segunda-feira, 17 de junho de 2019

Reinaldo Azevedo: demissão de Levy, truculência gratuita e BNDES politizado


247 - Em artigo publicado no Portal UOL, o jornalista Reinaldo Azevedo afirma que "Joaquim Levy pediu demissão neste domingo. Não tinha como ficar. No sábado, dia 15, com a elegância habitual, afirmou Bolsonaro sobre o então presidente do BNDES: "Eu já estou por aqui com o Levy. Falei pra ele demitir esse cara na segunda-feira ou eu demito você, sem passar pelo Paulo Guedes". O tal "cara", no caso, é Marcos Barbosa Pinto, que foi assessor do banco na gestão petista e fora indicado para assumir a diretoria de Mercado de Capitais. A exemplo de Levy, é um nome considerado técnico e tido como profissional de alta reputação pelo mercado. E daí? Bolsonaro acha que ele não tem, vamos dizer, o viés ideológico necessário para a função".

"O próprio Paulo Guedes deixou a fritura de Levy correr solta e também atacou o presidente do BNDES no próprio sábado. Razão do descontentamento? O ministro da Economia exige que uma tal 'caixa preta' da instituição seja aberta, com a exibição de supostos escândalos da era petista. Levy cometeu o erro de querer trabalhar a sério".

"Ainda no sábado, o sempre gentil Bolsonaro disparou: "Essa pessoa, o Levy, já vem há algum tempo não sendo aquilo que foi combinado e aquilo que ele conhece a meu respeito. Ele está com a cabeça a prêmio já há algum tempo". A expressão "cabeça a prêmio" pode ficar bem na boca de caçador de recompensa, capitão do mato ou miliciano. Na de um presidente da República, nunca! Não sei quem assume o lugar de Levy. Será certamente pior do que ele"

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/396963/Reinaldo-Azevedo-demiss%C3%A3o-de-Levy-trucul%C3%AAncia-gratuita-e-BNDES-politizado.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário