quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

DEFESA DE LULA REBATE PROCURADOR QUE APONTOU ‘AGRESSIVIDADE’


247 - Os advogados do ex-presidente Lula Cristiano Zanin Martins e Roberto Teixeira rebateram em nota nesta quarta-feira 14 as declarações do procurador José Robalinho, que saiu em defesa do juiz Sérgio Moro, da Lava Jato. "Na Lava Jato não houve abuso, só os advogados do ex-presidente Lula é que têm usado como tática ser particularmente agressivos", declarou o procurador em um evento em São Paulo, segundo a coluna do Estadão. Para a defesa de Lula, o procurador vive em uma "realidade paralela" e "os advogados têm assegurado por lei o direito de apresentar questões de ordem em audiência". Leia abaixo a íntegra da nota: Nota A afirmação do presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) de que "na Lava Jato não houve abusos, só os advogados do ex-presidente Lula é que têm usado como tática ser particularmente agressivos" (Coluna do Estadão, 14/12) revela que o dirigente vive uma realidade paralela aos fatos. Lula e seus advogados têm sido alvo de diversas medidas arbitrárias e ilegais praticadas na Lava Jato desde março de 2016. A denúncia apresentada em 16/09 por um grupo de procuradores da república em rede nacional com uso de PowerPoint, além de claramente ferir garantias fundamentais, mostrou-se completamente equivocada após a coleta do depoimento de 23 testemunhas selecionadas pelo próprio Ministério Público Federal. Essas testemunhas não confirmaram a acusação formulada contra Lula. Uma das principais funções do Ministério Público, conforme a Constituição Federal, é a de zelar pelo cumprimento do ordenamento jurídico. Interesses corporativos não podem se sobrepor a esse mandamento constitucional. Os advogados têm assegurado por lei o direito de apresentar questões de ordem em audiência. Se o magistrado se recusa a ouvir e eleva a voz para impedir que os argumentos sejam apresentados, caberia ao Ministério Público intervir a favor dos advogados para assegurar o cumprimento da lei. O que não tem acontecido. Não é papel do presidente da ANPR emitir opinião sobre processos judiciais estranhos à entidade. Mas se assim o fizer, pelo menos se espera que o dirigente conheça melhor os fatos. Cristiano Zanin Martins e Roberto Teixeira http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/270542/Defesa-de-Lula-rebate-procurador-que-apontou-%E2%80%98agressividade%E2%80%99.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário