sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Oficina de Babaçu: produção de carvão e uso da machadinha

 

Por Expedito Torres

A comunidade de Terra Nova, no município de Massapê, foi testemunha da primeira Oficina de Beneficiamento do Babaçu. O objeto desta vez foi a experimentação da extração da amêndoa do babaçu, através do uso de um machado invertido e a produção de carvão com tambores de metal de 200 litros.

Desde a década de 70 que os quebradores de babaçu da Serra da Meruoca utilizam a marreta, para quebrar o coco (foto). Este processo porém  produz  amêndoas  esfareladas, de baixa qualidade e rejeitadas pelo Mercado. Por Isso o Instituto Carnaúba, buscou soluções para o problema, o que levou a equipe do projeto ao Maranhão, estado que tem quase 80% do coco no Brasil. Onde foram encontradas duas soluções.

A  primeira foi uma maquina de corte do coco (foto)  que estará entrando em operação em breve. A segunda  foi  a adoção do machado invertido, que é largamente usado por cerca de 200 mil quebradeiras de coco no maranhão (foto).

Carvão

A técnica de produção de carvão, com tambores metálicos de 200 litros foi selecionada por se tratar de um método de fácil transporte, rapidez no processo de carbonização e de baixo custo. Como os babaçuais da Meruoca estão há muito tempo sem coleta, há uma enorme quantidade de cocos “velhos” para serem transformados em carvão, e ainda o uso da casca do babaçu, após extração da amêndoa.

Ressalte-se que o babaçu é uma fonte renovável de energia, contribuindo para evitar desmatamentos de mata nativa.

O machado

Segundo o depoimento dos presentes a oficina, a adoção do machado tem como efeito imediato o aumento da qualidade da amêndoa produzida, aumento da renda, inclusão produtiva das mulheres, e gerando um resíduo (casca) de valor estratégico. 

Máquina de quebra de coco babaçu

Turma que participou da oficina do babaçu

Nenhum comentário:

Postar um comentário