segunda-feira, 18 de maio de 2009

Caos na segurança, educação ruim, mas gastos com publicidade crescem 630% em SP.

A gestão demotucana nas áreas de segurança e educação no estado de São Paulo tem sido colocada à prova. Os últimos números divulgados sobre a violência no estado de São Paulo geram preocupação: os roubos, latrocínios e estupros na capital aumentaram no primeiro trimestre de 2009. É o segundo trimestre consecutivo dedados ruins, demonstrando uma tendência negativa. Interrompeu-se uma queda de vários anos - o indicador de homicídios diminuía desde 1999. Os roubos bateram, agora, um recorde: crescimento de 19% nos três primeiros meses deste ano, em comparação com o mesmo período de 2008. A capital paulista registra um arrastão a prédio a cada 15 dias.
Na área de educação, a situação é trágica, depois do “choque de gestão” tucano levado a cabo em quase 16 anos anos no estado. Tomando-se 633 estabelecimentos de ensino sob controle do governo estadual, e excetuando-se 11 escolas técnicas e uma ligada à Faculdade de Educação da USP, todos os 621 colégios restantes tiveram notas inferiores a 50 (de 100 pontos possíveis).

Caos

Apesar de todo este caos na segurança pública e na educação do estado, o governo paulista não abre mão de investir pesado em publicidade. Os gastos com publicidade das empresas do governo do Estado – Sabesp, Metrô, Dersa e CDHU – cresceram cerca de 630% na gestão José Serra, quando comparado com o governo anterior de Geraldo Alckmin (2003-2006),conforme levantamento do Jornal da Tarde. Os atuais negócios com agências de propaganda das quatro grandes estatais somam R$ 17,16 milhões por mês. Antes, eram R$ 2,35 milhões.

Entre as estatais, Sabesp lidera o ranking de despesas com publicidade: R$ 5,83 milhões ao mês. São dois contratos de seis meses no valor de R$ 35 milhões. Em seguida vem o Metrô, com três contratos que somam R$ 4,66 milhões ao mês. Das quatro estatais, a Dersa é a que teve maior aumento porcentual nos gastos: 2.400%. Passou de R$ 83,3 mil ao mês para R$ 4,16 milhões. Há ainda um aumento de 143,9% no valor dos contratos da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) que somam R$ 2,5 milhões ao mês.
O líder do PT na Assembleia Legislativa, deputado Rui Falcão, quer proibir a publicidade do governo fora do estado em anos de eleições estaduais, como faz a Sabesp. O petista pretende inserir parágrafo na proposta de emenda à Constituição estadual apresentada pela tucana Célia Leão que libera propaganda pelo país a título de “promoção do turismo”. Para o especialista em mídia política Fernando Azevedo, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), as peças publicitárias das estatais compõem estratégia política para alavancar a imagem de Serra. “Há um ganho nítido de imagem de forma indireta. O eleitor assimila que o governo está trabalhando”, diz. “E o governo se resume na pessoa do Serra.”
Os valores empenhados, até a primeira quinzena de abril, para serem gastos com ações de propaganda e publicidade no governo Serra superam R$ 127 milhões. Em contrapartida, ações nas áreas de educação, segurança pública, saúde, assistência social e transportes, tiveram recursos muito inferiores empenhados no mesmo período. Exemplo disso é que para a ação de reformas e melhorias em prédios escolares e gastos com ensino médio os valores empenhados são cerca de quatro vezes menores (R$ 29 milhões cada).

Eleição 2010

Na avaliação do deputado Devanir Ribeiro (PT-SP), a discrepância entre os valores investidos em publicidade e os setores básicos, como educação, revela preocupação do governo Serra de consolidar sua candidatura à presidência em 2010. “É um descaso do governo Serra. Ele diz que nós do PT nos preocupamos com 2010, mas ele esta investindo pesado, em âmbito nacional, em propaganda, pensando em sua candidatura para a presidência, e não cuida da educação e da segurança, que são indispensáveis para a população”, afirmou.
Devanir apontou ainda outros problemas no estado, como a proposta do governo Serra de construir 49 presídios no interior. A proposta, segundo o parlamentar, é rejeitada pela maioria dos municípios onde serão implantados os presídios. “Os prefeitos estavam reivindicando a construção de Centros Federais de Educação Tecnológica (CFETs), outro tipo de indústria e não presídios. Estamos em um momento de crise. Os municípios precisam de investimentos que resultem em geração de emprego e renda”, afirmou.

Máscara

Para o deputado Carlos Zarattini (PT-SP), o afloramento dos problemas da gestão do governo Serra já eram previsíveis. “O governo tucano em São Paulo, que já se estende por quase 16 anos, é craque na propaganda mas é ruim na execução. Podemos até aplicar o bordão ‘por fora bela viola, por dentro pão bolorento’. Temos uma piora nos indicadores de segurança, a violência está aumentando. Foi detectado um grande foco de corrupção na segurança pública, incluindo a venda de cargos de delegados em áreas estratégicas. A situação na polícia de São Paulo é grave e o governador não ataca esse problema com a energia necessária para resolvê-lo”, denunciou Zaratini.
O petista lamentou que um estado rico como São Paulo tenha os piores resultados nos índices de qualidade em educação. “A educação em São Paulo nunca foi prioridade nos governos tucanos. Estamos falando de muitos anos de abandono. As escolas de ensino médio estão abandonadas. Faltam professores e a violência prevalece. Tudo isso desestimula os professores e prolonga ainda mais a possibilidade de recuperação dos níveis de qualidade”, afirmou Zarattini ao mencionar dados do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), que revelou que as escolas com menor notas no exame estão em São Paulo.
Números

As estatísticas criminais referentes ao 1º trimestre de 2009, divulgadas dia 30/04 pelo governo Serra, retratam com fidelidade a absurda insegurança vivenciada pelos paulistas não só nas ruas, mas também em seus lares. Os últimos números do crime em São Paulo, conforme se vê no quadro anexo, mostram um crescimento assustador da criminalidade em relação ao mesmo trimestre de 2008.
*Veja os quadros aqui


Fonte: www.pt.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário