terça-feira, 6 de junho de 2017

BRESSER PEREIRA: CASSAR TEMER SE TORNOU UMA QUESTÃO MORAL

Por Luiz Carlos Bresser-Pereira, em seu Facebook
Uma tristeza
O impeachment de Dilma foi "justificado" formalmente por irregularidades menores (as pedaladas), e, informalmente, pelos protestos nas ruas, comandados por organizações de direita, contra a corrupção na qual se envolvera não a presidente mas o PT. O impeachment foi pedido por Aécio Neves no dia seguinte à derrota eleitoral, e agora pesam sobre ele acusações muito mais graves. E serviu de alavanca para o golpe patrocinado por políticos oportunistas do PMDB, mas só se consumou graças ao apoio liberalismo financeiro-rentista representado politicamente pelo o PSDB. Por que a fúria rentista, se o PT no governo não mudou o regime liberal de política econômica instalado no Brasil a partir de 1990? Apenas porque o partido fazia uma opção preferencial pelos pobres?
A direita brincou de aprendiz de feiticeiro às custas do povo brasileiro. Agora está claro que Temer está profundamente envolvido na corrupção. Seu elogio a Rodrigo Rocha Loures Filho, dizendo que ele é uma pessoa de boa índole e não delatará, é uma confissão. Amanhã começa seu julgamento pelo TSE. A questão formal é saber se a chapa Dilma-Temer se beneficiou de dinheiro sujo. Não há dúvida que isto ocorreu, mas este está longe de ser o maior pecado de Temer. Não resta aos juízes do TSE alternativa senão cassar seu mandato.
Cassar Temer tornou-se uma questão moral. A desmoralização a que foi levado o Brasil por políticos e empresários corruptos é impressionante e exige que alguma coisa se faça. Ao mesmo tempo, desde 2014, o PIB per capita caiu 11%. Cassado ou não Temer, o país continuará em crise econômica, política e moral. A coalizão de classes financeiro-rentista continuará dominante, o regime liberal de política econômica continuará em vigor, e Brasil continuará a ficar para trás. Uma tristeza.
http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/299817/Bresser-Pereira-Cassar-Temer-se-tornou-uma-quest%C3%A3o-moral.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário