quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Alternativas para salvar o Rio Acaraú

Engenheiro Agrônomo diz que saneamento é uma das alternativas para salvar o Rio Acaraú

Um programa completo de saneamento básico e tratamento adequado dos esgotos, domésticos e industriais, são medidas que poderiam resolver ou pelo menos amenizar o problema da poluição no Rio Acaraú. Isso porque os elementos químicos contidos nos esgotos que são jogados nas águas do rio são os principais agravantes da poluição.
Os administradores municipais têm que sanear as cidades e vilas rurais. Além desse cuidado, é importante reflorestar a mata ciliar e preservar os ambientes ribeirinhos. A mata ciliar é a proteção do rio, se tirá-la começa a surgir a erosão, o aterramento do canal e, com as chuvas, começam as enchentes.

O saneamento é uma medida para reverter o quadro de poluição do rio, mas sozinho não é suficiente.

Além do saneamento, a primeira coisa a se fazer é conscientizar a população, pois colocam muita responsabilidade nos administradores públicos, mas a população também é responsável pela conservação dos recursos naturais.

Pensando nesta parte educativa, algumas escolas já estão desenvolvendo ações e projetos voltados para conscientizar os estudantes sobre a importância da preservação da Bacia do Acaraú. No tocante a ações de revitalização e engenharia, quase nada tem sido feito nesse sentido. Os ribeirinhos precisam ser treinados para contribuírem com a preservação do rio e de sua própria sobrevivência.

Para fazer a limpeza do rio precisa-se de maquinários pesados, para fazer a dragagem, pois o rio tem muitos materiais poluentes, até cancerígenos, e essas operações de engenharia atingem a parte mais funda do leito, e são muitos perigosas a saúde humana.
O saneamento é fator principal para reverter a triste situação do rio. Enquanto não fizer saneamento básico nas cidades e nas indústrias instaladas ao longo do rio, não teremos um rio limpo.

Com aproximadamente 320 km de extensão, banhando 18 municípios, com 27 municípios em sua bacia Hidrográfica de 14.500km², o Rio Acaraú é um dos maiores do Estado. No entanto, representa também um dos maiores problemas ambientais do momento.

Nesta bacia, estão construídos alguns dos mais importantes açudes cearenses: o Edson Queiroz, em Santa Quitéria, o Forquilha, no município do mesmo nome; o Aires de Sousa (Jaibaras), em Sobral, além do Paulo Sarasate (Araras), que está construído sobre o leito do Rio Acaraú e cuja barragem está localizada no limite dos municípios de Varjota e Santa Quitéria. A criação de peixes em tanques redes nestes açudes tem sido alvo de denuncias feitas através da mídia que diz ser esta atividade pesqueira fonte poluidora das águas destas represas.

Faz muitos anos que o Rio Acaraú vem sofrendo com a degradação ambiental, desde o surgimento dos primeiros povoados e da instalação de parques industriais. Desde a nascente, no município Monsenhor Tabosa, na Serra da Mata, até a sua desembocadura, nos municípios de Acaraú e Cruz, o rio apresenta um quadro marcado por altos índices de poluição em praticamente toda a sua extensão. Outro problema enfrentado pelo Rio Acaraú, atualmente, diz respeito ao despejo irregular de esgotos provenientes das residências. Os desmatamentos e as queimadas que são feitas dentro da Bacia do Rio Acaraú também tem contribuído para a sua degradação, pois destrói a vegetação, provoca a erosão laminar do solo contribuindo para o assoreamento do rio, causando enchentes e afugentando a fauna por causa da destruição de seu habitat.
Alguns municípios são mais poluidores do que outros, como é o caso de Sobral. É muito comum a presença de pessoas lavando roupas, carros e animais ou retirando areia do leito do rio contribuindo para sua poluição e degradação.

As gerações mais antigas sentem saudade do tempo em que o rio fazia parte de encontros da família, lazer, tomar um banho e pescar. Hoje, as águas estão contaminadas e malcheirosas. Infelizmente, é essa a realidade sobre um rio que foi berço da nobreza cearense em séculos passados.

Outro problema encontrado no rio é o despejo de lixo. Não é difícil encontrar garrafas pet, pneus e plástico nas águas do Rio Acaraú e muitas vezes esse material é descartado pela própria população, por isso é importante despertar nos cidadãos a consciência ambiental.
Mesmo estando poluído, o rio faz parte do cotidiano de muitas pessoas que vivem às suas margens, alimentando-se dos seus peixes e utilizam as águas para atividades domésticas, dessedentar os animais e fazer irrigação. Daí a importância de revitalizá-lo.

A V Marcha do Vale do Acaraú, que este ano será realizada na cidade de Cruz, promovida pela Igreja Católica, tem como objetivo principal mobilizar a sociedade e chamar atenção para este problema que não é apenas um compromisso da igreja Católica, em defende-lo, mas, sim , de todo o cidadão que tem compromisso com a promoção e defesa da vida.

Antônio dos Santos de Oliveira Lima

Engenheiro Agrônomo residente em Cruz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário