sábado, 7 de dezembro de 2013

Nasce uma esperança

É Natal novamente. Todo ano, nesta época, fico refletindo sobre o sentido
dessa data comemorativa. Sei que a maioria acaba gastando mais do que
devia, pois os apelos consumistas falam alto. Fica difícil deixar de
comprar num momento de tantas ofertas e promoções. Diversas pessoas ficam
felizes nestes dias. Eu, particularmente, fico muito feliz. Outras pessoas
ficam tristes. Às vezes, até deprimidas e sem ânimo para continuar
vivendo. São contrastes naturais numa época em que a família é cultuada e,
diga-se de passagem, nem todos possuem bom contato com os seus. Alguns
sequer possuem uma família. Nesse caso, a data fica triste, parece sem
sentido. Vamos imprimir um novo sentido para o Natal, assim todas as
pessoas terão motivos para comemorar.
Quando observo o presépio, vejo mais que uma família. Vejo uma esperança.
Congraçamento de diferentes raças, do homem com a natureza, com os animais
e com o divino. Uma estrela conduz pastores e magos do Oriente para o
cocho onde Jesus está cercado por animais que o aquecem com seu bafo
quente. Seres angelicais cantam glórias ao Senhor. Nessa cena existe um
pouco de tudo: gente, bicho, natureza, anjo, Deus... Unificação. Presença.
Universalidade. Um mundo inteiro numa única cena. Perfeição? Milagre?
Esperança!
Advento é esperança! Deus vem ao nosso encontro. Ele nos mostra o caminho
a seguir; dá o exemplo. Dá a vida. Não estamos mais perdidos,
desorientados, sozinhos. Temos uma direção. Alguém nos ama, e ama
profundamente. Não estamos abandonados à própria sorte. Podemos até não
ter família, mas temos alguém que se preocupa conosco. Alguém que se
interessou em minimizar nosso sofrimento terreno, concedendo-nos a
esperança de um amanhã glorioso. Natal, pra mim, é isso. Alegrem-se; Jesus
nasceu!
A certeza desse amor nos embala e fortalece. Somos importantes, valiosos,
queridos. Você tem lugar assegurado nesse presépio. Não importa se foi
rejeitado pelos seus; por sua família ou seus colegas, você tem um lugar
reservado no banquete do Senhor. Lá será considerado por seus atos e
intenções. Não haverá equívocos quanto à sua pessoa. Jesus sabe exatamente
como você é, e lhe espera de braços abertos, pois ainda que pequenas
faltas maculassem sua alma, foram apagadas com o sangue redentor do
Cordeiro.
Natal é tempo de solidariedade. Compartilhe o que você tem com aqueles que
nada possuem. Fazendo isso, estará participando ainda mais do presépio. As
estrelas ofereceram luz. Os pastores, interesse. Os animais, calor. A
natureza, aconchego. Os magos, bens. Os anjos, reconhecimento. Você pode
oferecer dinheiro, presença, carinho, comida, roupa, calçado, brinquedo...
Você pode oferecer seu tempo a alguém que necessita de uma palavra ou
apenas ser ouvido. Seu Natal será diferente. Será mais humano, fraterno e
solidário. Aceite o convite que vem do presépio. Abra seu coração às
necessidades do próximo. Avalie suas próprias necessidades de aceitação,
merecimento, importância e estima. Veja que tem muito a aprender neste
Natal, e boas festas!
Maria Regina Canhos (e.mail: contato@mariaregina.com.br) é escritora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário