quinta-feira, 25 de outubro de 2012

IPÊS ROXOS E AMARELOS

 

Por Luiz Carlos Amorim – Escritor – Http://luizcarlosamorim.blogspot.com
A natureza é mesmo uma coisa fenomenal. Apesar de nós, seres humanos, não a respeitarmos como deveríamos, ela nos proporciona espetáculos inesperados, fabulosos. Este ano, eu não ia falar do ipê da rua na qual caminho quase todos os dias. Eu costumo dizer que aquele ipê é o segundo sol da nossa rua. No final do inverno, ele perde todas as folhas, fica pelado e em seguida explode em flores, fechadinho de amarelo, como um astro dourado a iluminar o nosso caminho.
Pois este ano, no início da primavera, o nosso ipê estava todo pelado, parecia que estava seco, com ar de árvore morta. Na segunda semana de outubro, ele floresceu, um pouco tímido, não com aquela quantidade de flores de outras vezes, mas floresceu e estava ficando lindão, iluminado, quando começou a chover e as flores começaram a cair. No dia seguinte ao da chuva, ao sair para caminhar – na verdade, raramente saio de carro, vou quase sempre caminhando fazer coisas como comprar jornal, ir ao banco, na gráfica, ir na academia, no correio, etc. – as flores da nossa árvore de ipê estavam todas no chão, formando um tapete dourado. Pensei cá com meus botões: este ano não deu para fazer nenhuma foto, pois esqueço de sair com a máquina fotográfica e agora não há mais chance.
Pois no último final de semana passei por lá e fiquei surpreso e feliz ao ver o pé de ipê carregado de flores, o segundo sol da nossa rua que havia voltado. Com intervalo de uma semana, lá estava ele quase fechado de flores amarelas, irradiando luz como se fora, realmente, o nosso sol particular.
Coisas da Mãe Natureza. E já que estou falando em ipê, cá pra nós, os ipês roxos estão fantásticos, pejados de flores, em várias árvores espalhadas pela cidade. Bendita primavera, bendita Mãe Natureza, que nos dão esse espetáculo grandioso de cores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário