domingo, 19 de julho de 2015

Testemunha de corrupção em gestão tucana se cala na CPI da Petrobras

 

CPI vai pedir à Justiça a retenção do passaporte do ex-representante da SBM Offshore no Brasil, suspeito por ser o precursor do esquema de corrupção da estatal, na década de 90

Testemunha de corrupção em gestão tucana se cala na CPI da Petrobras

Política#LavaJato

Brasília- DF- Brasil- 09/06/2015- Audiência pública para ouvir o depoimento do (C) empresário Júlio Faerman, ex-representante no Brasil da empresa holandesa SBM Offshore.

Por: Agência PT, em 9 de junho de 2015 às 20:43:05

O empresário e engenheiro Júlio Faerman se negou a prestar esclarecimentos à CPI da Petrobras na terça-feira (9). O depoente é ex-representante no Brasil da empresa holandesa SBM Offshore e teria participado do esquema de corrupção e pagamento de propina a servidores da Petrobras na década de 1990, durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

O silêncio de Faerman é protegido por um habeas corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Não é a primeira vez que o engenheiro é convocado para a CPI. Ele deveria ter prestado depoimento em 26 de março, mas não foi localizado para que se oficializasse a convocação.

O empresário é citado pelo ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco, em depoimento de delação premiada, como um dos precursores do esquema, que teria começado em 1997, ano em que Barusco afirma ter passado a “receber valores do senhor Júlio Faerman”.

Barusco declarou ter aberto uma conta na Suíça naquela época para depósitos da SBM, que somaram US$ 22 milhões.

As acusações contra Faerman foram reforçadas pelo ex-diretor da SBM Offshore, Jonathan Taylor, durante oitiva da CPI em Londres. Taylor afirmou que a empresa pode ter pago US$ 92,6 milhões em propinas a partir de 1997 em troca de contratos com a Petrobras.

Frustração – Para o deputado e relator da comissão, Luiz Sérgio (PT-RJ), a falta de esclarecimentos gera um sentimento de frustração. “O Pedro Barusco afirma que começou a receber propina deste senhor há 18 anos. Então, ninguém tem um histórico tão grande de todo o processo quanto ele”, afirmou.

Um dos argumentos para a concessão do habeas corpus é o fato de o empresário ter firmado um acordo de delação premiada com Ministério Público Federal, ainda não homologado pela Justiça.

Faerman será novamente convocado assim que ocorrer a homologação. O investigado tem residência fixa em Londres e, para garantir que não saia do Brasil, a CPI vai pedir a retenção do passaporte dele na Justiça.

O deputado Luiz Sérgio ressaltou que é muito importante que Faerman colabore com a Justiça, mas ele deve também colaborar com a CPI. “As informações que ele detém podem esclarecer todo esse mecanismo que envolveu empresas e diretores da Petrobras”, afirmou.

Quebra de sigilos – O empresário negou ser lobista. Na próxima quinta-feira (11), a CPI pode aprovar a convocação dos filhos de Faerman, Marcello e Eline, e do sócio, Luiz Eduardo Barbosa. Há também requerimentos de quebra de sigilos bancário e fiscal de suas empresas.

Da Redação da Agência PT de Notícias, com informações do PT na Câmara

Nenhum comentário:

Postar um comentário