domingo, 1 de dezembro de 2013

Portugal: A metrópole virou colônia?

Por: Alan Bandeira Pinheiro

Portugal, por muitos anos, foi metrópole do Brasil colônia.O primeiro, explorava nossas matérias-primas ,tais como: o pau-brasil, as drogas do sertão,dentre outras especiarias.Nessa perspectiva, podemos inferir que se Portugal enriqueceu ,boa parte deste feito, tem como uma das principais causas a exploração do Brasil.Ainda acerca desse ponto de vista, também cabe destacar que até o Ciclo áureo do Ouro,o nosso país esteve dominado por Portugal.Por isso, alguns pesquisadores dizem: “O Ciclo do Ouro deixou buracos no Brasil, igrejas em Portugal e fábricas na Inglaterra”.

Nesse ínterim, através do Pacto Colonial, a Colônia obrigatoriamente apenas poderia comercializar com a Metrópole.Portanto, fomentando a relação de dependência e subordinação do Brasil com Portugal.Certamente, essa relação ,que perdurou por anos, foi maléfica para o crescimento de nosso país na conjuntura mundial.É mister afirmar ,que as grandes potências da época eram: França, Espanha , Portugal e Inglaterra.Esta última, vivenciava a 1ª Revolução Industrial.

Não obstante, a Metrópole Portuguesa virou colônia.Portugal ,atualmente, é apenas a 31ª maior economia mundial.Nós, brasileiros, somos a 7ª. Enquanto, integramos blocos de grande relevância, como o Mercosul, os BRICS e Portugal, nossa antiga metrópole, integra os PIIGS.Este acrônimo, refere-se ao conjunto das economias de Portugal,Itália, Irlanda, Grécia e Espanha.A palavra significa “porcos” e contextualiza a situação econômica em que vive esses países, desde a crise mundial de 2008.

Nessa diretriz, e diante de uma situação que marca ,efetivamente, a derrocada de Portugal, foi noticiado pela mídia que o déficit público português alcança 10,6% de seu Produto Interno Bruto (PIB).Portanto, requer uma conclusão de que Portugal gasta mais do que arrecada dos cidadãos e empresas privadas.Assim, observa-se que Portugal necessita de auxílio brasileiro e da União Européia (UE) para superar tantas adversidades.Nesse sentido, é diagnosticado que os papéis se inverteram.Outrora, brasileiros eram subordinados aos mandos de portugueses, agora o Brasil ganhou prestígio e Portugal é subordinado à Nação Canarinho.

Dessa forma, a crise financeira, principiada em 2008, parece não ter terminado, sobretudo em Portugal.Assim, muitos jovens portugueses, para não ficar desempregados, se refugiam na agricultura como forma de obter emprego. Assunção Cristas, ministra da Agricultura de Portugal, opinou acerca do assunto: “Eu penso que neste momento o campo já está sendo uma boa oportunidade de trabalho e para o futuro vai continuar a ser, porque a demanda de alimentos a nível mundial está crescendo, em Portugal nós temos mercado interno também para conquistar”.

Em 2007, a revista The Economist tratou Portugal como “um novo homem doente da Europa”.Sem dúvida, tal denominação se situa na perspectiva das altas taxas de desemprego, da fragilidade econômica e da corrupção.Essa última, que macula o sistema político, desviando dinheiro público, que deveria ser investido em condições sociais melhores, para fins particulares.Prática que o Brasil ,infelizmente, conhece bem.

Outra problemática que assola Portugal, é a questão da crise demográfica.A taxa de fecundidade dos portugueses reduziu-se bastante. Jorge Malheiros, da Universidade de Lisboa :"A crise (econômica) agravou a queda de fecundidade, porque, quanto maior a instabilidade na vida profissional, menor a vontade de ter filhos", comenta o demógrafo.A crise econômica, os métodos anticoncepcionais e o ingresso da mulher no mercado de trabalho, sem dúvida, são alguns dos fatores que podem ser enumerados como causadores dessa queda da fecundidade, em Portugal e no mundo inteiro.

Portanto, vale ressaltar que Portugal não é mais aquela grande potência de outrora.O Brasil também não é mais o mesmo.Ele evoluiu, embora permanecendo resquícios de sociedade desigual, subdesenvolvida.Em contrapartida, somos a 7ª economia mundial.Concluímos ,pois, que Portugal virou colônia e Brasil virou metrópole.

Nenhum comentário:

Postar um comentário