domingo, 30 de dezembro de 2018

Ações do Estado Profundo contra Trump


Grade elétrica americana sob ataque silencioso! Deep State advertência para Trump

Três grandes eventos no mesmo dia

Conectado por "Gladio" Thread

“A arma mais perigosa que o Governo das Sombras exerce contra o povo americano é a ameaça de um ataque EMP. Tal ataque ao continente americano paralisaria a nação em um único flash. E os criminosos poderiam falsificá-lo de modo que fosse plausivelmente atribuído à Coréia do Norte, à Rússia, à China ou ao Irã. Os mesmos criminosos já demonstraram sua capacidade de realizar ataques de DEW à vontade contra a Califórnia. E eles se safaram mesmo diante de tanta evidência de Armas de Energia Dirigida e piroterrorismo. Então, o que eles não farão para evitar processos, condenações e sentenças de prisão perpétua?

    - Analista de Inteligência e Ex-Oficial Militar dos EUA


State of the Nation

Não se engane: a rede elétrica nos EUA está sendo atacada.
Exatamente quem está conduzindo essas operações negras, e por que, continua a ser visto.
Não há dúvida de que alguém (por exemplo, conspiradores de golpe de Estado do Estado Profundo) estão muito nervosos no serviço agora. Como deveriam estar!
Algo muito, muito grande está prestes a acontecer como vimos no funeral do Poppy Bush.


Algo bastante ENORME está prestes a acontecer: Lei Marcial, Tribunais Militares ou Ambos?

Anatomia dos ataques de 27 de dezembro
O que se segue são 3 eventos extraordinários - ATAQUES NA REDE ELÉTRICA - que acabaram de acontecer nos EUA na quinta-feira, 27 de dezembro de 2018.
Primeiro, há um link e / ou vídeo documentando cada ataque, que é seguido por uma captura de tela para prova de várias plataformas de notícias do MSM.


Que raios acabou de acontecer em Kenner Louisiana? (Vídeo)


Misteriosos flash de Luz Azul sobre New York City (Vídeo)



Quem derrubou o CenturyLink com tanta força? Até mesmo a FCC está investigando!



Quem acaba de atacar a infraestrutura de TI nacional da CenturyLink? Cui bono?

Cui bono?

Primeiro de tudo, deve ser óbvio que a probabilidade de três ataques diferentes na rede elétrica dos EUA ocorrendo no mesmo dia é bastante alta.

É assim que o ladino C.I.A. facções gostam de fazer isso. Eles costumam usar eventos de alta drama para capturar a atenção do povo americano. Isso demonstra o poder e controle que o Deep State tem para realizar qualquer tipo de ataque, em qualquer lugar, a qualquer momento.

Se a mensagem estiver sendo enviada para o POTUS ou para toda a administração, eles sabem que ela foi recebida. O efeito “choque e pavor” vai dar conta disso.

Especialmente durante estes tempos extremamente tensos no interior do anel viário existe a necessidade de os conspiradores do golpe observarem cada passo deles. Os volumes de evidências de um golpe de Estado completo em andamento podem ser baixados na Internet com um único toque de tecla. E o prez não é nada além de lançar um ataque tão preventivo. 

Portanto, pode-se afirmar com absoluta certeza que a cabala globalista da Nova Ordem Mundial tem mais a ganhar com essa psicopéia óbvia usando a rede elétrica. Certamente eles correram sob a rubrica de Operation Gladio.


PONTO-CHAVE: Estes gambitos desesperadamente executados pela elite do poder são realizados com um design intencional. TPTB agora sabe que eles selaram seu destino quando conduziram a Operação Tocha na Califórnia. ARMA DE FUMAÇA: A evidência dura mostra que a fogueira do acampamento foi provocada pelo homem, genocídio e destruição maciça do paraíso cuidadosamente planejada


Conclusão

Como a SOTN afirmou muitas vezes antes, vai ficar feio - MUITO FEIO - muito rápido!

Afinal, quando o corpo político está testemunhando eventos extraordinários como este em tempo real, a caixa de Pandora foi aberta para todos verem. Federal Reserve Bank em conluio com  Deep State para quebrar mercados de ações Stock Market

Há também a perspectiva muito real, e o espectro de uma série impressionante de dominós caindo, cada um dos quais tem sido cuidadosamente arquitetado pela cabala da NWO seriamente ameaçada. Veja: Cabala da NWO Globalista Mais perto de exercer a opção nuclear

À luz desses e de vários outros grandes desenvolvimentos, tanto domésticos quanto internacionais, fica claro que a ordem global está prestes a ser abalada como nunca antes. Mesmo as muitas erupções vulcânicas e inúmeros de terremotos apontam para essa eventualidade. KRAKATOA em Colapso : Momento de ataque maciço de vulcão  que causou tsunami capturado por satélite

No entanto, é essa onda de crimes em particular do Deep State que produziu um verdadeiro tsunami de blowback que em breve irá sobrecarregar os traidores democratas, assim como os traidores da RINO.


O Maior Ato de Traição Coletiva na História dos EUA


Lembre-se de que tudo isso está acontecendo no meio de uma parada épica do GOVERNO:  Boa! Mantê-lo desligado ... para que nós, o povo, possamos ver quão inútil, desperdiçador e lastimável é.

Semper fi, folks … Semper fi!

State of the Nation

December 29, 2018

___

http://stateofthenation2012.com/?p=112273

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Temer sai do golpe sem crescimento e denunciado por corrupção


REUTERS/Adriano Machado

Sputinik – Michel Temer assumiu a Presidência em 31 de agosto de 2016, em seguida a um conturbado processo de impeachment de Dilma Rousseff. O presidente encerra o mandato sem conseguir promover reformas propostas, além de resultados modestos na economia. Os escândalos de corrupção também minaram a capacidade de negociação do governo.

Mas qual é o legado do presidente Michel Temer após dois anos no poder? Para o cientista social e professor da Universidade Veiga de Almeida, Guilherme Carvalhido, o período de Temer no poder pode ser entendido como um "governo de transição, resultado de um grupo político insatisfeitos com os rumos tomados pela ex-presidente petista, substanciado por parte da população que deu guarita à estrutura" montada através do impeachment.

Para Carvalhido, Temer deixa como principal ponto positivo o estancamento da crise econômica. Na opinião do especialista, o presidente eleito Jair Bolsonaro encontrará uma economia "não em crescimento, mas pelo menos estabilizada". Ele avalia, porém, que os mecanismos de corrupção que atingiram o governo petista também impactaram Temer em igual medida porque, "houve algumas mudanças de posição política, mas não do ponto de vista de pessoas, que são parecidas e muitos minitros do governo Temer também fizeram parte dos governos Dilma e Lula. É um grupo político muito forte".

"As denúncias de corrupção que o próprio presidente recebeu e também os integrantes [do governo] ligados a ele deram continuidade ao que estava acontecendo nos governos do PT. O legado econômico, sem um crescimento a contento, já é um elemento positivo para o Brasil porque passamos por uma queda muito significativa", avalia.

A opinião é compartilhada pelo cientista político e professor emérito da Universidade de Brasília, David Fleischer. Para ele, algumas medidas adotadas por Temer foram positivas como a criação do Ministério da Segurança Pública, a reforma trabalhista e até a polêmica intervenção federal. Ele avalia que as conquistas econômicas foram modestas, com "desemprego ainda em alta, sem conseguir atrair investimentos e o PIB sem crescimento significativo".

"Ele está deixando uma economia bem melhor do que ele encontrou. Em 2015 e 2016, nós tivemos PIBs negativos (...). O que ele tá deixando não está ideal, é evidente, mas é melhor que 2016", analisa.

"O desafio maior é na área da economia, de atrair novos investimentos e criar empregos. Outro desafio será aprovar a [reforma] previdência, um sinal que os investidores estão esperando e que pode ajudar a aliviar o déficit gigantesco na previdência social. Para isso, ele precisará formar uma coalizão de apoio no Congresso", finaliza.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/brasilia/378882/Temer-sai-do-golpe-sem-crescimento-e-denunciado-por-corrup%C3%A7%C3%A3o.htm

sábado, 29 de dezembro de 2018

Mídia alemã: míssil hipersônico russo Avangard provoca pânico nos EUA

Lançamento do famoso míssil Avangard, apresentado em 1º de março deste ano pelo presidente russo, Vladimir Putin

Mídia alemã: míssil hipersônico russo Avangard provoca pânico nos EUA

© Sputnik / Ministério da Defesa da Federação da Rússia

Defesa

06:05 29.12.2018(atualizado 06:09 29.12.2018) URL curta

27351

O jornal alemão Die Welt chamou o sistema de mísseis Avangard, equipados com um bloco hipersônico planador, de "presente de Ano Novo para os russos".

Ao mesmo tempo, o jornal observa que seu desenvolvimento provocou "pânico" entre os militares dos EUA, enfatizando que os Estados Unidos são agora forçados a "agir sob pressão".

Em particular, a mídia lembra que, no início de novembro, o Pentágono lançou um projeto para criar um sistema de intercepção de armas hipersônicas, o Programa Glide-Breaker, e anunciou uma licitação urgente para empresas de defesa. Eles devem apresentar suas ideias quanto a um "sistema de defesa antiaérea para interceptar mísseis com bloco hipersônico planador nas camada superiores da atmosfera".

Ao mesmo tempo, a edição afirma que não é a velocidade ou a capacidade de manobra dos novos mísseis, mas a sua "invisibilidade" para os radares americanos que representa uma ameaça mais séria. Vale destacar que, para os EUA, o assunto mais difícil é proteger a costa do oceano Pacífico.

"Não há muitos lugares onde instalações de radar possam ser colocadas", cita a edição as palavras do engenheiro-chefe do Pentágono, Michael Griffin. "E mesmo que você encontre algumas, então provavelmente se tornarão alvos", adiciona.

A velocidade máxima do míssil Avangard, dotado de um corpo de titânio resistente às altas temperaturas, supera 20 vezes a velocidade do som

© Sputnik / Ministério da Defesa da Federação da Rússia

Analista: novo míssil Avangard superará todos os sistemas de defesa nos próximos 50 anos

A assessoria de imprensa do Kremlin comunicou que, em 26 de dezembro, o Ministério da Defesa da Rússia realizou com sucesso o lançamento de teste de um míssil do sistema Avangard. O bloco planador realizou manobras verticais e horizontais guiadas e atingiu o alvo convencional no tempo previamente definido no campo de treinamento do polígono.

O sistema Avangard está entre as armas cuja criação foi anunciada pelo presidente Vladimir Putin em 1º de março de 2018, durante seu discurso anual perante a Assembleia Federal. O míssil é capaz de voar nas camadas densas da atmosfera com alcance intercontinental, enquanto sua velocidade é 20 vezes maior que a do som. A produção em série do Avangard foi anunciada em julho, enquanto sua colocação em serviço se espera nos próximos meses.

Fonte: https://br.sputniknews.com/defesa/2018122913010472-missil-hipersonico-russo-avangard-teste-panico-eua/

Golpe eliminou quatro milhões de empregos formais


EPIT�CIO PESSOA

A conspiração política contra a presidente Dilma Rousseff, engendrada por PSDB e MDB e que desembocou na eleição de Jair Bolsonaro, eliminou quatro milhões de empregos formais, segundo aponta levantamento do IBGE; era Temer, que chega ao fim de forma melancólica, termina marcada por um nível jamais alcançado de precarização do mercado de trabalho

29 de Dezembro de 2018 às 04:56 // Inscreva-se na TV 247 Youtube

247 – A destruição do mercado de trabalho no Brasil, decorrente da aliança entre PSDB e MDB para impor a política do 'quanto pior, melhor' e derrubar a presidente Dilma Rousseff, trouxe números dramáticos para o mercado de trabalho: nada menos que 4 milhões de empregos formais eliminados.

"O mercado de trabalho chega ao fim de 2018 com um aparente paradoxo: ao mesmo tempo em que o número de desempregados ainda é bastante alto (12,2 milhões), a população ocupada atingiu o maior nível da série histórica (93,1 milhões). Os números parecem incoerentes, mas têm uma origem comum: as marcas de uma recessão econômica que custa a ser superada por completo", informa reportagem de Flávia Lima e Lucas Vetorazzo, na Folha de S. Paulo.

"A mesma crise que fechou perto de 4 milhões de vagas com carteira de trabalho nos últimos quatro anos e fez a taxa de desemprego explodir trouxe um contingente enorme de pessoas para o mercado de trabalho que antes não precisava trabalhar", apontam os jornalistas.

No trimestre encerrado em novembro, o desemprego atingiu taxa de 11,6%, ou 12,2 milhões de pessoas desocupadas.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/economia/378807/Golpe-eliminou-quatro-milh%C3%B5es-de-empregos-formais.htm

Esquerda e centro-esquerda não vão à posse; será uma festa da direita e extrema-direita


247 - Os partidos de esquerda não irão à posse de Jair Bolsonaro. Os parlamentares do PT, PSOL e PC do B estarão ausentes da cerimônia de 1º de janeiro às 15h no Congresso Nacional. Os partidos de centro-esquerda, PDT e PSB, liberaram suas bancadas para que cada parlamentar decidia-se. O presidente do PSB, Carlos Siqueira, já anunciou que não irá, mesma posição do líder do PDT na Câmara dos Deputados, André Figueiredo.

Com a confirmação da presença do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e mais o premiê ultranacionalista da Hungria Viktor Orbán e os presidente de direita sul-americanos, Sebastián Piñera (Chile), Iván Duque (Colômbia) e Mario Abdo (Paraguai), a posse de Bolsonaro adquire feição de um encontro da direita e extrema-direita global

A decisão do PT de boicotar a posse de Bolsonaro foi antecipada pelo Brasil 247 em 20 de dezembro (aqui). Nesta sexta (28) o partido oficializou sua posição com uma nota assinada pelos líderes do partido na Câmara e Senado, deputado Paulo Pimenta e senador Lindbergh Farias, e pela presidente da sigla, Gleisi Hoffmann (aqui). Na nota, o partido informa: !"Não compactuamos com discursos e ações que estimulam o ódio, a intolerância e a discriminação. E não aceitamos que tais práticas sejam naturalizadas como instrumento da disputa política. Por tudo isso, as bancadas do PT não estarão presentes à cerimônia de posse do novo presidente no Congresso Nacional".

Da mesma maneira, o PSOL oficializou sua posição nesta sexta, com uma nota de sua Executiva Nacional na qual o partido diz que seus parlamentares estarão ausentes da posse e afirma: "Estaremos nas ruas, desde o primeiro dia de governo, defendendo a democracia, os direitos do povo brasileiro e a soberania nacional contra aqueles que querem fazer o Brasil retroceder a 1964. Seremos resistência, desde o primeiro dia do governo Bolsonaro, nas ruas e no parlamento, em defesa do povo brasileiro" (aqui).

O PC do B não divulgou nota sobre o assunto. Segundo a presidente da legenda, deputada Luciana Santos (PCdoB-PE), "Não tomamos nenhuma resolução, mas é natural que não estejamos presentes. Não temos nenhuma identificação com o presidente eleito. Não fomos convidados e não iríamos se o convite tivesse chegado" (aqui). A deputada comunista Jandira Feghali confirmou que a bancada não participará da posse, mas evitou usar a palavra "boicote". "Não é um boicote, até porque respeitamos o resultado das urnas. É a decisão política de não ir", disse (aqui).

O presidente do PSB, Carlos Siqueira afirmou que a questão não foi fechado pelo partido e que decisão será de cada parlamentar e líder da agremiação: "Quem desejar participar está livre para fazê-lo. Eu, pessoalmente, não estarei lá". O líder do PDT na Câmara dos Deputados, André Figueiredo (CE), disse que não vai e que "não existe nenhuma deliberação para algum deputado da bancada ir".

Com a confirmação da presença do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e mais o premiê ultranacionalista da Hungria Viktor Orbán e os presidente de direita sul-americanos, Sebastián Piñera (Chile), Iván Duque (Colômbia) e Mario Abdo (Paraguai), a posse de Bolsonaro adquire feição de um encontro da direita e extrema-direita global

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/poder/378815/Esquerda-e-centro-esquerda-n%C3%A3o-v%C3%A3o-%C3%A0-posse;-ser%C3%A1-uma-festa-da-direita-e-extrema-direita.htm

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Michele Bolsonaro decide também oprimir Lula


Divulgação

Pouco depois de Jair Bolsonaro agredir Lula nas redes sociais, fazendo piada com a prisão política e injusta do ex-presidente, a futura primeira-dama, Michele Bolsonaro, decidiu também vestir o traje de opressora, ao usar uma camisa com uma frase da juíza Gabriela Hardt: "se começar nesse tom comigo, a gente vai ter problema"; aparentemente, com sua obsessão por Lula, a família Bolsonaro demonstra complexo de inferioridade em relação ao ex-presidente que deixou o cargo com 87% de aprovação e teria sido eleito em primeiro turno se não tivesse sido preso num processo forjado e sem provas

26 de Dezembro de 2018 às 13:46 // Inscreva-se na TV 247 Youtube

247 - Após o presidente eleito Jair Bolsonaro usar o Twitter para agredir o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por meio de um retuíte do perfil "Falha de S. Paulo", que apresenta um Papai Noel com características físicas genericamente assemelhadas ao ex-presidente sendo contido por policiais militares (leia sobre o assunto na matéria do Brasil 247), a futura primeira-dama Michelle Bolsonaro, também aderiu às agressões contra o ex-presidente, mantido como preso político em Curitiba. Ao deixar a Ilha de Marambia, onde passou o Natal com a família, ela vestia uma camisa com a inscrição "Se começar nesse tom comigo, a gente vai ter problema".

A frase foi dita pela juíza da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, Gabriela Hardt, durante interrogatório do ex-presidente Lula, em novembro. Hardt substituiu Sérgio Moro, que deixou a magistratura para assumir o Ministério da Justiça do governo de Jair Bolsonaro, e deverá ficar à frente do cargo até o dia 30 de abril de 2019, quando o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) deve escolher o novo titular da Vara.

No dia do depoimento no qual a juíza proferiu a frase transcrita na camisa utilizada pela futura primeira-dama, a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffman, afirmou que ela é a "sequência do que Sergio Moro quer, que é "seguir o roteiro de condenar Lula".

Michelle Bolsonaro deixou a Ilha da Marambaia nesta quarta-feira (26) em uma lancha da Marinha que a levou até o Iate Clube de Itacuruça.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/378623/Michele-Bolsonaro-decide-tamb%C3%A9m-oprimir-Lula.htm

Bolsonaro volta a agredir Lula no Twitter

 

O presidente eleito Jair Bolsonaro voltou a agredir o ex-presidente Lula nas redes sociais; o ex-capitão retuitou a publicação humorística de péssimo gosto do perfil 'Falha de S. Paulo', que apresenta um Papai Noel com características físicas genericamente assemelhadas ao ex-presidente sendo contido por policiais militares; Lula é preso político há nove meses, visão compartilhada pelos maiores juristas do Brasil e do mundo; a pergunta que fica é: essa é uma conduta aceitável para um Presidente da República?

26 de Dezembro de 2018 às 11:54 // Inscreva-se na TV 247 Youtube

247 - O presidente eleito Jair Bolsonaro voltou a agredir o ex-presidente Lula nas redes sociais. O ex-capitão retuitou a publicação humorística de péssimo gosto do perfil 'Falha de S. Paulo', que apresenta um Papai Noel com características físicas genericamente assemelhadas ao ex-presidente sendo contido por policiais militares. Lula é preso político há nove meses, visão compartilhada pelos maiores juristas do Brasil e do mundo. A pergunta que fica é: essa é uma conduta aceitável para um Presidente da República?

Confira o Twitter de Jair Bolsonaro:

Ver imagem no Twitter

Ver imagem no Twitter

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/378615/Bolsonaro-volta-a-agredir-Lula-no-Twitter.htm

domingo, 23 de dezembro de 2018

Ex-chanceler alemão explica verdadeira razão por que EUA criticam o Nord Stream 2


Nord Stream 2, em construção no Mar Báltico.


Nord Stream 2

Mundo

06:53 23.12.2018(atualizado 07:04 23.12.2018) URL curta

770

O ex-chanceler da Alemanha Gerhard Schroeder disse no sábado que os EUA têm seus próprios interesses na Europa, o que explica a pressão que Washington exerce sobre o projeto do gasoduto Nord Stream 2.

No entanto, a Alemanha deve decidir por si própria com quem deseja fazer negócios.

"Eles [os EUA] fazem isso não por amor à Ucrânia, mas porque eles próprios querem enviar gás para a Alemanha. O gás liquefeito [GNL] é mais caro e tem menor qualidade do que o fornecido por gasoduto", disse o político social-democrata em uma entrevista para o jornal Welt am Sonntag.

Nord stream 2

© Foto: Nord stream 2

Departamento de Estado: Empresas envolvidas no Nord Stream 2 podem sofrer sanções dos EUA

Segundo Schroeder, Berlin não deve permitir que Washington determine com quem pode ou não negociar.

"O Irã, a China, a Rússia — se continuarmos assim, em breve não poderemos ter relações econômicas com ninguém", disse ele.

"Para um país dependente da exportação como o Alemanha, isso é inaceitável. Apesar de todo o nosso respeito e amizade, temos que dizer isso aos americanos", acrescentou ele.

Ele sublinhou que não é um político anti-EUA, mas durante seu tempo como chanceler, sua política externa visava assegurar uma certa independência dos Estados Unidos.

A bandeira nacional dos EUA voa sobre o Departamento de Estado em Washington 24 de marco de 2015

© REUTERS / Yuri Gripas

Político americano critica EUA por se envolverem em conflitos externos

O projeto Nord Stream 2 envolve a construção de dois gasodutos de gás da Rússia para a Alemanha, com capacidade total de 55 bilhões de metros cúbicos de gás natural por ano. O gasoduto, com um troço submarino através do mar Báltico, está orçado em cerca de 9,5 bilhões de euros (cerca de R$ 42,5 bilhões). Espera-se que seja lançado antes do final de 2019.

A Ucrânia, por onde passa um dos principais gasodutos internacionais da Rússia para a Europa, e que se beneficia significativamente das taxas de trânsito de gás, se opôs repetidamente à construção do Nord Stream 2, dizendo que isso ameaçará sua segurança energética.

Fonte: https://br.sputniknews.com/mundo/2018122312964046-nord-stream2-eua-ex-chanceler-alemao/

A queda de braço entre o nacionalismo de Trump e o Estado Profundo globalista


22 de dezembro de 2018

Trump apressa Mensagem “QAnon” para Forças Armadas francesas enquanto a Rússia realiza o Maior Exercício de descontaminação de Guerra Nuclear na História

Um surpreendente novo relatório do Conselho de Segurança (CS) e que se assemelha a ler como foi escrito nos dias seguintes ao Tratado da Aliança que, em 1778, cimentou a aliança defensiva entre a França e os Estados Unidos da América (formada no em meio à Guerra Revolucionária Americana) contra o Império Britânico, afirma que enquanto o Presidente Putin acaba de emitir um aviso ameaçador sobre a guerra nuclear global continua ecoando pelo mundo, e como o 49º Exército Geral acaba de completar com sucesso seu maior exercício na história para lidar com o rescaldo de um ataque nuclear maciço, o Serviço de Inteligência Estrangeira (SVR) examinou detalhadamente o misterioso voo da Força Aérea dos EUA de Washington DC para a ilha francesa de Saint Martin, a 48 horas atrás, lança nova luz sobre quão grave está a situação  o presidente Trump agora está realmente enfrentando - principalmente porque seu único passageiro era a personalidade da mídia internacional “Lionel” - que o é um dos principais porta-vozes públicos do secreto grupo de inteligência militar dos EUA que apoia Trump chamado "QAnon", e cuja visita em agosto passado no Gabinete Oval da Casa Branca com Trump provocou pânico e gritos de alarme em todo o "Deep State". [Nota: Algumas palavras e / ou frases que aparecem entre aspas neste relatório são aproximações em inglês de palavras / frases em russo que não possuem uma correspondência exata.]

Deep State”em pânico  depois que  “QAnon” spokesperson Lionel (right) visita  o President e Donald Trump ina Casa Branca no Oval Office em Agosto -2018

De acordo com este relatório, em 20 de dezembro, um jato VIP Gulfstream V da Força Aérea dos EUA o C-37A partiu da Base Conjunta Andrews para fora de Washington DC e voou para a ilha Caribenha Francesa de Saint Martin, retornando aos Estados Unidos menos de 24 horas. mais tarde, no dia 21 de dezembro - e cujo único passageiro civil era Lionel, o americano de mídia internacional - que, ao chegar a St. Martin, foi levado por um comboio armado para uma propriedade conhecida como Chateau des Palmiers, propriedade de The Trump. Organização, onde ele se encontrou com um adido do general Jean-Pierre Bosser, que é o chefe do exército francês - e depois de cuja reunião secreta, Lionel postou enigmaticamente em seu site uma citação do líder revolucionário francês Napoleão Bonaparte que diz “A história é um conjunto de mentiras acordadas”.

Importante saber sobre Lionel, detalhes deste relatório, é que, como uma personalidade da mídia internacional, uma de suas entrevistas mais frequentes no ano passado foi o Dr. Jerome Corsi - que é o veterano repórter investigativo americano e autor de best-sellers que revelou que um grupo de generais dos EUA disse a ele que Trump foi recrutado por uma misteriosa e secreta unidade de inteligência militar dos EUA chamada "QAnon" para concorrer na eleição presidencial de 2016 para ajudá-los a remover autoridades corruptas do "Estado Profundo" de posições de poder - e por causa desta revelação, hoje vê Corsi trancado em uma batalha até a morte com o Conselheiro Especial Robert Mueller, a quem ele se recusa a falar mais.

Mais crítico para entender sobre Lionel, no entanto, este relatório continua, é que além de ser uma personalidade da mídia internacional, ele também é um advogado experiente e ex-promotor estadunidense com mais de 35 anos de experiência e que lidera a organização jurídica conhecida. como a firma Lebron - tornando-o, assim, um emissário natural para o presidente Trump e para o "QAnon", já que suas comunicações são protegidas sob as impenetráveis ​​leis de confidencialidade do cliente advogado existentes nos Estados Unidos.

Quanto ao motivo pelo qual Lionel foi despachado pelo Presidente Trump e / ou “QAnon” para se encontrar com um adido do Chefe do Estado Francês General Jean-Pierre Bosser em St. Martin, este relatório explica, torna-se compreensível quando se conhece as conexões pessoais próximas entre Bosser e o general do Exército dos EUA Mark Milley - que começou poucas semanas depois de Trump ser eleito e viu o General Bosser viajar para os Estados Unidos, onde ele concedeu ao General Milley a mais alta honraria da França, chamada Legion of Honor.

General Bosser correndo para a América para premiar o General Milley com a Legião de Honra imediatamente após Trump ser eleito, este relatório explica, foi, sem dúvida, reconhecendo o poder do "QAnon" em alcançar esta impressionante vitória sobre o "Deep State" - e sua sabendo ainda que o General Milley, de fato, é um dos principais líderes do "QAnon" - e é por isso que Trump designou o General Milley para comandar todas as forças militares dos EUA - e que, em preparação, viu o general Milley dizendo todas as suas forças militares que “o dever dos soldados e oficiais é da Constituição dos EUA, não de nenhum partido político ou figura” - e sua posterior declaração a eles:

Nós somos os únicos militares do mundo ... que não fazem um juramento a um rei, uma rainha, um ditador, um presidente.

Nós não fazemos juramento a um país. Nós não fazemos juramento a uma tribo ou a um pedaço de terra.

A principal essência do Exército é que estamos comprometidos com você, os cidadãos.

Estamos dispostos a morrer, a dar a nossa vida, por uma ideia.

O líder do “QAnon”, general Mark Milley (à direita) recebe o prêmio Legião de Honra do general francês Jean-Pierre Bosser (à esquerda) poucos dias depois de o presidente Trump eleito



Por que o general Milley teria que advertir suas forças militares com um lembrete de que eles servem à Constituição dos EUA e não a pessoas, religiões, tribos, partidos políticos ou terra, diz o relatório, devido a novas pesquisas que mostram que a polarização política dentro da comunidade militar americana se intensificou tanto quanto tem entre civis - com homens alistados mostrando ao Presidente Trump o apoio mais esmagador, enquanto mulheres militares têm uma visão muito mais dura do tempo de Trump no cargo, e cujos oficiais ainda têm uma opinião mais baixa da presidência de Trump do que as tropas alistadas eles lideram - mas em um paradoxo absoluto, mostra mais de 60% deles dizendo acreditar que as forças armadas estão em melhor forma agora do que sob o presidente Obama, e quase o mesmo número tendo uma visão favorável do manejo das forças armadas por Trump - um uma grave contradição que mostra como as políticas corrosivas estão acabando com o núcleo de toda a instituição militar dos EUA.


Com o movimento de restauração constitucional americano liderado pelo Presidente Trump e o “QAnon” conhecido como MAGA entrando agora em sua fase mais crucial, este relatório continua, o “Estado Profundo” já demonstrou plenamente que não quer uma regra legitimamente constituída por autoridades eleitas. - com a sua preferência por uma ditadura pelo "proletariado", ou seja, por bandidos impiedosos como eles mesmos - o que significa que agora é a hora do Plano B: uma guerra de aniquilação - e como declarado no terrível ensaio militar dos EUA publicado recentemente os militares americanos são leais ao seu comandante-em-chefe? ”, Mostra claramente os perigos do que vem a seguir:


Trump testará ao máximo os poderes ilimitados que lhe são conferidos pela Constituição para comandar as forças militares americanas como seu comandante-em-chefe.


Se um comandante-chefe adequadamente eleito não puder ordenar que seus militares protejam as fronteiras do país contra a invasão, a América como uma entidade política independente na qual o povo é soberano através de um sistema de freios e contrapesos cuidadosamente elaborados em uma estrutura federal de governo estabelecida constitucionalmente .

O mundo segura a respiração enquanto espera para ver se o presidente Trump pode ganhar o controle total das forças armadas americanas



Tendo enfrentado um contínuo fracasso durante seus primeiros quase dois anos no cargo tentando acomodar seus inimigos do “Estado Profundo” através de processos e procedimentos normais, este relatório diz que o Presidente Trump, na semana passada, entrou em pleno “Plano B: guerra de aniquilação ”durante uma conversa sobre o conflito sírio com o presidente turco Erdogan - durante o qual, enquanto eles estavam ouvindo, nenhum dos especialistas militares de Trump foi capaz de responder à sua simples pergunta“ como se derrota um inimigo que não existe ”? Isso, por sua vez, levou Trump a ordenar a retirada imediata de todas as forças militares dos EUA da Síria, ordenando que seus soldados deixassem o Afeganistão - e é por isso que hoje o mundo vê seus oceanos vazios dos grupos de batalha dos porta-aviões pela primeira vez na história.

Chocado com o Presidente Trump afirmando o poder total e inatacável que a Constituição dos EUA lhe conferia como Comandante em Chefe de todas as forças militares dos EUA, este relatório continua, o seu Secretário de Defesa James “Mad Dog” Mattis foi o primeiro a entrar em  protestos, com o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, general Joseph Dunford, relataram estar perto de seguir o mesmo - mas cujas partidas são nada mais do que uma continuação da grande mudança entre os principais comandantes militares americanos  que Trump começou meses atrás, como Trump havia prometido ao povo americano que ele reconstruiria sua própria nação, não continuou lutando em outros - e cujas partidas, como esperado, provocaram uma reação de pânico e quase histeria dos principais membros de ambos os principais partidos políticos, a mídia e ex-militares dos Estados Unidos e funcionários da inteligência - enquanto, ao mesmo tempo, estão sendo aplaudidos e apoiados dentro da população ativa dos EUA que compartilham a profunda hostilidade de Trump com as intermináveis ​​guerras travadas pelo imperialismo dos EUA por mais de um quarto de século.

Com o presidente Trump assumindo agora controle total sobre as Forças Armadas dos EUA, este relatório observa que ordenar a retirada das forças terrestres americanas da Síria faz do presidente francês Macron o comandante do que se tornará, por padrão, a maior força ocidental engajada lá - e contra Trump teve a última gargalhada com Paris queimando essas últimas semanas, e isso começou após a crítica de Macron da política de Trump de "America First" que os franceses querem que seus líderes façam por eles também - assim sendo necessário que Lionel seja enviado para atender com o General Bosser em St. Martin antes do "Deep State" explodir o mundo inteiro.

Exatamente o que o presidente Trump está tentando fazer com a França, este relatório afirma severamente, está tentando impedir que eles sejam cúmplices na guerra que o Reino Unido está tentando provocar na Ucrânia - onde hoje um navio de guerra britânico foi enviado para provocar um conflito. com um navio de guerra russo que está totalmente armado e preparado para um confronto - e está sendo encorajado pelo "Deep State" na América, que prefere uma guerra com a Rússia com armamento nuclear ao invés de ser liderada pelo presidente Trump.

Quanto ao fio da navalha que a Terceira Guerra Mundial agora se encontra insanamente equilibrada, concluem este relatório, estão os americanos divididos que em breve escolherão o caminho do Presidente Trump para a paz, ou o caminho do “Estado Profundo” para a guerra - com um lado sendo melhor exemplificado pelo veterano da guerra da Força Aérea dos EUA triplo amputado Brian Kolfage Jr., que na semana passada arrecadou mais de US $ 14 milhões para ajudar o presidente Trump a construir um muro para proteger a fronteira sul do país - e o outro melhor examinado pelo novo mainstream de  mídia e estrela de Hollywood "Desmond", que é um menino de 11 anos, desfilou e celebrado por toda a mídia e entretenimento dos Estados Unidos na semana passada usando roupas e maquiagem de mulheres enquanto buscava dinheiro em bares homossexuais, e isso Nenhum líder de “Estado Profundo” de qualquer tipo pode ser condenado por abuso sexual tão vil e demoníaco.

“Deep State” dos EUA celebra vestir menino de 11 anos de idade chamado Desmond (acima) em roupas femininas e maquiagem para que ele possa vasculhar dinheiro em bares homossexuais…

enquanto a America do Presidente Trump celebra o triplo veterano de guerra da Força Aérea dos EUA Brian Kolfage Jr. (acima com a família) por arrecadar mais de $ 14 milhões para proteger sua nação e seus povos.


Qual América você pertence?

WhatDoesItMean.Com.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Os machões do atestado médico e do twitter


Mauro Lopes, editor do 247, dos Jornalistas pela Democracia - Este será o governo dos machões. Homens que arrotam valentia, são agressivos, parecem destemidos. Mas não passam de machões do atestado médico. Na hora "h", escondem-se atrás de papeluchos ou nem isso, simulam "atestados médicos" para fugir às responsabilidade, ao confronto na vida real, ao embate de ideias ou na Justiça. Nesta sexta (19), depois de boa parte do país passar os últimos 15 dias entoando o mantra "cadê o Queiroz, cadê o Queiroz, cadê o Queiroz", o PM machão de seu patrão machão pela segunda vez faltou a um depoimento no Ministério Público, refugiando-se num atestado médico.

Ele não foi original. Bolsonaro, o "mito", o "macho alfa" dentre os machões, faz tempo que se esconde atrás de atestados médicos. Debater com outros candidatos no primeiro turno? Atestado médico. Debater com Haddad no segundo turno? Atestado médico. Viagem que pode representar algum desconforto político? Atestado médico.

Os machões do atestado médico são assim.

São também machões do twitter. Como são machos! Xingam, ameaçam, aparentam disposição para qualquer confronto... mas é twitter apenas.

São machões de palanque. Cercados por seguranças armados, dezenas deles, empunham metralhadoras, ameaçam matar, expulsar, enviar para campos de tortura... mas é palanque, sob a proteção de seguranças.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Quando saem às ruas, os aparatos de segurança são monumentais. Inventam "ameaças de atentados". E tome carro blindado e tropa militar e colete a prova de bala e...

Vomitam guerra e morte pelo twitter e nas entrevistas. Mas recolhem-se detrás de atestados médicos e aparatos de segurança sem precedentes.

Veja-se o Papa Francisco -sem querer ofender Bergoglio com a comparação. Tome-se a relevância, a estatura, a proeminência e os riscos dele versus Bolsonaro. O Papa, que acaba de fazer 82 anos, não apresenta atestados médicos. O Papa não se esconde atrás de um twitter, não se encolhe atrás de aparatos de segurança.

O Papa não  é machão. Bolsonaro é.

Também é machão o seu caixa, seu "PC Farias", seu "coronel Lima", o Queiroz. O caixa e o dono do caixa são, ambos, machões de atestado médico.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Eles se parecem com esses assaltantes de farol. Atacam só quando têm certeza que estão diante de uma vítima com baixa capacidade de reação. Bolsonaro faz assim. Parte pra cima - de mulheres. Grita em seus ouvidos, ameaça-as com estupro, xinga-as. Como os assaltante de farol, que escolhem mulheres, velhos e velhas para atacar.

O herói de Bolsonaro também era machão. Não sei se era machão de atestado médico. Talvez. Mas sei que era machão de centro de tortura. Carlos Alberto Brilhante Ustra era machão diante de homens e mulheres, em especial mulheres, espancadas, nuas, ensanguentadas -era machão diante de crianças que levava para as salas de horror verem seus pais esmagados por pancadas e choques elétricos.

Era o "macho alfa" dos centros de tortura. Mas não se arriscava a enfrentar esses homens e mulheres sozinho. Cercava-se de uma horda de torturadores.

Os machões são assim. Precisam de turma, de reforço, de músculos atrás dos quais possam se esconder. Ou de atestados médicos.

E o Queiroz? Ele está lá no fim da cadeia alimentar dos machões.  É o machão do atestado médico e do caixa eletrônico, a serviço do machão do atestado médico e do twitter.

Para encerrar, assista abaixo ao machão do atestado médico elogiar seu herói, o machão dos centros de tortura. Assista ao depoimento de uma mulher. Amélia Teles. Ela não se escondeu nunca atrás de atestados médicos

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/blog/91/378251/Os-mach%C3%B5es-do-atestado-m%C3%A9dico-e-do-twitter.htm

Rovai: acharam dinheiro com Kassab, João de Deus e o primo de Aécio, mas quem está preso é Lula


247 - O jornalista e editor do Portal Fórum, Renato Rovai, comparou o tratamento oferecido pelas autoridades brasileiras, especialmente do judiciário, para pessoas flagradas com dinheiro não-declaro ou de origem duvidosa.

Ele lembra que o ministro Gilberto Kassab (PSD), que o médium João de Deus, acusado de ter assediado e estuprado mais de 500 mulheres e Frederico Pacheco, primo do senador Aécio Neves, tiveram grandes quantias descobertas e que continuaram em liberdade, enquanto o ex-presidente Lula, está preso sem ter sido flagrado com nenhuma quantia.

"Dão busca e apreensão na casa do Kassab e pegam 300 mil, fazem o mesmo na casa do João de Deus e acham 1,2 milhão e um monte de esmeraldas, o primo do Aécio carregava mala com 500 mil. E quem tá preso é o Lula, que nao foi pego com nada", disse o jornalista, em sua conta no Twitter.

Renato Rovai‏ @renato_rovai

Dão busca e apreensão na casa do Kassab e pegam 300 mil, fazem o mesmo na casa do João de Deus e acham 1,2 milhão e um monte de esmeraldas, o primo do Aécio carregava mala com 500 mil. E quem tá preso é o Lula, que nao foi pego com nada.

03:04 - 22 de dez de 2018

48 respostas 1.183 retweets 3.200 curtiram

    1. Nova conversa

    2. Leonardo Pinheiro‏ @Leonardo170785 21 h21 horas atrás

Em resposta a @renato_rovai

O Lula foi conduzido coercitivamente, sem ter sido notificado antes, como manda a lei, já Queiroz, o laranja, foi notificado, e em duas vezes se ausentou, cadê a coercitiva do Queiroz?

sábado, 22 de dezembro de 2018

Marinha do Irã lança mísseis perto de porta-aviões americano

Navios de guerra da Marinha do Irã

Navios iranianos efetuaram lançamento de mísseis perto do grupo naval norte-americano liderado por um porta-aviões que na sexta-feira (21) entrou no golfo Pérsico.

Além do porta-aviões USS John C. Stennis, o grupo de ataque também inclui o cruzador de mísseis USS Mobile Bay, os destróieres de mísseis USS Decatur e USS Mitcher e um submarino nuclear de ataque.

Durante a entrada do grupo aeronaval da Marinha dos EUA liderado pelo porta-aviões USS John C. Stennis nas águas do golfo Pérsico, cerca de 30 navios do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica seguiram esse grupo naval, informou a agência Associated Press.

Destaca-se que os navios da Marinha estadunidense permanecerão no Oriente Médio por dois meses.

De acordo com o The Wall Street Journal, os EUA enviaram seus navios para essa zona marítima como uma demonstração de força ao Irã.

USS John C. Stennis (CVN-74), um super-porta-aviões de propulsão nuclear norte-americano da classe Nimitz

Anteriormente, uma fonte do jornal explicou que a presença do USS John C. Stennis "fornecerá definitivamente uma diferença positiva" no balanço de forças em caso de ações hostis do Irã nessas águas.

No início de dezembro, a agência Tasnim News informou que o destróier iraniano Sahand, munido com mísseis, havia se juntado à Marinha iraniana no golfo Pérsico. No dia 4 do mesmo mês, o presidente iraniano Hassan Rouhani sinalizou novamente a prontidão de o Irã bloquear o estreito de Ormuz (a faixa marítima mais movimentada do mundo para transporte de petróleo) se Trump interromper o comércio de petróleo da República Islâmica.

Fonte: https://br.sputniknews.com/oriente_medio_africa/2018122212957622-marinha-ira-lanca-missil-porta-avioes-americano/

Suprema injustiça ou suprema covardia?


O ministro Marco Aurélio Melo, do Supremo Tribunal Federal, surpreendeu o país às proximidades do Natal ao determinar, através de liminar, a libertação de todos os presos condenados em segunda instância, o que beneficiaria o ex-presidente Lula, preso desde abril em Curitiba. Marco Aurélio, o primeiro ministro do Supremo a ter coragem para cumprir a Constituição – a que ponto chegamos, onde é preciso coragem para o cumprimento da Carta Magna que estabeleceu a presunção de inocência – disse que "se o Supremo ainda for Supremo a sua decisão teria de ser obedecida". Ficou provado que não é mais. Ao derrubar em tempo recorde a liminar, o ministro Dias Toffoli confirmou que o Supremo há muito deixou de ser Supremo, não passando hoje de um boteco que pode ser fechado a qualquer momento por um cabo e um soldado. A Corte Suprema, que vergonhosamente rasgou a Constituição para se transformar em instrumento de interesses políticos, se apequenou por conta do enorme temor que a elite tem de Lula, aliado ao inexplicável ódio das classes dominantes, o que fez do ex-presidente o homem mais temido do país. Mesmo preso, despojado de tudo e até dos seus bens, Lula mete medo até a generais.

Ouve-se, frequentemente, que as instituições estão funcionando plenamente e que a democracia está em pleno vigor, mas a realidade é bem diferente. O Brasil se tornou terra sem lei, cuja Constituição desapareceu desfigurada pelas interpretações convenientes, permitindo que até juízes de primeira instância afrontem decisões de ministros da Suprema Corte. E com ela desapareceu também a democracia, hoje um arremedo destinado a iludir o resto do planeta, pois em nenhuma democracia do mundo generais se reúnem para avaliar se a Corte Suprema pode libertar um preso. Nenhuma democracia do mundo permite que a Justiça seja tutelada pelos militares. O próprio Marco Aurélio, aliás, disse, ao conceder a liminar, que a sua decisão "seria um teste para a nossa democracia, para ver se as nossas instituições ainda são respeitadas". O desrespeito ficou muito claro. Certamente por isso o Supremo Tribunal Federal, que teoricamente seria o guardião da Constituição, ficou reduzido a um guardião apenas, o ministro Marco Aurélio Mello que, justamente por essa posição corajosa, teve a sua cassação solicitada por um general de pijama. Pelo visto, defender a Constituição é crime.

Aliás, como a definição de crime mudou depois que o nosso Judiciário sofreu estranha metamorfose, Lula foi condenado e preso pelo crime de tirar 40 milhões de brasileiros da linha da pobreza; pelo crime de construir duas dezenas de universidades e abrir suas portas para as minorias – pobres, negros e indígenas; pelo crime de pretender usar o pré-sal para desenvolver a educação e saúde; pelo crime de tornar o país respeitado entre as grandes potências mundiais; pelo crime de ser nacionalista, arrancando o Brasil das garras do Tio Sam. De certo modo sua condenação e prisão tem alguma semelhança com a de Sócrates, o filósofo grego preso e condenado à morte pelo crime de ter ensinado a juventude do seu país a fraternidade, o perdão, a humildade, o amor ao próximo, lições aprofundadas 700 anos depois por Jesus Cristo. Preso, o filósofo, herói nas guerras em defesa do seu país, certo dia foi surpreendido pela sua mulher, Xantipas, que chegou esbaforida à prisão, gritando: "Sócrates! Sócrates! Os juízes te condenaram à morte!" E o grande filósofo, sereno: "E daí? Eles também estão condenados pela natureza!" De fato. Todos, sem nenhuma exceção, estão condenados à morte pela natureza.

O fato é que o medo da liderança de Lula parece ter afetado todo mundo. A melhor prova disso é que todos, incluindo a mídia, se mobilizam de imediato, para impedir a sua libertação, todas as vezes em que surge essa possibilidade, atropelando leis, prazos e hierarquias. A Procuradora Geral da República, Raquel Dodge, por exemplo, a mesma que levou 45 dias para liberar um processo contra Aécio Neves, em poucas horas recorreu ao presidente do Supremo para revogar a liminar concedida por Marco Aurélio. E em apenas cinco horas, a exemplo do que aconteceu quando o desembargador Rogério Favreto concedeu habeas corpus ao ex-presidente, a decisão de libertá-lo foi cassada. Está mais do que evidente que pretendem deixa-lo morrer no cárcere, ou apodrecer, como deseja o presidente eleito Jair Bolsonaro. Com vários processos que permitam várias condenações, mesmo sem nenhuma prova, querem mantê-lo em prisão perpétua, já que aqui não existe pena de morte, pelo menos por enquanto, pois um dos filhos do novo presidente já sugeriu a sua implantação. Diante disso, de uma coisa ninguém mais tem dúvidas: Lula jamais sairá da cadeia, mesmo inocente, via judiciário. E todos, especialmente o ex-juiz Sergio Moro e os ministros Carmem Lucia e Dias Toffoli, terão dado a sua valiosa contribuição para eliminar o maior líder popular deste país, ironicamente justo quem os nomeou para o Supremo. Diante disso, vale a pena lembrar, mais uma vez, o que disse o Cristo no Sermão da Montanha: "Bem-aventurados os que são perseguidos pela Justiça, pois é deles o Reino dos Céus".

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/colunistas/ribamarfonseca/378259/Suprema-injusti%C3%A7a-ou-suprema-covardia.htm

Segurança de Fátima Bezerra é executado com sete tiros na cabeça em Natal


O segurança da governadora eleita do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT) e cabo da Polícia Militar, João Maria Figueiredo, foi executado com sete tiros na cabeça por volta das 17h desta sexta-feira (21), nas proximidades do motel Ele&Ela, no bairro da Redinha, Zona Norte de Natal; o assassino levou a arma funcional e o celular do PM; o corpo de João foi encontrado ainda com capacete numa estrada de terra, Zona Norte de Natal; informações sobre velório e sepultamento ainda não foram divulgadas

22 de Dezembro de 2018 às 06:45 // Inscreva-se na TV 247 Youtube

247 - O segurança da governadora eleita do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT) e cabo da Polícia Militar, João Maria Figueiredo, foi executado com sete tiros na cabeça por volta das 17h desta sexta-feira (21), nas proximidades do motel Ele&Ela, no bairro da Redinha, Zona Norte de Natal. O assassino levou a arma funcional e o celular do PM. O corpo de João foi encontrado ainda com capacete numa estrada de terra, Zona Norte de Natal. Ainda não há informações sobre velório e sepultamento.

O site Saiba Mais destaca que o "Cabo Figueiredo, como era conhecido, participou da equipe de segurança da campanha da governadora eleita Fátima Bezerra e era cotado para integrar a equipe dela a partir de 1º de janeiro."

João Maria era Filiado ao PT e era membro ativo do grupo Policiais Antifascismo, movimento criado por operadores de Segurança Pública que luta pela democracia e pelos Direitos Humanos dentro da estruturas das polícias.

O cabo tinha posições técnicas com relação à violência, que para ele era um problema social ligado à criminalização do povo pobre e preto das periferias brasileiras. João Maria foi convidado várias vezes para dar palestras sobre Segurança, Direitos Humanos e descriminalização das drogas como alternativa para redução da violência urbana.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/nordeste/378323/Seguran%C3%A7a-de-F%C3%A1tima-Bezerra-%C3%A9-executado-com-sete-tiros-na-cabe%C3%A7a-em-Natal.htm

Damares usou cotas parlamentares para voar pelo País como pastora


Valter Campanato/Agência Brasil

O jornalista Marcelo Auler, integrante da rede de Jornalistas pela Democracia, identificou nada menos do que 77 viagens para 18 dos 27 estados brasileiros feitas pela futura ministra Damares Alves, pagas com cotas parlamentares. Tudo a um custo para o chamado erário público de R$ 51.242,60. "Verbas da Câmara teriam auxiliado nas pregações evangélicas?", questiona o jornalista

22 de Dezembro de 2018 às 10:59 // Inscreva-se na TV 247 Youtube

Por Marcelo Auler, em seu blog e no Jornalistas pela Democracia Em algumas de suas muitas palestras e pregações religiosas, todas devidamente alardeadas nas redes sociais, notadamente no Youtube, a futura ministra da Mulher, Família e dos Direitos Humanos, Damares Regina Alves, reafirma com frequência que "as instituições piraram" e que "chegou o momento" de as igrejas evangélicas governarem o Brasil.

Há, no comentário, ainda que de forma indireta, críticas aos políticos de uma forma em geral.

Independentemente do seu direito constitucional de expor o que pensa e criticar, Damares pode estar sendo injusta, ao deixar no ar a possibilidade de um menosprezo à classe política. Injusta e, no mínimo, mal-agradecida.

Afinal, prestes a completar 54 anos no próximo dia 11 de março – nasceu 21 dias antes do golpe militar de 1964 – ela passou 19 anos, ou seja, mais da metade da sua vida adulta, convivendo e dependendo dos políticos.

(...)

Esta ligação em comum faz levantar dúvidas se Damares atuou como assessora parlamentar ou, usando do cargo conferido pelo legislativo, impulsionou sua carreira de pregadora e difusora do evangelismo. Logo ela passou a ser tratada como assessora jurídica da Frente Parlamentar Evangélica e da Frente Parlamentar em Defesa da Família e Apoio à Vida.

Isso possivelmente explique o fato de que, em 11 anos, entre agosto de 2007 e agosto deste ano (2018) o Blog tenha identificado nada menos do que 77 viagens para 18 dos 27 estados brasileiros. Viagens que normalmente partiram de Brasília onde oficialmente ela reside. Mas nem sempre os voos começaram pela capital.

Tudo a um custo para o chamado erário público de R$ 51.242,60, apenas com passagens aéreas emitidas pelas cotas destes quatro parlamentares.

A viagem de uma pregação em Curitiba, em outubro de 2013, não aparece entre as passagens usadas por Damares. A igreja terá pago?

(...)

Enfim, essas viagens teriam ocorrido a serviço da Frente Política Evangélica?

Há justificativas para viagens pagas com cotas de parlamentares para estados e cidades diferentes daquelas que elegeram o parlamentar que a senhora assessorava?

Verbas da Câmara teriam auxiliado nas pregações evangélicas?

Leia a íntegra no blog de Marcelo Auler e apoie os Jornalistas pela Democracia

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/378337/Damares-usou-cotas-parlamentares-para-voar-pelo-Pa%C3%ADs-como-pastora.htm

sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

Que vergonha: Imprensa descobre ação de Dodge para blindar Aécio Neves

Moro leva rebordosa após atacar Lula e imagem de ex-juiz se esfacela no ...

A administração Trump não está terminando as guerras na Síria ou no Iêmen


A administração Trump não está terminando as guerras na Síria ou no Iêmen - está apenas mudando (e brigando) por estratégia

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que fez campanha para "derrotar o Estado Islâmico", defendeu o slogan da temporada eleitoral ao declarar "vitórias históricas contra o EI" como uma razão para sua decisão na quarta-feira de acabar com a presença militar dos EUA na Síria.

Donald J. Trump

✔@realDonaldTrump

We have defeated ISIS in Syria, my only reason for being there during the Trump Presidency.

114K

12:29 PM - Dec 19, 2018

Twitter Ads info and privacy

60.3K people are talking about this

Twitter Ads info and privacy

Em meio aos ganhos constantes do exército sírio, que recuperou terras do ISIS e de várias facções rebeldes desde 2016, Trump tentou divulgar a desestabilização da Síria como um sucesso em sua presidência.

Embora a retirada militar dos EUA seja sempre um motivo para comemorar, uma corrente subjacente geopolítica mostra que a medida representa apenas uma mudança na estratégia de minimização de perdas para o eixo entre o Golfo e Israel-EUA no Oriente Médio.

A decisão foi criticada por falcões de guerra da ala direita, como Lindsey Graham e Marco Rubio - assim como muitos liberais de Hollywood a apontaram como evidência de conluio alegado por Putin-Trump.

Mia Farrow

✔@MiaFarrow

As Trump pulls troops out of Syria, we must acknowledge the enormity of the world’s failure to halt a humanitarian catastrophe . U.S exit benefits Russia, ISIS - still active, Iran & Assad. Was this agreed to during Putin/Trump’s 2 hour Helsinki meeting- without witnesses?

2,563

1:22 PM - Dec 19, 2018

Twitter Ads info and privacy

1,248 people are talking about this

Twitter Ads info and privacy

As Forças Democráticas da Síria exortaram os EUA a não se retirarem, alertando que a cessação do apoio e da presença terá “sérias repercussões” que “criarão um vácuo” na região.

A retirada representa uma perda nos objetivos de mudança de regime dos EUA e seus aliados, algo que o enviado norte-americano à Síria James Jeffrey explicitamente disse que o país não está mais interessado, logo depois que a Síria recuperou mais de 90% de seu território.

Em setembro, foi revelado que Israel, ao cortar suas perdas, parou de armar e financiar grupos rebeldes que os relatórios revelaram que estavam secretamente apoiando por anos. Como seu aliado sionista, os EUA também decidiram reduzir suas perdas e não rebolar ainda mais o barco entre si e a Turquia.

Falhas militares e gastos excessivos tornaram as campanhas de guerra diretas altamente impopulares para os EUA após o Iraque e o Afeganistão. Desde então, a estratégia dos EUA no pós-guerra contra o terrorismo tem sido buscar estratégias mais encobertas.

Estes foram levados a cabo através de guerras por procuração, apoio de grupos rebeldes apoiados pelo Ocidente, censura e manipulação dos media, e manutenção ou aumento do apoio e financiamento aos aliados da OTAN e do CCG e a Israel.

Os EUA apoiaram o YPG na esperança de utilizar a facção separatista como uma alternativa confiável e confiável a outros grupos rebeldes, ajudando-a a obter território e base contra o EI na Síria. Isso colocou em conflito com a Turquia, que considera o YPG um grupo "terrorista". Embora os EUA tenham mais fé e segurança no grupo como um aliado confiável e de longo prazo, a Turquia abriga há muito tempo antagonismos profundos às ambições separatistas do grupo.

O desacordo provocou um acordo por parte da Turquia exigindo que os EUA retirassem do Manbij até o final de 2018 a presença do SDF (Forças Democráticas Sírias), uma aliança liderada pelo YPG.

Tanto os EUA quanto a Turquia esperam que as marés venham a favor da OTAN, a Turquia planeja lançar uma operação contra o grupo curdo em breve, antecipando uma completa liberação territorial e vitória para a Síria, e espera prolongar pelo menos alguma presença militar dos EUA no país .

A segunda condição para a presença dos EUA no país, além do pretexto da atividade do ISIS, é o subtexto mais forte da oposição aos aliados do Irã.

Enquanto isso, o cessar-fogo em relação ao Iêmen atraiu reações semelhantes que aplaudem os EUA por supostamente recuar em suas campanhas de violência em outra parte do mundo.

Quando o Senado dos EUA votou na semana passada o fim do apoio dos EUA à guerra no Iêmen, passando de 56 para 41, uma provisão enterrada da Lei de Melhoramento da Agricultura de 2018 da Câmara e do Comitê de Regras bloquearia qualquer votação ou discussão adicional sobre o envolvimento dos EUA no guerra no Iêmen.

“6. A Seção 2 estabelece que as provisões da seção 7 da Resolução dos Poderes de Guerra (50 USC 1546) não serão aplicadas durante o restante do Décimo Quinto Congresso a uma resolução concorrente introduzida em conformidade com a seção 5 da Resolução dos Poderes de Guerra (50 USC 1544). respeito ao Iêmen. ”

Na quinta-feira, o presidente Trump assinou o projeto de lei.

A pressão dos Estados Unidos por um cessar-fogo mediado pela ONU no Iêmen, como a retirada da Síria, ocorre após 4 anos de perdas pela coalizão saudita apoiada pelos EUA após um cerco e bloqueio devastadores a partir de março de 2015.

O cessar-fogo é empurrado em meio à contínua agressão contra as forças de Ansarullah nos últimos dias, incluindo o lançamento de aviões de guerra dos EUA-Arábia Saudita contra o aeroporto internacional de Sana'a.

As tentativas de manter o cessar-fogo continuam a ser impedidas diplomaticamente e militarmente pela Arábia Saudita e pelos EUA, renegando continuamente o acordo de que só espera desarmar as forças iemenitas e, assim, empreender uma ofensiva final mais fácil.

Os EUA e a Arábia Saudita também esperam difamar os termos da trégua para especificar a condenação do Irã como supostamente desempenhando um papel no prolongamento do conflito. O projeto de resolução, sob pressão dos EUA, agora condena o apoio iraniano e os “ataques aéreos não tripulados dos houthis contra os países vizinhos”.

A Rússia rejeitou o projeto de resolução nestes termos.

Apesar da linguagem, as forças populares iemenitas concordaram em respeitar os termos do cessar-fogo, respondendo apenas a frustrar a agressão lançada pela coalizão do Golfo apoiada pelo Ocidente.

Yahya Saree, brigadeiro das forças armadas do Iêmen, disse que o exército iemenita e os comitês populares estão "comprometidos com o cessar-fogo em Hodeidah", complicados pelas recorrentes violações dos EUA e da Arábia Saudita.

O porta-voz do Exército acrescentou que mais de morteiros foram disparados contra as áreas residenciais de Hodeidah, violando o cessar-fogo, incluindo o lançamento de 26 ataques aéreos entre Estados Unidos e Arábia Saudita em vários locais em 24 horas.

Enquanto isso, os EUA concentraram seus esforços em confrontar o Irã diretamente através do soft power por meio de sanções e lidar com a pressão israelense para tomar medidas contra o Hezbollah no Líbano.

Na semana passada, os EUA rejeitaram o pedido de Israel de sancionar o Líbano depois que o estado sionista iniciou operações para destruir túneis transfronteiriços ao lado da fronteira.

Embora a Arábia Saudita e Israel tenham pressionado intensamente o Líbano para combater o Hezbollah no Líbano, os EUA estão relutantes em tomar novas medidas, como fornecedores de ajuda externa e militar ao país e às suas forças armadas.

Na terça-feira, os EUA expressaram suas "profundas preocupações" em relação à suposta crescente influência política e militar, condenando seus aliados no governo do Líbano por lhe dar "cobertura" e "uma linha de legitimidade".

Em todo o Oriente Médio, os EUA estão relutantes em gastar muito mais esforço em envolvimento direto ou em combate - mas isso não indica disposição para parar o apoio de seus aliados na região.

*

Nota para os leitores: por favor, clique nos botões de compartilhamento acima. Encaminhar este artigo para suas listas de e-mail. Crosspost no seu blog, fóruns na internet. etc.

https://www.globalresearch.ca

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Gleisi: Bolsonaro é contra trabalhadores, meio ambiente e sem palavra

 

Dir.: Antonio Cruz - ABR

Sul 247 - A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), eleita deputada federal, bateu duro no presidente eleito Jair Bolsonaro, que perdoou dívidas de R$ 17 bilhões do setor ruralista com o Funrural.

"Bolsonaro vai manter a indicação do ministro de meio ambiente, apesar de condenado por improbidade. Vai perdoar dívida dos ruralistas c/ Funrural. Vai permitir q possam emitir a própria licença ambiental. Governo contra o meio ambiente, trabalhadores e, ainda por cima, sem palavra", escreveu a parlamentar no Twitter.

Escolhido para presidir o Ibama no próximo ano, Eduardo Fortunato Bim defendeu que os produtores rurais emitam sua própria licença ambiental de forma automática, por meio de um sistema eletrônico. Segundo reportagem do Estado de S.Paulo desta sexta-feira (21), ele anunciou que revisará toda a regulação ambiental porque o processo ainda é "precário e artesanal".

Perfil de gleisi

Gleisi Lula Hoffmann

Gleisi Lula Hoffmann

Gleisi Lula Hoffmann

Conta verificada

@gleisi

Tweets

Gleisi Lula HoffmannConta verificada

@gleisi

Gleisi é senadora pelo Estado do Paraná e Presidenta nacional do Partido dos Trabalhadores (PT).

Curitiba - Brasil

facebook.com/gleisi.hoffmann

Participa desde abril de 2009


Gleisi Lula Hoffmann‏Conta verificada @gleisi

Bolsonaro vai manter a indicação do ministro de meio ambiente, apesar de condenado por improbidade.Vai perdoar dívida dos ruralistas c/ Funrural. Vai permitir q possam emitir a própria licença ambiental. Governo contra o meio ambiente, trabalhadores e, ainda por cima, sem palavra

10:55 - 21 de dez de 2018

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/sul/378287/Gleisi-Bolsonaro-%C3%A9-contra-trabalhadores-meio-ambiente-e-sem-palavra.htm