quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

Lula absolvido: cai a farsa do ‘quadrilhão’; leia decisão na íntegra


Postado em 4 de dezembro de 2019


Advogado do ex-presidente, Cristiano Zanin, exaltou a decisão vinda de um “juiz imparcial” na “descabida acusação” contra Lula.

O advogado do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin, publicou em seu Twitter a notícia da absolvição de Lula no caso do ‘quadrilhão’. Zanin diz: “perante um juiz imparcial, conseguimos hoje a absolvição sumária de Lula. O magistrado de Brasília indicou a “tentativa de criminalizar a atividade política” pela descabida acusação que ficou conhecida como “quadrilhão” – que faz parte do Lawfare contra Lula”.

Veja a decisão na íntegra:

Nota 16 – Decisão Lula

Por PT

Fonte: https://ptnacamara.org.br/portal/2019/12/04/lula-absolvido-cai-a-farsa-do-quadrilhao-leia-decisao-na-integra/

Delator inocenta Glenn Greenwald e diz que ele não pagou pelas mensagens da Vaza Jato


Membro do grupo que acessou mensagens dos celulares de várias autoridades, como Sérgio Moro e Deltan Dallagnol, Luiz Henrique Molição participou da negociação com o jornalista do Intercept Glenn Greenwald para a entrega de conteúdos acessados, mas garantiu que o americano não pagou pelo material nem o encomendou

5 de dezembro de 2019, 08:44 h Atualizado em 5 de dezembro de 2019, 10:13


(Foto: Marcos Oliveira)


247 - Em delação premiada, Luiz Henrique Molição, membro do grupo que acesso o conteúdo dos celulares de mais de mil autoridades, inocentou o jornalista do site Intercept Brasil Glenn Greenwald. A informação foi publicada na coluna da Lauro Jardim.

Molição participou da negociação com Greenwald para a entrega do conteúdo hackeado, garantiu que o americano não pagou pelo material nem o encomendou.

Ele contou que tentaram vendê-lo para Manuela D”Ávila. A ex-deputada recusou-se a pagar, mas disse que poderia indicar um jornalista que publicaria as trocas de mensagens hackeadas.

O Intercept Brasil vem revelando desde junho várias irregularidades da Operação Lava Jato. De acordo com a séria de reportagens que vêm sendo publicadas, o ex-juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça, interferia no trabalho de procuradores, fazendo orientações sobre a forma de fazer a acusação, o que fere a equidistância entre quem julga e quem acusa.

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/delator-inocenta-glenn-e-diz-que-ele-nao-pagou-pelas-mensagens

Dilma: Globo age contra a liberdade de imprensa e foge da notícia da absolvição


Ex-presidente criticou o espaço desproporcional dado pela emissora nos momentos da denúnca e da decisão que absolveu, nesta quarta-feira 4, a ela e ao ex-presidente Lula da acusação sobre o 'quadrilhão' no PT. "A mentira foi tratada como verdade absoluta e a absolvição foi escondida"

5 de dezembro de 2019, 12:04 h Atualizado em 5 de dezembro de 2019, 12:50


Ex-presidente Dilma Rousseff critica parcialidade da Globo Ex-presidente Dilma Rousseff critica parcialidade da Globo (Foto: Ederson Casartelli | Reprodução)


247 - A ex-presidente Dilma Rousseff apontou nesta quinta-feira 5, em crítica nas redes sociais, a forma desproporcional como a TV Globo tratou a decisão do juiz Marcos Vinicius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal do Distrito Federal, que absolveu a ela e ao ex-presidente Lula da acusação de comandarem uma quadrilha durante os governos do PT.

"A Globo age contra a liberdade de imprensa ao não divulgar de forma equânime as notícias sobre o PT", criticou Dilma. "A mentira foi tratada como verdade absoluta e a absolvição foi escondida", acrescentou, apontando os tempos dedicados por telejornais da Globo em cada um dos casos.

Tratava-se apenas de uma acusação, mas a Globo mostrou o caso "como um escândalo", destacou ainda a ex-presidente.

Em sua sentença o magistrado diz que a denúncia do Ministério Públioco Federal "traduz tentativa de criminalizar a atividade política" e não apresenta provas do envolvimentos dos ex-presidentes nas acusações. Também foram absolvidos da acusação os ex-ministros Antonio Palocci e Guido Mantega, e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto.

Dilma Rousseff

@dilmabr

1 A Globo age contra a liberdade de imprensa ao não divulgar de forma equânime as notícias sobre o PT. A denúncia feita em set/2017 contra Lula, Dilma e outros militantes, foi noticiada no JN com 4m33s e no Bom Dia Brasil em 8m48s.

Dilma Rousseff

@dilmabr

2 Era, então, apenas uma acusação e, como sempre faz quando se trata do PT, a Globo tratou o caso como escândalo.

Dilma Rousseff

@dilmabr

3 Agora que, em sentença proferida ontem, a Justiça nos absolveu da acusação, a Globo foge da notícia: apenas 51s no JN e 47s no Bom Dia. A mentira foi tratada como verdade absoluta e a absolvição foi escondida. @linsaquiles denunciou a desonestidade da Globo no Twitter.

Fonte: https://www.brasil247.com/midia/dilma-globo-age-contra-a-liberdade-de-imprensa-e-foge-da-noticia-da-absolvicao

Bolsonaro afronta STF e se nega a divulgar gastos com cartão corporativo


O Supremo Tribunal Federal derrubou o sigilo de gastos da presidência da República, mas ele ainda continua a negar acesso aos extratos. Portal da Transparência guarda em segredo a forma como foram gastos R$ 9,8 milhões de seu cartão corporativo

5 de dezembro de 2019, 11:25 h Atualizado em 5 de dezembro de 2019, 12:14

  • (Foto: ADRIANO MACHADO - REUTERS)


    247 - Jair Bolsonaro continua a negar acesso ao extrato de seu cartão corporativo. O detalhe é que o Supremo Tribunal Federal derrubou o sigilo de gastos da presidência da República. A decisão entrou em vigor no dia 11 de novembro.

    O Portal da Transparência relata em segredo a forma como foram gastos R$ 9,8 milhões do cartão corporativo de Bolsonaro, tanto na Presidência da República quanto em órgãos como o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). É o maior gasto no período desde 2014, durante a gestão de Dilma Rousseff (PT).

    O governo já havia tomado outra decisão que fere a transparência das informações públicas. Em janeiro, o então presidente em exercício, Hamilton Mourão, alterou a Lei de Acesso à Informação (LAI) para dificultar o acesso a dados e documentos do governo federal.

    As informações são da Revista Forum

    Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/bolsonaro-afronta-stf-e-se-nega-a-divulgar-gastos-com-cartao-corporativo

    Glenn aciona STF contra Bolsonaro por ofensa relacionada à adoção dos filhos


    O jornalista Glenn Greenwald interpelou Jair Bolsonaro, que o chamou de "malandro" e o acusou de se casar com "outro malandro" e "adotar criança no Brasil" para evitar deportação. Advogados do jornalista acusam Bolsonaro de praticar homofobia

    5 de dezembro de 2019, 11:52 h Atualizado em 5 de dezembro de 2019, 13:30


     

    247 - O jornalista e editor do site The Intercept Brasil, Glenn Greenwald, demonstra que não irá deixar barato as últimas acusações de Jair Bolsonaro a respeito de sua vida pessoal e interpelou o Supremo Tribunal Federal (STF) reivindicando que o chefe do Planalto confirme "se foi efetivamente o autor das frases" em que chamou o americano de "malandro que, para evitar um problema desse [deportação], casa com outro malandro ou adota criança no Brasil".

    Segundo informação da jornalista Mônica Bergamo, em sua coluna no jornal Folha de S.Paulo, o pedido de Greenwald também solicita que Bolsonaro informe "a que fato, investigação ou processo estava se referindo quando afirmou" que o jornalista talvez "pegue uma cana" no Brasil.

    Os advogados do jornalista argumentam que a fala de Bolsonaro, proferida em julho, "é marcada pela homofobia e pela ofensa à honra do requerente [Greenwald]--e também contra uma coletividade intangível de seres humanos-- fere a sua dignidade enquanto ser humano, além de ser inadmissível para um chefe de Estado".

    "É bem verdade que as diversas condutas do requerido, exemplificativamente apontadas por ocasião da presente, parecem ser, infelizmente, intrínsecas à sua pessoa. No entanto, tal fato não pode dar azo a repetidos episódios de LGBTfobia como os protagonizados pelo requerido, devendo este responder civil e, a partir da recente decisão do Supremo Tribunal Federal, penalmente pelos atos praticados contra esta categoria.Fonte: https://www.brasil247.com/poder/glenn-aciona-stf-contra-bolsonaro-por-dizer-que-ele-e-e-david-miranda-sao-malandros-em-adocao-dos-filhos

    quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

    Ao fazer ‘toma lá da cá’ com Congresso, Bolsonaro comete quase um ‘estelionato eleitoral’, diz professora

    Jair Bolsonaro (EVARISTO SA / AFP)

    PUBLICADO NA REDE BRASIL ATUAL

    Até o final deste ano, o governo de Jair Bolsonaro deve liberar cerca de R$ 1,2 bilhão em emendas aos parlamentares para garantir vitória em votações no Congresso Nacional. De acordo com informações do jornal Folha de S. Paulo, desta terça-feira (3), deputados e senadores foram informados de que o governo prometeu uma execução semanal de R$ 300 milhões. O compromisso com a liberação foi firmado ainda no primeiro semestre do ano como moeda de troca para apoio às medidas do Executivo.

    Agora, o governo espera aprovar até o dia 17 de dezembro o orçamento para 2020, e pretende destravar essa pauta com a execução de emendas que já foram anunciadas aos presidente da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP), respectivamente, e ao líder do governo no Congresso, o senador Eduardo Gomes (MDB-TO).

    Na prática, Bolsonaro repete o “toma lá, dá cá”, que ficou caracterizado também no processo de aprovação da “reforma” da Previdência, quando recursos do programa Mais Médicos foram desviados para a compra de apoio, como analisa a cientista política e professora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Maria do Socorro Souza Braga em entrevista aos jornalistas Marilu Cabañas e Cosmo Silva, da Rádio Brasil Atual.

    “Ele (Bolsonaro) acabou, digamos assim, cometendo quase que um estelionato eleitoral para o eleitorado, porque ele se vendeu praticamente durante a campanha dizendo que não ia fazer o que chamou de ‘jogo das velhas raposas’, dos partidos que a gente começa a considerar tradicionais”, ressalta Maria do Socorro.

    “Ele se elege falando que não ia entrar pela velha política, não ia ficar nessas negociações a varejo e ele não tem como não fazer isso, porque é um governo de minoria e governo de minoria vai ter que negociar cada pleito porque não tem aquela base parlamentar que ele devia ter trabalhado desde o começo do governo”.

    “Ele (Bolsonaro) terá maiores dificuldades e ficará refém do Congresso. Porque o Congresso hoje tem condições de mostrar para a sociedade que ele é capaz de garantir a governabilidade. Não é pensar que o Congresso está negociando questões particulares, claro que tem uma continuidade dessa política, de negociar e fazer essa barganha, mas tem uma outra parte do Congresso que está mostrando também para o Executivo que não concorda com a sua pauta, com os seus projetos de lei”, avalia a docente.

    Perto das eleições municipais que ocorrem em 2020, os parlamentares aproveitam das emendas para utilizá-las no fortalecimento de suas bases eleitorais. Por enquanto, se as regras legislativas forem mantidas, o novo partido de Bolsonaro seguirá fora da disputa municipal do ano que vem. A cientista política destaca que o cenário é “complicado para a família Bolsonaro”, que nesta semana teve já o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), suspenso pela diretoria nacional do seu partido.

    Fonte: https://www.diariodocentrodomundo.com.br/ao-fazer-toma-la-da-ca-com-congresso-bolsonaro-comete-quase-um-estelionato-eleitoral-diz-professora/

    Um ano depois, caso Queiroz patina: Flávio Bolsonaro nem sequer prestou depoimento


    Queiroz e Flávio Bolsonaro

    De Gabriel Sabóia no UOL.

    Um ano após ser revelado que o antigo Coaf identificou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão em nome de Fabrício Queiroz, ex-assessor do então deputado estadual Flávio Bolsonaro, o STF (Supremo Tribunal Federal) abre caminho para que o caso volte a ser investigado. Tido como a primeira crise do clã Bolsonaro após a eleição presidencial, a investigação enfrentou uma batalha judicial que envolveu a quebra de 95 sigilos bancários e fiscais e a paralisação de mais de 900 ações contra corrupção no país.

    Desde que o caso veio à tona, o filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se beneficiou de duas decisões de ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). A turbulência política provocada pela investigação não foi suficiente contudo para que Flávio prestasse de forma espontânea esclarecimentos ao MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro).

    Até hoje o senador não prestou depoimento a promotores e se recusa a falar sobre o assunto quando procurado pela imprensa. Já o ex-assessor só se manifestou por escrito ao MP.

    (…)

    Em posse do relatório, o MP-RJ agendou para o dia 6 de dezembro do ano passado, a primeira oitiva de Queiroz. Mas o PM não compareceu para prestar esclarecimentos. Na véspera, a defesa dele havia solicitado ao órgão a cópia integral do procedimento investigatório. A Promotoria concedeu o adiamento da data e estipulou o dia 19 daquele mês como a data em que ele deveria comparecer ao órgão.

    (…)

    PS do DCM: Ao depor por escrito, Queiroz teve tratamento que é dispensado a presidentes da república. Quando ocupava o Planalto e era investigado por corrupção e formação de quadrilha, Michel Temer não era ouvido pessoalmente, sempre por escrito. Queiroz não atendeu a algumas intimações e depois seus advogados acertaram com os promotores que ele poderia responder a um questionário. Foi o que aconteceu. Formalmente, a deferência foi em razão de seu estado de saúde — ele tem câncer. A revista Veja publicou reportagem que mostra que vive em São Paulo — não está internado — e vai de táxi, sozinho, para o hospital no Morumbi onde faz tratamento. A rigor, não impede que deponha.

    Fonte: https://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/um-ano-depois-caso-queiroz-patina-flavio-bolsonaro-nem-sequer-prestou-depoimento/

    segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

    Jamil Chade: anúncio de Trump deixa Ernesto Araújo numa enorme saia-justa


    Jornalista descreve o anúncio de Trump sobre a tarifação do aço e do alumínio brasileiro como a prática do slogan 'America First'. "Só o governo brasileiro e a nova chancelaria brasileira pareciam não querer acreditar. Ou entender, o que é mais grave", escreve

    2 de dezembro de 2019, 12:19 h


    Jornalista Jamil Chade e o chanceler Ernesto Araújo Jornalista Jamil Chade e o chanceler Ernesto Araújo (Foto: Reprodução | ABr)


    247 - O jornalista Jamil Chade, que fica em Genebra e tem larga experiência na cobertura da política externa brasileira, descreve o anúncio feito pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nesta segunda-feira 2, como a prática do slogan 'America First'.

    Pelo Twitter, Trump afirmou que irá retomar imediatamente tarifas norte-americanas sobre importações de aço e alumínio do Brasil e da Argentina e acusou os dois países de desvalorizarem suas moedas para prejudicar os produtores do agronegócio dos EUA.

    "Só o governo brasileiro e a nova chancelaria brasileira pareciam não querer acreditar. Ou entender, o que é mais grave", escreve Jamil Chade em sua coluna no UOL, para quem o anúncio deixa o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, "numa enorme saia-justa".

    "Um ano depois de comandar o Itamaraty, ou ele entende que Trump apenas tem o interesse de salvar seu mandato, ou está na hora de buscar uma função em algum think-tank financiado pelos ultra-conservadores americanos", avalia sobre o ministro das Relações Exteriores.

    Fonte: https://www.brasil247.com/midia/jamil-chade-anuncio-de-trump-deixa-ernesto-araujo-numa-enorme-saia-justa

    domingo, 1 de dezembro de 2019

    OAB do Rio de Janeiro vai pedir cassação do mandato de Jair Bolsonaro ao STF


    O órgão também pretende acionar a Corte Interamericana de Direitos Humanos, na Costa Rica, para que medidas limitem a apologia à tortura no Brasil. Ao votar contra o impeachment, o deputado exaltou a ditadura e elogiou Carlos Brilhante Ustra.


    • Copie o código abaixo para usar no seu site:

      Código copiado!

    Jair Bolsonaro ao votar na Câmara (Crédito: reprodução TV Câmara)

    Jair Bolsonaro ao votar na Câmara

    Crédito: reprodução TV Câmara

    Fonte: http://cbn.globoradio.globo.com/editorias/politica/2016/04/19/OAB-DO-RIO-DE-JANEIRO-VAI-PEDIR-CASSACAO-DO-MANDATO-DE-JAIR-BOLSONARO-AO-STF.htm?fbclid=IwAR2DTOmtlvmRPsbwWNVeOwfzTGUWR33ZwLIcjldCB_sSSDnzqo43G88Yqc0

    sexta-feira, 29 de novembro de 2019

    Comunicado Ufológico

    Jacinto Pereira de Souza

    Agora mesmo ·

    Amigos ufólogos e simpatizantes da Ufologia boa tarde. Quero informar que não poderei ir a Sobral hoje nossa costumeira reunião plenária de ufologia do CSPU, estou com pessoas trabalhando hoje e amanhã na minha casa no Preá, não tenho sair. Por isso peço desculpas, mas em breve estarei entrando em contato para realizarmos uma plenária ufológica em Sobral.
    Abraço a todos
    Jacinto Pereira de Souza.

    quarta-feira, 27 de novembro de 2019

    Vídeo: o que acontece em Alter do Chão, no Pará, onde militantes foram presos acusados de incendiar a Amazônia


    Vídeo gravado pelo irmão de um dos quatro brigadistas voluntários presos em operação da Polícia do Pará nesta terça-feira, acusados de fabricar incêndios na região, alerta que os militantes são vítimas e que "o que aparece na mídia não é verdade". Eles estão sendo privados de defesa e informação, denuncia. Assista

    27 de novembro de 2019, 14:46 h Atualizado em 27 de novembro de 2019, 14:53



    247 - Um vídeo gravado pelo irmão de um dos brigadistas voluntários de Alter do Chão, no Pará, preso nesta terça-feira (26) pela polícia acusado de estar envolvido em incêndios criminosos que assolaram a Amazônia ao longo deste ano em troca de benefícios financeiros, dá detalhes sobre o caso e denuncia que os militantes presos estão sem acesso a informação e privados de defesa.

    Seu irmão preso é João Vitor Pereira Romano. Outros militantes presos que atuam no combate ao fogo na região foram Daniel Gutierrez Govino, Gustavo de Almeida Fernandes e Marcelo Aron Cwerver.

    “Faço este vídeo apelando porque o que aparece na mídia não é a verdade. Estão colocando estes quatro meninos como criminosos, eles são vítimas de alguma coisa que agente não sabe direito o que acontece, mas a gente precisa de ajuda. Estes quatro meninos arriscavam a vida combatendo o fogo na Amazônia, defendendo a floresta, e agora eles precisam de nossa ajuda para que essas informações sejam dadas de forma verdadeira”, diz o jovem.

    “Ajude a mostrar às pessoas que esta história tem um outro lado e que a gente tenha a divulgação real do que está acontecendo. Até o momento a gente não sabe nem do que eles estão sendo acusados. Eles estão sendo privados de informação , privados de defesa”, ressalta.

    Entidades ligadas às causas ambientais criticaram a ação da polícia e ressaltam que a operação vem na esteira das acusações e tentativas de criminalização feitas pelo governo Jair Bolsonaro de tentar criminalizar as Organizações Não Governamentais (ONGs). Marina Silva disse que a criminalização de ONGs por causa de incêndios é inaceitável.

    Em agosto, Jair Bolsonaro afirmou, sem provas, que o aumento de queimadas registrado nos últimos dias na Amazônia pode ser uma reação à suspensão de repasses do governo para ONGs e de verbas de países para o Fundo Amazônia, projeto de cooperação internacional para preservação da floresta.

    Veja o vídeo no endereço abaixo:

    https://youtu.be/VyxivST-aZM

    Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/video-o-que-acontece-em-alter-do-chao-no-para-onde-militantes-foram-presos-acusados-de-incendiar-a-amazonia

    terça-feira, 26 de novembro de 2019

    Lula solto e protestos na América do Sul dão transparência aos planos de Guedes


    Afirmação é do colunista Leandro Fortes, do Jornalistas pela Democracia. "O que apenas tinha ares de vilania revelou-se naquilo que realmente é: um plano de aniquilação da soberania levado a cabo por canalhas sem nenhum pudor", diz ele, após a declaração do ministro em defesa do AI-5

    26 de novembro de 2019, 19:23 h


  • Por Leandro Fortes, para o Jornalistas pela Democracia - O ministro da Economia, Paulo Guedes, deixou escapulir uma golfada de pânico ao relativizar a possibilidade de um novo AI-5, caso a promessa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de levar o povo às ruas, seja concretizada.

    Guedes tem sempre um olhar desesperado sobre a questão social, resultado de sua visão totalitária do mundo herdada, certamente, de sua experiência juvenil de “Chicago boy” com a ditadura sanguinária do general Augusto Pinochet, de quem é genuíno admirador.

    O desmoronamento do paraíso neoliberal do Chile, modelo sobre o qual o ministro dedicou os melhores anos de sua vida, encheu-lhe a alma de bílis e reforçou-lhe a certeza de que somente em regimes autoritários, como o de Pinochet, é possível retirar direitos e destruir patrimônios nacionais, sob o silêncio dos cemitérios.

    A liberdade de Lula e o sopro de democracia que veio com ele, aliados às manifestações populares, na América Latina, contra o arbítrio de governos de direita, deram aos planos de Paulo Guedes uma transparência incômoda.

    Daí, o que apenas tinha ares de vilania revelou-se naquilo que realmente é: um plano de aniquilação da soberania levado a cabo por canalhas sem nenhum pudor.

    Agora, buscam autorização, no Congresso Nacional, para matar manifestantes sem serem incomodados e ressuscitam a ideia de um ato de terror, como o AI-5.

    Tudo isso porque, apesar de se apresentarem como bestas feras de dentes arreganhados, estão todos se cagando nas calças com medo de Lula.

    Fonte: https://www.brasil247.com/blog/lula-solto-e-protestos-na-america-do-sul-dao-transparencia-aos-planos-de-guedes

    Gleisi desmente fake news e diz que Bolsonaro quer reprimir protestos


    Presidente do PT grava vídeo para rebater rumor de que o partido estaria planejando um "quebra quebra geral" para protestar contra aumento no valor da passagem. "Nós não podemos admitir esse tipo de construção para justificar a repressão, fiquem alertas". Assista

    25 de novembro de 2019, 19:19 h


    (Foto: Divulgação)


    247 - A presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), gravou um vídeo para desmentir um relatório que ela afirma ter tido acesso e que circula no mercado financeiro, e que daria conta de que Jair Bolsonaro "identificou fontes de agitação social". Para ela, trata-se de um documento "muito preocupante".

    "Eles estão construindo um discurso de que há mobilização na sociedade brasileira, e obviamente preparam esse discurso junto ao mercado financeiro e às instituições para preparar um processo repressivo dos movimentos sociais", diz Gleisi no vídeo.

    Neste final de semana, a deputada do PSL Bia Kicis defendeu que Bolsonaro colocasse militares nas ruas contra o PT por conta de um "quebra quebra geral" que segundo ela estaria sendo planejado por militantes petistas para janeiro contra o reajuste da passagem. "GLO neles", defendeu a parlamentar, mencionando Bolsonaro no Twitter.

    Ao final da mensagem, Gleisi lembra que as manifestações são direito do povo brasileiro, que "pode lutar pelo que acredita", "faz parte da democracia e está na Constituição". "Nós não podemos admitir esse tipo de construção para justificar a repressão, fiquem alertas", completou.

    Fonte: https://www.brasil247.com/poder/gleisi-desmente-fake-news-e-diz-que-bolsonaro-quer-reprimir-protestos

    Campanha de Bolsonaro violou a lei, não declarando 11 milhões de santinhos à Justiça Eleitoral


    A análise de centenas de notas fiscais que integram a prestação de contas eleitorais dos 27 diretórios estaduais do PSL mostra que a campanha de Jair Bolsonaro em 2018 cometeu ilegalidades. Foi mais cara do que a declarada por ele à Justiça Eleitoral, além de ter sido financiada em parte por dinheiro público, o que ele sempre negou ter usado

    26 de novembro de 2019, 06:05 h


    (Foto: Adriano Machado)


    247 - Ao menos R$ 420 mil —parte dele, dinheiro público do fundo eleitoral— foram usados para a confecção de 10,8 milhões de santinhos, adesivos, panfletos e outros materiais para a campanha de Bolsonaro, isoladamente ou em conjunto com outros candidatos do PSL.

    O número pode ser maior, já que em algumas situações as notas fiscais listam o material eleitoral produzido sem especificar quais candidatos foram beneficiados. Esses R$ 420 mil equivalem a 17% de tudo o que Bolsonaro declarou à Justiça como gasto de sua campanha, R$ 2,46 milhões, informa reportagem de Ranier Bragon e Camila Mattoso na Folha de S.Paulo. 

    A reportagem acrescenta que os diretórios estaduais do PSL não vincularam o gasto diretamente à campanha de Bolsonaro  —nem o presidente declarou, em sua prestação de contas, o recebimento dos santinhos.

    Mas a lei obriga o registro do material na prestação de contas do candiddato a presidente como doação recebida do respectivo PSL estadual, com o valor estimável em dinheiro. É o que determina - diz a reportagem -  a resolução 23.553/2017, do Tribunal Superior Eleitoral, que disciplinou a prestação de contas dos candidatos e partidos na eleição de 2018. 

    Ao proceder de forma diversa, o gasto eleitoral que beneficiou o presidente aparece na prestação de contas eleitoral apenas como gasto do PSL com determinada gráfica. E a campanha de Bolsonaro aparenta custo menor do que na realidade teve.  .

    Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/campanha-de-bolsonaro-violou-a-lei-nao-declarando-11-milhoes-de-santinhos-a-justica-eleitoral

    domingo, 24 de novembro de 2019

    Vaza Jato: Moro quebrou seu próprio padrão na Lava Jato ao vazar áudios de Lula


    "O levantamento da Lava Jato, que analisou documentos de oito investigações em que também houve escutas telefônicas, indicou que somente no caso do ex-presidente os áudios dos telefonemas grampeados foram anexados aos autos e o processo foi liberado ao público sem nenhum grau de sigilo", aponta reportagem da Vaza Jato

    24 de novembro de 2019, 06:23 h


  • 247 – Um novo capítulo da Vaza Jato, revelado neste domingo em reportagem de Ricardo Balthazar, da Folha, e Rafael Neves, do Intercept, revela que o ministro Sergio Moro, da Justiça, quebrou seu próprio padrão de atuação, ao divulgar áudios do ex-presidente Lula.

    "Um levantamento feito pela Operação Lava Jato em 2016 e nunca divulgado põe em xeque a justificativa apresentada pelo ministro Sergio Moro quando era o juiz do caso e mandou retirar o sigilo das investigações sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)", aponta a reportagem.

    Na época, Moro disse que apenas seguira o padrão estabelecido pela Lava Jato, garantindo ampla publicidade aos processos que conduzia e a informações de interesse para a sociedade. Mas uma pesquisa feita pela força-tarefa da operação em Curitiba concluiu que o procedimento adotado no caso de Lula foi diferente do observado em outros casos semelhante.

    "O levantamento da Lava Jato, que analisou documentos de oito investigações em que também houve escutas telefônicas, indicou que somente no caso do ex-presidente os áudios dos telefonemas grampeados foram anexados aos autos e o processo foi liberado ao público sem nenhum grau de sigilo. Nos outros exemplos encontrados pela força-tarefa, todos extraídos de ações policiais supervisionadas por Moro na Lava Jato, o levantamento do sigilo foi restrito", aponta a reportagem.

    Em resposta, Moro acusou a Folha de fazer sensacionalismo.

    Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/vaza-jato-moro-quebrou-seu-proprio-padrao-na-lava-jato-ao-vazar-audios-de-lula

    'Pior pesadelo para EUA': analista explica por que Rússia e China assustam Washington


    Segundo analista russa, artigo recente publicado na revista Foreign Policy sobre as novas capacidades militares da Rússia e China reflete os medos que sempre existiram nos EUA

    24 de novembro de 2019, 10:30 h



    Sputnik Brasil - Mídia dos EUA advertiu sobre a vulnerabilidade das bases dos EUA perante possíveis ataques por parte da Rússia e China.

    A revista Foreign Policy publicou há poucos dias um artigo sobre as novas capacidades militares da Rússia e China. Segundo analista russa, esta publicação reflete os medos que sempre existiram nos EUA.

    "Em guerras futuras, as novas tecnologias podem permitir às grandes potências rivais, como a Rússia e a China, realizar ataques precisos e devastadores contra as bases militares e redes logísticas dos EUA, inclusive contra aquelas que se encontram dentro dos EUA", adverte o artigo da revista Foreign Policy.

    De acordo com a publicação, os progressos no domínio aeroespacial, robótica, aprendizado de máquina, impressão 3D e nanomateriais permitem criar novas classes de mísseis e drones mortíferos que poderão ser lançados discretamente e percorrer grandes distâncias, aponta o autor do artigo, Michael Beckley.

    O jornalista observa que, por exemplo, os novos mísseis hipersônicos combinam a velocidade e o alcance dos mísseis balísticos com a capacidade de manobra e precisão dos mísseis de cruzeiro.

    "A difusão destas tecnologias tornará obsoleta a atual forma de fazer a guerra dos EUA", afirma Beckley, acrescentando que o Exército estadunidense teria problemas para responder rapidamente a eventuais ataques da China e Rússia.

    Segundo ele, a maioria das bases dos EUA tem poucos ou nenhuns sistemas de defesa antimíssil, nem abrigos fortificados.

    Esta publicação personifica os medos que sempre existiram nos EUA, opina Yana Leksyutina, professora do departamento de estudos dos EUA da Universidade Estatal de São Petersburgo e doutora em Ciências Políticas.

    "Desde há muito tempo que um dos objetivos da política exterior dos EUA foi evitar uma aliança entre a Rússia e a China. O pior pesadelo para as pessoas que planejam a política exterior estadunidense é a formação de uma aliança (não necessariamente proclamada de forma oficial) entre a Rússia e a China", disse a especialista em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik.

    Segundo ela, os estadunidenses estão bastante preocupados com o possível estreitamento das relações entre a Rússia e a China. Quanto mais estreitas forem, mais artigos deste tipo serão publicados.

    Fonte: https://www.brasil247.com/mundo/pior-pesadelo-para-eua-analista-explica-por-que-russia-e-china-assustam-washington

    sábado, 23 de novembro de 2019

    Lula faz discurso histórico em oposição ao fascismo e devolve a esperança


    O Jornalista pela Democracia Ricardo Kotscho escreveu neste sábado (23) sobre o "discurso de estadista" feito pelo ex-presidente Lula na noite de ontem, no Congresso Nacional do PT: "era tudo o que eu queria ouvir dele", comentou, "uma mensagem de combate, força e esperança, dirigido em especial às novas gerações de brasileiros massacrados pelo fascismo em marcha"

    23 de novembro de 2019, 14:28 h Atualizado em 23 de novembro de 2019, 14:42

  • Lula no Congresso Nacional do PT Lula no Congresso Nacional do PT (Foto: Ricardo Stuckert)


    Por Ricardo Kotscho, no Balaio do Kotscho e para o Jornalistas pela Democracia -

    “Impossível é apenas uma palavra usada pelos fracos que acham mais fácil viver no mundo que lhes foi determinado do que explorar o poder que possuem para muda-lo. O impossível não é um fato consumado. É uma opinião. Impossível não é uma afirmação. É um desafio. O impossível é algo potencial. O impossível é alto temporário. Nada é impossível” (Muhammad Ali, enviado pelo leitor Heraldo Campos).

    ***

    “O futuro será nosso, o futuro será do Brasil!”.

    Assim Lula terminou seu discurso na abertura do Congresso Nacional  do PT, na sexta-feira, em São Paulo.

    Era tudo o que eu queria ouvir dele: uma mensagem de combate, força e esperança, dirigido em especial às novas gerações de brasileiros massacrados pelo fascismo em marcha.

    Li o discurso inteiro e posso garantir a vocês, com conhecimento de causa: esse discurso de estadista vai passar para a história como o mais contundente e lúcido já feito por Lula desde que surgiu na cena política brasileira como líder sindical, há mais de 40 anos.

    Em pouco mais de uma hora, Lula fez não só um perfeito diagnóstico da tragédia que estamos vivendo, desde o aborto do bolsonarismo, como também apontou caminhos para o partido e o país saírem desse pesadelo.

    Foi o primeiro discurso pensado e lido que Lula fez depois de sair da prisão, dando todos os sinais de para onde quer ir e como pretende fazer uma oposição dura ao governo de turno.

    Sem unir as forças democráticas para extirpar esse mal, não temos futuro. Só ele pode fazer isso.

    Aos 74 anos, esperando viver 120, como costuma brincar, Lula parece ter lido este ensinamento de Muhammad Ali da epígrafe, nos 580 dias em que devorou uma pequena biblioteca na prisão.

    “Aos que criticam ou temem a polarização, temos que ter a coragem de dizer: nós somos, sim, o oposto de Bolsonaro. Não dá para ficar em cima do muro ou no meio do caminho. Somos e seremos oposição a esse governo de extrema direita, que gera desemprego e exige que os desempregados paguem a conta”, resumiu Lula, ao dizer o papel que cabe ao PT.

    “Não fomos nós os responsáveis pela eleição de um candidato que tem ojeriza à democracia (…) São essas pessoas (os que votaram em Bolsonaro ou os isentões, acrescento eu) que agora nos dizem para não polarizar o país. Como se polarização fosse sinônimo de extremismo político e ideológico, como se o Brasil já não fosse polarizado entre quem tem muito e quem tem pouco”.

    Com outras palavras e mais sereno, na essência era o mesmo Lula que conheci falando aos operários em greve no estádio de Vila Euclides, no final dos anos 70 do século passado, quando ele desafiava a ditadura militar apenas com um microfone na mão.

    Desde aquela época, para o bem ou para o mal, na oposição ou no poder, a política brasileira gira em torno desse que é o maior líder popular de todos os tempos no nosso país.

    A libertação de Lula muda completamente o cenário político neste final de 2019, o mais terrível ano que vivemos desde que me conheço por gente.

    Diante dessa realidade, contra a qual nada pode fazer, o governo do capitão radicaliza cada vez mais nas suas ações neofascistas e neoliberais para provocar um confronto com as suas milícias reais ou virtuais.

    “Me sinto muito mais forte do que quando eu me entreguei”, garantiu Lula aos petistas, que esperavam exatamente isso dele.

    Lula falou para todos os brasileiros, não só ao partido.

    As grandes redes de televisão ignoraram o discurso histórico do ex-presidente, mas ele já está habituado a isso desde a criação do PT.

    Ganhando ou perdendo eleições, ele sabe que será sempre um estranho no ninho desta elite predadora que apoiou e bancou a campanha do capitão em 2018, com medo da volta do PT.

    Medo de quê, exatamente?

    Nos seus oito anos de governo, em que o país chegou a crescer 7% ao ano e ele deixou o Palácio do Planalto com mais de 80% de aprovação, todos melhoraram de vida, em especial os mais pobres, e o Brasil era um país respeitado no mundo inteiro.

    Apenas nove anos depois, viramos párias mundiais, campeões de desigualdade, com uma corja lúmpem e desqualificada comandando os destinos de uma das maiores economias mundiais.

    Obrigado, amigo velho, por nos devolver a esperança.

    Tomara que o futuro chegue logo, antes que você fique mais careca do que eu.

    Até a vitória!, como a gente dizia antigamente.

    Bom final de semana a todos.

    Vida que segue.

    Leia a íntegra do pronunciamento oficial de Lula ao PT

    Fonte: https://www.brasil247.com/blog/lula-faz-discurso-historico-em-oposicao-ao-fascismo-e-devolve-a-esperanca

    sexta-feira, 22 de novembro de 2019

    MP abre nova investigação sobre “fantasmas” de Flávio Bolsonaro


    O procedimento foi instaurado em setembro após relatório do Coaf apontar movimentação atípica na conta de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio. A investigação mira também parentes da ex-mulher de Jair Bolsonaro e a tia do ministro da Secretaria-Geral da Presidência

    22 de novembro de 2019, 17:59 h

  • À tribuna, em discurso, senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). À tribuna, em discurso, senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)


    247 - O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) abriu novas investigações para apurar as denúncias de uso de funcionário fantasmas e a prática de “rachadinha”, como é conhecida a devolução de salário, no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), informa reportagem do jornal O Globo.

    O procedimento foi instaurado em setembro, após um relatório do Conselho de Atividades Financeiras (Coaf) apontar uma movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio.

    A nova investigação tem como foco as denúncias feitas pelo Globo sobre os parentes de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher de Jair Bolsonaro, que constaram como assessores de Flávio no período em que foi deputado estadual na Alerj.

    Além disso, Márcia Salgado de Oliveira, tia do atual ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Antonio Francisco de Oliveira, também tornou-se investigada.

    Fonte: https://www.brasil247.com/regionais/sudeste/mp-abre-nova-investigacao-sobre-fantasmas-de-flavio-bolsonaro

    Justiça determina quebra de sigilos do ministro Ricardo Salles


    Ministro do Meio Ambiente é alvo de uma investigação por enriquecimento ilícito no Ministério Público Estadual (MP-SP) desde junho. A Justiça paulista determinou sua quebra do sigilo fiscal e bancário

    22 de novembro de 2019, 19:46 h


    (Foto: Marcelo Camargo - ABR)


    247 - A Justiça de São Paulo determinou a quebra do sigilo fiscal e bancário do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, alvo de uma investigação do Ministério Público de São Paulo por suspeita de enriquecimento ilícito desde junho.

    A decisão é de segunda-feira 18 e vem da 10.ª Câmara de Direito Público. O MP-SP já havia solicitado os dados do ministro em duas ocasiões, mas os pedidos haviam sido negados pela Justiça, informa reportagem do Estado de S.Paulo.

    A investigação apura como o patrimônio de Salles saltou de R$ 1,4 milhão para R$ 8,8 milhões entre 2012 e 2018. Neste período, ele alternou a atividade de advogado com cargos no governo paulista.

    Quando foi candidato a vereador pelo PSDB, Salles declarou possuir R$ 1,4 milhão em bens, a maior parte em aplicações financeiras, 10% de um apartamento, um carro e uma moto. Em 2018, quando saiu a deputado federal pelo Novo, foram R$ 8,8 milhões, sendo dois apartamentos de R$ 3 milhões cada, R$ 2,3 milhões em aplicações e um barco de R$ 500 mil – alta de 335% em cinco anos, corrigindo o valor pela inflação, apontou reportagem de agosto do jornal.

    Fonte: https://www.brasil247.com/poder/justica-determina-quebra-de-sigilos-do-ministro-ricardo-salles

    Gleisi: a placa do novo partido de Bolsonaro é a mensagem da morte


    "Quem não morrer de fome, pelo desemprego e baixa renda, nos postos de saúde por falta de médicos, morrerá a tiros", denunciou a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, referindo-se ao partido de Bolsonaro "Aliança pelo Brasil"

    22 de novembro de 2019, 10:13 h

  • (Foto: Gustavo Bezerra | Reprodução)


    247 -  A presidente nacional do PT,  deputada federal Gleisi Hoffman (PT-PR) usou suas redes sociais para criticar as propostas da nova sigla, a "Aliança pelo Brasil", que faz uma apologia exarcebada  ao uso da violência.


    Gleisi Hoffmann

    @gleisi

    A placa do novo partido de Bolsonaro é feita de balas de revólver. A mensagem é de morte. É o que oferecem ao povo brasileiro. Quem não morrer de fome, pelo desemprego e baixa renda, nos postos de saúde por falta de médicos, morrerá a tiros. Essa é a política deles para os pobres

    Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/gleisi-a-placa-do-novo-partido-de-bolsonaro-e-a-mensagem-da-morte

    Líder do PT diz que Bolsonaro criou um partido fascista, que representa as milícias


    O deputado Paulo Pimenta, líder do PT na Câmara, denuncia os princípios da nova sigla de Bolsonaro, a "Aliança pelo Brasil". Com forte apologia à violência, Pimenta descata que o novo partido possui um caráter "fascista" e que também "representa as milícias" do Brasil

    22 de novembro de 2019, 11:38 h Atualizado em 22 de novembro de 2019, 11:56


    (Foto: Lula Marques | Reprodução)


    247 - Os pilares do novo partido de Bolsonaro, a "Aliança pelo Brasil", que ainda precisa de milhares de assinaturas para se tornar uma sigla registrada no TSE, têm gerado uma grande repercussão negativa por conta da explícita apologia à violência. O deputado Federal Paulo Pimenta (PT-RS) usou suas redes sociais para denunciar que o partido possui "orientação explicitamente fascista".

    "O número de urna remete a arma de fogo. O símbolo foi feito com balas. E o nome foi inspirado na Arena, o partido da ditadura.  Só não conseguem esconder que são o partido das milícias também", acrescenta.


    Paulo Pimenta

    @DeputadoFederal

    O Brasil tem agora oficialmente um partido de orientação explicitamente fascista.
    O número de urna remete a arma de fogo. O símbolo foi feito com balas. E o nome foi inspirado na Arena, o partido da ditadura.
    Só não conseguem esconder que são o partido das milícias também.

    quinta-feira, 21 de novembro de 2019

    Haddad ironiza defesa de Moro por 'neutralidade' em investigação do caso Marielle: "logo quem"


    Ex-prefeito Fernando Haddad comenta declaração dada pelo ministro da Justiça, que tirou Lula das eleições de 2018 e depois assumiu cargo no governo do adversário no pleito, Jair Bolsonaro. Em entrevista, Sergio Moro defendeu a federalização do caso Marielle para garantir "neutralidade"

    21 de novembro de 2019, 19:38 h


    247 - O ex-prefeito e ex-candidato presidencial pelo PT, Fernando Haddad, ironizou declaração feita pelo ministro da Justiça, que tirou Lula das eleições de 2018 e depois assumiu cargo no governo do adversário no pleito, Jair Bolsonaro. Em entrevista, Sergio Moro defendeu a federalização do caso Marielle para garantir "neutralidade". "Logo quem", rebateu Haddad.

    "Esse é um caso que tem que ser investigado com neutralidade, dedicação e sem politização. Essa questão do envolvimento do nome do presidente nisso aí, para mim, é um total disparate. Uma coisa que não faz o menor sentido. O que se constatou foi um possível envolvimento fraudulento do nome do presidente", afirmou Moro, em entrevista à rádio CBN.

    Fernando Haddad

    @Haddad_Fernando

    Logo quem: Moro defende federalização do caso Marielle para garantir neutralidade das investigações. https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/11/moro-defende-federalizacao-do-caso-marielle-e-ve-mencao-a-bolsonaro-como-disparate.shtml?utm_source=twitter&utm_medium=social&utm_campaign=comptw …

    Moro defende federalização do caso Marielle e vê menção a Bolsonaro como 'disparate' - 21/11/2019 -...

    Um dos argumentos do ministro é o depoimento do porteiro que citou o presidente

    folha.uol.com.br

    6.045

    16:36 - 21 de nov de 2019

    Fonte: https://www.brasil247.com/poder/haddad-ironiza-defesa-de-moro-por-neutralidade-em-investigacao-do-caso-marielle-logo-quem

    Emocionado, Lula conta como lutou para dominar o ódio dentro da prisão


    “Todos nós temos um segredo. E quando você está preso e tem que dominar o seu ódio, pra mim tudo se resumia em dizer: o povo está mais fodido que eu”, disse Lula, chorando em seguida, durante reunião do Diretório Nacional do PT em São Paulo, onde foi lançado o livro Lula e a Espiritualidade, da Editora 247

    21 de novembro de 2019, 15:59 h Atualizado em 21 de novembro de 2019, 16:06


  • 247 - O ex-presidente Lula se emocionou nesta quinta-feira 21 ao discursar durante reunião do Diretório Nacional do PT em São Paulo, onde também aconteceu o Seminário das Mulheres do PT e o lançamento do livro Lula e a Espiritualidade, uma parceria da Editora 247 com a Editora Kotter.

    “Todos nós temos um segredo. E quando você está preso e tem que dominar o seu ódio, pra mim tudo se resumia em dizer: o povo está mais fodido que eu”, disse Lula, chorando em seguida.

    “Toda vez que eu ficava pensando que ia ter um desespero, eu lembrava que mesmo estando preso, eu vivia melhor que uns 70% do povo brasileiro. Eu comia, almoçava, jantava. Tomava um café de boa qualidade. O meu alívio era esse: eu estou melhor que o povo. O povo tá fodido e esse governo tá acabando com o povo. Eu tô numa cama apertada, mas é melhor do que a que o povo tá dormindo, como uma marmitinha melhor do que a que o povo tá comendo. E isso me alimentava. E eu acho que eu saí um homem melhor”, completou.

    Ele discursou ao lado da ex-presidente Dilma Rousseff, da presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, o ex-prefeito Fernando Haddad, entre outras lideranças do partido. O jornalista Mauro Lopes, editor do 247, também participou da mesa.

    O livro Lula e a Espiritualidade reúne uma antologia de artigos de líderes religiosos, como Frei Betto, Leonardo Boff, Monja Cohen, entre outros - alguns que chegaram a visitar Lula na prisão - sobre a relação do ex-presidente com a meditação, a oração e a militância. Leia mais sobre os lançamentos.

    Fonte: https://www.brasil247.com/poder/emocionado-lula-conta-como-lutou-para-dominar-o-odio-dentro-da-prisao

    terça-feira, 19 de novembro de 2019

    Desmatamento incomoda e Bolsonaro volta a dar 'patada' na imprensa


    Yahoo Notícias

    Yahoo Notícias19 de novembro de 2019

    (AP Photo/Pavel Golovkin, Pool)

    (AP Photo/Pavel Golovkin, Pool)

    O presidente Jair Bolsonaro evitou nesta terça-feira comentar sobre os dados do desmatamento na Amazônia divulgados na segunda (18).

    Os dados mostram um aumento de 29,5% em comparação com o ano passado.

    O presidente falou antes de participar de cerimônia em homenagem ao Dia da Bandeira nesta quarta-feira.

    Ao ser questionado sobre o desmatamento, Bolsonaro questionou se as mesmas perguntas eram feitas para a ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, que, segundo ele, teve "recorde" de desmatamento.

    Segundo os dados do Instituto Nacional de Pesquisa Especiais (Inpe), 2019 teve o índice de desflorestamento mais alto desde 2008.

    - Você perguntava sobre desmatamento quando a Dilma foi ministra? A Dilma não, a Marina Silva foi ministra? Foi recorde de desmatamento, então não pergunta pra mim não. Não pergunta não, Ricardo Salles está ai, conversa com ele.

    Marina Silva foi ministra de janeiro de 2003 até maio de 2008, quando foi substituída por Carlos Minc. O cálculo divulgado na segunda-feira é do sistema Prodes , ferramenta do Inpe que mede as taxas anuais de desmatamento.

    O bioma teve 9.762 km² devastados entre agosto de 2018 e 31 de julho deste ano, representando uma alta de 29,5% — o maior percentual desde 1998, quando a devastação avançou 31%.

    Em 2019 foi registado o índice mais alto de desflorestamento desde 2008, que registrou 12.911 km².

    Dos nove estados que compõem a Amazônia Legal, o Pará responde isoladamente por 39,6% do desmatamento.

    Segundo a Secretaria estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará (Semas), o combate à devastação da floresta é compartilhada com municípios e governo federal, e que ainda busca apoio internacional para financiamento de políticas públicas.

    A pasta ressalta que está intensificando as operações para apreensão de carvão, madeira serrada, além de máquinas e caminhões usados ilegalmente.

    Da AGÊNCIA O GLOBO

    Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/desmatamento-incomoda-e-bolsonaro-volta-a-dar-patada-na-imprensa-171244785.html

    Pode explodir a qualquer momento a indignação reprimida no País


    Colunista Ribamar Fonseca critica o governo Bolsonaro e afirma que o País também é sustentado pelo "Congresso amansado com bilhões de reais para emendas e por uma verdadeira organização criminosa que espalha mentiras pelas redes sociais". "Há temores de que a indignação reprimida até agora possa explodir a qualquer momento, como aconteceu no Chile"

    19 de novembro de 2019, 12:00 h

  • (Foto: 247

    O Brasil parece anestesiado. E amedrontado. As tímidas reações às ameaças quase diárias à democracia, à soberania e à liberdade de expressão não traduzem indignação. E nem produzem efeitos concretos. O Congresso, afora manifestações isoladas de alguns raros parlamentares, parece um mosteiro, silencioso. Seus presidentes, Rodrigo Maia, da Câmara; e Davi Alcolumbre, do Senado, tentam sugerir independência com declarações críticas esporádicas, mas, na prática, se comportam como aliados do governo. O Supremo, resumido a apenas três ministros que às vezes reagem às agressões, parece não ter presidente, que sempre mergulha em conveniente silêncio quando a instituição é ameaçada. E a imprensa tradicional que, como um tigre feroz, nunca poupou Lula e o PT, virou um gatinho medroso diante dos ataques e ameaças raivosas do presidente Bolsonaro. E vez por outra, após uma crítica cautelosa, ainda lhe faz afagos para tentar sensibilizá-lo e conseguir alguma publicidade. O Brasil, na verdade, parece dominado pela hipocrisia, pelo cinismo e pela covardia. 

    A Globo, cujos proprietários e funcionários foram chamados de “canalhas” e “patifes” por um Bolsonaro enfurecido com a notícia do depoimento do porteiro do seu condomínio no Rio, divulgou em resposta uma nota tão tímida que foi vista como retratação. E passou a dar ampla cobertura aos atos do governo, dedicando grandes espaços aos planos de Paulo Guedes. Com a Folha não tem sido muito diferente. Em meio a críticas, editoriais com elogios ao ministro da Economia, como se ele pudesse ser dissociado do governo. Maia e Alcolumbre, por sua vez, também tecem loas aos novos planos e prometem aprová-los com brevidade, a exemplo do que fizeram com a reforma da Previdência, chegando a afirmar, com a maior cara-de-pau, que eles, os planos, atendem aos anseios da população. Enquanto isso, Bolsonaro se esforça para entregar o nosso petróleo às multinacionais e prepara, também, a entrega da Eletrobrás, tudo sob os aplausos entusiásticos dos vendilhões da pátria e do silêncio dos militares e da mídia. E o ministro Guedes, como se fosse o dono do país, afirma que “adoraria vender todas as estatais”. Teme-se que se Bolsonaro permanecer no Planalto até o final do mandato não vai sobrar nada do Brasil, nem o pau da bandeira, como diria Itamar Franco.  

    O fato é que diante do desastre Bolsonaro, que vem destruindo a Nação de forma acelerada e ameaçando instalar um novo regime de exceção, muita gente tem se perguntado: como foi que o brasileiro elegeu esse homem para presidir o país? Ele passou 28 anos na Câmara dos Deputados quase no anonimato, não fora a defesa eventual da ditadura e a apologia da tortura, sem ter apresentado um único projeto que trouxesse algum benefício ao país. Não tinha nenhuma experiência administrativa nem preparo para ocupar o mais alto cargo da Nação. Ninguém conseguiu identificar nele nenhuma qualidade, não tem equilíbrio emocional, destemperando-se diante de qualquer crítica, nem postura de chefe de Estado. Então, pergunta-se: como é que ele foi eleito presidente da República do maior país da América do Sul? O povo teria enlouquecido momentaneamente com seus discursos de ódio ou se deixado induzir pela indústria de fakenews? Qual o tamanho da responsabilidade da mídia tradicional na eleição do capitão? O fato é que, para surpresa de muita gente dentro e fora do país, Bolsonaro saltou do nada para a Presidência da República, mesmo revelando-se defensor da ditadura e da tortura. E hoje ele e os filhos se comportam como donos do Brasil, fazem o que querem e não gostam de ser contrariados, ameaçando todos os que se opõem a eles.

    Os religiosos costumam dizer que nada acontece sem a permissão de Deus. Neste caso, obviamente se o capitão foi eleito é porque Deus permitiu. Mas – perguntam – se Deus é brasileiro, como o povo costumava dizer antes do atual governo, por que permitiu a eleição, para comandar o país, de um homem como Bolsonaro, autoritário, defensor da tortura e com um discurso de ódio que fez brotar os piores instintos de muita gente? Segundo os espíritas, o Brasil foi escolhido por Jesus, conforme mensagem do espírito Humberto de Campos, para ser a Pátria do Evangelho. A ser verdade tal informação, por que Deus permitiu a eleição de um homem para destruir justo a Pátria do Evangelho? Ninguém consegue sondar os desígnios de Deus, mas há uma possível explicação: para dar valor à luz é preciso viver nas trevas; para dar valor à saúde é preciso experimentar as doenças; para dar valor ao belo é preciso conhecer o feio. Então, a partir dessa premissa, era preciso vivenciar sob o tacão de um presidente autoritário, raivoso, vingativo e entreguista, sem preparo e nenhum apreço pelo povo, para se dar valor a um presidente realmente democrata, preocupado com o bem-estar da população e o progresso da Nação. Como ainda tem muita gente satisfeita com o seu governo, cuja desaprovação já chega a 42%, tudo leva a crer que ele deverá permanecer no Palácio do Planalto até que cresça o número de descontentes. Quando a situação ficar efetivamente insuportável será o momento em que o povo que o elegeu se conscientizará do erro que cometeu.

    Até agora o descontentamento tem sido traduzido através de pronunciamentos isolados, que só fazem ruídos, sem iniciativas concretas capazes de produzir maiores efeitos. Bolsonaro parece ter o controle do Congresso, do Supremo, do Ministério Público, da Policia Federal e dos militares. Além de impedir o avanço de qualquer investigação que possa complicar o clã, mantendo sob rédea curta o ministro da Justiça, ele tem a seu serviço um verdadeiro exército virtual que diariamente dissemina fakenews nas redes sociais. Ele também usa a estratégia de dizer barbaridades e depois pedir desculpas, como se isso apagasse todas as suas agressões. O ministro Sergio Moro, seguindo a tática do seu chefe, ao ser questionado recentemente sobre a declaração do deputado Eduardo Bolsonaro ameaçando a volta do AI-5, simplesmente disse: “Ele já pediu desculpas. Assunto encerrado”. Parece piada. Apesar da aparente indiferença do povo, que estranhamente tem se mantido apático diante das ações deletérias de Bolsonaro, ninguém pode garantir até quando o brasileiro suportará tal situação, sustentada pelo Congresso amansado com bilhões de reais para emendas e por uma verdadeira organização criminosa que espalha mentiras pelas redes sociais. Há temores de que a indignação reprimida até agora possa explodir a qualquer momento, como aconteceu no Chile, com consequências imprevisíveis, o que levou setores do governo a sugerir uma repressão mais rigorosa. Diante disso, só nos resta rezar e pedir a Deus que tenha misericórdia do nosso Brasil.

    Fonte: https://www.brasil247.com/blog/pode-explodir-a-qualquer-momento-a-indignacao-reprimida-no-pais

    segunda-feira, 18 de novembro de 2019

    Golpes e protestos na América Latina afastam investidores estrangeiros do Brasil


    Crise política e social decorrente de crescimento da extrema direita, do neoliberalismo e dos golpes de Estado na América Latina, associados ao baixo crescimento da economia, estão elevando a desconfiança internacional e retardando a chegada de investimentos estrangeiros no Brasil

    18 de novembro de 2019, 09:23 h Atualizado em 18 de novembro de 2019, 11:24

    (Foto: REUTERS/Rodrigo Garrido)

    247 - A crise política e social decorrente de crescimento da extrema direita, do neoliberalismo e dos golpes de Estado na América Latina estão elevando a desconfiança internacional e retardando a chegada de investimentos estrangeiros no Brasil. Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, os protestos contra o neoliberalismo e o governo de Sebastián Piñera no Chile estão entre os principais pontos de desconfiança por parte dos investidores em função do impacto sobre a agenda de privatizações e de reformas que estão sendo implementadas pelo governo Jair Bolsonaro.
    pontos

    “Sem dúvida seria melhor que não tivesse essa crise na América Latina. É barulho, mas explicamos [aos investidores] que o número da oposição no Congresso não muda com a liberdade do Lula e que a parceria do [ministro da Economia] Paulo Guedes com o [presidente da Câmara] Rodrigo Maia continua”, disse o chefe de renda variável para a América Latina da gestora do BTG Pactua, Will Landers.  Para o analista da XP Investimentos Alvaro Mollica, o impacto dos protestos em países como o Chile afetam os fundos menores, uma vez que os grandes fundos de investimentos, como os voltados para infraestrutura, costumam sofrer menos os impactos desta natureza.

    Nesta linha, os investimentos brasileiros estão subindo na bolsa enquanto os feitos por norte-americanos e europeus estão em queda. Para estes investidores, segundo a reportagem, o nível de investimentos estrangeiros só deverá crescer quando o Produto Interno Bruto também voltar a apresentar um ritmo maior. O crescimento da economia brasileira foi de apenas 1,3% em 2017 e de 1,1% em 2018, o que tem afastado os investidores.

    Fonte: https://www.brasil247.com/economia/golpes-e-protestos-na-america-latina-afastam-investidores-estrangeiros-do-brasil

    Lula estende a mão e sinaliza que quer dialogar com as Forças Armadas


    O ex-presidente Lula pretende dialogar com os militares, com os quais seu governo manteve bom relacionamento institucional. Lula quer entender as razões da animosidade de setores das Forças Armadas contra ele e o Partido dos Trabalhadores e as novas posições dos militares sobre as privatizações

    18 de novembro de 2019, 05:41 h


    Luiz Inácio Lula da Silva Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: Ricardo Stuckert)

    247 - Em plena ação depois que saiu da prisão para mobilizar o povo na oposição do governo Bolsonaro, o ex-presidente Lula está buscando também articulação política e diálogo com amplos setores.

    PUBLICIDADE

    Ele sinalizou que pretende conversar com militares ou com interlocutores deles.

    Desde que estava na cadeia, Lula expressava interrogações sobre a postura de setores das Forças Armadas favoráveis à privatização. 

    Uma das preocupações de Lula é a animosidade de setores das Forças Armadas contra ele e o Partido dos Trabalhadores. As informações são da jornalista Mônica Bergamo em sua coluna na Folha de S.Paulo.

    Quando o STF (Supremo Tribunal Federal) votava o habeas corpus em que Lula pedia para não ser preso, em 2018, o então comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, chegou a escrever uma mensagem no Twitter condenando a “impunidade”. E dizendo, em ameaça velada,  que os militares estavam atentos “às suas missões institucionais”.

    Na época, a mensagem foi entendida como pressão sobre a Suprema Corte para que permitisse a prisão de Lula.

    Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/lula-estende-a-mao-e-sinaliza-que-quer-dialogar-com-as-forcas-armadas

    Primeiro ano de Bolsonaro e Guedes provoca saída recorde de dólares do Brasil


    Embora prometessem trazer de volta a confiança ao país, Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes (Economia) provocaram o efeito inverso com um governo incapaz de gerar crescimento. Segundo dados oficiais, a fuga de capitais do Brasil em 2019 é a maior da história: o fluxo cambial em outubro ficou negativo em US$ 8,49 bi, elevando o déficit no ano a US$ 21,46 bi

    18 de novembro de 2019, 08:56 h


    (Foto: Reuters | Carolina Antunes/PR)

    247 - O fluxo cambial em outubro ficou negativo em US$ 8,49 bilhões, elevando o déficit no ano a US$ 21,46 bilhões. O número já é maior que os US$ 16,18 bilhões registrados em 1999, até então o pior ano da série histórica do Banco Central, iniciada em 1982. Os dados publicados pelo jornal Valor Econômico refletem a incapacidade de Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes (Economia) de atrair investidores em quase um ano de governo.

    Alguns fatores explicam o fracasso do Brasil no fluxo cambial, como queda das receitas com exportações. O resultado também foi atingido pelos juros baixos e pelas incertezas na guerra comercial entre Estados Unidos e China. Outro detalh é que as empresas aproveitaram a queda do juro e o crescimento do mercado doméstico de debêntures para captar recursos e pagar compromissos no exterior.

    Exportadores optaram, ainda, por manter parte de suas receitas fora do País com o objetivo de pagar suas operações e amortizações ou antecipar o pagamento de dívidas em moeda estrangeira. Foi o caso, por exemplo, da Petrobrás, que responde por grande parte da dívida corporativa brasileira no exterior. De acordo com dados fornecidos pela estatal, foram gastos US$ 14,72 bilhões entre pré-pagamentos, recompras de bonds e amortizações no exterior.

    As estatísticas demonstram, que apesar de Bolsonaro e Guedes, adotarem o entreguismo como um dos princípios para guiarem o Brasil, os dois ainda são incapazes de atrair investidores. Sem mercado consumidor aquecido, com empregos precários e corte de direitos trabalhistas, e uma economia estagnada, a confiança de retorno de investimentos não alavanca.

    Fonte: https://www.brasil247.com/economia/primeiro-ano-de-bolsonaro-e-guedes-provoca-saida-recorde-de-dolares-do-brasil

    domingo, 17 de novembro de 2019

    XII MARCHA DO VALE EM SANTANA DO ACARAÚ - CE


    Cruz. Neste sábado, 15, aconteceu a XII Marcha do Vale do Acaraú, na Cidade de Santana do Acaraú e contou com as presenças de representantes das 12 Paróquias situadas no Vale do Acaraú, de Sobral até a Foz do Rio Acaraú.

    Além de representes da Sociedade Civil Organizada, participaram estudantes, Professores, vereadores, lideranças religiosas e os padres: Valdir, Tomé, Pedro, Raimundo Nonato, Edmilson da Paróquia de Acaraú, Bispo Dom Vasconcelos, que fez a abertura do evento, e outros. José Maria da Carita, atual Presidente do Comitê de Bacia do Acaraú, proferiu uma palestra sobre o Rio Acaraú, Paulo Roberlândio da Paroquia de Cruz fez questionamentos, Dr. Lima Presidente da FAC, participou dos debates, o Coordenador da Pastoral da Criança Professor Henrique da Paróquia de Caiçara e Preá, João Marcelo, Vereador Nacélio Cruz e o Sr. João Batista da Paróquia de Santana do Acaraú também estiveram presentes ao evento.

    O cantor e compositor Professor Vicente Lopes também proferiu palestra e apresentou o vídeo: Rio Acaraú. Rio de Esperança e Desafio. Participaram do vídeo os indígenas Luiza Canuto e Sebastião Messias da Tribo dos Tabajaras, habitantes da Serra das Mata em Mons. Tabosa e os pescadores Juarez Leitão Fernando Farias e o agricultor irrigante Adilson Barbosa.