quarta-feira, 20 de julho de 2011

Frei Damião – O Santo do Sertão

Frei Damião de Bozzano, com nome de batismo, Pio Giannotti, nasceu em Bozzano, Itália, em 5 de novembro de 1898 – faleceu em Recife, 31 de maio de 1997. Foi um frade italiano radicado no Brasil. Era filho dos camponeses Félix Giannotti e Maria Giannotti.

Começou sua formação religiosa aos doze anos, quando foi estudar em um colégio de padres. Aos dezenove anos foi convocado para o exército italiano e participou da Primeira Guerra Mundial. Aos 27 anos diplomou-se em teologia pela Universidade Gregoriana em Roma e foi docente do Convento de Vila Basélica e do Convento de Massa.

O frade capuchinho, ordenado sacerdote em 25 de agosto de 1923, veio do norte da Itália para o Brasil no início da década de 1930, estabelecendo-se no Convento de São Felix da Ordem dos Capuchinhos, sendo venerado por fiéis, principalmente nordestinos, pois foi nessa região que ele viveu a maior parte de sua vida, fazendo peregrinações pelas cidades, dando comunhão, confessando, realizando casamentos e batismos. Por muitos nordestinos considerado como santo, encontra-se atualmente em processo de beatificação desde 31 de maio de 2003.

Por dia, muitas cartas chegam ao Convento de São Félix, contando fatos de cura, milagre, que a ciência não consegue entender.

Sua primeira missa foi nos arredores da cidade de Gravatá, em Pernambuco, na capela de São Miguel, no Riacho do Mel. Anualmente, no mês de maio, realiza-se naquela cidade as Festividades de Frei Damião. Uma grande caminhada sai da Igreja Matriz Nossa Senhora de Santa'Ana (no centro de Gravatá) e vai até a Capela do Riacho do Mel.

Na cidade de Recife, mais precisamente no Convento de São Felix da Ordem dos Capuchinhos, onde se encontra seu corpo, acontece desde sua morte no final de maio Celebrações para Frei Damião.

Em 27 de setembro de 1977, recebeu o título de Cidadão de Pernambuco e, em 4 de maio de 1995, o título de Cidadão do Recife.

Frei Damião ocupou-se em disseminar as santas missões pelo interior do Nordeste. As santas missões eram um tipo de cruzadas missionárias, de alguns dias de duração, pelas cidades nordestinas. Nessas ocasiões, era armado um palanque ao ar-livre com vários alto-falantes onde o frade transmitia os seus sermões. Quando perguntado sobre os objetivos de suas santas missões aos sertanejos, o frei respondia que um dos objetivos era “livrá-los do Demônio, que queria afastá-los da Igreja e fazê-los abraçar outro credo”. Evangélicos do Nordeste acusam-no de discriminar e incentivar tempos e fazer perseguições a religiosos de outras denominações cristãs. Conseguia arrastar multidões para ouvir suas palestras e tornou-se um fenômeno de popularidade religiosa no Nordeste.

Acompanhado por multidões por onde passava, nunca abandonou suas caminhadas e romarias pelas localidades, sempre conduzindo um terço e um crucifixo em suas mãos. Só parou poucos meses antes de falecer, devido ao agravamento de seu problema na coluna vertebral, fruto da má postura de toda a vida.

Frei Damião de Bozzano faleceu no Hospital Português no Recife, e seu corpo está enterrado na capela de Nossa Senhora das Graças, de quem era devoto, no Convento São Félix, no bairro do Pina, no Recife. Sua vida é retratada no livro do escritor Luís Cristóvão dos Santos, Frei Damião - O Missionário dos Sertões.

Na ocasião de sua morte, em 31 de maio de 1997, o governo de Pernambuco e a prefeitura de Recife decretaram luto oficial de três dias.

No interior de Pernambuco, na cidade de São Joaquim do Monte, todos os anos milhares de romeiros chegam para prestar suas homenagens ao Frade. O ponto central da peregrinação é a estátua erguida em homenagem a Frei Damião localizada no Cruzeiro.

Em 2004, foi inaugurado o Memorial Frei Damião em sua homenagem, na cidade de Guarabira, Paraíba, uma das várias cidades em que o frade capuchinho percorreu em suas missões. Neste memorial foi erguida uma estátua, que atualmente é considerada uma das maiores do Brasil.

Se para os Católicos Frei Damião é um Santo, para os protestantes ele era um agressor, incendiário, raivoso encharcado de ódio. Era inimigo número um dos protestantes que os acusavam de persegui-los e incendiar seus templos.

Pelo interior do Nordeste, por onde Frei Damião fez suas peregrinações, encontram-se monumentos em sua homenagem bem como nome em denominação de ruas, escolas, cidades, lojas comerciais e até em semitério. Dezenas de estátuas foram construidas em sua homenagem. Muitos livros foram publicados sobre sua vida de peregrino pelos sertões nordestinos. Na música popular, não falta exaltação ao Santo do Sertão. No Centro de Tradições Nordestinas em São Paulo uma estátua em tamanho normal homenageia o Santo do Sertão. A ele são atribuídos muitos milagres. Frei Damião é considerado um dos quatro homens mais influentes do Nordeste ao lado de Pe. Cícero, Lampião e Luiz Gonzaga.

Dr. Lima

Nenhum comentário:

Postar um comentário