segunda-feira, 9 de março de 2020

Banco Central acelera queima de reservas acumuladas por Lula e Dilma


“Vamos continuar fazendo intervenções no câmbio no montante que for necessário", disse Bruno Serra, diretor do Banco Central, que só hoje vendeu US$ 3 bilhões e nem assim conseguiu segurar a cotação do real, que continuou despencando

9 de março de 2020, 11:48 h Atualizado em 9 de março de 2020, 12:01

(Foto: Reuters)

247 - O Banco Central vai acelerar a política de queima de reservas internacionais acumuladas nos governos Lula e Dilma para tentar segurar a cotação do real, que continua despencando e, nesta segunda-feira, caiu ainda mais, mesmo com a venda de US$ 3 bilhões. Confira notícia da Reuters a respeito:

SÃO PAULO (Reuters) - O Banco Central intervirá no mercado de câmbio com instrumentos e montante necessários para acalmar o mercado e promover a funcionalidade das operações, disse nesta segunda-feira o diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra, acrescentando que o BC tem a política monetária como ferramenta para conter efeitos da crise externa.

“O cenário tem evoluído muito rápido. A gente vai precisar se debruçar sobre o assunto e avaliar a melhor forma” na reunião do Copom deste mês, afirmou Serra em evento em São Paulo.

“Vamos continuar fazendo (intervenções no câmbio) no montante que for necessário enquanto entendermos que o mercado não está funcionando de modo regular.”

O BC elevou a 3 bilhões de dólares a oferta líquida de dólar à vista em leilão nesta segunda-feira, ante valor inicialmente programado de 1 bilhão, depois de na semana passada ter colocado no mercado 5 bilhões de dólares em contratos de swap cambial tradicional, também em colocação líquida.

Fonte:

Nenhum comentário:

Postar um comentário