quarta-feira, 28 de julho de 2010

Governador Cid Gomes fala sobre o caso Bruce

O governador Cid Gomes conversou com a imprensa, após compromisso em seu comitê eleitoral, na noite desta terça-feira (27), sobre a morte do adolescente Bruce Cristian, atingido por um tiro disparado durante uma abordagem feita pelo Ronda do Quarteirão.

Cid admitiu que o policial errou, enalteceu o trabalho da Polícia Militar e garantiu que o treinamento oferecido aos recrutas do Ronda do Quarteirão é adequado e de qualidade.

“Há erros, em muitos casos, há desvirtuamentos, mas a gente não pode em nome disso desmoralizar a categoria, colocar a categoria em estado de humilhação. Mas há também casos de bravura e a gente tem que reconhecer isso”, afirmou.

Sobre a família e as ações tomadas pelo governo, Cid disse que é preciso agir com cautela: “Minha posição é de todo apoio a família. Quero prestar o meu mais profundo pesar à família. O policial foi suspenso e um inquérito administrativo será feito. As providências serão tomadas. É importante a pensa não colocar sob suspeição toda uma categoria. A gente tem que separar o joio do trigo. Quem vai identificar a culpa é o inquérito, o Ministério Público e o Poder Judiciário. Vou acompanhar”.

A respeito da formação dos policiais, Cid disse que o nível das turmas formadas vem aumentando continuamente.

“Hoje, e a lei não determina, mais da metade dos que concluíram o treinamento tem nível superior ou está cursando faculdade. A gente tem que oferecer uma qualificação cada vez melhor. Por isso não podemos tratar isso como regra geral, mas como exceção. Podem até haver muitas exceções, mas estamos procurando afastar os que erram. Infelizmente, casos como esse acontecem em todo o mundo, como no caso do brasileiro morto por engano pela polícia na Inglaterra [referência ao caso Jean Charles]”.

Perguntado sobre a demora em se pronunciar (foram mais de 48 horas de espera), Cid explicou que precisou viajar à Brasília para um compromisso e fez questão de ressaltar que essas observações não buscavam justificar o episódio. Diante da insistência dos jornalistas, o governador enfatizou que não havia sido procurado para falar, no que foi contestado. “Eu pessoalmente procurei sua assessoria, pedi várias vezes por uma entrevista, mas disseram que não sabiam onde o senhor estava”, explicou a repórter da TV Jangadeiro Kézya Diniz. Cid respondeu que não tinha recebido a solicitação.

“Isso é absolutamente lamentável. Nenhuma argumento servirá de desculpa. Quando soube, pedi que a PM tomasse as providências e que o comandante se pronunciasse. Pedi à Secretaria de Ação Social que enviasse um psicólogo e um assistente social até a família”, ressaltou Cid Gomes. (Jang).

Nenhum comentário:

Postar um comentário