terça-feira, 4 de julho de 2017

Dirigentes de bancos inocentam Lula diante de Moro

 

Por Fernando Brito, editor do Tijolaço

Dirigentes do Merryl Linch , Bradesco, Santander e Citibank disseram hoje a Sérgio Moro que, durante as auditorias que fizeram – por conta do processo de capitalização da Petrobras – que não detectaram qualquer irregularidade nos negócios da Petrobras.

João Paulo Torres, que foi diretor da Merrill Lynch, afirmou que se tivesse sido detectado algum ato ilícito ou de corrupção nos levantamentos feitos na Petrobras ele seria incluído nos relatórios e a operação de oferta de ações “não iria para frente”, diz O Globo.

O juiz curitibano, claro, não lhes deu a menor atenção e, assim como o Ministério Público, não se dignou a fazer sequer uma pergunta a nenhum dos quatro executivo. Devem ser diretores de banco “bolivarianos”, não é?

Se Moro desse algum crédito ao que dizem, o núcleo da argumentação do Ministério Público  na acusação contra Lula no caso do triplex do Guarujá teria “ido para o brejo”. Porque, como adiantou ontem o Estadão, a sua sentença está sendo preparada com base na aplicação torta da “teoria do domínio do fato”.

Lula tinha de saber e, portanto, sabia.

Mesmo que uma tropa de auditores não tivesse percebido.

Para quem tem convicções, para que alguma prova?

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/parana247/304593/Dirigentes-de-bancos-inocentam-Lula-diante-de-Moro.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário