quarta-feira, 31 de julho de 2013

Ricos brasileiros têm quarta maior fortuna do mundo em paraísos fiscais

 

Rodrigo Pinto

Da BBC Brasil em Londres

Imagem: Agencia Brasil

Ricos brasileiros são os quartos no mundo em remessas a paraísos fiscais

Os super-ricos brasileiros detêm o equivalente a um terço do Produto Interno Bruto, a soma de todas as riquezas produzidas do país em um ano, em contas em paraísos fiscais, livres de tributação. Trata-se da quarta maior quantia do mundo depositada nesta modalidade de conta bancária.

A informação foi revelada este este domingo por um estudo inédito, que pela primeira vez chegou a valores depositados nas chamadas contas offshore, sobre as quais as autoridades tributárias dos países não têm como cobrar impostos.

Notícias relacionadas

O documento The Price of Offshore Revisited, escrito por James Henry, ex-economista-chefe da consultoria McKinsey, e encomendado pela Tax Justice Network, mostra que os super-ricos brasileiros somaram até 2010 cerca de US$ 520 bilhões (ou mais de R$ 1 trilhão) em paraísos fiscais.

O estudo cruzou dados do Banco de Compensações Internacionais, do Fundo Monetário Internacional, do Banco Mundial e de governos nacionais para chegar a valores considerados pelo autor.

Em 2010, o Produto Interno Bruto Brasileiro somou cerca de R$ 3,6 trilhões.

'Enorme buraco negro'

O relatório destaca o impacto sobre as economias dos 139 países mais desenvolvidos da movimentação de dinheiro enviado a paraísos fiscais.

Henry estima que desde os anos 1970 até 2010, os cidadãos mais ricos desses 139 países aumentaram de US$ $ 7,3 trilhões para US$ 9,3 trilhões a "riqueza offshore não registrada" para fins de tributação.

A riqueza privada offshore representa "um enorme buraco negro na economia mundial", disse o autor do estudo.

"Instituições como Bank of America, Goldman Sachs, JP Morgan e Citibank vêm ofrecendo este serviço"

John Christensen, diretor Tax Justice Network

Na América Latina, chama a atenção o fato de, além do Brasil, países como México, Argentina e Venezuela aparecerem entre os 20 que mais enviaram recusos a paraísos fiscais.

John Christensen, diretor da Tax Justice Network, organização que combate os paraísos fiscais e que encomendou o estudo, afirmou à BBC Brasil que países exportadores de riquezas minerais seguem um padrão. Segundo ele, elites locais vêm sendo abordadas há décadas por bancos, principalmente norte-americanos, pára enviarem seus recursos ao exterior.

"Instituições como Bank of America, Goldman Sachs, JP Morgan e Citibank vêm oferecendo este serviço. Como o governo americano não compartilha informações tributárias, fica muito difícil para estes países chegar aos donos destas contas e taxar os recuros", afirma.

"Isso aumentou muito nos anos 70, durante as ditaduras", observa.

Quem eniva

Segundo o diretor da Tax Justice Network, além dos acionistas de empresas dos setores exportadores de minerais (mineração e petróleo), os segmentos farmacêutico, de comunicações e de transportes estão entre os que mais remetem recursos para paraísos fiscais.

"As elites fazem muito barulho sobre os impostos cobrados delas, mas não gostam de pagar impostos", afirma Christensen. "No caso do Brasil, quando vejo os ricos brasileiros reclamando de impostos, só posso crer que estejam blefando. Porque eles remetem dinheiro para paraísos fiscais há muito tempo".

Chistensen afirma que no caso de México, Venezuela e Argentina, tratados bilaterais como o Nafta (tratado de livre comércio EUA-México) e a ação dos bancos americanos fizeram os valores escondidos no exterior subirem vertiginosamente desde os anos 70, embora "este seja um fenômeno de mais de meio século".

O diretor da Tax Justice Network destaca ainda que há enormes recursos de países africanos em contas offshore.

Está chegando pessoal! As aulas do Yázigi já vão iniciar, confira as datas e fique de olho no dia da sua aula. <br /><br />Mais um semestre de muitas novidades e sucesso está começando, faça parte da nossa história, mais de 25 anos de tradição em Sobral, mais de 60 anos no Brasil!

Motorista que estava bêbado e matou ciclista pagou fiança de 2 salários mínimos e foi solto

 

Por Henrique Andrade

É o fim da picada mesmo… Depois atropelar e matar um ciclista neste sábado (27) e ser preso em flagrante, o motorista Jurandi Afonso Nascimento foi solto após pagar fiança.

Atropelo

O ciclista Luiz Gonzaga Posse da Silva, 49, que trabalhava como porteiro em um prédio residencial, foi atropelado pelo motorista que estava bêbado e andando pela contra mão, na rua Carlos Lacerda, no Campo Limpo, por volta das 4h50, quando se dirigia para a zona oeste da capital paulista.

O motorista foi solto na noite desta segunda-feira (29) após pagamento de fiança de dois salários mínimos.

De acordo com a SSP, testemunhas disseram à polícia que Nascimento estava em um bar antes do acidente, onde teria consumido cerveja. Ao ser questionado, o torneiro mecânico confirmou que havia consumido duas latas da bebida, mas que não teria visto o ciclista.

Um exame feito pela polícia confirmou que ele estava alcoolizado, mas a SSP não soube informar qual o nível de álcool identificado no sangue. Ele também disse à polícia que trafegava pela contramão para despistar de outro veículo que teria ido em direção a ele.

Nascimento foi levado inicialmente para o 89ª DP e depois encaminhado para o 91º, onde ficou preso indiciado por homicídio, fuga de local de acidente e embriaguez ao volante.

Iniciadas novas ações de segurança em Sobral

 

Como resultado das reuniões do Prefeito Veveu com o Comandante da Polícia Militar do Estado, Werisleik Matias, e com o Delegado Geral da Polícia Civil, Carlos Dantas, em Sobral, na semana passada, o Município já conta, a partir desta segunda-feira, 29, com novas estratégias no reforço à segurança, como a implantação de 3 duplas a pé no Centro da cidade, equipes do COTAR atuarão no Centro, Terrenos Novos e Sinhá Sabóia, com o reforço da equipe do RAIO, que farão rondas na cidade.
O Ronda do Quarteirão continuará em sua linha de atuação em 10 áreas da cidade, diariamente.
A cidade contará ainda com o reforço de viaturas nos bairros Santa Casa e Tamarindo, Alto Novo e Sumaré, além dos Terrenos Novos, que contarão com essas e outras operações com apoio do Ministério Público e Poder Judiciário, quando forem acionados.
A partir dessa segunda também Sobral passa a contar com uma Delegacia Municipal de Polícia Civil, no bairro Derby, para atender exclusivamente os casos do Município.

Postado por pompeumacario

Projeto criado por professor melhora desempenho de alunos com deficiência em escola pública de SP e amplia inclusão

 

F007-shutterstock_102322600

Um projeto criado pelo professor Rafael Dias Silva, de 36 anos, para ajudar no aprendizado de alunos com deficiência auditiva, teve um duplo resultado positivo em uma escola pública de São Paulo. Além de melhorar o desempenho desses estudantes, o trabalho também despertou o interesse dos colegas de classe sobre a Língua Brasileira de Sinais (Libras) e ampliou a inclusão.

Desde 2009, Rafael leciona matemática, português, inglês, artes, educação física, sociologia, filosofia, química, física, biologia, história e geografia. Tudo em Libras. Com base em sua experiência na sala de aula, ele desenvolveu um método no qual músicas, poesias, vídeos e imagens são usados para ensinar.

O professor trabalha na Escola Estadual Dom João Maria Ogno, na zona leste da capital paulista, onde tem quatro alunas com deficiência auditiva severa, com idade entre 16 e 18 anos, que cursam o primeiro ano do ensino médio. “Além da dificuldade em aprender, havia o problema da frequência e da falta de interação com professores, a direção e os outros estudantes”, diz Rafael.

Desempenho - Em conjunto com outros professores, Rafael passou a usar a nova metodologia. E as notas dessas alunas começaram a melhorar. “Em inglês, história e química, subiram de 2 para 7. Também houve muita melhora em português e filosofia”, conta.

O desafio, no entanto, segundo o professor, não está somente em conseguir ensinar aos alunos Libras e português, simultaneamente, mas em incluí-los na comunidade escolar. “Observando minhas aulas, os estudantes ouvintes ficaram interessados em aprender Libras para se comunicar com os amigos. Daí surgiu a ideia de estender o programa para alunos ouvintes, professores e outros funcionários da escola”, explica Rafael.

Batizado de Língua Brasileira de Sinais: Um Universo Silencioso, o projeto é dividido em três vertentes: formação continuada dos professores pela Aula de Trabalho Pedagógico Coletivo (ATPC) – para traçar estratégias de aprendizado para os alunos surdos -, sensibilização dos alunos ouvintes para o aprendizado de Libras e, finalmente, o trabalho prático que inclui visitas a museus, institutos, entre outras atividades pedagógicas e culturais.

Rafael Dias Silva também ministra aulas gratuitas de Libras na Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), na USP Leste, para professores e pedagogos, nos temas astronomia, geologia, biologia, física e química. Saiba mais aqui.

Fonte: Portal de notícias de O Estado de S.Paulo

terça-feira, 30 de julho de 2013

Mais Médicos: 4.657 profissionais concluem cadastro no programa

 

PT na Câmara

O Programa Mais Médicos para o Brasil encerrou seu primeiro mês de seleção com 4.657 médicos cadastrados até meia-noite deste domingo (28), prazo final para entrega de documentos e correções na inscrição. Desse total, 3.891 possuem registro profissional válido no Brasil e 766 têm diplomas do exterior.
“A disposição destes médicos em participar do programa e atender nos municípios do interior e na periferia das grandes cidades é fundamental para conseguirmos melhorar o atendimento prestado à população”, avalia o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.
Apesar da possibilidade de correção de inconsistências e apresentação de documentos ao longo deste fim de semana, 7.278 médicos mantêm registros de CRM (Conselho Regional de Medicina) inválidos. Na última sexta-feira, este grupo chegava a 8.307.
Outro dado que chamou a atenção do Ministério da Saúde foi o baixo número de médicos residentes que confirmou seu interesse em ir ao Mais Médicos. Dos 1.270 profissionais deste perfil que haviam se inscrito, apenas 31 confirmaram interesse, ao entregar todos os documentos solicitados e declarar que desistiriam de participar das especializações que estão cursando.
Estas inconsistências foram identificadas por filtros estabelecidos pelo Ministério da Saúde após denúncias de que haveria tentativas de boicote ao programa. “Estes mecanismos protegeram os médicos que de fato tinham interesse em atender a população e em se especializar em Atenção Básica, com acompanhamento de uma universidade federal”, diz Padilha.
Acionada pelo Ministério da Saúde há três semanas, a Polícia Federal instaurou inquérito para apurar denúncias que circularam nas redes sociais para postergar o início do trabalho dos participantes do Mais Médicos.
Os médicos inscritos com documentos pendentes e com informações inconsistentes terão oportunidade de fazer as correções e concluir seu cadastro na próxima seleção do programa, que será aberta no dia 15 de agosto, inclusive com a possibilidade de entrada de novos profissionais.
Cronograma – O período para os médicos com cadastro finalizado selecionarem seis opções de municípios onde desejam atuar terminou neste domingo (28). Em 1º de agosto será divulgada a relação de médicos com CRM válido no Brasil e a indicação da cidade designada a cada profissional.
Os profissionais com diploma brasileiro terão de homologar a participação e assinar um termo de compromisso até três de agosto. Dois dias depois, as escolhas serão publicadas no Diário Oficial da União.
Já os estrangeiros têm até 8 de agosto para entregar a documentação, pois só poderão ocupar as vagas não preenchidas pelos médicos formados no Brasil.
Municípios – O Mais Médicos para o Brasil conta com a adesão de 3.511 municípios, que equivalem a 63% do total de prefeituras no Brasil e a 92% das consideradas prioritárias para o programa. Juntas, estas cidades apresentaram demanda e capacidade para terem 15.460 médicos atuando na atenção básica. Entre as cidades, 92% já acessaram recursos federais para melhorar a infraestrutura das suas unidades básicas de saúde e 90% participam de ações do Ministério da Saúde para melhorar a qualidade do atendimento prestado.
A região Norte teve a maior participação de seus municípios (73%), seguida de Sul (68%), Nordeste (66%), Centro-Oeste (60%) e Sudeste (55%). Entre os estados, destacam-se o Amazonas (97%), Amapá (94%), Acre (86%), Rondônia (85%), Ceará (82%), Roraima (80%), Bahia (76%), Piauí (74%), Pará (73%), Paraná (72%) e Espírito Santo (71%).
Pacto - Lançado pela presidenta Dilma Rousseff, no dia 8 de julho, o Mais Médicos faz parte de um amplo pacto de melhoria do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), com objetivo de acelerar os investimentos em infraestrutura nos hospitais e unidades de saúde e ampliar o número de médicos nas regiões carentes do País, como os municípios do interior e as periferias das grandes cidades.

Índice de Desenvolvimento Humano do Brasil cresce 47,5% em 20 anos, aponta Pnud

 

beneditadasilva

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) do Brasil cresceu 47,5% entre 1991 e 2010, segundo o "Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013", divulgado ontem pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). De acordo com a publicação, realizada em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA) e a Fundação João Pinheiro, a cidade com o IDHM mais elevado é São Caetano (SP), e os municípios que tiveram maior evolução no quesito "renda" são das regiões Norte e Nordeste. Os dados são calculados com base nos Censos Demográficos de 1991, 2000 e 2010, do IBGE.
A classificação do IDHM geral do Brasil mudou de "muito baixo" (0,493), em 1991, para "alto desenvolvimento humano" (0,727), em 2010. Em 2000, o IDHM geral do Brasil era 0,612, considerado "médio".  O IDHM é um índice composto por três indicadores de desenvolvimento humano: vida longa e saudável (longevidade), acesso ao conhecimento (educação) e padrão de vida (renda).
Na avaliação da deputada Benedita da Silva (PT-RJ), integrante da Comissão de Seguridade Social, o resultado da pesquisa é significativo e mostra o acerto das políticas públicas adotadas pelo governo Lula e intensificada no governo Dilma. “Os números  revelam o salto acentuado do IDHM nos governos petistas. Fica claro também a importância dos nossos governos terem investido em políticas de inclusão social e de promoção do desenvolvimento regional. O Atlas mostra que a maior evolução de renda aconteceram no Norte e no Nordeste, regiões que receberam políticas públicas e incentivos adequadas à sua realidade”, enfatizou a deputada. 
Educação - Entre os três indicadores que compõem o IDHM, o que mais contribuiu para a pontuação geral do Brasil em 2013 foi o de longevidade (com 0,816; classificação "desenvolvimento muito alto"),  seguido por renda (0,739; "alto") e por educação (0,637; "médio"). Apesar de educação ter o índice mais baixo dos três, foi o indicador que mais cresceu nos últimos 20 anos: de 0,279 para 0,637.
Segundo o Pnud, esse avanço é motivado por uma maior frequência de jovens na escola (2,5 vezes mais que em 1991).
Para a deputada Benedita os resultados por indicadores reforçam também a necessidade de manter a destinação dos royalties do petróleo para a educação, como propôs e defende a presidenta Dilma Rousseff. “Avançamos muito, os números são animadores e também desafiadores. Precisamos garantir mais recursos para a educação e essa fonte de recurso é o pré-sal”, argumentou.

Progresso - De acordo com os dados do "Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013", 85,8% dos municípios brasileiros faziam parte do grupo de “muito baixo desenvolvimento humano” em 1991.
Em 2000, esse número caiu para 70% e, em 2010, despencou para 0,57%.  Ou seja, atualmente apenas 32 cidades das 5.565 do País, são consideradas de “muito baixo desenvolvimento humano”.
Para Jorge Chediek, representante residente do Pnud no Brasil, o País teve "progresso extraordinário". "O Brasil tem mostrado um progresso extraordinário em termos de saúde, educação e distribuição de renda. Isso mostra que é possível, em pouco tempo, mudar as condições de um país", disse Chediek.

PT na Câmara

segunda-feira, 29 de julho de 2013

ACIDENTE COM MORTE NA CE – 085 ENTRE CRUZ E ACARAÚ

 

Cruz. Domingo, 28, por volta das 20 horas, uma Hilux e uma moto chocaram-se na CE – 085, próximo da ponte sobre o Rio Acaraú, limite entre os municípios de Cruz e Acaraú.

Em consequência deste acidente, faleceu no local o motoqueiro, residente em Itarema, e o passageiro foi levado para Sobral em estado grave.

A CE – 085 teve o início de sua construção em 1996, entre Cruz e Acaraú, com 7 Km de extensão, e o trecho de Cruz à Jijoca de Jericoacoara iniciou em 2002 e foi totalmente concluída dez anos depois quando foi colocada a sinalização refletora de solo. Este trecho é de 33 km. Desde quando foi iniciada a construção desta estrada até o presente, já foram registrados mais de 100 acidentes com mortes. Alguns acidentes aconteceram por capotamento, outros por choques frontais entre carros ou entre carro e moto, por atropelamento de animais e pessoas e até por afogamento quando um veículo caiu nas águas do Açude da Prata. Quem viaja por este trecho e é um bom observador pode constatar a grande quantidade de cruzes fixadas as margens desta estrada. Há locais como, por exemplo, no Trevo de Lagoa Velha, que parece um cemitério, embora nem todos os locais de acidentes estejam sinalizados.

clip_image002

Frio e campos nevados. Na madrugada de ontem, 29, o frio foi intenso no Distrito de Caiçara, Município de Cruz, fazendo com que as pessoas tremessem que nem curumim. Quando o dia começou a clarear, pode-se observar um espetáculo de rara beleza, os campos cobertos de neve, escondendo a vegetação e deixando a passagem branca como as nuvens.

Safra de castanha de caju. Os cajueiros, este ano, estão com a floração bastante atrasa, pois somente agora é que se pode observar o início da floração que normalmente começa no final do mês de junho. Ainda é cedo para se prever se haverá boa safra ou não. O preço é que não vem acompanhando o aumento dos custos de produção. No mercado de Cruz, a castanha está sendo comercializada ao preço de R$ 1,60 o kg.

clip_image004

Sinal de internet. O mercado de comunicação por internet está bastante aquecido e a competição para oferta de sinal está bastante acirrada.

Na Praia do Preá, já são três torres repetidoras de sinal e já se fala na chegada de outras torres para transmissão do sinal para internet. Espera-se que os usuários passem a ter um bom sinal, pois, no momento o que nós é ofertado não é de boa qualidade, embora, seja melhor do os sinais em Cruz e Jijoca de Jericoacoara. Espera-se que os preços para os assinantes também passem a ser melhores.

Dr. Lima

IDHM mostra que brasileiro vive cada vez mais

Por Lisandra Paraguassu | Estadão Conteúdo

Existe uma área em que o Brasil conseguiu chegar ao desenvolvimento muito alto: a expectativa de vida. A cada ano, os brasileiros vivem mais, em todo o País. Dos 5.565 municípios brasileiros, 3.176 têm o IDHM longevidade muito alto. Nenhuma cidade está na faixa baixo ou muito baixo. A diminuição significativa da mortalidade infantil e a queda na fecundidade são as causas do sucesso no índice. O avanço só não é ainda maior por uma razão: a violência, que se espalha das grandes metrópoles para as cidades pequenas e centra fogo especialmente nos jovens.
Leia mais
Evolução do IDHM mostra "progresso impressionante" do Brasil, diz representante da ONU

Mais de um terço das cidades brasileiras têm IDH alto
IDHM do Brasil avança 47,5% em 20 anos
Para Mercadante, IDHM aponta futuro "muito promissor"

Hoje, mais de 50% dos municípios brasileiros tem taxas de fecundidade abaixo do nível de reposição da população. Somado a isso, quase 60% das cidades conseguiram baixar para menos de 19 por mil nascidos vivos a mortalidade infantil, meta que deveria ser atingida pelo país, de acordo com os Objetivos do Milênio, em 2015. A ameaça à expectativa de vida no Brasil hoje é menos o que ataca as crianças, e mais o que atinge os jovens: a violência.

"Dificilmente vamos avançar tanto ainda na mortalidade infantil. Agora temos que enfrentar a agenda dos jovens. A violência ainda é uma fonte importante de mortes que pode gerar crescimento na expectativa de vida", afirmou o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcelo Nery.

A expectativa de vida no Brasil hoje varia entre 65 anos, nas cidades de Cacimbas, na Paraíba, e Roteiro, em Alagoas, a 79 anos, nos municípios catarinenses de Balneário Camboriú, Blumenau, Brusque, Rio do Sul. Desde 1991, a diferença caiu de 20 para 14 anos entre os melhores e os piores.

O crescimento na expectativa de vida nos últimos 10 anos - 46% no Brasil 58% no Nordeste - poderiam ser ainda maior se não fosse o impacto da violência contra os jovens. O Brasil tem uma alta taxa de mortes violentas na população em geral, mas a concentração das mortes entre jovens deixa o país na mesma linha de países que passam por guerras civis e outros conflitos violentos. De acordo com o último Mapa da Violência, preparado pelo sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz, a taxa chegou a 134 por 100 mil habitantes, mais do que o dobro do já alto índice da população em geral, de 54 por 100 mil. Nas palavras do autor, um extermínio juvenil.

"Nós não teremos grandes impactos mais por tratamentos médicos. Mas uma criança que deixa de morre em um ano o impacto é gigantesco. Um jovem que deixa de morrer o impacto é enorme", avalia Marcelo Nery. Essa lição, no entanto, o Brasil está deixando de fazer.

Prefeitura de Groaíras iniciará entrega de milho a produtores

 

O Prefeito Adail melo ordenou que a Secretaria de Agricultura, que tem como Secretário Pio Paiva, realizasse a entrega de 1.000 sacos de milhos aos criadores.
Esse milho é fruto de um programa do Governo Federal em parceria com Governo do Estado e órgãos, como Ematerce e Ceasa, onde o produtor adquiri o milho conforme seu rebanho,O milho tem um valor mais barato que o de mercado. A saca com 60 quilos varia de R$ 18,20 a R$ 21, dependendo do tamanho do rebanho do criador.
O objetivo da prefeitura é facilitar ao produtor o recebimento desse milho, que geralmente é entregue em Sobral, o que dificultava para o produtor, que além de gastar para buscar ainda enfrentava grandes filas.
A importância dessa distribuição se dá pelo principal motivo do nosso homem do campo precisar de apoio para ter uma vida melhor e essa ação da prefeitura tira de sua responsabilidade o gasto com a locomoção desses sacos de milho e lhe atribui tempo para trabalhar.
A Prefeitura vai entregar na primeira etapa cerca de 1000 sacos de milho, mas, a segunda etapa já está por vir. os nomes dos produtores que receberão essa primeira remessa estão sendo divulgados por meio de Rádio, e você pode consultar na Secretaria de Agricultura.
A entrega do milho se dará inicio amanhã(30) a partir das 8hrs e será realizado na antiga Curtidora, a entrega será coordenada pela Ematerce, juntamente com uma equipe da Secretaria.

Fonte: Blog da PMG

Postado por Artenio Mesquita

Na Vigília com os jovens, Papa Francisco diz “Vamos jogar no time de Jesus!”

 

DiscursoPapaVigilia

Na fria noite deste sábado, 27 de julho, diante dos mais de 3 milhões de peregrinos que participam da Vigília da JMJ, na praia de Copacabana, o Papa Francisco recordou a história de São Francisco de Assis, chamado por Deus para reconstruir a sua Igreja. “Chamado a colocar-se a serviço da Igreja, para que transparecesse nela a face de Cristo. Queridos jovens: o senhor precisa de nós! Também chama a cada um de nós a segui-lo em sua Igreja e a ser missionários. O Senhor, hoje, os chama. Chama a cada um de vocês, individualmente”.

O Santo Padre fez também uma leitura espiritual da mudança do local da realização da Vigília. “O verdadeiro campo da fé somos todos nós: somos eu e você! Quando aceitamos a Palavra do Senhor nos tornamos o verdadeiro Campus Fidei”. A seguir, a íntegra do discurso:

“Queridos jovens,

Acabamos recordar a história de São Francisco de Assis. Diante do Crucifixo, ele escuta a voz de Jesus que lhe diz: 'Francisco, vai e repara a minha casa'. E o jovem Francisco responde, com prontidão e generosidade, a esta chamada do Senhor: 'Repara a minha casa. Mas qual casa?' Aos poucos, ele percebe que não se tratava fazer de pedreiro para reparar um edifício feito de pedras, mas de dar a sua contribuição para a vida da Igreja; tratava-se de colocar-se ao serviço da Igreja, amando-a e trabalhando para que transparecesse nela sempre mais a Face de Cristo.

Também hoje o Senhor continua precisando de vocês, jovens, para a sua Igreja. Queridos jovens, o senhor precisa de vocês. Também hoje ele chama a cada um de vocês para segui-lo na sua Igreja, para serem missionários. Queridos jovens, o Senhor hoje nos chama. Não a todos e sim a cada um de vocês, individualmente. Escutem essa palavra nos seus corações, que fala a vocês.

Acredito que podemos aprender algo com o que aconteceu nos últimos dias. Tivemos que cancelar o evento em Guaratiba. Será que o Senhor não quer nos dizer que o verdadeiro campo da fé, não é um lugar geográfico, mas sim nós mesmos? Sim. É verdade, cada um de nós e de vocês. Eu e vocês todos aqui, somos discípulos missionários. O que quer dizer isso? Que nós somos o campo da fé de Deus.

Partindo do campo da fé, pensei em três imagens que podem nos ajudar a entender melhor o que significa ser um discípulo missionário: a primeira, o campo como lugar onde se semeia; a segunda, o campo como lugar de treinamento; e a terceira, o campo como canteiro de obras.

Primeiro: o campo como lugar onde se semeia. Todos conhecemos a parábola de Jesus sobre um semeador que saiu pelo campo. Algumas sementes caem à beira do caminho, em meio às pedras, no meio de espinhos e não conseguem se desenvolver; mas outras caem em terra boa e dão muito fruto (cf. Mt 13,1-9). O próprio Jesus explicou o sentido da parábola: a semente é a Palavra de Deus que é semeada nos nossos corações (cf. Mt 13,18-23). Hoje, de modo especial, Jesus está semeando, tornando-nos o campo da fé. Deus faz tudo, mas vocês têm que permitir que Ele trabalhe nesse crescimento. Jesus nos diz que as sementes, que caíram à beira do caminho, em meio às pedras e em meio aos espinhos não deram fruto. Qual terreno somos ou queremos ser? Escutamos o Senhor, mas na vida não muda nada, pois nos deixamos tumultuar por tantos apelos superficiais? E eu lhes pergunto: ‘sou um jovem atordoado ou um jovem com pedras no terreno? Terei eu o costume de jogar dos dois lados, ficar de bem com Deus e com o Diabo? Receber as sementes de Deus e manter os espinhos? Acolher Jesus com entusiasmo, mas ser inconstantes e diante das dificuldades não ter a coragem de ir contra a corrente; ou somos como o terreno com os espinhos?

Mas, hoje, tenho a certeza que a semente está caindo numa terra boa, ouvimos esses testemunhos. A pessoa diz que não é terra boa: 'sou cheio de espinhos, Santo Padre'. Mas mantenham sempre um pedacinho de terra boa. Eu sei que vocês querem ser terra boa. O cristão quer ser isso, um cristão de verdade, não cristãos de fachada, mas sim autênticos. Sei que querem ser cristãos autênticos. Tenho a certeza que vocês não querem viver na ilusão de uma liberdade que se deixe arrastar pelas modas e as conveniências do momento.

Sei que vocês apostam em algo grande, em escolhas definitivas que deem pleno sentido para a vida. É assim ou estou errado? Se é assim, façamos o seguinte. Todos em silêncio, olhando para dentro e cada um fale com Jesus que quer receber a semente. Olhe: 'Jesus, tenho pedras, tenho espinhos, mas tenho esse canto de boa terra'. Semeie. E em silêncio, permitem que Jesus plantem sua semente em boa terra. Cada um sabe o nome da semente que foi plantada agora. E Deus vai cuidar dela.

Segundo: o campo como lugar de treinamento. Jesus nos pede que o sigamos por toda a vida, pede que sejamos seus discípulos, que 'joguemos no seu time'. Acho que a maioria de vocês ama os esportes. E aqui no Brasil, como em outros países, o futebol é uma paixão nacional. Sim ou não? Pois bem, o que faz um jogador quando é convocado para jogar em um time? Deve treinar, e muito! Também é assim na nossa vida de discípulos do Senhor. São Paulo nos diz: 'Todo atleta se privam de tudo. Eles assim procedem, para conseguirem uma coroa corruptível. Quanto a nós, buscamos uma coroa incorruptível!' (1Co 9, 25). Jesus nos oferece algo muito superior que a Copa do Mundo! Algo maior que a Copa do Mundo!

Oferece-nos a possibilidade de uma vida fecunda e feliz e nos oferece também um futuro com Ele que não terá fim: a vida eterna. É o que Jesus oferece. Mas ele nos cobra um ingresso. Jesus pede que treinemos para estar 'em forma', para enfrentar, sem medo, todas as situações da vida, dando testemunhos de fé. Como? Através do diálogo com Ele: a oração, que é diálogo diário com Deus que sempre nos escuta.

Agora vou perguntar. 'Eu rezo? Eu falo com Jesus ou tenho medo do silêncio?' Deixe que o Espírito Santo fale aos seus corações. Pergunte a Jesus: 'O que quer que eu faça? O que quer da minha vida?' Isso é treinar. Conversem com Jesus. E se cometerem um erro, um deslize, não temam. 'Jesus, olha o que eu fiz, o que faço agora?' Mas sempre fale com Jesus, nos bons e maus momentos, não tema. Assim vai se treinando o diáologo com Jesus. E também através dos sacramentos; através do amor fraterno, do saber escutar, do compreender, do perdoar, do acolher, do ajudar os demais, qualquer pessoa sem excluir nem marginalizar ninguém. Esses são os treinamentos: a oração, os sacramentos e o serviço ao próximo. Vamos repetir: oração, sacramentos e ajuda aos demais.

Terceiro: o campo como canteiro de obras. Como vemos aqui, como tudo isso foi construído. Os jovens caminharam e construíram juntos. Quando o nosso coração é uma terra boa que acolhe a Palavra de Deus, quando se 'sua a camisa' procurando viver como cristãos, nós experimentamos algo maravilhoso: nunca estamos sozinhos, fazemos parte de uma família de irmãos que percorrem o mesmo caminho; somos parte da Igreja, mais ainda, tornamo-nos construtores da Igreja e protagonistas da história. Fizeram assim como São Francisco: construir e reparar a Igreja.

Querem construir a Igreja? Estão animados? E amanhã vão se esquecer que disseram 'sim'? Todos somos parte da Igreja. Nos transformamos em construtores da Igreja e protagonistas da História. Sejam protagonistas, não fiquem na fila da História. Joguem sempre na linha de frente, no ataque! São Pedro nos diz que somos pedras vivas que formam um edifício espiritual (cf. 1Pe 2,5). E, olhando para este palco, vemos que ele tem a forma de uma igreja, construída com pedras, com tijolos. Na Igreja de Jesus, nós somos as pedras vivas, e Jesus nos pede que construamos a sua Igreja; cada um de nós somos uma pedrinha da construção. Se faltar essa pedrinha, quando chover, vai alagar tudo. E devemos construir uma grande Igreja. Não construir uma capelinha, onde cabe somente um grupinho de pessoas. Jesus nos pede que a sua Igreja viva seja tão grande que possa acolher toda a humanidade, que seja casa para todos! Ele diz a mim, a você, a cada um: 'Ide e fazei discípulos entre todas as nações'! Nesta noite, respondamos-lhe: Sim, também eu quero ser uma pedra viva; juntos queremos edificar a Igreja de Jesus!

Eu quero ir e ser construtor da Igreja de Cristo! Repitam isso. Agora é com vocês. 'Eu quero ir e ser construtor da Igreja de Cristo'. Quero que pensem nisso. No coração jovem de vocês, existe o desejo de construir um mundo melhor. Acompanhei atentamente as notícias a respeito de muitos jovens que, em tantas partes do mundo, saíram pelas ruas para expressar o desejo de uma civilização mais justa e fraterna. Os jovens nas ruas querem ser protagonistas da mudança. Não deixam que outros sejam protagonistas, sejam vocês. Vocês têm o futuro nas mãos. Por vocês, é que o futuro chegará. Peço que vocês também sejam protagonistas, superando a apatia e oferecendo uma resposta cristã às questões políticas que se colocam em diversas questões do mundo. Envolvam-se num mundo melhor. Não sejam covardes, metam-se, saiam para a vida. Jesus não ficou preso dentro de um casulo. Saiam às ruas como fez Jesus.

Mas, fica a pergunta: por onde começar? A quem vamos pedir que se comece isso ou aquilo? Quando perguntaram a Madre Teresa de Calcutá o que devia mudar na Igreja, por onde começaríamos a mudar, e ela respondeu: você e eu! Ela tinha muita garra e sabia por onde começar. Repito as palavras de Madre Teresa: começamos por mim e por você. Faça essa mesma pergunta: se tenho que começar por mim mesmo, por onde devo começar? Abra seus corações para que Jesus lhes fale.

Queridos amigos, não se esqueçam: vocês são o campo da fé! Vocês são os atletas de Cristo! Vocês são os construtores de uma Igreja mais bela e de um mundo melhor. Elevemos o olhar para Nossa Senhora. Ela nos ajuda a seguir Jesus, nos dá o exemplo com o seu 'sim' a Deus: 'Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua Palavra' (Lc1,38). Também nós o dizemos a Deus, juntos com Maria: faça-se em mim segundo a Tua palavra.

Assim seja!"

Tradução e transcrição do discurso: G1

Fonte;http://www.cnbb.org.br

Papa anuncia que Cracóvia será a sede da próxima Jornada Mundial da Juventude em 2016

 

Poloneses2016

A próxima Jornada Mundial da Juventude será realizada em Cracóvia, na Polônia, em 2016. O anúncio foi feito pelo Papa Francisco, ao final da reflexão que precede a Oração mariana do Ângelus, recitada ao término da Missa de encerramento da JMJ Rio2013.

O Papa iniciou sua reflexão agradecendo a Deus as graças recebidas durante a Jornada Mundial da Juventude, e também ao Arcebispo do Rio de Janeiro, dom Orani João Tempesta e ao Cardeal Rilko, pelas palavras a ele dirigidas. Por fim, agradeceu a todos os jovens pela alegria vivida nestes dias, “levo a cada um de vocês no meu coração”.

Francisco convidou todos a voltarem seu olhar à Mãe do Céu, a Virgem Maria, lembrando também a todos que nestas dias Jesus “repetiu com insistência o convite para serem seus discípulos-missionários. Vocês escutaram a voz do Bom Pastor que lhes chamou pelo nome e vocês reconheceram a voz que lhes chamava”. E perguntou:

“Não é verdade que, nesta voz que ressoou nos seus corações, vocês sentiram a ternura do amor de Deus? Não é verdade que vocês experimentaram a beleza de seguir a Cristo, juntos, na Igreja? Não é verdade que vocês compreenderam melhor que o Evangelho é a resposta ao desejo de uma vida ainda mais plena?”

Referindo-se a Virgem Imaculada - que sempre intercede por nós no Céu como uma boa mãe que cuida dos seus filhos – Francisco recordou que “cada vez que rezamos o Ângelus, recordamos o acontecimento que mudou para sempre a história dos homens”. E falando das atitudes de Maria diante do anúncio do anjo e de sua visita à prima Isabel para realizar “um gesto de amor, de caridade, de serviço concreto, levando Jesus que trazia no ventre”, o Papa afirmou:

“Eis aqui, queridos amigos o nosso modelo. Aquela que recebeu o dom mais precioso de Deus, como primeiro gesto de resposta, põe-se a caminho para servir e levar Jesus. Peçamos a Nossa Senhora que também nos ajude a transmitir a alegria de Cristo aos nossos familiares, aos nossos companheiros, aos nossos amigos, a todas as pessoas. Nunca tenham medo de ser generosos com Cristo! Vale a pena! Sair e ir com coragem e generosidade, para que cada homem e cada mulher possa encontrar o Senhor”.

E ao final o tão esperado anúncio:

“Queridos jovens, temos encontro marcado na próxima Jornada Mundial da Juventude, no ano de 2016 em Cracóvia, na Polônia. Pela intercessão materna de Maria, peçamos a luz do Espírito Santo sobre o caminho que nos levará a esta nova etapa da jubilosa celebração da fé e do amor de Cristo”.

Após a Oração do Ângelus, Papa Francisco incensou uma imagem de Nossa Senhora Aparecida, confiando a ela a próxima Jornada Mundial da Juventude.

Texto: Rádio Vaticano

Fonte;http://www.cnbb.org.br/

www.portalsobralensecatolico.blogspot.com.br

Papa Francisco conversou com jornalistas sobre diversos temas. Confira na íntegra a entrevista

 

1005789 437444266363626 274634575 nROMA - A Igreja não pode julgar os gays por sua opção sexual e nem marginalizá-los. O alerta é do papa Francisco que, quebrando um verdadeiro tabu, deixa claro que estende sua mão a esse segmento da sociedade. “Se uma pessoa é gay e procura Deus e tem boa vontade, quem sou eu pra julgá-lo”, declarou. “O catecismo da Igreja explica isso muito bem. Diz que eles não devem ser marginalizados por causa disso, mas devem ser integrados na sociedade”, insistiu. As declarações foram dadas em uma entrevista concedida pelo papa aos jornalistas que o acompanharam no avião entre o Rio e Roma, entre eles a reportagem do Estado. Na conversa, a garantia do argentino de que o Vaticano tem como papa uma “pessoa normal”, um “pecador” e que vive junto com os demais religiosos porque morar no Palácio Apostólico o geraria problemas psicológicos. Trinta minutos depois de o voo decolar do Rio, o papa deixou sua primeira classe e cumpriu uma promessa que havia feito no voo de ida de Roma ao Brasil: responderia perguntas dos jornalistas. Mas poucos imaginaram que a conversa duraria quase uma hora e meia.

Veja também:

Relembre, dia a dia, como foi a Jornada no Brasil
Para o papa, o problema não é a existência do “lobby gay” dentro da Igreja, mas de qualquer lobby. “O problema não é ter essa tendência. Devemos ser como irmãos. O problema é o lobby dessas tendências de pessoas gananciosas, lobby político, mações e tantos outros lobbies. Esse é o principal problema”, disse.
Pela primeira vez, Francisco ainda deixou claro que, para ele, abusos sexuais contra menores por parte de religiosos não são apenas pecados, mas crimes que devem ser julgados.
Mas se a posição sobre os gays e sobre o abuso sexual pode representar uma mudança, Francisco deixou claro que não haverá uma nova opinião do Vaticano sobre a presença das mulheres na Igreja, sobre o aborto ou sobre o casamento homossexual.
O papa aproveitou a conversa para anunciar que vai exigir transparência e honestidade no Vaticano e garantiu que sua reforma vai continuar. “Esses escândalos fazem muito mal”, disse.
Antes de responder às perguntas, ele elogiou o “grande coração dos brasileiros”, disse que a viagem “fez bem para sua espiritualidade” e ainda disse que a organização do evento foi excelente. “Parecia um cronômetro”. Eis os principais trechos da entrevista:

Nestes quatro meses de pontificado, o senhor criou várias comissões. Que tipo de reforma do Vaticano o sr. tem em mente? O sr. quer suprimir o Banco do Vaticano?

Papa Francisco – Os passos que eu fui dando nestes quatro meses e meio vão em duas vertentes. O conteúdo do que quero fazer vem da congregação dos cardeais. Me lembro que os cardeais pediam muitas coisas para o novo papa, antes do conclave. Lembro-me que tinha muita coisa. Por exemplo, a comissão de oito cardeais, a importância de ter uma consulta de alguém de fora, e não uma consulta apenas interna. Isso vai na linha do amadurecimento da sinonalidade e do primado. Os vários episcopados do mundo vão se expressando e muitas propostas foram feitas, como a reforma da secretaria dos sínodos, para que a comissão sinodal tenha característica consultativa, como o consistório cardinalício com temáticas específicas, como a canonização. A vertente dos conteúdos vem dai.

A segunda é a oportunidade. A formação da primeira comissão não me custou mais de um mês. Já A parte econômica, eu pensava em tratar no ano que vem, porque não é a mais importante. Mas a agenda mudou devido a circunstâncias que vocês conhecem que é domínio público. O primeiro é o problema do Ior (Banco do Vaticano), como encaminhá-lo, como reformá-lo, como sanear o que há de ser sanado. E essa foi então a primeira comissão. Depois tivemos a comissão dos 15 cardeais que se ocupam dos assuntos econômicos da Santa Sé. E por isso decidimos fazer uma comissão para toda a economia da Santa Sé, uma única comissão de referência. Se notou que o problema econômico estava fora da agenda. Mas estas coisas acontecem. Quando estamos no governo, vamos por um lado, mas se chutam e fazem um golaço por outro lado, temos que atacar. A vida é assim. Eu não sei como o Ior vai ficar. Alguns acham melhor que seja um banco, outros acham que deveria ser um fundo, uma instituição de ajuda. Eu não sei. Eu confio no trabalho das pessoas que estão trabalhando sobre isso. O presidente do Ior permanece, o tesoureiro também, enquanto o diretor e o vice-diretor pediram demissão. Não sei como vai terminar essa história. E isso é bom. Não somos máquinas. Temos que achar o melhor. Mas o fato é que, seja o que for, tem que ser feita com transparência e honestidade.

Uma fotografia do sr. deu a volta ao mundo, quando o sr. desceu as escadas do helicóptero em Roma para embarcar para o Brasil carregando sua mala preta. Reportagens levantaram hipóteses também sobre o conteúdo da mala. Porque o sr. saiu carregando a maleta preta e não um de seus colaboradores? E o sr. poderia dizer o que tinha dentro?

Papa Francisco - Não tinha a chave da bomba atômica. Eu sempre fiz isso, Quando viajo, levo minhas coisas. E dentro o que tem? Um barbeador, um breviário (livro de liturgia), uma agenda, tinha um livro para ler, sobre Santa Terezinha. Sou devoto de Santa Terezinha. Eu sempre levei eu mesmo minha maleta. É normal. Nós temos que ser normais. É um pouco estranho isso que você me diz que a foto deu a volta ao mundo. Mas temos de nos habituar a sermos normais, à normalidade da vida.

Por que o senhor pede tanto para que rezem pelo senhor? Não é habitual ouvir de um papa que peça que rezem por ele.
Papa Francisco - Sempre pedi isso. Quanto era padre pedia, mas nem tanto e nem tão frequentemente. Comecei a pedir mais frequentemente quando passei a ser bispo. Porque eu sinto que se o senhor não ajuda nesse trabalho de ajudar aos outros, não se pode realizá-lo. Preciso da ajuda do senhor. Eu de verdade me sinto com tantos limites, tantos problemas, e também pecador. Peço a Nossa Senhora que reze por mim. É um hábito, mas que vem da necessidade. Eu sinto que devo pedir. Não sei…

Na busca de fazer as mudanças no Vaticano, o sr. disse que existem muitos santos que trabalham e outros um pouco menos santos. O sr. enfrenta resistências a essa sua vontade de mudar as coisas no Vaticano? O sr. vive num ambiente muito austero, de Santa Marta. Os seus colaboradores também vivem essa austeridade? Isso é algo apenas do sr. ou da comunidade?

Papa Francisco - As mudanças vem de duas vertentes: do que pediram os cardeais e também o que vem da minha personalidade. Você falou que eu fico na Santa Marta. Eu não poderia viver sozinho do Palácio, que não é luxuoso. O apartamento pontifício é grande, mas não é luxuoso. Mas eu não posso viver sozinho. Preciso de gente, falar com gente, trabalhar com as pessoas. Porque é que quando os meninos da escola jesuíta me perguntaram se eu estava aqui pela austeridade e pobreza, eu respondi: não, não. Psicologicamente, não posso. Cada um deve levar adiante sua vida, seguir seu modo de vida. Os cardeais que trabalham na Cúria não vivem como ricos. Tem apartamentos pequenos. São austeros. Os que eu conheço tem apartamentos pequenos. Cada um tem que viver como o senhor disse que tem que viver. A austeridade é necessária para todos. Trabalhamos à serviço da Igreja. É verdade que há sacerdotes e padres santos, gente que prega, que trabalha tanto, que trabalha e vai aos pobres, se preocupam garantir que os pobres comam. Tem santos na Cúria. Também tem alguns que não são muito santos. E são estes que fazem mais barulho. Faz mais barulho uma árvore que cai do que uma floresta que nasce. Isso me dói. Porque são alguns que causam escândalos. Temos o monsenhor que foi para a cadeia (por lavagem de dinheiro). São escândalos que fazem mal. Uma coisa que nunca disse : a Cúria deveria ter o nível que tinham os velhos padres, pessoas que trabalham. Os velhos membros da Cúria. Precisamos deles. Precisamos do perfil do velho da Cúria. Sobre a resistência, se tem, eu ainda não vi. É verdade que aconteceram muitas coisas. Mas eu preciso dizer: eu encontrei ajuda, encontrei pessoas leais. Por exemplo, eu gosto quando alguém me diz: “eu não estou de acordo”. Esse é um verdadeiro colaborador. Mas quando vejo alguém que diz: “ah, que belo, que belo”, e depois dizem o contrario por trás, isso não ajuda.

O mundo mudou, os jovens mudaram. Temos no Brasil muitos jovens, mas o senhor não falou de aborto, sobre a posição do Vaticano sobre casamento entre pessoas do mesmo sexo. No Brasil foram aprovadas leis que ampliam os direitos para estes casamentos em relação ao aborto. Por que o senhor não falou sobre isso?

Papa Francisco - A Igreja já se expressou perfeitamente sobre isso. Eu não queria voltar sobre isso. Não era necessário, como também não falei sobre outros assuntos. Eu também não falei sobre o roubo, sobre a mentira. Para isso, a Igreja tem um doutrina clara. Queria falar de coisas positivas, que abrem caminho aos jovens. Além disso, os jovens sabem perfeitamente qual a posição da igreja.

E qual é a do Papa?
Papa Francisco - É a da Igreja, eu sou filho da Igreja.

Qual o sentido mais profundo de se apresentar como o bispo de Roma?

Papa Francisco - Não se deve andar mais adiante do que o que se fala. O papa é bispo de Roma e por isso é papa, que é o sucessor de Pedro. Pensar que isso quer dizer que é o primeiro, não é o caso. Não é esse o sentido. O primeiro sentido do papa é ser o bispo de Roma.

O sr. teve sua primeira experiência de massas no Rio. Como o sr. se sente como papa? É muito trabalho?

Papa Francisco - Ser bispo é lindo. O problema é quando um pessoa busca ter esse trabalho. Assim não é tão belo. Mas quando um senhor chama para ser bispo, isso é belo. Tem sempre o perigo e pecado de pensar com superioridade, como ser um príncipe. Mas o trabalho é belo. Ajudar o irmão a ir adiante. Tem o filtro da estrada. O bispo tem que indicar o caminho. Eu gosto de ser bispo. Em Buenos Aires, eu era tão feliz. Como padre eu era feliz. Como bispo, eu era feliz e isso me faz bem.

E como papa?
Papa Francisco - Se você faz o que o Senhor quer, é feliz. Isso é meu sentimento.

Vimos o sr. cheio de energia e, agora, enquanto o avião se mexe muito, vemos agora com muita tranquilidade de pé. Fala-se muito das próximas viagens. O sr. já tem um calendário?

Papa Francisco - Definido, definido não há nada. Mas posso dizer algumas coisas que estamos pensando. No dia 22 de setembro, Cagliari. Depois, no 4 de outubro, para Assis. Tenho em mente, dentro da Itália, ir ver minha família. Pegar um avião pela manhã e voltar com outro pela noite. Meus familiares, pobres, me ligam. Temos uma boa relação com eles. Fora da Itália o patriarca Bartolomeu I quer fazer um encontro para comemorar os 50 anos do encontro Atenágoras e Paulo VI em Jerusalém. O governo israelense nos fez um convite especial. O governo da Autoridade Palestina acredito que fez o mesmo. Isso está sendo pensado. Na América Latina, acredito que há possibilidades de voltar, porque o papa latino-americano, que acaba de fazer sua primeira viagem à América Latina….Adeus! Devemos esperar um pouco. Acredito que se possa ir à Ásia, mas está tudo no ar. Tive convites para ir ao Sri Lanka e Filipinas. Para a Ásia precisamos ir. Bento XVI não teve tempo.

E para a Argentina?
Papa Francisco - Isso pode esperar um pouco. As outras viagens tem prioridade.

No encontro com os argentinos, o sr. disse que se sentia enjaulado. Por quê?
Papa Francisco - Vocês sabem que eu tenho vontade de passear pelas ruas de Roma? Adoro andar pelas ruas. E por isso me sinto um pouco enjaulado. Mas tenho que dizer que a Gendarmeria vaticana é boa. Agora me deixam fazer algumas coisas mais. Mas seu dever é garantir minha segurança. Enjaulado nesse sentido, de que gostaria de estar nas ruas. Mas entendo que não é possível. Em Buenos Aires, eu era um sacerdote das ruas.

A igreja no Brasil está perdendo fiéis. A Renovação Carismática é uma possibilidade para evitar que eles sigam para as igrejas pentecostais?
Papa Francisco - É verdade, as estatísticas mostram. Falamos sobre isso ontem com os bispos brasileiros. E isso é um problema que incomoda os bispos brasileiros. Eu vou dizer uma coisa: nos anos 1970, início dos 1980, eu não podia nem vê-los. Uma vez, falando sobre eles, disse a seguinte frase: eles confundem uma celebração musical com uma escola de samba. Eu me arrependi. Vi que os movimentos bem assessorados trilharam um bom caminho. Agora, vejo que esse movimento faz muito bem à igreja em geral. Em Buenos Aires, eu fazia uma missa com eles uma vez por ano, na catedral. Vi o bem que eles faziam. Neste momento da igreja, creio que os movimentos são necessários. Esses movimentos são um graça para a igreja. A Renovação Carismática não serve apenas para evitar que alguns sigam os pentecostais. Eles são importantes para a própria igreja, a igreja que se renova.

O senhor disse que está cansado. Há algum tratamento especial neste voo?
Papa Francisco - Sim, estou cansado. Não há nenhum tratamento especial neste voo. Na frente, tem uma bela poltrona. Escrevi para dizer que não queria tratamento especial.

A igreja sem a mulher perde a fecundidade? Quais as medidas concretas?
Papa Francisco - Uma igreja sem as mulheres é como o colégio apostólico sem Maria. O papal da mulher na igreja não é só maternidade, a mãe da família. É muito mais forte. A mulher ajuda a igreja a crescer. E pensar que a Nossa Senhora é mais importante do que os apóstolos! A igreja é feminina, esposa, mãe. O papel da mulher na igreja não deve ser só o de mãe e com um trabalho limitado. Não, tem outra coisa. O papa Paulo XI escreveu uma coisa belíssima sobre as mulheres. Creio que se deva ir adiante com esse papel. Não se pode entender uma igreja sem uma mulher ativa. Um exemplo histórico: para mim, as mulheres paraguaias são as mais gloriosas da América Latina. Sobraram, depois da guerra (1864-1870), oito mulheres para cada homem. E essas mulheres fizeram uma escolha um pouco difícil. A escolha de ter filhos para salvar a pátria, a cultura, a fé, a língua. Na igreja, se deve pensar nas mulheres sob essa perspectiva. Escolhas de risco, mas como mulher. Acredito que, até agora, não fizemos uma profunda teologia sobre a mulher. Somente um pouco aqui, um pouco lá. Tem a que faz a leitura, a presidente da Cáritas, mas há mais o que fazer. É necessário fazer uma profunda teologia da mulher. Isso é o que eu penso.

O que sr. pensa sobre a ordenação das mulheres?
Papa Francisco - Sobre a ordenação, a Igreja já falou e disse que não. João Paulo II disse com uma formulação definitiva. Essa porta está fechada. Nossa senhora, Maria, é mais importante que os apóstolos. A mulher na igreja é mais importante que os bispos e os padres. Acredito que falte uma especificação teológica.

Queremos saber qual a sua relação de trabalho com Bento XVI, não a amistosa, a de colaboração. Não houve antes uma circunstância assim. Os contatos são frequentes?
Papa Francisco - A última vez que houve dois ou três papa, eles não se falavam. Estavam brigando entre si, para ver quem era o verdadeiro. Eu fiquei muito feliz quando se tornou papa. Também, quando renunciou, foi, pra mim, um exemplo muito grande. É um homem de Deus, de reza. Hoje, ele mora no Vaticano. Alguns me perguntam: como dois papas podem viver no Vaticano? Eu achei uma frase para explicar isso. É como ter um avô em casa. Um avô sábio. Na família, um avô é amado, admirado. Ele é um homem com prudência. Eu o convidei para vir comigo em algumas ocasiões. Ele prefere ficar reservado. Se eu tenho alguma dificuldade, não entendo alguma coisa, posso ir até ele. Sobre o problema grave do Vatileaks [vazamento de documentos secretos], ele me disse tudo com simplicidade. Tem uma coisa que não sei se vocês sabem: em 8 de fevereiro, no discurso, ele falou: “Entre vocês está o próximo papa. Eu prometo obediência”. Isso é grande.

Nesta viagem, o sr. falou de misericórdia. Sobre o acesso aos sacramentos dos divorciados, existe a possibilidade de mudar alguma coisa na disciplina da igreja?
Papa Francisco - Essa é uma pergunta que sempre se faz. A misericórdia é maior do que o exemplo que você deu. Essa mudança de época e também tantos problemas na igreja, como alguns testemunhos de alguns padres, problemas de corrupção, do clericalismo… A igreja é mãe. Ela cura os feridos. Ela não se cansa de perdoar. Os divorciados podem fazer a comunhão. Não podem quando estão na segunda união. Esse problema deve ser estudado pela pastoral matrimonial. Há 15 dias, esteve comigo o secretário do sínodo dos bispos, para discutir o tema do próximo sínodo. E posso dizer que estamos a caminho de uma pastoral matrimonial mais profunda. O cardeal Guarantino disse ao meu antecessor que a metade dos matrimônios é nula. Porque as pessoas se casam sem maturidade ou porque socialmente devem se casar. Isso também entra na Pastoral do Matrimônio. A questão da anulação do casamento deve ser revisada. Também é preciso analisar os problemas judiciais de anular um matrimônio. Porque os…eclesiástico não bastam para isso. É complexo o problema da anulação do matrimônio.

Como Papa, o senhor ainda pensa como um jesuíta?
Papa Francisco - É uma pergunta teológica. Os jesuítas fazem votos de obedecer ao Papa. Mas se o Papa se torna um jesuíta, talvez devem fazer votos gerais dos jesuítas. Eu me sinto jesuíta na minha espiritualidade, a que tenho no coração. Não mudei de espiritualidade. Sou Francisco franciscano. Me sinto jesuíta e penso como jesuíta.

Em quatro meses de Pontificado, pode nos fazer um pequeno balanço e dizer o que foi o pior e o melhor de ser Papa? O que mais o surpreendeu neste período?
Papa Francisco - Não sei como responder isso, de verdade. Coisas ruins, ruins, não aconteceram. Coisas belas, sim. Por exemplo, o encontro com os bispos italianos, que foi tão bonito. Como bispo da capital da Itália, me senti em casa com eles. Uma coisa dolorosa foi a visita a Lampedusa, me fez chorar. Mas me fez bem. Quando chegam estes barcos (com imigrantes), e que os deixam a algumas milhas de distância da costa e eles têm que chegar (à costa) sozinhos, isso me dói porque penso que estas pessoas são vítimas do sistema sócio-econômico mundial. Mas a coisa pior é um dor ciática, é verdade, tive isso no primeiro mês. É verdade! Para uma entrevista, tive que me acomodar numa poltrona e isso me fez mal, doía muito, não desejo isso a ninguém. O encontro com os seminaristas religiosos foi belíssimo. Também o encontro com os alunos do colégio jesuíta foi belíssimo. As pessoas…conheci tantas pessoas boas no Vaticano. Isso é verdade, eu faço justiça. Tantas pessoas boas, mas boas, boas, boas.

O senhor se assustou quando viu o informe sobre o Vatileaks?
Papa Francisco - Não. Vou contar uma anedota sobre o informe do Vatileaks. Quando fui ver o Papa Bento, ele disse: aqui está uma caixa com tudo o que disseram as testemunhas. Havia ainda um envelope com o resumo. E ele sabia tudo de memória. Mas não, não me assustei. São problemas grandes, mas não me assustei.

O sr. tem a esperança de que esta viagem ao Brasil contribua para trazer de volta os fiéis?
Papa Francisco - Uma viagem Papa sempre faz bem. E creio que a viagem ao Brasil fará bem, não apenas a presença do Papa. Esta Jornada da Juventude, eles (os brasileiros) se mobilizaram e vão ajudar muito a Igreja. Tantos fiéis que foram se sentem felizes (por terem ido). Acho que vai ser positivo não só pela viagem, mas pela Jornada, que foi um evento maravilhoso.

Os argentinos se perguntam: o sr. não sente falta de estar em Buenos Aires, pegar um ônibus?
Papa Francisco - Buenos Aires, sim, sinto falta. Mas é uma saudade serena.

Hoje os ortodoxos festejam mil anos do cristianismo. Seu comentário.
Papa Francisco - As igrejas ortodoxas conservaram a liturgia tão bem, no sentido da adoração. Eles louvam Deus, adoram Deus, cantam Deus. O tempo não conta. O centro é Deus e isso é uma riqueza. Luz é oriente. E o ocidente, luxo. O consumismo nos faz tão mal. Quando se lê Dostoievski, que acho que todos nós devemos ler, precisamos deste ar fresco do oriente, desta luz do oriente.

O que o senhor pretende fazer em relação ao monsenhor Ricca (acusado de ter amantes) e como o sr. pretende enfrentar toda esta questão do lobby gay?
Papa Francisco - Sobre monsenhor Ricca, fiz o que o direito canônico manda fazer, que é a investigação prévia. E nesta investigação, não tem nada do que o acusam. Não achamos nada. É a minha resposta. Mas eu gostaria de dizer outra coisa sobre isso. Vejo que muitas vezes na Igreja se busca os pecados de juventude, por exemplo. Abuso de menores é diferente. Mas, se uma pessoa, seja laica ou padre ou freira, pecou e esconde, o Senhor perdoa. Quando o senhor perdoa, o senhor esquece. E isso é importante para a nossa vida. Quando vamos confessar e nós dizemos que pecamos, o senhor esquece e nós não temos o direito de não esquecer. Isso é um perigo. O que é importante é uma teologia do pecado. Tantas vezes penso em São Pedro, que cometeu tantos pecados e venerava Cristo. E este pecador foi transformado em Papa. Neste caso, nós tivemos uma rápida investigação e não encontramos nada.
Vocês vêm muita coisa escrita sobre o gay lobby. Eu ainda não vi ninguém no Vaticano com uma carteira de identidade do Vaticano dizendo que é gay. Dizem que há alguns. Acho que quando alguém se vê com uma pessoa assim deve distinguir entre o fato de que uma pessoa é gay e fazer um lobby gay, porque todos os lobbys não são bons. Isso é o que é ruim. Se uma pessoa é gay e procura Deus e tem boa vontade, quem sou eu, por caridade, pra julgá-la? O catecismo da Igreja católica explica isso muito bem. Diz que eles não devem ser discriminados por causa disso, mas devem ser integrados na sociedade. O problema não é ter essa tendência. Não! Devemos ser como irmãos. O problema é fazer lobby, o lobby dos avaros, o lobby dos políticos, tantos lobbys. Esse é o pior problema.

Fonte;http://www.cnbb.org.br/

domingo, 28 de julho de 2013

Itamaraty rebate Barbosa e cita programa de bolsas que beneficia afrodescendentes

 

‘Folha de S.Paulo’ e‘O Estado de S.Paulo’ também responderam a ministro

  • O Ministério das Relações Exteriores, procurado pelo GLOBO, disse que não comentaria as declarações do presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa. Em nota, o órgão classificou as acusações de discriminação “a título pessoal”.

“Recorda-se, por oportuno, que o Itamaraty mantém programa de ação afirmativa — a Bolsa Prêmio Vocação Para a Diplomacia —, instituída com a finalidade de proporcionar maior igualdade de oportunidades de acesso à carreira de diplomata e de acentuar a diversidade nos quadros da diplomacia brasileira. Lançado em 2002, o programa já concedeu 526 bolsas para 319 bolsistas afrodescendentes. Dezenove ex-bolsistas foram aprovados no Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata e integrados ao Serviço Exterior Brasileiro. As bolsas concedidas têm atualmente o valor anual de R$ 25.000,00 e devem ser utilizadas na compra de materiais de estudo e no pagamento de cursos preparatórios. Esse programa tem melhorado, de forma concreta e decisiva, as possibilidades de ingresso na carreira diplomática por candidatos afrodescendentes”, diz a nota do ministério.
“Ademais, desde 2011, o Ministério das Relações Exteriores adotou reserva de 10% das vagas na primeira fase do Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata, com vistas a promover o acesso de candidatos afrodescendentes ao Serviço Exterior Brasileiro”, acrescenta o órgão.
Já a direção do jornal “Folha de S.Paulo”, que para Barbosa atua de maneira intolerante, afirma em nota que “o presidente do STF não desmente nem corrige nenhuma das informações publicadas pela ‘Folha de S.Paulo’, que as reafirma. O ministro Joaquim Barbosa ainda não está acostumado ao cargo, que o expõe ao escrutínio público e reduz sua privacidade.”
Sobre o episódio em que Barbosa sugere a um jornalista de “O Estado de S.Paulo” que chafurdasse no lixo, o jornal, em nota, informou que “a manifestação atual do presidente do STF parece mostrar que seu pedido de desculpas, à época do episódio, foi no mínimo insincero.”
Ainda de acordo com o jornal paulista, “segundo nota oficial emitida pelo Supremo, o ministro Joaquim Barbosa reafirmava “sua crença no importante papel desempenhado pela imprensa em uma democracia” e “seu apego à liberdade de opinião”.

Do blog do Macário Batista

A Imprensa marca presença todos os sábados no Becco do Cotovelo

DSCF1661

Radialistas e jornalistas: Arteiro Ferreira, Sabino Melo e Luís Siqueira.

DSCF1660

Empresário Luís Torquato e os radialistas e jornalistas: Peu, Wilson e Simon Nobre

O Becco do Cotovelo é renomeado pelo Senado Piauiense Mão Santa para Corredor da Democracia. Mas o Becco é mesmo um local de encontros de amigos, principalmente os da Imprensa. Também fazem questão de serem vistos no Becco: Políticos, Executivos, Artistas e Esportistas importantes. Também é local de exposições de artesanatos, de livros, além de apresentações musicais. Não podemos esquecer que duas Emissoras de Radio, transmitem a programação do Becco direto, sob o comando do radialista Ivan. Sempre que puder dê uma passada pelo Becco e confira.

UMA FESTA LITERÁRIA NO SUL

 

Por Luiz Carlos Amorim – Escritor – Http://luizcarlosamorim.blogspot.com.br

A literatura de Santa Catarina finalmente passará a ter um evento significativo. Uma empresa baiana de eventos resolveu investir na literatura do sul do país e vai organizar uma festa literária do tipo da FLIP, de Paraty, em Florianópolis. Teremos, enfim, escritores nacionais e internacionais como convidados num evento na capital catarinense, dando efervescência ao nosso meio literário.

A primeira edição da Festa Literária Internacional de Santa Catarina – Flisca, a princípio, deverá acontecer em meados de 2014 ou mais para o final do segundo semestre do próximo ano e terá mais de vinte convidados ilustres das letras: 9 locais, 8 nacionais e 7 internacionais. O local deverá ser o Forte de São José da Ponta Grossa, no norte da Ilha de Santa Catarina.

A Flisca deverá se integrar ao calendário cultural de Santa Catarina e será itinerante, sem uma sede fixa. Poderá acontecer em vários pontos do Estado. O projeto da festa já está elaborado, segundo a empresa realizadora.

Como já mencionamos, a iniciativa é de uma empresa privada, mas esperamos que o Estado seja parceiro nesse grande evento cultural, já que a cultura oficial não tem cuidado com muito carinho, até aqui, as coisas da cultura catarinense. Nem as feiras do livro de Florianópolis tem tido apoio do Estado, sendo as mais fracas já realizadas há algum tempo, sem atrações paralelas, sem convidados ilustres, sem grandes atrações.

A perspectiva de uma revitalização nos nossos meios culturais, de grandes nomes entre nós, de uma grande festa para aproximar leitores e escritores é alentadora. Novas ideias, diferentes maneiras de pensar, de ver o mundo, sempre são bem-vindas. Vamos cruzar os dedos para que tudo dê certo e a Flisca aconteça e tenha muito sucesso. Porque o Sul do Brasil já tem a Feira do Livro de Porto Alegre, graças a Deus, mas Santa Catarina bem que merece uma grande festa literária.

Despreparo para grandes eventos

 

Propagaram tanto a preparação do Rio de Janeiro para a realização da Jornada Mundial da Juventude que parecia estar muito bem organizado mesmo. Bastou o início das atividades para escancarar que até os grandes eventos são utilizados apenas como marketing político e não como uma oportunidade das autoridades mostrarem ao mundo que o Brasil está preparado para realizar grandes acontecimentos.

Mesmo sabendo que o Papado é o mais alto posto da Igreja Católica e a única autoridade nesse patamar no mundo, ao transportá-lo deixaram o Pontífice à mercê da população que, felizmente, não se aproveitou disso. De qualquer forma, foi constrangedor e arriscada à situação a que ficou exposto o santo Padre.

Nos transportes, o fiasco foi total. Nada funcionou. O metrô porque faltou energia; as linhas de ônibus não foram ampliadas, nem colocaram outras alternativas; nada foi feito para minimizar os transtornos de quem só tinha o transporte coletivo como meio de locomoção. Esse comportamento escancara que as autoridades brasileiras só arrumam a casa quando há visita de estrangeiros importantes. Ainda assim erraram feio, já que o público da Jornada não tem tanto recursos como os turistas tradicionais.

Outra grande falha foi gastar milhões para apresentação em Guaratiba e depois, por conta de uma chuva normal, não realizar a apresentação por conta do lamaçal. Como as atividades foram transferidas para Copacabana, o prefeito pediu desculpa aos moradores do bairro chique e não disse uma palavra para os pobres do subúrbio.

Autoridades brasileiras não perdem a oportunidade de tentar tirar proveito eleitoral dessas ocasiões. Nem as manifestações populares de junho surtiram efeito suficiente para mudarem esse hábito coronelista, ao demonstrar que os cidadãos atualmente já separam bem o papel entre política e religião.

Também há exagero e sensacionalismo na cobertura dada pela chamada grande mídia. Os telejornais da Rede Globo dão ênfase semelhante a uma Copa do Mundo de futebol, com repórteres desde a saída até o retorno do Papa. Parece nem existirem mais os problemas nacionais, mesmo quando todos os serviços essenciais ligados ao evento não funcionam. Quando são citados, a ênfase recai num fanático a dizer que isso é irrelevante perante a presença de Sua Santidade.

No momento não vou aprofundar nas teses defendidas pelo Pontífice. Quanto à sua proposição para o menor se firmar perante a sociedade deveria ter sido mais bem detalhada, já que, como regra, os menores brasileiros há muito já vêm extrapolando os limites da afirmação e estão indo ao ataque.

Resta à imprensa investigar quanto de dinheiro público foi gasto nesta visita, pois o brasileiro já deixou muito claro sua prioridade em educação, saúde e segurança, e não mais em festejos, independentemente da religião, ainda mais porque esse aparato só ocorre em solenidades católicas, numa flagrante discriminação às demais religiões e um desrespeito ao preceito constitucional da laicidade do Estado brasileiro.

Pedro Cardoso da Costa – Interlagos/SP

   Bacharel em direito

AS NOVAS CÉDULAS DE R$ 2,00 E R$ 5,00 ENTRAM EM CIRCULAÇÃO A PARTIR DE HOJE.

 

clip_image001

Começam a circular, hoje, 29 de julho de 2013, as novas cédulas de R$ 2,00 e R$ 5,00 da segunda família do Real. De acordo com comunicado divulgado sexta feira (26/07/13) pelo Banco Central (BC), as notas trazem elementos adicionais de segurança, como a marca d'água e o número escondido, já presentes nas notas de R$ 50,00 e R$ 100,00 e de R$ 10,00 e R$ 20,00 lançadas respectivamente em 2010 e 2012.

As novas cédulas encerram o ciclo de substituições iniciado pela autoridade monetária em 2010. Naquele ano, foram divulgadas imagens dos seis novos modelos. As cédulas da segunda família do real trazem o valor da nota no canto superior direito. Quando ela é posta em movimento, os algarismos variam da cor azul para a verde e uma barra brilhante parece rolar sobre eles.
A substituição das cédulas antigas pelas novas no dia a dia dos brasileiros será gradual, conforme as primeiras forem tiradas de circulação em função do desgaste natural.

Fonte: Agencia Brasil

Dr. Lima

sábado, 27 de julho de 2013

Planos de saúde recebem 46 mil queixas no primeiro semestre de 2013

 

Os principais problemas enfrentados pelos beneficiários são falta de cobertura do plano, o não cumprimento de contratos e reajuste de preço.

Um número preocupante na área de saúde: só este ano, foram registradas 46 mil reclamações contra os planos de saúde.

O consumidor tem denunciado e garantido os seus direitos. Das duas, uma: ou o consumidor aprendeu a reclamar mais pelos seus direitos, ou os planos de saúde têm falhado mais no cumprimento do que prometem.

A Agência Nacional de Saúde diz que no ano passado quase 80% das queixas resultaram em soluções que atenderam aos consumidores, mas o caminho ainda é longo: reclamar no plano de saúde, depois na Agência Nacional de Saúde e, muitas vezes, brigar na Justiça.

Além de lutar contra um câncer renal, Osnir, assim que descobriu a doença, passou a travar uma batalha também com o plano de saúde. Ele preferiu pagar o médico por fora: R$ 10 mil. A internação e o material para cirurgia seriam cobertos pelo plano. E quando tudo estava certo, ele recebeu um e-mail da operadora dizendo que o procedimento não tinha sido autorizado.

“A gente paga para ser atendido nessa hora de emergência. Desde 2004, é muito tempo pagando plano de saúde, né. E na hora que precisa não é atendido”, diz Osnir Ostwald, advogado.

De junho de 2011 a maio deste ano, as reclamações contra os planos de saúde aumentaram, e muito. Um gráfico mostra a evolução do índice de reclamações criado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Em 2011, foram 54 mil queixas. No ano seguinte, passou para 75 mil. Até junho deste ano, já foram 46 mil.

Os principais problemas enfrentados pelos beneficiários são: falta de cobertura do plano, o não cumprimento de contratos e reajuste de preço.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar recomenda ao usuário reclamar primeiro na empresa responsável pelo plano e guardar o número de protocolo. Se nada for resolvido, o consumidor deve procurar a ANS e fornecer todos os dados do atendimento. As queixas, segundo a agência, têm dado resultado. Só ano passado, 78% dos problemas foram solucionados.

Um advogado avalia que, em alguns casos, a justiça pode ser mais rápida.

“Como essas medidas de saúde normalmente são muito urgentes, uma liminar obriga esse cumprimento e a questão se resolve por conta dessa decisão judicial”, declara Luiz Felipe Coelho, advogado.

A Federação Nacional de Saúde Suplementar informou em nota que as operadoras associadas à instituição investem constantemente em novas tecnologias e na ampliação da rede credenciada.

G1.globo.com

Caixa supera R$ 66 bilhões em crédito imobiliário no primeiro semestre

 

A Caixa Econômica Federal fechou o primeiro semestre deste ano com um volume de R$ 66 bilhões em contratações de crédito imobiliário. O valor representa um crescimento de quase 44% em relação ao mesmo período de 2012, quando foram aplicados R$ 45,9 bilhões. Nos primeiros seis meses de 2013, o banco assinou um total de mais de 711 mil contratos, o correspondente a aplicação média diária de R$ 537,2 milhões e 5.783 contratos por dia.

De acordo com o diretor de Habitação da Caixa, Teotônio Costa Rezende, o resultado alcançado no crédito imobiliário no primeiro semestre do ano e os recordes na habitação permitiram o banco ampliar a expectativa de contratações para o crédito imobiliário para 2013. “A expectativa para o financiamento da casa própria saltou de R$ 126 bilhões para R$ 130,2 bilhões até o final deste ano”, afirma.

Do total aplicado, R$ 38,03 bilhões foram destinados à aquisição de imóveis prontos (novos ou usados) e R$ 28,6 bilhões ao financiamento para produção de empreendimentos habitacionais. A participação dos imóveis novos foi de 67%, sendo o Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV) o principal responsável pelo crescimento da participação dos imóveis novos, no volume total de aplicações em financiamentos habitacionais realizados pela Caixa.

No primeiro semestre deste ano, o banco contou com um destaque durante o Feirão Caixa da Casa Própria: quem contratou financiamento imobiliário, até o último dia útil do mês de junho, teve como opção pagar a primeira prestação somente em janeiro de 2014.

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Emprego formal cresce em junho e petista destaca cenário positivo

 

O país criou 123.836 empregos com carteira assinada em junho, resultado superior ao de igual mês de 2012 (120.440) e também acima do registrado em maio (72.028), segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados esta semana pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Foi o segundo melhor resultado do ano, perdendo para os 196.913 de abril.

Já o semestre fechou com saldo de 826.168 vagas formais (expansão de 2,09% no estoque), no pior resultado desde 2009, quando foram criados 299.506 postos de trabalho nos primeiros seis meses de ano. De 2010 a 2012, o período sempre ficou acima de um milhão – o recorde é de 2010, com 1,473 milhão de empregos.

O salário médio de admissão cresceu 1,7% no semestre, para R$ 1.090,52.

Para o deputado Afonso Florence (PT-BA), os números são positivos e atestam a recuperação do crescimento e continuidade do nível de emprego. “Devemos considerar a somatória dos diversos indicadores. Tivemos dois meses consecutivos de redução da inflação, na semana passada houve a divulgação do crescimento do Índice de Atividade Econômica e, agora, esses dados fundamentais sobre a geração de novos postos de trabalho, o que demonstra a manutenção do nível de emprego e de aumento da massa salarial”, analisou Florence.

O deputado também considera que a realidade vem rebatendo a visão pessimista dos setores conservadores. “Diferentemente da versão da oposição e pessimista, inclusive de alguns articulistas na mídia, a estabilidade macroeconômica está sendo garantida, bem como a expectativa de continuidade da distribuição de renda e de melhoria vida do povo”, disse o parlamentar.

Perto da metade das vagas abertas em junho (59.019) vieram do setor de agropecuária. Em seguida, o setor de serviços criaram 44.022. A indústria de transformação abriu 7.922 vagas.

No semestre, os serviços tiveram saldo de 361.180 empregos com carteira, enquanto a indústria de transformação abriu 186.815. Depois vêm construção civil (133.436), agropecuária (115.745, na maior alta percentual, 7,35%) e administração pública (30.861). O comércio fechou 13.693 postos de trabalho

O MTE espera a criação de aproximadamente 1,4 milhão de empregos formais em 2013. Se confirmado, o resultado ficaria acima de 2012 (1,316 milhão). No governo Dilma, desde janeiro de 2011, foram criadas 4,3 milhões de vagas formais>

quarta-feira, 24 de julho de 2013

O Cafezinho apresenta provas contra Barbosa

 

:

Blog que já havia revelado documentos de suposta sonegação fiscal da Globo agora dá mais um furo de reportagem: o relatório de 2013 da Assas JB Corp, seu contrato social e um documento que cita a transferência do imóvel avaliado em R$ 1 milhão por apenas US$ 10 – isso mesmo, dez dólares!!! Segundo O Cafezinho, documentos da venda feita por Alicia Lamadrid serviriam como provas a serem encaminhados às autoridades; presidente do STF infringiu a Lei da Magistratura, segundo a qual um juiz não pode ser diretor de empresa privada? há sonegação fiscal e evasão de divisas?

23 de Julho de 2013 às 07:05

247 - Ao constituir uma empresa com fins lucrativos nos Estados Unidos, em maio do ano passado, para obter benefícios fiscais na compra de um apartamento avaliado em R$ 1 milhão em Miami, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, pode ter violado o Estatuto dos Servidores Públicos da União, que veda a todos aqueles que exerçam carreiras de estado "participar de gerência ou administração de sociedade privada, personificada ou não personificada"; de acordo com os registros da Assas JB Corp, Barbosa é o presidente da sua offshore.

O blog O Cafezinho divulgou ontem documentos que serviriam como provas da possível violação. Leia abaixo e aqui a matéria completa:

Os documentos da empresa de Joaquim Barbosa

Enviado por Miguel do Rosário

O Cafezinho obteve os documentos da empresa de Joaquim Barbosa, a Assas JB. É o relatório anual de 2013 e o contrato social. Não trazem valores, mas servem como provas a serem encaminhadas às autoridades para checarem se o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) não infringiu a Lei da Magistratura.

Detalhe, a empresa de JB tem sede no Brasil.

Também obtivemos o documento de compra e venda, onde consta que JB pagou US$ 10 pelo apartamento.

Fizemos uma investigação preliminar nos cartórios norte-americanos e verificamos que este valor é o tradicionalmente usado quando se quer “doar” um imóvel a um parente. É mais uma forma de evitar impostos. Aparentemente é um expediente comum por lá.

Abaixo, o contrato social:

Abaixo, o relatório anual de 2013:

Abaixo, o documento que cita a transferência do luxuoso imóvel por 10 dólares:

Ciro chama críticos de "maconheiros" e ataca membros do MPF

 

O ex-ministro atacou os opositores da construção do viaduto, que prevê a derrubada de 94 árvores nas imediações do Parque do Cocó. Ciro Gomes também criticou membros do Ministério Público Federal, que respondeu em nota

FÁBIO LIMA

Trecho do Cocó onde 79 árvores já foram cortadas para as obras

DERRUBADA DE ÁRVORES Já suspensa, obra no Cocó é alvo agora do MPE(0)

Eleições limpas Em Fortaleza, presidente da OAB defende reforma política já para 2014(0) PROS Novo partido busca adesões no Ceará; País pode ter mais 35 siglas(0)

O ex-ministro Ciro Gomes (PSB) partiu para o ataque contra os críticos da construção de dois viadutos nas imediações do Parque do Cocó e comprou briga também com membros do Ministério Público Federal (MPF). Ele disse que a oposição à obra no cruzamento das avenidas Antônio Sales e Engenheiro Santana Júnior parte de “burgueses e alguns maconheiros”. E acrescentou: “Não é todo mundo”, afirmou, em entrevista ontem à rádio Verdes Mares.

Já em entrevista à rádio Tribuna Band News, na manhã de ontem, Ciro fez duras críticas ao procurador da República, Alessander Sales. “Esse outro, Alessander de tal, que é outro exibicionista, devia pendurar uma melancia no pescoço ou então pintar a bunda de branco e ir pra luz branca, para aparecer”. Ciro afirmou que o procurador entrou com 12 ações contra o governador Cid Gomes (PSB), irmão do ex-ministro, e todas foram rejeitadas pela Justiça.

Ao se referir ao também procurador Oscar Costa Filho, Ciro usou os temos “politiqueiro” e “exibicionista”. Na última segunda-feira, 22, o procurador entrou com recomendação para que a Superintendência de Patrimônio da União (SPU) exija que a Prefeitura apresente estudo de impacto ambiental referente à construção de viadutos no Cocó, antes de decidir sobre a liberação ou não da obra, que está suspensa por decisão judicial. Antes mesmo disso, a Prefeitura de Fortaleza já havia decidido suspender os trabalhos, após solicitação da Superintendência do Patrimônio da União (SPU).

Reações

O Ministério Público Federal do Ceará rechaçou as declarações. “Para o procurador Alessander Sales, as ofensas apenas reforçam que as investigações do MPF estão seguindo o rumo correto, podendo, em breve, resultar na demonstração de ilícitos na gestão de recursos públicos do Ceará”, diz a instituição, em nota.

Já o vereador João Alfredo (Psol), um dos opositores à construção nas imediações do Parque do Cocó, preferiu não comentar diretamente as declarações do ex-ministro. “Xingamento não vou responder”, disse. “É triste, porque é um cara inteligente, que já ocupou altos cargos na República e se especializou em fazer ataques. Ele não é um porta-voz e sim um porta-agressão, porta-baixaria”, criticou.

Quem


ENTENDA A NOTÍCIA

Embora tenha recebido convites no âmbito federal e estadual, Ciro Gomes não ocupa cargo público desde 2011. Atua como conselheiro informal, mas extremamente influente, na gestão do irmão Cid Gomes e na Prefeitura.

OAB/CE faz abaixo assinado em defesa da reforma política

 

24 de julho de 2013

_MG_0078

O deputado federal José Airton participou, nessa terça-feira (23), do debate sobre a Reforma Política promovido pela OAB/CE. Ele apoiou o debate e fará parte das lideranças que vão trabalhar para realização da reforma política, para o Deputado, não é mais possível uma campanha eleitoral com as atuais regras, pois estimulam o caixa dois nas campanhas eleitorais e a compra de voto. A OAB vai promover uma mobilização com um abaixo assinado em defesa da Reforma Política contendo dois pontos principais: financiamento democrático das campanhas e votação em lista no primeiro voto e no segundo no candidato da lista.

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcos Vinícius Furtado, participou do encontro e defendeu o projeto de reforma política para entrar em vigor já nas eleições de 2014. “Se continuarmos com o atual sistema eleitoral, estamos correndo o grave risco de aumentar ainda mais o número de casos de corrupção no País”, disse, ao participar de audiência pública sobre as sugestões de alterações no modelo eleitoral do Brasil, no auditório da Fundação Escola Superior de Advocacia do Estado do Ceará (Fesac).

O evento foi presidido pelo Advogado Valdetário Monteiro e teve como palestrante o presidente da OAB Nacional advogado Marcus Vinicius e como debatedores os deputados  federais constituintes Aroldo Lima e Mauro Benevides, além do Juiz eleitoral Danilo Mota e os advogados Djalma Pinto e Leonardo Carvalho. A reforma ainda prevê uma fiscalização mais acentuada sobre os partidos políticos. A mesma fiscalização que as eleições têm, terão os partidos.

No site a OAB/CE você pode assinar o anteprojeto lei para reforma política, acesse aqui.

--

Claudia Emília Andrade Vidal - Jornalista: DRT 6203/PR

ONU atesta a coerência do programa ‘Mais Médicos’

 

Qua, 24 de Julho de 2013 11:31

Escrito por PT Senado

ONU2Segundo comunicado da Organização Pan-Americana da Saúde da Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), no Brasil, o Programa Mais Médicos, do Governo Federal, está em conformidade com as recomendações da organização em questões de saúde para a população. No texto, a informação de que a OPAS/OMS acompanha os debates e “vê com entusiasmo o recente pronunciamento do governo brasileiro sobre o Programa ‘Mais Médicos’”, lembrando que a média nacional de médico/habitantes é muito abaixo do ideal. O comunicado termina com a afirmação de que “em longo prazo, a prática dos graduandos em medicina, por dois anos no sistema público de saúde, deve garantir, juntamente com o crescimento do sistema e outras medidas, maior equidade no SUS”.

Leia abaixo o comunicado da ONU

Programa Mais Médicos é coerente com recomendações da Organização Pan-Americana da Saúde

A Organização Pan-Americana da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil informou que está acompanhando do debates nacionais sobre como fortalecer a atenção básica e primária de saúde no Brasil. A OPAS/OMS vem trabalhando com atores nacionais para dar seus aportes e vê com entusiasmo o recente pronunciamento do Governo brasileiro sobre o Programa “Mais Médicos”.

Segundo a OPAS/OMS, essas últimas medidas guardam coerência com resoluções e recomendações da Organização sobre cobertura universal em saúde, fortalecimento da atenção básica e primária no setor saúde equidade na atenção à saúde da população. O Programa também está direcionado a construir uma maior equidade nos benefícios que toda a população recebe do Sistema Único de Saúde (SUS).

O Brasil apresenta uma média de médicos com relação a sua população menor que a média regional e a de países com sistemas de referência, tanto nas Américas como em outras regiões do mundo. Para a Organização, são corretas as medidas de levar médicos, em curto prazo, para comunidades afastadas e de criar, em médio prazo, novas faculdades de medicina e ampliar a matrícula de estudantes de regiões mais deficientes, assim como o numero de residências médicas. Países que têm os mesmos problemas e preocupações do Brasil estão colhendo resultados da implementação dessas medidas.

A OPAS/OMS afirma que, em longo prazo, a prática dos graduandos em medicina, por dois anos no sistema público de saúde, deve garantir, juntamente com o crescimento do sistema e outras medidas, maior equidade no SUS.

Com informações de agências de notícias


Leia mais:

Saúde Pública terá destaque em novos cursos de Medicina

MEC autoriza a criação de novas faculdades de medicina

Comissão irá debater novos currículos dos cursos de medicina

O Mais Médicos vai revolucionar a saúde no Brasil. Saiba por quê.

JB é celebridade no face book

GLOBO E JB! TUDO A VER !!! #MOSTRAODARF<br /><br />Aprendeu rapidinho com a filha do "Cerra" !!!<br /><br />Apesar de fugir aos padrões Política no Face de postagem, já que consta um texto longo, a postagem abaixo mostra que mesmo buscando uma artimanha para burlar o fisco e comprar apartamento de 480 mil dólares, Joaquim Barbosa descumpriu a Lei. E esse é o problema dos hipócritas. Quando apontam um dedo na direção de alguém, os outros quatro estão apontados para si mesmo. A Lei do Magistrado e a Lei do Servidor foram claramente descumpridas pelo guardião.<br /><br />http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/07/1314299-barbosa-cria-empresa-para-comprar-imovel-em-miami.shtml

GLOBO E JB! TUDO A VER !!! #MOSTRAODARF
Aprendeu rapidinho com a filha do "Cerra" !!!
Apesar de fugir aos padrões Política no Face de postagem, já que consta ...um texto longo, a postagem abaixo mostra que mesmo buscando uma artimanha para burlar o fisco e comprar apartamento de 480 mil dólares, Joaquim Barbosa descumpriu a Lei. E esse é o problema dos hipócritas. Quando apontam um dedo na direção de alguém, os outros quatro estão apontados para si mesmo. A Lei do Magistrado e a Lei do Servidor foram claramente descumpridas pelo guardião.
http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/07/1314299-barbosa-cria-empresa-para-comprar-imovel-em-miami.shtml

Guimarães é recebido pelo papa e pede reabilitação de Padre Cícero

 

guimaraes_papa

O líder do PT na Câmara, deputado José Guimarães (CE), foi recebido pelo papa Francisco na segunda-feira (22) e solicitou ao sumo pontífice a reabilitação de Cícero Romão Batista, o Padre Cícero.

Além de uma carta solicitando a reabertura do processo de reabilitação, Guimarães entregou ao papa três relíquias de Padre Cícero: uma estátua, um terço e uma publicação com a vida de Padre Cícero narrada em versos. O deputado se disse satisfeito com a receptividade do papa em relação ao pleito que ele levou em nome dos fiéis do Cariri e de todo o Nordeste.

“Ele foi atencioso e acolhedor, nos recebeu sorrindo e agradeceu a nossa solicitação. Disse a ele que, por tudo que Padre Cícero significou e significa para o povo nordestino, cearense, do Cariri e especialmente de Juazeiro do Norte, a Igreja precisa fazer essa reparação”, informou Guimarães.

Apesar de ter recebido da Santa Sé o título de clérigo insubordinado, Guimarães acredita que Padre Cícero merece a reabilitação em função da fé demonstrada pelos cerca de dois milhões de romeiros que visitam anualmente Juazeiro do Norte para renovar seus votos e sua crença.

“O Brasil tem uma dívida histórica e precisa resgatar a figura do padre Cícero Romão Batista diante da Igreja Católica. Ele é uma referência da religiosidade cearense e nordestina e teve um legado umbilicalmente ligado à Igreja, sempre fazendo a opção pelos simples e pelos pobres. Sabedores que Vossa Santidade tem um vínculo muito forte com a justiça social, aguardamos ansiosos uma sinalização positiva a respeito do tema”, diz a carta entregue por Guimarães ao papa Francisco.

Diplomacia – O deputado participou da solenidade de recepção ao papa e elogiou o discurso da presidenta Dilma Rousseff. “Ela se mostrou uma líder e estadista e o seu discurso atesta que o seu governo e o Brasil possuem afinidade e estão em sintonia com o pensamento progressista do papa, de defesa dos mais humildes e da juventude, que está nas ruas em todo o mundo cobrando mudanças. A presidenta e a diplomacia brasileira se mostram à altura da escolha do papa de eleger o Brasil como primeiro destino internacional do seu papado”, ressaltou Guimarães. A visita do papa ao Brasil segue até o dia 28.

MAIS MÉDICOS, MAIS SAÚDE PARA O BRASIL

 

“Se todo o dinheiro do país fosse aplicado em saúde,

ainda assim faltaria dinheiro”

(José Serra, Ministro da Saúde, 2001)

Nunca o Brasil olhou para a importante questão da saúde pública como nos governos dos presidentes Lula e Dilma. Estabeleceu-se um debate aberto para com toda a sociedade civil acerca da necessidade de ampliar a presença do Estado por todo o imenso território continental de nosso país, desnudando a impressionante carência de médicos.

A correlação ‘médico/população’ é reveladora. Enquanto em Estados ricos como o do Rio de Janeiro, existem 3,62 médicos para cada 1 mil habitantes, no Maranhão esse indicador assume proporções assustadoras: 0,71! Em São Paulo existem 2,64 médicos e em Brasília 4,09 por cada 1 mil habitantes, mas os brasileiros do Amapá amargam 0,95, os do Pará 0,84, além de outros exemplos que causam revolta e exigem rápida ação por parte do governo federal.

O Brasil apresentou impressionante crescimento econômico e imensa mobilidade social na última década. Cerca de 40 milhões de brasileiros deixaram a pobreza e se integraram à classe média, passando a usufruir de serviços de melhor qualidade, consumindo mais e oferecendo um melhor padrão de vida às suas famílias. Eles são o retrato de um Brasil mais justo, mais fraterno e menos desigual, embora ainda distante daquela Nação com que sonhamos em vários outros aspectos. Um deles, sabidamente, é o da saúde pública.

A cada dia, num país que cresce em todos os aspectos, especialmente o populacional, as demandas da área da saúde se multiplicam e desafiam tanto a criatividade dos gestores quanto os apertados orçamentos públicos. É notória a falta de leitos nos hospitais país afora, tanto quanto as largas filas de espera nos ambulatórios ou o espaçamento cada vez maior entre a necessidade das consultas e a marcação de suas datas.

Havia um represamento na demanda dos serviços da saúde no Brasil, omitido tanto por conta do apoio irrestrito da grande mídia ao governo FHC quanto pelo marketing irresponsável empreendido pelo então ministro daquela pasta, que com claros interesses eleitoreiros ancorou sua gestão ególatra numa publicidade massiva dos genéricos e num inexplicável auto-concedido título de “o melhor ministro da saúde do mundo” (sem que ninguém da imprensa se lembrasse de perguntar a José Serra quem lhe outorgou tamanha honraria…).

Pois agora, quando grandes problemas nacionais são enfrentados de forma resoluta, a sentida ausência de médicos em milhares de vilas, bairros, rincões, pequenas cidades perdidas numa geografia que se estende do Chuí às fronteiras com as Guianas, Suriname e Venezuela, é o alvo dos melhores esforços do governo da presidenta Dilma Rousseff, através do Programa “Mais Médicos”, um conjunto de medidas e ações lançadas pelo jovem e competente ministro Alexandre Padilha, para levar a presença efetiva do Brasil rico e saudável ao Brasil pobre e doente, do Brasil que usufrui dos avanços tecnológicos do século 21 ao Brasil que parece ter parado no tempo e não evolui vitimando crianças e idosos com moléstias que julgávamos extintas.

A presença de médicos nesse Brasil dos grotões, profundo e esquecido, já se faz necessária de há muito. Nos anos 90 o então ministro da saúde José Serra chegou a ir até Cuba, um dos países com o setor de saúde mais evoluído em todo o mundo, para celebrar acordo bilateral com o governo do comandante Fidel Castro possibilitando a vinda de milhares de médicos daquela Nação-Irmã para atender aos cidadãos brasileiros. Cuba se colocou prontamente disponível para o trabalho desejado pelo governo de então, mas a explicação para o malogro do acordo jamais celebrado dificilmente obteremos. Quem acreditar que o então ministro Serra cedeu a inconfessáveis interesses corporativistas, certamente corre o risco de acertar em cheio.

Não nos iludamos, no momento em que o governo cumpre com o seu dever e ataca frontalmente um problema gravíssimo, ele também se manifesta de uma forma surpreendente e nefasta. Centenas de médicos de São Paulo, que chegaram a receber vale-táxi do CRM para que na Avenida Paulista protagonizassem manifestação barulhenta e lastimável contra a vinda de profissionais de saúde de outros países, mostram uma face abjeta do problema, com a defesa de uma inaceitável reserva de mercado de sua profissão, no mais mesquinho corporativismo, rasgando o juramento que prestaram de zelar pela saúde das pessoas e de salvar vidas humanas, além de produzirem o pior tipo de ativismo político, semeando o medo e baixando o nível do debate estabelecido.

Não se faz saúde sem condições”, dizem os empedernidos corporativistas em suas manifestações, com ampla cobertura da mídia conivente, antes de voltarem para seus consultórios particulares onde chegam a cobrar até R$ 500,00 por consulta. Mas se calam diante da verdade irrespondível de que um médico pode atender, diagnosticar, receitar, curar e salvar independente das instalações físicas, praticando a medicina como autêntico sacerdócio, tendo a exata noção de sua importância na vida de seus semelhantes, participando de um esforço coletivo pela melhora da saúde pública em nosso país. Fazem barulho na Avenida Paulista, mas se recusam a fazer medicina em Quixeramobim ou Barreirinha. Sua indignação é seletiva e absurda: se revoltam com a melhora da saúde e a vinda de mais médicos, jamais com as doenças que assolam seus irmãos brasileiros.

O que essa parcela minoritária, extremamente minoritária, dos médicos defende é a manutenção de privilégios odiosos e, mesmo que não se atentem para isso, propiciam a continuidade de um quadro tenebroso de não-assistência a milhões de brasileiros do norte, nordeste e centro-oeste, especialmente. Estamos no século 21 e eles representam a saúde de um Brasil oligárquico e doente, aquele retratado com maestria por Monteiro Lobato no célebre livro do Jeca Tatú. Chegamos ao absurdo de um médico da equipe de Miguel Srougi, o mais caro e badalado urologista do país, um jovem que cobra R$ 400,00 por consulta, conceder entrevista à Folha de S. Paulo declarando-se um “desistente” do “Mais Médicos”, alegando falta de condições e fazendo críticas ao programa, omitindo sua excepcional condição profissional, numa fraude vergonhosa mas reveladora. Se a saúde no Brasil dependesse de gente assim, estaríamos todos sem horizontes e perspectivas. Felizmente, ele é o retrato em 3×4 de um país mesquinho e corporativista que  se esvai vitimado por sua própria desmoralização.

Que venham não apenas os médicos cubanos, mas também os médicos de todos os outros cantos do planeta, todos os que queiram se unir aos bons médicos brasileiros que se habilitem a estender suas mãos e colocar seus conhecimentos à serviço da humanidade. Nossos irmãos ribeirinhos da Amazônia, tão rica e tão carente; as crianças do nordeste que se debate entre a seca que o castiga e o progresso que por lá chega; o povo do centro-oeste onde a agricultura pujante ainda convive com uma saúde deficiente, esperam por esses irmãos de jalecos brancos e espíritos solidários.

(*) Delúbio Soares é professor

www.delubio.com.br

www.twitter.com/delubiosoares

www.facebook.com/delubiosoares