sábado, 15 de junho de 2019

Moro orientou Dallagnol a fazer delação seletiva no caso Odebrecht


REUTERS/Rodrigo Paiva

<?XML:NAMESPACE PREFIX = "[default] http://www.w3.org/2000/svg" NS = "http://www.w3.org/2000/svg" />

O ex-juiz Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol tramaram a delação seletiva de executivos da Odebrecht – o que é crime – e selecionaram apenas 30% dos alvos, o que pode ter sido feito de acordo com as preferências políticas e ideológicas da dupla; com isso, em tese, toda a delação da empreiteira pode ser anulada, em razão da orientação do juiz e do procurador de que fizessem algo parcial apenas

15 de Junho de 2019 às 06:33

247 – "Em conversas divulgadas pelo site 'The Intercept Brasil', o ex-juiz e ministro da Justiça, Sergio Moro, orientou o coordenador da Lava Jato Deltan Dallagnol a 'ficar com 30%' da delação da empreiteira Odebrecht", aponta reportagem do portal Uol. Juristas ouvidos pelo UOL consideram o fato grave e defendem investigação das mensagens.

"Num diálogo de 15 de dezembro de 2016, quando faltava um dia para serem concluídos os depoimentos de executivos da empreiteira, Deltan Dallagnol, procurador do MP (Ministério Público), listou o cargo de 372 políticos brasileiros na delação. Ele informou para o então juiz Moro que cerca de 30% dos casos eram de crimes de corrupção, 30% de caixa dois e 40%, de uma 'zona cinzenta' a ser apurada. Em resposta, o então magistrado afirmou ser 'melhor ficar com os 30 por cento iniciais'", aponta o texto de Eduardo Militão.

O presidente regional da Anacrim (Associação Nacional de Advocacia Criminal), Bruno Espiñera, disse que, mesmo para o Ministério Público, a lei não permite selecionar o que investigar e o que não investigar. Com relação ao Ministério Público, se há 100 envolvidos nos fatos, ele tem que investigar os 100. Não pode dizer que 70% tem político ou tem gente com poder grande e não deveria ter investigação. "É inominável em qualquer democracia. É assustador."

Abaixo, o diálogo, de 15 de dezembro de 2016

Deltan - 16:01:03* - Caro, favor não passar pra frente:
Deltan - 16:01:03* - Odebrecht (favor manter aqui): 9 presidentes (1 em exercício), 29 ministros (8 em exercício), 3 secretários federais, 34 senadores (21 em exercício), 82 deputados (41 em exercício), 63 governadores (11 em exercício), 17 deputados estaduais, 88 prefeitos e 15 vereadores
Deltan - 16:01:03* - 62 deputados/senadores em exercício. Com governadores dá 73
Deltan - 16:01:03* - 301 políticos na relação
Deltan - 16:01:03* - Mais 72 políticos estrangeiros
Deltan - 16:04:40 - brasileiros são políticos por cargo que OCUPA, OCUPOU OU [sic] PARA O QUAL SE CANDIDATOU
Deltan - 16:04:45 - por isso os 9 presidentes
Moro - 17:22:10 - Tudo isso corrupção e lavagem ou muitos casos de cx2?
Deltan - 17:25:21 - Para dizer, teria que olhar um a um. Não temos esse levantamento ainda. Intuitivamente, com base nas leituras e análises: 30% claramente propina: eles e nós reconhecemos 40% zona cinzenta: depende de diligências ou análises 30% claramente caixa 2 e nós concordamos
Deltan - 17:51:34 - As doações via caixa 1 sem indícios de contrapartida não entram nisso. Ficam fora.
Moro - 18:32:37 - Opinião: melhor ficar com os 30 por cento iniciais. Muitos inimigos e que transcendem a capacidade institucional do mp e judiciário.
Moro - 18:32:46 - Reservado obviamente
Deltan - 19:00:34 - [sinal de positivo com as mãos]

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/sul/396827/Moro-orientou-Dallagnol-a-fazer-dela%C3%A7%C3%A3o-seletiva-no-caso-Odebrecht.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário