terça-feira, 19 de agosto de 2014

Aprovação do governo Dilma cresce seis pontos e supera avalanche de notícias negativas

 

O governo da presidenta Dilma consegue driblar avalanche de notícias negativas produzidas pela imprensa brasileira e eleva o índice de sua aprovação em seis pontos percentuais no intervalo de um mês. É o que revela pesquisa do Instituto Datafolha, divulgada neste fim de semana. Segundo o levantamento, 38% dos entrevistados avaliam o governo como ótimo e bom. O índice de reprovação também recuou em 6% - o percentual caiu de 29% para 23%.

Segundo o Datafolha, houve melhora na avaliação do governo em todos os segmentos, com exceção dos mais ricos, que representam apenas 4% da amostra e oscilaram um ponto para baixo (de 25% para 24%).

Em relação às regiões, a aprovação do governo na região Norte superou a Nordeste como área de maior aprovação ao governo.

Na avaliação do vice-presidente do PT, deputado José Guimarães (PT-CE), o resultado da pesquisa é reflexo do legado do governo Dilma, apesar de torcida contraria de parte da sociedade brasileira.

“A avaliação positiva só tende a subir. Esse resultado é em função de que, aos poucos, a opinião pública e a população brasileira vão percebendo qual é o nosso legado. A população está percebendo e vivenciando os resultados extraordinários das políticas públicas e econômicas adotadas pelo nosso governo. As pessoas começam a enxergar o que é melhor para plantar as bases e dar mais futuro”, afirmou Guimarães.

Manchete negativa - O líder do governo na Câmara, deputado Henrique Fontana (PT-RS), comemorou o resultado da pesquisa e o aumento do percentual de aprovação do governo Dilma. Ele enfatizou que as ações do governo são reconhecidas pela população, mesmo sem a divulgação favorável da mídia.

Fontana aproveitou para citar matéria da revista Carta Capital desta semana, que divulga estudo de um grupo estudantes da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), que mostra o volume de manchetes contrárias ao governo da presidenta Dilma.

“O estudo mostra que há um desiquilíbrio gigantesco na cobertura midiática contra a presidente. Ao mesmo tempo em que amplifica a cobertura negativa, a mídia procura esconder grande parte das conquista do nosso governo. Portanto, há no País um processo de divulgação midiática onde não há equilíbrio”, denunciou Henrique Fontana.

O estudo a que referiu o parlamentar petista é conhecido como manchetômetro. Recentemente, o ex-presidente Lula também fez referência ao estudo da UERJ. De acordo com Lula, o último boletim do Manchetômetro traz a informação de que o Jornal Nacional, em 2014, dedicou um total de uma hora, 22 minutos e 26 segundos de noticiário negativo para a presidenta Dilma Rousseff e apenas 3 minutos e 35 segundos de noticiário positivo.

https://br-mg5.mail.yahoo.com/neo/launch?.rand=aabjqe0nghtii

Nenhum comentário:

Postar um comentário