sexta-feira, 21 de julho de 2017

Lula: 'Bolsonaro não disputa, Doria por enquanto não é nada. Pode ser o Alckmin'


Rede Brasil Atual - Em entrevista aos jornalistas José Trajano, Juca Kfouri e Antero Greco, no canal de Trajano no Youtube, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva comentou as eleições de 2018 e os possíveis adversários. "Bolsonaro não disputa e, se disputar, não tem chance. Doria tem que provar, por enquanto não é nada. É só o João trabalhador que não trabalha. Governe São Paulo", disse. "Pode ser o Alckmin ou podem tentar inventar alguém, não sei quem." Disse ainda que quer voltar a ser presidente "para provar que é possível recuperar este país".

Questionado sobre eventual candidato para ocupar seu lugar na disputa caso não participe da eleição, afirmou que poderia ser um dos governadores do PT ou mesmo Fernando Haddad. "Haddad pode ser uma personalidade importante, mas tem que percorrer o Brasil." O PT hoje governa Minas Gerais (Fernando Pimentel), Bahia (Rui Costa), Ceará (Camilo Santana), Piauí (Wellington Dias) e Acre (Tião Viana).

Ainda sobre 2018, afirmou que gostaria que houvesse "uma penca de gente nova", como alternativas eleitorais, e que Haddad poderia ser "um grande candidato" se tivesse sido reeleito. "Liderança política não se faz da noite para o dia. Para chegar à presidência precisa de um cara que tenha base, que (tenha gente que) defenda ele no bar."

Lula comentou as decisões recentes do juiz Sérgio Moro, sua condenação e o despacho em que o magistrado sequestra seus bens e bloqueia suas contas bancárias. "Eu estou como o técnico do Corinthians, cada jogo é um jogo. Em algum momento vai se fazer justiça", disse. "Acharam (conta no exterior) do Serra, do Aécio. Por que não acharam a minha? Eles não estão julgando o Lula, estão julgando um jeito de governar."

Segundo Lula, a Lava Jato "montou um esquema de comunicação que nem partido político tem". "Tudo tem que sair no jornal. Juiz não tem que se preocupar com a opinião pública." A operação está "levando o país à destruição", disse. E ele mesmo, pontuou, é vítima de uma perseguição diária. "Nem o velho Prestes sofreu o massacre que sofro todo santo dia."

Ele mencionou o empresário Léo Pinheiro, da OAS, como personagem do qual a força tarefa da Lava Jato tentou de todas as formas obter informações que pudessem incriminá-lo, sem sucesso. "Ele está há dois anos preso. E não tem nada a falar do Lula. O que eles conseguiram? (Que ele dissesse) 'o Lula sabia'."

Entre jornalistas da área esportiva, Lula afirmou que tinha mais expectativas sobre o jogo Palmeiras x Corinthians do que sobre a decisão de Moro que o condenou a 9 anos e 6 meses. "Estava mais preocupado com o jogo, porque não sabia o que ia acontecer." A sentença, disse, já era esperada. "Moro não tinha como me absolver. É refém do pacto que fez com a imprensa." O Corinthians derrotou o Palmeiras por 2 a 0 no mesmo dia em que foi divulgada a sentença de Moro.

Lula mencionou o procurador Deltan Dallagnol, que ficou famoso pelas provas que exibiu à imprensa numa montagem de power point. "Aquele cidadão foi à Disney e criou aquela fantasia e a imprensa transformou em verdade."

Lula e PT

O ex-presidente foi questionado sobre se, hoje, considera um erro não ter sido candidato à presidência da República em 2014, no lugar de Dilma Rousseff, e quais erros o PT e a ex-presidenta cometeram. Para ele, Dilma errou politicamente ao não privilegiar o diálogo. "A política não estava no cotidiano dela. Às vezes eu acho que ela achava que era perder tempo uma conversa. Mas se o cara foi eleito deputado, ele tem importância. Dilma tinha dificuldade na relação política", disse.

Na condução da política econômica no segundo mandato de Dilma, Lula avalia que "faltou compreensão de que tinha que parar de desonerar". Disse ainda que era preciso trabalhar com a arrecadação de maneira que esta "permitisse que o Estado continuasse a fazer as coisas em grau menor". Eu pegaria 100 bi (das reservas internacionais) e faria investimento em infraestrutura. O pessoal quis cortar aqui e ali, cortar até aposentadoria do pescador."

O ex-presidente foi questionado sobre por que, quando tinha mais de 80% de aprovação quando governou, não promoveu reformas estruturais como a tributária e política. "É muito difícil, porque quem é eleito não quer mudar (o sistema político). Quem tem que fazer a reforma politica são os partidos através dos seus deputados." Ele observou que não acredita que a atual proposta de reforma, relatada pelo deputado Vicente Candido (PT-SP), será aprovada. "Vai terminar o prazo e não vai fazer."

Sobre a reforma tributária, apontou dificuldades políticas que impediram o andamento de suas propostas. "Fiz dois projetos de reforma tributária. Fiz acordo com governadores, partidos, sindicatos, mandei ao Congresso na perspectiva que fosse aprovada por unanimidade. Mas o Arlindo (Chinaglia) deu na mão do Sandro Mabel (então no PR de Goiás), que foi relator. O primeiro a se rebelar foi Serra, que não aceitava conversar com Mabel", contou. "A reforma tributária tem que ser feita ponto a ponto, e não num pacote como tentei. Tem que levar em conta que o pobre não pode pagar mais imposto do que o rico."

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/307482/Lula-'Bolsonaro-n%C3%A3o-disputa-Doria-por-enquanto-n%C3%A3o-%C3%A9-nada-Pode-ser-o-Alckmin'.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário