quinta-feira, 12 de março de 2015

Andrade, poupada por Moro, cai na mira de Janot

 

:

Empreiteira Andrade Gutierrez, a que mais doações fez à campanha do senador Aécio Neves (PSDB-MG), com R$ 20,3 milhões em 2014, e até agora havia ficado de fora da Lava Jato, conduzida pelo juiz Sergio Moro, no Paraná, está no foco das ações do procurador-geral da República, Rodrigo Janot; em sua delação premiada, Alberto Youssef afirma que recolheu propinas de R$ 1,5 milhão na empreiteira, a pedido do lobista Fernando Baiano, que, segundo o doleiro, era muito próximo ao presidente da empresa, Otávio Azevedo; Janot decidiu interrogá-lo, assim como outros executivos da empreiteira, nos inquéritos que correrão no Supremo Tribunal Federal

12 de Março de 2015 às 06:31

247 - Poupada pela força-tarefa que conduz a Operação Lava Jato, a Andrade Gutierrez, uma das maiores empreiteiras do País, e a maior doadora à campanha do senador Aécio Neves (PSDB-MG), com R$ 20,3 milhões, caiu na mira do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Isso porque, em sua delação premiada, Alberto Youssef narrou como recolheu propinas de R$ 1,5 milhão na empreiteira, a pedido do lobista Fernando Baiano, para realizar pagamentos a parlamentares do PP. Segundo Youssef, Baiano era 'muito próximo' ao presidente da empresa, Otávio Azevedo, que já foi presidente do conselho de Administração da Oi e é um dos executivos mais conhecidos do País. O valor teria sido retirado, segundo Youssef, em malas de dinheiro.

Diante das evidências de envolvimento com os fatos que vêm sendo apurados, Janot decidiu ouvir Azevedo e outros executivos da Andrade Gutierrez nos inquéritos que correrão no Supremo Tribunal Federal. Além da delação de Youssef, a empresa também foi envolvida nos depoimentos de Paulo Roberto Costa. O ex-diretor da Petrobras afirmou que a empreiteira colocou US$ 4 milhões à sua disposição no banco Vilarte, de Lichtenstein, segundo reportagem de Fábio Pupo e André Guilherme Vieira, no jornal Valor Econômico (leia mais aqui).

A proximidade entre a Andrade e o senador Aécio, que concorreu à presidência da República pelo PSDB, se deve ao acordo de acionistas da Cemig, a jóia da coroa mineira. Na gestão de Eduardo Azeredo, a gestão da empresa foi transferida, por valor simbólico, à empresa americana AES. Quando Itamar Franco assumiu o governo de Minas, retomou o controle da empresa. Depois, nos governos dos senadores Aécio e Antonio Anastasia, voltou-se à situação anterior. Primeiro, a Andrade comprou as participações da AES. Em seguida, conseguiu mudar o acordo de acionistas da Cemig, passando a ter poder efetivo na administração da empresa.

Na Lava Jato, praticamente todas as empreiteiras do País foram citadas nas delações premiadas, mas duas das maiores, Andrade Gutierrez e Odebrecht, não tiveram executivos presos nem submetidos à pressão para fazer delações premiadas.

http://www.brasil247.com/pt/247/economia/172958/Andrade-poupada-por-Moro-cai-na-mira-de-Janot.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário