terça-feira, 22 de abril de 2014

A ditadura nas caixas de comentários

 

Tenho lido muito os comentários dos leitores ao noticiário publicado na rede, principalmente sobre a ditadura. Sem surpresa, garanto, mas que fica um gosto amargo, ou podre, fica. Que um leitor não saiba usar vírgulas ou cedilha ou crase, você pode aguentar, é o Bananão, é a educação no Bananão. Mas a coisa não para aí.

As frases muitas vezes não têm começo, nem meio, nem fim. São só fragmentos desencaixados. Algumas exigem um esforço: o que será mesmo que o cara quis dizer? O que se pode esperar desse leitor? Se o que ele diz não faz sentido, ou tem um sentido remoto, que precisa ser adivinhado, me pergunto: o que ele entende do que lê e vive?

Mas a coisa não para aqui também. São flagrantes a desinformação e as distorções grotescas. O raciocínio e a lógica jamais admitem nuances. Esse leitor vive num eterno folhetim, entre santos de um lado e facínoras do outro. Apenas uma coisa é clara: o ódio. Então, me perdoem o que vem a seguir, a obviedade galopante, o didatismo rastaquera.

Os dois lados

Cansei de ouvir os filhotes ou saudosos da ditadura dizerem que, bom, se é pra ouvir acusações, vamos ouvir os dois lados. É seguinte, meus negos: nós ouvimos o lado da ditadura por 21 anos oficiais e continuamos por mais umas décadas ouvindo que devemos continuar ouvindo apenas o silêncio. Os milicos ouviram o outro lado, durante a própria ditadura: ouviram o outro lado enquanto ele levava choque, tinha o saco espremido e morria durante o interrogatório. Os milicos deixaram de ouvir o outro lado logo depois de lhe arrancarem os dentes, de cortarem suas mãos, de lhe arrancarem as vísceras e de o jogarem em rios num saco cheio de pedras. Enfim, o lado dos quarteis ouviu tudo, menos ser chamado de criminoso, com as provas esfregadas na fuça.

Problema de linguagem

Quando um sujeito conta uma série de atos covardes como se se tratasse de heroísmo glorioso, o que acontece? É um problema de linguagem ou estamos lidando com psicopatia?

A anistia vale pros dois lados

Os guerrilheiros foram presos, torturados, alguns foram mortos, outros foram exilados. Isso não foi uma punição? O que aconteceu com os torturadores? Diga-se ainda que crime de tortura é considerado crime hediondo, inafiançável, e não prescreve. Dois mais dois: anistia criada pelo Estado pra perdoar os próprios crimes não vale. Mas os criminosos da ditadura não só não foram punidos como ganharam medalhas e cargos importantes. E nós, que somos contribuintes, ainda estamos pagando a aposentadoria de vários.

A volta dos milicos pra uma limpeza na política

Acho essa parte uma das mais tristes. Porque foi com a desculpa de varrer a corrupção que os milicos tomaram o poder. O que se viu? Um governo tão corrupto como sempre, além de truculento. Como não foi corrupto? Não esqueça de Paulo Maluf, a criatura mais perfeita da ditadura, como diz Alberto Dines. Mesmo assim tem gente que acha que hoje há mais corrupção. Não seja idiota, por favor: hoje, muito simplesmente, a corrupção é noticiada. Naquele tempo a gente lia poemas de Camões, confere?

As vítimas dos guerrilheiros

Os defensores dos milicos sempre saltam com os mortos pelos guerrilheiros. É verdade, os guerrilheiros não deviam ter matado ninguém. Mas se podemos cobrar as mortes cometidas pelos guerrilheiros, por que não podemos cobrar as mortes cometidas pelos milicos, que foram em número muito, mas muito maior, e em condições infinitamente mais infames?

Os militares tinham o apoio do povo

Não, não, os milicos não tiveram apoio do povo. Pesquisas da época apontam que em torno de 70% da população estavam com Jango, nem viam comunista embaixo da cama. Os milicos tinham apoio dos gringos e de empresários que faturaram muito bem nos anos seguintes.

Conspiração

Segundo um leitor do UOL, muitos dos mortos ou desaparecidos durante a ditadura não estão mortos nem desaparecidos, mas morando em Cuba. Não, meu filho. Depois que eles desapareceram sem mãos, sem dentes e sem vísceras, foram levados por alienígenas pra Alpha Centauri, onde a partir de suas células foram criados vários comunistas de proveta que estão preparando a invasão da Terra. Escondam as criancinhas.

Guerra é guerra

Quer dizer, vale tudo. Mas que guerra, me digam? Trata-se de guerra a resistência de uma ou duas centenas de pessoas contra milhares mais bem armadas e com toda a grana necessária?

Moral da história

Você quer defender a tortura, o assassinato e ocultação de cadáver, defenda. Mas, por favor, não invoque a moral e os bons costumes.

 

http://www.sul21.com.br/jornal/a-ditadura-nas-caixas-de-comentarios/

Nenhum comentário:

Postar um comentário