quarta-feira, 25 de março de 2020

Mandetta diz que não sai nem obedece as ordens de Bolsonaro


Um dia depois do pronunciamento de Jair Bolsonaro que ataca todas as recomendações de autoridades sanitárias mundiais, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta disse a aliados que não pedirá demissão e tampouco irá encampar a tese de Bolsonaro do 'isolamento vertical', atingindo apenas idosos e pessoas com doenças

25 de março de 2020, 16:30 h Atualizado em 25 de março de 2020, 16:48

Jair Bolsonaro e Luiz Henrique Mandetta Jair Bolsonaro e Luiz Henrique Mandetta (Foto: Isac Nóbrega/PR)

247 - Um dia depois do pronunciamento de Jair Bolsonaro com ataques à política de confinamento da população, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, avisou a aliados nesta quarta-feira, 25, que não pedirá demissão e tampouco irá seguir as orientações anticientíficas de Bolsonaro.

"Segundo um interlocutor direto de Mandetta, ele não vai encampar a tese do 'isolamento vertical', deixando apenas idosos e pessoas com doenças pré-existentes fora do convívio social — conforme o presidente defendeu ontem", afirma o jornalista Guilherme Amado, da revista Época.

Leia também reportagem da Rede Brasil Atual sobre o assunto:

Secretários estaduais de Saúde e prefeitos repudiam fala de Bolsonaro

O pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro na noite de ontem (24), minimizando a gravidade da pandemia de coronavírus e a necessidade das medidas que estão sendo tomadas para evitar a propagação, despertou o repúdio de prefeitos e secretários estaduais de saúde.

Por meio de nota, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), que reúne os gestores estaduais, disse que o país já tem problemas demais e que é inadmissível “permitir o dissenso e a dubiedade de condução do enfrentamento à Covid-19. E que assim “é preciso que seja reparado o que nos parece ser um grave erro do Presidente da República”.

A entidade destacou também que tem atuado juntamente com o Ministério da Saúde, os municípios e a própria sociedade brasileira, empreendido uma intensa luta no enfrentamento à Covid 19. “A luta que envolve trabalho, sacrifício, solidariedade, empatia, compaixão com o sofrimento das pessoas e que depende de maneira imprescindível do alinhamento de entendimento e de ações, assim como da união de esforços e de uma direção única e firme.”

E que todas as decisões e recomendações do Conass e do Ministério da Saúde têm se baseado em evidências científicas, na realidade nacional e internacional e “buscado inspiração nas melhores práticas e exemplos de condutas exitosas ao redor do mundo”.

Barbárie

Também por meio de nota, a Frente Nacional dos Prefeitos (FNP) afirmou que os municípios filiados continuarão seguindo, rigorosamente, as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e, “até o momento, do Ministério da Saúde brasileiro, no enfrentamento a essa pandemia, que impacta fortemente a economia e a vida das pessoas e que pode levar ao caos social e à barbárie“.

Assim como os secretários, os prefeitos representados pela FNP consideram que resguardar a vida das pessoas, dos cidadãos brasileiros de todas as idades, “deve ser o princípio humanitário de quem tem responsabilidade de liderar, seja nos municípios, nos estados e ainda mais no país”.

“Não contar com essa liderança, e, pior, contar com uma postura irresponsável, alicerçada em convicções sem embasamento científico, que semeiam a discórdia e até mesmo a convulsão social, compromete as relações federativas. Atrapalha a urgente constituição do Comitê Interfederativo de Gestão de Crise, instância fundamental para enfrentar o grave problema que está posto.”

Fonte: https://www.brasil247.com/brasil/mandetta-diz-que-nao-sai-nem-obedece-as-ordens-de-bolsonaro

Nenhum comentário:

Postar um comentário