terça-feira, 31 de março de 2020

As guerras silenciosas e letais contra o Irã. O peso da pandemia


Por Ted Snider

Algumas guerras são travadas com bombas e balas. Estas são as guerras na Síria e no Iraque, no Afeganistão e no Iêmen. Depois, há guerras mais silenciosas executadas por drone. Essas guerras covardes também matam pessoas, mas não o nosso povo. Essas guerras mais silenciosas realizam o que as guerras mais cacofônicas realizam sem o clamor e a condenação do público.


Medical Warfare

Mas há guerras ainda mais calmas. Há guerras tão silenciosas que nem são ouvidas além das fronteiras dos países em que estão acontecendo. No Irã, os EUA estão travando uma guerra médica: o que o ministro das Relações Exteriores Javad Zarif chamou de terrorismo médico.

O Irã está sendo esmagado pelo vírus COVID-19, e o peso da pandemia está sendo intensificado pelas sanções dos EUA que impedem o Irã de testar e tratar adequadamente o vírus e de impedi-lo. A economia estrangulada do Irã está muito emaciada para parar temporariamente ou apoiar as pessoas se elas forem impedidas de ir trabalhar para ganhar a vida. E sanções contra bancos iranianos sufocam a aquisição de drogas e equipamentos médicos.

Mas, como o guerreiro eficiente e mortal que é, os EUA não relaxam quando seu inimigo cambaleia, mas pressionam a fraqueza exposta do inimigo. Apesar dos apelos do secretário-geral da ONU, António Guterres, e da comissária de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, Irã e da comunidade internacional, os Estados Unidos não deram uma pausa momentânea nas sanções, mas as intensificaram.

O crime é agravado por uma pilha feia e pouco discutida sobre crimes de guerra. Pessoas com doenças respiratórias correm maior risco de morrer com o COVID-19, e aproximadamente 100.000 iranianos ficam vulneráveis ​​por esse risco devido a doenças respiratórias que ainda persistem nos efeitos de uma guerra química iraquiana chovida no Irã com a aprovação e parceria dos EUA.

Adicionar a palavra "médico" à palavra "guerra" não torna menos uma guerra.


Guerra econômica


E tem havido outras formas de guerras silenciosas. A reimposição de sanções ao Irã tem sido uma versão moderna de um cerco medieval.

Os EUA estavam legalmente obrigados a honrar seus compromissos sob o acordo nuclear do Plano de Ação Conjunto Conjunto, incluindo o fim de sanções, desde que o Irã cumprisse todos os seus compromissos. Portanto, como o Irã estava cumprindo todos os seus compromissos, os EUA agiram ilegalmente quando retiraram o tratado e reimporam as sanções.

Os EUA pressionaram os iranianos sob o peso de sanções unilaterais sem precedentes que podem muito bem constituir um ato de agressão proibido internacionalmente. A economia do Irã está sofrendo e seu povo está sendo morto.

Os EUA não apenas sancionaram o Irã, mas forçaram sanções extraterritoriais a todas as outras nações. Essas sanções barraram qualquer comércio econômico que pudesse contribuir para o programa nuclear do Irã ou que tratasse da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã. Mas como os EUA alegaram que qualquer contribuição para a economia poderia contribuir para o programa nuclear ou para o Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, os EUA, como Gareth Porter e John Kiriakou explicam em seu livro The CIA Insider's Guide to the Crisis Iran, essencialmente criminaliza o toda a economia iraniana. A sentença, segundo o FMI, foi "grave sofrimento" para a economia e o povo do Irã.

Enquanto o cerco econômico americano estrangulava a economia iraniana, o povo iraniano ofegava. A economia entrou em colapso grave; O PIB encolheu; a produção de petróleo caiu; A moeda do Irã, o rial, perdeu 50% de seu valor; a inflação disparou e o custo de vida, incluindo a compra de alimentos, tornou-se proibitivo.

Um cerco é a forma mais antiga de punição coletiva e guerra. Adicionar a palavra "econômico" à palavra "guerra" não a torna menos uma guerra.


Guerra cibernética

Mas a guerra médica e a guerra econômica não esgotaram a variedade de guerras tranquilas. Os EUA admitiram a responsabilidade direta por uma enxurrada de ataques cibernéticos contra o Irã.

O New York Times revelou que os EUA ordenaram ataques sofisticados aos computadores que administram as instalações de enriquecimento nuclear do Irã. Um vírus maciço conhecido como Flame atacou computadores iranianos. Esse vírus mapeia e monitora o sistema de computadores iranianos e envia de volta informações que são usadas para preparar campanhas de guerra cibernética contra o Irã. As autoridades agora confirmaram que Flame é parte de um projeto conjunto da CIA e da NSA dos EUA e da unidade militar secreta de Israel 8200.

Uma dessas campanhas de guerra cibernética foi o Stuxnet, o vírus de computador que infectou as centrífugas do Irã e as deixou girando descontroladamente antes de reproduzir fitas anteriormente gravadas de operações normais que os operadores da fábrica observavam sem suspeitar enquanto as centrífugas giravam cada vez mais rápido, até que literalmente se separavam. . O Stuxnet parece ter destruído cerca de 20% das centrífugas nucleares do Irã.

Adicionar a palavra "cibernético" à palavra "guerra" não torna menos uma guerra. Os Estados Unidos atacaram o Irã. Essa infraestrutura iraniana crucial foi destruída por um vírus de computador, e não por uma bomba, não altera a destruição. Um estudo da OTAN admitiu que o Stuxnet se qualificou como um "ato ilegal de força". De acordo com o estudioso russo Stephen Cohen, depois que os EUA acusaram a Rússia de invadir computadores, a OTAN emitiu uma declaração dizendo que "invadir um estado membro agora pode ser considerado uma guerra contra toda a aliança militar, exigindo retaliação militar". Ou seja, os ataques cibernéticos são um ato de guerra, não apenas justificando, mas exigindo retaliação militar.

Os EUA não lançaram bombas no Irã. Não há explosões para serem ouvidas. Mas o silêncio da guerra não torna menos uma guerra. As guerras não deixam de ser guerras porque você coloca as palavras "médico", "econômico" ou "cibernético" antes da palavra "guerra".


*


Nota aos leitores: clique nos botões de compartilhamento acima ou abaixo. Encaminhe este artigo para suas listas de email. Crosspost em seu blog, fóruns na Internet. etc.


Ted Snider escreve sobre a análise de padrões na política externa e na história dos EUA.


A fonte original deste artigo é Antiwar.com

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário