quinta-feira, 19 de março de 2020

Embaixador chinês humilha Eduardo Bolsonaro


Filho de Bolsonaro conseguiu provocar uma crise diplomática entre Brasil e China

publicado 19/03/2020

embaixadorchinessss.png

Crédito: montagem/reprodução

Mais um absurdo diplomático foi cometido por um integrante da família Bolsonaro.

Na última quarta-feira (19/III), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) responsabilizou a China pela pandemia de coronavírus.

"Quem assistiu Chernobyl vai entender o q ocorreu. Substitua a usina nuclear pelo coronavírus e a ditadura soviética pela chinesa. [...] +1 vez uma ditadura preferiu esconder algo grave a expor tendo desgaste, mas q salvaria inúmeras vidas. [...] A culpa é da China e liberdade seria a solução", publicou Eduardo.

O comentário provocou uma crise diplomática e uma forte reação.

Por meio de seu embaixador no Brasil, Yang Wanming, o país asiático, que é o principal parceiro comercial do Brasil, manifestou veemente repúdio a uma declaração do deputado, chegando a dizer que o filho do presidente Jair Bolsonaro "contraiu um vírus mental" em Miami.

“A parte chinesa repudia veementemente as suas palavras, e exige que as retire imediatamente e peça uma desculpa ao povo chinês. Vou protestar e manifestar a nossa indignação junto ao Itamaraty e a Câmara dos Deputados”, disse Yang no Twitter.

“As suas palavras são um insulto maléfico contra a China e o povo chinês. Tal atitude flagrante anti-China não condiz com o seu status como deputado federal, nem a sua qualidade como uma figura pública especial. Além disso, vão ferir a relação amistosa China-Brasil”, acrescentou.

Na mesma linha, a conta oficial da Embaixada da China disse que as palavras de Eduardo “são extremamente irresponsáveis e nos soam familiares. Não deixam de ser uma imitação dos seus queridos amigos. Ao voltar de Miami, contraiu, infelizmente, vírus mental, que está infectando a amizades entre os nossos povos.”

Yang disse também que Eduardo Bolsonaro “precisa assumir todas as suas consequências”.

Maia também reage

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também usou o Twitter para comentar o caso.

"Em nome da Câmara dos Deputados, peço desculpas à China e ao embaixador Wanming Yang pelas palavras irrefletidas do Deputado Eduardo Bolsonaro. A atitude não condiz com a importância da parceria estratégica Brasil-China e com os ritos da diplomacia. Em nome de meus colegas, reitero os laços de fraternidade entre nossos dois países. Torço para que, em breve, possamos sair da atual crise ainda mais fortes", escreveu.

A China é o maior parceiro comercial do Brasil, e figura como uma das principais fontes de investimento estrangeiro direto no país. Em 2019, a balança comercial com o país asiático teve superávit de mais US$ 30 bilhões de dólares: o Brasil exportou US$ 65,3 bilhões, e importou US$ 35,8 bilhões.

O país asiático controlou internamente a pandemia de coronavírus, e não reportou nenhum caso de transmissão local nesta quinta-feira (hora local). O país tem buscado usar a pandemia e o controle interno dela no país como uma poderosa arma de soft power, oferecendo auxílio técnico e financeiro a diversos países.

Com informações de O Globo.

Fonte: https://www.conversaafiada.com.br/politica/embaixador-chines-humilha-eduardo-bolsonaro-no-twitter

Nenhum comentário:

Postar um comentário