segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Dez mortos e 50 feridos em atentado no Paquistão

Pelo menos 10 pessoas morreram e outras 50 ficaram feridas nesta segunda-feira na explosão de uma moto-bomba em Karachi, a grande cidade do sul do Paquistão, anunciou um ministro que acusou os autores do atentado de querer "desestabilizar" o país antes das eleições.

O presidente paquistanês, Pervez Musharraf, e Asif Ali Zardari, o marido da líder assassinada da oposição paquistanesa Benazir Bhutto, estavam presentes no momento da tragédia em Karachi, uma cidade de 12 milhões de habitantes que é o feudo político do partido de Bhutto.

No entanto, ambos estavam longe do lugar da explosão, destacaram fontes oficiais.

A bomba estava escondida em uma moto, e explodiu diante de uma fábrica de tecidos, informou um alto representante da polícia, Mohamed Javed.

"O balanço é de 10 mortos e cerca de 50 feridos", declarou Akhtar Zamin, ministro do Interior da província de Sindh, da qual Karachi é a capital.

"Este atentado foi cometido por pessoas que querem desestabilizar o país, onde devem ser organizadas eleições pacíficas", acrescentou.

Simi Jamali, do hospital local, informou que a cifra de feridos pode aumentar devido à grande freqüência na hora do atentado.

Musharraf reafirmou nesta segunda-feira em Karachi que apesar dos atentados (o de hoje é o terceiro no Paquistão desde o início deste ano), as eleições legislativas e provinciais marcadas para o dia 18 de fevereiro acontecerão na data prevista.

Elas já haviam sido adiadas devido ao assassinato de Benazir Bhutto, no dia 27 de dezembro na periferia de Islamabad.

AFP

Nenhum comentário:

Postar um comentário