quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Entenda porque o líder do PSDB não tem moral para falar em impeachment de Dilma

 

Postado em 11 de Fevereiro de 2015 Edição Fatos Políticos (Reprodução) cássio-cunha-lima "ELE"

Os tucanos ainda inconformados com a derrota, tentam um golpe estimulando um movimento pró-impeachment.

Na segunda- feira, dia (09) o senador e líder do PSDB Cássio Cunha Lima foi na tribuna tentar dar legitimidade ao discurso de Impeachment de Dilma Rousseff, que tem sido impulsionado por velhos conhecidos setores midiáticos.

A ideia do impeachment por si só é um golpe baixo e torna ainda mais descabido quando o PSDB põe um senador do naipe de Cássio Cunha Lima para liderar e estimular esse movimento.

Leia mais:

Cássio é conhecido por falar grosso no plenário do Senado Federal mas não tem moral pra falar em um Impeachment de Dilma, entenda porque:

1. Foi cassado pelo TSE quando era governador do Estado da Paraíba pela prática de abuso de poder político e econômico nas eleições de 2006. O atual senador foi condenado, à época, por distribuir 35 mil cheques a cidadãos carentes durante a campanha eleitoral daquele ano.

2. No Ano de 2013 após conseguir vitória em Campina Grande elegendo Romero Rodrigues (PSDB) para prefeito, o senador tucano Cássio Cunha Lima embarcou numa encruzilhada pouco discreta de agrados a pessoas muito próximas e queridas.

Primeiro, emplacou a sogra, Iolanda Alves de Azevedo, como assessora especial do gabinete do prefeito de Campina Grande. A nomeação de Iolanda aconteceu no dia primeiro de maio, um feriado, e data em que se comemora o “Dia do Trabalhador”. O salário de Iolanda é de R$ 3,5 mil.

Nomeação da Sogra:iolanda-alvesReprodução

Depois foi a vez da namorada do senador, Jacilene Azevedo, também ganhou emprego. Ela ocupa um cargo na Câmara de Vereadores de Campina Grande.

O cunhado também não ficou de fora da “Festa” o senador também lhe concedeu emprego. Jackson Azevedo ocupa o cargo de supervisor da UPA (Unidade de Pronto Atendimento), da cidade de Campina Grande.

3. Apesar de uma carreira política instável e manchada por uma cassação de mandato na instância máxima da justiça eleitoral, Cássio goza de idolatria, conta com o enorme apoio da mídia local e tem uma estreita relação com os barões da imprensa do estado da Paraíba, a exemplo de outros quadros, como Fernando Collor, Renan Calheiros e Jader Barbalho, também Senadores da República.

4. Mesmo com o mandato de governador cassado, Cássio figura na lista dos oito ex-governadores que jrecebem aposentadoria vitalícia do Estado. Além dele, seis ex-primeiras-dama também recebem o benefício. O pagamento não é ilegal, de acordo com as leis estaduais, mas mostra o quanto as pensões são controversas.

5
Apesar de ainda manter grande influência no estado, Cássio foi derrotado nas eleições de 2014 para o cargo de governador, uma demonstração de que a maioria do povo paraibano não está mais aceitando os desmandos do senador.

São por essas e por outras que Cássio não é nenhum exemplo de ética para esbravejar um impeachment contra Dilma.

André Paulo para o Fatos Políticos

http://www.fatospoliticos.com.br/2015/02/entenda-porque-o-lider-psdb-nao-tem-moral-para-falar-em-impeachment-de-dilma/

Nenhum comentário:

Postar um comentário