sábado, 29 de outubro de 2016

‘24h após denúncia de Serra, cala-boca geral nas redações’

Valter Campanato/Agência Brasil Por George Marques, em seu Facebook - Passado mais de 24 horas após matéria da Folha de que o ministro José Serra (PSDB-SP) teria recebido cerca de R$ 23 milhões em propina, fruto de corrupção e caixa dois da Odebrecht, O Globo, Estadão, G1, entre outros veículos e articulistas da Casa Grande sequer tocaram no assunto. Houve um cala-boca geral nas redações. Esse tipo de conveniência faz parte do jornalismo de omissão, de compadrio, do jornalismo rasteiro e imoral.
Oras, alguém duvida que, se no lugar do tucano José Serra fosse o ex-presidente Lula ou alguém do PT a denúncia teria amplo destaque em todos os portais acima, com direito a helicóptero sobrevoando o diretório do partido, plantão de meia em meia nos jornais locais? Fica cada dia mais nítido de que lado da história estão esses veículos de imprensa. Capturado pelo poder econômico, o jornalismo no Brasil passa por um momento de descrédito, subserviência e de proteção conveniente. Haverá salvação?
http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/262889/%E2%80%9824h-ap%C3%B3s-den%C3%BAncia-de-Serra-cala-boca-geral-nas-reda%C3%A7%C3%B5es%E2%80%99.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário