quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

‘CONIVÊNCIA COM CORRUPÇÃO NA AMÉRICA LATINA É MUITO MENOR HOJE’

: 17 DE FEVEREIRO DE 2016 ÀS 11:10
Por Nina Santos*, para o 247
As últimas semanas em Paris tiveram a América Latina como pauta importante. Os resultados eleitorais recentes, os escândalos de corrupção, o papel dos meios de comunicação e as perspectivas incertas de futuro chamam a atenção dos analistas europeus. "É bom falar do tema da corrupção na América Latina, pois frequentemente dizemos muitas besteiras sobre isso", afirma Georges Couffignal, professor emérito em ciências políticas da Universidade Sorbonne Nouvelle. Para ele, o que acontece na região é um aumento da consciência política e uma diminuição da tolerância moral com a corrupção. Ele lembra que durante anos houve certa conivência com as políticas clientelistas e com a lógica do "rouba mas faz" e o rompimento desse comportamento é o que explica vários escândalos de corrupção atuais.
O debate sobre a atulidade latino-americana esteve em pauta em função da visita do presidente cubano Raul Castro na segunda-feira (1), da apresentação do relatório anual do Observatório Político da América Latina da Sciences Po (Opalc) e de dois debates, um no Instituto de Relações Internacionais e Estratégicas (Iris) e outro na Embaixada do Brasil.
A questão da imprensa aparece como central em muitos debates na França, onde as críticas aos meios locais não são pequenas, mas é impensável um sistema de comunicação com quase monopólio da iniciativa privada. "Os meios de comunicação na América Latina dificilmente podem ser considerados como um quarto poder em favor do cidadão", afirma Jean-Jaques Kourliandsky, pesquisador do Iris ourliandsky.
Por outro lado, as recorrentes denúncias de corrupção aumentariam, na opinião de alguns analistas, a sensação de desconfiança dos eleitores em seus representantes, abrindo espaço para o reaparecimento da figura do outsider político: personalidades de outras esferas públicas que mergulham na disputa política com um apelo ético, discurso desideologizado e rechaço à classe política tradicional, caso observado na Guatemala, em 2015.
Resultados eleitorais: uma virada à direita?
Os últimos resultados eleitorais no continente, com destaque para Argentina e Venezuela, são especialmente interessantes por aqui. Para Olivier Dabène, coordenador do Opalc, embora não seja possível afirmar que haja uma virada à direita, essa tendência pode ser observada nas eleições de 2015 e indica um novo caminho da região. "Com toda a prudência que requer esse gênero de exercício, há espaço para prever uma derrota da esquerda no Peru em 2016, no Chile em 2017, no Brasil, na Costa Rica e na Venezuela em 2018, e, enfim, em El Salvador em 2019", prevê Dabène.
Essa visão um tanto fatalista não é, no entanto, consenso. Couffignal, considera que falar de um ciclo de governos de direita que substituiria um ciclo de esquerda é reducionista. Ele lembra que enquanto a região vivia o dito ciclo de esquerda o México, segundo maior país da região, tinha um governo conservador, assim como a Colômbia. Para Couffignal, as diversidades internas da região não permitem esse tipo de generalização simplificadora. "Eu não concordo com meu colega Dabène sobre a projeção dele para as próximas eleições na América Latina", deixa claro.
Mudanças dos últimos 15 anos transformaram a sociedade latino-americana. Para onde vamos agora?
A percepção de que as mudanças pelas quais a América Latina passou nos últimos 15 anos foram profundas e transformaram as sociedades tem bastante evidência. Ignacio Ramonet, diretor do Le Monde Diplomatique em espanhol, destaca que as 232 milhões de pessoas que sairam da pobreza na região estão agora exigindo uma maior qualidade dos serviços prestados pelo Estado. "As demandas da sociedade são diferentes, mas o discurso político é o mesmo", opina. Ramonet destaca, no entanto, que o discurso conservador englobou os programas sociais e que a maioria das oposições hoje não propõe o fim das políticas implementadas. O que fazem é reivindicar a capacidade de aplicá-las de forma mais eficiente.
O questionamento sobre o rumo que estas mudanças estão tomando nos últimos anos parece ter múltiplas respostas. Para Kourliandsky, o Brasil vive hoje uma paralisia do Estado, que se vê incapaz de continuar as políticas sociais e manter a importância internacional do país. Já para Couffignal, está acabando a era dos 'hiperpresidentes' e començando uma geração de governos de coalizão – à exceção do Brasil, onde, para o pesquisador, o governo já era de coalizão -, o que muda substancialmente a forma de governar e traz diversos novos desafios.
Um ponto de acordo parece ser a estabilidade institucional da região. Os intelectuais são quase unânimes ao reconhecer a estabilidade da democracia latino-americana, mesmo face a alternâncias de poder. Não há especulações sobre a volta de ditaduras militares, como nas décadas de 60 e 70, mas sim discussões sobre os rumos que as democracias podem tomar.
Perspectivas futuras
Em um cenário econômico pouco favorável, com um sentimento de insatisfação política grande, fazer previsões sobre o futuro da região se torna uma tarefa mais complexa e arriscada.
Por um lado, a estabilidade institucional da região aponta para um futuro democrático. As lutas das últimas décadas para consolidar as democracias parecem ter resultados positivos na maioria dos países. No entanto, a vontade de renovação política – não apenas de atores, mas sobretudo de práticas – é latente e a crise econômica é uma realidade. Para Pablo Gentili, secretário-geral do Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais (Clacso), os avanços da região no último período não foram fruto simplesmente de um ciclo econômico positivo, mas sim de decisões políticas acertadas. Portanto, ele acredita que a tarefa atravessar esse novo período com sucesso – ou pelo menos com poucas perdas – é também da esfera política.
"Eu não acredito em volta atrás. Não há momentos de descanso. É preciso continar lutando. Por isso precisamos de utopias", destaca Jean Paul Guevara Avila, embaixador da Bolívia em Paris. Ele acredita que a experiência latino-americana pode servir para mostrar aos europeus uma outra forma de viver. Já para Paulo Campos, embaixador do Brasil em Paris e anfitrião de um dos debates realizado em parceria com o Clacso, é importante apresentar a versão latino-americana sobre a nossa própria região. Para tanto, ele destaca a importância de que os intelectuais latino-americanos debatam a região e apresentem suas próprias visões do que se passa.
*Nina Santos, 28, é jornalista e doutoranda no Centro de Centro de Análise e Pesquisa Interdisciplinar sobre Mídia (CARISM) da Université Panthéon-Assas.
http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/217386/%E2%80%98Coniv%C3%AAncia-com-corrup%C3%A7%C3%A3o-na-Am%C3%A9rica-Latina-%C3%A9-muito-menor-hoje%E2%80%99.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário