisação dos trabalhadores da Petrobras, em defesa da soberania nacional, contra a venda da estatal, contra as demissões e pela diminuição dos preços dos combustíveis. “Temos um caminho: continuarmos solidários com os petroleiros”.

Lula, que esteve reunido pela primeira vez com as bancadas após deixar a prisão política em Curitiba, considera primordial que deputados e senadores coloquem na agenda partidária e legislativa temas como a soberania nacional, a geração de emprego e renda, a reforma tributária solidária e o novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

Futuro

Ao concluir sua intervenção, Luiz Inácio Lula da Silva frisou que falar sobre futuro significa garantir a geração de mais empregos e renda além de melhorar as condições de trabalho, pois os trabalhadores estão desprotegidos desde a aprovação da Reforma Trabalhista e dos retrocessos na legislação, que acabam com os direitos sociais, previdenciários e trabalhistas. Para Lula, o novo “é garantir que as pessoas voltem a comer, estudar e ter emprego e renda. Nada é mais novo do que isso, pois os retrocessos que o País vive acabam com todos esses direitos”, observou. Por fim, Lula reafirmou que o PT não pode perder a relação com a luta social, que sempre construiu em seus 40 anos de existência. “É isso que nos dá força”, finalizou.

Também participaram da reunião a presidenta Nacional do PT, Gleisi Hoffmann (PR), o ex-candidato à Presidência da República Fernando Haddad, além de membros da Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores.

Carlos Leite

Fonte: https://ptnacamara.org.br/portal/2020/02/18/oposicao-a-bolsonaro-e-propostas-do-pt-para-tirar-o-pais-da-crise-pautam-reuniao-de-lula-com-petistas/