sábado, 29 de fevereiro de 2020

Lula e Dilma serão estrelas de evento com prefeita de Paris


Além de receber o título de cidadão honorário em Paris na próxima semana, Lula vai participar de um debate com a prefeita da cidade, Anne Hidalgo, que concedeu a honraria ao líder petista. A ex-presidente Dilma Rousseff também vai participar do debate

28 de fevereiro de 2020, 13:47 h Atualizado em 28 de fevereiro de 2020, 15:01

(Foto: Ricardo Stuckert)

PT na Câmara - Os ex-presidentes Lula e Dilma irão serão destaques em Paris na semana que vem. O ex-presidente irá  receber o título de cidadão honorário da capital francesa e irá participar também de um debate com a prefeita da cidade, Anne Hidalgo, que concedeu a honraria ao líder petista. A ex-presidente Dilma Rousseff também vai participar do debate.

O encontro será na noite de segunda-feira (2) no Theatre du Gymnase, em Paris. A homenagem foi dada a Lula pelo Conseil de Paris (Conselho de Paris), o equivalente a uma Câmara dos Vereadores, em outubro do ano passado. Na época, ele estava preso em Curitiba.

Na mesma viagem, Lula irá para Genebra e Berlim, onde se reunirá com lideranças religiosas, políticas e sindicais.

Fonte: https://www.brasil247.com/mundo/lula-e-dilma-serao-estrelas-de-evento-com-prefeita-de-paris

Contrariado agora, Bolsonaro votou a favor de orçamento impositivo até o ano passado


Depois do estresse causado por declarações anticongresso, chega a informação de que o próprio jair Bolsonaro apoiou o Orçamento impositivo em 2015 e 2019, fruto da suposta indisposição entre Executivo e Legislativo

29 de fevereiro de 2020, 18:17 h Atualizado em 29 de fevereiro de 2020, 18:47 (Foto: Antonio Cruz - ABR)

247 - Depois do estresse causado por declarações anticongresso, chega a informação de que o próprio Jair Bolsonaro apoiou o orçamento impositivo em 2015 e 2019, fruto da suposta indisposição entre Executivo e Legislativo.

A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo destaca que "duas votações no Congresso, que criaram e ampliaram o chamado Orçamento impositivo, em 2015 e 2019, tiveram apoio dos governistas e do próprio presidente Jair Bolsonaro. Em meio a um impasse entre Planalto e Congresso, deputados bolsonaristas têm se posicionado contra um novo aumento no valor de emendas obrigatórias e argumentam que a aprovação tornaria a execução orçamentária dos ministérios impossível."

A matéria ainda informa que "o aumento do Orçamento impositivo foi aprovado no ano passado com apoio do governo Bolsonaro. Uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) deu às bancadas estaduais a prerrogativa de indicar emendas obrigatórias. A proposta teve voto favorável da maioria da bancada do PSL."

Fonte: https://www.brasil247.com/regionais/brasilia/contrariado-agora-bolsonaro-votou-a-favor-de-orcamento-impositivo-ate-o-ano-passado

Gleisi: Bolsonaro é um mentiroso e seu projeto econômico é um fracasso


A presidente do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann, desmentiu Bolsonaro, que tentou culpar o PT pelo fracasso econômico que encontra-se o País. “Deixe de ser mentiroso Bolsonaro, seu projeto econômico é um fracasso. Culpar o PT não cola mais. Vai pro quinto ano que não governamos”, disse ela

29 de fevereiro de 2020, 10:35 h Atualizado em 29 de fevereiro de 2020, 10:47

Gleisi: depois de Witzel fazer caçada humana, Bolsonaro facilita a vida de caçadores com as armas Gleisi: depois de Witzel fazer caçada humana, Bolsonaro facilita a vida de caçadores com as armas (Foto: Ricardo Stuckert/Agência Brasil)

 

247 - A presidente do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann, usou suas redes sociais na manhã deste sábado para desmentir Bolsonaro, que tentou culpar o PT pelo fracasso econômico que encontra-se o País. “Deixe de ser mentiroso Bolsonaro, seu projeto econômico é um fracasso. Culpar o PT não cola mais. Vai pro quinto ano que não governamos”, disse ela.

No início da manhã deste sábado, Bolsonaro postou em suas redes mais uma vez o bordão “culpa do PT”: “Foram anos de destruição do PT e seus aliados”, disse ele.

Gleisi aproveitou para destacar o foco do caos ecônomico brasileiro: "A situação é culpa da política neoliberal de Temer e aprofundada por vc. Sem investimento, sem valorização do salário mínimo, redução do Bolsa Família", expôs.

Gleisi Hoffmann

@gleisi

Deixe de ser mentiroso Bolsonaro, seu projeto econômico é um fracasso. Culpar o PT não cola +. Vai pro 5* ano q ñ governamos. A situação é culpa da política neoliberal de Temer e aprofundada por vc. S/ investimento, s/ valorização do salário mínimo, redução do Bolsa Família...

Ver imagem no Twitter

543

10:12 - 29 de fev de 2020

Fonte: https://www.brasil247.com/regionais/sul/gleisi-bolsonaro-e-um-mentiroso-e-seu-projeto-economico-e-um-fracasso

Bolsonaro atenta contra as instituições o tempo todo, diz advogado


Para o cientista político e membro do Instituto de Advogados Brasileiros (IAB) Jorge Rubem Folena, Bolsonaro provoca as instituições, desde o primeiro dia do governo

29 de fevereiro de 2020, 05:36 h Atualizado em 29 de fevereiro de 2020, 07:33

(Foto: Antonio Cruz - ABR)

Da Rede Brasil Atual – O presidente Jair Bolsonaro voltou a mentir nesta quinta-feira (27) durante transmissão no Facebook, ao afirmar que o vídeo que compartilhou por WhatsApp se tratava de uma manifestação convocada em 2015. A peça traz a cena da facada sofrida por ele durante a campanha eleitoral, em 2018, contrariando a versão do presidente. Por conta do choque de versões, #BolsonaroMentiroso era o tema mais comentado no Twitter durante a manhã desta sexta (28).

Durante a transmissão, ele atacou novamente a imprensa, alegando que deturpam seus pronunciamentos. Mais do que isso, afirmou que vai pedir aos empresários da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) para que deixem de anunciar no jornal Folha de S.Paulo. Insinuou, ainda, que poderia fazer o mesmo contra O Estado de S. Paulo, cuja jornalista divulgou a informação que ele compartilhou vídeos convocando para manifestações de grupos de extrema-direita contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF).

Ao sugerir o boicote ao jornal, Bolsonaro fere mais uma vez o princípio da impessoalidade, pois utiliza a influência do cargo para atingir interesses pessoais. Assim como a investida contra os demais poderes da República, ambos os atos poderiam configurar crime de responsabilidade, segundo o artigo 37 da Constituição Federal.

Para o cientista político e membro do Instituto de Advogados Brasileiros (IAB) Jorge Rubem Folena, Bolsonaro provoca as instituições, desde o primeiro dia do governo. O mais grave, segundo ele, é que o presidente deu a sua nova versão, mas em momento algum desmentiu que tivesse compartilhado os vídeos incitando as manifestações contra os poderes. Mais que crime de responsabilidade, esse tipo de conduta seria classificado como “crime comum”.

“Bolsonaro passou dos limites há muito tempo. Não temos um governo. É um desgoverno completo. Bolsonaro até então não fez nada pelo Brasil. Se alguém puder apontar algum ato positivo para o país, vai ser algo inusitado. Não há. Ao contrário. Há desgaste e perda de capacidade econômica. Há todo um desmonte do Estado de bem-estar social. E o tempo inteiro com provocações num já frágil Estado democrático de direito. A violação à Constituição é permanente. Ao ponto de saímos da linha tênue do crime de responsabilidade e passarmos para um crime comum”, disse Folena aos jornalistas Marilu Cabañas e Glauco Faria, para o Jornal Brasil Atual, nesta sexta.

Segundo o advogado, o processo de impeachment contra Bolsonaro já deveria ter sido aberto desde o ano passado. Ele cita agressões aos povos indígenas, ao presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, e à primeira-dama da França, Brigitte Macron, entre outros casos. “As posições do presidente não têm sido as de um chefe de Estado.”

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/bolsonaro-atenta-contra-as-instituicoes-o-tempo-todo-diz-advogado

Vômito de Vera Magalhães é alentador e falta agora a sua autocrítica


Colunista Jeferson Miola diz que a jornalista "finalmente sentiu" o mesmo que ele "quando ela e seus colegas, empregados da Globo, SBT, Record, Band, Estadão, Folha etc aplaudiam ou acobertavam as bestialidades repugnantes do Bolsonaro e seus milicianos porque tinham como alvo o PT"

28 de fevereiro de 2020, 21:19 h Atualizado em 28 de fevereiro de 2020, 23:03

Jair Bolsonaro e Vera Magalhães Jair Bolsonaro e Vera Magalhães (Foto: Marcos Corrêa/PR | Reprodução)

Não deixa de ser alentador que Vera Magalhães tenha vomitado com as bestialidades do Bolsonaro, porque ela finalmente sentiu o mesmo que eu senti quando ela e seus colegas, empregados da Globo, SBT, Record, Band, Estadão, Folha etc aplaudiam ou acobertavam as bestialidades repugnantes do Bolsonaro e seus milicianos porque tinham como alvo o PT, Lula, Dilma, Haddad, petistas e a esquerda.

Lamento que ela tenha entendido tarde demais que, com seu "jornalixo", estavam abrindo as portas do inferno para a saída do monstro que agora os atormenta e ameaça.

Mas a Vera – assim como seus colegas que antes aplaudiam Bolsonaro e suas milícias – podem agora se redimir, e fazer jornalismo de verdade, mostrando que Bolsonaro representa uma ameaça ao pouco que resta de Estado de Direito e, sobretudo, mostrando que o canalha Sérgio Moro [o juiz ladrão e capanga de milicianos, como disse Glauber Braga] é tão nefasto e ameaçador ao país e ao Estado de Direito quanto seu chefe miliciano.

A Vera Magalhães e seus colegas arrependidos serão muito bem vindos no combate ao fascismo.

Mas antes, por favor, façam a devida autocrítica e se juntem a nós na defesa da democracia contra o fascismo.

Fonte: https://www.brasil247.com/blog/vomito-de-vera-magalhaes-e-alentador-e-falta-agora-a-sua-autocritica

Haddad: "Bolsonavírus - alvos preferidos são mulheres, pobres, pretos, nordestinos, LBGTs..."


Em artigo, Fernando Haddad aponta o erro de considerar Bolsonaro uma exceção no universo das elites brasileiras: "Bolsonaro é a recidiva agressiva de nossas patologias insuperadas"

29 de fevereiro de 2020, 07:01 h Atualizado em 29 de fevereiro de 2020, 07:33

 

247 - Em artido na Folha de S. Paulo, Fernando Haddad faz uma análise de Jair Bolsonaro à liz da antropologia e usa uma formulação de Lilia Schwarcz, no livro “Sobre o Autoritarismo Brasileiro” no qual ela "descreve as pragas trazidas pelos colonizadores da América portuguesa. São velhos conhecidos nossos: escravismo, patrimonialismo, mandonismo, patriarcalismo, intolerância etc".

Para Haddad, com Bolsonaro "aquelas características congênitas voltam a se manifestar ainda com mais força, causando uma espécie de estupefação nos que não foram infectados. Trata-se de uma nauseante “redescoberta” do Brasil, um pesadelo acordado".

Bolsonaro, informa Hadad, é um "vírus oportunista" que tem,  "seus alvos preferenciais": mulheres, pobres, pretos, nordestinos, LBGTs, professores, jornalistas, cientistas, artistas etc., "ou seja, todos aqueles que representam, de alguma forma, uma ameaça, ainda que difusa, ao status quo são considerados inimigos".

"Assim, nada mais errôneo do que considerar Bolsonaro um raio em céu azul ou um acidente de percurso. Bolsonaro é a recidiva agressiva de nossas patologias insuperadas", avalia o ex-prefeito.

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/haddad-bolsonavirus-alvos-preferidos-sao-mulheres-pobres-pretos-nordestinos-lbgts

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Sem confiança em Guedes e Bolsonaro, investidores já tiraram R$ 34 bi da bolsa em 2020


Com a economia comandada pela dupla Jair Bolsonaro e Paulo Guedes patinando e sem dar mostras de reaquecimento,os estrangeiros já retiraram R$ 34,908 bilhões do mercado acionário brasileiro. Na última quarta-feira (26) a saída chegou a R$ 3,068 bilhões, maior retirada já feita em um único dia por investidores estrangeiros desde 1994

28 de fevereiro de 2020, 13:57 h Atualizado em 28 de fevereiro de 2020, 15:01

(Foto: Reuters)

247 - A bolsa de valores (B3) registrou na última quarta-feira (26) a saída de R$ 3,068 bilhões, maior retirada já feita em um único dia por investidores estrangeiros desde 1994. Ao longo dos dois primeiros meses do ano, os estrangeiros já retiraram R$ 34,908 bilhões do mercado acionário brasileiro.

Retirada acontece em meio à paralisação da economia resultante da instabilidade política do governo Jair Bolsonaro, do fracasso da política econômica comandada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e meio ao pânico do mercado financeiro mundial provocado pela disseminação do coronavírus.

Também na quarta-feira, o Ibovespa despencou, registrando uma queda de 7%, indo aos 105.718,29 pontos, e um giro financeiro de R$ 33,2 bilhões. Em fevereiro, a saída de recursos estrangeiros da bolsa de valores acumula um déficit R$ 15,750 bilhões.

Fonte: https://www.brasil247.com/economia/sem-confianca-em-guedes-e-bolsonaro-investidores-ja-tiraram-r-34-bi-da-bolsa-em-2020-kliw0kjp

Organizações ampliam protestos em repúdio a ato apoiado por Bolsonaro


Reação popular a protesto do dia 15, manifestações em defesa da democracia acontecerão nos dias 8, 14 e 18 de março

28 de fevereiro de 2020, 15:58 h Atualizado em 28 de fevereiro de 2020, 16:04

(Foto: Rodrigo Pialho)

Lu Sudré, Brasil de Fato - Centrais sindicais, movimentos sociais e feministas incluíram a defesa do Estado Democrático de Direito entre as principais bandeiras de manifestações populares que já estavam agendadas para o mês de março.

A articulação acontece em resposta a protesto de grupos autoritários contra o Congresso Nacional, marcado para o próximo dia 15 de março.

O ato organizado por defensores do governo veio à tona no início da semana, após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) compartilhar um vídeo no Whatsapp com a convocatória para a mobilização.

De acordo com especialistas entrevistados pelo Brasil de Fato, o presidente feriu a Constituição Federal e cometeu crime de responsabilidade ao incitar protestos contra a Câmara dos Deputados, Senado e Supremo Tribunal Federal (STF). 

Entre as manifestações que tiveram sua agenda ampliada em defesa da democracia, estão o 8 de março, Dia Internacional de Luta da Mulher, atos que acontecerão no dia 14 de março, data que marca dois anos do assassinato da vereadora Marielle Franco e  manifestações em defesa dos serviços e dos funcionários públicos, convocadas para o dia 18 desse mês.

“Uma pauta central neste 8 de março é o 'Fora Bolsonaro'. Não é só contra ministro X ou Y, 'Fora Guedes' ou 'Fora Damares'. Queremos esse governo todo fora, não tem salvação. Esse governo inteiro é um retrocesso para as mulheres. Já vínhamos afirmando e isso se torna cada vez mais claro, que é um governo fascista. Suas afirmações são fascistas”, diz Maria Júlia Montero, da Marcha Mundial de Mulheres (MMM). 

Em reunião conjunta realizada nesta quinta (27), a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Força Sindical, CSP-Conlutas, Intersindical e outras centrais, reafirmaram a unidade na “defesa intransigente” das instituições e do Estado Democrático de Direito.

Com o mesmo objetivo, as entidades participarão de encontro que acontecerá em Brasília com partidos políticos e movimentos sociais na próxima terça, 3 de março.

Wagner Gomes, secretário-geral da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), ressalta a importância das manifestações contra o autoritarismo.

“Cada vez fica mais evidente que Bolsonaro e o grupo que o rodeia pretende implantar uma política no país de uma mão só. Essas declarações servem para coesionar os apoiadores dele e para dar um recado, como quem diz: 'não atrapalhem o governo que não vou aceitar'. Então, manda um recado para o Congresso, que tem dificultado algumas loucuras que ele tenta fazer ”, avalia Gomes, em relação ao apoio do presidente aos atos do 15 de março.

“Ou reagimos para ele sentir a resistência ou ele vai fazer coisa pior. Está testando a sociedade. O filho dele já defendeu o AI-5 e outras propostas anti-democráticas. Ele [Bolsonaro] vai acostumando a sociedade a ouvir essas coisas que são repudiáveis”, completa o sindicalista.

Seja no dia 8, 14 ou 18, as manifestações contarão com a atuação de diversas categorias, com destaque para o setor da educação. Após a área ter enfrentado um ano turbulento com Bolsonaro e Abraham Weintraub no Ministério da Educação (MEC), estudantes, professores e servidores agora também sairão às ruas em defesa do ensino público e da democracia.

Heleno Araújo, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, condena a realização dos protestos da direita contra o Congresso Nacional, corroborados por Jair Bolsonaro.

“Achamos uma aberração, uma falta de conduta ética e moral de um presidente da República. Estamos unificando nossas ações no dia 8 de março, para colocar muita gente na rua no dia Internacional da Mulher, para nos contrapormos ao dia 15 [ato pró-Bolsonaro]”, endossa Araújo.

Ele destaca também a mobilização do dia 18, organizada primeiramente pelos estudantes e posteriormente ganhou adesão de servidores públicos contra o desmonte da máquina estatal como todo.

“Estamos orientando nossas entidades a realizar a atividade do dia 18 de março em locais simbólicos em defesa da democracia e do serviço público. Então, Câmaras Municipais e Assembleias Legislativas serão pontos de concentração ou de término das manifestações, trazendo essa relação de proteção do Legislativo como espaços de democracia necessária para nosso país”, defende o presidente do CNTE.

Servidores na mira

Considerada um ataque ao funcionalismo público pelas centrais sindicais, a reforma administrativa defendida por Paulo Guedes é alvo de repúdio das entidades e estará no centro da manifestação marcada para o fim do mês.

Para Wagner Gomes, a proposta tem como objetivo a terceirização e a privatização.  “A reforma que ele quer fazer acaba com a estabilidade do funcionalismo, com a aposentadoria e enxuga o quadro drasticamente. A política dele é o Estado mínimo. Para isso, ele tem que diminuir tudo e chegou a vez do funcionalismo”, critica o integrante da CTB.

Os metroviários, em São Paulo, também estão se organizando para as manifestações do mês de março. Segundo Sérgio Magalhães, diretor do Sindicato dos Metroviários SP, os trabalhadores também estão sendo alvos de uma política de privatização permanente.

O dirigente explica que o governo de João Doria (PSDB) desrespeita acordos coletivos da categoria que, desde o fim do ano passado, tem sofridos ataques intensos.

Entre eles, conforme elenca Magalhães, a retirada do adicional de periculosidade para trabalhadores da área elétrica, restrições ao adicional noturno, o fim das bilheterias, que estão sendo substituídas por novas tecnologias,  impactando o trabalho dos bilheteiros.

Além disso, o sindicalista conta que pessoas que entraram com processo contra a companhia estão sofrendo retaliações. “Esses ataques já existem e são muito parecidos com os que acontecem em outras empresas, preparando a companhia para ficar palatável para o mercado, com uma folha de pagamento baixa e com poucos direitos”, analisa Magalhães.

Ele destaca a importância da articulação nacional. “É necessário uma unidade nacional, mais do que nunca, para sairmos à rua para lutar contra o governo. Tanto federal quanto em nível estadual. O dia 18 se transforma em um ponto de convergência de todas as lutas de resistência que vinham em curso e tiveram um salto de qualidade com essa ofensiva neofascista do governo federal. Vamos nos engajar com tudo nessa batalha”

Os metroviários estão com assembleia da categoria marcada para a próxima terça-feira (3) e greve indicada para o dia 4.

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/organizacoes-ampliam-protestos-em-repudio-a-ato-apoiado-por-bolsonaro

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

DCM: ex-presidentes do Brasil articulam manifesto em defesa da democracia


Segundo o jornalista Kiko Nogueira, "está em curso uma articulação para que os ex-presidentes vivos do Brasil se unam em favor da democracia", depois da notícia de que Jair Bolsonaro convocou para os atos contra o Congresso

26 de fevereiro de 2020, 15:09 h Atualizado em 26 de fevereiro de 2020, 15:39


FHC, Sarney, Dilma, Lula e Collor FHC, Sarney, Dilma, Lula e Collor (Foto: PR)

247 - Os ex-presidentes da República do Brasil estão articulando um manifesto em defesa da democracia para ser lido em conjunto, depois da notícia de que Jair Bolsonaro convocou para os atos contra o Congresso, informa o jornalista Kiko Nogueira, do DCM.

A ideia, diz uma fonte ao site, é juntar José Sarney, Fernando Collor, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff para um manifesto conjunto à nação. Os três últimos já se manifestaram sobre a convocação de Bolsonaro

Fonte: .https://www.brasil247.com/poder/dcm-ex-presidentes-do-brasil-articulam-manifesto-em-defesa-da-democracia

Lula cobra reação do Congresso à convocação golpista feita por Bolsonaro e Heleno


"É urgente que o Congresso Nacional, as instituições e a sociedade se posicionem diante de mais esse ataque para defender a democracia", disse ele

25 de fevereiro de 2020, 22:58 h Atualizado em 26 de fevereiro de 2020, 07:49

O ex presidente Luiz Inacio Lula da Silva durante  Festival PT 40 anos, no Rio de Janeiro. O ex presidente Luiz Inacio Lula da Silva durante Festival PT 40 anos, no Rio de Janeiro. (Foto: Cláudio Kbene)

 

247 – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também foi às redes sociais para cobrar a reação do Congresso Nacional contra a convocação golpista feita por Jair Bolsonaro nesta terça-feira. "É urgente que o Congresso Nacional, as instituições e a sociedade se posicionem diante de mais esse ataque para defender a democracia", disse ele. Confira todos os tweets:

Lula

@LulaOficial

Bolsonaro e o general Heleno estão provocando manifestações contra a democracia, a constituição e as instituições, em mais um gesto autoritário de quem agride a liberdade e os direitos todos os dias.

20,4 mil

22:51 - 25 de fev de 2020

Lula

@LulaOficial

· 14h

Respondendo a @LulaOficial

É urgente que o Congresso Nacional, as instituições e a sociedade se posicionem diante de mais esse ataque para defender a democracia.

Lula

@LulaOficial

O que o Brasil precisa é gerar empregos, tirar o povo da pobreza. Bolsonaro nunca combinou com democracia. É um falso patriota que entrega nossa soberania aos EUA e condena o povo à pobreza. Um falso moralista que acoberta o Queiroz e outros corruptos e criminosos.

5.068

22:51 - 25 de fev de 2020

Fonte: https://www.brasil247.com/poder/lula-cobra-reacao-do-congresso-a-convocacao-golpista-feita-por-bolsonaro-e-heleno

Decano do STF, Celso de Mello aponta crime de responsabilidade de Bolsonaro


O decano do Supremo Tribunal Federal, ministro Celso de Mello, divulgou nota na manhã desta quarta-feira falando em "face sombria" de Bolsonaro e indicando enquadramento em crime de responsabilidade

26 de fevereiro de 2020, 09:30 h Atualizado em 26 de fevereiro de 2020, 10:31

(Foto: STF | Reuters)

247 - Leia a Nota do decano do STF, ministro Celso de Mello da manhã desta quarta-feira (26) a respeito da convocação de manifestações pelo fechamento do Congresso Nacional feita por Jair Bolsonaro na terça:

“Essa gravíssima conclamação, se realmente confirmada, revela a face sombria de um presidente da República que desconhece o valor da ordem constitucional, que ignora o sentido fundamental da separação de poderes, que demonstra uma visão indigna de quem não está à altura do altíssimo cargo que exerce e cujo ato, de inequívoca hostilidade aos demais Poderes da República, traduz gesto de ominoso desapreço e de inaceitável degradação do princípio democrático!!! O presidente da República, qualquer que ele seja, embora possa muito, não pode tudo, pois lhe é vedado, sob pena de incidir em crime de responsabilidade, transgredir a supremacia político-jurídica da Constituição e das leis da República!”

Fonte: https://www.brasil247.com/poder/decano-do-stf-celso-de-mello-aponta-crime-de-responsabilidade-de-bolsonaro

Gilmar rebate Bolsonaro: o respeito mútuo entre os Poderes é pilar do Estado de Direito


O ministro do STF Gilmar Mendes usou suas redes sociais para rebater Bolsonaro, que convocou manifestações contra o Congresso Nacional.” A harmonia e o respeito mútuo entre os Poderes são pilares do Estado de Direito, independente dos governantes de hoje ou de amanhã”, diz ele

26 de fevereiro de 2020, 11:03 h Atualizado em 26 de fevereiro de 2020, 11:54Bolsonaro exonera ex-mulher de Gilmar Mendes do conselho da Itaipu Bolsonaro exonera ex-mulher de Gilmar Mendes do conselho da Itaipu

 

247 - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes usou sua conta no Twitter nesta quarta-feira (26) para fazer a defesa do Estado Democrático de Direito. Sua fala rebate a ação de Jair Bolsonaro em convocar uma manifestação no dia 15 de março contra o Congresso Nacional.

“A CF88 garantiu o nosso maior período de estabilidade democrática. A harmonia e o respeito mútuo entre os Poderes são pilares do Estado de Direito, independemente dos governantes de hoje ou de amanhã. Nossas instituições devem ser honradas por aqueles aos quais incumbe guardá-las”, diz ele.

Veja:

Gilmar Mendes

@gilmarmendes

A CF88 garantiu o nosso maior período de estabilidade democrática. A harmonia e o respeito mútuo entre os Poderes são pilares do Estado de Direito, independemente dos governantes de hoje ou de amanhã. Nossas instituições devem ser honradas por aqueles aos quais incumbe guardá-las

6.902

10:47 - 26 de fev de 2020

Alexandre Frota entrará com pedido de impeachment de Bolsonaro


O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) pediu a advogados que preparem um pedido de impeachment contra Jair Bolsonaro, devido à incitação da população contra o Congresso e o STF

26 de fevereiro de 2020, 11:15 h Atualizado em 26 de fevereiro de 2020, 11:54

Alexandre Frota e Jair Bolsonaro Alexandre Frota e Jair Bolsonaro (Foto: Câmara dos Deputados | PR)

247 - Ex-aliado de Jair Bolsonaro,  o deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) pediu a advogados que preparem um pedido de impeachment contra Jair Bolsonaro, devido à incitação da população contra o Congresso e o STF. Frota pretende apresentar o pedido nos próximos dias. A informação é do jornalista Guilherme Amado, em sua coluna no porta Época.

Frota criticou a iniciativa e prometeu trabalhar nas trincheiras das redes contra o antigo amigo.

“Eu acabo de solicitar a uma junta de advogados que, diante dos fatos, ameaças e do disparo do vídeo do celular dele. Vou entrar com o impeachment, vou assinar. Bolsonaro prometeu que sempre lutaria pela democracia. Mentiroso. Ele está abrindo uma crise institucional”, afirmou.

Fonte: https://www.brasil247.com/poder/alexandre-frota-entrara-com-pedido-de-impeachment-de-bolsonaro

PSOL chama o povo às ruas contra tentativa de golpe


O PSOL, presidido por Juliano Medeiros, emitiu uma nota de repúdio aos atos contra o Congresso Nacional convocados por Jair Bolsonaro. "O envolvimento direto de Bolsonaro na convocação dessas manifestações marca um sentido de ruptura democrática, o que é inaceitável", continua

26 de fevereiro de 2020, 11:45 h Atualizado em 26 de fevereiro de 2020, 11:55

O PSOL, presidido por Juliano Medeiros, convoca o povo às ruas contra Bolsonaro O PSOL, presidido por Juliano Medeiros, convoca o povo às ruas contra Bolsonaro (Foto: Divulgação)

247 - O PSOL, presidido por Juliano Medeiros, emitiu uma nota de repúdio aos atos contra o Congresso Nacional convocados por Jair Bolsonaro. As mobilizações estão previstas para aconteceram no dia 15 de março. Em nota, o partido chama a população para protestar contra a iniciativa do ocupante do Planalto.

"É nas ruas que se pode derrotar a extrema-direita. A hora é de mobilização contra o golpismo e Bolsonaro!", diz. "O envolvimento direto de Bolsonaro na convocação dessas manifestações marca um sentido de ruptura democrática, o que é inaceitável", continua.

"É preciso uma resposta dura. O silêncio dos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal precisa ser rompido urgentemente. Medidas podem e devem ser tomadas no âmbito do STF", afirma.

Leia a íntegra da nota:

O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) repudia veemente a participação do Presidente da República, Jair Bolsonaro, na convocação de manifestações de caráter golpista que pedem o fechamento do Congresso Nacional. Essa atitude se soma a outras que marcam o caráter antidemocrático do projeto bolsonarista - disseminação de preconceito e intolerância, ameaças à oposição, louvação de regimes autoritários - mas representa um passo a mais na escalada autoritária da extrema-direita: o envolvimento direto de Bolsonaro na convocação dessas manifestações marca um sentido de ruptura democrática, o que é inaceitável.

Ao envolver-se diretamente na convocação de manifestações pelo fechamento do Congresso Nacional, Bolsonaro comete crime de responsabilidade e crime de improbidade. É preciso uma resposta dura. O silêncio dos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal precisa ser rompido urgentemente. Medidas podem e devem ser tomadas no âmbito do STF.

O PSOL convoca toda a sua militância e simpatizantes para as mobilizações do mês de março (8 de março, Dia Internacional de Luta das Mulheres; 14 de março, dois anos do assassinato de Marielle; 18 de março, Greve Nacional da Educação) e se somará às mobilizações convocadas pelos movimentos sociais através da Frente Povo Sem Medo para deter imediatamente a escalada autoritária de Bolsonaro. A conivência das instituições permitiu que se chegasse a tal situação. Portanto, é nas ruas que se pode derrotar a extrema-direita. A hora é de mobilização contra o golpismo e Bolsonaro!

Fonte: https://www.brasil247.com/poder/psol-chama-o-povo-as-ruas-contra-tentativa-de-golpe

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

Folha prepara a ‘mãe de todas as bombas’ contra Moro


Publicado em 22 junho, 2019

Brasília- DF 30-03-2017 Juiz Sergio Moro durante depoimento na comissão de reforma do Código de Processo Penal.o Lula Marques/Agência PTOs mundos político, jurídico e midiático aguardam para as próximas horas que a Folha publique a ‘mãe de todas as bombas’ contra o ministro Sérgio Moro.

Nos bastidores do jornalismo, são fortes os rumores de que o fundador do site Intercpet, Glenn Greenwald, compartilhou seus áudios e vídeos com a Folha –sua nova parceira na série #VazaJato.

“Já estamos trabalhando com outros jornais/revistas no arquivo”, comunicou o jornalista na última quinta-feira (20), detalhando os termos das parceiras:

1) mais revelações serão reportados mais rapidamente;

2) ninguém pode alegar que a reportagem tem um viés ideológico; e

3) quem quiser prender os que divulgar este material terá que prender muitos jornalistas.

LEIA TAMBÉM
Dono da Havan pede demissão de Sheherazade por ela ser “comunista”

Segundo os sites Brasil 247 e Revista Fórum, as primeiras reportagens desta parceria devem ser divulgadas na edição deste domingo (23) do jornal, com o objetivo de comprovar a autenticidade das mensagens trocadas entre procuradores da Lava Jato e o ex-juiz e atual ministro da Justiça.

Acerca das reportagens do Intercept

O combate à corrupção era feito com métodos corruptos, fora da lei, segundo revelou o site The Intercept ao Brasil e ao mundo.

1- juiz e acusação afastaram e escalaram procuradores para o caso Lula;

2- eles combinaram estratégia comum [julgador e MPF] para agravar a situação de acusado;

3- eles vazaram seletivamente para a velha mídia com a finalidade de prejudicar uma das partes;

4- eles protegeram político do PSDB que não queriam melindrar e, portanto, proteger de seus rigores midiáticos; e

5- aliás, eles faziam o plano de mídia conjuntamente contra adversários políticos e adversários.

Glenn Greenwald

@ggreenwald

Já estamos trabalhando com outros jornais/revistas no arquivo. Significa: 1) mais revelações serão reportados mais rapidamente; 2) ninguém pode alegar que a reportagem tem um viés ideológico; 3) quem quiser prender os que divulgar este material terá que prender muitos jornalistas

41,5 mil

10:36 - 20 de jun de 2019

Fonte: https://www.esmaelmorais.com.br/2019/06/folha-prepara-a-mae-de-todas-as-bombas-contra-moro/?fbclid=IwAR0VeGoO_mMj00F_DKhSONFy9TRJWYe6NBHI1tGfrraYC__GGwdoygqTuFw

Bolsonaro manda o Exército ‘se preparar’ para o artigo 142


Presidente disse que conversou com as Forças Armadas sobre possíveis manifestações no Brasil

Henrique Gimenes - 23/10/2019 14h36

Presidente Jair Bolsonaro pediu ao Exército para se preparar para o artigo 142 Foto: José Dias/PR

De olho nas manifestações que ocorrem no Chile, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que já conversou com o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, para que as Forças Armadas se preparem a possibilidade da mesma coisa acontecer no Brasil. De acordo com ele, a intenção é preparar o uso do artigo 142, “que é pela manutenção da lei e da ordem”.

A declaração foi dada em Tóquio, Japão, na manhã desta quarta-feira (23).

+ Em vídeo, Bolsonaro 'leão' é cercado por opositores 'hienas'
+ Bolsonaro pode criar o Partido da Defesa Nacional
+ Bolsonaro deseja boa sorte a Joice nas eleições de 2020

– Nos preparamos [para possíveis manifestações]. Conversei com o ministro de Defesa sobre a possibilidade de ter movimentos como tivemos no passado, parecidos com o que está acontecendo no Chile, e logicamente essa conversa, ele leva a seus comandantes, e a gente se prepara para usar o artigo 142 [sobre as Forças Armadas], que é pela manutenção da lei e da ordem, caso eles venham a ser convocados por um dos três poderes – ressaltou.

O presidente disse que este tipo de preparo “não deixa de ser” uma atividade constitucional. A intenção é não ser surpreendido por movimentos de esquerda, especialmente “no momento em que se encontra a America do Sul”.

– Não podemos ser surpreendidos, temos que ter a capacidade de nos antecipar a problemas (…) A intenção deles [movimento de esquerda] é atacar os EUA e se auto ajudarem para que seus partidos à esquerda tenha ascensão. Dinheiro nosso brasileiro, do BNDES, irrigou essa forma de fazer política – apontou.

O Chile passa por uma onda de protestos contra a desigualdade por todo o país. Até o momento, 18 pessoas já morreram devido aos confrontos.

ARTIGO 142
O artigo 142 afirma que as Forças Armadas “são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem”.

A atuação delas em episódios extraordinários pode acontecer com autorização do presidente. No entanto, é preciso também que o Congresso Nacional reconheça a legalidade da ação e autorize a atividade para a qual foi convocada.

Além disso, o artigo também trata dos direitos e deveres dos militares.

*Atualizada às 15h30

Fonte: https://pleno.news/brasil/politica-nacional/bolsonaro-manda-o-exercito-se-preparar-para-o-artigo-142.html?fbclid=IwAR2AeQpUh9Rf2lBMJ7QcEALylvfJoU8O7GZ5awbGmsYS5bVpzF1L2kpwm4c

TSE só não anula se não quiser

bolsonaro fakenews

TSE só não anula se não quiser. Folha descobre empresa que distribuiu milhões de mensagens ilegais pró Bolsonaro via WhatsApp

18 de junho de 2019

Salvar

Publicado no Blog do Mello

A mesma Patrícia Campos Mello, que divulgou durante a campanha que empresários estavam pagando (o que é ilegal) o disparo de milhões de mensagens em favor da campanha de Bolsonaro, com ataques a Haddad e ao PT, com as famosas mamadeiras de piroca e kit gay, divulga agora o nome de uma empresa e de seu proprietário, que teria disparado alguns milhões dessas mensagens. O TSE agora só não anula a eleição se não quiser.

A informação, que aparece em gravações obtidas pela Folha, é do espanhol Luis Novoa, dono da Enviawhatsapps.
Nos áudios, ele diz que “empresas, açougues, lavadoras de carros e fábricas” brasileiros compraram seu software para mandar mensagens em massa a favor de Bolsonaro.
Além de obter o áudio, a Folha confirmou posteriormente detalhes da conversa.
De acordo com Novoa, ele não sabia que seu software estava sendo usado para campanhas políticas no Brasil e só tomou conhecimento quando o WhatsApp cortou, sob a alegação de mau uso, as linhas telefônicas de sua empresa.

A Folha teve acesso a uma gravação em que o empresário conta tudo. Grupos de empresários contrataram sua empresa para disparar mensagens via WhatsApp, sua especialidade.

Somente quando teve várias linhas bloqueadas é que ele veio a descobrir que elas estavam sendo utilizadas para campanha política de Bolsonaro à presidência da República.

Coisa que já foi divulgada pela mesma repórter ainda durante a campanha e pela mesma Folha, e que depois foi corroborada por várias outras reportagens, algumas aqui do blog, mostrando que Bolsonaro foi eleito mediante fraude.

Agora a bola está com a ministra Rosa Weber, atual presidente do TSE. É só botar o pessoal para trabalhar, porque o processo está lá no TSE, desde a eleição.

Bolsonaro vai destruindo o país e o TSE nada…

Fonte: https://bemblogado.com.br/site/tse-so-nao-anula-se-nao-quiser-folha-descobre-empresa-que-distribuiu-milhoes-de-mensagens-ilegais-pro-bolsonaro-via-whatsapp/?fbclid=IwAR2T56C2ltJZJSomXHvpVBQ9GAIXx8MDDJMzc9rN3Nf7cU_GTgJ4DbwR71k

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Série Reedição: ORIGENS DAS CELEBRAÇÕES MODERNAS - Significado dos Sol...

Damares desrespeita a Constituição e diz que PMs têm direito de fazer greve


Participando em evento da ONU em Genebra (Suíça), a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos declarou que os policiais militares têm o direito de fazer greve, o que é expressamente proibido pela Constituição

24 de fevereiro de 2020, 10:52 h Atualizado em 24 de fevereiro de 2020, 16:19

(Foto: ABr | Reprodução)


247 - Em entrevista ao jornalista Jamil Chade, depois de discursar no Conselho de Direitos Humanos da ONU nesta segunda-feira (24), em Genebra, a ministra Damares Alves (da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) disse que os policiais militares têm direito a fazer greve.

"Todo mundo tem direito à greve. As categorias têm direito à greve", insistiu. "O que eu percebi é que os policiais no Ceará estão no limite", afirmou Damares ao jornalista.

Mas a Constituição proíbe greve de policiais militares e o STF  (Supremo Tribunal Federal), em decisão de 2017, estendeu o veto a agentes das polícias Civil, Militar, Federal, Rodoviária Federal, Ferroviária Federal e Corpo de Bombeiros.

"Só que o direito à greve também respeite o direito à vida, o direito à proteção, o direito de ir e vir. Só isso que estou querendo que eles [PMs amotinados no Ceará] observem", acrescentou Damares.

Ao ser questionada novamente sobre o direito de policiais fazerem greve, a ministra respondeu: "Nós temos leis que regulam a greve no Brasil. Agora, as pessoas questionam, mas as forças de segurança têm direito à greve? Direito à greve é direito à greve", insistiu.

Mais tarde, ela respondeu à reportagem pelo Twitter, postando frases genéricas e reforçando o que já havia dito a Jamil Chade. "Defendendo motim? Eu? Quanta mentira. Defendo o direito de ir e vir da população. O direito à segurança. A não violência contra policiais. E o direito de trabalhadores de reivindicar em melhores salários. Frases soltas não resumem meus posicionamentos", postou.

Damares Alves

@DamaresAlves

Defendendo motim? Eu? Quanta mentira.
Defendo o direito de ir e vir da população. O direito à segurança.
A não violência contra policiais.
E o direito de trabalhadores de reivindicar em melhores salários.
Frases soltas não resumem meus posicionamentos.

Ver imagem no Twitter

5.484

14:16 - 24 de fev de 2020 · Geneva, Switzerland

Defesa de Lula publica documentos para rebater versão falsa de Moro


Advogados Cristiano Zanin e Valeska Martins rebatem versão divulgada pelo ministro da Justiça para, segundo eles, “tentar esconder mais uma intimidação ao ex-presidente”

24 de fevereiro de 2020, 17:12 h Atualizado em 24 de fevereiro de 2020, 17:18Ex-presidente Lula e Sergio Moro Ex-presidente Lula e Sergio Moro 

247 - Os advogados Cristiano Zanin e Valeska Martins, que defendem o ex-presidente Lula, divulgaram nesta segunda-feira 24 uma nota sobre o caso em que o ministro da Justiça, Sergio Moro, tentou enquadrar Lula na Lei de Segurança Nacional, herança da ditadura militar, por uma crítica feita ao governo de Jair Bolsonaro.

PUBLICIDADE

Para contestar a versão do ministro, que segundo a coluna Painel, disse agora que houve uma confusão e que o pedido de inquérito não faz referência à Lei de Segurança Nacional, reconhecendo o erro do seu próprio Ministério, os advogados apresenatram documentos da Polícia Federal que derrubam esta versão.

"As desculpas apresentadas pelo ministro Sergio Moro após a repercussão fortemente negativa da tentativa de enquadrar o ex-presidente Lula na legislação ditatorial não apagam o fato de que, desde 26 de novembro de 2019, tinha ciência e não contestou a abertura do inquérito pela Polícia Federal com base na LSN", rebatem os advogados.

Segue nota da Defesa de Lula:

Em declaração publicada hoje (24) na coluna Painel da Folha de S. Paulo, e em comunicado distribuído à imprensa pela assessoria Ministério da Justiça e Segurança Pública, o ministro Sergio Moro tenta negar que requisitou o inquérito policial instaurado contra o ex-presidente Lula para apurar hipotética violação à Lei de Segurança Nacional (Lei nº 7.170/83).

No entanto, Lula prestou depoimento à Polícia Federal no dia 19/02/19 em inquérito instaurado com base na Lei de Segurança Nacional e requisitado pelo Ministro da Justiça e Segurança Pública. Na oportunidade, o ex-presidente demonstrou que não violou a citada lei.

As desculpas apresentadas pelo ministro Sergio Moro após a repercussão fortemente negativa da tentativa de enquadrar o ex-presidente Lula na legislação ditatorial não apagam o fato de que, desde 26 de novembro de 2019, tinha ciência e não contestou a abertura do inquérito pela Polícia Federal com base na LSN. Ao contrário, o Ministério da Justiça confirmou a existência do inquérito baseado na Lei de Segurança Nacional no mesmo dia do depoimento prestado por Lula.

Para esclarecer os fatos, após tantas versões conflitantes por parte do ministro e do Ministério, apresentarmos a cronologia abaixo:

1 – 20/11/2019: Lula gravou um vídeo de agradecimento ao MAB e aos movimentos sociais, sem fazer referência ao Presidente da República;

2 – 22/11/2020: Ministro da Justiça e da Segurança Pública requisitou a instauração de inquérito policial afirmando, de modo factualmente incorreto, que Lula terá atribuindo “falsamente responsabilidade específica por crime de assassinato, além de injuriá-lo, qualificando-o como miliciano” — situação que poderia, em tese, ser enquadrada no art. 26 da Lei de Segurança Nacional;

documento 1

3 – 26/11/2019: foi instaurado inquérito policial com expressa referência à requisição do Ministro da Justiça e da Segurança Pública e à Lei de Segurança Nacional;

documento 2

4 – 26/11/2019: o Ministro da Justiça e da Segurança Pública foi formalmente comunicado da instauração do inquérito policial contra o ex-presidente Lula a partir de sua requisição, com expressa referência à Lei de Segurança Nacional, e não apresentou qualquer contestação;

documento 3

5 – No dia 19, após o depoimento de Lula, o Ministério da Justiça reafirmou, em nota, a possibilidade de enquadrar Lula na Lei de Segurança Nacional, conforme publicado no UOL:

“O Ministério da Justiça confirmou o pedido da investigação contra Lula, “para investigar possível crime contra a honra do Presidente da República”, segundo informou a pasta, em nota (…) Segundo informou o Ministério da Justiça, a fala de Lula pode ter configurado os crimes previstos no artigo 138 do Código Penal e no artigo 26 da Lei de Segurança Nacional. Ambos tratam dos crimes de calúnia e difamação.”

Em comunicado apresentado em julho de 2016 ao Comitê de Direitos Humanos da ONU demonstramos que o então juiz Sergio Moro capitaneava uma cruzada judicial contra Lula, com objetivos políticos. A existência de um inquérito policial baseado na Lei de Segurança Nacional a partir de requisição do atual Ministro da Justiça e da Segurança Pública só reforça essa situação e escancara o lawfare praticado contra Lula.

Por Cristiano Zanin e Valeska Martins

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/defesa-de-lula-publica-documentos-para-rebater-versao-falsa-de-moro

Veja os salários iniciais da PM no país. Do Ceará é um dos mais baixos


Atualmente, o salário de soldado é de R$ 3.475,74. O governo negocia aumentar para R$ 4.500, parcelado em três vezes até 2022

Forças de segurança, incluindo o Exército, patrulham as ruas de Fortaleza

Forças de segurança, incluindo o Exército, patrulham as ruas de Fortaleza
KLEBER GONÇALVES/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

A greve dos policiais militares do Ceará, que culminou com o senador Cid Gomes (PDT-CE) baleado na quarta-feira (19), preocupa outros estados do Brasil. O salário inical da categoria no país varia de R$ 2.778 (Espírito Santo) a R$ R$ 5.767 (Goiás), segundo levantamento da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo, realizado no ano passado.

Leia também: Ceará afasta total de 168 PMs por envolvimento em motins

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará informou que atualmente o salário de um soldado da Polícia Militar do estado é fixado no valor de R$ 3.475,74. O governo ofereceu um reajuste de 29%, passando o valor para R$ 4.500,00, parcelado em três vezes até 2022. O que os policiais militares não aceitaram e mantiveram a paralisação que começou no início da semana.

Com isso, o estado vive uma onda de violência. Foram 88 assassinatos nos últimos três dias. O governo federal decretou a GLO (Garantia da Lei e da Ordem), que autorizou o envio das Forças Armadas, após tumultos e protestos realizados por policiais militares em greve.

Ranking de salários

Publicidade

Fechar anúncio

De acordo com a tabela de salários iniciais da PM, o Ceará tem o sétimo mais baixo, na frente apenas da Paraíba, São Paulo, Rio Grande do Norte, Bahia, Pernambuco e Espírito Santo.

Os estados com melhores salários são Goiás, Distrito Federal, Acre, Roraima, Amapá e Matro Grosso.

O salário inicial em cada estado*

Goiás - R$ 5.767
Distrito Federal - R$ 5.245
Acre - R$ 5.113
Roraima - R$ 5.026
Amapá - R$ 4.830
Mato Grosso - R$ 4.741
Tocantins - R$ 4.711
Rio Grande do Sul - R$ 4.689
Santa Catariana - R$ 4.581
Maranhão - R$ 4.558
Rondônia - R$ 4.232
Amazonas - R$ 4.227
Paraná - R$ 4.180
Minas Gerais - R$ 4.098
Alagoas - R$ 3.744
Pará - R$ 3.659
Rio de Janeiro - R$ 3.452
Piauí - R$ 3.371
Sergipe - R$ 3.370
Mato Grosso do Sul - R$ 3.352
Ceará - R$ 3.253
Paraíba - R$ 3.202
São Paulo - R$ 3.143
Rio Grande do Norte - R$ 2.904
Bahia - R$ 2.837
Pernambuco - R$ 2.819
Espírito Santo - R$ 2.778

* De acordo com levantamento da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo em 2019

Fonte: https://noticias.r7.com/economia/veja-os-salarios-iniciais-da-pm-no-pais-do-ceara-e-um-dos-mais-baixos-23022020?fbclid=IwAR1ieg1VsPkax6fuEdsQCb_TOdiuRqzbJVQjMzLprxJ-TX27pwVUOYDP03s

Professora apanha de aluno após chamar a atenção dele

É o fim da picada!

Professora apanha de aluno após chamar a atenção deleFoto: Reprodução/Facebook

Uma professora catarinense ficou ferida após ter sido agredida dentro da escola por um aluno de 15 anos. Marcia Friggi, de Indaial (SC), relata ter recebido uma sequência de socos depois de ter expulsado o estudante de sala por mau comportamento. O caso aconteceu no CEJA (Centro de Edução de Jovens e Adultos) da cidade.

Em uma publicação feita no Facebook na tarde desta segunda-feira, Marcia deu detalhes do incidente, que ocorreu após ela ter pedido que o aluno colocasse o livro sobre a mesa.

“Eu coloco o livro onde eu bem quiser”, foi a resposta do garoto. Depois de ser contestado, ele ofendeu a professora com um termo chulo e foi expulso de sala. Ao acompanhar o aluno, a professora acabou sendo agredida com uma sequência de socos.

A professora se disse “dilacerada”. “Estou dilacerada por ter sido agredida fisicamente. Estou dilacerada por saber que não sou a única, talvez não seja a última”, disse.

Ela também divulgou uma sequência de fotos que a mostram com o rosto sangrando logo após a agressão.Fonte: https://www.tribunapr.com.br/noticias/brasil/professora-apanha-de-aluno-apos-chamar-atencao-dele/?fbclid=IwAR3WFPRGznBHvIdQOSVJ3Tf5NPboDxM8LHLN-6z2oU7CgynkWGJS2eQgXmc

Sargento da FAB preso com cocaína em avião da comitiva de Bolsonaro faz acordo e pega 6 anos na Espanha

Segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues foi preso por levar no voo 39 kg de cocaína

Do AFP.

O militar brasileiro que foi detido em 2019 na Espanha com 39 quilos de cocaína, quando viajava como parte da tripulação de apoio do presidente Jair Bolsonaro, aceitou nesta segunda-feira (24) cumprir seis anos de prisão. A informação foi divulgada por um porta-voz do Judiciário espanhol.

— A Promotoria reduziu o pedido de prisão de oito anos para seis anos e um dia, e a defesa do militar aceitou esta pena — afirmou o porta-voz do tribunal de Sevilha (Andaluzia), local do julgamento do sargento da Aeronáutica.

Manoel Silva Rodrigues foi detido em junho do ano passado com 39 quilos de cocaína em sua mala quando fez escala em Sevilha em um avião de apoio da comitiva de Bolsonaro, que viajaria ao Japão para reunião do G20. Na ocasião, o presidente classificou o fato como “inaceitável”, exigiu uma investigação e “punição severa ao responsável”.

A Força Aérea Brasileira (FAB), responsável pela segurança do avião, anunciou o reforço das medidas de controle para prevenir este tipo de ilícito.

(…)

VEJA TAMBÉM – Exclusivo: Sargento preso com cocaína na Espanha processa Eduardo Bolsonaro, que o impede de ser ouvido na Câmara

Fonte: https://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/sargento-da-fab-preso-com-cocaina-em-aviao-da-comitiva-de-bolsonaro-faz-acordo-e-pega-6-anos-na-espanha/

domingo, 23 de fevereiro de 2020

Um domingo dantesco e preocupante


Eric Nepomuceno, do Jornalistas pela Democracia, se refere ao "teste de popularidade" de Bolsonaro no litoral paulista. "Enquanto o país afunda, essa figura tresloucada age como se nada importasse mais do que sua ânsia incontrolável de não parecer o que realmente é: uma boçalidade ambulante. E o país não reage"

23 de fevereiro de 2020, 17:21 h Atualizado em 23 de fevereiro de 2020, 18:18

(Foto: Reprodução)

 

Por Eric Nepomuceno, para o Jornalistas pela Democracia - No sábado de carnaval, um fraterno amigo ligou perguntando se eu estava no Rio ou em Petrópolis, sabedor que costumo dividir a semana entre esses dois mundos.

Respondi que não, que tinha vindo para a melhor cidade do Brasil onde passar o carnaval. “Olinda?”, perguntou ele. E respondi: “Não, não: Curitiba.” Ele ficou em silêncio por uns segundos, sem entender.

Explico: de uma caretice inigualável, a cidade que idolatra Jair Messias e Sergio Moro mergulha num silêncio olímpico, quase melancólico, nesses dias em que o país inteiro se sacode de alegria (ou último recurso de sobrevivência, vai saber...).

Como só tenho aqui um amigo, aliás esplêndido escritor, e uma amiga, fico em paz no meu canto, lendo, escrevendo e comendo de maneira esplêndida, sem hora para nada.

Estaria, pois, tudo ótimo, se eu não tivesse cometido uma asneira imensa: neste domingo, resolvi dar uma espiada no youtube.

E me deparei com algo tão patético, tão dantesco, que levei um par de minutos para entender que também se trata de algo preocupante.

Estou me referindo ao desfile de empáfia e vaidade de Jair Messias por alguns lugares de Praia Grande, uma cidade de classe média (em parte) ou classe popular (na maioria) do litoral sul de São Paulo.

Ele também perambulou pelo Guarujá, a outrora área dos elegantes que de alguns muitos anos para cá não fez mais que decair, e onde ele está guardado numa base militar.

Alguns pontos chamaram minha atenção.

O primeiro deles: as cenas gravadas tiveram o cuidado específico de concentrar as imagens fechadas, não permitindo que se calculasse a dimensão exata dos fanáticos adoradores de Jair Messias. Além disso, não mostraram os preparativos e a chegada do comboio presidencial, para transmitir a sensação de espontaneidade: o senhor presidente ia passando por ali, puro acaso, e resolveu dar uma paradinha para cumprimentar o povo.

Em todo caso, foram manifestações expressivas. É possível dizer, com margem amplíssima de segurança, que cada parada de Jair Messias reuniu ao menos um par de centenas de pessoas. Como dificilmente haveria modo de arrebanhar previamente todas elas, como é feito todo santo dia na porta do Palácio da Alvorada, existe pelo menos um verniz de autenticidade no que se viu.

O segundo ponto: a mais que justificada angústia dos seguranças de Jair Messias. Enquanto o deputado federal carioca Hélio Lopes, que é chamado de “Hélio Negão”, se dividia minuciosamente entre o papel de papagaio de pirata e o de guarda costas presidencial, os verdadeiros seguranças pareciam baratas tontas sem saber como agir.

Eu me diverti especialmente com os encarregados de carregar algo parecido a pastas de couro, mas que são escudos que podem ser abertos em frações de segundo. Jair Messias distribuindo abraços, pegando crianças no colo, abraçando velhotes e velhotas, e eles lá, desesperados por terem plena e absoluta consciência dos perigos corridos pelo fanfarrão abobado.

E, finalmente, o terceiro ponto: o esgar de Jair Messias, o seu sorriso de gesso com a autenticidade de uma nota de três reais e dez centavos, o olhar enfermiço de um desequilibrado sem volta.

Um manipulador, sim, é claro. Mas que sabe perfeitamente o que faz, e qual o seu público a ser fortalecido e, eventualmente, ampliado.

Jair Messias em ação de teste de popularidade é um espetáculo dantesco. Enquanto o país vê a economia agonizante, enquanto aberrações destroçam o sistema de educação, de saúde, do meio ambiente, das relações externas, da previdência social, dos programas sociais, enfim, enquanto o país afunda, essa figura tresloucada age como se nada importasse mais do que sua ânsia incontrolável de não parecer o que realmente é: uma boçalidade ambulante.

E aí está o aspecto preocupante do que eu e centenas de milhares de brasileiros vimos neste domingo de carnaval: o país não reage aos absurdos impostos por Jair Messias e seu governo degenerado.

É como se tudo fizesse parte de uma nova normalidade: normal o desemprego, normal policiais amotinados serem defendidos pelo presidente da República, normal o fim de programas sociais, normal tudo de tenebroso que acontece à nossa volta.

O país não reage, o povo não reage. E assim vamos todos naufragando, conduzidos por um cafajeste que ninguém controla.

Fonte: https://www.brasil247.com/blog/um-domingo-dantesco-e-preocupante

sábado, 22 de fevereiro de 2020

Lula é odiado porque deveria dar errado


Emir Sader analisa o ódio ao Lula, que é mais feroz na elite de São Paulo

publicado 05/03/2015

O Conversa Afiada reproduz artigo de Emir Sader, na Carta Maior:

Quem tem medo do Lula??

Lula é odiado porque deveria ter dado errado e deixado as elites para seguirem governando o Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador.
por Emir Sader
A direita – midiática, empresarial, partidária, religiosa – entra em pânico quando imagina que o Lula possa ser o candidato mais forte para voltar a ser presidente em 2018. Depois de ter deixado escapar a possibilidade de vencer em 2014, com uma campanha que trata de colocar o máximo de obstáculos para o governo de Dilma – em que o apelo a golpe e impeachment faz parte do desgaste –, as baterias se voltam sobre o Lula.
De que adiantaria ajudar a condenar a Dilma a um governo sofrível, se a imagem do Lula só aumenta com isso? Como, para além das denuncias falsas difundidas até agora, tratar de desgastar a imagem de Lula? Como, se a imagem dele está identificada com todas as melhorias na vida da massa da população? Como se a projeção positiva da imagem do Brasil no mundo está associada à imagem de Lula? Como se a elevação da auto estima dos brasileiros tem a ver diretamente com a imagem de Lula?
Mas, quem tem tanto medo do Lula? Por que o ódio ao Lula? Por que esse medo? Por que esse ódio? Quem tem medo do Lula e quem tem esperanças nele? Só analisando o que ele representou e representa hoje no Brasil para entendermos porque tantos adoram o Lula e alguns lhe têm tanto ódio.
Lula deu por terminados os governos das elites que, pelo poder das armas, da mídia, do dinheiro, governavam o pais só em função dos seus interesses, para uma minoria. Derrotou o candidato da continuidade do FHC e começou uma serie de governos que melhoraram, pela primeira vez, de forma substancial, a situação da massa do povo brasileiro.
Quem se sentiu afetado e passou a odiar o Lula? As elites politicas que se revezavam no governo do Brasil há séculos. Os que sentiram duramente a comparação entre a formas deles de governar e a de Lula. Sentiram que o Brasil e o mundo se deram conta de que a forma de Lula de governar é a forma de terminar com a fome, com a miséria, com a desigualdade, com a pobreza, com exclusão social. Eles sofrem ao se dar conta que governar para todos, privilegiando os que sempre haviam sido postergados, é a forma democrática de governar. Que Lula ganhou apoio e legitimidade, no Brasil, na América Latina e no mundo justamente por essa forma de governar.
Lula demonstrou, como ele disse, que é possível governar sem almoçar e jantar todas as semanas com os donos da mídia. Ele terminou seu segundo mandato com mais de 80% de referências negativas na mídia e com mais de 90% de apoio. Isso dói muito nos que acham que controlam a opinião publica e o pais por serem proprietários dos meios de comunicação.
Lula demonstrou que é possível – e até indispensável – fazer crescer o pais e distribuir renda ao mesmo tempo. Que uma coisa tem a ver intrinsecamente com a outra. Que, como ele costuma dizer, “O povo não é problema, é solução”. Dinheiro nas mãos dos pobres não vai pra especulação financeira, vai pro consumo, para elevar seu nível de vida, gerando empregos, salários, tributação.
Lula mostrou, na pratica, que o Brasil pode melhorar, pode diminuir suas desigualdades, pode dar certo, pode se projetar positivamente no mundo, se avançar na superação das desigualdades – a herança mais dura que as elites deixaram para seu governo. Para isso precisa valorizar seu potencial, seu povo, elevar sua auto estima, deixar de falar mal do país e de elogiar tudo o que está lá fora, especialmente no centro do capitalismo.
Lula fez o Brasil ter uma política internacional de soberania e de solidariedade, que defende nossos interesses e privilegia a relação solidaria com os outros países da America Latina, da África e da Ásia.
Lula foi quem resgatou a dignidade do povo brasileiro, de suas camadas mais pobres, em particular do nordeste brasileiro. Reconheceu seus direitos, desenvolveu politicas que favoreceram suas condições de vida e uma recuperação espetacular da economia, das condições sociais e do sistema educacional do nordeste.
Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo.
A melhor resposta ao ódio ao Lula é sua consagração e consolidação como o maior líder popular da  historia do Brasil. A força moral das suas palavras – que sempre tentam censurar. Sua trajetória de vida, que por si só é um exemplo concreto de como se pode superar as mais difíceis condições e se tornar um líder nacional e mundial, se se adere a valores sociais, políticos e morais democráticos.
Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia.
O Lula é a maior garantia da democracia no Brasil, porque sua vida é um exemplo de prática democrática. O amor do povo ao Lula é a melhor resposta ao ódio que as elites têm por ele.

Fonte: https://www.conversaafiada.com.br/politica/2015/03/05/lula-e-odiado-porque-deveria-dar-errado

LULA: Perguntas e respostas que não querem calar


PRESO POLÍTICO - Confira aqui a farsa criada em torno da trama para manter Lula preso e fora da disputa política

por Jornalistas Livres 11 fevereiro, 2019

Perguntas e respostas elaboradas por Valter Pomar, professor da Universidade Federal do ABC, com recortes de painel do artista plástico paraibano Flávio Tavares usados como ilustrações

1. Quantos procedimentos judiciais há contra Lula?
Centenas!

2. Por qual motivo há tantos procedimentos judiciais contra Lula?
Os inimigos dizem que Lula “fez por merecer”. A verdade é que, incapazes de derrotar Lula eleitoralmente, seus inimigos montaram uma farsa judicial com o objetivo de condenar e prender a maior liderança popular da história do Brasil. E quanto mais processos existirem, mais forte é a impressão de que “onde há fumaça, há fogo”.

3. Quantos procedimentos judiciais já foram totalmente concluídos?
Nenhum. O mais avançado é o referente ao apartamento no Guarujá, que já foi julgado em segunda instância. Depois vem o processo referente ao Sítio de Atibaia, cuja sentença de primeira instância saiu no dia 6 de fevereiro de 2019. Em seguida há o processo sobre o Terreno do Instituto Lula, que está para ser julgado em primeira instância.

4. Se nenhum procedimento judicial foi concluído, Lula não deveria estar solto?
Com certeza! Segundo a Constituição brasileira, Lula deveria estar respondendo em liberdade.

5. Se a Constituição diz que Lula deveria estar solto, por qual motivo ele está preso?Lula está preso porque, por maioria de um voto (6 contra 5), o Supremo Tribunal Federal autorizou que Lula fosse preso, mesmo que ele só tenha sido condenado em segunda instância.

6. Por qual motivo o Supremo Tribunal Federal autorizou a prisão de Lula?
A maioria dos juízes do Supremo Tribunal Federal sofreu chantagem dos meios de comunicação e do Alto Comando do Exército. Foram pressionados para que votassem contra o ex-presidente Lula, para que ele continuasse preso.

7. Mas por quê Lula foi condenado em segunda instância?
Porque os desembargadores que fazem parte do 4º Tribunal Regional Federal aceitaram a sentença escrita pelo juiz de primeira instância, embora ela não trouxesse qualquer prova contra o Lula. Ele foi condenado por “atos indeterminados”!

8. Quem era o juiz de primeira instância?
Naquele momento, era o Sérgio Moro, o atual ministro da Justiça do governo Bolsonaro! Sim: o juiz que primeiro julgou e condenou Lula, o juiz que contribuiu decisivamente para tirar Lula da disputa eleitoral, este mesmo juiz aceitou ser ministro da pessoa que foi a maior beneficiada pelo julgamento: Jair Bolsonaro. Que só ganhou a eleição porque Lula foi impedido de concorrer.

9. Se Lula mora em São Paulo, por qual motivo ele foi julgado por um juiz do Paraná?
Porque foi cometida uma fraude processual.

10. Que fraude foi essa?
Moro era responsável por julgar os processos envolvendo a Petrobrás. Para fazer Lula ser julgado por Moro, o Ministério Público incluiu, em diversos procedimentos judiciais contra Lula, acusações envolvendo a Petrobrás.

11. Esse envolvimento existia ou não existia?
Não existia e nunca existiu. Quem confirma isso é o próprio Moro, que na sentença de condenação contra Lula escreveu o seguinte: “Este juízo jamais afirmou, na sentença ou em lugar algum, que os valores utilizados pela construtora nos contratos com a Petrobrás foram utilizados para pagamento de vantagem indevida para o ex-presidente”.

12. Mas se o próprio Moro reconheceu que a acusação contra Lula não envolvia a Petrobrás, então ele não deveria ter transferido o caso para outro juiz, abrindo mão de julgar Lula?
Deveria. Mas se ele fizesse isso, a condenação não existiria ou pelo menos demoraria mais para sair. E eles queriam condenar Lula rapidamente, em tempo de impedir que ele fosse candidato à Presidência da República, nas eleições de 2018.

13. Mas afinal de contas, Moro condenou Lula com base em qual acusação?
Com a acusação de que ele teria ganho um apartamento no Guarujá, em troca de favores que ele concedeu a uma empreiteira.

14. Lula ganhou esse apartamento?
Não. Lula não é proprietário de nenhum apartamento no Guarujá. Lula nunca morou no Guarujá. Lula não tem as chaves de nenhum apartamento no Guarujá. Ninguém da família de Lula é proprietário de nenhum apartamento no Guarujá.

15. Mas Moro afirmou que o apartamento foi reformado para que Lula pudesse morar nele, não foi?
Afirmou. Acontece que é mentira do Moro. Essa reforma nunca existiu. O Movimento dos Sem Teto ocupou o tal apartamento e comprovou, com fotografias, que nunca foi feita reforma alguma. A equipe de reportagem do UOL filmou o apartamento e mostrou que a história da reforma era uma farsa inventada para ferrar o Lula.

16. De quem é o apartamento, afinal?
Segundo os registros em cartório, o apartamento é da empreiteira.

17. Mas se é assim, com base em que provas Moro condenou Lula?
Com base em uma delação premiada do dono da tal empreiteira.

18. O que é uma delação premiada?
Na delação premiada, um criminoso colabora com a polícia ou com o Ministério Público. Se as revelações que ele fizer forem do interesse da força tarefa da chamada Operação Lava Jato, então o delator pode obter prêmios: grande redução de pena, usufruir parte do dinheiro que roubou etc.

19. Mas se foi utilizada como prova, então a delação do dono da empreiteira foi confirmada?
Foi confirmada por outra delação premiada. Noutras palavras: dois criminosos se juntaram para fabricar provas contra um inocente. O inocente foi condenado, o juiz virou ministro e os delatores estão livres.

20. Mas isto não deveria ter sido levado em conta no julgamento em segunda instância?
Sim, deveria. Mas os desembargadores da 8ª Turma do 4º Tribunal Regional Federal já haviam decidido que o juiz Moro tinha o direito de julgar “no limite da lei”. Ou seja, Moro podia, no caso de Lula, “interpretar” a lei. E quando chegou a vez deles, os desembargadores fizeram o mesmo. Violaram assim um princípio constitucional: o da impessoalidade.

21. Quando o caso de Lula será julgado em terceira instância?
A qualquer momento, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) poderá julgar o recurso feito pela defesa de Lula no caso do apartamento no Guarujá.

22. Existe alguma chance de absolvição ou de revisão da pena?
Há uma maioria no STJ decidida a manter a condenação. Entretanto, pode existir alguma alteração na pena que foi aplicada pelo Tribunal Regional Federal.

23. Caso o STJ reduza a pena, Lula pode ser solto?
Em tese sim. Mas só pode ser beneficiado por progressão de pena, quem pagar as multas. E Lula foi condenado não apenas à prisão, mas também a pagar uma multa imensa. Além disso, há outros processos contra Lula que estão para ser concluídos.

24. Qual foi a acusação no caso do Sítio de Atibaia?
É parecida com a do apartamento. Lula foi acusado de ter sido beneficiário de reformas feitas num sítio. As reformas teriam sido feitas por uma empreiteira, em troca de supostos favores concedidos por Lula.

25. O sítio é de Lula?
Não, o sítio não é de Lula. Neste caso, nem mesmo Moro teve coragem para inventar isto.

26. Lula encomendou as reformas?
Não. Neste caso, pelo menos até agora, nem mesmo o delator premiado teve coragem de inventar isto.

27. Mas se o sítio não era de Lula, nem foi ele que encomendou as reformas, ele é acusado do quê?
De ter sido o beneficiário final das reformas. Ou seja: a acusação é que Lula presidiu o Brasil por 8 anos, durante seu governo uma empreiteira ganhou muito dinheiro, em troca esta empreiteira fez uma reforma num sítio que não era de Lula, mas que Lula frequentava.

28. Lula frequentava este sítio?
Sim. O sítio pertence a uma família de quem Lula é amigo desde 1978.

29. Lula também foi condenado neste processo do sítio?

Sim. No dia 6 de fevereiro de 2019, a juíza Gabriela Hardt (substituta escolhida a dedo por Sérgio Moro, agora ministro da Justiça) condenou Lula a 12 anos e 11 meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Neste caso usaram os mesmos procedimentos adotados no caso do apartamento no Guarujá, especialmente a delação premiada.

30. E qual é a acusação no caso do terreno do Instituto Lula?
A de que uma empreiteira teria favorecido o Instituto Lula com um terreno, em troca de favores concedidos por Lula quando ele era presidente.

31. O Instituto Lula recebeu este terreno?
Não, nunca!

32. Certo. Então, se o Instituto Lula nunca recebeu este terreno, Lula é acusado do quê?
Na real? De ter pretendido cometer um crime.

33. Você está de gozação?
Não. Quem está de gozação é o Ministério Público. Mas é uma gozação perversa, sem graça, porque tudo caminha para que Lula também seja condenado neste caso.

34. Com base em que provas?!?
Novamente, com base em delações premiadas, segundo as quais Lula pretendia cometer o crime de receber o tal terreno de uma empreiteira.

35. Então nas próximas semanas, Lula poderá ser novamente condenado?
Sim. Inclusive poderá ser condenado, em terceira instância, naquele primeiro processo, o do apartamento no Guarujá.

36. Além dos processos do Apartamento, do Sítio e do Terreno, há algum outro processo contra Lula que seja mais relevante?
Há sim. Há uma ação penal que afirma que Lula era chefe de uma “organização criminosa”, atuante entre 2002 e 2016, que tinha como objetivo controlar o governo federal para praticar seus ilícitos.

37. Que “organização criminosa” era essa?
Segundo a tal ação penal, a organização criminosa chefiada por Lula chama-se Partido dos Trabalhadores, o PT. Portanto, segundo a força tarefa da Operação Lava Jato, o PT não é um partido, mas uma “orcrim”. O objetivo desta ação penal é muito clara: não apenas condenar Lula, mas condenar também o PT. E se o PT for condenado, eles pretendem cassar a legenda do Partido.

38. É por esses motivos que muita gente afirma que Lula é inocente?

Sim. Quem tiver a paciência de ler as milhares de páginas dos processos, especialmente a sentença de Sérgio Moro no primeiro processo, vai se dar conta de não existem provas para condenar Lula. E na ausência de provas, ninguém pode ser condenado. Como diz o ditado: todo mundo é inocente, até prova em contrário. E no caso de Lula, a prova em contrário não apareceu. Nem vai aparecer. É por isso que juristas renomados do mundo todo, e até a Comissão de Direitos Humanos da ONU, já protestaram contra a maneira como estão sendo conduzidos esses processos contra Lula.

39. De onde você tira tanta certeza de que não vai aparecer prova alguma?
Simples: Lula é investigado desde 1980. Nunca apareceu nenhuma prova de que ele tivesse cometido nenhum crime. Já contra seus adversários, basta investigar um pouquinho que as provas aparecem. Veja o caso da família Bolsonaro.

40. Mas mesmo que não existam provas, eu não posso achar que Lula tem “culpa no cartório”?
Qualquer um pode achar o que quiser. E se você está convencido, com provas ou sem provas, de que Lula cometeu erros gravíssimos, você tem o direito de votar contra ele e contra o partido dele, o PT. Mas sem provas ninguém pode ser condenado e preso! Esta é a diferença entre política e justiça.

41. Explique melhor esta diferença.
Na disputa política, nas eleições, eu posso acreditar que alguém é um perigo para o país. Nesse caso, eu posso votar contra este alguém. Não preciso de provas para chegar a esta conclusão. Basta convicção. Mas quando se trata de um julgamento na justiça, então não basta eu ter convicção. É preciso provar. E no caso de Lula, não existe nenhuma prova.

42. Ora, se não existe nenhuma prova e ainda assim Lula foi condenado, então quem descumpriu a lei foram os promotores e juízes?
Exatamente. Por isso é que Lula é um preso político. Ele está sendo perseguido e foi preso por motivos políticos. Como seus inimigos não conseguiram derrotar Lula politicamente, fizeram isto de outro modo: usando os caminhos do poder judiciário.

43. Mas se é assim, então ele está sendo injustiçado. Como libertar Lula?
Como Lula é um preso político, sua libertação e a anulação de sua pena dependem da luta política. No momento em que a maioria do povo estiver convencida de que a condenação foi injusta e ilegal, a pressão popular tornará impossível manter Lula preso.

44. E você acha que isto vai acontecer?
Sim, isto vai acontecer. Cedo ou tarde, a justiça e a verdade acabam vencendo. Nosso desafio é fazer com que isto aconteça rapidamente. Queremos anular a sentença e colocar Lula em liberdade, para que ele ajude o povo brasileiro na luta contra o governo de extrema direita que está destruindo nossos direitos sociais, nossas liberdades democráticas e nossa soberania nacional.

8 de fevereiro de 2019

Fonte: https://jornalistaslivres.org/lula-perguntas-e-respostas-que-nao-querem-calar/

Por que as elites brasileiras odeiam Lula?


Para elas o mais importante não é, exatamente, o dinheiro. O mais importante é a distinção

por Jornalistas Livres 1 abril, 2018

Artigo de Rodrigo Perez Oliveira, professor de Teoria da História da UFBA, com foto de Guilherme Santos/Sul21

Nada diz mais sobre o Brasil, sobre o que somos há muito tempo, que a caravana de Lula pelo sul do país. Em terras sulistas, por onde Lula passou foi hostilizado pela classe proprietária, pela elite da terra.

Não!
Chamar de “hostilidade” é pouco.

O que aconteceu na etapa sulista da caravana “Lula pelo Brasil” foi uma sucessão de atentados contra a vida de Lula e de seus correligionários políticos. Começou com chicotadas, agressões e pedradas e chegou, no último dia 27 de março, a tiros de arma de fogo.

Não foi ovo, não foi cocô. Foi tiro. Tiro de arma de fogo.

Como entender essa escalada de violência na política Brasileira?

Muitos falam em “fascismo”, termo que tem notória força política e que por isso seu uso no debate público talvez tenha lá alguma importância.

Mas estou convencido de que se quisermos fazer uma interpretação mais rigorosa da realidade, o termo é equivocado, pois mais confunde do que esclarece. Definir como “fascista” a escalada da violência na política brasileira demandaria tantos reparos e observações para mostrar como o “fascismo brasileiro” é diferente daquele “fascismo clássico” europeu de meados do século XX que o próprio conceito perderia força explicativa.

Por isso, prefiro seguir uma via interpretativa doméstica, tomando as manifestações de violência contra a caravana de Lula no sul do Brasil como representativas daquilo que o Brasil é, do que sempre foi.

É este o meu esforço neste ensaio: tomo a violência contra a caravana de Lula como ponto de partida para uma interpretação do Brasil.

Começo, então, com a pergunta que não quer calar, com a pergunta que, talvez, seja a mais importante de ser feita no atual momento da história do Brasil:

Por que as elites brasileiras odeiam Lula?

Nem de longe Lula foi um Presidente revolucionário, nem de longe relou no “sagrado” direito de propriedade privava. As elites brasileiras não perderam dinheiro nos governos de Lula. Muito pelo contrário, nunca ganharam tanto.

De onde vem todo esse ódio?

Não penso que seja necessária a importação de um conceito específico da história europeia para a compreensão de uma realidade que é tão brasileira quanto a jabuticaba. Não é fascismo não, não tem nada a ver com fascismo.

O fascismo é moderno, é o desdobramento mais grotesco da modernidade.

O ódio a Lula é arcaico, deita suas raízes nos velhos valores aristocráticos, pré-modernos, na lógica da Casa Grande, em uma racionalidade de tipo antigo.

Não é fascismo não. É o Brasil mesmo.

Sei que é difícil reconhecer, mas no fundo, bem no fundinho, é só o velho Brasil de sempre. Em pouco mais de uma década de bonança, nos enganamos, fomos ingênuos, achando que o Brasil estava mudando, melhorando. Mudou não. Melhorou não. Tá igualzinho ao que sempre foi.

Não há como falar nessa atualização do “Brasil de sempre” sem dedicar alguma atenção à “instituição Lula”.

Pois sim, o “homem Lula” já morreu e deu lugar a uma instituição.

Lula é a maior instituição política da história do Brasil. É tolo quem acha que uma instituição pode ser morta com uma bala ou com uma facada. Todos os brasileiros e brasileiras terão que conviver com a “instituição Lula” daqui para frente. Ninguém mais faz política no Brasil sem passar por Lula, seja para negá-lo ou para reivindicar o seu legado.

Mas o que significa essa instituição?

Há pouco tempo, escrevi um ensaio sugerindo que no final da década de 1990 aconteceu dentro do PT a “guinada lulista”, que teve efeitos contraditórios para o maior partido político da história da esquerda latino-americana: o lulismo, ao mesmo tempo em que catapultou o PT à chefia do Poder Executivo, representou o seu colapso ideológico.

É que o lulismo aposta na conciliação de classes e ao fazê-lo acaba negando o princípio da luta de classes, que é o núcleo da identidade ideológica de qualquer partido que pretenda estar à esquerda.

O lulismo achou que era possível “ajudar os pobres sem incomodar os de cima’, na certeira formulação de Marcelo Odebrecht.

No frigir dos ovos, essa conciliação seria mesmo possível.
Com algum sacrifício da classe média e com uma situação econômica relativamente favorável, seria possível distribuir renda para os mais pobres sem contrariar os interesses dos grandes capitalistas.

Dinheiro no bolso do povão, expansão do crédito, incentivo ao consumo, bancarização das relações comerciais, investimento na exportação de commodities. Todo mundo saiu ganhando, ainda que uns tenham ganhado mais que outros.

Com o boom do consumo, ganhou o capital produtivo.

Com a bancarização das relações comerciais, ganhou o rentismo.

Com o micro-crédito, ganhou o pobre, que comprou geladeira, TV de plasma e viajou de avião pra lá e pra cá.

A fórmula funcionou durante dez anos. O fator “Dilma Rousseff” foi o principal elemento de desestabilização do sistema. Não foi o único elemento, é claro que não. Mas foi o principal.

É que Dilma tensionou demais.

Dilma tensionou com o rentismo na batalha dos spreads, tensionou com a classe política, quando acreditou que a “Operação Lava Jato” seria de fato republicana.

O golpe de 2016 não foi exatamente contra o lulismo. Foi contra o dilmismo.

Duvido que Lula cairia, duvido muito. Mas não é disso que quero falar, não aqui, não agora.

O que estou querendo dizer é que pela lógica racional do mercado, do capitalismo, não há nenhum motivo para as elites brasileiras odiarem Lula.

Os donos de terra do sul do Brasil receberam muito dinheiro do governo federal durante a Era Lula, pois a exportação das commodities era o grande combustível econômico da conciliação lulista. Era importante para o governo que os proprietários produzissem, vendessem, ganhassem dinheiro.
Lula tratou o agronegócio com muito carinho, com muito carinho mesmo.

De onde vem esse ódio? Por que os proprietários sulistas tentaram matar Lula? É por causa da corrupção?

Não, não tem nada a ver com corrupção. Há outros políticos notoriamente corruptos que não despertam o mesmo ódio. Nunca é demais lembrar que os mesmos que hoje odeiam Lula aplaudiram Eduardo Cunha e votaram em Aécio Neves. O problema dessas pessoas nunca foi a corrupção.

O ódio é arcaico, é de tipo antigo.

Lula é o nordestino, trabalhador manual, homem de berço plebeu que ousou governar.

Num país em que a política formal sempre foi assunto a ser tratado entre iguais, entre oligarcas, Lula representa o radicalismo, ainda que na posição de mandatário maior da República tenha sido bem tímido, talvez até um tanto conservador.

É que o radicalismo de Lula independe de suas ações. Lula é o próprio radicalismo, é o radicalismo em pessoa, não importa o que faça, não importa o que deixe de fazer, não importa o quanto tente conciliar.

Com aquela “alma de pobre”, com aquelas escorregadelas nas concordâncias e nos plurais, Lula jamais conseguirá conciliar por muito tempo, pois para conciliar carece antes de ser aceito como mediador. Precisa sentar à mesa.

O aristocrata não aceita sentar à mesa com o plebeu.

As elites brasileiras têm nojo de Lula, sempre tiveram. Mesmo ganhando dinheiro durante o governo Lula, elas continuaram sentindo nojo, odiando. É que para as elites brasileiras o mais importante não é, exatamente, o dinheiro. O mais importante é a distinção.

Não importa se o aquecimento do consumo é positivo para a cadeia produtiva. Quando a empregada usa o mesmo perfume que a patroa, quando o filho do porteiro começa a estudar na universidade, é o regime da distinção que está sendo abalado.

Patroa e empregada, sinhá e mucama, não podem ter o mesmo cheiro. Não importa se a empregada “tirou” o tal perfume no cartão de crédito, pra pagar em 12 suaves prestações. Não importa se a empregada, depois da jornada de trabalho, vai sacolejar duas horas no trem e no ônibus para chegar em casa, no outro lado da cidade.
O que importa é o cheiro, é o signo de distinção.

Não importa se o morador do 10° andar vai passear em Paris nas férias, enquanto o porteiro vai visitar “mainha” em Santo Amaro. O que importa mesmo é que quando começar o semestre, o filho do porteiro estará lá, na mesma sala que filho do morador do 10° andar. Olhando de longe, bem de longe, eles são iguais, são estudantes. O absurdo está aqui. O ódio vem daqui.

É isso: não tem nada a ver com fascismo. O que explica a escalada de violência na política brasileira é o ódio de uma elite arcaica que goza com a distinção.

Não é fascismo. O fascismo é a tragédia da Europa moderna. Nossa tragédia é outra.

É a tragédia de uma sociedade de modernização incompleta, forjada no escravismo e controlada por uma elite historicamente comprometida com o atraso.

Fonte: https://jornalistaslivres.org/por-que-as-elites-brasileiras-odeiam-lula/