terça-feira, 13 de outubro de 2015

Eduardo Cunha ficou nu

 

 Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil:

O que provocou o adiamento da decisão acerca do último pedido de impeachment da presidente Dilma, que estava marcado para hoje não foi a desculpa esfarrapada que o ainda presidente da Câmara Eduardo Cunha deu ao sair da reunião de líderes que manteve esta manhã, que o motivo teria sido a necessidade de esperar um aditamento ao pedido com a inclusão de provas de que houve pedaladas também em 2015. Não foi nada disso.

O que paralisou os movimentos de Cunha foi a decisão do STF de hoje anulando o rito de impeachment anunciado por ele, considerado autocrático pelos ministros do Supremo.

A manobra inventada por Cunha de que, com maioria simples, o plenário poderia dar o pontapé inicial no processo foi derrubada pelos ministros por ser inconstitucional – ele é useiro e vezeiro em manobras inconstitucionais - o que foi um baque nas suas pretensões e no seu acordo com a oposição que ruiu fragorosamente (deu para ouvir o barulho em São Paulo).

Para ganhar tempo e pensar no que fazer agora ele jogou a decisão para a semana que vem, mas todas as janelas do Congresso sabem que a oposição e Cunha não têm 342 votos pelo impeachment nem que a vaca tussa. E sem 342 votos não tem impeachment.

Pobre Cunha. Durante dez meses mandou na Câmara como se fosse o dono do mundo. Deitava e rolava, ditava o ritmo das votações, manobrava frenética e compulsivamente.

Eis que, de uma sentada só, ele perde o trunfo que tinha com a oposição – o poder de iniciar o impeachment com maioria simples – e a força da ameaça que representava para o governo a mesma manobra.

O rei ficou nu. Colocaram no bolso do Superhomem uma pedra de kriptonita. Tiraram o espinafre do Popeye. Cortaram o cabelo do Sansão.

Brasil 247

Nenhum comentário:

Postar um comentário