sexta-feira, 2 de março de 2012

Quaresma – Tempo de mudança

 

Mais uma quaresma, mais uma campanha da fraternidade: “Que a saúde se difunda sobre a terra!” Fiquei pensando que muitos não sabem o que fazer diante dos apelos da campanha da fraternidade e simplesmente os ignoram. Quando se fala em quaresma logo se imagina privação, sofrimento, renúncia, jejum, abstinência... Ora, essas coisas parecem não fazer sentido nesses tempos modernos em que se procura dar vazão aos instintos e impulsos, buscando a satisfação imediata dos desejos. A impressão que se tem é que é muito difícil, quase impossível, adotar uma postura diferente.

Na verdade, isso é mais impressão mesmo que realidade. Podemos empreender algumas mudanças sem que isso nos seja custoso demais. Basta que comecemos pelas coisas simples. Outro dia recebi um e.mail que sinalizava para a importância do elogio e do reconhecimento das qualidades do outro como forma de valorização. É verdade que em muitos momentos necessitamos avidamente de reconhecimento, incentivo, elogios... E se não os temos junto de nossos entes queridos buscamos através de outras pessoas.

Assim, o cônjuge que não se sente valorizado no lar, com o tempo, passa a buscar essa valorização fora dele, e muitas vezes, acaba encontrando fora de casa o que dentro não havia. Isso acontece também com os filhos que insistem em chamar a atenção e quando não são notados partem para coisas inusitadas e, por vezes, inadequadas. O mesmo se dá com amigos que são esquecidos, com pais que se cansam de apenas dar e gostariam de receber. A situação é geral, e assim acontece porque não temos um olhar crítico diante do nosso egocentrismo. Queremos muito ser atendidos em nossas necessidades, mas esquecemos de igualmente atender ao outro.

Proponho um exercício bastante fácil nesta quaresma, e que poderá reverter em lindos frutos. Para executá-lo você não precisará se privar de nada, apenas distribuir o que tem sobrando, começando com a sua capacidade de observação. Olhe ao seu redor e perceba as pessoas que estão carentes de um elogio ou reconhecimento. Pode ser seu cônjuge, seu pai ou sua mãe, seu filho ou sua filha, seu amigo ou sua amiga, seu chefe, seu colega de trabalho, seu vizinho, o balconista da padaria, a caixa do supermercado, o carteiro... Enfim, qualquer pessoa em princípio pode estar necessitada de seu reconhecimento e incentivo.

Identificada a pessoa ou pessoas mais necessitadas, você pode começar a fazer a sua boa ação da quaresma sem qualquer privação. Reconheça algumas qualidades que essa pessoa possui e diga isso a ela. Mostre como ela lhe é importante. Relembre momentos em que a sua gentileza ou cuidado foram importantes para você. Agradeça pela companhia, pela atenção, pela disponibilidade em lhe atender quando necessário. Mostre para a pessoa como ela faz diferença neste mundo, aquecendo o frio da indiferença com um sorriso e um olhar atento.

Tenho certeza de que sua quaresma não será mais a mesma. E pode ter certeza de que você estará atendendo ao apelo do Senhor: “Fraternidade e saúde pública”, pois a saúde começa dentro de nós, através dos pensamentos que cultivamos, e se exterioriza em gestos concretos de compaixão para com o outro. Se você puder e desejar fazer mais que isso, faça como o Espírito do Senhor lhe sugerir e inspirar. Há muito a ser feito!

Maria Regina Canhos Vicentin (e.mail: contato@mariaregina.com.br) é escritora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário