quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

DEPUTADO PEDE VISTA E PROCESSO CONTRA CUNHA É ADIADO

Gilmar Felix / Câmara dos Deputados: 247 - O deputado federal Wellington Roberto (PR-PB) pediu vista nesta quarta-feira 17 do processo que corre no Conselho de Ética contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), adiando mais uma vez o trâmite da ação.
Roberto foi um dos nove deputados que votaram contra o prosseguimento do processo em dezembro, após o relator, deputado Marcos Rogério (PDT-RO), ter apresentado seu voto pela continuidade da investigação.
Com o pedido de vista, o processo contra Cunha fica paralisado por dois dias e volta a ser discutido na próxima semana. Confira abaixo reportagens da Agência Câmara:
Pedido de vista adia início de discussão de representação contra Cunha
Um pedido de vista coletivo adiou o início da discussão da representação contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar.
A próxima reunião está marcada para a terça-feira (23). O relator Marcos Rogério (PDT-RO) apresentou parecer pela admissibilidade do processo e acatou aditamento apresentado pelo Psol com novas denúncias contra Cunha, que alega inocência.
Relator pede continuidade de processo contra o presidente da Câmara
O relator Marcos Rogério (PDT-RO) apresentou, há pouco, parecer pela continuidade do processo contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. "Não há como, em juízo preliminar, retirar a força indiciária das provas. Somente a instrução será capaz de permitir a este colegiado concluir pela procedência ou não da representação e pelo nível de gravidade das condutas imputadas", disse Rogério.
O relator não acolheu o aditamento apresentado pela deputada Clarissa Garotinho (PR-RJ) por entender que ela não tem legitimidade para fazê-lo. De acordo com Marcos Rogério, a parlamentar deveria ter apresentado as novas denúncias perante a Mesa Diretora, e não no Conselho de Ética.
Quanto ao aditamento apresentado pelo Psol, Marcos Rogério considerou a representação apta. No aditamento, é acrescentado o pedido para investigar o fato de Eduardo Cunha ter dito na CPI da Petrobras que nunca encontrou o lobista Fernando Baiano em sua residência, o que teria sido contestado por Baiano em delação premiada. Outra investigação trata de "indícios acerca da existência de cinco novas contas em diferentes países de titularidade do representado [Cunha], das quais três teriam sido abertas na Suíça, uma nos Estados Unidos e uma em Israel", conforme apresentado no parecer.
Marcos Rogério reiterou o argumento de que a decisão proferida pelo 1º vice-presidente da Câmara, deputado Waldir Maranhão (PP-MA), de anular todas as fases do processo foi ilegal e antirregimental: "É algo sem precedente em nenhum outro processo disciplinar que já teve curso perante este órgão; a independência e autonomia do Conselho de Ética estarão inegavelmente comprometidas".
Ele rebateu o advogado Marcelo Nobre e afirmou que, nesta fase do processo, não cabe manifestação formal da defesa: "O Código de Ética e Decoro Parlamentar confere o prazo para manifestação da defesa apenas após o seu recebimento, não se podendo falar, portanto, em violação aos princípios da ampla defesa, do contraditório e do devido processo legal."
Eduardo Cunha afirma ser inocente e ressalta não ter cometido nenhuma irregularidade. Ele diz que foi escolhido para ser investigado como parte de uma tentativa do governo de calar e retaliar a sua atuação política.
http://www.brasil247.com/pt/247/poder/217458/Deputado-pede-vista-e-processo-contra-Cunha-%C3%A9-adiado.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário