quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Flagelado

 

          João Baptista Herkenhoff

          Pela primeira vez no curso de minha existência, vivi por uma noite a situação de flagelado. Foi uma experiência que me impõe um salto existencial.

          Eu voltava de Vitória, onde acompanhei minha mulher para uma consulta médica, e me dirigia a nossa residência na Praia da Costa. No meio do caminho caiu o temporal que deixou milhares de famílias capixabas ao desabrigo.

          Quando estávamos diante da alça, cuja transposição nos levaria bem próximo do edifício onde moramos, o táxi que nos conduzia percebeu que não seria possível seguir adiante. O carro ficaria afogado na água, se tentasse vencer a correnteza. Também já estava totalmente interrompida a passagem pela Rua Hugo Musso, a segunda alternativa possível. O taxista subiu até o topo do Morro do Marinho, onde estaríamos a salvo das águas. Disse que deixaria o carro estacionado ali e seguiria a pé para sua casa, no meio da lama. Deixou-nos a ver navios, como se diz na linguagem popular. Eu me vi na situação de flagelado: ao relento, sem ter onde reclinar a cabeça. Pensei nos milhares, em situação infinitamente pior: não num desabrigo eventual, que podia ser contornado com um pouco de paciência, mas num desabrigo total. Meu filho, residente na Praia do Canto, disse que iria a nosso encalço. Nós lhe pedimos que não se lançasse a tão temerária jornada, uma vez que não poderia transpor a correnteza.

          Quando estávamos aparentemente entregues a nossa própria sorte, eis que se aproxima um casal que não conhecíamos e também não nos conhecia: Miguel Motta Neto e Valquíria Motta. Esse casal nos convidou para que nos dirigíssemos à casa deles, que ficava ali bem perto. Fomos então recebidos por Dona Mara, Mãe do Miguel, e ficamos conhecendo o filhinho do casal – Gabriel, que tem a mesma idade de nossa netinha Lis. Dona Mara nos ofereceu um café com broas feitas em casa.

          Estávamos a projetar como seria nossa ida em direção ao edifício onde moramos, na Avenida Antônio Gil Veloso. Seria preciso esperar que o nível das águas baixasse. Foi aí que Miguel e Valquíria atalharam nosso pensamento: não iríamos para nossa residência, dormiríamos na casa deles.

          Felizes sob a proteção daquele lar, antevimos que o assoalho de madeira seria mais confortável que o leito que nos fosse oferecido num castelo.

          E eis que Valquíria, Miguel e Dona Mara nos propõem um absurdo: eles todos se ajeitariam no chão e nós dormiríamos na confortável cama do quarto do casal. Tentamos sem êxito dizer não.

          E a noite que supúnhamos seria de flagelado tornou-se uma celebração de Fraternidade. O salto existencial que mencionei no início deste artigo consiste no desafio de tentarmos ser para outros tão irmãos quanto foram para nós Miguel, Valquíria e Dona Mara.

          João Baptista Herkenhoff é Juiz de Direito aposentado (ES), professor e escritor. E-mail: jbherkenhoff@uol.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário