sexta-feira, 5 de março de 2010

Na Assembleia Legislativa Luizianne fica sem defesa

Todos os pronunciamentos de ontem, na Assembleia Legislativa, sobre a construção de um estaleiro na Praia do Tintanzinho, em Fortaleza, foram de críticas à prefeita Luizianne Lins (PT), exceção apenas para os deputados Artur Bruno e Nelson Martins, ambos do PT. Eles, no entanto, não fizeram qualquer defesa da prefeita.

O deputado Moésio Loiola (PSDB), em um aparte ao discurso do deputado Carlomano Marques (PMDB) foi o mais cáustico nas críticas à prefeita. Segundo o deputado, "se entregarem à Luizianne as duas maiores empresas do mundo para ela administrar, a Coca-Cola e Wolkswagem ela quebra as duas em uma semana".

A afirmação do deputado foi em meio ao aparte duvidando que a prefeita executaria o projeto anunciado de requalificação da área do Tintanzinho, acrescentando que estão sem fim as obras dos Cucas e do Hospital da Mulher, dentre outras.

Racionalidade

O deputado Welington Landim (PSB) destacou a manchete de ontem do Diário do Nordeste, "Cid pede racionalidade; prefeita não abre mão". Para o deputado, antes de tudo é preciso diálogo entre Luizianne Lins e Cid Gomes. Ele argumenta que para se resolver qualquer problema político em época de eleição, todos se sentam para dialogar, mas agora, "para trazer desenvolvimento não se conversa". "Cadê o bom senso? Peço racionalidade. Não se pode ser contra só por ser contra", criticou.

Não apenas Landim e Moésio criticaram a postura da prefeita em relação ao problema da construção do estaleiro. Para o deputado Osmar Baquit (PSDB), "no apagar das luzes", a Prefeitura "inventou" um projeto que não existe apenas para tentar inviabilizar que o Governo traga o estaleiro para a Praia do Titanzinho, entendendo ainda que o projeto proposto por Luizianne não será viável pelo simples fato de a Prefeitura não ter recursos. (DN).

Nenhum comentário:

Postar um comentário