domingo, 31 de agosto de 2014

Dilma diz que posição de Marina sobre o pré-sal é 'obscurantista’

 

Presidente parte para o ataque após críticas da candidata do PSB à política energética do governo federal

por BIAGGIO TALENTO, da Agência A Tarde

Candidata Dilma Rousseff durante a visita ao SENAI-CIMATEC- Divulgação

SALVADOR – A presidente da República e candidata à reeleição Dilma Rousseff partiu para o ataque após Marina Silva (PSB) criticar a política energética do governo federal e propor o incentivo a fontes alternativas de energia. Nesta sexta-feira, em Salvador, na Bahia, Dilma disse, sem citar a adversária, que a intenção do programa de governo de Marina de colocar o pré-sal em segundo plano é “fundamentalista, retrógrada e obscurantista”.

— Quem acha que o pré-sal tem que ser reduzido, não tem uma verdadeira visão do Brasil. Isso é um retrocesso, uma visão obscurantista. O pré-sal, dependendo da política que você faça, transforma uma riqueza finita num passaporte para o futuro — disse, referindo-se ao fato de 75% dos royalties e 50% do fundo social pré-sal serem destinados à Educação — o que, em 35 anos, pode render recursos de R$ 1,3 trilhão.

A presidente ressaltou que, em 35 anos, o pré-sal pode render recursos de R$ 1,3 trilhão. Ela criticou a candidata do PSB logo após visitar o Campus Integrado de Manufatura e Tecnologia (Cimatec).

— Não sei se é um desconhecimento da realidade supor que haja, hoje, entre as várias fontes de energia alternativas, alguma para substituir o petróleo no campo da matriz de combustíveis que move os transportes. Nesse (campo) temos algumas alternativas como o etanol, mas ele dá conta da gasolina, já o diesel (do transporte carga) quem dá conta é o biodiesel. No Brasil, a fonte do biodiesel é a soja. Nem o etanol nem o biodiesel são alternativas de fato, concretas ao uso do petróleo. Não substitui, complementa — afirmou.

Veja Também

Os dois tipos de matriz defendida pela candidata do PSB, a energia eólica e a solar seriam apenas “alternativas” e também complementares na “matriz elétrica”. Dilma defendeu outro alvo de críticas de Marina, as hidroelétricas.

— No Brasil, quem não investir na hidroelétrica está alienando uma das fontes de competitividade do País, porque a alternativa à energia hidroelétrica não é a solar e a eólica, que são complementares — declarou, insistindo: — Não existe essa hipótese de um país que precisa de 70 mil megawatts nos próximos vinte anos fornecer essa energia dominantemente com energia solar e eólica. Isso é uma fantasia, uma irresponsabilidade com o país. Até porque o Brasil precisa de energia para crescer

Para Dilma, só mesmo uma posição fundamentalista explicaria a não exploração da energia hidroelétrica no País.

A presidente chegou a desdenhar das ideias de Marina.

— Não olhar o petróleo como uma das riquezas importantes para o Brasil, não olhar o pré-sal como sendo um grande ganho que esse país teve e essa história de que 'eu vou acabar com o petróleo' primeiro que eu acho que não é real. Esse País não aguenta isso. E mais, além disso, acredito que isso é fruto de uma má compreensão ou de um grande retrocesso e obscurantismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário