terça-feira, 18 de maio de 2010

Tucano faz pedido a Padre Cícero no Cariri

O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, segue a tradição dos presidenciáveis do Brasil, e vem à terra do Padre Cícero, em sua primeira viagem ao Ceará, após ter deixado o Governo de São Paulo, para se tornar pré-candidato.

Aos pés da estátua do ´padim´, no Horto, repetiu o gesto dos romeiros, ao andar em volta da bengala do padre por três vezes, amarrar uma fitinha, pedir para ser Presidente da República e luzes para os próximos meses de campanha. "Vim absorver um pouco desse espírito", disse Serra, após deixar sua assinatura na base da estátua.

Ele recebeu uma escultura do sacerdote de presente dos integrantes do reisado, do município. Em entrevista coletiva, o tucano fez várias críticas a obras que não avançaram no Governo Lula e a falta de avanços na área da saúde, embora tenha elogiado o programa Bolsa Família.

Capela

O pré-candidato do PSDB subiu ao Horto em carreata com partidários, após sair do Aeroporto Orlando Bezerra. Logo depois, seguiu para a cidade de Barbalha. A visita ao túmulo do Padre Cícero, na Capela do Socorro, como era previsto, não foi possível, em virtude do atraso de duas horas na chegada à cidade. Ele desembarcou em Juazeiro às 17 horas e não às 15 horas, como previsto. Ao sair de Barbalha, se dirigiu ao Crato, onde esteve em encontro com partidários, acompanhado de líderes do PSDB no Estado.

Ao descer as escadarias da estátua do Padre Cícero, fez críticas a projetos importantes do Governo no Estado do Ceará e no País, que afirma ainda estarem no papel, como a siderúrgica e refinaria. A obra da Transnordestina foi outro alvo. Este projeto, considerado de suma importância para o desenvolvimento da Região e do País, não absorveu, segundo o tucano, ainda nem 3 por cento do Orçamento destinado à ela. É outra obra que Serra considera ainda no papel. A transposição, reitera, é uma tarefa que fica para diante. "Ainda se encontra nos estágios iniciais e nem sequer começou no Estado cearense". (DN).

Nenhum comentário:

Postar um comentário