sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Para 42% dos paulistanos, crise hídrica ocorreu por falta de planejamento do governo estadual

 

por Rede Nossa São Paulo

Sistema Cantareira atinge volume zero em 2014 mes de junho20140515 0003 406x270 Para 42% dos paulistanos, crise hídrica ocorreu por falta de planejamento do governo estadual

Sistema Cantareira. Foto: Vagner Campos/A2 FOTOGRAFIA

A 6ª edição da pesquisa IRBEM (Indicadores de Referência de Bem-Estar no Município) questiona os paulistanos sobre a falta de água em São Paulo. Para 61% dos entrevistados, Sabesp é culpada por crise hídrica.

A Rede Nossa São Paulo e a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) apresentam, nesta quinta-feira (22/1), a 6ª edição da pesquisa IRBEM (Indicadores de Referência de Bem-Estar no Município).

O IRBEM revela o nível de satisfação dos paulistanos em relação à qualidade de vida e ao bem-estar em São Paulo. A pesquisa aborda 25 temas, tanto os relacionados às condições objetivas de vida na cidade – nas áreas de saúde, educação, meio ambiente, habitação e trabalho – quanto os ligados a questões subjetivas, como sexualidade, espiritualidade, consumo e lazer.

O levantamento traz ainda o nível de confiança da população nas instituições (Prefeitura, Câmara Municipal, Polícia Militar, Tribunal de Contas, Poder Judiciário etc.) e a avaliação dos serviços públicos. Tempo de espera por consultas médicas (nos sistemas público e privado) e tempo de espera nos pontos de ônibus são algumas das perguntas que compõem a pesquisa.

A pesquisa foi realizada entre os dias 24 de novembro e 8 de dezembro de 2014 com 1.512 pessoas que moram em São Paulo com 16 anos de idade ou mais. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Algumas das conclusões do estudo são:

– Crise da água: 61% avaliam que a Sabesp é a principal responsável pelo abastecimento de água , mas 42% creditam a crise à falta de planejamento do governo estadual, 29% à falta de chuvas e somente 3% ao desmatamento da Amazônia. 66% se dizem bem informados quanto à crise hídrica. 82% acreditam que o risco da água acabar é grande. E 68% afirmaram que tiveram (ou alguém da sua família teve) problemas no abastecimento de água nos últimos 30 dias.

– Voltou ao mesmo patamar de 2012 (50%) os que afirmaram utilizar algum tipo de serviço de educação pública;

– Em 2013, 66% dos entrevistados afirmaram ter transporte escolar público perto de casa. Em 2014, o número passou para 76%. Na área da segurança, 67% disseram ter ronda policial e 70% têm delegacia ou posto policial próximo à residência. Em Meio Ambiente, caiu de 78% para 63% os que afirmam ter serviço de coleta seletiva;

– 68% dos entrevistados afirmaram utilizar ônibus como meio de transporte diário na cidade. E o tempo de espera nos pontos caiu de 25 para 20 minutos na comparação com a pesquisa anterior;

– A qualidade de vida em São Paulo ficou estável para 50% dos entrevistados. E melhorou (“um pouco” ou “muito”) para 37%;

– 57% dos entrevistados disseram que mudariam de cidade se pudessem. 40% não sairiam;

– Passou de 6% para 10% os que consideram São Paulo um lugar “muito seguro” ou “seguro” para morar. E caiu de 93% para 89% os que o avaliam como “pouco” ou “nada seguro”;

– O tempo de espera para consultas no sistema público de saúde passou de 60 dias, em 2013, para 56 em 2014. Para exames, de 79 para 78. E para procedimentos mais complexos, de 170 para 169. Já no sistema privado houve um aumento no tempo de espera: de 7 para 13 dias no caso de consultas; de 7 para 19 dias para realização de exames e de 19 para 42 dias para realização de procedimentos mais complexos;

– Passou de 11% para 15% os que consideram “ótima” e “boa” a gestão municipal atual. Diminuiu de 49% para 45% os que avaliam como “regular” e aumentou de 39% para 40% os que consideram “ruim” e “péssima”;

– A Câmara Municipal foi avaliada como “ótima” e “boa” por 10% dos entrevistados, ante 6% na pesquisa anterior. E 55% deles avaliaram como “ruim/péssima”;

– Bombeiros, Correios e Metrô, nessa ordem, lideram o ranking das instituições com maior confiança da população. Mas houve uma queda geral na confiança nas instituições. 62% dos entrevistados, por exemplo, afirmaram confiar na Sabesp. Na edição anterior da pesquisa esse número era 82%;

Paulo Pinto 25 MRC  Movimento na regiao da rua 25 de marco na regiao central de Sao Paulo foto Paulo Pinto Fotos Publicas 201412200007 Para 42% dos paulistanos, crise hídrica ocorreu por falta de planejamento do governo estadual

Movimento na região da rua 25 de março, em São Paulo. Foto: Paulo Pinto/ Fotos Públicas

Indicadores de Referência de Bem-Estar no Município:

– Dos 169 itens avaliados (com notas que poderiam variar de 1 a 10), 139 (82%) ficaram abaixo da média (que é de 5,5), 28 (17%) ficaram acima e 2 (1%) estão na média;

– A rodada de 2014 da pesquisa é a segunda a considerar a mudança do critério do principal indicador do estudo, o Índice de Bem Estar da Cidade de São Paulo. Esse índice é calculado a partir da importância e da satisfação das 25 áreas de avaliação, e teve como resultado 5,1, ante aos 4,8 de 2013. Na distribuição por subprefeituras, as melhores médias ficaram em Pinheiros (6,1), Penha (6,1), Itaim Paulista + Cidade Tiradentes + Guaianazes (6,1) e Vila Prudente (5,6). Já as piores notas foram dadas em Freguesia do Ó + Brasilândia (4,1) e Perus (4,3);

– Desde a primeira medição do estudo, em 2008, as áreas nas quais os respondentes manifestam maior grau de satisfação dizem respeito à vida privada, à religião e ao consumo – aspectos que não são diretamente permeados pelas esferas de governo;

– O trabalho, apesar de ser uma fortaleza e estar entre os aspectos com melhor avaliação, apresenta oscilação negativa em todos os seus atributos específicos;

– O respeito aos direitos humanos foi o atributo que apresentou maior crescimento no último ano. Também houve alta satisfação com a cultura da paz e recusa à violência entre as pessoas na cidade;

– As áreas de maior insatisfação estão diretamente relacionadas com as instituições governamentais, tais como infância e adolescência, transporte e trânsito, acessibilidade para pessoas com deficiência, segurança, desigualdade social e transparência e participação política. Alguns destes aspectos de maior insatisfação, porém, apresentaram melhora na satisfação no último ano, principalmente no que tange ao transporte/ trânsito e desigualdade social. No caso do transporte/ trânsito, foram percebidas melhoras no tempo de espera pelo ônibus nos pontos e também na redução do tempo de deslocamento, além da quantidade de ciclovias.

– As áreas da Saúde e da Educação mantêm um grau de satisfação que não corresponde à importância atribuída a elas para a qualidade de vida do cidadão paulistano. A Saúde permanece em patamar baixo e em queda (4,7), enquanto a Educação permanece estável (4,5). Nesse último ano caiu a satisfação das pessoas com a forma com que cuidaram de sua própria saúde e alimentação.

Clique aqui e confira a pesquisa.

Confira também as tabelas do levantamento.

* Publicado originalmente no site Rede Nossa São Paulo.

(Rede Nossa São Paulo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário