quarta-feira, 25 de abril de 2018

Inimigos do Brasil agem assim:

Eletrobras pagou quase R$ 2 milhões para que falassem mal da própria empresa

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Congresso em Foco - Em busca de uma mobilização da opinião pública e formação de ambiente favorável para sua privatização, a Eletrobras traçou como estratégia a divulgação de um cenário de mazelas e problemas da estatal, revela a Agência Sportlight de Jornalismo Investigativo. Esse movimento, segundo a apuração do repórter Lúcio de Castro, começou em 20 de setembro de 2017, quando a empresa assinou, sem licitação, contrato com a RP Brasil Comunicações, do grupo FSB Comunicação, a maior assessoria de imprensa do país.

De acordo com a reportagem “Atual gestão da Eletrobras pagou quase R$ 2 milhões para que falassem mal da própria empresa”, a agência acionou os chamados formadores de opinião, comentaristas econômicos, colunistas e repórteres em geral para mostrar um cenário que tornasse urgente a privatização, acelerada pela pressa do governo federal em concretizar o negócio.

A polêmica se dá em torno do objeto do contrato ECE-DJS 1252/2017, obtido pela reportagem via Lei de Acesso à Informação (LAI): “assessorar a Eletrobras na comunicação relativa ao projeto de acionista majoritário de desestatização da empresa”.

Leia a reportagem na íntegra.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/economia/352441/Eletrobras-pagou-quase-R$-2-milh%C3%B5es-para-que-falassem-mal-da-pr%C3%B3pria-empresa.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário