domingo, 29 de março de 2015

Ombudsman aponta erro grave da Folha em denúncia contra Dirceu

 

:

A manchete principal da Folha deste domingo é uma nova acusação ao ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu: a que os pagamentos a sua consultoria feitos por empreiteiras seriam parte da "propina" destinada ao PT; a Camargo, no entanto, confirmou que as consultorias foram realizadas, o que já havia sido feito antes por outras empresas, como Ambev, Consilux, Engevix e até pelo grupo ABC, do publicitário Nizan Guanaes

29 de Março de 2015 às 08:58

247 - A manchete do último domingo da Folha de S. Paulo, em que delatores da Lava Jato supostamente acusam o ex-ministro José Dirceu de receber "propina" da Petrobras na forma de consultorias, está errada.

A distorção, antes apontada por 247 (saiba mais aqui), foi agora confirmada pela própria ombudsman da Folha, a jornalista Vera Guimarães Martins.

No texto "Diferente do informado", ela coloca os pingos nos is.

"É obrigação do bom jornalista produzir títulos atraentes, capazes de fisgar o interesse do leitor. Já é um problema quando, no afã de cumprir bem a tarefa, o titulador (que nem sempre é o repórter que escreveu o texto) exagera no 'esquenta' e, além da atenção, atrai também a ira de quem se sente enganado por um enunciado que vende gato por lebre. A manchete do último dia 22 – 'Dirceu recebia parte de propina paga ao PT, afirmam delatores' – foi mais do que um desses casos clássicos de exagero. Foi erro sem sombra de dúvida, gerado desde o título interno da reportagem", diz ela.

"A manchete tem alguns problemas, mas os principais cabem num resumo: quem informou não é delator e quem é delator não informou o que está na título. E, claro, se a fonte é uma só, usa-se o singular", afirma. "A afirmação de que os pagamentos à consultoria de Dirceu eram descontados das propinas da Petrobras foi feita pelo empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC, que ainda não fechou acordo de delação premiada – o que faz toda a diferença."

Vera Guimarães também questiona o erro no que diz respeito à Camargo, bem como o espaço dedicado pela Folha para a correção. Leia abaixo:

"A reportagem também relata que um representante da Camargo Corrêa, nome não divulgado, afirmou, nas mesmas circunstâncias, que a empreiteira contratou os serviços de Dirceu porque tinha medo de que a recusa prejudicasse os negócios que mantinha com a Petrobras. Ele, sim, é delator, mas sua história é outra. A Secretaria de Redação diz que houve um erro de enunciado, de responsabilidade da Redação, mas avalia que o conteúdo da reportagem valia mesmo manchete. Como já escrevi antes, erros prejudicam o jornal, mas, por improváveis e absurdos que possam parecer, acontecem. O que acho mais lamentável é que a correção tenha sido feita em uma nota de dez linhas na seção Erramos."

Fonte: Brasil 247

Nenhum comentário:

Postar um comentário