segunda-feira, 13 de julho de 2015

Delegado da PF relata intenção de colegas de 'manipular provas' no Paraná

 

Um delegado da Polícia Federal que foi a Curitiba apurar vazamentos da Operação Lava Jato relatou ter sofrido pressão dos colegas do estado e recomendou que a sindicância sobre a escuta na cela do doleiro Alberto Youssef fosse refeita, informa a Folha de S. Paulo neste domingo (12).
A informação consta em um despacho interno do delegado Mário Fanton de maio, no qual ele afirma ter presenciado "uma participação direta do DPF [delegado de Polícia Federal] Igor [Romário de Paula]" e de outra delegada "para quererem ter ciência e manipular as provas".
Fanton foi a Curitiba, de acordo com o jornal, para apurar boatos sobre vazamentos das investigações para a confecção de um dossiê com o objetivo de anular a Lava Jato, o que teria gerado insatisfação e desconfiança dos delegados da operação.
"Sugiro que o MPF [Ministério Público Federal] reanalise as provas, inclusive a sindicância da escuta clandestina, se possível refazendo-a, e conduza diretamente a presente investigação ou com grande proximidade a um novo delegado a se indicar, pois não acreditamos mais nas provas antes constituídas", escreveu Fanton.

Do blog do Macário Batista

Nenhum comentário:

Postar um comentário