segunda-feira, 17 de abril de 2017

DELATOR: DISCUSSÃO DE CAIXA 2 PARA RICHA FOI FEITA EM FRENTE AO PRÉDIO DA LAVA JATO

Orlando Kissner/ Fotos Públicas Paraná 247 - O ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedicto Júnior afirmou em delação premiada que uma reunião para discutir repasses ilegais ao governador do Paraná Beto Richa (PSDB) foi feita no segundo andar de um prédio, no Centro de Curitiba, exatamente em frente ao prédio do Ministério Público Federal (MPF) na cidade, base da força-tarefa da Operação Lava Jato, da Polícia Federal (PF).
De acordo com o ex-executivo, o encontro aconteceu em julho de 2014, quatro meses depois do início da operação, que teve sua primeira fase deflagrada pela Polícia Federal (PF) em março daquele ano.
Benedicto afirmou que um representante do comitê eleitoral de Richa procurou Luiz Bueno, diretor da empresa para o Sul do País, pedindo a doação. Segundo o delator, foi aprovado o pagamento de R$ 4 milhões via caixa dois. Benedicto disse que Richa recebeu R$ 3,05 milhões para as últimas três campanhas que disputou no Paraná.
"Os pagamentos foram encaixados, planejados e executados pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht [departamento criado pela empresa para operar o repasse de quantias de propina a políticos e funcionários públicos]. A gente adotou o codinome "piloto" para esses pagamentos, como uma menção ao doutor Beto Richa", disse.
Os delatores disseram que não houve uma contrapartida de Richa. Segundo eles, os pagamentos foram realizados porque o tucano era um político jovem e promissor e que o Paraná podia se tornar um mercado importante.
Em nota, Juraci Barbosa Sobrinho, tesoureiro da campanha eleitoral de Beto Richa em 2014, negou as acusações. "Mais ainda as que acusam a campanha de 2014, na qual fui coordenador financeiro, de ter recebido valores não contabilizados ou de origem ilícita. Uma investigação mais aprofundada certamente demonstrará que as denúncias são falsas, e estas jamais poderão se sobrepor à verdade, conforme prestação de contas aprovada pela Justiça Eleitoral", diz a nota. As respostas foram publicadas no G1.
Fernando Ghignone, tesoureiro das campanhas eleitorais de Richa em 2008 e 2010, informou que todas as doações foram realizadas dentro da lei e depositadas na conta oficial do partido. "Nossas prestações de contas dos dois anos foram aprovadas pelo TRE, sem ressalvas. A denúncia é inverídica e fantasiosa", disse.
http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/290782/Delator-discuss%C3%A3o-de-caixa-2-para-Richa-foi-feita-em-frente-ao-pr%C3%A9dio-da-Lava-Jato.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário