sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

CFM quer impedir médicos de atuar na rede pública

 

:

Manual do Conselho Federal de Medicina que deve ser publicado nas próximas semanas traz regras e orientações para fiscais identificarem um ambiente adequado de trabalho, com base na infraestrutura, materiais básicos e quantidade mínima de profissionais em atendimento; caso se deparem com problemas, os responsáveis pelas "blitze" poderão até determinar "interdição ética" e impedir médicos de aturem no local, alegando falta de condições de trabalho; entidade presidida por Carlos Vital, que não atuou com o mesmo rigor contra a chamada "máfia das próteses", denunciada no último domingo, vê como solução para os problemas da saúde deixar a população com menos médicos

8 de Janeiro de 2015 às 18:38

247 – Depois de se destacar pela forte atuação contra o programa Mais Médicos, pelo qual o governo federal contratou 14.462 profissionais estrangeiros e brasileiros para o sistema de saúde do País, o Conselho Federal de Medicina (CFM) pretende agora impedir médicos de atuarem na rede pública de saúde.

O plano do Conselho é apertar a fiscalização em hospitais e prontos-socorros brasileiros, conforme noticiou nesta quinta-feira 8 a jornalista Mônica Bergamo em sua coluna. Nas próximas semanas, a entidade divulga uma cartilha com orientações para os fiscais da CFM utilizarem em suas "blitze".

O material trará regras sobre requisitos para um ambiente adequado de trabalho, com base em infraestrutura, materiais e quantidade mínima de profissionais em atendimento, por exemplo. O objetivo é embasar o fiscal para que ele identifique os itens básicos que possam garantir a segurança dos pacientes e dos profissionais.

Caso se deparem com irregularidades, a primeira ação é chamar o responsável pelo estabelecimento. O Ministério Público também será acionado e, se as providências não forem tomadas, o Conselho poderá até determinar "interdição ética", impedindo médicos de atuar no local por falta de condições de trabalho.

A entidade que representa a classe médica parece andar para trás no que diz respeito à contribuição ao sistema público de saúde. Enxerga, como solução para os problemas da área, deixar a população com menos profissionais à disposição.

Não foi com o mesmo rigor que o Conselho agiu contra a chamada "máfia das próteses", denunciada no domingo pelo programa Fantástico, da Globo (leia aqui nota divulgada pelo CFM, em que publica "sugestões para coibir irregularidades na venda de órteses e próteses").

http://www.brasil247.com/pt/247/saudeebemestar/165971/CFM-quer-impedir-médicos-de-atuar-na-rede-pública.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário